8 Invenções inovadoras da segunda revolução industrial

8 Invenções inovadoras da segunda revolução industrial


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A Segunda Revolução Industrial, que durou do final de 1800 ao início de 1900, viu uma onda de novas tecnologias e invenções que levaram a mudanças dramáticas na economia e na forma como as pessoas viviam e trabalhavam na Europa, Grã-Bretanha e especialmente nos Estados Unidos.

Siderúrgicas, fábricas de produtos químicos e grandes fábricas bombearam grandes quantidades de bens de consumo, luz e energia elétrica avançadas e novas formas de transporte e comunicação conectaram as pessoas mais do que nunca. O equipamento agrícola mecanizado mudou a forma como os alimentos eram produzidos e transformou a agricultura numa grande indústria.

Foi também um período em que os inovadores ousaram sonhar alto e assumir grandes riscos, seja criando novas invenções ou encontrando maneiras de tornar os produtos existentes com mais eficiência. Como resultado, alguns fizeram fortunas enormes.

“Uma das razões para este período de grande inventividade, das décadas de 1870 a 1920, foi a crescente complexidade e interdependência dos processos de produção, o que permitiu que designers e engenheiros identificassem os principais gargalos e pontos de ineficiência que retardavam ou bloqueavam o progresso”, explica Philip Scranton , professor emérito de história da indústria e tecnologia da Rutgers University e autor de Novidade infinita: Produção especializada e industrialização americana, 1865-1925. “Enfrentar esses desafios com sucesso pode render patentes e lucros, incentivos sérios para tentar encontrar uma solução.”

Aqui estão oito invenções significativas da Segunda Revolução Industrial.

O freio a ar

Os trens foram inventados antes da Segunda Revolução Industrial, mas ocorriam acidentes frequentes porque desacelerá-los e pará-los era um processo complicado. Então veio George Westinghouse, um engenheiro autodidata que abandonou a faculdade depois de três meses porque estava muito ocupado inventando coisas. Em 1872, ele obteve a patente de um sistema engenhoso que usava a pressão do ar para manter os freios do trem desligados; quando o engenheiro do trem reduziu a pressão, os freios desaceleraram as rodas e o trem parou com precisão. Os freios a ar da Westinghouse ajudaram a tornar possível o rápido crescimento das ferrovias como um meio seguro e confiável de transportar pessoas e mercadorias em todo o país.

ASSISTIR: Maravilhas Modernas na HISTÓRIA Vault

A lâmpada

Thomas Edison, talvez o inventor mais famoso da história americana, criou muitas de suas inúmeras inovações, desde o fonógrafo e a câmera de cinema até a bateria alcalina, durante a Segunda Revolução Industrial. Mas talvez sua descoberta mais influente tenha sido a invenção e o marketing da primeira lâmpada incandescente de longa duração e prática para uso generalizado.

Edison teve a ideia de colocar um filamento de bambu carbonizado dentro de uma lâmpada a vácuo e, em seguida, aquecê-lo para produzir luz. Ele continuou mexendo em sua criação e acabou aprimorando tanto suas lâmpadas que podiam durar 1.200 horas. A "lâmpada elétrica" ​​de Edison, pela qual ele obteve uma patente em janeiro de 1880, iluminou casas e empresas em todo o país e ajudou a criar uma cultura interna que definia seus dias pelo relógio, em vez de pelo nascer e pôr do sol.

LEIA MAIS: Quando Thomas Edison transformou a noite em dia

Refinamento de petróleo

No início dos anos 1900, William Burton, químico e executivo da Standard Oil Co. em Indiana, desenvolveu um processo no qual o óleo cru era colocado dentro de um contêiner e aquecido até atingir uma temperatura de mais de 700 graus Fahrenheit. Nessa temperatura, o óleo se dividiu em subprodutos mais simples e úteis. Burton “nos deu a variedade de destilados que vão do óleo combustível à gasolina e produtos básicos da petroquímica”, explica Scranton. “Sem rachaduras, sem rodovias interestaduais.”

O teclado de máquina de escrever QWERTY

Como muitas invenções modernas, a máquina de escrever não foi o resultado de um único gênio, mas foi gradualmente desenvolvida por uma sucessão de visionários a partir de meados do século XVIII. Mas foi só na década de 1870 que as primeiras máquinas de escrever realmente práticas foram colocadas à venda. Em 1878, o visionário da datilografia Christopher Latham Sholes, um ex-jornalista e inspetor alfandegário, teve a ideia de equipar uma máquina de escrever com um teclado QWERTY, cujo arranjo de letras foi projetado para desacelerar ligeiramente os dedos dos digitadores e impedir que as máquinas de escrever travem.

O teclado QWERTY triunfou sobre outros arranjos de teclas e se tornou o sistema de escolha popular. Mark Twain usou o sistema para digitar seu romance de 1883 Vida no Mississippi, que pode ter sido a primeira obra literária composta em uma máquina de escrever.

LEIA MAIS: Como a segunda revolução industrial mudou a vida das pessoas

O arranha-céu

O Edifício do Seguro Residencial de Chicago, concluído em 1885, foi o primeiro arranha-céu moderno com uma estrutura de metal, o que permitiu um edifício mais alto sem o enorme peso da alvenaria tradicional. O engenheiro e arquiteto William Le Baron Jenney desenvolveu o projeto, que utilizou vigas I de aço laminadas na fábrica Carnegie em Pittsburgh.

Foi o primeiro uso de aço em um edifício nos Estados Unidos e marcou o início de uma era em que edifícios de escritórios altos e torres de escritórios se erguiam em centros urbanos de todo o país. Essa mudança alterou drasticamente a aparência das cidades e possibilitou que um número muito maior de pessoas vivesse e trabalhasse nelas.

LEIA MAIS: 10 fatos surpreendentes sobre o Empire State Building

O trator

Antes do advento da agricultura mecanizada, os fazendeiros deviam dedicar uma parte de sua área cultivada à produção de grãos para alimentar cavalos e mulas, pois esses animais os ajudavam a trabalhar a terra. Na década de 1890, os fazendeiros já usavam máquinas movidas a vapor, mas as máquinas eram pesadas e perigosas, pois uma faísca da caldeira poderia incendiar um campo.

Mas um inventor de Iowa chamado John Froelich concebeu uma solução. Com a ajuda de seu mecânico, Will Mann, Froelich substituiu o aparelho a vapor por um motor monocilíndrico movido a gasolina. Depois de experimentar a máquina modificada nos grandes campos de Dakota do Sul, ele a mostrou a alguns empresários de Iowa, que formaram a Waterloo Gasoline Traction Engine Company. O negócio demorou um pouco para engrenar, mas em 1914, seu modelo R Waterloo Boy Tractor se tornou um grande vendedor, de acordo com o Froelich Tractor Museum. Os tratores movidos a gás provaram ser essenciais para aumentar a produtividade agrícola e permitir que os fazendeiros americanos alimentem uma população crescente.

The Safety Razor

Nos dias em que a única escolha dos homens para fazer a barba era uma navalha que precisava ser regularmente afiada com uma alça, era mais seguro e mais conveniente deixar a barba crescer.

Mas em 1895, um caixeiro viajante chamado King Gillette teve a ideia de uma navalha com cabo que usava uma lâmina de metal descartável que podia ser descartada no lixo e substituída quando eventualmente ficasse cega. Inicialmente, metalúrgicos do Instituto de Tecnologia de Massachusetts disseram a ele que a ideia não funcionaria, mas, eventualmente, ele encontrou um engenheiro formado na mesma universidade, William Emery, que foi capaz de criar a lâmina. Em 1901, Gillette e Nickerson formaram a American Safety Razor Company, e a Gillette obteve a patente do aparelho de barbear com lâminas descartáveis ​​em 1904.

The Wireless

A invenção do telégrafo em 1844 possibilitou que as pessoas se comunicassem pela primeira vez instantaneamente em longas distâncias, mas ainda eram limitadas pela necessidade de ter quilômetros de fios instalados para conectar o emissor e o receptor.

Mas a partir de meados da década de 1890, um inventor italiano chamado Guglielmo Marconi desenvolveu um método melhor - transmitir mensagens por ondas de rádio. Marconi não recebeu muito incentivo em seu próprio país, então ele se mudou para a Inglaterra e formou uma empresa de telégrafo sem fio. Em 1899, a tecnologia de Marconi era capaz de enviar mensagens através do canal inglês e de navios.

Em 1901, ele alcançou outro sucesso ainda mais espetacular, quando uma estação de telégrafo sem fio em Cornwall, Inglaterra, transmitiu com sucesso uma mensagem através do Oceano Atlântico para outra de suas estações em St. John’s, Newfoundland. A descoberta de Marconi foi o início das comunicações globais que levaram aos telefones móveis do mundo moderno e à Internet conectando bilhões de pessoas.


Invenções significativas durante a revolução tecnológica

Revolução nos transportes

Foi uma das revoluções significativas que ocorreram nessa época. Transformou a maneira como as pessoas viviam, viajavam e trabalhavam. A invenção da máquina a vapor e do motor de combustão interna no século 19 modificou radicalmente a transferência de mercadorias e passageiros. Somando-se a isso, o advento do automóvel e dos aviões no século 20 causou um crescimento exponencial no transporte e o revolucionou ainda mais.

Automóvel: Em 1885, Karl Benz & # 8217s Motorwagen, movido por motor de combustão interna, foi o primeiro automóvel inventado. Foi improvisado por Henry Ford e com suas habilidades de marketing, o automóvel não estava longe do alcance das pessoas. O efeito do automóvel foi enorme entre as pessoas e todos começaram a comprá-lo. Além disso, a indústria automobilística contribuiu de forma significativa para o crescimento econômico do país.

Ferrovias transcontinentais: Durante 1869, a ferrovia transcontinental foi construída nos Estados Unidos da América pela Central Pacific Railroad da Califórnia e pela Union Pacific Railroad. Ele liga os Estados Unidos de leste a oeste.

Modelo T Ford: O Modelo T é um automóvel construído em 1908, pela Ford Motor Company. O carro era muito popular naquela época e também era acessível para pessoas de classe média. A inovação da linha de montagem da empresa Ford tornou o carro muito popular entre os americanos.

Avião: A humanidade sempre sonhou em subir ao céu com a inspiração da máquina voadora de Leonardo da Vinci & # 8217 e as asas de cera míticas de Dédalo e Ícaro. Em 1903, dois irmãos americanos, Wilbur e Orville Wright converteram os sonhos em realidade ao construir a primeira máquina voadora real chamada & # 8216Airplane & # 8217. Sua tentativa atingiu as pessoas e o século 20 testemunhou o crescimento mais influente no transporte.

Revolução da comunicação

Durante o século 19, uma série de inovações tecnológicas alterou drasticamente a forma de comunicação, comércio, negócios e troca de ideias no mundo.

Telefone: Em 1876, Alexander Graham Bell, inventou um dispositivo chamado Telefone. Suas experiências com o som, para fazer os surdos se comunicarem, levaram à invenção do telefone. O telefone desempenha um papel indispensável em nossas vidas. Mesmo assim, os telefones celulares tentam substituir o telefone nos dias de hoje, o revolucionário Alexander Graham Bell do século 19 foi o pioneiro e a revolução que ele fez, levou o mundo a uma fase inimaginável.

Sinal Transatlântico: Em 1901, Marconi demonstrou o primeiro sinal transatlântico usando código Morse e telegrafia sem fio. A telegrafia sem fio foi inventada e amplamente utilizada em navios para comunicação, enviando e recebendo sinais. Durante 1912, o navio Titanic enviou pedidos de socorro para o seu resgate aos navios próximos usando sinais transatlânticos do mar. Em 1906, o primeiro sinal de voz humana foi transmitido por meio de transmissões de rádio usando ondas aéreas de Marconi.

Fonógrafo: Em 1877, Thomas Alva Edison inventou o fonógrafo. É uma máquina na qual discos rotativos fazem uma caneta vibrar e as vibrações são amplificadas acústica e eletronicamente.

Revolução Militar

Metralhadora: Richard Gatling, um inventor americano inventou a Gatling Gun em 1862. Esta foi a primeira metralhadora automática. Isso gerou uma nova gama de armas automáticas que se tornaria uma das mais importantes em várias batalhas, incluindo a Guerra Civil Americana e as Guerras Mundiais.

Torpedo: Em 1866, Robert Whitehead, um engenheiro inglês, produziu o primeiro míssil subaquático automotor. Desde então, os torpedos não se desviaram muito do design original feito por Whitehead.

Revolução do aço

Na década de 1850, um processo denominado & # 8216Bessemer process & # 8217 foi desenvolvido para a produção de aço. O princípio chave deste processo é a remoção de impurezas do ferro por oxidação, em um forno. O processo foi amplamente utilizado nas indústrias e o custo do aço diminuiu para números menores. Principalmente o ferro foi usado para construir edifícios, navios e pontes. Mas após a revolução, os fabricantes e construtores mudaram para o aço.

Revolução da energia elétrica

Em 1870, a lâmpada de filamento de carbono foi desenvolvida por Sir Joseph Swan e Thomas Edison. Esta lâmpada é semelhante à lâmpada elétrica que usamos hoje. Esses dois cientistas se combinaram e formaram uma empresa conjunta chamada Swan e Edison. Esta empresa produziu a primeira lâmpada elétrica. Usando o princípio de Faraday & # 8217, o motor elétrico foi construído em 1870. A partir de então, o motor elétrico foi aceito como uma força motriz nas indústrias de transporte. Mais tarde, em 1888, motor elétrico de indução foi inventado por Nikola Tesla.

As inovações e invenções da revolução tecnológica são os fatores que contribuem para a vida moderna que vivemos hoje. Os cientistas e pessoas que fizeram essas revoluções são bem conceituados mesmo agora, por sua inteligência e disposição altruísta. A revolução tecnológica aumentou o padrão de nossa vida e ainda continua a impulsionar nossa economia.


Gestão Moderna

A mecanização do processo de fabricação permitiu que os trabalhadores fossem mais produtivos em menos tempo e as fábricas operassem com mais eficiência.

Objetivos de aprendizado

Descreva a ascensão das práticas de gestão modernas

Principais vantagens

Pontos chave

  • Muitos dos novos trabalhadores eram trabalhadores não qualificados que realizavam tarefas simples e repetitivas.
  • Novos sistemas de gestão com cadeias de comando claras e sistemas burocráticos complexos começaram com as empresas ferroviárias e se espalharam pelas empresas americanas.
  • Muitos novos empregos de colarinho azul apareceram na indústria, bem como empregos de colarinho branco para gerentes.
  • No início dos anos 1900, os Estados Unidos tinham a maior renda per capita e produção industrial do mundo, com rendas per capita duas vezes maiores que as da Alemanha e da França e 50% mais altas que as da Grã-Bretanha.

Termos chave

  • mecanização: A utilização de máquinas para substituir a mão-de-obra humana ou animal, especialmente na agricultura e na indústria.
  • gestão: Administração o processo ou prática de dirigir uma organização.
  • eficiência: Até que ponto o tempo é bem usado para a tarefa pretendida.

Manufatura

Frederick Winslow Taylor: Frederick Winslow Taylor, um engenheiro mecânico com formação, é frequentemente creditado por inventar a gestão científica e melhorar a eficiência industrial.

A Era Dourada foi marcada pelo aumento da mecanização na manufatura. As empresas buscaram maneiras mais baratas e eficientes de criar produtos. Funcionários corporativos usaram várias técnicas, como cronometrar seus funcionários com cronômetros e usar a fotografia em movimento, para estudar o processo de produção e melhorar a eficiência. Frederick Winslow Taylor observou que o uso de maquinário mais avançado pode melhorar a eficiência na produção de aço, exigindo que os trabalhadores façam menos movimentos em menos tempo. Seu redesenho aumentou a velocidade das máquinas da fábrica e a produtividade das fábricas, reduzindo a necessidade de mão de obra qualificada. As fábricas tornaram-se um conjunto de trabalhadores não qualificados realizando tarefas simples e repetitivas sob a direção de capatazes e engenheiros qualificados. Oficinas de máquinas, compostas por trabalhadores e engenheiros altamente qualificados, cresceram rapidamente. O número de trabalhadores não qualificados e qualificados aumentou à medida que seus salários aumentaram. As faculdades de engenharia foram estabelecidas para atender à enorme demanda por especialização.

Empresas e gestão de ferrovias

As ferrovias deram origem ao desenvolvimento de técnicas modernas de gestão, como o uso de cadeias de comando claras, relatórios estatísticos e sistemas burocráticos complexos. As empresas ferroviárias sistematizaram os papéis dos gerentes de nível médio e estabeleceram planos de carreira explícitos. Eles contrataram rapazes com idade entre 18 e 21 anos e os promoveram internamente até que um homem atingisse o status de engenheiro de locomotivas, maestro ou agente de estação aos 40 anos ou mais. Os trilhos de carreira foram oferecidos a operários e gerentes de colarinho branco qualificados, começando nas ferrovias e expandindo-se para finanças, manufatura e comércio. Junto com o rápido crescimento das pequenas empresas, uma nova classe média estava crescendo rapidamente, especialmente nas cidades do norte. Extensas redes nacionais de transporte e comunicação foram criadas. A corporação tornou-se a forma dominante de organização empresarial e uma revolução gerencial transformou as operações comerciais. No início dos anos 1900, os Estados Unidos tinham a maior renda per capita e produção industrial do mundo, com rendas per capita duas vezes maiores que as da Alemanha e da França e 50% mais altas que as da Grã-Bretanha.


8 invenções que mudaram a guerra e o curso da história

Em tempos pré-históricos, a luta consistia em emboscar seu alvo, isso até que as pessoas se acomodassem e encontrassem maneiras de fortificar seus assentamentos. A fortificação foi introduzida pelos fazendeiros sedentários das civilizações nascentes que começaram a acumular recursos além de suas necessidades básicas. O uso de pedra e lama substituiu a madeira na construção e foi a base para comunidades fortificadas e, eventualmente, cidades-estado. Uma das primeiras evidências de fortificação é encontrada na antiga cidade de Uruk, no Eufrates, em 2900 aC. A fortificação inspirou séculos de engenharia de cerco.

2- A Carruagem de Madeira

As carruagens de madeira foram rotuladas como as “super armas” do mundo antigo. Com duas rodas raiadas na parte traseira e dois ou quatro cavalos na frente, a carruagem avançou com velocidade sem precedentes, criando horror dentro das linhas dos inimigos. A carruagem de madeira foi evidenciada pela primeira vez no Levante em 1700 AEC. Foi usado intensamente durante séculos, mas seu súbito desaparecimento em 1200 aC deixou os historiadores com muito o que especular.

3- O estribo

Embora os romanos se destacassem na engenharia de cerco, a dinâmica da guerra permaneceu praticamente a mesma até a Idade Média - a era dos cavaleiros e cavalos também. O estribo chegou à Europa no século VIII, dando ao cavaleiro estabilidade no cavalo e tornando seus golpes (com a lança ou espada) mais eficientes do que nunca no campo de batalha. Esta estrutura simples pendurada na sela para segurar os pés do cavaleiro teve um efeito enorme no uso da cavalaria na guerra e provavelmente contribuiu para o fluxo de literatura que girava em torno da cavalaria.

4- A Revolução da Pólvora

Esta não é apenas uma importante tecnologia de guerra, é uma das invenções mais cruciais da história, uma vez que seu uso instigou mudanças além do campo de batalha.Primeiro, essa invenção devastou toda a ordem feudal na Europa - cavaleiros habilidosos e castelos fortificados foram facilmente derrubados pelo disparo de canhões. Como resultado, ocorreu uma mudança social e # 8211 os plebeus se ergueram em virtude de sua capacidade de atirar em batalhas e a nobreza lentamente se desmantelou à medida que perdiam sua supremacia militar. O número de mortos aumentou significativamente na guerra terrestre e naval após a pólvora, mas seu efeito revolucionário não terminou aí. Com a pólvora, "matar" se tornou uma questão indiferente e uma tarefa mais fácil. Nas batalhas terrestres, criou um novo ciclo para a infantaria, mas em que a matança carecia da honra e da coragem dos séculos anteriores. No mar, desencadeou uma era de pirataria e sua presença possibilitaria a guerra aérea alguns séculos depois. Mais importante ainda, a pólvora marcou o início da "energia química" na guerra. Como disse Alex Roland, “a escala de morte e destruição desencadeada pela guerra durante o restante do segundo milênio EC mexe com a imaginação humana”. A pólvora apareceu pela primeira vez na Europa em 1241 e logo se tornou a arma que fortaleceu o imperialismo.

5- Tanques

Os tanques foram as carruagens da guerra moderna. No início do século 20, franceses e ingleses possuíam sofisticadas indústrias automobilísticas e competiam para inventar um veículo blindado de combate. O tanque foi inspirado nos tratores agrícolas, só que era um veículo que incorporava “blindagem, poder de fogo, e mobilidade todo-o-terreno. ” O primeiro tanque apareceu em 1915 na Grã-Bretanha como um ‘Landship’. Os franceses o seguiram em breve e, em 1917, os primeiros tanques franceses que apareceram em cena foram os Renaults. Os tanques foram usados ​​pela primeira vez no campo de batalha durante a Primeira Guerra Mundial, na batalha de Flers-Courcelette, na qual a frente anglo-francesa se enfrentou com os russos. O modelo ainda não estava maduro e muitos quebraram, portanto, inicialmente, seus resultados foram mínimos. No entanto, nas décadas seguintes, o tanque provou ser uma arma poderosa ao cruzar trincheiras, infiltrar-se no arame farpado, dispersar a infantaria e resistir à artilharia de alto explosivo.

6- O avião

O dom de voar alterou nosso mundo para sempre, mas com uma oportunidade maior de viajar e explorar, vieram opções de destruição iguais. A guerra aérea ocorreu pela primeira vez na Primeira Guerra Mundial. Na época, essas embarcações provisórias eram usadas principalmente para observação e troca de tiros entre si, mas na segunda guerra mundial sua destruição estava completa. Aeronaves militares foram direcionadas a alvos-chave e resultaram em causalidade civil significativa. A aerodinâmica avançada e os esforços especialmente dedicados à engenharia de caças mais intrincados tornaram o avião a "arma mais importante da guerra moderna desde a Segunda Guerra Mundial". Seu desenvolvimento inspirou outras tecnologias x, como os radares de ondas curtas e longas, redes de computadores e sistemas de navegação de longo alcance para o surgimento de mais ‘bombardeios de precisão’. Para os historiadores, a Segunda Guerra Mundial foi inovadora na história da guerra, pois utilizou a revolução industrial como nenhuma outra e foi capaz de trazer muitas invenções tecnológicas para o campo de batalha.

7- A Era Nuclear

Finalmente, os humanos inventaram o que poderia acabar com a comunidade humana de uma vez e com a vida na Terra como a conhecemos. Usado pela primeira vez após a Segunda Guerra Mundial, as repercussões da bomba atômica provaram ser prejudiciais e, portanto, silenciosamente parou as guerras interestaduais. Desde a Primeira Guerra Mundial, o mundo só testemunhou rebeliões, insurreições e guerras civis. Como disse Alex Roland, “um tabu contra a guerra nuclear caiu sobre a comunidade humana”. Foi uma invenção que forçou a paz mundial até certo ponto, mas todos observamos com ansiedade e apenas especulamos as repercussões inconcebíveis se o tabu fosse quebrado e outra guerra mundial ocorresse.

8- Redes Sociais

A última década testemunhou um aumento nas plataformas de interação social e troca de informações. Mas a mídia social rapidamente provou ser uma faca de dois gumes. Em alguns casos, expõe injustiças e em outros pode resultar nelas. Informações distorcidas e imagens alteradas podem direcionar o pensamento, alimentar o ódio e resultar em explosões de violência contra certos grupos. O fato é que seu impacto é significativo e já provou sua capacidade de mobilizar massas, instigar rebeliões e até guerras civis. A mídia social pode ser uma arma tão mortal quanto algumas das mencionadas acima.

O armamento foi remodelado como tudo em nossas vidas. Os avanços tecnológicos facilitaram muitos aspectos de nossas vidas - e igualmente nossa morte. Cada era desenvolvida significa uma matança mais eficiente e indiferente. A história da guerra é uma visão fascinante das partes mais sombrias da ingenuidade humana. Nosso desejo de controlar os recursos nos levou a todo o caminho para destruir potencialmente a própria fonte desses recursos e também nossas vidas. O que o mundo precisa hoje não são mais invenções militares, mas mentes que possam criar paz e falar sabedoria.


Principais invenções durante a Revolução Industrial

A Revolução Industrial foi o resultado de invenções científicas que levaram à mecanização da indústria têxtil, à melhoria das estradas e redes ferroviárias e ao desenvolvimento de técnicas de fabricação de ferro. Uma série de invenções começou no início do século 18, que desencadeou grandes desenvolvimentos que se seguiram logo depois. Este artigo ScienceStruck é sobre algumas das invenções mais importantes e interessantes feitas durante a Revolução Industrial.

A broca de sementes

Ano & # 8211 1701
Desenvolvido por & # 8211 Jethro Tull

Antes da invenção da semeadora, as sementes eram plantadas manualmente. Esse processo era demorado e também envolvia mão de obra intensiva. O semeador ajudou a semear em posições específicas e também a cobri-las. Esse dispositivo aumentou a taxa de produtividade da cultura em cerca de nove vezes e também barateou o processo de semeadura, pois exigiu menos mão-de-obra.

Coca-Cola

Ano & # 8211 1709
Inventado por & # 8211 Abraham Darby I

Anteriormente, a madeira e os biocombustíveis eram usados ​​para fundir o ferro. O uso do carvão no processo de fundição, não só ajudou a tornar o processo mais rápido, mas também mais barato. Também ajudou a livrar-se da força de trabalho extra que era empregada para fins de corte de madeira, já que o carvão era mais abundantemente encontrado na maioria das regiões vizinhas.

The Atmospheric Engine / Newcomen Steam Engine

Ano & # 8211 1712
Inventado por & # 8211 Thomas Newcomen

O motor atmosférico funcionava com o princípio de criar um vácuo parcial condensando o vapor sob um pistão, dentro de um cilindro. Era amplamente usado para bombear água das minas. Posteriormente, James Watt improvisou no motor, tornando-o tecnicamente mais eficiente.

The Flying Shuttle

Ano & # 8211 1733
Patenteado por & # 8211 John Kay

A invenção da lançadeira voadora trouxe uma mudança considerável no processo de tecelagem. Funcionava permitindo que a lançadeira carregasse a trama, que deveria passar pelos fios da urdidura, mais rapidamente sobre roupas mais largas, permitindo ao tecelão produzir tecidos mais largos em menor tempo. Isso, por sua vez, ajudou a aumentar a produtividade da tecelagem, também ao reduzir a mão de obra envolvida.

The Lightning Rod

Ano & # 8211 1749
Inventado por & # 8211 Benjamin Franklin

O pára-raios foi projetado para proteger edifícios durante quedas de raios. A haste tinha uma ponta pontiaguda e estava aterrada. Durante uma tempestade ou relâmpago, ele coletaria a carga e a tornaria neutra ao aterrá-la. Assim, foi capaz de proteger muitas casas, que estavam sob freqüente ameaça de incêndio por raios. É interessante notar que os pára-raios modernos seguem o mesmo princípio usado por Franklin.

The Spinning Jenny

Ano & # 8211 1764
Inventado por & # 8211 James Hargreaves

Antes da Revolução Industrial, a indústria têxtil britânica e # 8217 trabalhou com a ajuda de artesãos que trabalhavam em casa, usando a roda de fiar e o tear manual. No entanto, os métodos tradicionais de produção de fios restringiam a produção de mercadorias em grande escala. Com a invenção da fiação, os artesãos podiam fiar quase 120 fios por vez, em vez de apenas um único fio.

The Water Frame

Ano & # 8211 1769
Patenteado por & # 8211 Richard Arkwright

A moldura da água era uma moldura giratória que funcionava com o uso da água. Fornecia mais potência ao quadro giratório do que os operados manualmente. Conseqüentemente, não apenas reduziu a quantidade de trabalho necessária, mas também aumentou a contagem do fuso e forneceu um fio muito mais forte do que a fiação.

O motor a vapor

Ano & # 8211 1770
Desenvolvido e reinventado por & # 8211 James Watt

Watt desenvolveu a versão aprimorada da máquina a vapor, mais eficiente do que a inventada por Thomas Savery. Embora conhecida principalmente por seu uso na operação de trens, a máquina a vapor também era usada para operar máquinas em fábricas e minas. O motor era movido a vapor de alta pressão e era capaz de funcionar em locais onde faltava uma fonte de água próxima. Assim, conseguiu superar o problema enfrentado pelo quadro d'água, que só funcionava nos locais onde havia água disponível.

O submarino militar

Ano & # 8211 1775
Inventado por & # 8211 David Bushnell

Bushnell inventou o primeiro submarino militar e chamou-o de & # 8220turtle & # 8221. Movido à mão e capaz de acomodar apenas uma pessoa, foi inventado para realizar operações subaquáticas. Embora tenha falhado em sua primeira missão de destruir um navio da marinha, este submarino ainda se destacou como um protótipo da tecnologia de submarinos dos dias modernos.

A debulhadora

Ano & # 8211 1784
Inventado por & # 8211 Andrew Meikle

A debulhadora foi inventada para separar mecanicamente as sementes ou grãos das cascas e da palha. A máquina pôs fim ao método manual laborioso e demorado que prevalecia por milhares de anos. Também tornou o processo muito mais fácil e rápido.

The Power Loom

Ano & # 8211 1784
Inventado por & # 8211 Edmund Cartwright

A invenção do tear mecânico foi um grande avanço na indústria de tecelagem. Era um tear mecanizado que usava um eixo giratório para transmissão de força. O tear mecânico usava água como fonte de energia em vez de vapor, tornando o processo de tecelagem mais rápido, fácil e barato. Cartwright patenteou o tear mecânico em 1785, um ano após tê-lo inventado.

A turbina a gás

Ano & # 8211 1791
Patenteado por & # 8211 John Barber

A turbina a gás foi usada para impulsionar carruagens sem cavalos. O princípio básico da turbina era produzir energia mecânica a partir de um combustível. Esse princípio é usado no motor de combustão interna e até mesmo nas modernas turbinas a gás, que são usadas para propelir jatos.

The Cotton Gin

Ano & # 8211 1794
Patenteado por & # 8211 Eli Whitney

O descaroçador de algodão permitiu a separação das sementes de algodão das fibras de algodão cru, o que, de outra forma, tinha que ser feito à mão. Esta invenção facilitou a produção em grande escala e com menos força de trabalho. O descaroçador de algodão Whitney & # 8217s era capaz de limpar 23 kg de fiapos todos os dias e provou ser de grande ajuda para a indústria do algodão.

A bateria / pilha voltaica

Ano & # 8211 1800
Inventado por & # 8211 Alessandro Volta

Com base em seus experimentos relacionados à eletricidade, Volta foi capaz de separar os componentes básicos da água, a saber, oxigênio e hidrogênio. Por meio de seus experimentos, ele descobriu que a eletricidade poderia fluir através de um condutor. A ideia o ajudou a produzir a primeira bateria do mundo & # 8217s, que mais tarde veio a ser conhecida como & # 8216pilhavoltaica & # 8217. Em homenagem ao grande cientista, o potencial elétrico, volt, foi batizado em sua homenagem.

A locomotiva

Ano & # 8211 1804
Inventado por & # 8211 Richard Trevithick

A força do vapor foi inicialmente usada por Richard Trevithick para conduzir carruagens nas estradas. Mais tarde, em 1804, ele se tornou a primeira pessoa a utilizar a energia a vapor para movimentar locomotivas nos trilhos. Mais tarde, George Stephenson, um engenheiro da indústria de mineração, desenvolveu ainda mais locomotivas mais potentes e levou ao estabelecimento das duas primeiras ferrovias na Inglaterra (1825 e 1830).

A lâmpada de segurança

Ano & # 8211 1815
Inventado por & # 8211 Humphry Davy

A lâmpada de segurança inventada por Davy teve muito sucesso em salvar os trabalhadores indefesos em minas profundas e escuras. Ele foi projetado para fornecer iluminação, prevenir explosões e informar os trabalhadores sobre qualquer ameaça potencial no subsolo. Assim, ajudou a salvar muitas vidas durante o período da Revolução Industrial.

O eletroímã

Ano & # 8211 1825
Inventado por & # 8211 William Sturgeon

O eletroímã, inventado por Sturgeon, funcionava com base no princípio dos campos magnéticos. Quando a corrente elétrica passou pelo ferro, este foi magnetizado e os outros objetos de ferro foram atraídos para ele. Os eletroímãs, naquela época, eram usados ​​basicamente em sirenes telegráficas. Hoje, eles têm usos versáteis em motores, geradores, sinos, transformadores e assim por diante.

O Heliógrafo

Ano & # 8211 1825
Inventado por & # 8211 Joseph Nicéphore Niépce

Niépce é creditado mundialmente pelo desenvolvimento do heliógrafo, um aparelho usado para enviar mensagens telegráficas usando um espelho para ligar e desligar os raios do sol. Isso o ajudou a produzir a primeira fotografia do mundo & # 8217s, que foi tirada por Niépce depois de esperar por um período de oito longas horas.

O tipógrafo

Ano & # 8211 1829
Patenteado por & # 8211 William Austin Burt

A invenção do tipógrafo resultou no desenvolvimento da digitação e se tornou a ferramenta de escrita com maior potencial na época. A maior parte do uso do tipógrafo foi em escritórios. Escritores e processos de negócios também começaram a usar essa máquina como material básico para imprimir palavras. No período posterior, esta invenção facilitou o desenvolvimento da máquina de escrever.

O dínamo elétrico

Ano & # 8211 1831
Inventado por & # 8211 Michael Faraday

Faraday passou a relacionar seus estudos de indução eletromagnética para inventar o primeiro dínamo, que se diz ser o predecessor dos geradores e alternadores modernos. Mais tarde, o dínamo desenvolvido foi capaz de fornecer energia para indústrias e fábricas em grande escala.

The McCormick Reaper

Ano & # 8211 1834
Patenteado por & # 8211 Cyrus McCormick

A invenção da máquina ceifeira tornou mais fácil para os agricultores colherem sua safra. O ceifeiro conseguia fazer o trabalho de cinco homens sozinho, tornando o processo mais barato e menos trabalhoso. Assim, o trabalho manual acabou sendo substituído por máquinas.

O plantador de milho

Ano & # 8211 1834
Patenteado por & # 8211 Henry Blair

Semelhante a uma semeadora, o plantador de milho ajudou os agricultores a plantar o milho mais rápido e com muita facilidade. Além disso, a máquina também facilitou a redução da mão de obra, que poderia ser utilizada em alguma outra tarefa produtiva. O plantador de milho também ajudou no controle de ervas daninhas. Durante a revolução industrial, Henry Blair se tornou o segundo afro-americano a receber uma patente.

A Hélice Parafuso

Ano & # 8211 1835
Inventado por & # 8211 Francis Pettit Smith

A hélice helicoidal foi projetada para impulsionar barcos a vapor pela energia gerada a partir do movimento rotacional em um fluido. A hélice mais tarde passou a ser usada em grandes navios e fuzileiros navais. Smith também foi o inventor do primeiro navio a vapor de propulsão helicoidal, & # 8220SS Archimedes & # 8221.

O revólver ou arma giratória

Ano & # 8211 1835
Patenteado por & # 8211 Samuel Colt

O revólver ou a arma giratória foi o predecessor das pistolas semiautomáticas dos dias modernos. Embora Colt nunca tenha afirmado ter inventado o revólver, ele foi o primeiro revólver prático do mundo. Embora tenha sido considerada uma arma inovadora nos primeiros dias, rapidamente se tornou uma importante arma de fogo em guerras futuras e foi incorporada às forças armadas.

O Telégrafo e o Código Morse

Ano & # 8211 1836
Inventado por & # 8211 Samuel Morse

Melhorando a invenção do telégrafo de Samuel Sommerring & # 8217s, Samuel Morse desenvolveu o telégrafo elétrico que revolucionou o campo da comunicação de longa distância. Além disso, ele também desenvolveu o código Morse, que foi bastante eficaz para facilitar a comunicação. Como resultado, o primeiro cabo transatlântico foi lançado no ano de 1858.

A bicicleta a pedal

Ano & # 8211 1839
Inventado por & # 8211 Kirkpatrick Macmillan

Esta primeira bicicleta a pedal inventada pela Macmillan foi impulsionada com a ajuda do movimento alternativo horizontal dos pés do ciclista & # 8217s nos pedais, que continua sendo o princípio básico até mesmo para as bicicletas modernas. A invenção da bicicleta ajudou as pessoas a viajarem com mais facilidade e velocidade, além de ser benéfica para economizar muito tempo.

Invenções durante a segunda revolução industrial

A segunda revolução industrial começou na segunda metade do século XIX. Também conhecida como revolução tecnológica, houve muitas invenções no campo da ciência e tecnologia durante esse período. As invenções importantes do período estão listadas abaixo.
(1840-1900)

Invenção Inventor Ano
Facsimilie Alexander Bain 1843
Máquina de costura Elias Howe 1845
Lava-louças Joel Houghton 1850
Planador tripulado George Cayley 1853
Máquina de lavar rotativa Hamilton Smith 1858
Metralhadora Richard Gatling 1862
Dinamite Alfred nobel 1866
Máquina de escrever moderna Christopher Sholes 1867
Mushet Steel Robert Mushet 1868
Telefone Alexander Graham Bell 1876
Cilindro Fonógrafo Thomas Edison 1877
Filme fotográfico George Eastman 1884
Automóvel (motor de combustão interna) Karl Benz 1885
Motocicleta com motor a gás Gottlieb Daimler 1885
Pneumático Comercial John Boyd Dunlop 1888
Motor AC e transformador Nikola Tesla 1888
Escada rolante Jesse W. Reno 1891
Motor a gasóleo Rudolf Diesel 1892
Câmera cinematográfica portátil Irmãos Lumiere 1895
Montanha russa Edwin Prescott 1898
Aspirador de pó movido a motor John Thurman 1899
zepelim Ferdinand von Zeppelin 1900

A Revolução Industrial é uma das épocas mais importantes da história da humanidade. Ele pôs em movimento as engrenagens das invenções científicas e dos avanços técnicos, cujos benefícios ainda estamos colhendo, mesmo depois de dois séculos!

Postagens Relacionadas

Thomas Edison foi um dos maiores inventores da história humana. Ele foi apelidado de "O Mágico de Menlo Park" por um jornalista local, devido à localização de seu vasto

Arquimedes foi um prodígio no campo da matemática e das ciências, onde ultrapassou os limites de ambas as disciplinas para obter um resultado profundo por meio de pesquisa, cálculo e observação cuidadosos. & Hellip

Todo mundo sabe que há 365 dias em um ano. Por que então o Papa decidiu que 1582 duraria apenas 355 dias? Como essa decisão afetou o & hellip


As 10 invenções mais importantes da Primeira Revolução Industrial

1- Moinhos de farinha

Os moinhos de farinha eram máquinas que auxiliavam no processamento da farinha, mas envolviam muito esforço dos operadores.

Oliver Evans, em 1780, queria mudar isso inventando um levantamento vertical que permitia que o grão fosse levantado pelo uso de roldanas.

Da mesma forma, construiu correias transportadoras para transportar a farinha pelo moinho e outra máquina que a passava, tornando-a mais fina e fácil de armazenar.

Desta forma, a fábrica que antes exigia o trabalho de várias pessoas, passou a ser operada por uma única pessoa.

2- A máquina de costura

Embora a máquina de costura já existisse antes da Revolução Industrial, foi Elias Howe quem aprimorou seu desenho para usar duas linhas ao mesmo tempo e aumentar a velocidade de costura.

No entanto, faltava uma modificação porque a máquina só podia ser usada com uma mão, pois era necessário acionar uma manivela para que funcionasse.

Essa foi a modificação que Isaac Singer fez em 1850, substituindo a manivela por um pedal que deixava as pessoas com as duas mãos livres para costurar.

A partir desta invenção, costurar se tornou um processo mais fácil e rápido.

3- Colheitadeira Mecânica de Trigo

O crescimento populacional nos Estados Unidos aumentou a demanda por trigo. Os agricultores não conseguiram atender a essa demanda.

Em 1831, Cyrus McCormick inventou o primeiro ceifeiro, que estava se aprimorando nos dez anos seguintes. A versão final do ceifeiro era puxada por um cavalo, e tinha uma lâmina que cortava o trigo que caía em uma plataforma.

Dessa forma, muito mais trigo poderia ser colhido em menos tempo.

4- Telégrafo

Joseph Henry foi um inventor inovador que experimentou um sistema telegráfico que operava por meio de eletroímãs, mas lutou contra a limitação gerada porque os sinais só podiam viajar através de um fio de um quilômetro de comprimento.

Henry procurou a ajuda de Samuel F. B. Morse, e Morse melhorou o modelo usando uma bateria para eletricidade, um eletroímã e um interruptor elétrico.

Com sua versão, o usuário pressionaria uma manivela fazendo cliques curtos e cliques longos, que formavam um código que ainda é útil em situações em que outras mídias falham.

A primeira linha telegráfica ia de Washington DC a Baltimore. Em menos de uma década, os Estados Unidos estavam conectados por telégrafo e as comunicações podiam ser instantâneas.

5- Máquina de fiar

Foi inventado na Inglaterra por James Hargreaves, em 1741.

Foi uma das máquinas que abriu as portas da Revolução Industrial para ser o primeiro exemplo de mecanização do processo produtivo em uma fábrica. Foi também pioneira no caso particular da indústria têxtil.

Consistia em uma máquina com oito bobinas giradas por uma grande roda. Tinha oito meadas presas a uma viga, estendendo-se da extremidade onde estão os carretéis até a extremidade da roda, em uma moldura horizontal.

Essa configuração permitia que uma única pessoa dirigisse oito ou mais bobinas por vez.

A Jenny Spinning (nome que foi dado à máquina em homenagem à filha do criador) funcionava manualmente e permitia montar até 80 threads simultaneamente.

Anos depois, em 1779, Samuel Crompton inventou a Mule Jenny, que funcionava com energia hidráulica e permitia produzir um fio mais fino e resistente.

6- A máquina a vapor

É um motor de combustão externa que transforma a energia térmica da água em energia mecânica.

Foi amplamente utilizado durante a Revolução Industrial para mover bombas, locomotivas e outros elementos. O processo de operação deste motor ocorre da seguinte forma:

- O vapor de água é gerado pelo aquecimento em caldeira, que é vedada. Isso resulta na expansão de um cilindro que empurra um pistão.

Um mecanismo transforma o movimento do pistão do cilindro em um movimento de rotação que aciona, por exemplo, as rodas de um meio de transporte.

- As válvulas de entrada e saída são utilizadas para controlar a pressão do vapor.

As máquinas a vapor usadas para gerar energia elétrica não são mais pistão, mas passam por um fluxo contínuo de vapor, por isso são chamadas de turbinas a vapor.

Não há consenso sobre quem foi o inventor deste dispositivo, mas a primeira patente de uma moderna máquina a vapor foi registada em 1606 com o nome de Jeronimo de Ayanz e Beaumont.

A máquina a vapor foi substituída pelo motor elétrico (nas indústrias) ou pela combustão interna (no transporte).

7- Ferrovia

É um meio de transporte que tem seu antecedente nas carroças que rodavam sobre carris de madeira nas minas da Transilvania no século XVI.

Esses vagões chegaram à Grã-Bretanha no século XVII para transportar carvão das minas para os portos.

Com o tempo, na Inglaterra as placas de madeira foram substituídas pelas de ferro para aumentar a carga dos vagões, mas como o ferro fundido não suportava o peso começou a pensar no transporte humano.

8- A lâmpada

Thomas Alva Edison figura na história como o criador da lâmpada, mas na verdade foi quem aperfeiçoou a invenção que Humphry Davy fez em 1809.

É um dispositivo que gera luz a partir de energia elétrica. Este fenômeno de luz pode ser produzido por:

- Aquecimento em filamento metálico, graças ao efeito Joule.

- Fluorescência de metais em caso de choque elétrico.

De acordo com a revista Life, a lâmpada é a segunda invenção mais útil do século XIX.

9- Automóvel

É um meio de transporte de pessoas ou mercadorias.

Sua criação é atribuída a Karl Friedrich Benz, em 1886, quando apresentou o primeiro carro de combustão interna em forma de triciclo. E foi sua esposa, Bertha Benz, quem fez a primeira longa viagem (quase 105 quilômetros) de carro.

Henry Ford começou a produzi-los em série graças a uma linha de montagem criada para fazer o modelo T, em 1908.

10- Telefone

Este artefato, tão familiar e útil hoje em dia, surge graças à engenhosidade de Alexander Graham Bell, que em 1876 inventou um aparelho que transmitia sons por cabo através de sinais elétricos.

Mas muito antes, em 1854, Antonio Meucci já havia construído um semelhante em sua casa para se comunicar com sua esposa que estava doente em um quarto no segundo andar. No entanto, ele não tinha dinheiro suficiente para patentear sua invenção.

Passaram-se 113 anos após sua morte para que a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos reconhecesse Meucci como o inventor do telefone.


Thomas Edison

Thomas Edison e sua oficina patentearam 1.093 invenções. Incluídos nisso estavam o fonógrafo, a lâmpada incandescente e o filme. Ele foi o inventor mais famoso de seu tempo e suas invenções tiveram um grande impacto no crescimento e na história da América.


Linha do tempo dos inventores

Linha do tempo dos inventores: as invenções que moldaram a América
Este artigo contém fatos breves e rápidos em um formato de linha do tempo de Inventores, detalhando a história de invenções famosas que moldaram a América durante a Revolução Industrial. A Linha do tempo dos inventores cobre datas e eventos importantes nos anos que antecederam a Guerra Civil até as invenções da segunda Revolução Industrial até a eclosão da 1ª Guerra Mundial (1914). A Linha do tempo dos inventores inclui nomes famosos de inventores americanos e as invenções e descobertas de homens como Eli Whitney, Cyrus McCormick, Samuel Colt, Samuel Morse, Elias Howe, Richard Gatling, Levi Strauss, Thomas Edison, os irmãos Wright e Henry Ford.

Linha do tempo dos inventores: as invenções que moldaram a América
A linha do tempo dos inventores detalha as famosas invenções que moldaram a América. Muitos inventores e descobertas americanos famosos estão incluídos na linha do tempo da história, mas os importantes inventores europeus também foram incluídos. As invenções da Revolução Industrial americana levaram à industrialização da América quando as pessoas mudaram de um ambiente agrícola rural para um ambiente urbano de cidade. Foi uma época de mudanças dramáticas e as pessoas descobriram que suas vidas profissionais não eram governadas pelas estações do ano e pelas tarefas diárias necessárias ao setor agrícola. Os americanos trabalharam seis dias por semana, o que lhes deu algum tempo para o lazer, por isso incluímos invenções como o beisebol e a roda gigante. A roda gigante foi a atração mais popular na Feira Mundial de Chicago de 1893, exibindo invenções americanas e avanços técnicos para mais de 4 milhões de visitantes. A linha do tempo dos inventores fornece uma visão geral rápida dos avanços técnicos, invenções e mudanças sociais que ocorreram em um período de tempo relativamente curto.

Fato 1 da linha do tempo dos inventores: 1744 - Benjamin Franklin - Benjamin Franklin inventa o fogão Franklin e em 1747 o pára-raios. Franklin também inventa o odômetro e óculos bifocais

Fato 2 da linha do tempo dos inventores: 1765 - James Watt - James Watt inventa a primeira máquina a vapor moderna

Fato 3 da linha do tempo dos inventores: 1782 - Jacob Yoder - Jacob Yoder inventa o Flatboat para vias navegáveis ​​interiores

Fato 4 da linha do tempo dos inventores: 1783 - Irmãos Montgolfier - Joseph e Jacques Montgolfier voam o primeiro balão de ar quente

Fato 5 da linha do tempo dos inventores: 1793 - Eli Whitney - Eli Whitney inventa o Cotton Gin - Eli Whitney Cotton Gin

Fato 6 da linha do tempo dos inventores: 1795 - Thomas Jefferson - Thomas Jefferson inventou o Wheel cypher, um sistema de criptografia para criptografar mensagens para evitar a quebra de código

Fato 7 do cronograma dos inventores: 1807 - Robert Fulton - Robert Fulton constrói o primeiro barco a vapor comercial

Fato 8 da linha do tempo dos inventores: 1821 - George Stephenson - George Stephenson é o famoso inventor da primeira locomotiva a vapor para ferrovias

Fato 9 da linha do tempo dos inventores: 1831 - Cyrus McCormick - Cyrus McCormick inventa o ceifeiro puxado por cavalos mecânico - McCormick Reaper

Fato 10 sobre a linha do tempo dos inventores: 1832 - John G. Stephenson - John G. Stephenson constrói o primeiro carro puxado por cavalos

Fato 11 da linha do tempo dos inventores: 1834 - Hiram Moore - Hiram Moore inventou a primeira colheitadeira

Fato 12 da linha do tempo dos inventores: 1836 - Samuel Colt - Samuel Colt inventa o Revólver Colt

Fato 13 da linha do tempo dos inventores: 1836 - John Deere - John Deere inventa o arado leve com fio de aço

Fato 14 da linha do tempo dos inventores: 1837 - Samuel Morse - Samuel Morse desenvolve o Código Morse e a primeira linha telegráfica - Samuel Morse e o Primeiro Telégrafo

Fato 15 da linha do tempo dos inventores: 1839 - Charles Goodyear - Charles Goodyear inventou a primeira borracha vulcanizada

Fato 16 da linha do tempo dos inventores: 1842 - Joseph Dart - Joseph Dart e Robert Dunbar inventam elevadores de grãos movidos a vapor

Fato 17 sobre o cronograma dos inventores: 1845 - Alexander Cartwright - Alexander Cartwright inventou o esporte moderno do beisebol

Fato 18 da linha do tempo dos inventores: 1846 - Elias Howe - Elias Howe inventou a primeira máquina de costura prática do mundo - Elias Howe Sewing Machine

Fato 19 sobre a linha do tempo dos inventores: 1852 - Elisha Otis - Elisha Otis inventou o primeiro freio de segurança para elevadores

Fato 20 da linha do tempo dos inventores: 1853 - George Cayley - George Cayley inventou o primeiro planador tripulado

Fato 21 da linha do tempo dos inventores: 1855 - Henry Bessemer - Henry Bessemer inventa o processo Bessemer para criar aço a partir do ferro

Fato 22 da linha do tempo dos inventores: 1858 - Hamilton Smith - Hamilton Smith patenteia a primeira máquina de lavar rotativa

Fato 23 da linha do tempo dos inventores: 1860 - Daniel Hess - Daniel Hess inventa o aspirador de pó

Fato 24 do cronograma dos inventores: 1861 - Richard Gatling - Richard Gatling inventou a metralhadora Gatling durante a Guerra Civil Americana

Linha do tempo dos inventores As invenções que moldaram a América.

Linha do tempo dos inventores (cont.)
Fatos interessantes e rápidos sobre discriminação racial são fornecidos Linha do tempo dos inventores dos anos 1900, detalhada abaixo. A história da segregação é contada em uma sequência de linha do tempo factual que consiste em uma série de fatos e datas interessantes, curtos e rápidos, fornecendo um método simples de relacionar a história da segregação para crianças, escolas e projetos de lição de casa.

Linha do tempo dos inventores As invenções que moldaram a América.

Fato do cronograma dos inventores 25: 1861 - Horace Hunley - Horace Lawson Hunley desenvolveu o submarino durante a Guerra Civil

Fato 26 sobre o cronograma dos inventores: 1863 - Birdsill Holly - Birdsill Holly inventou a versão moderna do hidrante

Fato 27 do cronograma dos inventores: 1866 - Alfred Nobel - Alfred Bernhard Nobel inventou a dinamite

Fato 28 sobre o cronograma dos inventores: 1866 - Charles Goodnight - Charles Goodnight, que apresenta o conceito do vagão-mandril usado em trilhos de gado por vaqueiros

Fato 29 sobre o cronograma dos inventores: 1867 - Christopher Scholes - Christopher Scholes inventa a primeira máquina de escrever prática e desenvolve o layout de teclado QWERTY

Fato 30 da linha do tempo dos inventores: 1869 - George Westinghouse - George Westinghouse inventou o sistema de freio a ar

Fato 33 da linha do tempo dos inventores: 1876 ​​- Alexander Graham Bell - Alexander Graham Bell foi o inventor do telefone

Fato 34 da linha do tempo dos inventores: 1876 ​​- Carl von Linde - Carl von Linde inventa a geladeira

Fato 35 da linha do tempo dos inventores: 1876 ​​- Nicholaus Otto - Nicholaus Otto inventa o motor de combustão interna

Fato 36 da linha do tempo dos inventores: 1877 - Thomas Alva Edison - Thomas Alva Edison inventou o fonógrafo de cilindro e em 1879 desenvolveu a primeira lâmpada elétrica prática

Fato 37 da linha do tempo dos inventores: 1879 - Joseph Swan - Joseph Swan, inventor da lâmpada elétrica

Fato 38 da linha do tempo dos inventores: 1879 - James Ritty - James Ritty inventou a caixa registradora mecânica

Fato 39 sobre a linha do tempo dos inventores: 1880 - Walter Camp - Walter Camp inventou o esporte moderno do futebol americano

Fato 40 da linha do tempo dos inventores: 1882 - Schuyler Wheeler - Schuyler Skaats Wheeler inventou o primeiro ventilador elétrico

Fato 41 da linha do tempo dos inventores: 1884 - William Le Baron Jenney - O Home Insurance Building foi o primeiro arranha-céu construído, projetado pelo arquiteto William Le Baron Jenney - o primeiro arranha-céu

Fato 42 sobre a linha do tempo dos inventores: 1884 - George Eastman - George Eastman inventa o primeiro filme em rolo e depois a câmera Kodak em 1888

Fato 43 da linha do tempo dos inventores: 1885 - Sylvanus F. Bowser - Sylvanus F. Bowser inventou a bomba de gasolina / gasolina

Fato 44 sobre o cronograma dos inventores: 1887 - John Dunlop - John Dunlop, invenção do pneu pneumático

Fato 45 sobre o cronograma dos inventores: 1887 - Charles Fey - Charles Fey inventou o primeiro & quotone-armado bandido & quot

Fato 46 da linha do tempo dos inventores: 1889 - George Fuller - George Fuller construiu o arranha-céu do edifício Tacoma

Fato 47 do cronograma dos inventores: 1889 - Daimler e Benz - Gottlieb Daimler e Karl Benz First 4 Wheel Automobile

Fato 48 do cronograma dos inventores: 1891 - Jesse W. Reno - Jesse W. Reno inventou a escada rolante

Fato 49 sobre a linha do tempo dos inventores: 1892 - Rudolf Diesel - Rudolf Diesel inventou o motor de combustão interna movido a diesel chamado de motor Diesel

Fato 50 da linha do tempo dos inventores: 1892 - John Froelich - John Froelich inventou o primeiro trator movido a gasolina

Fato 51 sobre a linha do tempo dos inventores: 1893 - George Ferris - George Ferris inventa a roda gigante - Invenção da roda gigante

Fato 52 da linha do tempo dos inventores: 1895 - Guglielmo Marconi - Marconi inventou o primeiro sistema prático de sinalização de rádio - Rádio e Publicidade de 1920

Fato 53 da linha do tempo dos inventores: 1897 - Nikola Tesla - Nikola Tesla inventa a bobina de indução ou bobina de Tesla, um dispositivo essencial para enviar e receber ondas de rádio

Fato 54 da linha do tempo dos inventores: 1898 - Edwin Prescott - Edwin Prescott patenteou a primeira montanha-russa

Fato 55 sobre o cronograma dos inventores: 1899 - Joshua Lionel Cowen - A lâmpada do flash foi inventada por Joshua Lionel Cowen

Fato 56 sobre a linha do tempo dos inventores: 1900 - Conde Ferdinand Zeppelin - Ferdinand Zeppelin inventou o primeiro dirigível rígido (zeppelin) - Zeppelin Airship

Fato 57 do cronograma dos inventores: 1901 - Ransom Olds - Ransom Olds, inventor da linha de montagem de automóveis

Fato 58 da linha do tempo dos inventores: 1902 - Willis Carrier - Willis Carrier inventou a primeira unidade de ar condicionado mecânico

Fato 59 sobre a linha do tempo dos inventores: 1903 - Irmãos Wright - Orville e Wilbur Wright primeiro impulsionaram, sustentaram e controlaram o vôo de um avião - Irmãos Wright

Fato 60 da linha do tempo dos inventores: 1905 - Albert Einstein - Albert Einstein e a Teoria da Relatividade

Fato do cronograma dos inventores 61: 1907 - Leo Baekeland - Leo Baekeland inventa baquelite

Fato 62 da linha do tempo dos inventores: 1907 - Paul Cornu - O helicóptero foi inventado por Paul Cornu

Fato 63 da linha do tempo dos inventores: 1907 - Lee DeForest - O amplificador de rádio foi inventado por Lee DeForest

Fato 64 da linha do tempo dos inventores: 1908 - Henry Ford - Henry Ford criou o carro Modelo T e em 1913 introduz a produção em massa de automóveis

Fato 65 da linha do tempo dos inventores: 1911 - Charles F. Kettering - Charles F. Kettering inventou a partida automática usada pela empresa Cadillac

Linha do tempo dos inventores As invenções que moldaram a América.

Fatos sobre invenções e inventores
Para visitantes interessados ​​em invenções e inventores, consulte os seguintes artigos:


O telégrafo e o telefone

Duas invenções do século 19, o telégrafo elétrico e o telefone elétrico, tornaram possível pela primeira vez a comunicação instantânea confiável a grandes distâncias. Seus efeitos sobre o comércio, diplomacia, operações militares, jornalismo e uma miríade de aspectos da vida cotidiana foram quase imediatos e provaram ser duradouros.

O telégrafo. Os primeiros sistemas telegráficos elétricos práticos foram criados quase simultaneamente na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos em 1837. No dispositivo desenvolvido pelos inventores britânicos William Fothergill Cooke e Charles Wheatstone, agulhas em uma placa de montagem em um receptor apontavam para letras ou números específicos quando a corrente elétrica passou por fios conectados. O artista e inventor americano Samuel F.B. Morse criou seu próprio telégrafo elétrico e, mais famoso, um código universal, desde então conhecido como Código Morse, que poderia ser usado em qualquer sistema de telegrafia. O código, que consiste em um conjunto de pontos, travessões e espaços simbólicos, foi logo adotado (em forma modificada para acomodar sinais diacríticos) em todo o mundo. Uma linha telegráfica de demonstração entre Washington, D.C. e Baltimore, Maryland, foi concluída em 1844. A primeira mensagem enviada foi: "O que Deus fez!" Os cabos telegráficos foram colocados pela primeira vez no Canal da Mancha em 1851 e no Oceano Atlântico em 1858. Nos Estados Unidos, a disseminação da comunicação telegráfica por meio do crescimento de empresas telegráficas privadas como a Western Union ajudou a manter a lei e a ordem nos territórios ocidentais e o controle do tráfego nas ferrovias. Além disso, possibilitou a transmissão de notícias nacionais e internacionais por meio de agências de notícias como a Associated Press. Em 1896, o físico e inventor italiano Guglielmo Marconi aperfeiçoou um sistema de telegrafia sem fio (radiotelegrafia) que teve importantes aplicações militares no século XX.

O telefone. Em 1876, o cientista americano Alexander Graham Bell, nascido na Escócia, demonstrou com sucesso o telefone, que transmitia sons, inclusive da voz humana, por meio de uma corrente elétrica. O dispositivo de Bell consistia em dois conjuntos de juncos metálicos (membranas) e bobinas eletromagnéticas.As ondas sonoras produzidas perto de uma membrana fizeram com que ela vibrasse em certas frequências, o que induziu correntes correspondentes na bobina eletromagnética conectada a ela, e essas correntes então fluíram para a outra bobina, o que por sua vez fez com que a outra membrana vibrasse nas mesmas frequências, reproduzir as ondas sonoras originais. A primeira "chamada telefônica" (transmissão elétrica bem-sucedida da fala humana inteligível) ocorreu entre duas salas do laboratório de Bell em Boston em 10 de março de 1876, quando Bell chamou seu assistente, Thomas Watson, com as famosas palavras que Bell transcreveu em suas notas como "Sr. Watson - venha aqui - quero ver você. ” Inicialmente, o telefone era uma curiosidade ou um brinquedo para os ricos, mas em meados do século 20 ele se tornou um instrumento doméstico comum, dos quais bilhões estavam em uso em todo o mundo.


Conteúdo

A Segunda Revolução Industrial foi um período de rápido desenvolvimento industrial, principalmente no Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos, mas também na França, Países Baixos, Itália e Japão. Ela se seguiu à Primeira Revolução Industrial, que começou na Grã-Bretanha no final do século 18, que então se espalhou por toda a Europa Ocidental. Enquanto a Primeira Revolução foi impulsionada pelo uso limitado de motores a vapor, peças intercambiáveis ​​e produção em massa, e foi amplamente movida a água (especialmente nos Estados Unidos), a Segunda foi caracterizada pela construção de ferrovias, ferro em grande escala e produção de aço, uso generalizado de maquinários na manufatura, uso muito maior de energia a vapor, uso generalizado do telégrafo, uso do petróleo e o início da eletrificação. Também foi o período durante o qual os métodos organizacionais modernos para operar empresas de grande escala em vastas áreas entraram em uso. [ citação necessária ]

O conceito foi apresentado por Patrick Geddes, Cidades em evolução (1910), e estava sendo usado por economistas como Erick Zimmerman (1951), [3] mas o uso do termo por David Landes em um ensaio de 1966 e em The Unbound Prometheus (1972) padronizou as definições acadêmicas do termo, que foi promovido de forma mais intensa por Alfred Chandler (1918–2007). No entanto, alguns continuam a expressar reservas sobre seu uso. [4]

Landes (2003) destaca a importância das novas tecnologias, principalmente, do motor de combustão interna, petróleo, novos materiais e substâncias, incluindo ligas e produtos químicos, eletricidade e tecnologias de comunicação (como telégrafo, telefone e rádio). [ citação necessária ]

Vaclav Smil chamou o período de 1867–1914 de "A Idade da Sinergia", durante o qual a maioria das grandes inovações foram desenvolvidas, uma vez que as invenções e inovações foram baseadas na engenharia e na ciência. [5]

Uma sinergia entre ferro e aço, ferrovias e carvão se desenvolveu no início da Segunda Revolução Industrial. As ferrovias permitiam o transporte barato de materiais e produtos, o que, por sua vez, gerava trilhos baratos para a construção de mais estradas. As ferrovias também se beneficiaram do carvão barato para suas locomotivas a vapor. Essa sinergia levou à colocação de 75.000 milhas de pistas nos EUA na década de 1880, a maior quantidade em qualquer lugar da história mundial. [6]

Ferro Editar

A técnica de explosão a quente, na qual o gás de combustão quente de um alto-forno é usado para pré-aquecer o ar de combustão soprado em um alto-forno, foi inventada e patenteada por James Beaumont Neilson em 1828 na Wilsontown Ironworks na Escócia. A explosão a quente foi o avanço mais importante na eficiência de combustível do alto-forno, pois reduziu muito o consumo de combustível para a fabricação de ferro-gusa e foi uma das tecnologias mais importantes desenvolvidas durante a Revolução Industrial. [7] Os custos decrescentes para a produção de ferro forjado coincidiram com o surgimento da ferrovia na década de 1830.

A técnica inicial de explosão a quente usava o ferro como meio de aquecimento regenerativo. O ferro causava problemas de expansão e contração, o que estressava o ferro e causava falhas. Edward Alfred Cowper desenvolveu o fogão Cowper em 1857. [8] Este fogão usava tijolos refratários como meio de armazenamento, resolvendo o problema de expansão e quebra. O fogão Cowper também era capaz de produzir alto calor, o que resultava em um rendimento muito alto dos altos-fornos. O fogão Cowper ainda é usado nos altos-fornos de hoje.

Com o custo muito reduzido de produção de ferro-gusa com coque usando explosão a quente, a demanda cresceu dramaticamente, assim como o tamanho dos altos-fornos. [9] [10]

Edição de aço

O processo Bessemer, inventado por Sir Henry Bessemer, permitiu a produção em massa do aço, aumentando a escala e a velocidade de produção desse material vital, e diminuindo a necessidade de mão de obra. O princípio chave era a remoção do excesso de carbono e outras impurezas do ferro-gusa por oxidação com ar soprado através do ferro fundido. A oxidação também aumenta a temperatura da massa de ferro e a mantém derretida.

O processo Bessemer "ácido" tinha uma séria limitação, pois requeria minério de hematita relativamente escasso [11], com baixo teor de fósforo. Sidney Gilchrist Thomas desenvolveu um processo mais sofisticado para eliminar o fósforo do ferro. Colaborando com seu primo, Percy Gilchrist, um químico da Blaenavon Ironworks, País de Gales, ele patenteou seu processo em 1878 [12]. A Bolckow Vaughan & amp Co. em Yorkshire foi a primeira empresa a usar seu processo patenteado. [13] Seu processo foi especialmente valioso no continente europeu, onde a proporção de ferro fosfórico era muito maior do que na Inglaterra, e tanto na Bélgica quanto na Alemanha o nome do inventor tornou-se mais conhecido do que em seu próprio país. Na América, embora o ferro não fosfórico predominasse amplamente, houve um imenso interesse na invenção. [13]

O próximo grande avanço na fabricação de aço foi o processo Siemens – Martin. Sir Charles William Siemens desenvolveu seu forno regenerativo na década de 1850, para o qual afirmou em 1857 ser capaz de recuperar calor suficiente para economizar 70-80% do combustível. O forno operava em alta temperatura usando pré-aquecimento regenerativo de combustível e ar para combustão. Por meio desse método, um forno de lareira aberta pode atingir temperaturas altas o suficiente para fundir aço, mas a Siemens não o utilizou inicialmente dessa maneira.

O engenheiro francês Pierre-Émile Martin foi o primeiro a obter uma licença para o forno Siemens e aplicá-la à produção de aço em 1865. O processo Siemens-Martin complementou ao invés de substituir o processo Bessemer. Suas principais vantagens eram não expor o aço ao excesso de nitrogênio (o que tornaria o aço quebradiço), ser mais fácil de controlar e permitir o derretimento e o refino de grandes quantidades de sucata de aço, reduzindo os custos de produção do aço. e reciclar um material residual problemático. Tornou-se o principal processo de fabricação de aço no início do século XX.

A disponibilidade de aço barato permitiu a construção de pontes, ferrovias, arranha-céus e navios maiores. [14] Outros produtos de aço importantes - também feitos usando o processo de lareira aberta - eram cabos de aço, hastes de aço e chapas de aço que permitiam grandes caldeiras de alta pressão e aço de alta resistência à tração para máquinas que permitiam motores, engrenagens e engrenagens muito mais potentes. eixos do que antes eram possíveis. Com grandes quantidades de aço, tornou-se possível construir canhões e carruagens muito mais potentes, tanques, veículos blindados de combate e navios de guerra.

Edição de trilhos

O aumento da produção de aço a partir da década de 1860 significou que as ferrovias puderam finalmente ser feitas de aço a um custo competitivo. Por ser um material muito mais durável, o aço substituiu constantemente o ferro como o padrão para trilhos ferroviários e, devido à sua maior resistência, trilhos maiores agora podiam ser laminados. O ferro forjado era macio e continha falhas causadas pela escória incluída. Os trilhos de ferro também não suportavam locomotivas pesadas e foram danificados por um golpe de martelo. O primeiro a fazer trilhos duráveis ​​de aço em vez de ferro forjado foi Robert Forester Mushet na Darkhill Ironworks, Gloucestershire em 1857.

O primeiro trilho de aço de Mushet foi enviado para a estação ferroviária de Derby Midland. Os trilhos foram colocados em parte da aproximação da estação, onde os trilhos de ferro tiveram que ser renovados pelo menos a cada seis meses e, ocasionalmente, a cada três. Seis anos depois, em 1863, o trilho parecia perfeito como sempre, embora cerca de 700 trens passassem por ele diariamente. [15] Isso forneceu a base para a construção acelerada de ferrovias em todo o mundo no final do século XIX.

Os primeiros trilhos de aço disponíveis comercialmente nos Estados Unidos foram fabricados em 1867 na Cambria Iron Works em Johnstown, Pensilvânia. [16]

Os trilhos de aço duraram dez vezes mais do que o ferro, [17] e com o custo decrescente do aço, trilhos de peso mais pesado foram usados. Isso permitiu o uso de locomotivas mais potentes, que poderiam puxar trens mais longos, e vagões mais longos, o que aumentou muito a produtividade das ferrovias. [18] O transporte ferroviário tornou-se a forma dominante de infraestrutura de transporte em todo o mundo industrializado, [19] produzindo uma diminuição constante no custo do transporte marítimo visto no resto do século. [17]

Edição de eletrificação

A base teórica e prática para o aproveitamento da energia elétrica foi lançada pelo cientista e experimentalista Michael Faraday. Por meio de suas pesquisas sobre o campo magnético em torno de um condutor que conduz uma corrente contínua, Faraday estabeleceu as bases para o conceito de campo eletromagnético na física. [20] [21] Suas invenções de dispositivos rotativos eletromagnéticos foram a base do uso prático da eletricidade na tecnologia.

Em 1881, Sir Joseph Swan, inventor da primeira lâmpada incandescente viável, forneceu cerca de 1.200 lâmpadas incandescentes Swan para o Savoy Theatre na cidade de Westminster, em Londres, que foi o primeiro teatro e o primeiro edifício público do mundo, para ser iluminada inteiramente por eletricidade. [22] [23] A lâmpada de Swan já havia sido usada em 1879 para iluminar a Mosley Street, em Newcastle upon Tyne, a primeira instalação elétrica de iluminação pública do mundo. [24] [25] Isso preparou o terreno para a eletrificação da indústria e do lar. A primeira planta de abastecimento de distribuição central em grande escala foi inaugurada em Holborn Viaduct em Londres em 1882 [26] e mais tarde na Pearl Street Station na cidade de Nova York. [27]

A primeira central elétrica moderna do mundo foi construída pelo engenheiro elétrico inglês Sebastian de Ferranti em Deptford. Construído em uma escala sem precedentes e pioneiro no uso de corrente alternada de alta tensão (10.000 V), gerou 800 quilowatts e abasteceu o centro de Londres. Em sua conclusão em 1891, forneceu energia CA de alta tensão que foi então "reduzida" com transformadores para uso do consumidor em cada rua. A eletrificação permitiu os principais desenvolvimentos finais nos métodos de fabricação da Segunda Revolução Industrial, ou seja, a linha de montagem e a produção em massa. [28]

A eletrificação foi considerada "a conquista de engenharia mais importante do século 20" pela Academia Nacional de Engenharia. [29] A iluminação elétrica nas fábricas melhorou muito as condições de trabalho, eliminando o calor e a poluição causados ​​pela iluminação a gás e reduzindo o risco de incêndio a ponto de o custo da eletricidade para iluminação ser frequentemente compensado pela redução nos prêmios de seguro contra incêndio. Frank J. Sprague desenvolveu o primeiro motor DC de sucesso em 1886. Em 1889, 110 estradas de ferro elétricas estavam usando seu equipamento ou planejando. A estrada de ferro elétrica tornou-se uma grande infraestrutura antes de 1920. O motor AC (motor de indução) foi desenvolvido na década de 1890 e logo começou a ser usado na eletrificação de indústrias. [30] A eletrificação doméstica não se tornou comum até a década de 1920, e apenas nas cidades. A iluminação fluorescente foi introduzida comercialmente na Feira Mundial de 1939.

A eletrificação também permitiu a produção barata de eletroquímicos, como alumínio, cloro, hidróxido de sódio e magnésio. [31]

Editar máquinas-ferramentas

O uso de máquinas-ferramenta começou com o início da Primeira Revolução Industrial. O aumento na mecanização exigiu mais peças de metal, que geralmente eram feitas de ferro fundido ou ferro forjado - e o trabalho manual carecia de precisão e era um processo lento e caro. Uma das primeiras máquinas-ferramenta foi a máquina de perfuração de John Wilkinson, que fez um furo preciso na primeira máquina a vapor de James Watt em 1774. Avanços na precisão das máquinas-ferramenta podem ser atribuídos a Henry Maudslay e refinados por Joseph Whitworth. A padronização das roscas de parafuso começou com Henry Maudslay por volta de 1800, quando o moderno torno de corte tornou os parafusos de máquina de rosca em V intercambiáveis ​​uma mercadoria prática.

Em 1841, Joseph Whitworth criou um projeto que, por meio de sua adoção por muitas empresas ferroviárias britânicas, se tornou o primeiro padrão nacional de máquinas-ferramenta do mundo, chamado British Standard Whitworth. [32] Durante a década de 1840 até 1860, este padrão foi frequentemente usado nos Estados Unidos e Canadá, além de uma miríade de padrões intra e inter-empresas.

A importância das máquinas-ferramenta para a produção em massa é demonstrada pelo fato de que a produção do Ford Modelo T usou 32.000 máquinas-ferramenta, a maioria das quais movida a eletricidade. [33] Henry Ford é citado como tendo dito que a produção em massa não teria sido possível sem eletricidade porque permitia a colocação de máquinas-ferramentas e outros equipamentos na ordem do fluxo de trabalho. [34]

Edição de fabricação de papel

A primeira máquina de fazer papel foi a Fourdrinier, construída por Sealy e Henry Fourdrinier, papelarias em Londres. Em 1800, Matthias Koops, trabalhando em Londres, investigou a ideia de usar a madeira para fazer papel e iniciou sua gráfica um ano depois. No entanto, seu empreendimento não teve sucesso devido ao custo proibitivo da época. [35] [36] [37]

Foi na década de 1840 que Charles Fenerty na Nova Escócia e Friedrich Gottlob Keller na Saxônia inventaram uma máquina de sucesso que extraía as fibras da madeira (como com trapos) e, a partir dela, fazia papel. Isso deu início a uma nova era para a fabricação de papel, [38] e, juntamente com a invenção da caneta-tinteiro e do lápis produzido em massa do mesmo período, e em conjunto com o advento da impressora rotativa movida a vapor, papel à base de madeira causou uma grande transformação na economia e na sociedade do século 19 nos países industrializados. Com a introdução de papel mais barato, livros escolares, ficção, não ficção e jornais tornaram-se gradualmente disponíveis em 1900. Papel barato à base de madeira também permitia manter diários pessoais ou escrever cartas e, assim, em 1850, o escriturário, ou escritor, deixou de ser um trabalho de alto status. Na década de 1880, processos químicos para fabricação de papel estavam em uso, tornando-se dominantes em 1900.

Petroleum Edit

A indústria do petróleo, tanto de produção quanto de refino, começou em 1848 com as primeiras fábricas de petróleo na Escócia. O químico James Young abriu uma pequena empresa de refino do petróleo bruto em 1848. Young descobriu que, por destilação lenta, podia obter uma série de líquidos úteis, um dos quais chamou de "óleo de parafina" porque, a baixas temperaturas, coagulava em um substância semelhante à cera de parafina. [39] Em 1850, Young construiu a primeira usina e refinaria de petróleo verdadeiramente comercial do mundo em Bathgate, usando óleo extraído de torbanita extraído localmente, xisto e carvão betuminoso para fabricar nafta e óleos lubrificantes, parafina para uso de combustível e parafina sólida. não vendido até 1856.

A perfuração com ferramenta de cabo foi desenvolvida na China antiga e era usada para perfurar poços de salmoura. As cúpulas de sal também continham gás natural, que alguns poços produziam e que era usado para a evaporação da salmoura. A tecnologia chinesa de perfuração de poços foi introduzida na Europa em 1828. [40]

Embora tenha havido muitos esforços em meados do século 19 para perfurar petróleo, o poço de Edwin Drake em 1859, perto de Titusville, Pensilvânia, é considerado o primeiro "poço de petróleo moderno". [41] O poço de Drake desencadeou um grande boom na produção de petróleo nos Estados Unidos. [42] Drake aprendeu sobre perfuração de ferramentas a cabo com trabalhadores chineses nos EUA. [43] O primeiro produto primário foi o querosene para lâmpadas e aquecedores. [31] [44] Desenvolvimentos semelhantes em torno de Baku alimentaram o mercado europeu.

A iluminação com querosene era muito mais eficiente e menos cara do que os óleos vegetais, sebo e óleo de baleia. Embora a iluminação urbana a gás estivesse disponível em algumas cidades, o querosene produzia uma luz mais brilhante até a invenção do manto a gás. Ambos foram substituídos por eletricidade para iluminação pública após a década de 1890 e para residências durante a década de 1920. A gasolina era um subproduto indesejado do refino de petróleo até os automóveis serem produzidos em massa depois de 1914, e a escassez de gasolina apareceu durante a Primeira Guerra Mundial. A invenção do processo de Burton para craqueamento térmico dobrou o rendimento da gasolina, o que ajudou a aliviar a escassez. [44]

Edição Química

O corante sintético foi descoberto pelo químico inglês William Henry Perkin em 1856. Na época, a química ainda estava em um estado bastante primitivo, ainda era uma proposição difícil determinar a disposição dos elementos em compostos e a indústria química ainda estava em sua infância. A descoberta acidental de Perkin foi que a anilina podia ser parcialmente transformada em uma mistura crua que, quando extraída com álcool, produzia uma substância de cor púrpura intensa. Ele aumentou a produção da nova "malveine" e a comercializou como o primeiro corante sintético do mundo. [45]

Após a descoberta da malva, muitos novos corantes de anilina apareceram (alguns descobertos pelo próprio Perkin), e fábricas para produzi-los foram construídas em toda a Europa. No final do século, Perkin e outras empresas britânicas viram seus esforços de pesquisa e desenvolvimento cada vez mais eclipsados ​​pela indústria química alemã, que se tornou mundialmente dominante em 1914.

Tecnologia marítima Editar

Esta era viu o nascimento do navio moderno à medida que avanços tecnológicos díspares se juntaram.

A hélice de parafuso foi introduzida em 1835 por Francis Pettit Smith, que descobriu uma nova maneira de construir hélices por acidente. Até então, as hélices eram literalmente parafusos, de comprimento considerável. Mas durante o teste de um barco impulsionado por um, o parafuso se soltou, deixando um fragmento com a forma de uma hélice de barco moderno. O barco se moveu mais rápido com a hélice quebrada. [46] A superioridade do parafuso contra as pás foi assumida pelas marinhas. Testes com SS de Smith Arquimedes, o primeiro parafuso acionado a vapor, levou à famosa competição de cabo de guerra em 1845 entre os HMS acionados por parafuso Rattler e o vaporizador de pás HMS Alecto o primeiro puxando o último para trás a 2,5 nós (4,6 km / h).

O primeiro barco a vapor marítimo de ferro foi construído pela Horseley Ironworks e denominado Aaron Manby. Ele também usou um motor oscilante inovador para aumentar a potência. O barco foi construído em Tipton usando parafusos temporários, desmontado para transporte para Londres e remontado no Tamisa em 1822, desta vez usando rebites permanentes.

Seguiram-se outros desenvolvimentos tecnológicos, incluindo a invenção do condensador de superfície, que permitia que as caldeiras funcionassem com água purificada em vez de água salgada, eliminando a necessidade de parar para limpá-las em longas viagens marítimas. o Great Western [47], [48] [49] construído pelo engenheiro Isambard Kingdom Brunel, foi o navio mais longo do mundo com 236 pés (72 m) e 250 pés (76 m) de quilha e foi o primeiro a provar que o navio a vapor transatlântico os serviços eram viáveis. O navio foi construído principalmente de madeira, mas Brunel adicionou parafusos e reforços diagonais de ferro para manter a resistência da quilha. Além das rodas de pás movidas a vapor, o navio carregava quatro mastros para velas.

Brunel seguiu com o Grã Bretanha, lançado em 1843 e considerado o primeiro navio moderno construído em metal em vez de madeira, movido por um motor em vez de vento ou remos e movido por hélice em vez de roda de pás. [50] A visão de Brunel e as inovações de engenharia tornaram a construção de navios a vapor em grande escala, movidos a hélice, totalmente de metal, uma realidade prática, mas as condições econômicas e industriais prevalecentes significaram que levaria várias décadas antes que as viagens transoceânicas em navios a vapor surgissem como um viável indústria.

Motores a vapor de expansão múltipla altamente eficientes começaram a ser usados ​​em navios, permitindo que transportassem menos carvão do que carga. [51] O motor oscilante foi construído pela primeira vez por Aaron Manby e Joseph Maudslay na década de 1820 como um tipo de motor de ação direta que foi projetado para alcançar reduções adicionais no tamanho e peso do motor. Os motores oscilantes tinham as bielas conectadas diretamente ao virabrequim, dispensando a necessidade de bielas. Para atingir este objetivo, os cilindros do motor não eram imóveis como na maioria dos motores, mas presos no meio por munhões que permitiam que os próprios cilindros girassem para frente e para trás conforme o virabrequim girava, daí o termo oscilante.

Foi John Penn, engenheiro da Marinha Real, que aperfeiçoou o motor oscilante. Um de seus primeiros motores foi o motor de feixe de gafanhoto. Em 1844 ele substituiu os motores do iate do Almirantado, HMS Águia Negra com motores oscilantes de dupla potência, sem aumentar o peso ou o espaço ocupado, uma conquista que quebrou o domínio do abastecimento naval de Boulton & amp Watt e Maudslay, Son & amp Field. Penn também introduziu o motor de tronco para impulsionar hélices de parafuso em navios de guerra. HMS Encontro (1846) e HMS Arrogante (1848) foram os primeiros navios a serem equipados com tais motores e tal foi sua eficácia que na época da morte de Penn em 1878, os motores foram instalados em 230 navios e foram os primeiros produzidos em massa, de alta pressão e alta motores marítimos de revolução. [52]

A revolução no design naval levou aos primeiros navios de guerra modernos na década de 1870, evoluindo a partir do design blindado da década de 1860. o DevastaçãoOs navios torre da classe foram construídos para a Marinha Real Britânica como a primeira classe de navio de capital oceânico que não transportava velas, e o primeiro cujo armamento principal inteiro estava montado no topo do casco, e não dentro dele.

Rubber Edit

A vulcanização da borracha, pelo americano Charles Goodyear e pelo inglês Thomas Hancock na década de 1840, abriu o caminho para uma crescente indústria da borracha, especialmente a fabricação de pneus de borracha [53]

John Boyd Dunlop desenvolveu o primeiro pneu pneumático prático em 1887 no sul de Belfast. Willie Hume demonstrou a supremacia dos pneus recém-inventados da Dunlop em 1889, vencendo as primeiras corridas do pneu na Irlanda e depois na Inglaterra. [54] [55] O desenvolvimento do pneu pneumático pela Dunlop chegou em um momento crucial no desenvolvimento do transporte rodoviário e a produção comercial começou no final de 1890.

Edição de bicicletas

A bicicleta moderna foi projetada pelo engenheiro inglês Harry John Lawson em 1876, embora tenha sido John Kemp Starley quem produziu a primeira bicicleta de segurança com sucesso comercial alguns anos depois. [56] Sua popularidade logo cresceu, causando o boom das bicicletas na década de 1890.

As redes rodoviárias melhoraram muito no período, usando o método Macadam desenvolvido pelo engenheiro escocês John Loudon McAdam, e estradas de superfície dura foram construídas na época da mania das bicicletas na década de 1890. O asfalto moderno foi patenteado pelo engenheiro civil britânico Edgar Purnell Hooley em 1901. [57]

Edição Automóvel

O inventor alemão Karl Benz patenteou o primeiro automóvel do mundo em 1886. Ele apresentava rodas de arame (ao contrário das carruagens de madeira) [58] com um motor de quatro tempos de seu próprio projeto entre as rodas traseiras, com uma ignição de bobina muito avançada [59] e resfriamento evaporativo em vez de um radiador. [59] A força era transmitida por meio de duas correntes de rolos ao eixo traseiro. Foi o primeiro automóvel inteiramente projetado para gerar energia própria, não apenas uma carruagem motorizada ou uma carruagem puxada por cavalos.

Benz começou a vender o veículo (anunciando-o como Benz Patent Motorwagen) no final do verão de 1888, tornando-o o primeiro automóvel disponível comercialmente na história.

Henry Ford construiu seu primeiro carro em 1896 e trabalhou como um pioneiro na indústria, com outros que eventualmente formariam suas próprias empresas, até a fundação da Ford Motor Company em 1903. [28] Ford e outros na empresa lutaram para encontrar maneiras de aumentar a produção de acordo com a visão de Henry Ford de um carro projetado e fabricado em uma escala que seja acessível ao trabalhador médio. [28] A solução que a Ford Motor desenvolveu foi uma fábrica completamente redesenhada com máquinas-ferramentas e máquinas para fins especiais que foram sistematicamente posicionadas na sequência de trabalho. Todos os movimentos humanos desnecessários foram eliminados colocando todo o trabalho e ferramentas ao alcance e, onde for prático, em transportadores, formando a linha de montagem, o processo completo sendo chamado de produção em massa. Esta foi a primeira vez na história quando um produto grande e complexo consistindo de 5.000 peças foi produzido em uma escala de centenas de milhares por ano. [28] [33] As economias dos métodos de produção em massa permitiram que o preço do Modelo T caísse de $ 780 em 1910 para $ 360 em 1916. Em 1924, 2 milhões de T-Fords foram produzidos e vendidos no varejo por $ 290 cada. [60]

Ciência aplicada Editar

A ciência aplicada abriu muitas oportunidades. Em meados do século 19, havia uma compreensão científica da química e uma compreensão fundamental da termodinâmica e, no último quarto do século, ambas as ciências estavam próximas de sua forma básica atual. Os princípios termodinâmicos foram usados ​​no desenvolvimento da físico-química. Compreender a química ajudou muito no desenvolvimento da fabricação de produtos químicos inorgânicos básicos e nas indústrias de corantes de anilina.

A ciência da metalurgia foi desenvolvida através do trabalho de Henry Clifton Sorby e outros. Sorby foi o pioneiro no estudo de ferro e aço ao microscópio, o que abriu caminho para uma compreensão científica do metal e da produção em massa do aço. Em 1863, ele usou a decapagem com ácido para estudar a estrutura microscópica dos metais e foi o primeiro a entender que uma quantidade pequena, mas precisa de carbono dava resistência ao aço. [61] Isso pavimentou o caminho para Henry Bessemer e Robert Forester Mushet desenvolverem o método para a produção em massa de aço.

Outros processos foram desenvolvidos para purificar vários elementos como cromo, molibdênio, titânio, vanádio e níquel que poderiam ser usados ​​para fazer ligas com propriedades especiais, especialmente com aço. O aço vanádio, por exemplo, é forte e resistente à fadiga, sendo usado em metade do aço automotivo. [62] Aços de liga foram usados ​​para rolamentos de esferas que foram usados ​​na produção de bicicletas em grande escala na década de 1880. Os rolamentos de esferas e rolos também começaram a ser usados ​​em máquinas. Outras ligas importantes são usadas em altas temperaturas, como lâminas de turbinas a vapor e aços inoxidáveis ​​para resistência à corrosão.

O trabalho de Justus von Liebig e August Wilhelm von Hofmann lançou as bases para a química industrial moderna. Liebig é considerado o "pai da indústria de fertilizantes" por sua descoberta do nitrogênio como um nutriente essencial para as plantas e estabeleceu a Liebig's Extract of Meat Company, que produzia o extrato de carne Oxo. Hofmann chefiou uma escola de química prática em Londres, no estilo do Royal College of Chemistry, introduziu convenções modernas para modelagem molecular e ensinou Perkin que descobriu o primeiro corante sintético.

A ciência da termodinâmica foi desenvolvida em sua forma moderna por Sadi Carnot, William Rankine, Rudolf Clausius, William Thomson, James Clerk Maxwell, Ludwig Boltzmann e J. Willard Gibbs. Esses princípios científicos foram aplicados a uma variedade de questões industriais, incluindo a melhoria da eficiência de caldeiras e turbinas a vapor. O trabalho de Michael Faraday e outros foi fundamental para lançar as bases da compreensão científica moderna da eletricidade.

O cientista escocês James Clerk Maxwell foi particularmente influente - suas descobertas inauguraram a era da física moderna. [63] Sua realização mais proeminente foi formular um conjunto de equações que descreviam eletricidade, magnetismo e óptica como manifestações do mesmo fenômeno, ou seja, o campo eletromagnético. [64] A unificação da luz e fenômenos elétricos levou à previsão da existência de ondas de rádio e foi a base para o futuro desenvolvimento da tecnologia de rádio por Hughes, Marconi e outros. [65]

O próprio Maxwell desenvolveu a primeira fotografia colorida durável em 1861 e publicou o primeiro tratamento científico da teoria do controle. [66] [67] A teoria de controle é a base para o controle de processo, que é amplamente utilizado em automação, particularmente para indústrias de processo, e para controlar navios e aviões. [68] A teoria de controle foi desenvolvida para analisar o funcionamento dos reguladores centrífugos em motores a vapor. Esses reguladores começaram a ser usados ​​no final do século 18 em moinhos de vento e água para posicionar corretamente a lacuna entre as pedras do moinho e foram adaptados aos motores a vapor por James Watt. Versões aprimoradas foram usadas para estabilizar mecanismos de rastreamento automático de telescópios e controlar a velocidade de hélices e lemes de navios. No entanto, esses governadores eram lentos e oscilavam em relação ao ponto de ajuste. James Clerk Maxwell escreveu um artigo analisando matematicamente as ações dos governadores, que marcou o início do desenvolvimento formal da teoria do controle. A ciência foi continuamente aprimorada e evoluiu para uma disciplina de engenharia.

Edição de fertilizante

Justus von Liebig foi o primeiro a entender a importância da amônia como fertilizante e promoveu a importância dos minerais inorgânicos para a nutrição das plantas. Na Inglaterra, ele tentou implementar suas teorias comercialmente por meio de um fertilizante criado pelo tratamento de fosfato de cal na farinha de ossos com ácido sulfúrico. Outro pioneiro foi John Bennet Lawes, que começou a fazer experiências com os efeitos de vários adubos em plantas cultivadas em vasos em 1837, levando a um esterco formado pelo tratamento de fosfatos com ácido sulfúrico que seria o primeiro produto da nascente indústria de esterco artificial. [69]

A descoberta de coprólitos em quantidades comerciais em East Anglia levou Fisons e Edward Packard a desenvolver uma das primeiras fábricas de fertilizantes comerciais em grande escala em Bramford e Snape na década de 1850. Na década de 1870, os superfosfatos produzidos nessas fábricas eram transportados para todo o mundo a partir do porto de Ipswich. [70] [71]

O processo Birkeland – Eyde foi desenvolvido pelo industrial e cientista norueguês Kristian Birkeland junto com seu parceiro de negócios Sam Eyde em 1903, [72] mas logo foi substituído pelo processo Haber muito mais eficiente, [73] desenvolvido pelos químicos vencedores do prêmio Nobel Carl Bosch da IG Farben e Fritz Haber na Alemanha. [74] O processo utilizou nitrogênio molecular (N2) e metano (CH4) gás em uma síntese economicamente sustentável de amônia (NH3) A amônia produzida no processo Haber é a principal matéria-prima para a produção do ácido nítrico.

Motores e turbinas Editar

A turbina a vapor foi desenvolvida por Sir Charles Parsons em 1884. Seu primeiro modelo foi conectado a um dínamo que gerou 7,5 kW (10 HP) de eletricidade. [75] A invenção da turbina a vapor de Parson tornou a eletricidade barata e abundante possível e revolucionou o transporte marítimo e a guerra naval. [76] Na época da morte do Pároco, sua turbina havia sido adotada para todas as principais usinas de energia do mundo. [77] Ao contrário dos motores a vapor anteriores, a turbina produzia potência rotativa em vez de potência recíproca, que exigia uma manivela e um volante pesado. O grande número de estágios da turbina permitiu alta eficiência e tamanho reduzido em 90%. A primeira aplicação da turbina foi na navegação, seguida pela geração elétrica em 1903.

O primeiro motor de combustão interna amplamente usado foi o tipo Otto de 1876. Desde a década de 1880 até a eletrificação, ele foi bem-sucedido em pequenas oficinas porque os pequenos motores a vapor eram ineficientes e exigiam muita atenção do operador. [5] O motor Otto logo começou a ser usado para impulsionar automóveis e permanece como o motor a gasolina comum de hoje.

O motor diesel foi projetado de forma independente por Rudolf Diesel e Herbert Akroyd Stuart na década de 1890 usando princípios termodinâmicos com a intenção específica de ser altamente eficiente. Demorou vários anos para aperfeiçoar e se tornar popular, mas encontrou aplicação no transporte marítimo antes de alimentar locomotivas. Continua a ser o motor principal mais eficiente do mundo. [5]

Edição de telecomunicações

O primeiro sistema telegráfico comercial foi instalado por Sir William Fothergill Cooke e Charles Wheatstone em maio de 1837 entre a estação ferroviária de Euston e Camden Town em Londres. [78]

A rápida expansão das redes telegráficas ocorreu ao longo do século, com o primeiro cabo submarino sendo construído por John Watkins Brett entre a França e a Inglaterra. A Atlantic Telegraph Company foi formada em Londres em 1856 para realizar a construção de um cabo telegráfico comercial através do Oceano Atlântico. Isso foi concluído com sucesso em 18 de julho de 1866 pelo navio SS Great Eastern, capitaneado por Sir James Anderson após muitos percalços ao longo do caminho. [79] De 1850 até 1911, os sistemas de cabos submarinos britânicos dominaram o sistema mundial. Isso foi definido como uma meta estratégica formal, que ficou conhecida como All Red Line. [80]

O telefone foi patenteado em 1876 por Alexander Graham Bell e, como o primeiro telégrafo, era usado principalmente para acelerar transações comerciais. [81]

Como mencionado acima, um dos avanços científicos mais importantes em toda a história foi a unificação da luz, eletricidade e magnetismo por meio da teoria eletromagnética de Maxwell. Uma compreensão científica da eletricidade foi necessária para o desenvolvimento de geradores, motores e transformadores elétricos eficientes. David Edward Hughes e Heinrich Hertz demonstraram e confirmaram o fenômeno das ondas eletromagnéticas previsto por Maxwell. [5]

Foi o inventor italiano Guglielmo Marconi quem comercializou o rádio com sucesso na virada do século. [82] Ele fundou a The Wireless Telegraph & amp Signal Company na Grã-Bretanha em 1897 [83] [84] e no mesmo ano transmitiu código Morse através de Salisbury Plain, enviou a primeira comunicação sem fio em mar aberto [85] e fez o primeiro transatlântico transmissão em 1901 de Poldhu, Cornwall para Signal Hill, Newfoundland. Marconi construiu estações de alta potência em ambos os lados do Atlântico e começou um serviço comercial para transmitir resumos de notícias noturnas para navios assinantes em 1904. [86]

O desenvolvimento chave do tubo de vácuo por Sir John Ambrose Fleming em 1904 sustentou o desenvolvimento da eletrônica moderna e da radiodifusão. A subseqüente invenção do triodo por Lee De Forest permitiu a amplificação de sinais eletrônicos, o que abriu o caminho para a transmissão de rádio na década de 1920.

Gestão empresarial moderna Editar

As ferrovias são responsáveis ​​pela criação da empresa de negócios moderna por acadêmicos como Alfred Chandler. Anteriormente, a gestão da maioria das empresas consistia em proprietários individuais ou grupos de sócios, alguns dos quais frequentemente tinham pouco envolvimento diário nas operações. A experiência centralizada no escritório doméstico não era suficiente. Uma ferrovia exigia experiência disponível em toda a extensão de seu trajeto, para lidar com crises diárias, quebras e mau tempo. Uma colisão em Massachusetts em 1841 levou a um pedido de reforma da segurança. Isso levou à reorganização das ferrovias em diferentes departamentos com linhas claras de autoridade administrativa. Quando o telégrafo se tornou disponível, as empresas construíram linhas telegráficas ao longo das ferrovias para rastrear os trens. [87]

As ferrovias envolviam operações complexas e empregavam quantias extremamente grandes de capital e administravam um negócio mais complicado do que qualquer coisa anterior. Conseqüentemente, eles precisavam de maneiras melhores de controlar os custos. Por exemplo, para calcular as taxas, eles precisavam saber o custo de uma tonelada-milha de frete. Eles também precisavam controlar os carros, que podiam desaparecer por meses a fio. Isso levou ao que foi chamado de "contabilidade ferroviária", que mais tarde foi adotada pela siderurgia e outras indústrias, e eventualmente se tornou a contabilidade moderna. [88]

Mais tarde, na Segunda Revolução Industrial, Frederick Winslow Taylor e outros na América desenvolveram o conceito de administração científica ou taylorismo. A gestão científica inicialmente se concentrou na redução das etapas executadas na execução do trabalho (como alvenaria ou pá) usando análises como estudos de tempo e movimento, mas os conceitos evoluíram para campos como engenharia industrial, engenharia de manufatura e gestão de negócios que ajudaram para reestruturar completamente [ citação necessária ] as operações de fábricas e, posteriormente, segmentos inteiros da economia.

Os princípios básicos de Taylor incluem: [ citação necessária ]

  • substituindo métodos de trabalho de regra prática por métodos baseados em um estudo científico das tarefas
  • selecionar, treinar e desenvolver cientificamente cada funcionário, em vez de deixá-los passivamente se auto-treinarem
  • fornecer "instruções detalhadas e supervisão de cada trabalhador no desempenho da tarefa discreta desse trabalhador"
  • dividir o trabalho quase igualmente entre gerentes e trabalhadores, de modo que os gerentes apliquem os princípios de gestão científica para planejar o trabalho e os trabalhadores realmente executem as tarefas

O período de 1870 a 1890 viu o maior aumento no crescimento econômico em um período tão curto como nunca na história anterior. Os padrões de vida melhoraram significativamente nos países recentemente industrializados, pois os preços dos bens caíram drasticamente devido ao aumento da produtividade. Isso causou desemprego e grandes convulsões no comércio e na indústria, com muitos trabalhadores sendo substituídos por máquinas e muitas fábricas, navios e outras formas de capital fixo tornando-se obsoletos em um período de tempo muito curto. [51]

“As mudanças econômicas ocorridas durante o último quarto de século - ou durante a atual geração de homens vivos - foram, sem dúvida, mais importantes e mais variadas do que em qualquer período da história do mundo”. [51]

As quebras de safra não resultaram mais em fome em áreas conectadas a grandes mercados por meio de infraestrutura de transporte. [51]

Grandes melhorias na saúde pública e saneamento resultaram de iniciativas de saúde pública, como a construção do sistema de esgoto de Londres na década de 1860 e a aprovação de leis que regulamentavam o abastecimento de água filtrada (o Metropolis Water Act introduziu a regulamentação das empresas de abastecimento de água em Londres , incluindo padrões mínimos de qualidade da água pela primeira vez em 1852). Isso reduziu muito as taxas de infecção e mortalidade de muitas doenças.

Em 1870, o trabalho feito pelas máquinas a vapor excedeu o feito pela energia animal e humana. Cavalos e mulas permaneceram importantes na agricultura até o desenvolvimento do trator de combustão interna perto do final da Segunda Revolução Industrial. [89]

As melhorias na eficiência do vapor, como os motores a vapor de tripla expansão, permitiram que os navios transportassem muito mais carga do que o carvão, resultando em um grande aumento no volume do comércio internacional. A maior eficiência das máquinas a vapor fez com que o número de máquinas a vapor aumentasse várias vezes, levando a um aumento no uso de carvão, fenômeno sendo chamado de paradoxo de Jevons. [90]

Em 1890, havia uma rede telegráfica internacional que permitia que os mercadores da Inglaterra ou dos Estados Unidos fizessem pedidos a fornecedores na Índia e na China para o transporte de mercadorias em novos e eficientes navios a vapor. Isso, mais a abertura do Canal de Suez, levou ao declínio dos grandes distritos de armazenamento em Londres e em outros lugares, e à eliminação de muitos intermediários. [51]

O tremendo crescimento da produtividade, redes de transporte, produção industrial e produção agrícola baixou os preços de quase todos os bens. Isso levou a muitas falhas de negócios e períodos que foram chamados depressões isso ocorreu enquanto a economia mundial realmente crescia. [51] Veja também: Depressão longa

O sistema fabril centralizava a produção em prédios separados, financiados e dirigidos por especialistas (em oposição ao trabalho doméstico). A divisão do trabalho tornou tanto o trabalho não qualificado quanto o qualificado mais produtivo e levou a um rápido crescimento da população nos centros industriais. A mudança da agricultura para a indústria ocorreu na Grã-Bretanha na década de 1730, quando a porcentagem da população trabalhadora engajada na agricultura caiu para menos de 50%, um desenvolvimento que só aconteceria em outros lugares (os Países Baixos) nas décadas de 1830 e 1940. Em 1890, o número havia caído para menos de 10% e a grande maioria da população britânica estava urbanizada. Esse marco foi alcançado pelos Países Baixos e pelos Estados Unidos na década de 1950. [91]

Como a primeira revolução industrial, a segunda apoiou o crescimento populacional e viu a maioria dos governos proteger suas economias nacionais com tarifas. A Grã-Bretanha manteve sua crença no comércio livre durante todo esse período. O amplo impacto social de ambas as revoluções incluiu a reconstrução da classe trabalhadora com o surgimento de novas tecnologias. As mudanças resultaram na criação de uma classe média maior e cada vez mais profissional, no declínio do trabalho infantil e no crescimento dramático de uma cultura material baseada no consumo. [92]

Em 1900, o líder na produção industrial era a Grã-Bretanha com 24% do total mundial, seguida pelos Estados Unidos (19%), Alemanha (13%), Rússia (9%) e França (7%). A Europa, em conjunto, representou 62%. [93]

As grandes invenções e inovações da Segunda Revolução Industrial fazem parte de nossa vida moderna. Eles continuaram a ser os motores da economia até depois da Segunda Guerra Mundial. As principais inovações ocorreram no pós-guerra, sendo algumas delas: computadores, semicondutores, a rede de fibra ótica e a Internet, telefones celulares, turbinas de combustão (motores a jato) e a Revolução Verde. [94] Embora a aviação comercial já existisse antes da Segunda Guerra Mundial, ela se tornou uma grande indústria após a guerra.

Novos produtos e serviços foram introduzidos, o que aumentou muito o comércio internacional. As melhorias no projeto da máquina a vapor e a ampla disponibilidade de aço barato significaram que os veleiros lentos foram substituídos por navios a vapor mais rápidos, que podiam lidar com mais comércio com tripulações menores. As indústrias químicas também passaram para a linha de frente. A Grã-Bretanha investiu menos em pesquisa tecnológica do que os Estados Unidos e a Alemanha, que os alcançaram.

O desenvolvimento de máquinas mais complexas e eficientes junto com técnicas de produção em massa (após 1910) expandiu muito a produção e reduziu os custos de produção. Como resultado, a produção freqüentemente excedia a demanda doméstica. Entre as novas condições, mais evidentes na Grã-Bretanha, a precursora dos estados industriais da Europa, estavam os efeitos de longo prazo da severa Depressão Longa de 1873-1896, que se seguiu a quinze anos de grande instabilidade econômica. Os negócios em praticamente todos os setores sofreram longos períodos de baixas - e decrescentes - taxas de lucro e deflação de preços após 1873.

Os EUA tiveram sua maior taxa de crescimento econômico nas últimas duas décadas da Segunda Revolução Industrial [96], no entanto, o crescimento da população desacelerou enquanto o crescimento da produtividade atingiu o pico em meados do século 20. A Era Dourada na América foi baseada na indústria pesada, como fábricas, ferrovias e mineração de carvão. O evento icônico foi a inauguração da Primeira Ferrovia Transcontinental em 1869, oferecendo serviço de seis dias entre a Costa Leste e São Francisco. [97]

Durante a Era Dourada, a milhagem da ferrovia americana triplicou entre 1860 e 1880 e triplicou novamente em 1920, abrindo novas áreas para a agricultura comercial, criando um mercado verdadeiramente nacional e inspirando um boom na mineração de carvão e produção de aço. O apetite voraz por capital das grandes ferrovias facilitou a consolidação do mercado financeiro nacional em Wall Street. Em 1900, o processo de concentração econômica havia se estendido para a maioria dos ramos da indústria - algumas grandes corporações, algumas organizadas como "trustes" (por exemplo, Standard Oil), dominadas em aço, petróleo, açúcar, empacotamento de carne e fabricação de máquinas agrícolas. Outros componentes importantes dessa infraestrutura foram os novos métodos de fabricação de aço, especialmente o processo Bessemer. A primeira empresa de bilhões de dólares foi a United States Steel, formada pelo financista J. P. Morgan em 1901, que comprou e consolidou empresas siderúrgicas construídas por Andrew Carnegie e outros. [98]

O aumento da mecanização da indústria e as melhorias na eficiência do trabalhador aumentaram a produtividade das fábricas, reduzindo a necessidade de mão de obra qualificada. Inovações mecânicas, como processamento em lote e contínuo, começaram a se tornar muito mais proeminentes nas fábricas. Essa mecanização fez de algumas fábricas um agrupamento de trabalhadores não qualificados, executando tarefas simples e repetitivas, sob a direção de capatazes e engenheiros qualificados. Em alguns casos, o avanço dessa mecanização substituiu totalmente os trabalhadores pouco qualificados. O número de trabalhadores qualificados e não qualificados aumentou, à medida que seus salários aumentaram [99]. Faculdades de engenharia foram estabelecidas para alimentar a enorme demanda por especialização. Junto com o rápido crescimento das pequenas empresas, uma nova classe média estava crescendo rapidamente, especialmente nas cidades do norte. [100]

Distribuição de empregos Editar

No início dos anos 1900, havia uma disparidade entre os níveis de emprego observados no norte e no sul dos Estados Unidos. Em média, os estados do Norte tinham uma população maior e uma taxa de emprego mais alta do que os estados do Sul. A maior taxa de emprego é facilmente observada considerando as taxas de emprego de 1909 em comparação com as populações de cada estado no censo de 1910. Essa diferença foi mais notável nos estados com as maiores populações, como Nova York e Pensilvânia. Cada um desses estados tinha cerca de 5% a mais da força de trabalho total dos Estados Unidos do que seria de se esperar, considerando suas populações. Por outro lado, os estados do Sul com as melhores taxas reais de emprego, Carolina do Norte e Geórgia, tinham aproximadamente 2% a menos de força de trabalho do que se esperaria de sua população. Quando as médias de todos os estados do sul e do norte são tomadas, a tendência se mantém com o desempenho superior do Norte em cerca de 2 por cento e o desempenho inferior do Sul em cerca de 1 por cento. [101]

O Império Alemão chegou a rivalizar com a Grã-Bretanha como a principal nação industrial da Europa durante este período. Como a Alemanha se industrializou mais tarde, ela foi capaz de modelar suas fábricas segundo as da Grã-Bretanha, fazendo uso mais eficiente de seu capital e evitando métodos legados em seu salto para o envelope da tecnologia. A Alemanha investiu mais pesadamente do que os britânicos em pesquisa, especialmente em química, motores e eletricidade. O sistema de preocupação alemão (conhecido como Konzerne), por estar significativamente concentrado, conseguiu fazer um uso mais eficiente do capital. A Alemanha não estava sobrecarregada com um império mundial caro que precisava de defesa. Após a anexação da Alsácia-Lorena pela Alemanha em 1871, ela absorveu partes do que havia sido a base industrial da França. [102]

Em 1900, a indústria química alemã dominava o mercado mundial de corantes sintéticos. As três empresas principais BASF, Bayer e Hoechst produziram várias centenas de corantes diferentes, juntamente com as cinco empresas menores. Em 1913, essas oito empresas produziam quase 90% do suprimento mundial de corantes e vendiam cerca de 80% de sua produção no exterior. As três principais empresas também se integraram à produção de matérias-primas essenciais e começaram a se expandir para outras áreas da química, como produtos farmacêuticos, filmes fotográficos, produtos químicos agrícolas e eletroquímicos. A tomada de decisões de alto nível estava nas mãos de gerentes profissionais assalariados, levando Chandler a chamar as empresas de tingimento alemãs de "as primeiras empresas industriais verdadeiramente gerenciais do mundo". [103] Houve muitos desdobramentos da pesquisa - como a indústria farmacêutica, que surgiu da pesquisa química. [104]

A Bélgica durante a Belle Époque mostrou o valor das ferrovias para acelerar a Segunda Revolução Industrial. Depois de 1830, quando se separou da Holanda e se tornou uma nova nação, decidiu estimular a indústria. Ele planejou e financiou um sistema cruciforme simples que conectou grandes cidades, portos e áreas de mineração, e ligou aos países vizinhos. A Bélgica tornou-se assim o centro ferroviário da região. O sistema foi construído de forma sólida segundo as linhas britânicas, de modo que os lucros eram baixos, mas a infraestrutura necessária para o rápido crescimento industrial foi instalada. [105]

Houve outras épocas que foram chamadas de "segunda revolução industrial". As revoluções industriais podem ser renumeradas tomando-se desenvolvimentos anteriores, como o surgimento da tecnologia medieval no século 12, ou da antiga tecnologia chinesa durante a Dinastia Tang, ou da antiga tecnologia romana, como primeiro. A "segunda revolução industrial" tem sido usada na imprensa popular e por tecnólogos ou industriais para se referir às mudanças que se seguiram à disseminação de novas tecnologias após a Primeira Guerra Mundial.

A excitação e o debate sobre os perigos e benefícios da Era Atômica foram mais intensos e duradouros do que durante a Era Espacial, mas previa-se que ambos conduziriam a outra revolução industrial. No início do século 21 [106], o termo "segunda revolução industrial" foi usado para descrever os efeitos antecipados de sistemas hipotéticos de nanotecnologia molecular sobre a sociedade. Nesse cenário mais recente, eles tornariam obsoleta a maioria dos modernos processos de fabricação de hoje, transformando todas as facetas da economia moderna. As revoluções industriais subsequentes incluem a revolução digital e a revolução ambiental.


Assista o vídeo: 8 ano Segunda revolução industrial: as invenções