Piper SS-409 - História

Piper SS-409 - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Piper

(SS-409 dp. 1.526 (surf.), 2.401 (subm.); 1,312 '; b. 27' 3 ";
dr. 15'3 "; s. 20 k. (Surf.), 9 k. (Subm.); Cpl. 66; a. 15",
cl. Balao).

Piper (SS-409), ex-Awa, foi deposto em 15 de março de 1944 pelo US Navy Yard, Portsmouth, N.H .; lançado em 26 de junho de 1944, patrocinado pela Sra. Charles W. Wilkins, esposa do Capitão Wilkins; comissionado em 23 de agosto de 1944, Comandante B.F. MeMahon, no comando.

Embora construído no final da Segunda Guerra Mundial, Piper completou três patrulhas de guerra bem-sucedidas antes do fim das hostilidades, operando como salva-vidas para ataques de aviões e como piquete avançado para forças-tarefa de porta-aviões.

Piper começou sua carreira na guerra em 25 de janeiro de 1945, quando fugiu de Pearl Harbor como líder de uma manada de lobos de cinco navios. A missão foi uma varredura anti-piquete em preparação para ataques de porta-aviões em Honshu. Depois de uma breve parada em Saipan, o bando chegou na área designada ao sul de Iwo Jima em 10 de fevereiro. Três varreduras de 10 a 13 de fevereiro não revelaram nenhum piquete. Piper passou o período de 15 de fevereiro a 24 de março nas costas sul e sudeste de Honshu servindo alternadamente em patrulha independente e serviço de salva-vidas para o então intensivo B-29 e ataques de porta-aviões contra o Japão. Na noite de 25 de fevereiro, Piper encontrou seu primeiro alvo. Em um ataque noturno à superfície, ela afundou um navio não identificado de 2.000 toneladas. Os últimos quatro dias antes da partida foram gastos protegendo os acessos a Bungo Suido contra uma possível surtida japonesa no porta-aviões Franklin seriamente danificado.

Piper chegou a Midway em 30 de março de 1945 para reforma e treinamento, e partiu em 26 de abril para sua segunda patrulha de guerra em outra matilha de lobos. Os navios chegaram na área de patrulha, o Mar de Okhotsk, em 3 de maio de 1945, e de 14 a 25 fizeram varreduras de navegação de superfície concentradas na área. O restante do período foi gasto em patrulhas de guerra independentes, em estações rotativas. Em 27 de maio, o Piper teve sua primeira chance nesta patrulha quando avistou dois pequenos mercadores com duas escoltas no Canal de Boussole. Abrindo caminho através de uma névoa pesada, ela lançou um ataque de torpedo de superfície, afundando um navio mercante de 4.000 toneladas. As escoltas lançaram algumas cargas de profundidade, mas nenhuma chegou perto do alvo.

O Piper partiu da área em 4 de junho de 1945, chegando a Pearl Harbor no dia 13. Em 19 de julho de 1945, ela partiu em sua terceira patrulha de guerra, parando a caminho de Guam para treinamento avançado de 1º a 4 de agosto. No dia 11, Piper representou dois navios pesqueiros de cinco toneladas em Koshiki Kaikyo, e no dia 13 ela entrou no Mar do Japão. Lá ela resgatou seis prisioneiros de guerra e o Japão capitulou no dia seguinte.

Em 3 de setembro, ela rumou para Pearl Harbor e seguiu para os Estados Unidos. Piper chegou em 15 de outubro de 1945 na Base Naval Submarine dos EUA em New London, Connecticut. Durante os cinco anos seguintes, Piper permaneceu na área de New London, com exceção dos cruzeiros para Nassau, New Brunswick e Nova Scotia, e revisões em Portsmouth e Filadélfia.

Em 2 de maio de 1950, Piper iniciou uma viagem de serviço com a 6ª Frota dos Estados Unidos no Mediterrâneo. Ao retornar aos Estados Unidos, ela fez um cruzeiro de seis semanas à Baía de Guantánamo, Cuba, para exercícios especiais.

Em junho de 1951, Piper foi para o Estaleiro Naval de Charleston para conversão, o que deu a ela o "novo visual" simplificado e equipamento de Snorkel. Nos anos seguintes, o submarino operou em New London, ao longo da costa leste dos Estados Unidos e no Caribe.

Em julho de 1955, Piper iniciou sua segunda viagem de serviço com a 6ª Frota no Mediterrâneo. Em janeiro de 1956, ela voltou a operar no Caribe. De março a setembro, ela passou por uma ampla revisão no Estaleiro Naval de Portsmouth.

Em 1 de julho de 1957, o contra-almirante C. W. Wilkins, comandante da Força de Submarinos dos Estados Unidos, Frota do Atlântico selecionou Piper como sua capitânia. Sua esposa havia batizado Piper em seu lançamento em 1944. Em setembro, Piper navegou para um exercício da OTAN de oito semanas no Atlântico Norte. Em 1958, depois de completar quase um ano como capitão da Força Submarina, Frota do Atlântico, Piper foi substituído por Seawolf (SSN-575).

Em 6 de novembro de 1959, Piper partiu de New London para uma implantação de três meses com a 6ª Frota. Ao longo de 1960, ela permaneceu na área de New London. Em 20 de fevereiro

1961 o submarino começou a fazer exercícios no Caribe. Neste cruzeiro, ela se tornou o primeiro submarino de snorkel a fazer seu 10.000º mergulho.

No outono de 1962, Piper foi implantado na área do Caribe durante a Crise dos Mísseis de Cuba. Piper iniciou outra implantação no Mediterrâneo em 8 de outubro de 1963. Ela transitou pelo Canal de Suez para Karachi, Paquistão, para participar com as Marinhas das nações do CENTO no exercício Midlink VI e retornou ao Mediterrâneo no início de dezembro para operações com a 6ª Frota antes de retornar a Nova Londres 1 de fevereiro de 1964.

Durante 1964, em conjunto com os exercícios da Atlantic Fleet, Piper visitou Portsmouth, na Inglaterra e Rotterdam, na Holanda. Depois de uma revisão no Estaleiro Naval de Portsmouth durante os primeiros seis meses de 1965, Piper navegou para a primeira das duas implantações no Caribe em 15 de outubro, retornando do segundo dia 10 de abril de 1966. Durante o restante daquele ano, ela operou na Escola de Submarinos, Nova Londres.

Em 22 de março de 1967, a bateria de armazenamento principal de Piper havia se deteriorado a ponto de o navio ficar restrito às operações de superfície. Nessa época, Piper havia feito 13.724 mergulhos, um recorde para submarinos comissionados. Em 10 de maio, Piper entrou no Estaleiro Naval de Norfolk para desativação. Em 15 de junho, Piper foi reclassificada para AGSS 409 e no dia seguinte ela foi colocada "fora de serviço, especial" e substituiu Cero como o submarino de Detroit, Michigan, Naval Reserve Training.

Piper recebeu quatro estrelas de batalha pelo serviço prestado na Segunda Guerra Mundial.


Piper SS-409 - História


(SS-389: dp. 1.526 (surf.), 2.391 (subm.), 1. 311'6 ", b. 27'3"
b. 15'3 & quot s. 20 k. (surfar), 9 k. (subm.) cpl. 66 a. 1 5 & quot,
10 21 & quot tt. cl. Balao)

Piranha (SS-389) foi derrubado em 21 de junho de 1943 pelo Portsmouth Navy Yard lançado em 27 de outubro de 1943, patrocinado pela Sra. William S. Farber, esposa do Contra-almirante Farber, Chefe Assistente de Operações Navais, e comissionado em 5 de fevereiro de 1944, Tenente Comdr . Harold E. Ruble no comando.

Após o treinamento na Costa Leste, o Piranha partiu de Key West em 3 de abril de 1944 para o Canal do Panamá e sua base, Pearl Harbor, chegando em 18 de maio para o treinamento final. Com Guardfi

h (SS-217) Thresher (SS-200) e Apogon (SS-308), ela fez sua primeira patrulha de guerra entre 14 de junho e 8 de agosto. O grupo de ataque coordenado rondou as águas a oeste e ao norte de Luzon,

impressionante ferozmente e com notável sucesso nos comboios japoneses. As vítimas do Piranha foram Nichiran Maru, afundado em 12 de julho, e Seattle Maru, afundado quatro dias depois. Várias vezes atacado por aeronaves inimigas e esquivando-se de naves de patrulha de superfície, o Piranha retornou em segurança a Majuro.

Para a primeira parte da sua segunda patrulha, Piranha juntou-se a outros 9 submarinos no reconhecimento ofensivo cobrindo a 3ª Frota durante o assalto a Peleliu, patrulhando de 30 de agosto a 25 de setembro. Quando aquela base, essencial para a libertação das Filipinas, foi tomada, o grupo Piranha $ se dissolveu e ela procurou por alvos a oeste ao longo do paralelo 20, enfrentando uma nave de patrulha inimiga em 9 de outubro. Ela sofreu um pesado ataque de carga de profundidade, mas enganou o navio de patrulha, retornando a Pearl Harbor em 23 de outubro.

Durante sua terceira patrulha de guerra, novamente com um grupo de ataque além de buscar alvos valiosos no Mar da China Oriental de 19 de novembro a 13 de janeiro de 1945, Piranha serviu como salva-vidas durante os ataques do B-29 em Kyushu. Ela acertou dois tiros em um navio mercante em 8 de janeiro, apenas para ser expulsa por uma escolta sem ser capaz de recuperar a posição de ataque.

Remodelado em Guam, o Piranha partiu em 11 de fevereiro para sua quarta patrulha de guerra, uma exibição elassie de versatilidade submarina. Com seu grupo de ataque, ela procurou alvos nas vias do comboio de Luzon a Formosa e Hong Kong. Ela passou 17 dias como salva-vidas durante ataques aéreos em Formosa, em 27 de fevereiro, afundando um junco que provavelmente servia como observador de aeronaves.

Ela foi impedida por uma grande frota de juncos de pesca ao fazer uma abordagem rápida em um comboio que estava saindo de Hong Kong em 5 de março. Recorrendo ousadamente a um antigo ardil da guerra naval, ela improvisou uma bandeira naval japonesa e a divulgou. A fraude foi bem-sucedida e ela abriu caminho entre os pescadores em velocidade de flanco, mas não conseguiu localizar o comboio.

A Piranha bombardeou a Ilha das Pratas em 26 de março com 100 projéteis de 5 polegadas. Três vezes durante esta patrulha, que terminou com 10 dias de folga em Wake, o submarino manobrou com sucesso para evitar impactos de aeronaves de ataque. Ela retornou a Midway para se reabilitar de 21 de abril a 17 de maio, então navegou para patrulha, salva-vidas e bombardeio em Mareus de 22 a 31 de maio. Aqui ela foi atacada várias vezes por baterias em terra. Depois de reabastecer em Saipan, o Piranha navegou para completar a patrulha ao largo de Honshu.

Com a dizimada marinha mercante japonesa abraçando sua própria costa, Piranha foi frequentemente frustrada por águas rasas e escoltas onipresentes em seus ataques. Encontros de arrepiar os cabelos com caçadores de submarinos e aeronaves tornaram-se infinitamente mais perigosos por serem lutados tão perto da costa, onde ela tinha pouca profundidade de água para manobra. Mas sua persistência e coragem valeram a pena, ela danificou gravemente um cargueiro em 14 de junho, afundou um navio-tanque costeiro e destruiu uma traineira carregada com tambores de óleo por tiros em 17 de junho. Mais duas traineiras caíram com sua arma em 23 de junho. Embora levemente danificado quando sua escolta retaliou com cargas de profundidade, o Piranha voltou em segurança para Pearl Harbor em 10 de julho.

Sua sexta e última patrulha de guerra durou 14 horas, ela partiu de Pearl Harbor em 14 de agosto e recebeu ordem de voltar quando as hostilidades terminaram no dia seguinte. Retornando a São Francisco em 11 de setembro, Piranha descomissionou na Ilha da Maré em 31 de maio de 1946. Lá ela ficou na reserva, redesignada AGSS389 em 6 de novembro de 1962, até ser riscada do Registro Naval em 1 de março de 1967. Seu casco foi vendido para demolição, mas sua torre de comando está preservado no Museu Naval Memorial do Almirante da Frota Chester W. Nimitz em Fredericksburg, Tex.


Piper SS-409 - História

Oceano Atlântico & # 8211 20 de novembro de 1952

70 milhas a sudeste da ilha Block

P2V Netuno
Foto da Força Aérea dos EUA

Nas primeiras horas da manhã de 20 de novembro de 1952, dois P2V Neptunes da marinha da Estação Aérea Naval de Quonset Point estavam participando de um exercício de guerra anti-submarino fora de Block Island com o submarino USS Piper (SS-409) e a marinha rebocador, USS Hopi, (AFT-71).

Pouco depois das 4h da manhã, os dois aviões se encontraram sobre a ponte Jamestown, na baía de Narragansett, e se dirigiram para a área operacional a cerca de 70 milhas da Block Island. Um avião foi pilotado pelo Lieut. Alvin S. Hibbs e o outro pelo Tenente Comandante. Noble R. Kean. (Bu. No. 124242)

Hibbs disse mais tarde aos investigadores: & # 8220O comandante Kean estava atrás de mim a cerca de um quilômetro e meio, e conversamos no rádio. Ele disse que todos os outros homens estavam muito animados pelo rádio. Chegamos à área de operação meia hora depois e circulamos por algum tempo, e então nos esforçamos para fazer contato por radar com nosso alvo. Havia dois alvos visíveis pelo radar, e eu investiguei enquanto o Comandante Kean investigava o outro. & # 8221

Hibbs encontrou seu & # 8220target & # 8221 e depois de fazer duas & # 8220 execuções & # 8221 nele, ele tentou entrar em contato com Kean por rádio, mas não conseguiu. Em seguida, o submarino e o rebocador tentaram fazer contato e não tiveram sucesso.

Hibbs sobrevoou a última posição conhecida de Kean & # 8217s e encontrou duas lâmpadas de fumaça e detritos na superfície da água. As luzes de fumaça aparentemente se soltaram dos destroços e foram ativadas automaticamente. O rebocador chegou na área e coletou alguns dos destroços, mas não encontrou nenhum sinal da tripulação.

Um dos últimos a ver a aeronave desaparecida foi Lieut. Herbert C. Taft, que estava a bordo do submarino Piper quando Kean & # 8217s Neptune faleceu. & # 8220Eu observei a aeronave cruzando nossa proa em sua corrida. Não observei nenhum mau funcionamento da aeronave e não recebi nenhuma notificação por rádio de que algo estava errado. Acompanhei o voo dele por aproximadamente quatro ou cinco milhas. & # 8221

Nesse ponto, as luzes do Neptuno, & # 8220, indicavam que ele estava virando à direita. & # 8221

& # 8220 Pouco depois disso & # 8221, Taft continuou, & # 8220 ouvimos um baque surdo. Como não havia indicação de explosão e nem clarão, esse ruído em particular me preocupou, então desci e tentei entrar em contato com a aeronave sem sucesso. & # 8221

A causa da falha não pôde ser determinada.

Os mortos foram identificados como:

Tenente Comdr. Noble R. Kean, 34, natural de Evanston, Illinois. Ele deixou sua esposa Sarah.

Tenente Thomas J. Tiernan, 28, de Wickford, R.I.

Mecânico de Aviação 2c John R. Quirk, 27, de Lavelle, Penn. Ele se casou apenas doze dias antes, em 8 de novembro, com a Srta. Constance Lussier de West Warwick, R.I.

Aviation Ordnance Man 2c George A. Buehler, 22, de Nekoosa, Wisconsin. Ele também foi casado recentemente em 4 de outubro com a Srta. Irene Carvalho de West Warwick.

Tenente Seymour A. Moyl, 26, de Bronx, N.Y.

Aviation Electronics Man 1c Roland O. Eades, 29, de Indiana.

Seaman Salvatore A. Coia, 21, de Roma, N.Y.

Seaman Joseph A. gray, 20, Bronx, N.Y.

Providence Journal, & # 8220Bomber Plunges Into Atlantic Off Block Island & # 8221, 21 de novembro de 1952, Pg. 1

Providence Journal, & # 8220Quonset pilot Described Crash As Observed From Submarine & # 8221, 21 de novembro de 1952


Piper SS-409 - História

O Relatório Piper
As edições do The Piper Report, o boletim informativo da USS Piper Veterans Association, datado de janeiro de 2006 até o presente, podem ser acessadas AQUI. Envie artigos, fotos, etc. para publicação para [email protected]

O Piper-Scope
O Piper-Scope foi publicado em outubro e novembro de 1962, durante a crise dos mísseis cubanos. Clique AQUI para as notícias conforme relatadas na Piper naquela época.

Recortes de jornais
Clique AQUI para ver os recortes de jornais da Piper. Se você tiver um para compartilhar, envie uma cópia para: [email protected]

Piper History
John Clarkin, USS Piper 1944-45, recentemente contribuiu com um microfilme para a Associação contendo registros das três patrulhas de guerra de Piper. A página Piper History foi atualizada e agora contém todas as três patrulhas de guerra. O arquivo Piper History foi criado em formato PDF para permitir uma fácil reprodução. O arquivo pode ser impresso na impressora de seu computador doméstico ou copiá-lo em um CD e levá-lo ao centro de cópias local para que seja impresso profissionalmente.

Noticiário da rendição japonesa
Filmagem histórica: rendição japonesa, contratando o navio de guerra Missouri, domingo, 2 de setembro de 1945.

Um filme da cerimônia real dos japoneses assinando sua rendição, encerrando a segunda guerra mundial. O general Douglas MacArthur foi o comandante supremo de nossas forças armadas encarregado da cerimônia de assinatura.

Clique AQUI para ver o noticiário.

Reconhecimento de AVC
Leia como o Three Simple Checks pode ajudá-lo a reconhecer um AVC e a necessidade de ajuda médica de emergência.

Sites de membros
Se você tiver um site pessoal, envie-me o endereço da web e incluirei um link para ele em "Sites de membros" na página "Links". Obrigado, [email protected]

Contra-almirante Eugene B. Fluckey morto aos 93 anos
Eugene Bennett Fluckey, um lendário submarinista da Segunda Guerra Mundial e um dos mais condecorados militares americanos vivos, morreu na noite de quinta-feira (28 de junho de 2007) em um hospital em Annapolis, Maryland, disse uma porta-voz do hospital. Ele tinha 93 anos.

Em cinco patrulhas de guerra como capitão do submarino Barb, Fluckey afundou dezenas e dezenas de navios japoneses e destruiu muito mais pequenas embarcações e instalações costeiras, de acordo com o Centro Histórico Naval. As condecorações totais de Fluckey incluíam a Medalha de Honra, quatro Cruzes da Marinha, e Citações da Unidade Presidencial e Comendas da Unidade da Marinha para ele e sua tripulação.

Nascido em 5 de outubro de 1913 em Washington, DC, Fluckey se formou na Academia Naval e aceitou a comissão de alferes em 1935. Ele serviu a bordo do navio de guerra Nevada e do destruidor McCormick antes de frequentar a Submarine School em 1938 em Groton, Connecticut. Depois de vários anos servindo a bordo de submarinos, então Tenente. Comandante Fluckey assumiu o comando do Barb no final de 1943 e afundou mais tonelagem inimiga do que qualquer outro subcomandante dos EUA, de acordo com uma biografia recente, "The Galloping Ghost", de Carl Lavo. Em ação contra os japoneses em 1944 e 1945, Fluckey e o Barb afundaram 85 navios inimigos, incluindo um porta-aviões, um contratorpedeiro e um cruzador.

Sua Medalha de Honra reconheceu sua "notável bravura" durante uma patrulha de guerra ao longo da costa leste da China de dezembro de 1944 a fevereiro de 1945. De acordo com a citação oficial, Fluckey e sua tripulação afundaram um grande navio de munição inimigo e danificaram navios adicionais durante um " correndo uma batalha noturna de 2 horas "em 8 de janeiro de 1945. Mais tarde naquele mês," em um feito excepcional de dedução brilhante e rastreamento ousado ", Fluckey e o Barb localizaram mais de 30 navios inimigos. Na batalha que se seguiu, os americanos escaparam das defesas inimigas, marcando acertos diretos em seis dos principais alvos e explodindo um grande navio de munição, causando "danos inestimáveis ​​pelos projéteis voadores resultantes e outras pirotecnias".

Em agosto de 1945, Fluckey foi selecionado para comandar o novo submarino Dogfish, então em construção, embora essa atribuição tenha terminado depois de apenas alguns meses, quando Fluckey foi transferido para Washington. Ele serviu pela primeira vez no escritório do Secretário da Marinha antes de se tornar assessor pessoal do Chefe de Operações Navais, Almirante da Frota Chester W. Nimitz.

De junho de 1947 até sua aposentadoria em agosto de 1972, Fluckey serviu em uma variedade de posições cada vez mais importantes, incluindo Comandante da Divisão de Submarinos 52, Comandante do Grupo Anfíbio 4 e Comandante da Força Submarina do Pacífico. Ele também atuou como Diretor de Inteligência Naval antes de se aposentar.

Da Base Sul de Nova Jersey, USSVI

27 de agosto de 2006 - No mar, na Marinha Sub Texas
Clique aqui

14 de janeiro de 2006 - Faça um tour em um submarino a diesel sueco, o HMS Gotland
Clique aqui

31 de dezembro de 2005 - Esta é uma história comovente para a temporada de férias
Link para The Liberty Limited.

26 de dezembro de 2005 - falecimento do companheiro de bordo Donald Wright
O companheiro de viagem Donald H. Wright faleceu na semana passada de câncer. Ele se juntou à SUBVETS Groton Base como membro vitalício em 2001. Ele inicialmente se qualificou em submarinos a bordo do USS PIPER (SS 409) em 1958. Ele também serviu a bordo do USS TINOSA (SSN 606) de 1960 a 1966, USS SEAWOLF (SSN 575) de 1966 - 1967, e USS THOMAS EDISON (SSBN 610) de 1970 a 1972 aposentando-se da Marinha como ETCM (SS).

24 de agosto de 2005 - Painel aprova a maioria dos fechamentos de bases militares
Comissão lança votos surpresa para manter a base do Exército, duas bases da Marinha abertas
Link para a história

7 de agosto de 2005 - Submarinistas resgatados retornam à Rússia
O navio com 7 marinheiros a bordo foi libertado por um submersível britânico não tripulado
Link para a história


Associação de Ex-alunos da USS Ulysses S. Grant

Frank Luke Adams, IC1 (SS) - Faleceu em 14 de maio de 2014 em Tyler, Texas.
Nascido em: agosto de 1940.
Gold Crew.
Datas a bordo: 1968 a 1971.
Sobreviveu pela esposa Sylvia, filha Gina e filhos Chuck e Luke.
Cremado com cinzas espalhadas em seu lago favorito no Texas.

História da carreira: Após seu serviço naval, Frank trabalhou para a Exxon, onde

viajaria ao redor do mundo para "navios" flutuantes no mar para programar computadores

para bombear óleo do fundo do oceano. Ele também era um programador da Lua

Crawler para o programa do ônibus espacial da Nasa. Seus hobbies incluíam fazer

armas e facas personalizadas.

Louis V. Adkins, TM3 (SS) - faleceu em 24 de fevereiro de 1969 em Key Largo, Flórida.
Nasceu em 28 de setembro de 1944.
Proprietário da Blue Crew Plank.
Datas a bordo: 1964 a 1965.
Sobreviveu por sua esposa e dois filhos.
Enterrado no cemitério Hillside em Glenside, Pensilvânia.
História da carreira: Louis frequentava uma Escola de Armas da Marinha em Key West quando
ele foi morto em um acidente de automóvel por um motorista bêbado enquanto dirigia seu TR-3

para a base. Alcançou o posto de TM1 (SS).

Gary Frank Aguirre, Jr., FTB1 (SS) - Faleceu em 27 de novembro de 2011 em Akron, Ohio.
Nascido em: 06 de abril de 1960.
Gold Crew.

Datas a bordo: 1983 a 1986.
Enterrado no Cemitério Nacional da Reserva Ocidental, Rittman, Ohio.

Charles H. Alessi, Jr., TM2 (SS) - Faleceu em 23 de dezembro de 2005 em Roma, Nova York.
Nascido em: 07 de fevereiro de 1940.
Proprietário da Blue Crew Plank.
Datas a bordo: 1964 a 1965.
Sobreviveu por sua esposa Dorothea e dois filhos.
Enterrado na seção militar do Cemitério de Roma, em Roma, Nova York.

Jose Verdin Alfaro Jr., MMFN (SS) - faleceu em 22 de agosto de 2000 no condado de Mclennan,

Texas.
Nascido em: 19 de março de 1947.
Gold Crew.
Datas de embarque: 1968.
Classificação MM3 (SS) alcançada.

Gordon Edar Alseth, STC (SS) - faleceu em 17 de março de 2003 em Lake

Isabella, Califórnia.
Nasceu em 14 de outubro de 1934.
Gold Crew.
Datas a bordo: 1967 a 1968.
Enterrado em Ft. Cemitério Nacional Rosecrans em San Diego, Califórnia.

George Irl Angell, MS2 (SS) - faleceu em 1 de maio de 2012 em Venice, Flórida.
Nascido em 8 de junho de 1959.
Gold Crew.
Datas a bordo: 1978 a 1980.
Enterrado no Cemitério Nacional de Sarasota, em Sarasota, Flórida.

Dana Ellis Arenskov, TM3 (SS) - Faleceu em 6 de setembro de 2012 em Dewey, Arizona.
Nascido em: 24 de novembro de 1947.
Gold Crew.

Datas a bordo: 1968 a 1970.
Sobreviveu por sua esposa Jennifer.

George Davis Arnold, MMC (SS) - faleceu em 23 de outubro de 2000 em Sacramento,

Califórnia.
Nascido em: 11 de novembro de 1932.
Proprietário da Prancha Gold Crew.
Datas a bordo: 1964 a 1968.

Michael George Arrowood, ETR2 (SS) - Morreu em acidente de aviação em 17 de setembro de 1981 em
Myrtle Creek, Oregon.
Nascido: 19 de janeiro de 1943.
Proprietário da prancha de ouro da tripulação. NAV-ET.
Datas a bordo: 1964 a 1965.
Sobreviveu por sua esposa Lavina.
História da Carreira: Também serviu no USS Vallejo Gold Crew. Após sua alta

da Marinha em 1969, ele se tornou um piloto comercial no Oregon. Ele perdeu a vida dele

acidente de vôo com um piloto estudante que ele estava treinando.


Thomas Michael Asher, YN1 (SS) - Aprovado em Pacific, Missouri, em 21 de março de 2015

Sobrevivido pela esposa JoAnn, filhos Chad e Nichole enteados Kim Zieroff,

Shannon Dougherty, Troy Dannenberger e irmãs DeAnna King Delores Dexter

e Charlotte Grisbrook e os irmãos Kenneth, David, Jim e Ed Dinnius e

precedido na morte por seus filhos Shelly e Mark.

Enterro com honras militares no Cemitério Nacional, Jefferson Barracks, Missouri.

História da carreira: O suboficial Asher era um veterano da Marinha altamente condecorado com mais de

20 anos de serviço. Mike foi creditado por salvar a vida do companheiro de viagem FTG1 (SS)

Gerald 'Jerry' Reynolds durante seu tempo a bordo do Grant. Acredita-se que ele também

recebeu a medalha de salvamento de vidas da Marinha ou a medalha de Comenda da Marinha por sua rápida

açao. Quando uma 'luneta foi baixada no braço de Reynolds e esmagada, Asher usou

o cinto e a fivela do cinto para interromper o fluxo de sangue do braço esmagado. Com o

assistência do socorrista, a cirurgia foi realizada pelo Dr. Wallace no Crew's

Confunda a 'sala de cirurgia' para amputar o braço. Ironicamente, o Dr. Wallace configurou o

& lsquooperating room 'apenas alguns dias antes para garantir que ele sabia a localização dos componentes

e a configuração da 'sala de cirurgia'.

Michael Nell Arterburn, MT2 (SS) e ndash faleceu em 16 de junho de 2015 em Claremont,

Proprietário Gold Crew Plank

Datas a bordo: 1964 a 1968.

Cremado em Claremont, Califórnia. As cinzas se espalharam no mar ao largo da costa do oceano

City, CA em 14 de julho de 2015. Cerimônia inclui a Guarda de Honra da Marinha, colocando seu

cinzas e flores no oceano e com elogios feitos pela família e

Sobreviveu por sua esposa Judith, filha Mailie, irmão James, irmã Patricia, irmã-

leis Sherri e Pamela, cinco sobrinhos, quatro sobrinhas e um neto

Histórico de carreira: Também serviu no USS Kamehameha (SSBN 642). Depois de sair do.

Navy Michael estudou Engenharia Aeroespacial no Northrup Institute e ganhou um

Bacharelado em Educação Secundária (Matemática) pela Indiana University

em 1974. Ao longo de sua vida, ele como professor, tutor, engenheiro de computação, fabricante, real

Corretor imobiliário, assistente social, administrador universitário, proprietário de vários negócios

sob o nome de Arterburn Enterprises, e também um parceiro em uma Investigating

business.Michael foi o fundador do USS U. S. Grant Forum e foi um

membro da USS U. S. Grant Association e destituído do cargo de historiador e

Leland Henry Richard Bachmann, EN1 (SS) - Faleceu em 26 de fevereiro de 2002 em

Birmingham, Alabama.
Nascido em: 27 de novembro de 1942.
Proprietário da Blue Crew Plank.
Datas a bordo: 1964 a 1965.
Enterrado no cemitério de Iron City, Iron City, condado de Oxford, Alabama.
Histórico de Carreira: Alcançou o posto de SSG (SS) - Exército.

Robert Theodore Bailey, TMC (SS) - faleceu em 6 de outubro de 2013 em Mount Juliet,

Tennessee.
Nascido em 10 de julho de 1937.
Apelido: "Bob".
Datas a bordo: 1967 a 1968.
Enterrado no cemitério de veteranos do estado de Middle Tennessee, Nashville, Tennessee.
Sobreviveu por sua esposa Therese e filhos Robert Jr., William, James e Matthew.
Histórico de Carreira: Cumpriu 31 anos no Serviço Submarino. Aposentado com o
posto de Master Chief Petty Officer. Atuou como Chefe do Barco (COB) em vários
submarinos com sua última turnê no USS Alexander Hamilton, SSBN-617.

Jimmy Dean Baker, MSC (SS) - Faleceu em 13 de dezembro de 2004 na Carolina do Norte.
Nascido em 2 de maio de 1936.
Apelido: "JD"
Gold Crew.
Datas a bordo: 1975 a 1977.
Sobreviveu por sua ex-esposa Jacqueline, quatro filhos, Dallas, Cass, Darren e Dwight
e oito netos.
História da carreira: JD ingressou na Marinha em 1954 e serviu no seguinte:
USS Kearsarge (CVA-33), USS Kenneth Whiting (AV-14), USS Sperry (AS-12),
USS Ronquil (SS 396), USS George Washington Carver (SSBN 656 & ndash Blue Crew

Plankowner),
USS James Madison (SSBN 627 Gold), USS Casimir Pulaski (SSBN 633 Blue),
USS Nathanael Greene (SSBN 636 ouro), USS Lafayette (SSBN 616 azul),
USS Dace (SSN 607), USS Trepang (SSN 674), USS Lewis & amp Clark (SSBN 644

Azul) e o USS U.S. Grant (SSBN 631 Gold). Ele completou seu naval de 25 anos

Carreira em terra na Base Aérea Naval de Nova Orleans em 1980. Ele

recebeu um prêmio de submarino naval por realizar 35 patrulhas de dissuasão, uma homenagem

pelos excelentes serviços prestados ao seu país e pelo serviço submarino. Seu

hobbies incluíam criar e mostrar Shepards alemães em exposições caninas com seus

esposa e treinador e árbitro de beisebol em recreações juvenis. Ele fará falta

por sua família e seus companheiros. Ele é respeitado por todos.

Donald Clarence Barber, MMCS (SS) - faleceu em 12 de março de 2013 em Mystic,

Connecticut.
Nascido em 5 de outubro de 1928.
Proprietário da Gold Crew Plank e COB.
Datas a bordo: 1963 a 1966.
Sobreviveu por sua esposa Barbara e quatro filhos, James, Bobbette, Mary Beth e

Christa.
História da carreira: Donald alistou-se na Marinha em 1945 após o ensino médio

Graduação Ele serviu no USS Borie (DD 704), USS Entemador (SS 340), USS

Abraham Lincoln (SSBN 602) e USS U.S. Grant (SSBN 631). Ele se aposentou em

1968 como Master Chief Machinist Mate - MMCM (SS). Após seu serviço, ele foi

empregado pela Navy Technical Supply em Mystic até se aposentar em 1998.

Paul V. Bargas, MSCS (SS) - Faleceu em 24 de fevereiro de 2009 em South Portland, Oregon.
Nascido em: 20 de janeiro de 1932.
Apelido: "Guisado".
Proprietário da prancha de ouro da tripulação.
Datas a bordo: 1963 a 1964.
O chefe Bargas deixa sua esposa Edwina e quatro filhos.
História da Carreira: Paul ingressou na Marinha Mercante em 1980 e trabalhou como Chefe

Comissário de bordo. Após sua aposentadoria em 1993, ele trabalhou como Chef em vários

Restaurantes de luxo. Ele foi o Chef Executivo no Sheraton Eastland

Hotel. Mais tarde, ele se juntou à Marinha. Ele foi nomeado suboficial a bordo do Grant.

Calvin Bernard Bartlett, ETC (SS) - Faleceu em 15 de novembro de 1994.
Nascido em 7 de janeiro de 1940.
Gold Crew.
Datas a bordo: 1973 a 1977.

Larry D. Bass, SN - faleceu em 1 de abril de 2002 em Cleburne, Texas.
Nascido: 31 de janeiro de 1944.
Apelido: "Sam".
Proprietário da Blue Crew Plank.
Datas a bordo: 1964 a 1966.

James Otto Baumgardner, MT (SS) - faleceu em 23 de abril de 2006 em Old Saybrook,

Connecticut.
Nascido em: 20 de agosto de 1968.
Blue Crew.
Datas a bordo: 1988 a 1992.

Ivan Beutler, ETCM (SS) & ndash Faleceu em 1978 em Newport News, Virgínia de câncer de pulmão

Tripulações Blue, Gold e Shipyard

Datas a bordo: 1975 a 1978

James D. Black, MM2 (SS) - Faleceu em 19 de janeiro de 1997 em Fulton, Missouri.
Nascido em 8 de janeiro de 1958.
Gold Crew.

Datas a bordo: 1979 a 1980.

Enterrado no Cemitério Mokane, Mokane, Missouri.

Jerry Blevins, ET2 (SS) & ndash Faleceu em novembro de 2012 em Bristol, Tennessee.

Datas a bordo: 1973 a 1977.

Joseph Richard Bommarito, MM1 (SS) - faleceu em 28 de setembro de 1988 em San Diego,

Califórnia.
Nascido em: 26 de outubro de 1939.
Gold Crew.
Datas a bordo: 1969 a 1973.

Leo H. Borcherding, MM1 (SS) & ndash Faleceu em 9 de abril de 2015 em Carrollton, Virgínia.

Datas a bordo: 1966 a 1968.
História da carreira: Leo cresceu em Gaylord, Kansas e se formou no ensino médio

Em 1997, frequentou o Hays State College e, em seguida, ingressou na Marinha em 1959. Ele serviu

por vinte anos e aposentou-se como MMC (SS) em 1978. Após a aposentadoria, ele trabalhou

como Auditor Líder / Garantia de Qualidade para OPPD Fort Calhoun Nuclear Power

Station e aposentou-se em 1997.

Richard L. Borden, MM1 (SS) - faleceu em 20 de março de 2016 em Wickenburg, Arizona

Nascido: 20 de fevereiro de 1944

Datas a bordo: 1965 a 1967

História da carreira: Richard foi um membro da USS Ulysses S. Grant Alumni Association Life

Raymond L. Boshoven Jr., MMC (SS) - faleceu em 7 de agosto de 1998 em Charleston,

Carolina do Sul.
Nascido em 14 de janeiro de 1937.
Gold Crew.

Datas a bordo: 1973 a 1975.
Enterrado no cemitério de Holy Cross em Charleston, Carolina do Sul.

Edward Ervin Bowers, RMC (SS) - faleceu em 28 de dezembro de 1996 em Rock Hill, South

Carolina.
Nascido em: 15 de janeiro de 1929.
Apelido: "Vermelho".

Blue Crew.
Datas a bordo: 1974 a 1976.
Enterrado no cemitério do Carolina Memorial Park, em Charleston, na Carolina do Sul.
Sobrevivido pelo filho James.
História da Carreira: Aposentado da Marinha como Master Chief Radioman.

Samuel Arthur Bradley, aspirante - faleceu em 13 de outubro de 2013 em Augusta,

Blue Crew - NROTC Summer Training Cruise.

Datas a bordo: 1967.

Enterrado no cemitério Westover Memorial Park em Augusta, Geórgia.
Sobreviveu por sua esposa Patricia, filha Patricia e filho Milledge.
Histórico de carreira: serviu no serviço de submarinos da Marinha dos Estados Unidos de 1968 a 1979,
alcançando o posto de Tenente Comandante (LCDR). Servido a bordo do USS

Puffer e USS Hammerhead. Fez um cruzeiro de treinamento NROTC de verão a bordo

o USS Grant em 1967 enquanto estudava na Universidade do Novo México.

Ralph Morton Brees III, EN1 (SS) - faleceu em 6 de fevereiro de 1967 na Alameda,

Califórnia.
Nascido em: 18 de setembro de 1939.
Proprietário da prancha de ouro da tripulação.
Datas a bordo: 1964 a 1965.
Sobreviveu por sua esposa Sharon e uma filha.

Walter C. Brehler, FTM3 (SS) - faleceu em 23 de novembro de 1994 em Groton, Connecticut.
Nasceu em 8 de fevereiro de 1940.
Proprietário da Blue Crew Plank.
Datas a bordo: 1964-1965.
Sobrevivido pela esposa Diane.
Histórico de carreira: Alcancei o posto de FTB1 (SS).

James E. Bristow, CSC (SS) - faleceu em 28 de fevereiro de 2008 em Booneville, Arkansas.
Nascido: 12 de agosto de 1930.

Gold Crew.
Datas de embarque: 1968.
Enterrado no cemitério Oak Hill, McAlester, Oklahoma.
Sobreviveu pela esposa Nina e sete filhas e 4 filhos.

Histórico: Veterano da Marinha nas guerras da Coréia e do Vietnã. Aposentado do Texas

Robert E. Brown, IC2 (SS) - faleceu em 1 de outubro de 2008 em Clinton, Connecticut.
Nascido em: 20 de outubro de 1942.
Proprietário da Prancha Gold Crew.
Datas a bordo: 1964 a 1965.
Enterrado no Cemitério de Cedar Hill, Hartford, Connecticut.

William Carroll Brown, EM2 (SS) - faleceu em 4 de novembro de 2008 em Adaton,

Mississippi.
Nascido em: 23 de junho de 1940.
Proprietário da Blue Crew Plank.
Datas a bordo: 1964 a 1965.
Sobreviveu por seus dois filhos e dois netos. Sua esposa o precedeu na morte.

Douglas A. Brubaker, SDC (SS) & ndash faleceu em 1991 em Palatine, Illinois

Datas a bordo: 1970 a 1973.

James Luther Bryant, SOCS (SS) - Faleceu em 13 de março de 2009 na Holanda, Texas.
Nascido em: 16 de abril de 1934.
Proprietário da Blue Crew Plank
Datas a bordo: 1963 a 1965.
História da Carreira: Serviu na Marinha dos Estados Unidos de 1951 a 1970. Aposentou-se como
Master Chief Sonarman - STCM (SS). James continuou seu serviço ao seu
country after retirement from the Navy as Program Manager with Tracor, Inc.
He retired from Tracor in 1998.

John R. Buckle, MM1(SS) - Passed away September 13, 2011 in Wellington, Kansas.
Born: Jan 23, 1946.
Nickname: "Dick".
Blue Crew.
Dates Aboard: 1967 to 1972.

Buried at Prairie Lawn Cemetery in Wellington, Kansas.
Survived by his wife June and daughters Donna, Johnna and Shawnna.

Keith Edward Bullock, RMC(SS) - Passed away December 28, 2004 in Lakeland,

Flórida.
Born: Aug 28, 1941.
Blue Crew.

Dates Aboard: 1972 to 1973.
Buried at Florida National Cemetery in Bushnell, Florida.
Career History: Retired as Master Chief Radioman - RMCM(SS).

Bruce L. Bullough, Captain - Passed away April 28, 2003 in Gales Ferry, Connecticut.
Born: Dec 27, 1948.
Blue Crew Commanding Officer - 2 patrols.
Buried at Arlington National Cemetery with full Military Honors.
Dates Aboard: 08/90 to 10/91. Last Blue Crew Skipper prior to Decommissioning.
Captain Bullough is survived by his wife of of 29 years, Cecilia Novotny Bullough,

his sons Ben and Jon and his daughter Liz.
Career History: Bruce was a Naval Academy Graduate of the class of 1972 with a
degree in Mechanical Engineering. His distinguished 29 nine-year naval

career was dedicated to the submarine service. He served aboard the USS

Sunfish (SSN 649) and the USS George C. Marshall (SSBN 654) Blue Crew. Ele

was the Blue Crew Engineering Officer aboard the USS Daniel Webster (SSBN

626) from 1981 to 1984. He served as the Executive Officer of the USS

Tullibee (SSN 597) from 1984 to 1986 and then as the Executive Officer of the
USS Lafayette (SSBN 616) gold crew until 1988. He commanded the USS

Jack (SSN 605) until her decommissioning in 1990. He then reported to the

USS Grant (SSBN 631) and made the last two blue crew patrols prior to

her decommissioning. His last career assignment was as the Director of

Navy Undersea Warfare for Commander Operational Test and Evaluation Force

in Norfolk until his retirement in 2001. After Naval retirement, he was

employed by Sonalysts, Inc., in Waterford, CT.

Clyde Bunyon, IC3(SS) - Passed away December 1, 1980 in Hampton, Virginia.
Born: Jul 10, 1945.
Blue Crew Plank Owner.
Dates Aboard: 1964 to 1965.
Survived by his wife Dorothy.

John Kenneth Burgess, QMCM(SS) - Passed away October 21, 2012 in San Antonio,

Texas.
Born: Aug 15, 1931.
Nickname: "Ken".
Gold Crew.
Dates Aboard: 1967 to 1968.
Survived by daughters Robin, Kelly and Tara and sons Buddy and Shawn.
Career History: Ken served on the commissioning crew of the USS Kamehameha

and submarines USS Baya, USS U.S. Grant and USS Missouri. Ken retired after

20 years&rsquo service as a Master Chief Petty Officer.

Vernon E. Busch, MM2(SS) - Passed away October 6, 2013 in Des Moines, Iowa.
Born: Nov 12, 1943.
Blue Crew.

Dates Aboard: 1966 to 1968.

Buried at St. Paul Cemetery in Wheatland, Iowa.
Survived by his wife Barbara, son Michael and daughters Dania, Joel and Jenifer.

John Frederick Bushong, HMC(SS) - Passed away November 12, 2009 in Bremerton,

Washington.
Born: Jun 6, 1958.
Blue Crew.
Dates Aboard: 1985 to 1987.
Retired as Senior Chief Petty Officer - HMCS(SS).

Larry G. Butler, TM(SS) - Passed away December 15, 2000 in Greeneville, Tennessee.
Born: Sept 14, 1944.
Gold Crew.
Dates Aboard: 1971 to 1973.
Buried in Greenelawn Memory Gardens in Greeneville, Tennessee.

Thomas John Calabrese, IC1(SS) - Passed away February 7, 2012 in Hilo, Hawaii.
Born: Oct 28, 1938.
Nickname: "Cal".
Gold Crew Plank Owner.
Dates Aboard: 1964 to 1966.
Survived by his wife Sharon and sons Thomas, Michael and Nicholas.
Cremated and ashes scattered at sea.
Career History: Qualified on the USS Piper (SS-409) in 1963. Tom was one of

The founders of the USSVI Bowfin Base. He was a life member of the USSVI. Ele

also served aboard the USS Forestal (CVA 59), the USS Northhampton (CC 1)

and the USS Maddox (DD 731).

Michael Roy Cannon, MM1(SS) - Died June 22, 1967 in auto accident shortly after
leaving USS Grant in Connecticut.
Born: Mar 10, 1941.
Nickname: "Boom-Boom".
Gold Crew Plank Owner.
Dates Aboard: 1964 to 1966.
Buried at Floral Hills Memorial Gardens Cemetery in Gulfport, Mississippi.

Daniel J. Cardillo, EM(SS) - Passed away February 15, 2003 in Newark, Delaware.
Born: Mar 11, 1948.
Blue Crew.
Dates Aboard: Early 70's.
Danny is survived by his wife Kathy.

Garry Lee Carls, LCDR - Passed away February 3, 2006 in Edwardsville, Illinois.
Born: July 20, 1939.
Gold Crew Medical Officer.
Dates Aboard: 1967.
Buried at Hillcrest Memorial Park Cemetery in Centralia, Illinois.

Robert Samuel Carner, STS1(SS) - Passed away October 7, 2002 in Pilot, Virginia.
Born: Mar 6, 1952.
Gold Crew.
Dates Aboard: 1980.
Buried at Mountain View Cemetery in Vinton, Virignia.

David William Carr, ETN1(SS) - Passed away January 31, 2015 in Johns Island, South

Carolina.
Born: Sep 5, 1947.
Dates Aboard: 1971 to 1975.
Survived by wife Ruth and daughters Cynthia and Arianne.

Career History: Retired as Senior Chief Petty Officer, ETCS(SS).

Abel Reyes Cerda, QM3(SS) - Passed away June 5, 2011 in San Antonio, Texas.
Born: May 19, 1956.
Dates Aboard: 1975 to 1976.
Survived by wife Maria, daughters Christina, Yvonne, Clara and sons Abel Jr.

and Albino.
Buried in Ft. Sam Houston National Cemetery in San Antonio, Texas.
Career History: Retired as Chief Petty Officer QMC(SS).

John P. Chiarella, ET2(SS) - Died from home accident on April 23, 2001 in Middletown,

Connecticut.
Born: Sept 2, 1940 in Brooklyn, NY, son of the late John and Marie Chiarella.
Blue Crew Plank Owner.
Dates Aboard: 10/63 to 03/66.
John is survived by his wife Ann and four children. Daughter Regina and her

Husband David Hinze, daughters Gariann and Jennifer and a son John F.

Chiarella.
John was buried with full military honors at State Veterans Cemetery.
Career History: John was an independent Industry Consultant to Connecticut

Yankee Atomic Power Plant where he had recently retired. He was a member

of the Haddam Lions Club, the Special Olympics and was active for

the Heart Association. Memories: John enjoyed camping, fishing, gardening and

attending jazz festivals. John was described by family friends as "a loveable

Teddy Bear" and "a person who made people feel at home". John was

a dedicated family man and had looked forward to traveling with his wife in

retirement. He will be dearly missed by all.

Captian Bartlett Lee Clark, &ndash Passed away unexpectedly on 5, 2016 in Clarkston, MI

Born: December 9, 1944

Nickname: Bart

Executive Officer Blue and Shipyard Crews, as LCDR

Dates Aboard: 1977 to 198

Survived by wife Diane, son Benjamin, Grandchildren Samantha, Cassidy and

Bartlett Lee Clark II.

Career History:: Bert served in the U.S. Navy for 26 years in the nuclear submarine

force. The pinnacle of Bart&rsquos naval career was his tour of duty as the commander of

the nuclear submarine USS Omaha (SSN-692). After the Omaha, Bart served as the

commander of two naval shores activities. His final navy tour was as the Professor of

Naval Science at the University of Michigan. Following his navy career, Bart worked

for the Ford Motor Company for 11 years. He was active in local politics, he served as

the Superintendent of Independence Township. Bart became very active in local

community affairs. In addition to his long time membership in the Clarkston Rotary

Club, Bart was involved in numerous community committees and projects.

John Myron Clarke, QMC(SS) - Passed away Mary 17, 2010 in Melbourne, Florida.
Born: Jul 26, 1934.
Nickname: "Jack".
Gold Crew.
Dates Aboard: 1981 to 1982.
Survived by his daughters Leigh and Meegan.
Buried at Memorial Park Cemetery in Columbia, Missouri.
Career History: Served in U.S. Navy for more than 30 years, retiring as a Chief
Petty Officer in 1989.

Gary Clooney, ET2(SS) - Passed away in 1973.
Blue Crew.
Dates Aboard: 1965 to 1968.

Captain Charles Louis Coleman, LDCR - Passed away January 19, 2005 in Pinehurst,
Carolina do Norte.
Born: Apr 6, 1931.
Nickname: "Charlie".
Blue Crew Weapons Officer. Plank Owner.
Dates Aboard: 12/63 to 03/66.
Charles is survived by his wife Sue and daughter Kimberly.
Career History:
Enlisted in the Navy in 1949. Attended Submarine School the

same year. He attended Officer Candidate School in 1955 and graduated as a

LTJG. He served on the USS Bergall, USS Pickerel, USS Jack, USS Corporal and

USS Cusk. Charlie Graduated from Naval Intelligence School in 1961. He served
three years as a Navy Scientific and Tech Intel Analyst, during which he was
heavily involved with the Cuban Missile Crisis. In 1963, he attended the Navy
Guided Missile School in Dam Neck, VA. Upon graduation, he reported
aboard the USS U.S. Grant (SSBN631) as the Blue Crew Weapons Officer. No
April of 1966, he became the Executive Officer on the USS Salmon. Ele
realized his dream in June of 1968 when he became the Commanding Officer
of the USS Catfish. He and his crew were awarded the battle efficiency E
plaque two years in a row. From 1970 to 1973, he was the Submarine
Command and Control Officer for COMSUBFLOT 7 in Japan. He then joined
the Staff of the joint US-Taiwan Defense Command. While in Taiwan, he was
promoted to Captain. In 1976, he was assigned to serve in the Pentagon with
the Staff of the Submarine Command and Control. His final tour of duty was at
CINLANTFLT as Command and Control Officer. In August 1979, after 31
years of service to his country, he retired. His achievements include
LOM,
MSM(2), JSCM e NCM awards. After retiring from the Navy, Charlie
spent seven years at VITRO Corporation in Maryland. He then joined his wife
part-time at Coleman Tax Service, Inc. They moved to Pinehurst, NC in 1988.

Charles A. Collins, EN1(SS) - Passed away November 17, 1999 in Zephyr Hill, Florida.
Born: Mar 31, 1933.
Blue Crew Plank Owner.
Dates Aboard: 1964 to 1965.

George Eugene Collison, Jr., EM3(SS) - Passed away September 4, 2012 in Douglas,

Geórgia.
Born: Jun 26, 1953.
Blue Crew.
Dates Aboard: 1973 to 1975.
George is survived by his daughter Elizabeth.
Career History: Retired as a Chief Petty Officer, EMC(SS), in the 1990's.
George was a pastor at St. Marks United Methodist Church.

Charles William Colomore, QMC(SS) - Passed away March 8, 1995 in Daytona Beach,

Flórida.
Born: Oct 4, 1932.
Gold Crew Plank Owner.
Dates Aboard: 1964 to 1965.
Buried in Daytona Memorial Park Cemetery, Daytona Beach, Florida.

Rudolf Conley, Jr., ENC(SS) - Passed away July 5, 1983 in Pasadena, Texas.
Born: July 17, 1932.
Blue Crew Plank Owner.
Dates Aboard: 1964 to 1965.
Buried in Ft. Rosecrans National Cemetery in San Diego, California.

John P. Cooley, YNC(SS) - Passed away October 14, 1992 while at sea.
Born: Apr 14, 1947.
Blue Crew.
Dates Aboard: 1990 to 1991.
Buried in Ft. Snelling National Cemetery, South Minneapolis, Minnesota.

Michael Eugene Corso, MT1(SS) - Passed away October 9, 2014 at Colorado Acute

Hospital in Denver, Colorado.

Born: December 6, 1962 in Cheyenne, Wyoming

Dates Aboard: 1986 to 1990.

Mike is survived by his wife Cathy.

Career History: Mike served in the submarine Navy from 1984 to 1993. He

Worked for the state of Wyoming as a web programmer. He was a member of the

Holy Trinity Catholic Church, Holy Trinity Men&rsquos Association, Fourth Degree

Knights of Columbus, and a Faithful Navigator. He served as a board member for

Cheyenne Little Theatre Players and Laramie County Shooting Complex. He was

also an instructor for the National Rifle Association.

Herbert J. Coulter Jr., MMCM(SS) &ndash Passed away July 31,2015 at St. Joseph&rsquos Hospital

No Phoenix, Arizona due to complication following lung cancer surgery.

Dates Aboard: 1969 to 1975.

Buried with Military Honors in the National Memorial Cemetery of Arizona,

Herb is survived by his wife of 54 years, Donna, children Herbert III, Pamela

Hartley, and Robert. Five grandchildren, one great granddaughter, two sisters,

one brother, and many nieces and nephews.

Career History: Herb enlisted in the Navy and proudly served his country as a

Nuclear submariner retiring in 1975. He finished his professional career working

in the industry at the Hanford Nuclear site in Richland, Washington, Polo Verde

Nuclear site in Phoenix, Arizona as well as numerous consulting projects

throughout the United States. Herb enjoyed many pleasures during his lifetime.

They included vacation and, camping, fishing, crabbing and clam digging, four

wheeling, model building, woodworking, working with gems and stones, jewelry

making, mechanic work, and of course countless fix-it projects both at home for

family and friends. Herb enjoyed life with family and friends, although he was a

man of few words he was a master at telling stories of his experiences with the

ability to grab your attention to educate and entertain. He was a life time

member of the U.S. Submarine Veterans, Arizona Perch Base.

Robert J. Cowels, Jr., YN3(SS) - Passed away August 3, 2002 in Ukiah, California.
Born: Aug 7, 1954.
Nickname: "Bob".
Gold Crew.
Dates Aboard: 03/74 to 03/75.
Robert is survived by his wife Ann and two sons, Kevin and Matthew.
Career History: Robert served on the USS U.S. Grant and the USS George C.

Marshall, SSBN654. He was a member of the Mare Island Base, USSVI. Ele

Received his Bachelor's Degree in Finance and became a teacher. He participated

in Scouts, Little League Baseball and Soccer, boating, fishing and he liked to read.

Memories: Robert reported aboard the Grant as a YNSN. There was no bunk

immediately available, so he slept in the goat locker under a speaker for a couple

of days. His Grant memories posted in the Ships Log Book include the time the

XO declined use of the tug in the channel at Holy Loch. The boat ended up

Perpendicular to another boat and narrowly missed a small boat dock just aft of

the tender Canopus when backing out. The boat then went back up the channel

and asked for tug assistance. The XO was awarded a driver's license by the crew

for nothing under 50 tons. The crew missed the last boat for liberty. Seu

shipmates say that Robert was a top notch Yeoman. He was well liked and will be missed.

John Fitzgerald Crawford, RM2(SS) - Passed away May 21, 2006 in Findlay, Ohio.
Born: Sept 16, 1961.
Blue Crew.
Dates Aboard: 1981 to 1983.
Survived by his wife Karen, son Benjamin and daughter Jenna.
Career History: Also served on the USS Parche.

David John Culligan, TM3(SS) - Passed away June 17, 2008 in Raleigh, North Carolina.
Born: Feb 21, 1944.
Nickname: "Doorknob".
Blue Crew Plank Owner.
Dates Aboard: 1964 to 1966.
Survived by his sons Brian and Michael and daughters Teresa and Tanya.
Career History: Retired from the Navy after 20 years as a Chief Petty Officer

TMC(SS).
He served on six different submarines.

Jackie Lee Cunningham, TM1(SS) - Passed away April 23, 2008 in Goose Creek, South

Carolina.
Born: May 18, 1939.
Blue Crew Plank Owner.
Dates Aboard: 1964 to 1966.
Career History: Achieved the rank of TMC(SS).


Twin Launching of USS Threadfin (SS 410) and USS Piper (SS 409) at Navy Yard, Portsmouth, NH

DocsTeach is a product of the National Archives education division. Our mission is to engage, educate, and inspire all learners to discover and explore the records of the American people preserved by the National Archives.

The National Archives and Records Administration is the nation's record keeper. We save documents and other materials created in the course of business conducted by the U.S. Federal government that are judged to have continuing value. We hold in trust for the public the Declaration of Independence, the Constitution, and the Bill of Rights — but also the records of ordinary citizens — at our locations around the country.

Except where otherwise noted, DocsTeach is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License. Primary source documents included on this site generally come from the holdings of the National Archives and are in the public domain, except as noted. Teaching activities on this site have received the CC0 Public Domain Dedication authors have waived all copyright and related rights to the extent possible under the law. See our legal and privacy page for full terms and conditions.


People sometimes mistake me for a superhero, court jester or Robin Hood

“People sometimes mistake me for a superhero, court jester or Robin Hood,” he laughed. He’s also increasingly become an Instagram prop for tourists and, maybe in some woke eyes, a gender-fluid statement.

But most people recognise him for what he is, the Pied Piper incarnate, appointed by Hamelin to impersonate its simultaneously favourite (at least commercially) and least favourite adopted son. Responsible for meeting and greeting visiting groups and dignitaries, he leads tours of the city and embodies the enduring hold of the legend that draws most travellers here.

Michael Boyer dresses up as the Pied Piper incarnate and leads tours of Hamelin, Germany (Credit: Mano Kors/Alamy)

The tale in fact has survived for a very long time. Originating as medieval folklore, the story inspired a Goethe verse, Der Rattenfänger a Grimm Brothers’ legend, The Children of Hamelin and one of Robert Browning’s best-known poems, The Pied Piper of Hamelin. And although each writer tinkered with the story, the basics remained the same: the Piper was hired by Hamelin to rid the town of its plague of rats. Trailing after the hypnotic notes of the rat-catcher’s magical flute, the rodents politely filed through the city gates to their presumed doom.

They weren’t the only ones lured by his music, though. When the town refused to pay the Piper for his service, the saviour turned into a more satanic seducer and came for Hamelin’s children. Entranced by the notes of his flute, the transfixed boys and girls followed the Piper out of town and simply vanished.

While the tale has endured, so has Hamelin itself, which still looks as though it belongs in a fairy tale. Boyer’s tour leads visitors past rows of half-timbered houses. There are 16th Century burgher manors encrusted with Gothic gables and scrollwork, and flamboyant wedding cake buildings offering prime examples of the local Weser-Renaissance architecture, all leering gargoyles and brightly coloured polychrome wood carvings.

However, all this is merely background for the town’s real cottage industry, which cashes in on all things Piper. The local restaurants plate a “rat tail” signature dish made from thinly sliced pork, and the bakeries do a brisk business in rodent-shaped breads and cakes. The Hameln Museum offers a sound and light Pied Piper re-enactment local actors put on an open-air Pied Piper play during summer and the souvenir shops hawk their own rat-inspired memorabilia. You can go home, if you wish, loaded down with Pied Piper T-shirts, fridge magnets, mugs and flutes.

Hamelin, Germany, still looks as though it belongs in a fairy tale (Credit: Gonzalo Azumendi/Getty Images)

What could pass for mere comic relief, though, masks something deeper, and suggests why the legend lives on not only in Hamelin but in enduring folklore. On some level, the tale stokes a primal fear, with the Piper a version of a universal bogey man that continues to haunt us. Parents everywhere still fear the loss of their babies. Children, popping up on the nightly news, still go missing every day. And then we all ultimately vanish in something like an instant. The Piper, in the end, is one very grim reaper.

But if the tale evokes a universal fear, it still resonates most strongly in Hamelin – and the Piper’s tour suggests why. In fact, the real surprise of his tour isn’t so much the beautifully preserved townscape but the suggestion that the Pied Piper is much more than just a fairy tale. The Grimm Brothers and Browning may have shaped the legend into art, but the story, it turns out, is likely based on an actual historical incident.

The proof is etched on Hamelin’s face itself. An inscribed plaque on the stone facade of the so-called Pied Piper house, a half-timbered private residence dating to 1602 – similar to an even earlier one etched on the building’s window – bears explicit witness to the mystery. A inscrição diz:

“A.D. 1284 – on the 26th of June – the day of St John and St Paul – 130 children – born in Hamelin – were led out of the town by a piper wearing multicoloured clothes. After passing the Calvary near the Koppenberg they disappeared forever.”

Entranced by his flute, the transfixed children of Hamelin followed the Piper out of town (Credit: duncan1890/Getty Images)

The inscription isn’t the only clue. An entry in Hamelin’s town records, dating to 1384, laments that, “It is 100 years since our children left.” The stained-glass window in the town’s St Nicolai church, destroyed in the 17th Century but described in earlier accounts, reportedly illustrated the figure of the Pied Piper leading several ghostly white children. And the 15th Century Luneburg manuscript, an early German account of the event, along with five historical memory verses, some in Latin and others in Middle Low German, all refer to a similar story of 130 children or young people vanishing on the 26 June 1284, following a pied piper to a place called Calvary or Koppen.

The Pied Piper then, more than a fairy tale, becomes the emblem of a profound historical mystery. What happened to the missing children of Hamelin? Still the master seducer, the mesmerising rat-catcher is now leading a whole new trail of entranced followers – this time a conga line of historians each taking their own deep dive into the question of what exactly transpired in Hamelin on 26 June 1284.


Aircraft Categories

The content of this website (graphics, text and any and all other elements) is © Copyright 2021 by Piper Aircraft, Inc., and may not be reprinted or retransmitted in whole or part without the expressed written consent of Piper Aircraft, Inc.

If you have difficulty viewing the website, contact us at 1.877.879.0275

X This website uses cookies to enhance your experience. By clicking “Accept”, you consent to the use of ALL cookies. However, you may visit "Cookie Settings" to provide controlled consent over which cookies are allowed. consulte Mais informação

Visão geral da privacidade

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para o funcionamento adequado do site. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem as funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que possam não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e sejam usados ​​especificamente para coletar dados pessoais do usuário por meio de análises, anúncios e outros conteúdos incorporados são denominados cookies desnecessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies no seu site.


1961 Chevrolet Impala SS 409

Chevrolet brought muscle car power to the people in the early 1960s, especially with the 1961 Chevrolet Impala SS 409. The mid-1961 introduction of the Chevrolet Impala Super Sport option package showcased another new arrival, the 409-cid V-8.

A bargain at just $53.80, the SS "kit" was offered on any Impala. It included Super Sport trim inside and out, chassis reinforcements, stronger springs and shocks, power brakes with sintered metallic linings, spinner-type wheel covers, and one of Chevy's earliest uses of narrow-band whitewall tires. The dashboard gained a Corvette-type passenger grab bar and the steering column got a 7000-rpm tachometer.

Only Chevy's toughest V-8s were offered with the SS kit. The available 348-cid mills ranged from a four-barrel with 305 bhp to a tri-carb with 350. The other choice was the 409. Essentially a larger-displacement 348, its upgrades included forged aluminum pistons, a wilder camshaft, and 11.25:1 compression. A single four-barrel mated to the aluminum manifold. It made 360 bhp. It also made history.

Chevy built 491,000 Impalas for '61. Only 453 had the SS package and of those, just 142 got the 409. But word spread quickly. Here was a mainstream Chevy V-8 with 409 lb-ft of torque and the ability to turn mid-15-second quarter miles with the standard 3.36:1 rear axle and mandatory four-speed manual. "She's real fine, my 409," sang the Beach Boys, and a legend was born.

The SS badge would grace great Chevys into the 1970s before going on an extended hiatus. The 409 lasted only through 1965. It would eventually make as much as 425 bhp and be offered even in stripper Bel Airs and Biscaynes. But a basis design traced to a late-1950s truck engine and incompatibility with serious performance hop-ups doomed it in an era of modern high-performance engines.

All told, the 409 went into just 43,775 cars. That its reputation outshines its production numbers shows how much impact the 409 had on muscle's early days.


Piper SS-409 - History

This cardboard tag has its original black cord attached. It is imprinted in black and blue on a silver background. The back side is identical. It pictures a United States Navy Submarine and it is marked as follows:

The tag measures 1-3/4'' wide. It is in mint condition as pictured.

Below here, for reference, is some historical information on the U . S . S . Piper SS-409 submarine:

U . S . S . Piper (SS-409)
From Wikipedia, the free encyclopedia

Builder: Portsmouth Naval Shipyard, Kittery, Maine
Laid down: 15 March 1944
Launched: 26 June 1944
Commissioned: 23 August 1944
Decommissioned: 16 June 1967
Struck: 1 July 1970
Fate: Sold for scrap, June 1971

Class and type: Balao class diesel electric submarine
Displacement: 1,526 tons (1,550 t) surfaced, 2,401 tons (2,440 t) submerged
Length: 311 ft. 8 in. (95.0 m)
Beam: 27 ft. 3 in. (8.3 m)
Draft: 16 ft. 10 in. (5.1 m) maximum
Propulsion: 4 Fairbanks-Morse Model 38D8, 10 cylinder opposed piston diesel engines driving electrical generators, 2 126-cell Sargo batteries, 2 low speed direct drive Elliott electric motors, two propellers, 5,400 shp (4.0 MW) surfaced, 2,740 shp (2.0 MW) submerged
Speed: 20.25 knots (38 km/h) surfaced, 8.75 knots (16 km/h) submerged
Range: 11,000 nautical miles (20,000 km) surfaced at 10 knots (19 km/h)
Endurance: 48 hours at 2 knots (3.7 km/h) submerged, 75 days on patrol
Test depth: 400 ft. (120 m)
Complement: 10 officers, 70 - 71 enlisted
Armament: 10 21-inch (533 mm) torpedo tubes (six forward, four aft), 24 torpedoes, 1 5-inch (127 mm) / 25 caliber deck gun, four machine guns

U . S . S . Piper (SS/AGSS-409), a Balao class submarine was a ship of the United States Navy named after the Piper, a fish of the halfbeak family found in warm seas mostly along the shore. It swims at the surface, occasionally leaping into the air, and is named from the noise it makes when taken out of the water. Piper, ex-Awa, was laid down 15 March 1944 by the Portsmouth Navy Yard, in Kittery, Maine launched 26 June 1944 sponsored by Mrs. Charles W. Wilkins, wife of Captain Wilkins commissioned 23 August 1944, Commander Bernard F. McMahon in command. Although built late in World War II, Piper completed three successful war patrols before the cessation of hostilities, operating as a life guard for plane strikes and as an advance picket for fast carrier task forces.

First Patrol, January - March 1945

Piper began her war career on 25 January 1945, when she slipped out of Pearl Harbor as the leader of a five ship wolfpack. The mission was an anti-picket boat sweep in preparation for carrier strikes on Honsh. After a short stop at Saipan, the pack arrived in the assigned area south of Iwo Jima 10 February. Three sweeps from 10 February to 13 February revealed no picket boats. Piper spent the period from 15 February to 24 March off the south and southeast coasts of Honsh serving alternately on independent patrol and lifeguard duty for the then intensive B-29 and carrier strikes against Japan. On the night of 25 February, Piper found her first target. In a night surface attack, she sank an unidentified 2,000 ton vessel. The last four days before departure were spent guarding the approaches to Bungo Suido against a possible Japanese sortie on the badly damaged carrier USS Franklin (CV-13).

Second Patrol, April - June 1945

Piper arrived at Midway 30 March 1945 for refit and training, and departed 26 April for her second war patrol in another wolf pack. The ships arrived in the patrol area, the Sea of Okhotsk, 3 May 1945, and from 14 May to 25 May made concentrated surface sweeps of the area. The remainder of the period was spent on independent war patrol, rotating stations. On 27 May Piper got her first chance on this patrol when she sighted two small merchantmen with two escorts in Boussole Channel. Working her way through a heavy fog, she launched a surface torpedo attack, sinking one 4,000 ton merchantman. The escorts dropped a few depth charges, but none were close to the mark.

Third Patrol, July - August 1945

Piper departed the area 4 June 1945, arriving at Pearl Harbor on 13 June. On 19 July 1945 she departed on her third war patrol, stopping enroute at Guam for advanced training from 1 August to 4 August. On 11 August, Piper accounted for two five ton fishing vessels in Koshiki Kaikyo, and on 13 August she entered the Sea of Japan. There she rescued six prisoners of war Japan capitulated the next day.

On 3 September she headed for Pearl Harbor and onward routing to the United States. Piper arrived 15 October 1945 at the U . S . Naval Submarine Base, New London, Connecticut. During the next five years, Piper remained in the New London area with the exception of cruises to Nassau, New Brunswick and Nova Scotia, and overhauls in Portsmouth and Philadelphia Naval Shipyards. On 2 May 1950 Piper got under way for a tour of duty with the U . S . 6th Fleet in the Mediterranean. Upon her return to the States she made a six week cruise to Guantanamo Bay, Cuba, for special exercises.

In June 1951 Piper went to the Charleston Naval Shipyard for Fleet Snorkel conversion which gave her the streamlined ''new look'' and snorkel gear. For the next few years the submarine operated out of New London along the east coast of the United States and in the Caribbean. In July 1955 Piper got under way for her second tour of duty with the 6th Fleet in the Mediterranean. January 1956 found her operating in the Caribbean again. From March to September she underwent an extensive overhaul in the Portsmouth Naval Shipyard. On 1 July 1957, Rear Admiral Charles W. Wilkins, Commander Submarine Force, Atlantic Fleet selected Piper as his flagship. His wife had christened Piper at her launching in 1944. In September Piper sailed for an eight week NATO exercise in the North Atlantic. In 1958, after completing almost a full year as Flagship of the Submarine Force, Atlantic Fleet, Piper was relieved by the U . S . S . Seawolf (SSN-575).

On 6 November 1959 Piper departed New London for a three month deployment with the 6th Fleet. Throughout 1960 she remained in the New London area. On 20 February 1961 the submarine got underway for exercises in the Caribbean. On this cruise she became the first snorkel submarine to make her 10,000th dive. In the fall of 1962 Piper was deployed in the Caribbean area during the Cuban Missile Crisis. Piper commenced another Mediterranean deployment 8 October 1963. She transited the Suez Canal to Karachi, Pakistan to participate with the Navies of the CENTO nations in exercise Midlink VI and returned to the Mediterranean early in December for operations with the 6th Fleet before returning to New London 1 February 1964. During 1964, in conjunction with Atlantic Fleet exercises, Piper visited Portsmouth, England and Rotterdam, Netherlands. After an overhaul in the Portsmouth Naval Shipyard during the first six months of 1965, Piper sailed for the first of two Caribbean deployments 15 October, returning from the second 10 April 1966. For the remainder of that year she operated out of Submarine School , New London.


Assista o vídeo: Piper 231


Comentários:

  1. Iwdael

    Na minha opinião. Sua opinião é errônea.

  2. Whitmoor

    Na minha opinião, o tópico é muito interessante. Vamos conversar com você em PM.

  3. Arajar

    Claro, ele não é humano

  4. Abdul-Karim

    É notável, opinião muito divertida

  5. Hrocby

    Completamente compartilho sua opinião. Nele algo é também para mim parece que é excelente idéia. Completamente com você eu vou concordar.



Escreve uma mensagem