Batalha de Mersa Matruh, 26-28 de junho de 1942

Batalha de Mersa Matruh, 26-28 de junho de 1942



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Batalha de Mersa Matruh, 26-28 de junho de 1942

A batalha de Mersa Matruh (26-28 de junho de 1942) foi a última vitória de Rommel contra o Oitavo Exército, e o viu afastar uma tentativa britânica de defender a posição de Mersa Matruh. No rescaldo da batalha, os britânicos recuaram para El Alamein, a última posição defensiva possível antes de Alexandria, onde finalmente conseguiram deter o avanço de Rommel.

No final de 1941, Rommel foi empurrado de volta para El Agheila, na fronteira oeste da Cirenaica. O longo cerco de Tobruk havia sido levantado e, no momento, a ameaça ao Egito parecia ter desaparecido. Mesmo sua Segunda Ofensiva (21 de janeiro-fevereiro de 1942), que o viu reconquistar a Cirenaica ocidental, não foi muito preocupante, pois seu avanço perdeu força a oeste de Gazala, um pouco longe de Tobruk e da fronteira egípcia. Ambos os lados se acomodaram e se prepararam para a próxima ofensiva. Rommel moveu-se primeiro, e a batalha resultante de Gazala (26 de maio a 14 de junho de 1942) terminou como um desastre para os britânicos. Rommel flanqueou a Linha Gazala, sobreviveu a uma crise causada pelo mesmo movimento e então destruiu a maior parte da blindagem britânica. Os britânicos foram forçados a recuar para o Egito, com seu exército e seus planos no caos. Desta vez, Rommel não cometeu erros em Tobruk, e o porto foi atacado em 20-21 de junho de 1942.

Enquanto Tobruk ainda resistia, os britânicos permaneceram na fronteira egípcia, mas em 23 de junho, sem o porto, Auchinleck (o comandante-em-chefe britânico no Oriente Médio) obteve permissão para recuar para o leste da fronteira para Marsa Matruh , quase a meio caminho de Alexandria. A esperança era que isso desse ao exército o tempo necessário para se recuperar do desastre em Gazala. Assim que isso fosse alcançado, o exército voltaria à ofensiva e empurraria Rommel de volta à fronteira egípcia.

A essa altura, Auchinleck havia perdido a fé no General Ritchie, comandante do 8º Exército. Em 25 de junho, ele assumiu o comando pessoal do exército, enquanto Ritchie foi enviado em licença (incomum, este não foi o fim de sua carreira - ele logo recebeu o comando da 52 Divisão (Lowland) e depois comandou o XII Corpo de exército durante os desembarques na Normandia )

Ritchie estava planejando uma repetição virtual da tentativa malsucedida de defender Tobruk. Uma divisão deveria defender a 'caixa' fortificada em Maras Matruh na costa. O resto do X Corps foi implantado ao norte da escarpa norte (correndo paralelamente à costa). O XIII Corpo de exército, que havia emergido da luta de Gazala abatido, mas ainda capaz de lutar, foi implantado ao sul da escarpa. Assim que assumiu o comando, Auchinleck decidiu abandonar este plano. Em 26 de junho, ele emitiu novas ordens - se Rommel atacasse, os britânicos recuariam para a posição de El Alamein. Ficava perigosamente perto de Alexandria, mas tinha uma vantagem - seu flanco sul era protegido pela Depressão Qattara, que era intransitável para as formações Panzer. Auchinleck também emitiu uma série de ordens para mudanças táticas - as 'caixas' fortificadas que haviam sido usadas em Gazala deveriam ser abandonadas, as armaduras e a artilharia não seriam mais espalhadas aos pedaços pelo campo de batalha e a artilharia ficaria sob o controle central.

A posição britânica em Mersa Matruh não foi muito bem organizada. O X Corps estava espalhado por uma grande área ao norte da escarpa norte. A 25ª Brigada de Infantaria Indiana estava defendendo os campos minados a oeste de Marsa Matruh. O resto da 10ª Divisão Indiana estava na 'caixa' Marsa Matrub. A 50ª Divisão ficava a sudeste de Marsa Matruh, guardando a estrada costeira e a ferrovia.

O XIII Corpo (General Gott) tinha que defender a área entre as escarpas e a área ao sul da escarpa sul. A 5ª Divisão Indiana (apenas 29ª Brigada de Infantaria Indiana) deveria defender as oito milhas entre as escarpas. Ele tinha uma 'caixa' inacabada em Sidi Hamza, na escarpa sul, e sua frente era protegida por duas linhas de campos minados. Os campos minados eram vigiados por duas pequenas colunas britânicas.

Ao sul da escarpa sul estava a 1ª Divisão Blindada. Duas brigadas blindadas (4ª e 22ª) foram postadas na área a sudoeste de Sidi Hamza. O QG da divisão ficava mais a leste, ao sul de Minqar Qaim, onde havia uma rota descendo a escarpa adequada para uso por tanques. Durante 26 de junho, a Divisão da Nova Zelândia (Freyberg) mudou-se do X Corps para o XIII Corps e terminou ao sul da escarpa sul, voltada para o norte ao redor de Minqar Qaim.

Infelizmente para Auchinleck, Rommel não lhe deu tempo para implementar seus novos planos. Suas forças sofreram pesadas perdas nos combates em Gazala e Tobruk. O Afrika Korps tinha cerca de 60 tanques e 1.500 infantaria. A 90ª Divisão Ligeira poderia adicionar mais 1.000 infantaria, e os três batalhões de reconhecimento alemães até 300, para um total de 3.400 infantaria alemã. O XX Corpo de exército italiano tinha 44 tanques, enquanto o X e o XXI Corpo de exército tinham cerca de 5.000 infantaria. O braço mais forte de Rommel neste momento era sua artilharia, com 330 canhões.

O plano de Rommel era flanquear a posição Mersa Matruh e cortar a estrada costeira em algum lugar a leste da posição do X Corps britânico. O Afrika Korps e o XX Corpo de exército italiano avançariam em ambos os lados da escarpa sul, com 21 Panzer e Littorio ao norte e 15 Panzer e Ariete ao sul. A divisão motorizada de Trieste cobriria o flanco direito. Seu papel seria derrotar a armadura britânica e forçá-la a recuar para o leste. No flanco esquerdo do Eixo, os dois corpos de infantaria italianos avançariam em direção a Marsa Matruh. No centro, a 90ª Divisão Ligeira avançaria ao sul da escarpa norte e tentaria cortar a costa a leste de Marsa Matruh. O ataque deveria começar na tarde de 26 de junho.

A reação britânica ao ataque de Rommel só pode ser descrita como corpórea. Tendo decidido não tomar posição em Marsa Matruh, a resposta óbvia teria sido ordenar uma retirada antecipada. Em vez disso, a situação foi mal interpretada e foram emitidas ordens que acabaram por deixar o X Corpo de exército preso contra a costa. O avanço de Rommel começou com resultados mistos. A 90ª Divisão Ligeira afastou as pequenas colunas do campo minado e, no final do dia, havia acabado com os campos minados. 21 Panzer estava perto de Sidi Hamza no final do dia.

Na manhã de 27 de junho, 90º Light continuou a avançar. Ele cruzou a trilha que ia de Gerawla, na costa interior, até Sidi Hamza, desceu pela escarpa norte e enfrentou a 50ª Divisão. À sua direita, o Panzer 21 empurrou a 29ª Brigada Indiana para o leste, cruzando a trilha de Gerawla e, em seguida, avançou para o leste, passando ao norte da posição da Nova Zelândia. 15 Panzer fez um progresso mais lento e foi detido pela 1ª Divisão Blindada. Às 11h20, Auchinleck informou a ambos os comandantes de seu corpo que, se fosse necessário, os dois corpos se retirariam para o leste, para a linha Fuka. Mais ou menos na mesma época, o general Gott, que estava visitando os neozelandeses, disse a Freyberg que sua posição não era vital e, se necessário, ele poderia dar um passo para o lado (rumo ao leste em direção à linha Fuka). Ao meio-dia, a 90ª Divisão Ligeira estava ameaçando a estrada costeira.

Nesse ponto, Auchinleck avaliou mal a situação. Ambos os seus corpos ainda puderam recuar - o X Corpo ao longo da estrada costeira e o XIII Corpo a sudeste através do deserto - mas Auchinleck erroneamente decidiu que o XIII Corpo estava em perigo de ser cercado. Às 1500 horas, ele ordenou que o X Corpo de exército lançasse um contra-ataque ao sul para aliviar a pressão do XIII Corpo de exército. O X Corps planejou um ataque de duas brigadas na escarpa norte, para começar às 19h30.

Enquanto esse ataque estava sendo preparado, o XIII Corpo de exército estava realmente se segurando. No sul, a 1ª Divisão Blindada ainda segurava com sucesso 15 Panzer e Ariete. 21 Panzer havia se mudado para o sul e agora estava atacando a divisão da Nova Zelândia pelo leste, mas novamente sem sucesso. A principal ameaça agora vinha da 90th Light, que se dirigia para a estrada costeira. Mais confusão foi causada no lado aliado quando o general Freyberg foi ferido. Ele foi sucedido pelo Brigadeiro Inglis, que pediu um alvo para qualquer passo lateral. Gott interpretou isso erroneamente como significando que a divisão estava em um estado muito ruim e parece ter sugerido que ela deveria voltar para a linha de El Alamein.

No final da tarde, uma unidade blindada da 1ª Divisão Blindada atacou Panzer 21 a leste de Minqar Qaim. 21 Panzer interrompeu seus próprios ataques e pediu ajuda. A resposta bastante típica de Rommel foi ordenar ao Afrika Korps que se preparasse para perseguir os Aliados a leste, em direção a Fuka. Ele também enviou a divisão Littorio para a frente e repetiu as ordens do 90º Light para cortar a estrada costeira.

Em 1900, a 90th Light alcançou a estrada costeira. O QG do X Corps moveu-se para o oeste em Marsa Matruh, temporariamente colocando-o fora de contato com o QG do 8º Exército.

Em 1920, Gott emitiu ordens de retirada para a 1ª Divisão Blindada e a 5ª Divisão Indiana do XIII Corpo de exército, sem primeiro verificar com o QG do Exército. Isso deixou o X Corpo de exército perigosamente isolado, e Auchinleck ordenou que eles se retirassem. Se esta ordem tivesse chegado prontamente, então o X Corps provavelmente teria sido capaz de romper as forças alemãs na estrada costeira, mas esta ordem não chegou ao QG do Corpo até às 04:30 do dia seguinte.

A noite de 27 de junho, portanto, viu os britânicos atacando em duas direções diferentes. Uma brigada de cada divisão da X Corp lançou seu ataque ao sul em direção à escarpa norte, mas nenhum desses ataques conseguiu nada. Na madrugada de 28 de junho, os agressores estavam de volta aos seus pontos de partida. Ao sul, as unidades do XIII Corpo de exército dirigiam-se para o leste, em direção à linha Fuka. A Divisão da Nova Zelândia provou que ainda valia a pena lutar quando escapou bem no meio do 21 Panzer, causando pesadas baixas à sua infantaria.

A confusão do lado britânico continuou em 28 de junho. O X Corps estava agora cercado, defendendo um perímetro de 30 milhas e enfrentando o ataque da maioria das forças de Rommel. Ao meio-dia, Auchinleck ordenou que o corpo partisse naquela noite e prometeu que o XIII Corpo de exército apoiaria o ataque com um contra-ataque. Infelizmente, o XIII Corpo de exército não foi informado disso até 1530 horas, quando a maioria de suas tropas continuaram a recuar para o leste de Fuka. O breakout do X Corps começou às 21h, sem qualquer apoio do XIII Corps.

O X Corps se dividiu em várias colunas e tentou abrir caminho através das linhas do Eixo. As diferentes colunas tiveram experiências muito diferentes. Alguns escaparam sem problemas. Outros foram capturados. Um se envolveu em uma dura luta com o 90º Light no litoral. Um passou pelo QG de Rommel. Quando a luta terminou, Rommel havia feito cerca de 7.000 prisioneiros. Os remanescentes do X Corps e do XIII Corps estavam fugindo para o leste, para se juntar aos sobreviventes do XXX Corps em El Alamein.

Sem surpresa, essa notícia causou um pânico de curta duração no Egito, mas as forças de Rommel agora estavam quase exauridas. Ele os empurrou para o leste para mais um esforço, mas seus primeiros ataques à posição El Alamein foram repelidos (Primeira batalha de El Alamein). A essa altura, Churchill havia perdido a fé em Auchinleck e, quando Rommel estava pronto para um ataque mais organizado, uma nova equipe de comando estava posicionada no Egito. Auchinleck foi substituído pelo General Alexander, que provou ser um líder de coalizão e operador político muito hábil, enquanto o 8º Exército foi assumido pelo General Montgomery. Quando Rommel atacou novamente, ele sofreu outra derrota (batalha de Alam Halfa, 31 de agosto-7 de setembro de 1942), e a frente então ficou quieta enquanto Montgomery se preparava para sua própria ofensiva.


27ª Divisão de Infantaria "Brescia"

A 27ª Divisão de Infantaria "Brescia" (em italiano: 27 ° Divisione Autotrasportabile "Brescia") foi uma Divisão do Exército italiano criada a partir da 27ª Divisão de Infantaria Sila antes do início da Segunda Guerra Mundial. Era composto por recrutas da Calábria. A divisão fazia parte do XXI Corpo de Infantaria Italiano no Norte da África. Juntamente com a 17ª Divisão Motorizada "Pavia" e a 25ª Divisão Motorizada "Bologna", participaram no Cerco de Tobruk, na Batalha de Gazala, na Batalha de Mersa Matruh, na Primeira Batalha de El Alamein e na Segunda Batalha de El Alamein. Em 12 de abril de 1941, quando as forças italianas e alemãs começaram o cerco a Tobruk, a Divisão de Brescia junto com o 3º Batalhão de Reconhecimento alemão capturou o porto de Bardia, levando várias centenas de prisioneiros e uma grande quantidade de equipamento.


Conteúdo

Retiro de Gazala

Após sua derrota na Batalha de Gazala no leste da Líbia em junho de 1942, o Oitavo Exército britânico recuou para o leste da linha Gazala para o noroeste do Egito até Mersa Matruh, cerca de 100 milhas (160 km) dentro da fronteira. O tenente-general Neil Ritchie decidiu não manter as defesas na fronteira egípcia, porque o plano defensivo lá contava com sua infantaria segurando as localidades defendidas, enquanto uma forte força blindada era retida na reserva para impedir qualquer tentativa de penetrar ou flanquear o fixo defesas. Como Ritchie não tinha praticamente nenhuma unidade blindada pronta para lutar, as posições da infantaria seriam derrotadas em detalhes. O plano de defesa de Mersa também incluía uma reserva blindada, mas em sua ausência Ritchie acreditava que poderia organizar sua infantaria para cobrir os campos minados entre as localidades defendidas para evitar que os engenheiros do Eixo tivessem acesso sem perturbações. [6]

Para defender a linha Matruh, Ritchie colocou a 10ª Divisão de Infantaria Indiana (em Matruh) e a 50ª Divisão de Infantaria (Northumbrian) (cerca de 15 mi (24 km) descendo a costa em Gerawla) sob o X Corps HQ, recém-chegado da Síria. [7] No interior do X Corps seria o XIII Corps com a 5ª Divisão de Infantaria Indiana (com apenas uma brigada de infantaria, a 29ª Brigada de Infantaria Indiana e dois regimentos de artilharia) em torno de Sidi Hamza cerca de 20 mi (32 km) para o interior, e o recém-chegado New Zelândia 2ª Divisão (curta uma brigada, a 6ª, que havia sido deixada fora de combate caso a Divisão fosse capturada e formaria o núcleo de uma nova divisão) em Minqar Qaim (na escarpa a 30 mi (48 km) para o interior) e a 1ª Divisão Blindada no deserto aberto ao sul. [8] A 1ª Divisão Blindada havia assumido a 4ª e a 22ª Brigadas Blindadas da 7ª Divisão Blindada, que nessa época tinha apenas três regimentos de tanques entre eles. [9]

Em 25 de junho, o General Claude Auchinleck - Comandante-em-Chefe (C-in-C) do Comando do Oriente Médio - substituiu Ritchie e assumiu ele próprio o comando direto do Oitavo Exército. [10] Ele decidiu não buscar um confronto decisivo na posição Mersa Matruh: tinha um flanco esquerdo aberto ao sul do tipo bem explorado por Rommel em Gazala. Ele decidiu, em vez disso, empregar táticas de retardamento enquanto recuava mais 100 milhas (160 km) ou mais a leste para uma posição mais defensável perto de El Alamein, na costa do Mediterrâneo. A apenas 64 km ao sul de El Alamein, as encostas íngremes da Depressão Qattara descartaram a possibilidade de a armadura do Eixo se mover ao redor do flanco sul de suas defesas e limitaram a largura da frente que ele tinha que defender.

Batalha de Mersa Matruh

Enquanto preparava as posições do Alamein, Auchinleck lutou contra fortes ações de retardamento, primeiro em Mersa Matruh em 26-27 de junho e depois em Fuka em 28 de junho. A mudança tardia de ordens resultou em alguma confusão nas formações avançadas (X Corps e XIII Corps) entre o desejo de infligir danos ao inimigo e a intenção de não ficar preso na posição Matruh, mas recuar em boa ordem. O resultado foi uma má coordenação entre os dois corpos avançados e unidades dentro deles.

No final de 26 de junho, 90º Luz e 21º Panzer As divisões conseguiram encontrar seu caminho através dos campos minados no centro da frente. No início de 27 de junho, retomando seu avanço, a 90ª Luz foi controlada pela artilharia da 50ª Divisão. Enquanto isso, dias 15 e 21 Panzer As divisões avançaram para o leste acima e abaixo da escarpa. Dia 15 Panzer foram bloqueados pela 4ª Brigada Blindada e 7ª Motor, mas a 21ª Panzer foram ordenados a atacar Minqar Qaim. Rommel ordenou que a 90ª Luz retome seu avanço, exigindo que cortasse a estrada costeira atrás da 50ª Divisão até a noite. [11]

Como o dia 21 Panzer movido em Minqar Qaim, a 2ª Divisão da Nova Zelândia se viu cercada. Ele conseguiu estourar na noite de 27 de junho sem grandes perdas [12] e se retirou para o leste. Auchinleck havia planejado uma segunda posição de retardamento em Fuka, cerca de 30 mi (48 km) a leste de Matruh, e às 21:20 ele emitiu as ordens de retirada para Fuka. A confusão na comunicação levou a divisão a se retirar imediatamente para a posição de El Alamein. [13]

Enquanto isso, o X Corpo de exército, tendo feito uma tentativa malsucedida de garantir uma posição na escarpa, ficou sem contato com o Oitavo Exército das 19h30 às 04h30 da manhã seguinte. Só então eles descobriram que a ordem de retirada havia sido dada. A retirada do XIII Corpo de exército deixou o flanco sul do X Corpo de exército na costa em Matruh exposto e sua linha de retirada comprometida pelo corte da estrada costeira 17 milhas (27 km) a leste de Matruh. Eles receberam ordens de fugir para o sul, para o deserto, e então seguir para o leste. Auchinleck ordenou que o XIII Corpo de exército fornecesse apoio, mas eles não estavam em posição de fazê-lo. Às 21h do dia 28 de junho, o X Corps - organizado em grupos de brigadas - rumou para o sul. Na escuridão, houve uma confusão considerável quando eles se depararam com unidades inimigas reunidas para passar a noite. No processo, a 5ª Divisão Indiana em particular sofreu pesadas baixas, incluindo a destruição da 29ª Brigada de Infantaria Indiana em Fuka. [14] As forças do Eixo capturaram mais de 6.000 prisioneiros, além de 40 tanques e uma enorme quantidade de suprimentos. [15]


Nas ilhas Aleutas. Os japoneses desembarcam uma pequena força na Ilha Kiska.

No pacífico. A Batalha de Midway. O almirante Yamamoto considera entrar em uma batalha de superfície contra a frota de porta-aviões dos EUA, mas decide recuar. A perda da parte principal da frota de porta-aviões japoneses e seus pilotos de aeronaves na batalha de 4 de junho roubou aos japoneses a iniciativa na batalha naval no Pacífico. Também é importante o uso de quebra de códigos pelos americanos para interceptar o planejamento japonês. O conhecimento prévio das intenções japonesas em Midway permitiu que os americanos preparassem uma armadilha.


Arquivo de fato: Batalha de Gazala

Teatro: Norte da África
Localização: Cirenaica (a província oriental da Líbia).
Jogadoras: Aliados: O 8º Exército do Tenente General Neil Ritchie e do General Claude Auchinleck, compreendendo o 13º e o 30º Corpo. Eixo: Armeegruppe Afrika do general Erwin Rommel, incluindo Panzerarmee Afrika, Deutsches Afrika Korps e os 10º, 20º e 21º Corps italianos.
Resultado: Perda de posições britânicas na Cirenaica.

A linha britânica em Gazala correu cerca de 65 km (40 milhas) ao sul da costa do Mediterrâneo. Era feito de extensos campos minados e "caixas" fortificadas - fortalezas instantâneas que podiam ser defendidas contra ataques vindos de qualquer direção.

Rommel avançou durante a noite de 26 de maio, dirigindo astutamente ao redor da extremidade sul da linha - 32 km (20 milhas) ao sul de sua posição inicial em Rotonda Segnali - então virando para o norte até o coração do 30º Corpo. Esta tática alcançou total surpresa às 9h do dia 27 de maio, duas divisões Panzer estavam a oeste de Rotonda Segnali, no lado britânico dos campos minados.

As divisões de Rommel sofreram pesadas perdas e escaparam do cerco por pouco. Em 1º de junho, no entanto, Panzerarmee Afrika rompeu a linha a oeste, garantindo suas linhas de abastecimento. O 30º Corpo recuou de volta para o leste, para o Egito.

Em 11 de junho, Rommel avançou em direção a El Adem, ao sul de Tobruk. Abatido, desorganizado e flanqueado, em 14 de junho o 13º Corpo também se retirou para o Egito, deixando uma divisão sul-africana para guarnecer Tobruk. A cidade, que havia resistido a um cerco de oito meses no ano anterior, caiu em 21 de junho após um cerco de um dia, e 19.000 soldados foram feitos prisioneiros.

Auchinleck, o Comandante-em-Chefe do Oriente Médio, agora assumia o comando pessoal do 8º Exército. Após um voo caótico para o leste e uma resistência abortada em Mersa Matruh, 160 km (100 milhas) dentro do Egito, em 30 de junho o 8º Exército alcançou sua posição defensiva final em El Alamein, cerca de 100 km (60 milhas) a oeste de Alexandria. O moral do exército estava abalado e o Deutsches Afrika Korps estava logo atrás.

Os arquivos de fatos nesta linha do tempo foram encomendados pela BBC em junho de 2003 e setembro de 2005. Descubra mais sobre os autores que os escreveram.


CommandoSupremo

O correspondente de guerra Harry Zinder da revista Time escrevendo sobre as divisões italianas que lutaram em El Alamein:

& # 8220Foi uma terrível decepção para seus aliados alemães. Eles lutaram uma boa luta. No sul, a famosa divisão de pára-quedas Folgore lutou até a última rodada de munições. Duas divisões blindadas e uma divisão motorizada, que haviam sido intercaladas entre as formações alemãs, pensaram que teriam permissão para se aposentar graciosamente com Rommel & # 8217s 21st, 15th e 19 light. Mas mesmo isso foi negado a eles. Quando ficou óbvio para Rommel que haveria pouca chance de segurar qualquer coisa entre El Daba e a fronteira, seus Panzers se dissolveram, se desintegraram e deram meia-volta, deixando os italianos lutando em uma ação de retaguarda. & # 8221 (http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,932852,00.html World Battlefronts: A PINT OF WATER PER MAN, Revista Time, 16 de novembro de 1942)

FRENTE ORIENTAL

Enquanto as operações terminavam no inverno de 1941-42, a população civil russa está à beira da fome total e dá as boas-vindas aos comandantes italianos que evitam uma catástrofe humana, fornecendo dinheiro, alimentos, transporte e remédios aos civis em troca de abrigo para seus soldados e ignoram as ordens alemãs para prender pessoas em idade militar para serem internadas em campos de prisioneiros locais e / ou serem ou serem enviadas para a Alemanha como trabalhadores escravos. (& # 8220Foi expressamente proibido requisitar casas à força dos habitantes locais à maneira alemã. Durante o inverno de 1941-42, a população urbana russa estava à beira da fome total. Os alemães haviam requisitado todos os grãos locais & # 8230 soldados italianos pegou muitos civis durante este período, fornecendo o transporte necessário para aqueles que se deslocavam a pé em direção ao Don. Os alemães estavam preocupados com a segurança na retaguarda de suas linhas, pois massas de civis entravam nas áreas próximas ao front perto do Rio Don. Eles ordenaram civis sem permissão prescrita para serem internados em campos de prisioneiros & # 8230 Os militares italianos não tiveram nada a ver com prisões de trabalhadores civis enviados à Alemanha para trabalhos forçados & # 8230 As tropas tiveram um período de silêncio enquanto na zona de Stalino em Donetz Bacia, onde a principal batalha era contra o clima gélido. Os soldados frequentemente se refugiavam em casas russas, onde os fogões ofereciam um calor bem-vindo. As mulheres costumavam fazer o la undry para soldados em troca de parte de seu pão e rações. À medida que os aldeões conheceram os soldados, eles solicitaram ajuda médica para seus filhos. Oficiais médicos italianos ofereceram assistência e até medicamentos. Numerosos soldados até doaram sangue para as transfusões necessárias. Em Rikovo, oficiais da Divisão de Torino estabeleceram ambulatórios gratuitos, uma casa de repouso para idosos e até uma clínica para mulheres grávidas administrada por italianos com funcionários russos pagos pelos italianos. & # 8221 Sacrifício na estepe: O Corpo Alpino Italiano na Campanha de Stalingrado, 1942-1943, Hope Hamilton, pp. 14-15, Casemate, 2011)

28 de janeiro & # 8211 Raggruppamento Musino luta contra repetidos ataques russos perto de Izium. (& # 8220O CSIR sobreviveu notavelmente bem ao duro inverno de 1941-2, provavelmente graças às suas experiências na campanha contra a Grécia no inverno anterior. Em batalhas maiores na área de Izium ao norte, os italianos a pedido dos alemães , forneceu repetidamente grupos de combate individuais, que resistiram ao teste em funções defensivas e ofensivas.O sucesso do pequeno corpo expedicionário italiano foi, sobretudo, graças ao compromisso incansável de seu comandante General Messe. The Unknown Eastern Front: The Wehrmacht and Hitler & # 8217s Foreign Soldiers, Rolf-Dieter Müller, p. 75, I.B.Tauris, 2014)

MALTA

13 de janeiro & # 8211 Só neste dia, Malta recebe 14 alertas de ataque aéreo em 19 horas. (& # 8220 Terça-feira, 13 de janeiro amanheceu bem e claro, mas o céu azul trouxe pesados ​​ataques aéreos 14 no espaço de 19 horas, com duração total de 9 horas. & # 8221 (https://web.archive.org/web/ 20120622003950 / https://maltagc70.wordpress.com/2012/01/13/13-January-1942-14-air-raids-9-hours-under-fire/ Diário de Guerra de Malta)

Um total de 262 ataques aéreos foram realizados em Malta este mês. (& # 8220 Em janeiro de 1942, o primeiro mês da blitz, Malta foi submetida a 262 ataques aéreos e, nos três meses seguintes, apenas onze noites não viram nenhum ataque. & # 8221 The Rough Guide to Malta & amp Gozo, Victor Paul Borg, pág. 348, Rough Guides, 2002)

ROMMEL & # 8217S SEGUNDO DESERTO OFENSIVA

21 de janeiro & # 8211 Graças aos comboios italianos e aos esforços dos decifradores italianos usando o & # 8220Black Code & # 8221, Rommel retoma sua ofensiva no deserto e rapidamente apreende Mersa Brega (21 de janeiro) e Agedabia (22 de janeiro).

(& # 8220 & # 8230 desta vez com informações cruciais italianas & # 8211 não alemãs & # 8211 dando a ele a ordem de batalha diária britânica e com o novo & # 8216Semovente & # 8217 75 / 18mm automotor, que deu ao Grupo Marcks um poderoso Ponche italiano. & # 8221 A Experiência Americana na Segunda Guerra Mundial, Walter L. Hixson, p.255, Taylor & amp Francis, 2003) (& # 8220 Entre o mais importante foi o canhão automotor Semovente 75/18 disparando um projétil especialmente projetado para penetrar na blindagem de 70 mm dos tanques líderes dos Aliados & # 8217. O & # 8216Effetto Pronto & # 8217, ou rodada Quick Effect cobrou seu preço dos novos Shermans e Grants começando a aparecer nos campos de batalha da África do Norte & # 8230 & # 8221 Guerra de Mussolini e # 8217s: Lutas militares da Itália fascista e # 8217s da África e da Europa Ocidental ao Mediterrâneo e à União Soviética 1935-45, Frank Joseph, p.159, Casemate Publishers, 2010)

6 de fevereiro & # 8211 Rommel & # 8217s forças capturam Benghazi e comandam 1.300 caminhões aliados. Os britânicos são empurrados de volta para Gazala. As forças da Comunidade Britânica perdem 40 tanques, 40 canhões de campanha e 1.400 soldados. Isso foi um desastre para os Aliados em mais de um aspecto. Agora, os comboios aliados para Malta devem passar entre a Creta ocupada pelo Eixo e o campo de aviação de Benghazi. (& # 8220Eles deixaram 1.300 caminhões que serviriam bem aos alemães nos próximos meses. & # 8221 Afrikakorps, p. 100, Livros do Time-Life, 1990) (& # 8220 Em 6 de fevereiro, ele empurrou os britânicos de volta para Gazala, a apenas 30 milhas a oeste de Tobruk. & # 8221 Virando a Maré: Batalhas Decisivas da Segunda Guerra Mundial, Nigel Cawthorne, p. 52, Book Sales, 2003) (& # 8220Na batalha feroz que se seguiu em 6 de fevereiro, a perda de 1.400 soldados da Commonwealth, quarenta tanques e tantas peças de artilharia de campanha não puderam evitar a queda desta cidade portuária estratégica. & # 8221 (Guerra de Mussolini & # 8217s: Fascist Italy & # 8217s Military Struggles from Africa and Western Europe to the Mediterranean and Soviet Union 1935-45, Frank Joseph, p.160, Casemate Publishers, 2010)

7 de fevereiro & # 8211 Malta tem 17 alertas de ataque aéreo em um período de 24 horas. Um total de 236 alertas de ataque aéreo ocorreu em Malta em fevereiro.

13 de fevereiro & # 8211 A escolta de contratorpedeiro classe Spica & # 8216Circe & # 8217 afunda o submarino britânico & # 8216Tempest & # 8217 ao largo de Taranto.

25 de fevereiro & # 8211 Submarino britânico & # 8216P38 & # 8217 é afundado na costa da Tunísia por contratorpedeiros italianos.

SEGUNDA BATALHA DE SIRTE

22 de março & # 8211 O almirante Angelo Iachino, comandante da Marinha italiana, zarpa em sua nau capitânia, o & # 8216Littorio & # 8217, junto com três cruzadores, o & # 8216Gorizia & # 8217, & # 8216Trento & # 8217 e & # 8216Bande Nere & # 8217 e oito contratorpedeiros, & # 8216Alpino & # 8217, & # 8216Bersaglieri & # 8217, & # 8216Fucilieri, & # 8216Lanciere & # 8217, & # 8216Scirocco & # 8216Ascari & # 8217, & # 8216Aviere e & # 8216Orlani & # 8217 rumo a um comboio britânico para interceptar um comboio britânico para Malta. O comboio é protegido pelo cruzador antiaéreo HMS & # 8216Carlisle & # 8217, os cruzadores HMS & # 8216Cleopatra & # 8217, HMS & # 8216Dido & # 8217, HMS & # 8216Euryalus & # 8217, HMS & # 8216Penelope & # 8217 e sixteen destroyers , praticamente toda a Marinha Real no Mediterrâneo sob o almirante Philip Vian.

Às 9h30, os torpedeiros italianos começam o ataque ao comboio e este o acompanha, sem causar danos. A Luftwaffe então aparece, mas também não consegue infligir danos aos britânicos. Às 13h30, a maioria dos navios de guerra italianos e britânicos se avistam. Os navios britânicos liberam fumaça para evitar disparos precisos dos navios de guerra italianos. Os cruzadores pesados ​​italianos abrem fogo e se afastam assim que o & # 8216Carlisle & # 8217 e um contratorpedeiro disparam de volta. Os britânicos presumem que os italianos abandonaram a luta. Foi, no entanto, um estratagema para tentar colocar os navios aliados dentro do alcance de tiro efetivo dos canhões de 380 mm do & # 8216Littorio & # 8217. No entanto, o almirante Vian percebe isso.

Às 16h30, os lados opostos novamente se avistam. Os projéteis italianos destroem o radar de & # 8216Cleopatra & # 8217 e perfuram o & # 8216Euryalus & # 8217 e o destróier HMS & # 8216Havoc & # 8217, forçando & # 8216Havoc & # 8217 a retirar-se para Malta para reparos. Nas manobras evasivas britânicas para evitar os torpedeiros Stukas alemães e os torpedeiros italianos, o & # 8216Carlisle & # 8217 colide com o destróier HMS & # 8216Avon Vale & # 8217.

Às 17:15, com a piora do tempo e a cortina de fumaça britânica, fica cada vez mais difícil para Iachino enfrentar os navios de guerra britânicos. Quando o & # 8216Vittorio Veneto & # 8217 encontra uma clareira, ele sofre um golpe e pega fogo, mas é colocado sob controle. Retorno do fogo italiano danifica o destróier HMS & # 8216Kingston & # 8217, forçando-o a retirar-se para Malta para reparos. Com a escuridão caindo e ventos fortes, ambos os lados se retiraram, mas tarde demais para o almirante Iachino, que perde os destróieres & # 8216Lanciere & # 8217 e & # 8216Scirocco & # 8217 quando pego por uma forte tempestade.

MALTA

marchar & # 8211 Há 275 ataques aéreos em Malta no mês de março. Noventa deles à noite.

MALTA

abril & # 8211 283 ataques aéreos ocorreram em Malta este mês e a ilha absorveu 6.728 toneladas de bombas. Graças às casas de calcário e à capacidade dos britânicos de defender Malta, os malteses continuaram a lidar bem com os ataques.

MEDITERRÂNEO

01 de abril & # 8211 Cruzeiro italiano & # 8216Giovanni Delle Bande Nere & # 8217 é afundado perto de Stromboli pelo submarino britânico HMS Urge.

14 de abril & # 8211 O submarino britânico HMS & # 8216Upholder & # 8217 é afundado pela escolta de contratorpedeiro italiana & # 8216Pegaso & # 8217 na costa de Trípoli, na Líbia. (& # 8220Há uma série de teorias sobre o destino de Upholder, o mais provável é que ela tenha sido vítima de um ataque de carga de profundidade pelo navio anti-submarino italiano Pagaso em 14 de abril, a leste de Trípoli, embora nenhum destroço tenha sido visto e a posição do ataque teria colocado Upholder cerca de 100 milhas fora de posição, no entanto, isso pode ser explicado pela mudança de posição do submarino para encontrar 'itens mais ricos'. & # 8221 (http://rnsubs.co.uk/boats/subs/ u-class / upholder.html RN Subs).

29 de abril & # 8211 Submarino britânico HMS & # 8216Urge & # 8217 é afundado por & # 8216Pegaso & # 8217 na costa da Líbia (& # 8220Em 27 de abril de 1942, o HMS Urge deixou Malta na passagem para Alexandria, onde deveria chegar no dia 6. O submarino não conseguiu chegar. É possível que Urge tenha atingido uma mina fora de Malta ou que tenha sido afundada pelo torpedeiro italiano Pegaso no Mediterrâneo oriental. & # 8221 http://rnsubs.co.uk/boats/subs/u -class / urge.html RN Subs)

29 de maio & # 8211 Destroyer italiano & # 8216Emanuelle Pessagno & # 8217 é afundado na costa da Líbia pelo submarino britânico & # 8216Turbulent & # 8217.

BATALHA DE GAZALA

27 de maio & # 8211 & # 8216Ariete & # 8217 atropela a 3ª Brigada Indiana de oficiais britânicos, capturando 1.000 soldados. (http://www.avalanchepress.com/Ariete.php Ariete em Gazala)

30 de maio & # 8211 & # 8216Trieste & # 8217 resgata o Afrika Korps preso, impedindo sua capitulação total. (& # 8220Nesta época, os britânicos pensaram que haviam encurralado Rommel e ele próprio pensava em se render, mas a Divisão italiana & # 8216Trieste & # 8217 conseguiu abrir uma rota através do campo minado e obter uma coluna de suprimentos para ele. & # 8221 (https: //web.archive.org/web/20150220115417/ http://desertrats.org.uk/battles1942.htm Engagements & # 8211 1942)

31 de maio & # 8211 & # 8216Ariete & # 8217 destrói dezenas de tanques britânicos perto de Sidra Ridge. (& # 8220Ariete repeliu repetidos ataques de tanques britânicos no dia 29, lançados com grande bravura, mas pouca coordenação. Os canhões antiaéreos italianos de 88 mm e 90 mm, usados ​​em uma função antitanque, destruíram dezenas de tanques britânicos. & # 8221 (http: //www.avalanchepress.com/Ariete.php Ariete em Gazala)

1 de junho As forças do & # 8211 Rommel & # 8217s romperam a linha Gazala, destruindo 100 tanques britânicos e levando 3.000 POWs britânicos & # 8217s.

5 de junho & # 8211 & # 8216Ariete & # 8217 novamente cobre com sucesso a parte de trás do Afrika Korps. (http://www.avalanchepress.com/Ariete.php Ariete em Gazala)

12 de junho & # 8211 No que é considerada a & # 8220 maior derrota da história da armadura britânica & # 8221, o & # 8216Trieste & # 8217 enreda a 22ª Brigada Blindada britânica, e a unidade de tanques britânica recua com pesadas perdas. (& # 8220Bismarck e Nehring atacaram em 12 de junho e o momento foi perfeito. O ilustre historiador britânico Correlli Barnett chamou a batalha que se seguiu a maior derrota da história dos blindados britânicos. Quando o comandante do XIII Corpo de exército britânico, general Norrie, percebeu o que era aconteceu, ele enviou a 22ª Brigada Blindada para resgatar o 7º Blindado. O 22º, no entanto, foi derrubado pela Divisão Motorizada Italiana de Trieste e foi levado na retaguarda por Bismarck e o 21º Panzer. Ele recuou com pesadas perdas. Bismarck então retornou à Batalha de Knightsbridge, onde ele, Nehring e Rommel esmagaram o 7º Blindado. & # 8221 ( Rommel & # 8217s Tenentes: Os Homens que Serviram à Raposa do Deserto, Samuel W. Mitcham, p. 98, Praeger, 2006)

16 de junho & # 8211 O exército italiano ultrapassa várias unidades e captura 6.000 tropas aliadas. (& # 8220Os italianos terminaram de limpar a Linha Gazala em 16 de junho, capturando 6.000 prisioneiros, milhares de toneladas de suprimentos e comboios inteiros de veículos não danificados no processo & # 8221. (A ascensão da Wehrmacht: as Forças Armadas Alemãs e a Guerra Mundial, 2 Volumes, p.564, Samuel W. Mitcham, Praeger, 2008)

21 de junho & # 8211 O general Hendrik Klopper entrega Tobruk ao Afrika Korps. Os despojos incluem 35.000 POW & # 8217s, cerca de 2.000 veículos, 30 tanques, 400 armas e o combustível muito necessário.

O destróier italiano & # 8216Strale & # 8217 abandonado ao largo da Tunísia é destruído pelo submarino britânico HMS & # 8216Turbulent & # 8217.

Com a captura de Tobruk, todos os preparativos para a & # 8216Operation Hercules & # 8217 (a invasão de Malta planejada para julho) diminuíram e foram cancelados em 21 de julho. (& # 8220Como agora temos Tobruk & # 8221, escreveu Jodl, Chefe do Alto Comando do Exército, em 22 de junho de 1942, & # 8220não precisamos mais de Malta. & # 8221 As tropas alemãs e italianas destinadas a & # 8220Herkules & # 8221 foram enviados para Rommel e, em 21 de julho, todos os pedidos de & # 8220Herkules & # 8221 foram cancelados. & # 8221 Chave para a vitória: o triunfo do poder marítimo britânico na Segunda Guerra Mundial, Peter Kemp Kemp, p. 222, Little Brown, 1957)

22 de junho & # 8211 Rommel é promovido a Generalfeldmarschall (Marechal de Campo).

Na última semana de junho, Mussolini visita Tobruk e soldados britânicos no campo de prisioneiros de guerra em Derna, mas não consegue se encontrar com Rommel no front.

MEDITERRÂNEO

8 de junho & # 8211 Submarino italiano smg. & # 8216Alagi & # 8217 afunda o destróier italiano & # 8216Antonio Usodimare & # 8217 por engano trágico.

14 de junho & # 8211 O Regia Marina envia a 7ª divisão italiana de cruzadores (cruzadores, submarinos e torpedeiros) sob o comando do almirante da Zara na nau capitânia Eugenio di Savoia de Palermo, Sicília para interceptar. Na batalha seguinte, o ataque direto Regia Marina & # 8217s afundou o contratorpedeiro britânico Bedouin e forçou uma rota alterada e demorada sobre os britânicos, permitindo que as forças aéreas do Eixo reduzissem o comboio de 6 para 2 transportes. Apenas 2 navios mercantes, o Orari e o Troilus, junto com o galês, foram capazes de chegar a Malta.

15 de junho & # 8211 Cruzador italiano & # 8216Trento & # 8217 é afundado ao largo de Malta pelo British Submarine & # 8216Umbra & # 8217.

OPERAÇÃO VIGOROSA

Meio de junho & # 8211 A Operação Vigorous, que incluiu 11 navios mercantes, sete cruzadores e 28 contratorpedeiros, foi o maior comboio a zarpar para Malta.O comboio teve que voltar e retornar para casa em Alexandria, Egito, uma vez que foi notado que os navios de guerra italianos Littorio e Vittorio Veneto, junto com 2 cruzadores pesados, 2 cruzadores leves e 12 destróieres foram despachados para interceptá-los.

Danos totais aliados incluídos: 2 navios mercantes afundados, 2 danificados, 3 cruzadores danificados, 3 destróieres afundados e um torpedeiro afundado. Apenas 1 cruzador pesado italiano foi perdido, afundado pelos italianos devido a graves danos.

Essas duas operações foram grandes vitórias navais italianas, mas a queda foi que a escassez de petróleo se tornou tão grande para a máquina militar italiana que essas grandes operações navais italianas raramente foram vistas novamente.

MERSA MATRUH

26 de junho & # 8211 O general Ettore Baldassare (comandante do XX Corpo de exército italiano), o general Guido Piacenza (seu comandante de artilharia) e o coronel Vittorio Raffaelli (seu comandante engenheiro) são mortos durante o reconhecimento da fortaleza britânica de Mersa Matruh. (& # 8220A perda desses três oficiais importantes foi um grande golpe para os italianos, especialmente o de Baldassare, que os liderou com sucesso nas batalhas de maio e junho & # 8221 em Cascos de Ferro, Corações de Ferro: Mussolini & # 8217s Elite Armored Divisions in North Africa, Ian Walker, Crowood, 2012)

27 de junho & # 8211 Os censores alemães e a estação de rádio Deutschlandsender revelam o segredo do & # 8216Black Code & # 8217 em uma peça de rádio. De acordo com Wilhelm F. Flicke, um oficial do Afrika Korps, esta violação na segurança condena o esforço de guerra do Eixo no Norte da África:

& # 8220Então o milagre aconteceu. Não, não foi um milagre, foi uma tragicomédia. Era tão idiotamente engraçado quanto uma passagem de um romance barato. Era sábado, 27 de junho de 1942. Sintonizei o Deutschlandsender & # 8217s seis da tarde. transmissão. & # 8220Estamos oferecendo um drama com cenas do bureau de informações britânico ou americano, & # 8221 disse o locutor. & # 8220Esta vai ser alguma coisa, & # 8221 pensei, mas deixei o receptor ligado enquanto prosseguia com algum trabalho. De repente, apurei meus ouvidos: o drama tinha como tema & # 8220Events in North Africa & # 8221 e estava comentando sobre assuntos políticos e militares. Um dos personagens representava o adido militar americano no Cairo, e agora seguia-se uma discussão sobre seu extenso suprimento de informações e a maneira como ele as enviava para Washington. Eu fiquei sem palavras. E pensar que a transmissão alemã estava transmitindo algo que inúmeras pessoas tentavam manter seguro! O drama era autêntico e muito bem interpretado & # 8230

Em 29 de junho, 36 horas após esse drama de rádio, as mensagens de Garrulus para Washington cessaram repentinamente. Os operadores de interceptação alemães ouviram e procuraram em vão. Nenhuma outra mensagem MILID ou AGWAR foi ouvida. Quando as mensagens começaram a fluir novamente, os americanos estavam usando um sistema que desafiava todos os nossos esforços de solução. Rommel, no limiar do Egito, ficou sem informações. Os britânicos reagruparam suas forças, ele nada sabia sobre isso. Eles introduziram novas unidades que ele não foi informado. Novas armas foram descarregadas em Alexandria e Port Said Rommel não soube delas. O grande general agora tinha que confiar em si mesmo e em seu reconhecimento na frente. & # 8221(https://www.cia.gov/library/ center-for-the-study-of-intelligence / kent-csi / vol3no4 / html / v03i4a06p_0001.htm As chaves perdidas para El Alamein)

28 de junho & # 8211 A concentração de tropas italianas perto de Mersa Matruh força os britânicos a abandonar Siwa Oasis, a base de patrulha do Long Range Desert Group (LRDG), o Serviço Aéreo Especial original no Norte da África. (& # 8220Esta grande retirada na costa teve um efeito óbvio no uso contínuo do LRDG & # 8217s de Siwa como base. & # 8221 The Long Range Desert Group 1940-1945: Providence, seu guia, David Lloyd-Owen, p. 99, Pen and Sword, 2009)

28 a 30 de junho & # 8211 & # 8216Littorio & # 8217 cerca Mersa Matruh e Bersaglieri capturam 8.000 soldados aliados. (& # 8220As posições de Mersa Matruh ficaram sob forte fogo de artilharia das Divisões de Brescia e Trento, enquanto a 90ª Divisão Light e as Divisões de Littorio tentaram completar o cerco do sul & # 8230 No final do dia 27 de junho, Gott, preocupou-se que sua 2ª Divisão da Nova Zelândia estava prestes a ser cortada, ordenou a retirada do XIII Corpo. Devido a uma falha nas comunicações britânicas, o X Corpo não soube até as 04h30 do dia 28 de junho que o XIII Corpo estava em plena retirada e seu flanco sul Mais tarde naquele dia, a 90ª Divisão de Luz e a Divisão de Littorio completaram o cerco de Mersa Matruh & # 8230 Durante a noite de 28 de junho, grupos da 10ª Divisão indiana tentaram romper a posição de Mersa Matruh à frente de Wadi Ngamish, mas foram rechaçados pela Divisão Blindada de Littorio & # 8230 Na manhã de 29 de junho, a guarnição de Mersa Matruh foi dominada. Às 09h30, o 7º Regimento Bersaglieri italiano entrou na fortaleza conquistada, levando 6.000 prisioneiros aliados. & # 8221 Segunda Guerra Mundial na Europa: Uma Enciclopédia, Volume 1, David T. Zabecki, p. 1578, Taylor & amp Francis, 1999) (& # 8220A maior parte da guarnição de Matruh, a melhor parte de outro corpo, estourou antes que essa posição fosse invadida em 29 de junho, com o italiano Bersaglieri desempenhando um papel de liderança em uma luta corpo-a-corpo resultante na captura de seis mil prisioneiros e uma divisão & # 8217s de equipamento. & # 8221 Patton e Rommel: Homens de Guerra no Século XX, Dennis Showalter, Penguin, 2006) (& # 8220 Em 30 de junho a situação havia se estabilizado novamente, mas Mersa Matruh estava agora nas mãos do Eixo. Rommel obteve uma vitória significativa por meio de um blefe quase ultrajante - uma vitória que custou a seus oponentes 8.000 prisioneiros e uma grande quantidade de equipamentos. & # 8221 Guerra no mediterrâneo, Bernard Ireland, p. 140, Pen & amp Sword, 2003)

PRIMEIRA BATALHA DE ALAMEIN

1 de julho & # 8211 Tropas avançadas de Bersaglieri reúnem 1.000

3 de julho & # 8211 O 19º Batalhão da Nova Zelândia desaloja o & # 8220Ariete & # 8217, capturando 531 neozelandeses atrasados ​​perto de Minqar Qaim, 24 milhas ao sul de Mersa Matruh. (https://www.militaryhistoryonline.com/ misc / ngatoa / articles / orm.aspx Entrevista com Orm Poppleton) homens e várias baterias de artilharia. Os 21º e 22º Batalhões da Nova Zelândia também atacam, mas não conseguem desalojar o & # 8216Brescia & # 8217.

10 de julho & # 8211 O Batalhão 2/48 australiano captura 835 soldados da Divisão & # 8216Sabratha & # 8217 que defende Tel el Eisa. Os italianos inicialmente resistiram, mas não foram capazes de manter suas posições depois de serem fortemente bombardeados por 100 canhões de artilharia de campanha apoiando o avanço australiano. (& # 8220O avanço para o próximo ponto de triangulação no cume, Ponto 23, 2.000 jardas adiante, não foi tão fácil contra a defesa agora alertada, mas logo o tiro de rifle e metralhadora dos defensores italianos foi abafado pelo drone de centenas de projéteis. Os canhões de todos os três regimentos de campo australianos e ambos os regimentos de campo da África do Sul, bem como o 7º Regimento Médio, totalizando mais de 100 canhões de campanha de 25 libras, canhões médios de 4,5 polegadas e 5,5 polegadas ao todo, começaram a disparar seu programa de artilharia em apoio ao ataque & # 8221. Pendulum Of War: Three Battles at El Alamein, Niall Barr, p.105, Random House, 2010)

11 de julho & # 8211 General Enea Navarini, reage vigorosamente e o 7º Regimento Bersaglieri e 46º Regimento de Artilharia do & # 8216Trento & # 8217 e uma companhia de tanques do & # 8216Trieste & # 8217 avançam. Os reforços italianos detêm o avanço australiano e os Bersaglieri retomam parte de Tel el Eisa. (& # 8220Naquela tarde, tanques italianos contra-atacaram os dois batalhões australianos em uma tentativa de retomar a colina 33 perto da costa. O major Gabriele Verri, comandando o 11º Armd. Bn. Da Divisão Motorizada de Trieste, enviou uma companhia de tanques M13 e M14 para dentro o assalto do capitão Vittorio Bulgarelli. & # 8221 Guerra no deserto, Neil D. Orpen, p.367, Purnell, 1971) (& # 8220 Em aproximadamente 2.000 horas os tanques inimigos - número desconhecido - e inf atacaram a frente D Coy. Eles ultrapassaram psn e os inf inimigos forçaram a Companhia D a retirar e ocupar seus psn & # 8221 (Diário de Guerra do 2º Batalhão)).

14 de julho & # 8211 Coronel Erminio Angelozzi & # 8217s 1º Batalhão, 85º Regimento de Infantaria, & # 8216Sabratha & # 8217 Divisão, lançam um contra-ataque aos australianos desdobrados ao longo de Tel el Eisa e conseguem retomar a posição. (& # 8220La controffensiva inglese premeva a Nord, dove la Divisione Sabratha si battè in una serie di assalti and contrassalti. Ad essa, oramai allo stremo, fu affidato il compito di riconquistare la quota di Tell el Elsa: l & # 8217azione fu condotta dal solo battaglione operativamente valido, il I dell & # 821785 °, comandato dal colonnello Angelozzi: la quota, dopo aspra battaglia, fu riconquistata. Fu l & # 8217ultima azione della Sabratha, che fu sciolta. & # 8221 (https: //web.archive .org / web / 20150221044819 / http://www.carabinieri.gov.it/arma/ieri/storia/cc-nel-900-italiano/fascicolo-30/1942-l%27anno-decisivo-pag-2 MINISTERO DELLA DIFESA)

15 de julho & # 8211 As divisões & # 8216Pavia & # 8217 & amp & # 8216Brescia & # 8217 descarrilam a 2ª Divisão da Nova Zelândia e o ataque # 8217s em Ruweisat Ridge. Várias centenas de atacantes são capturados. (Embora as brigadas de ataque tivessem sido capazes de abrir grandes brechas nas defesas mantidas pela infantaria italiana, elas não foram capazes de subjugar toda a resistência. Não surpreendentemente, a maioria dos postos avançados menores e localidades defendidas haviam caído facilmente, mas alguns dos Os postos maiores foram contornados durante a noite. Os postos avançados que restaram continham um número substancial de armas antitanque, metralhadoras e infantaria. Quando amanheceu, esses postos foram capazes de cobrir a área ao sul da crista com fogo e atirar em todos os caminhões temerário o suficiente para seguir em frente. & # 8221 & # 8216 Pendulum Of War: Three Battles at El Alamein, Niall Barr, pág. 131, Random House, 2010)

16 de julho & # 8211 O 2 / 23º Batalhão australiano tenta retomar Tel el Eisa, mas é forçado a recuar após sofrer pesadas baixas. (Mais tarde, relatando o ataque do 2/23 o Batalhão, o historiador australiano Mark Johnston escreveu que & # 8220Em 16 de julho, eles foram obrigados a retomá-la e ao resto da crista Tel el Eisa. Após o sucesso inicial, sofreram quase 50% de baixas e tiveram para retirar. & # 8221) (Em seu diário, Rommel escreve: & # 8221No dia seguinte, 16 de julho, os britânicos atacaram novamente, mas desta vez apenas localmente. Após preparação intensiva de artilharia, os australianos atacaram nas primeiras horas da manhã com apoio de tanque e levou vários pontos fortes detidos pela Sabratha “).

17 de julho & # 8211 O & # 8216Trento & # 8217 apoiado por tanques do & # 8216Trieste & # 8217 invadiu parte da 9ª Divisão AIF, capturando não menos que 200 australianos. Os australianos incrédulos presumem que os atacantes eram Panzergrenadiers de primeira, embora os registros alemães mais tarde provassem que os italianos do 3º Batalhão, 61º Regimento de Infantaria de Trento desferiram o golpe. Os historiadores australianos corrigem os relatos do tempo de guerra, com o A História Oficial Australiana apenas admitindo isso “Dois pelotões avançados da companhia de esquerda do 2/32 foram invadidos, 22 homens foram feitos prisioneiros”.O historiador australiano Mark Johnston no livro Lutando contra o inimigo (Cambridge University Press, 2000) atribui isso a "uma relutância em reconhecer reveses contra os italianos". (& # 8220O ataque começou em 17 de julho às 2h30. O 2/32 capturou o Trig 22 e vinculou-se ao 2/43, mas os alemães resistiram ferozmente e contra-atacaram com tanques. O 2/32 sofreu pesadamente: quase metade do seu muitos foram mortos ou feridos e quase 200 tornaram-se prisioneiros de guerra. & # 8221 https://www.awm.gov.au/unit/U56075/ 2/32º Batalhão de Infantaria Australiano) (& # 8220Em breve, as empresas tomaram o inimigo posições no cume, mas, no escuro, os homens da Companhia A ultrapassaram seu objetivo, Ponto 22, em 1.500 jardas. Quando perceberam seu erro, estavam sob fogo tão forte que não puderam recuar. Às 8h00 Italianos tanques e infantaria começaram a cercar suas posições e eventualmente forçaram toda a companhia a se render. & # 8221 Pendulum Of War: Three Battles at El Alamein, Niall Barr, pág. 148, Random House, 2010)

22 de julho & # 8211 As divisões & # 8216Brescia & # 8217 e & # 8216Trieste & # 8217 em Ruweisat Ridge contêm outro ataque da 2ª Divisão de Nova Zeaaland, e 800 atacantes pegos a céu aberto são capturados quando os tanques alemães chegam. Dois comandantes regimentais italianos (coronéis Gherardo Vaiarini de Piacenza e Umberto Zanetti) são mortos defendendo Ruweisat Ridge, provando que oficiais italianos lutaram e morreram ao lado de seus homens. (“A luta que assumia uma tenacidade particular terminou em favor do Eixo. O inimigo foi repelido por toda parte com contra-ataques e sofreu graves perdas em homens e material. Oitocentos prisioneiros, principalmente neozelandeses e índios caíram em nosso mãos e 130 tanques foram destruídos no campo. Durante essa ação, as divisões alemã Afrika Korps e italiana Brescia e Trieste se destacaram. ”https://web.archive.org/web/ 20100409154641 / http: //www.comando supremo.com/1elalamein.html & # 8211 & # 8216Primeira batalha de El Alamein & # 8217 COMMANDO SUPREMO / ITÁLIA EM GUERRA). (& # 8220Uma equipe de combate mista germano-italiana resistiu e provou que nem todos os italianos haviam perdido a vontade de lutar. Muitos desses homens resistiram até a última bala. Sua posição heróica deu a Rommel tempo para concentrar seu Afrika Korps contra o 23º Blindado Brigada. & # 8221 ROmmel e # 8217s Guerra do Deserto: A Vida e Morte do Afrika Korps, Samuel W. Mitcham, p. 122, Stackpole Books, 2007). (& # 8220Colonel Gherardo Vaiarini de Piacenza, comandando a 65ª Infantaria de Trieste, foi morto e morreu com tanta bravura que foi postumamente condecorado com a Medalha de Ouro & # 8230. O outro coronel de infantaria do Trieste & # 8217s, Umberto Zanetti, comandando o 66º , também foi morto & # 8211 em 22 de julho. & # 8221 Alamein 1933-1962: Uma história italiana, Paolo Caccia Dominioni de Sillavengo, p. 83, Allen & amp Unwin, 1966).

27 de julho & # 8211 O 3º Batalhão, 61º Regimento de Infantaria, & # 8216Trento & # 8217 Divisão descarrila o ataque do 2/28º Batalhão australiano. (& # 8220Pudemos ver os australianos e britânicos avançando bastante espalhados, cerca de 750 metros à nossa frente, todos em grupos correspondentes às suas unidades. Paramos de atirar com as metralhadoras - ainda havia muito tempo para eles - mas continuou com nossos 47 / 32s e # 8230. Quando eles chegaram a 300 metros, abrimos tudo. O barulho era terrível, você só poderia dizer que uma arma estava disparando devido à fumaça e pólvora que saíam de seu cano. Era quase onze horas. Minha metralhadora quebrou depois de cerca de 3.000 tiros - ejetor quebrado! A metralhadora também disparou um pouco depois de 5.000 tiros. Mas nessa época o ataque estava começando a diminuir. A artilharia britânica o havia embalado . Por volta do meio-dia, estava tudo acabado. Após a retirada, seguida de nosso contra-ataque, as ambulâncias voltaram para começar a transportar os mortos e feridos, mas ficamos desconfiados depois de cerca de uma hora porque pareciam estar pendurados demais. Nós disparamos alguns tiros sobre suas cabeças para que eles soubessem que era hora de separar. Eles entenderam a dica e foram - e não voltaram. & # 8221 Alamein 1933-1962: uma história italiana, Paolo Caccia Dominioni de Sillavengo, p. 87, Allen & amp Unwin, 1966).

Com os tanques alemães ainda em rota, o esquadrão blindado de reconhecimento do & # 8216Trieste & # 8217 chega e captura o Batalhão 2/28 australiano pego em campo aberto. (& # 8220Os nomes de certas unidades estavam na boca de todos na boca de todos na sequência de ações particularmente brilhantes, entre elas o Grupo de reconhecimento do Trieste. Tinha sido criado há algum tempo: dificilmente era uma unidade homogênea no padrão alemão , mas refletia admiravelmente o gênio italiano da improvisação. Eles não tinham mais do que nove veículos - Morrises, Fords, Dingos e Jeeps, todos capturados do inimigo - armados com armas de pequeno calibre e metralhadoras de todas as descrições, britânicas, italianas e Alemão, junto com dois canhões 88 britânicos e suas carruagens, e dois pequenos caminhões de abastecimento. & # 8221 Alamein 1933-1962: Uma história italiana, Paolo Caccia Dominioni de Sillavengo, p. 79, Allen & amp Unwin, 1966) (& # 8220O Bn foi completamente cercado por carros blindados que avançaram sob a cobertura do fogo de tanques inimigos mais para trás, enquanto 20mm, MMG e morteiros mantiveram as cabeças de nossas próprias tropas bem abaixadas. desta forma, o inimigo foi capaz de cortar e eliminar seções e pelotões um por um, até que às 1030 horas a área do HQ Bn foi ocupada por vários carros blindados e sobreviventes feitos prisioneiros. Um esforço foi feito para impedir os veículos blindados inimigos trazendo o fogo dos Arty para atingi-los antes que se dispersassem. Infelizmente, a única comunicação com o Bde foi por um conjunto sem fio WT reparado pela Sigs, após cerca de oito horas de trabalho. Mensagens relatando a situação foram enviadas imediatamente assim que este conjunto foi capaz de funcionar, ou seja, cerca de 0930 horas em diante. A última mensagem foi “Tudo pronto, ultrapassado!” & # 8221 Diário de julho de 1942 do Tenente SA Walker (disponível online)).

Ataques blindados alemães e italianos e oficiais italianos, sargentos e recrutas salvam Rommel de uma derrota certa, e o comandante do Afrika Korps confirma isso:

“Os italianos estavam dispostos, altruístas e bons camaradas na linha de frente. Não pode haver dúvida de que o desempenho de todas as unidades italianas, especialmente os elementos motorizados, superou em muito qualquer ação do Exército italiano em 100 anos. Muitos generais e oficiais italianos conquistaram nosso respeito como homens e também como soldados ”.(Rommel e sua arte da guerra, John Pimlott, p. 150, Greenhill Books, 2003)

FRENTE ORIENTAL

Julho & # 8211 Mussolini envia reforços & # 8211 a & # 8216Sforzesca & # 8217, & # 8216Ravenna & # 8217, & # 8216Cosseria & # 8217, & # 8216Vicenza & # 8217, & # 8216Tridentina & # 8217, & # 8216Julia & # 8217 e & # 8216Cuneense & # 8216Cuneense 8217 Divisões, e o CSIR do General Messe é renomeado ARMIR (Armata Italiana na Rússia - Exército Italiano na Rússia).

MAR NEGRO

3 de agosto & # 8211 A nave italiana de ataque rápido paralisa o cruzador russo & # 8216Molotov & # 8217. (& # 8220 MTBs italianos torpedearam o cruzador Molotov após um bombardeio de Feodosia em 3 de agosto de 1942. & # 8221 Rússia em guerra: da conquista mongol ao Afeganistão, Chechênia e além MEDITERRANEAN, Timothy C. Dowling, p.128, ABC-CLIO, 2014) (& # 8220Eles foram atacados por três barcos a motor italianos, mas apenas um torpedo lançado pelo Capitão Legnani & # 8217s MAS 568 atingiu seu alvo, paralisando o Molotov com um corte de 19 metros de comprimento em seu casco. & # 8221 Guerra de Mussolini e # 8217s: Lutas militares da Itália fascista e # 8217s da África e da Europa Ocidental ao Mediterrâneo e à União Soviética 1935-45, Frank Joseph, p.159, Casemate Publishers, 2010)

MEDITERRÂNEO

7 de agosto & # 8211 Escolta de contratorpedeiro italiano & # 8216Pegaso & # 8217 afunda o submarino britânico HMS & # 8216Thorn & # 8216 ao largo de Tobruk, Líbia. (Observação: Pegaso afunda 3 submarinos britânicos em 4 meses.) (& # 8220No dia 7 de agosto de 1942, o HMS Thorn encontrou o barco torpedeiro italiano Pegaso, escoltando o navio Istria de Benghazi, 30 milhas a sudoeste da Ilha de Gaudhos, ao sul de Creta. 1255 um avião de escolta foi visto a metralhar a superfície do mar e Pegaso avançou para investigar. Apenas quatro minutos após o ataque do avião, o Pegaso detectou um contacto e efectuou sete ataques, após os quais o contacto foi perdido. HMS Thorn não conseguiu regressar da patrulha e acredita-se que tenha se perdido neste ataque. & # 8221 Navios afundados, Segunda Guerra Mundial, Karl Erik Heden, p. 236, Branden Books, 2006)

22 de agosto & # 8211 contratorpedeiro italiano da classe Generali & # 8216Antonio Cantore & # 8217 afunda após atingir uma mina.

FRENTE ORIENTAL

24 de agosto & # 8211 O Savoia Cavalleriaultrapassa parte da 304ª Divisão de Infantaria russa. (& # 8220Três dias depois, a 3ª Divisão de Cavalaria Amedeo Duca d & # 8217 Aosta, composta por 600 soldados a cavalo & # 8230 carregou 2.000 soviéticos defendendo-se com morteiros e artilharia na Estepe de Isbuschenski. O esquadrão líder obteve surpresa completa ao atacar de frente enquanto o outro, armado com sabres, desceu sobre os Reds por trás de suas posições. Estes foram devastados na história & # 8217s última carga de cavalaria significativa. Destruiu dois batalhões soviéticos, forçando outro batalhão a se retirar, enquanto capturou 500 prisioneiros. & # 8221 Guerra de Mussolini & # 8217s: Fascist Italy & # 8217s Military Struggles from Africa and Western Europe to the Mediterranean and Soviet Union 1935-45, Frank Joseph, p.147, Casemate Publishers, 2010).

25 de agosto & # 8211 Tropas italianas derrotam contra-ataques russos. (& # 8220Elsewhere na frente do Don contra-ataques russos foram relatados & # 8220frustrated & # 8221 por tropas italianas. & # 8221https: //news.google. Com /papers? Nid = 1917 & ampdat = 19420825 & ampid = JGhGAAAAIBAJ & ampsjid = 4ugMAAppAJ & ampsjid = 4ugMAIBAppA 5654334 & amphl = pt-br & # 8216Os soviéticos estão lutando desesperadamente contra enormes forças de tanques, & # 8217 Schenectady Gazette, 25 de agosto de 1942)

26 de agosto& # 8211 Os italianos repelem mais ataques russos na frente de Don. (& # 8220As tropas italianas operando na frente de Don repeliram vários ataques inimigos em combates corpo a corpo. & # 8221 Comunicado do Alto Comando Alemão. O jornal New York Times, 26 de agosto de 1942)

ALAM EL HALFA

Durante a Batalha de Alam el Halfa (30 de agosto - 5 de setembro), a Divisão & # 8216Bologna & # 8217 e o 433º Regimento de Infantaria Alemão atacam várias unidades indianas, sul-africanas e da Nova Zelândia em Ruweisat Ridge e conseguem capturar o Ponto 211. Embora o História oficial da Nova Zelândia na Segunda Guerra Mundial 1939-1945 refere-se à ação amplamente italiana como simplesmente & # 8216feints & # 8217, um famoso historiador militar britânico, escreveu que foi um contra-ataque que requer uma resposta forte:

& # 8220No centro da frente britânica, uma boa divisão italiana, a Bologna, deu um forte ataque à crista Ruweisat, e um contra-ataque considerável foi necessário para expulsá-la da base que ganhou. & # 8221

(DEPOIS DA GUERRA: O OITO EXÉRCITO DE ALAMEIN AO SANGRO. The ilustrado London News, Volume 212, Edições 5672-5684, p. 262, The Illustrated London News & amp Sketch Ltd., 1948)

Os ataques do Eixo são interrompidos e as forças da Comunidade Britânica começam seu contra-ataque (Operação Beresford) em 4 de setembro, mas a 2ª Divisão da Nova Zelândia sofre uma reversão nas mãos da Divisão Aerotransportada & # 8216Folgore & # 8217 como Coronel Fritz Bayerlein (um de Rommel & # 8217s principais oficiais) aponta:

& # 8220Um ataque de nossa Luftwaffe contra o 10º Div Indian, que estava na área de montagem para um contra-ataque contra o centro da frente, fez com que as unidades ali montadas se dispersassem ao vento. Além disso, todos os outros ataques lançados por outras unidades contra nossos flancos, especialmente os neozelandeses, eram muito fracos para poder efetuar uma penetração - eles podiam ser repelidos. Um ataque noturno conduzido contra o X Corpo Italiano resultou em perdas especialmente altas para os britânicos. Inúmeros inimigos mortos jaziam no campo de batalha e 200 prisioneiros foram feitos, entre os quais estava o Gen (sic) Clifton, comandante geral da 6ª Brigada da Nova Zelândia. & # 8221 (https://web.archive.org/web/2009 0622151503 / http : //www-cgsc.army.mil/carl/resources/csi/hart/hart.asp Um relatório de batalha: ALAM HALFA).

As Divisões & # 8216Trieste & # 8217, & # 8216Brescia & # 8217 e 90ª Divisão Ligeira, assistidas por tanques das Divisões & # 8216Ariete & # 8217 e & # 8216Littorio & # 8217, contra-ataque na área da Depressão de Munassib ao 26º Batalhão e 5º Batalhão da Nova Zelândia Brigade e a Brigada 132ª (Kent) britânica, forçando-os a voltar praticamente às suas linhas de partida, depois que os neozelandeses e britânicos fizeram bom progresso. (& # 8220Durante as primeiras horas da manhã, a Divisão da Nova Zelândia, composta pelas duas brigadas da Nova Zelândia, que ocuparam o camarote, auxiliada por uma brigada de outra divisão de infantaria, lançou uma barragem de artilharia e seguiu com um ataque de infantaria. Este ataque avançou para o sul e ao longo das trilhas no quadrado 88-27. O ataque avançou 3 milhas, mas com a chegada da luz do dia Trieste, Brescia e a 90ª Divisão Ligeira, apoiada pelas Divisões Ariete e Littorio, em uma série de três contra-ataques , forçou as tropas de ataque a quase voltarem às suas posições originais. & # 8221 O Afrika em Combate, Bob Carruthers, Pen & amp Sword, 2013).

ACORDO DE OPERAÇÃO

13 a 14 de setembro & # 8211 Os britânicos tentam um pouso anfíbio em Tobruk, mas são derrotados pelos fuzileiros navais italianos de San Marco e pelas baterias costeiras italianas (não alemãs) que afundam o destróier britânico & # 8216Sikh & # 8217. Caças-bombardeiros italianos do 13 ° Gruppo afundam o contratorpedeiro britânico & # 8216Zulu & # 8217. Cerca de 300 britânicos são mortos, com os Royal Marines relatando a perda de 81 homens e a Royal Navy admitindo a perda de outros 217 homens. As perdas do eixo são quinze italianos e um alemão mortos e 43 italianos e 7 alemães feridos. Um total de 576 atacantes britânicos são capturados. Cerca de 30 comandos de apoio do LRDG também foram capturados e aparecem no cinejornal italiano Giornale Di Guerra No. 285. (Desert Raiders: Eixo e Forças Especiais Aliadas 1940-43, Duncan Anderson, Andrea Molinari, p. 71, Oxford: Osprey Publishing, 2007) (& # 8220Os altos comandos de Roma e Berlim anunciaram a captura de 576 presos na noite de domingo & # 8217s ataque na base da Líbia. & # 8221 https://news.google.com/newspapers? nid = 2199 & ampdat = 19420916 & ampid = 92deAAAAIBAJ & ampsjid = KWENAAAAIBAJ & amppg = 6169,4990797 & amphl = en DOIS DESTRUIDORES PERDIDOS, Lawrence Journal World, 16 de setembro de 1942)

HMS & # 8216Sikh & # 8217, de acordo com os sobreviventes, foi atingido por armas da Marinha italiana de 155 mm (6 polegadas):

& # 8220O Sikh foi afundado por fogo cruzado de duas baterias de canhões de seis polegadas que os prisioneiros libertados disseram ter sido montados especialmente em antecipação ao ataque. Apesar desse tiroteio e do subsequente bombardeio de pequenos barcos após terem abandonado o navio, o Sikh perdeu apenas 17 homens, embora muitos outros do grupo de desembarque da marinha tenham sido perdidos. & # 8221 (https://news.google.com/newspapers? nid = 1499 & ampdat = 19430323 & ampid = xDAaAAAAIBAJ & ampsjid = JyUEAAAAIBAJ & amppg = 4461,2852440 & amphl = en Tobruk Raid Was Washout, The Milwaukee Journal, 23 de maio de 1943)

EL ALAMEIN

23 de setembro & # 8211 Rommel deixa o Norte da África em licença médica, deixando o General Georg Stumme no comando do Afrika Korps.

29-30 de setembro & # 8211 A Brigada 131ª & # 8216Queen & # 8217s & # 8217, apoiada por tanques da 4ª Brigada Blindada, lança a Operação Braganzar em uma tentativa de capturar a área de Deir el Munassib através das supostamente fracas linhas italianas. A Divisão Aerotransportada & # 8216Folgore & # 8217 repele o ataque, matando ou capturando mais de 300 atacantes. (& # 8220Às 05.25 horas, a barragem disparada por nove regimentos de artilharia de campanha desabou em apoio à infantaria que avançava. O 1 / 6th Queen & # 8217s avançou ao longo do lábio norte da depressão e encontrou pouca oposição. Da mesma forma, o 1 / 7th O Queen & # 8217s não encontrou dificuldade em tomar a borda leste de Munassib. No entanto, seu batalhão irmão, o 1/5th Queen & # 8217s, teve a tarefa mais difícil de capturar a borda sul da depressão. Quando sua Companhia C se aproximou do campo minado em Frente às posições inimigas, os defensores, retirados da Divisão de Pára-quedas Folgore, lançaram morteiros pesados ​​e metralhadoras que imobilizaram as tropas no solo. Enquanto isso, uma Companhia penetrou nas posições italianas apenas para se encontrar cercada e oprimida. as companhias de reserva foram então detidas por feroz fogo defensivo e fizeram pouco progresso. Após um dia de bombardeios pesados, os 1 / 5th Queen & # 8217s foram retirados de seus postos expostos. A operação custou à brigada 328 baixas com pouco ganho. & # 8221 Pendulum of War: Three Battles at El Alamein, Niall Barr, pág. 269, Random House, 2005)

Os incrédulos britânicos presumem que Fallschirmjägers (paraquedistas alemães) descarrilou o ataque, mas o diário de guerra do Afrika Korps & # 8217s aponta que o & # 8216Folgore & # 8217 & # 8220 suportou o impacto do ataque. Ele lutou bem e infligiu pesadas perdas ao inimigo. & # 8221 (Afrika Korps War Diary, 30 de setembro de 1942).

ITÁLIA

11 de outubro & # 8211 Heinrich Himmler voa para Roma para visitar Mussolini. O governo alemão está muito preocupado com a saúde de Mussolini. A visita de Himmler foi para avaliar a saúde de Mussolini e o estado do fascismo na Itália. Himmler mais tarde relata a Hitler que, se Mussolini permanecer vivo, o estado fascista também permanecerá.

MEDITERRÂNEO

19 de outubro & # 8211 Destróier italiano classe Navigatori & # 8216Giovanni Da Verrazzano & # 8217 é afundado em Trípoli pelo submarino britânico HMS & # 8216Desfazer & # 8217.

EL ALAMEIN

13 de outubro & # 8211 General Alessandro Predieri, comandante da Divisão & # 8216Brescia & # 8217, é morto em combate. (& # 8220O alto comando italiano anunciou hoje que o general Alessandro Prodieri, comandante da divisão & # 8220Brescia & # 8221 foi morto em ação no front egípcio em 13 de outubro. & # 8221 https://news.google.com/ jornais? d = 336 & ampdat = 19421015 & ampid General Killed The Desert News, 15 de outubro de 1942)

23 de outubro & # 8211 O 8º Exército britânico sob o comando do General Montgomery ataca El Alamein. As 12 divisões italiana e alemã totalizaram 80.000 homens (53.000 dos quais eram italianos). As forças da Comunidade Britânica somavam 230.000 homens divididos em 10 divisões. No que diz respeito aos tanques, apenas os tanques alemães Panzer IV (35 no total) eram iguais aos americanos Sherman (252 no total) e Grant (170 no total).

24 de outubro & # 8211 & # 8216Ariete & # 8217, & # 8216Brescia & # 8217 & amp & # 8216Folgore & # 8217 defender com sucesso a Frente Alamein. (& # 8220A Divisão Ariete, o Batalhão Bersaglieri e unidades das Divisões Brescia e Folgore lutaram magnificamente. O 13º Corpo de Montgomery & # 8217s conseguiu fazer pequenos avanços no campo minado oriental, mas não alcançou a linha de frente principal. & # 8221 As raposas do deserto, Paul Carell, p. 279, Bantam Books, 1962)

O general Stumme morre de ataque cardíaco quando seu caminhão é pego no fogo cruzado e o general Wilhelm von Thoma assume o comando do Afrika Korps.

25 de outubro & # 8211 Rommel chega de volta à África.

26 de outubro E AA & # 8230 À noite, parte do Batalhão Bersaglieri conseguiu ocupar as bordas leste e oeste da colina. & # 8221 El Alamein: Desert Victory, John Strawson, p. 119, JM Dent & amp Sons Limited, 1981) (& # 8220Na manhã de 28 de outubro, tanques, infantaria de caminhão e alguns dos grupos de homens que cavaram após tentativas anteriores malsucedidas se reuniram para outra tentativa de retomar o Ponto 29. O 2/17º Batalhão, que havia assumido as posições ao redor do Ponto 29, sofreu pesadas baixas e eventualmente foi decidido puxar a infantaria de volta da altura exposta para posições melhores no deserto aberto. & # 8221 Pendulum Of War: Three Battles at El Alamein, Niall Barr, pág. 360, Random House, 2010).

28 de outubro & # 8211 O & # 8216Littorio & # 8217 Divisão Blindada invade parte da 133ª Brigada Britânica, 300 britânicos são capturados. (& # 8220No início da manhã, eles atacaram 133 British Lorried Infantry Brigade, que havia sido enviada para socorrer & # 8216Snipe & # 8217, mas acabou indo para o norte dela e foi incapaz de cavar seus canhões antitanque no solo rochoso. O ataque do Eixo virtualmente aniquilou a unidade britânica, nocauteando seus canhões antitanque expostos, matando sessenta homens, incluindo seu comandante, o coronel Murphy, e capturando outros 300. & # 8221 Cascos de ferro, corações de ferro: Mussolini e divisões blindadas de elite # 8217s no norte da África, Ian Walker, Crowood, 2012).

30 de outubro & # 8211 O 10º Batalhão Bersaglieri derrota vários ataques australianos. (& # 8220Estes caros ataques alemães conseguiram restaurar o contato com o sitiado 125º Regimento Panzergrenadier. 90ª Divisão Ligeira elogiou posteriormente o regimento e o italiano X Bersaglieri que se agarrou a seus postos mesmo quando & # 8216 cercado por todos os lados, com falta de munição, comida e água, incapazes de evacuar seus muitos feridos enquanto resistiam a & # 8216 ataques de um inimigo superior em número e equipamento & # 8217. Durante a manhã, muitos dos feridos alemães e italianos foram evacuados e mais suprimentos levados para o saliente. & # 8221 Pendulum Of War: Three Battles at El Alamein, Niall Barr, pág. 380, Random House, 2010).

2 de novembro & # 8211 Artilheiros antitanques italianos mantêm-se firmes e destroem 70 tanques britânicos. (& # 8220Os artilheiros italianos provaram ser especialmente eficazes quando a luz do dia rompeu e eles abriram fogo a distâncias de até 20 metros. As consequências foram previsíveis e destrutivas. Em questão de horas, a 9ª Brigada Blindada perdeu 70 de seus & # 8217s complemento de 94 tanques. & # 8221 Battlefield Documentary Alamein, Dave Flitton, 2001) (& # 8220Já à meia-noite de 2 de novembro, o bombardeio aéreo sugeriu que uma nova ofensiva estava prestes a começar e o quartel-general do Panzer Army Africa emitiu sua própria ordem: todas as posições deviam ser mantidos de qualquer maneira, nem um centímetro de terreno seria rendido sem uma luta dura & # 8230 um batalhão da 90ª Divisão Ligeira no norte, junto com outro da 15ª Divisão Panzer no sul, foram logo invadidos e às 4:45 da manhã, foi relatado que apenas um BERSAGLIERI INFANTRY BATTALION italiano ainda estava segurando a linha & # 8230. Pouco tempo depois, os tanques da 9ª Brigada Blindada chegaram, atacando imediatamente as posições inimigas ao longo do Rahman t rack & # 8230 com seus três batalhões implantados da seguinte maneira, de norte a sul: 3rd Hussars, Royal Wiltshire Yeomanry e Warwickshire Yeomanry, apoiados pelos canhões antitanque da 14th Sherwood Foresters. El Alamein, Pier Paolo Battistelli, The History Press, 2011) (& # 8220La mattina del 2 novembre, dopo il sacrificio di un'intera divisione corazzata, la Littorio, che nella notte si era frapposta insieme ai pezzi de 88 tedeschi per cercare di fermare la 9 ° português dipingendo una delle pagine più eroiche della Seconda Guerra Mondiale. & # 8221 http://www.ilprimatonazionale.it/cultura/el-alamein-battaglia-folgore-32837/ El-Alamein: la battaglia che consacrò il valore del soldato italiano).

3 de novembro & # 8211 & # 8216Ariete & # 8217, & # 8216Trieste & # 8217 & amp & # 8216Trento & # 8217 cobrem com sucesso a retirada de Rommel. (& # 8220 Enormes nuvens de poeira podiam ser vistas ao sul e sudeste do quartel-general [do DAK], onde a luta desesperada dos pequenos e ineficientes tanques italianos do XX Corpo de exército estava sendo travada contra os cerca de cem tanques pesados ​​britânicos que tinha contornado seu flanco direito aberto. Mais tarde, fui informado pelo Major von Luck, cujo batalhão eu havia enviado para diminuir a distância entre os italianos e o Afrika Korps, que os italianos, que naquela época representavam nossa força motorizada mais forte, lutaram com coragem exemplar. & # 8221 The Rommel Papers, p. 325).

6 de novembro & # 8211 O Alto Comando alemão torna público o papel do & # 8216Ariete & # 8217, & # 8216Littorio & # 8217, & # 8216Folgore & # 8217 e Bersaglieri Corps & # 8220 os britânicos foram obrigados a pagar por sua penetração com enormes perdas em homens e material. Os italianos lutaram até o último homem. & # 8221 (https://www.webcitation.org/5gQKcoplt?url=http://www.spartacus.schoolnet.co.uk/2WWdesert.htm Guerra do Deserto).

Até o comandante do Afrika Korps, Erwin Rommel, ficou impressionado e admitiu falar com o povo italiano na rádio de Roma.

“O soldado alemão impressionou o mundo, no entanto, o soldado italiano Bersaglieri impressionou o soldado alemão. & # 8221 (Campos de prisioneiros de guerra de Nebraska: A História dos Prisioneiros da Segunda Guerra Mundial no Coração, Melissa Amateis Marsh, p. 52, The History Press, 2014).

MEDITTERÂNEO

Escolta de contratorpedeiro classe Pegaso italiana & # 8216Centauro & # 8217 é afundada ao largo de Benghazi por bombardeiros britânicos.

FRENTE ORIENTAL

1 de novembro & # 8211 As tropas italianas derrotam as tentativas russas de cruzar o rio Don. (& # 8220Na frente do Don, as tropas italianas repeliram novamente as tentativas do inimigo de atravessar o rio. & # 8221 https://news.google.com/newspapers?nid=1946&dat=19421102&id=rr4tAAAAIBAJ&sjid= 05gFAAAAIBAJ & amppg = 3023,205737 en The Montreal Gazette, 2 de novembro de 1942)

Meados de novembro & # 8211 A inteligência alemã confirma que o 5º Exército de Tanques russo está se concentrando para operações no setor italiano, apesar do perigo que um oficial alemão vinculado à & # 8216Cosseria & # 8217 relata que os oficiais italianos da divisão e apoiando & # 8216Ravenna & # 8217 A Divisão estava confiante de que seus homens impediriam os ataques russos.(& # 8220Apesar do equilíbrio de forças desfavorável & # 8211 a & # 8216Cosseria & # 8217 e a & # 8216Ravenna & # 8217 enfrentaram oito a nove divisões russas e um número desconhecido de tanques & # 8211 a atmosfera entre os estados-maiores e soldados italianos era certamente não pessimista & # 8230. Os italianos, especialmente os oficiais da & # 8216Cosseria & # 8217, confiavam no que consideravam posições defensivas bem construídas. & # 8221 Tudo ou Nada: O Eixo e o Holocausto 1941-43, Jonathan Steinberg, p. ?, Routledge, 2003)

CORSICA

11 de novembro & # 8211 As divisões & # 8220Friuli & # 8221 & amp & # 8220Cremona & # 8221 invadem a ilha francesa da Córsega. (& # 8220 & # 8230 Tropas italianas desembarcaram na ilha francesa da Córsega, ao largo da costa italiana, que a Itália fascista cobiçava há muito tempo. & # 8221 https://news.google.com/newspapers?nid=1350&dat=19421111&id=Wd0iAAAAIBAJ&sjid= YP8DAAAAIBAJ & amppg = 1139,3116174 & amphl = en Tropas alemãs invadem Vichy, França, Tunísia, Toledo Blade, 11 de novembro de 1942)

NORTE DA ÁFRICA

8 de novembro & # 8211 Operação Tocha colocada em movimento. 107.000 aliados, principalmente americanos, pousam em Casablanca, Oran e Argel. Com medo de um Rommel flanqueado, as unidades aéreas e terrestres do Eixo são encaminhadas para a Tunísia, totalizando 250.000 soldados.

Meados de novembro & # 8211 A & # 8216Superga & # 8217 Divisão desempenha um papel importante na luta contra a 78ª Divisão britânica. (& # 8220 Nesse ínterim, a 78ª Divisão de Infantaria britânica avançou sobre Bizerta e passou Abiod e a montanha de mesmo nome, onde encontrou os engenheiros de combate aerotransportados do Major Witzig & # 8217. Witzig e seus homens mantiveram os britânicos por 48 horas. As armas pesadas da Divisão Superga apoiaram os pára-quedistas, e a Luftwaffe forneceu a necessária ajuda aérea. & # 8221 Das Afrika Korps, Franz Kurowski p. 202, Stackpole Books, 2010)

21 de novembro & # 8211 A 50ª Brigada Especial italiana sob o comando do General Giovanni Imperiali di Francavilla ajuda os paraquedistas alemães a repelir os tanques americanos fora de Gabes. (& # 8220Quando os tanques americanos apareceram fora de Gabes 48 horas depois, foram repelidos pelos pára-quedistas e dois batalhões da & # 8220Brigada L & # 8221 do General Imperiali. A força italiana havia chegado como reforços. & # 8221 Das Afrika Korps: Erwin Rommel e os alemães na África, 1941-43, Franz Kurowski, p. 202, Stackpole Books, 2010).

22 de novembro & # 8211 Os tanques da 50ª Brigada italiana forçam os paraquedistas dos EUA a abandonar Gafsa. (& # 8220A partir daqui, os paraquedistas foram forçados a se retirar quando as mandíbulas de um movimento de pinça dos tanques italianos se aproximaram do Sened e Keili. & # 8221 A Estrada Sangrenta para Túnis: Destruição das Forças do Eixo no Norte da África, Novembro de 1942 a maio de 1943, David Rolf, p. 35, Greenhill Books, 2001)

MEDITERRÂNEO

27 de novembro & # 8211 Escolta de contratorpedeiro classe Spica italiana & # 8216Circe & # 8217 afunda na Sicília após ser acidentalmente abalroado por um navio mercante que estava escoltando.

2 de dezembro & # 8211 Destroyer italiano & # 8216Folgore & # 8217 é afundado na Tunísia pela British Force Q. Escolta de contratorpedeiro classe Spica & # 8216Lupo & # 8217 é afundado por contratorpedeiros da Marinha Real.

4 de dezembro & # 8211 Cruzador italiano & # 8216Muzio Attendolo & # 8217 é afundado no porto de Nápoles por bombardeiros americanos.

NORTE DA ÁFRICA

3 de dezembro & # 8211 O 10º Regimento de Bersaglieri ultrapassa parte do 2º Batalhão de Paraquedas britânico e o 509º Regimento de Paraquedas dos EUA. (& # 8220Em 3 de dezembro de 1942, as ofensivas menores do Eixo continuaram. Alguns paraquedistas britânicos foram lançados na retaguarda das linhas do Eixo. Parece que eles caíram perto de um lugar onde estava um batalhão de Bersaglieri italianos (tipo especial de infantaria), que relatam capturando todo o destacamento de cerca de 300 homens. & # 8221 https://web.archive.org/web/20110617054745/ http://sill-www.army.mil/FAMAG/1943/FEB_1943/FEB_1943_PAGES_143_149.pdf) (& # 8220La sua prima brilhante azione risale al 2 de dezembro, quando reparti del XVI ° catturarono un folto gruppo di paracadutisti inglesi and americani del Col. Raff, in un'ardita azione di rastrellamento nella zona di Donar Cheti, facendo meritare al Reggimento un encomio del comando della Divisione “Superga”. http://www.qattara.it/60-131-bersaglieri.html I BERSAGLIERI IN AFRICA SETTENTRIONALE)

6 de dezembro & # 8211 O Quartel-General do Exército Italiano relata que as forças italianas invadiram uma unidade Aliada na Tunísia. (& # 8220Na Tunísia, durante duros combates que relatamos no comunicado de ontem & # 8217s e que resultou em nossa captura de uma importante localidade, fizemos 400 prisioneiros. Destruímos ou capturamos vinte e cinco tanques, sete veículos blindados, quarenta e um canhões , cerca de 300 veículos motorizados e uma grande quantidade de munição. & # 8221 Comunicado do Alto Comando Italiano, O jornal New York Times, 7 de dezembro de 1942)

13 de dezembro & # 8211 A & # 8216Centauro & # 8217 Divisão Blindada força uma força blindada britânica a recuar em El Agheila. Em seu diário, Rommel escreve:

No final da manhã, uma força inimiga superior lançou um ataque ao Grupo de Combate Ariete, localizado a sudoeste de El Agheila, com seu flanco direito apoiado no Sebcha Chebira e seu lado esquerdo se conectando com a 90ª Divisão Ligeira. A luta acirrada se seguiu contra 80 tanques britânicos e durou quase dez horas. Os italianos travaram uma luta magnífica, pela qual mereceram todo o crédito. Finalmente, à noite, os britânicos foram jogados para trás por um contra-ataque do regimento blindado Centauro & # 8217s, deixando 22 tanques e 2 carros amoured queimados ou danificados no campo de batalha. A intenção britânica de cortar a 90ª Divisão Ligeira foi frustrada. & # 8221 (The Rommel Papers, Versão dos EUA, p. 373)

MEDITERRÂNEO

17 de dezembro & # 8211 Submarino britânico HMS & # 8216Spendid & # 8217 afunda o destróier italiano & # 8216Aviere & # 8217.

FRENTE ORIENTAL

12 de dezembro e # 8211 Tropas de reconhecimento italiano penetram nas defesas avançadas russas e trazem de volta prisioneiros e espólio de guerra. (& # 8220 Tropas italianas, em um agressivo combate de reconhecimento, invadiram as posições inimigas e trouxeram prisioneiros e saques. & # 8221 Comunicado do Alto Comando Alemão, O jornal New York Times, 12 de dezembro de 1942)

16 de dezembro & # 8211 Às 08h00, os russos lançam a Operação Little Saturn, que visa quebrar as linhas italianas com 15 divisões e várias centenas de tanques pesados. As divisões & # 8216Cosseria & # 8217 e & # 8216Ravenna & # 8217, embora em menor número 9 para 1, se mantiveram firmes por três dias, como mostram os registros alemães e russos. (& # 8220Durante esta fase, os alemães elogiaram a firmeza da infantaria italiana, que resistiu tenazmente mesmo em pontos fortes isolados, mas finalmente atingiu seu ponto de ruptura sob essa pressão constante. & # 8221 The Unknown Eastern Front: The Wehrmacht and Hitler & # 8217s Foreign Soldiers, Rolf-Dieter Müller, p. 83-84, IBTauris, 2014) (& # 8220Em 17 de dezembro, Kuznetsov comprometeu o General-Major Pavel P. Poluboiarov & # 8217s 17º Corpo de Tanques, General-Major Boris S. Bakharov e # 8217s 18º Corpo de Tanques e General-Major Petr R. Pavlov & # 8217s 25º Corpo de Tanques em um papel de apoio de infantaria e finalmente conseguiu passar pela frente do II Corpo de Exército Italiano. & # 8221 Guerra de tanques na frente oriental 1941-1942, Robert Forczyk, Pen and Sword, 2014)

19 de dezembro & # 8211 Com os reforços alemães chegando tarde, o quartel-general italiano ordena que as destruídas divisões italianas se retirem para novas linhas. (& # 8220O ataque ao amanhecer não conseguiu penetrar totalmente no início e se desenvolveu em uma luta implacável contra os pontos fortes da Itália, que durou horas. A Divisão de Ravenna foi a primeira a ser invadida. Surgiu uma lacuna difícil de fechar, e não houve segurando o Exército Vermelho quando ele desdobrou a massa de suas forças blindadas no dia seguinte. Os reforços alemães chegaram tarde demais na batalha revolucionária. & # 8221 The Unknown Eastern Front: The Wehrmacht and Hitler & # 8217s Foreign Soldiers, Rolf-Dieter Müller, p. 84, I.B.Tauris, 2014)

20 de dezembro & # 8211 Os reforços italianos na forma da Divisão & # 8216Sforzesca & # 8217 lutam arduamente perto de Stalingrado, contra a forte infantaria russa e formações de tanques. (& # 8220Na frente do rio Don, as tropas alemãs e italianas estariam & # 8220 ainda engajadas contra forte infantaria soviética e formações de tanques. & # 8221https: //news.google.com/newspapers? Nid = 1129 & ampdat = 19421221 & ampid = DcRRAAAAIBAJ & ampsjid = BWoDAAAAIBAJ & amppg = 6103,2537671 & amphl = en Nazistas admitem golpes pesados ​​na Rússia, Pittsburgh Post-Gazette, 21 de dezembro de 1942)

O ataque russo causa pânico entre os oficiais do estado-maior da Wehrmacht e as tropas de combate. A 298ª Divisão alemã, localizada entre as divisões & # 8216Ravenna & # 8217 e & # 8216Pasubio & # 8217, retira-se sem autorização, bem como os oficiais de ligação alemães vinculados ao quartel-general do 29º Corpo italiano, abandonando seus postos e deixando os italianos sozinhos para conter o Ataques russos. (& # 8220A 298ª Divisão alemã parou de receber ordens do 35º Corpo italiano e começou a receber ordens do estado-maior alemão do 29º Corpo italiano. A divisão retirou-se de suas posições e não se preocupou em informar o general Francesco Zingales, o comandante italiano de o 35º Corpo. & # 8221 O Regio Esercito: O Exército Real Italiano nas Guerras de Mussolini e # 8217s, 1935-1943, Patrick Cloutier, pp. 156-157, Lulu Press, 2013) (& # 8216 & # 8221Os esforços dos alemães para se libertarem dos italianos e escaparem por conta própria trouxeram pouco sucesso: o abandono da defesa conjunta facilitou a tarefa russa de cercar as forças do Eixo. A 298ª Divisão alemã e o estado-maior alemão do Quartel-General do 29º Corpo italiano ainda terminaram atrás das linhas inimigas com seus camaradas de armas italianos. & # 8221 O Regio Esercito: O Exército Real Italiano nas Guerras de Mussolini e # 8217s, 1935-1943, Patrick Cloutier, p. 157, Lulu Press, 2013)


Re: Mersa Matruh e as conquistas do Exército Italiano na 2ª Guerra Mundial

Postado por Sid Guttridge & raquo 11 de julho de 2008, 19:21

Concordo que não existe uma fonte "bíblica" para a história e que é melhor voltar às fontes primárias. No entanto, isso geralmente não é praticável.

A importância de Iron Hulls Iron Hearts é tripla - em primeiro lugar, não conheço mais nada em inglês que cubra este terreno em detalhes, em segundo lugar, ele usa fontes de todos os lados e, em terceiro lugar, consegue se manter destacado.

Eu não recomendaria este (ou qualquer) livro como uma "bíblia", mas neste caso há muito pouco em inglês sobre o mesmo assunto com qualidades semelhantes, por isso é extraordinariamente útil e deve ser recomendado.

Obviamente, se você conseguir obter as fontes primárias italianas, seria muito melhor, mas os arquivos militares italianos são (ou eram) de acesso muito difícil.

Os veteranos são úteis por diferentes razões. Eles dão interesse humano aos eventos, o que geralmente não acontece com os arquivos. Mas se são os fatos concretos que se busca, em vez de impressões, os arquivos são preferíveis. Melhor, os dois juntos.

Re: Mersa Matruh e as conquistas do Exército Italiano na 2ª Guerra Mundial

Postado por Oásis & raquo 11 de julho de 2008, 22:01

Oi sid,
Eu concordo plenamente com você.

Aqui um link com a recensão de Iron Hulls .. está em italiano, mas pode ser facilmente traduzido por babelfish.

Re: Mersa Matruh e as conquistas do Exército Italiano na 2ª Guerra Mundial

Postado por JeffreyF & raquo 12 de julho de 2008, 16:38

Re: Mersa Matruh e as conquistas do Exército Italiano na 2ª Guerra Mundial

Postado por Oásis & raquo 13 de julho de 2008, 07:02

Oi Jeffrey,
Eu geralmente não gosto de toda a literatura "épica" que exalta guerra, vitórias, heroísmo. mas também é uma fonte para a história.
Meu pai, um veterano, diz que a guerra era / é um trabalho muito ruim, e nossos filhos devem saber disso. Campini, um tankman de Ariete, deu ao seu livro o título "Heroísmo e miséria em El Alamein" por serem dois aspectos do mesmo objeto, mas com peso diferente: os poucos que gostaram do "cheiro bom de balistite" e a maioria que odiava a guerra (em seus aspectos reais) e a sofria.
Sempre sugiro ler um livro contra-corrente de James Hillman "A Terrible Love of War": pode-se concordar ou não, mas é um ponto de vista forte sobre o fenômeno "guerra" e seu ator "o homem".
Naturalmente, esta é apenas minha opinião.

Relato aqui um breve início do livro de Hillman.

Re: Mersa Matruh e as conquistas do Exército Italiano na 2ª Guerra Mundial

Postado por 7thbersaglieri & raquo 13 de julho de 2008, 07:13

Re: Mersa Matruh e as conquistas do Exército Italiano na 2ª Guerra Mundial

Postado por 7thbersaglieri & raquo 13 de julho de 2008, 07:15

Re: Mersa Matruh e as conquistas do Exército Italiano na 2ª Guerra Mundial

Postado por Urmel & raquo 25 de agosto de 2008, 20:24

O inimigo tinha superioridade numérica, seus tanques eram mais blindados, tinham canhões de maior calibre com quase o dobro do alcance efetivo do nosso e seus telescópios eram superiores. 5 RTR 19/11/41

Re: Mersa Matruh e as conquistas do Exército Italiano na 2ª Guerra Mundial

Postado por Jaqueta verde & raquo 26 de agosto de 2008, 13:10

Mersa Matruh, com 6.000 prisioneiros de guerra e 40 tanques (e uma grande quantidade de material de guerra) foi tomada pela 90ª Divisão Ligeira e reece elementos. Existem várias fontes, mas acho que o registro operacional oficial do Eixo é o mais útil (Panzer Army Africa Battle Report datado de 29 de junho de 1942 K.T.B. 812). Baixei cópias em:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/c. e_1942.jpg
http://commons.wikimedia.org/wiki/Image. e_1942.jpg


Com relação a ‘Iron Hull Iron Hearts’, eu trataria esse livro com um grau de ceticismo (na verdade, eu recomendaria o ceticismo de qualquer livro que não tenha notas de rodapé e nenhum uso foi feito de quaisquer fontes primárias!). Também é uma boa ideia verificar as afirmações feitas em ‘Iron Hulls Iron Hearts’ com as fontes reais mencionadas. Por exemplo, na página 101, 'Iron Hulls Iron Hearts' (em relação a quando 'Ariete' conquistou o Ponto 175 em 29 de novembro de 1941) reclama que as Histórias Oficiais da Nova Zelândia “falham completamente em nomear a formação inimiga envolvida, ou mesmo em reconhecer que era italiano. Parece que o dilúvio constante de propaganda britânica sobre a incompetência militar italiana durante a guerra e desde então fez com que os neozelandeses relutassem em admitir que os ‘incompetentes’ italianos foram responsáveis ​​por infligir uma de suas derrotas mais embaraçosas. ” Verifique essa reclamação contra a conta na História Oficial da NZ (página 401): http://www.nzetc.org/tm/scholarly/tei-WH2Tobr-c22.html (E a ​​história oficial da NZ não se refere a 'incompetente' Italianos, tanto quanto eu posso dizer - é muito ruim fazer uma citação.)

Eu questionaria a afirmação de que 'Iron Hulls Iron Hearts' usa todas as fontes - seria de se esperar que um livro usasse pelo menos alguma evidência primária ou pelo menos checasse suas afirmações? Por exemplo, 'Iron Hulls Iron Hearts' (página 179) afirma que em 14 de dezembro, Ariete / Centauroi foi atacado por "oitenta Shermans" de 8 Brigada Blindada, e que "vinte e dois Shermans" foram destruídos. Na verdade, 8 Armored Brigade não tinha nada parecido com esse número de Shermans. As perdas totais da brigada em 14 de dezembro de 1942 chegaram a 3 tanques Crusader e 1 tanque Grant do Staffs Yeomanry e um único Scout Car dos Sherwood Rangers (fontes 'Iron Hulls Iron Hearts' deveriam ter visto são os 8 Armd Bde diários de guerra e operacionais registros da série WO169 na PRO, Kew - dado que o autor é britânico, certamente não é pedir muito?). Em outro lugar, 'Iron Hulls Iron Hearts' faz declarações grosseiramente infladas sobre as perdas britânicas ou exagera a força britânica. Por exemplo, na página 144, descreve um ataque por "duas novas divisões de infantaria britânica, anunciadas pelo bombardeio de artilharia mais intenso desde a Primeira Guerra Mundial" (!), Quando o ataque real foi feito pelo 2/48º Batalhão Australiano! (http://www.awm.gov.au/cms_images/histor. ers / 12.pdf) Também é bastante estranho que 'Iron Hulls Iron Hearts' não faça nenhuma referência ao desastroso contra-ataque do tanque italiano naquele açao.


O argumento de que as Histórias Oficiais da Nova Zelândia "menosprezam" os italianos é contradito por outras evidências. Consulte a página 293 http://www.nzetc.org/tm/scholarly/tei-WH2Tobr-c16.html por exemplo. (Deve-se notar que as Histórias Oficiais da Nova Zelândia usaram fontes italianas e alemãs.) Um relato detalhado da batalha pelos Omars pode ser encontrado em Bisheshwar Pradesh 'Official History of the Indian Armed Forces' Vol.III Norte da África 1940-43 ' , que aponta que enquanto os Omars eram mantidos principalmente pela Divisão 'Savona', a principal defesa veio dos canhões de 88 mm da Companhia Oasis Alemã, que destruiu um grande número de Matildas do 42º Regimento de Tanques Real. Não se trata de ninguém tentando menosprezar a divisão italiana 'Savona' - é apenas um fato que os alemães tinham armas de 88 mm.

Re: Mersa Matruh e as conquistas do Exército Italiano na 2ª Guerra Mundial

Postado por Mechili & raquo 30 de agosto de 2008, 12h42

Nenhum livro é perfeito - apesar dos frequentes elogios nas capas e nas abas, não existe "o tratamento definitivo" de nenhum tópico. Não estou aqui para defender o livro ou absolver suas falhas, algumas das quais você aponta. Ao contrário, qualquer crítica fundamentada é bem-vinda e apreciada. No entanto, gostaria de apresentar algumas observações:

1) Menosprezar ou minimizar as realizações, ações, fatos e personalidades italianas simplesmente acontece em toda a literatura anglo-axônica (e alemã) sobre o assunto. Não há escassez de exemplos dessa atividade depreciativa constante, variando de depreciação direta a omissões e piadas a encenar os alemães no lugar dos italianos. Às vezes, isso pode depender da falta de informação irrepreensível ao invés de qualquer má vontade por parte do escritor - uma vez que os Aliados venceram e o Eixo perdeu a guerra, ao contrário dos papéis e documentos dos Aliados, muitos papéis e documentos do Eixo simplesmente desapareceram nos campos de batalha, sob bombardeios aéreos e no caos da retirada e derrota. Às vezes, pode ser atribuído à barreira linguística - o conhecimento da língua italiana aparentemente nunca foi difundido fora da Itália. Às vezes, pode ser atribuído à preguiça acadêmica - viajar pela Itália em busca de publicações raras ou fontes primárias pode acabar sendo um incômodo para o escritor confortavelmente instalado em Londres, Down Under ou em qualquer outro lugar. Tudo isso é muito compreensível e não vou moralizar sobre isso. No entanto, ao se deparar com vários desses "empecilhos" em tantos textos, mesmo um leitor sem preconceitos não pode deixar de se perguntar se alguns deles também podem ter sido colocados no texto de propósito, por várias razões, incluindo - principalmente quando há perdas aliadas significativas para enfrentar - o desejo de não admitir que essas perdas foram em qualquer grau infligidas pelos italianos. A pergunta parece especialmente apropriada com trabalhos mais recentes, escritos quando muitas fontes italianas já estavam disponíveis e verificações cruzadas de fontes não impossíveis de realizar.

2) As histórias oficiais do Anglosaxon sobre a guerra são magníficas obras superdetalhadas e ainda assim absolutamente inestimáveis ​​- possivelmente as melhores histórias oficiais da guerra de todos os tempos, em todo o mundo. A desvantagem para eles, porém, é que eles são bastante antigos - e AFAIK eles nunca foram extensivamente revisados ​​e / ou reescritos ao longo do tempo, à luz de novos desenvolvimentos de pesquisa histórica e novas fontes. São exatamente as mesmas grandes obras que datam da década de 1950, quando foram compostas, alguns anos após o fim da guerra, inteiramente em fontes anglo-axônicas, juntamente com, na melhor das hipóteses, um punhado de textos alemães e um ou dois livros italianos traduzido para o inglês até então. Em comparação, grandes porções das histórias oficiais do Exército italiano do pós-guerra (ricas em detalhes, mas construídas quase inteiramente em material italiano dificilmente exibido) foram totalmente reescritas na década de 1980, e as histórias alemãs são tão recentes ou até mais. Obviamente, ser mais novo não implica automaticamente ser melhor e mais sólido. Mas pode significar ser mais amplamente pesquisado, mais justo e menos propenso a arrastar emoções, sentimentos e escória de propaganda do tempo de guerra para as obras oficiais.


Matando + mais de + 359 + tropas + e + ferindo + 560

Matruh havia apenas mais uma posição defensiva antes do próprio Cairo El Alamein. * 27 de junho - um grupo de Vickers Wellingtons da RAF bombardeou as unidades do 4º condado de Londres Yeomanry, da 7ª Divisão Blindada britânica e dos 3º Hussardos britânicos durante um ataque de duas horas perto de Mersa Matruh, Egito, matando sobre 359 tropas e ferindo 560. '' Atiradores de elite em guerra: The 3rd, 4th and 3rd 4th County of London Yeomanry, 1939-1945 '', Andrew Graham ref & gt


Frente do Oriente Médio 1942

Podemos ter todos os tipos de PODs. Talvez o tempo esteja um pouco melhor, eles têm um pouco mais de transporte trabalhando para levar os suprimentos para a frente, então a ofensiva salta a tempo, o que significa que as defesas não seriam reorganizadas.

A única coisa que precisa mudar é o resultado do 1st Alamein e as posições britânicas no Egito se desintegrarem. Meu OP acenou com a mão como isso aconteceu, já que provavelmente teria que ser algo mais cedo para que eles pudessem transportar suprimentos um pouco melhor, pois eles capturaram combustível e outros enfeites em Matruh. Faça isso a tempo e as coisas provavelmente darão certo.

Você pode querer examinar o equilíbrio de forças um pouco mais profundamente. Os alemães e italianos foram derrotados, fornecidos e em geral derrotados pelos britânicos e outros, uma vez que foram superados em número cerca de 1,5 a 1 em pessoal, 2-1 em tanques e 3-1 no ar, e os britânicos estavam no defensivo, não é realmente surpreendente.

E as baixas refletiram isso. O Eixo perdeu cerca de 17.000 e os britânicos cerca de 13.000.

Não há chance de isso resultar em uma vitória do Eixo.

Membro excluído 1487

A informação está simplesmente errada. Os avanços da 2ª Guerra Mundial fornecidos por estradas inevitavelmente diminuíram a cerca de 400-500 quilômetros do porto ou estação ferroviária mais próxima, devido a requisitos de transporte exponenciais.

Quando você olha para as distâncias entre os principais portos da Líbia e do Egito, eles tendem a estar em torno desse limite, o que significa que qualquer um que avança para o leste tem dificuldade, pois eles estavam no fim de suas amarras e o defensor estava sentado em um centro de logística.

Os britânicos, tendo realmente prestado atenção a esta questão antes e durante a guerra, investiram apropriadamente na infraestrutura do Egito e em seus próprios recursos logísticos de forças (tanto materiais quanto pessoais) para que pudessem melhor evitar esse problema. É por isso que o Oitavo Exército sempre foi significativamente maior do que as forças do Eixo no Norte da África, o que foi decisivo para deter Rommel em Alamein.

O que, além de ser baseado na violação das defesas dos alemães, eles fisicamente não têm forças e suprimentos para violar, também é baseado na tomada de Alexandria e aqueles depósitos de lixo intacto. Ambos requerem essencialmente mais do que os britânicos substituindo a hora do chá pelo tempo de espera: exige que Deus desça dos céus e conceda aos alemães tanques, homens e combustível ilimitados. E temos um fórum para isso.

Membro excluído 1487

Você pode querer examinar o equilíbrio de forças um pouco mais profundamente. Os alemães e italianos foram derrotados, fornecidos e em geral derrotados pelos britânicos e outros, uma vez que foram superados em número cerca de 1,5 a 1 em pessoal, 2-1 em tanques e 3-1 no ar, e os britânicos estavam no defensivo, não é realmente surpreendente.

E as baixas refletiram isso. O Eixo perdeu cerca de 17.000 e os britânicos cerca de 13.000.

Não há chance de isso resultar em uma vitória do Eixo.

TFSmith121

Na Gazala, a proporção foi de 1,1 para 0,9

Em Gazala, a proporção era de 1,1 para 0,9 (a favor dos Aliados, mas o 8º Exército era liderado por Neil Ritchie, então é praticamente uma lavagem) e havia um flanco aberto em Mersa Matruh, o 8º Exército ainda estava recuando, lá era um flanco aberto, não havia nenhum comandante do exército no local e os dois comandantes de corpo envolvidos estavam tentando travar uma batalha em nível de exército por comitê.

Pouco diferenças com 1º Alamein, Alam Halfa e 2º Alamein.

ObssesedNuker

Despire as defesas britânicas que as forças do Eixo venceram em Mersa Matruh e conseguiram o porto, além de suprimentos britânicos capturados.

Por flanquear as defesas britânicas: se Rommel tivesse tentado um ataque frontal, certamente teria falhado. Esta não é uma opção em El Alamein: a Depressão de Qattara significa que não há flanco para virar. Não há escolha a não ser atacar nas garras das defesas britânicas. Como mostra a história, os alemães eram fracos demais para fazer isso. Eles não tinham forças ou suprimentos para fazer isso. Além disso, o porto de Mersa Matruh não tinha importância (de modo que os britânicos nem se dariam ao trabalho de tentar demoli-lo) e os lixões ficavam imediatamente atrás das defesas britânicas, em vez de a cem quilômetros de distância. Nada disso é aplicável em El Alamein no que diz respeito a Alexandria: mesmo tendo um meteorito de tamanho suficiente escolhido para pousar nas forças britânicas algumas horas antes da batalha, os britânicos ainda teriam alguns dias para evacuar / destruir os depósitos e nivelar as instalações portuárias devido ao tempo que leva para mover formações do tamanho de divisões.

Também acho engraçado que você cite a captura de 6.000 prisioneiros como se significasse alguma coisa, quando (e de fato todas as baixas britânicas na batalha) representam basicamente uma proporção insignificante das forças britânicas.

Astrodragon

Observe como o Eixo apenas saltou sobre a posição Alamein-Quattara, saltou através do deserto entre Alamein e o Nilo, tomou Alexandria, encontrou transporte aéreo para quatro RCTs de pára-quedas ou o que quer que fosse, encontrou equipamento de ponte magicamente para o Nilo, abriu caminho através de dois dos maiores cidades da região, encontraram mais equipamentos de ponte para o Suez, etc.

É interessante, aparentemente, nenhuma dessas tropas precisa de comida, água, munição ou gasolina.

Astrodragon

Porque todos nós sabemos que o Exército Britânico e o RN são completamente incapazes de demolir instalações portuárias.

Por falar nisso, como é que o Eixo desfrutará de 15 tijolos & quot pousando neles quando se aproximarem de Alexandria?

John Farson

RodentRevolution

Thaddeus

Cabeça de leão

Membro excluído 1487

Porque todos nós sabemos que o Exército Britânico e o RN são completamente incapazes de demolir instalações portuárias.

Por falar nisso, como é que o Eixo desfrutará de 15 & quot tijolos pousando neles quando se aproximarem de Alexandria?

Em alguns dias? IOTL no momento de 1st Alamein eles não tinham preparado a destruição do porto e se as forças do Eixo violarem as defesas e seguirem em frente, não há nada mais que eles possam fazer além de pequenos danos.

Quanto aos BBs britânicos, o que eles tinham em mãos no início de julho, depois que o ataque a Alexandria afundou dois BBs britânicos e deixou a marinha italiana com a superioridade do BB? Eles conseguiram rechaçar os comboios de Malta vindos do leste, fortemente escoltados em julho de 1942. E quem está detectando na cidade de Alexandria, especialmente se os egípcios se revoltam contra os britânicos? Eles estavam aparentemente ansiosos para tirar os britânicos assim que o Eixo estivesse em uma grande cidade, fornecendo o maior apoio que eles esperavam formar e ajudar a se libertar para que não fossem apenas um vassalo que resultaria de uma única libertação do Eixo do Britânico.

Se você acha que sim, por que está postando aqui?

O Exército Britânico no Egito reconheceu isso antes da guerra [17] e fez o Oitavo Exército começar a construção de várias & quotboxes & quot (localidades com escavações e cercadas por campos minados e arame farpado), sendo a mais desenvolvida ao redor da estação ferroviária de Alamein. A maior parte da & quotline & quot, entretanto, era apenas um deserto aberto e vazio.[18] O Tenente-General William Norrie (GOC XXX Corps) organizou a posição e começou a construir três "caixas" defendidas. O primeiro e mais forte, em El Alamein, na costa, foi parcialmente conectado e minado pela 1ª Divisão Sul-Africana. A caixa Bab el Qattara - cerca de 20 mi (32 km) da costa e 8 mi (13 km) a sudoeste da Cordilheira Ruweisat - tinha sido cavada, mas não tinha sido conectada ou minada, enquanto na caixa Naq Abu Dweis ( no limite da Depressão Qattara), a 55 km da costa, muito pouco trabalho foi feito. [18]

A dispersão do X Corps em Mersa Matruh interrompeu o plano de Auchinleck para ocupar as defesas de Alamein. Em 29 de junho, ele ordenou que o XXX Corpo de exército - 1ª Divisão da África do Sul, 5ª e 10ª Divisões de Infantaria da Índia - ocupasse o setor costeiro à direita da frente e o XIII Corpo - Nova Zelândia e 5ª Divisões da Índia - ficasse à esquerda. Os restos da 1ª e 7ª Divisões Blindadas deveriam ser mantidos como uma reserva móvel do exército. [21] Sua intenção era que as posições defensivas fixas canalizassem e desorganizassem o avanço do inimigo, enquanto as unidades móveis atacariam seus flancos e retaguarda. [22]

A citação era na verdade para a frase 'enormes quantidades de suprimentos capturados', que era de onde eles estavam tirando suprimentos, além do porto de Matruh

Rei Augeas

AIUI, First Alamein consistiu em alguns dias de ataques alemães malsucedidos, após os quais a exaustão alemã devolveu a iniciativa aos britânicos, que a gastaram em três semanas de golpes de desgaste destrutivos.

A partir disso, a melhor chance de uma vitória alemã está no primeiro dia e cada dia que passa sem isso é um sucesso estratégico britânico, dadas as questões logísticas. Mas o artigo da Wiki não sugere muita esperança mesmo aí - Rommel queria atacar um dia antes, mas suas forças não estavam em posição e, no momento em que o ataque foi lançado, as forças britânicas recém-chegadas do Iraque haviam estabelecido um bloqueio posição em Ruweisat Ridge.

Portanto, é necessário um POD antes da batalha - alguma forma de desorganizar as forças britânicas a ponto de não conseguirem formar uma linha em Alamein. Mas, dada sua mobilidade e o domínio da Força Aérea do Deserto, era improvável. Parece que Rommel tirou a melhor vantagem possível das vitórias em Mersa e Gazala, mas não foi o suficiente.

Membro excluído 1487

AIUI, First Alamein consistiu em alguns dias de ataques alemães malsucedidos, após os quais a exaustão alemã devolveu a iniciativa aos britânicos, que a gastaram em três semanas de golpes de desgaste destrutivos.

A partir disso, a melhor chance de uma vitória alemã está no primeiro dia e cada dia que passa sem isso é um sucesso estratégico britânico, dadas as questões logísticas. Mas o artigo da Wiki não sugere muita esperança mesmo aí - Rommel queria atacar um dia antes, mas suas forças não estavam em posição e, no momento em que o ataque foi lançado, as forças britânicas recém-chegadas do Iraque haviam estabelecido um bloqueio posição em Ruweisat Ridge.

Portanto, é necessário um POD antes da batalha - alguma forma de desorganizar as forças britânicas a ponto de não conseguirem formar uma linha em Alamein. Mas, dada sua mobilidade e o domínio da Força Aérea do Deserto, era improvável. Parece que Rommel tirou a melhor vantagem possível das vitórias em Mersa e Gazala, mas não foi o suficiente.

Meu aceno no OP foi que algo acontecesse que colocasse o Eixo no lugar antes dos britânicos, de modo que eles fossem capazes de romper a linha e seguir para Alexandria, enquanto os reforços do Iraque são interrompidos e recuam no Nilo devido ao confusão do Eixo passando por sua linha. Claro que IOTL Rommel não tinha o suficiente para passar, o POD é que ele faz por qualquer motivo no primeiro dia.

Embora os britânicos tivessem posições a oeste de Alexandria apenas começando, estavam ainda menos preparados do que Alamein e a equipe britânica estavam se preparando para fugir, sugerindo que uma derrota em Alamein significaria que eles não estavam realmente preparados para defender a última linha de fosso.


Mersa Matruh

Mersa Matruh é uma antiga cidade na costa mediterrânea do Egito, 290 quilômetros a oeste de Alexandria. Em 1941, Matruh era o término da ferrovia do Cairo e também um pequeno porto. Assim, quando as forças do Eixo avançaram na fronteira entre a Líbia e o Egito em abril de 1941, o comandante-em-chefe britânico no Mediterrâneo, general Sir Archibald Wavell, decidiu basear sua defesa em torno de Matruh e apenas desdobrar forças leves e móveis ao longo da fronteira. A área de Matruh foi desenvolvida em uma forte posição defensiva conhecida como "caixa" e fortemente fortificada com campos minados, obstáculos antitanque, emaranhados de arame farpado e uma série de áreas menores defendidas. Suas defesas não foram testadas em 1941, mas o avanço alemão renovado do início de meados de 1942 o cercou em 26 de junho. A guarnição britânica, X Corps, rompeu o cordão alemão na noite de 28 de junho e Matruh passou para as mãos do inimigo, sendo posteriormente o local do quartel-general do general Erwin Rommel. Após a vitória britânica na segunda batalha de El Alamein, Matruh foi recapturado em 8 de novembro. Hoje, Matruh é uma popular cidade turística e local de um museu criado por seu filho na antiga sede de Rommel.


Assista o vídeo: Caesar Bay - Marsa Matruh - Promo Video