História do Texas - História

História do Texas - História



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Uma breve história do Texas

O horizonte de Austin dos dias modernos, Texas

Texas é o segundo maior e mais populoso estado da América. Sua história é diversa e multicultural, com uma população mista de herança indígena, espanhola, mexicana, americana e anglo-saxônica. Chamado de “Lone Star State” devido à sua luta pela independência, é conhecido pela música country, churrascos, fazendas de gado e verões quentes.
Um aceno para a inovação texana
A história do Texas não é apenas sobre quem governa e quando, mas também as várias inovações que surgiram no estado, da pecuária à perfuração de petróleo e avanços na ciência e tecnologia. Por exemplo, Jack Kilby foi o primeiro a demonstrar o circuito integrado. Ele o fez em 1958 em um laboratório em Dallas.
O leite condensado saiu do Texas, assim como o primeiro estádio esportivo com cúpula e ar-condicionado do mundo, bem como o primeiro implante de coração artificial. Na cultura popular, Willie Nelson se tornou uma das maiores lendas da música country, enquanto Doyle Brunson governava nas mesas de pôquer jogando Texas Hold'em. Ambos são texanos que usam chapéu, nascidos em 1933.


História Antiga do Texas
Muito antes da chegada dos europeus, a América era o lar de muitas tribos nativas americanas. A terra do Texas teve vários povos nativos, cada um com sua própria cultura distinta.
Havia a Nação Caddo, no leste, conhecida por cultivar milho e girassol. Na costa do Golfo estava o povo Karankawa, que era excelente na pesca e na fabricação de canoas. Os comanches, que eram a principal tribo do noroeste, eram caçadores e cavaleiros. O povo apache estava no sul e sudoeste, vivendo em tendas e cabanas.
Os primeiros exploradores espanhóis chegaram ao Texas em 1519. Alonso Álvarez de Pineda mapeou o litoral e, em seguida, Álvar Núñez Cabeza de Vaca acabou naufragando na costa. Ele passou um tempo com os nativos americanos e escreveu de volta para casa, eventualmente encorajando os conquistadores a zarpar em busca de ouro (ouro que eles nunca encontraram).
Chegam europeus
O Texas permaneceu praticamente intocado por cerca de 150 anos após os primeiros exploradores pousarem nas costas. Foram os franceses que colonizaram o Texas antes dos espanhóis. René-Robert Cavelier, Sieur de La Salle, também conhecido como Robert de la Salle, fundou o Forte St. Louis em 1685. No entanto, os espanhóis foram mais “bem-sucedidos”. Eles começaram a construir missões para espalhar suas crenças e, em 1718, estabeleceram a Missão San Antonio de Valero, também conhecida como The Alamo. O Texas foi uma província da Espanha de 1690 a 1821.
Os anos 1800 foram tumultuosos para o Texas, pois o país estava sujeito a várias regras e lutava por sua independência. Em 1821, o México declarou sua independência da Espanha com uma revolta e “Tejas” tornou-se parte do México. A partir de 1882, a política liberal de imigração do México atraiu um número substancial de americanos para se estabelecerem no Texas, liderados por Stephen Austin e 300 famílias, com a aprovação do governo mexicano.
Os colonos não se contentaram em adotar a identidade mexicana e se consideraram “texanos”. Eles se expandiram rapidamente e superaram em muito os mexicanos no Texas. O México temeu perder o controle, incentivou mais imigração do México e proibiu a imigração dos EUA em 1830.


Isso irritou os texanos, que pressionaram por uma revolução e independência em 1836. O Texas ainda estava sob a ameaça do México e, embora alguns desejassem permanecer independentes, os líderes acabaram optando pela anexação aos Estados Unidos da América. Em 1845, o Texas ingressou como o 28º estado. Isso levou à expansão dos negócios e à subsequente abertura da primeira ferrovia em 1853 e do primeiro escritório telegráfico em 1854.
Não foi, porém, o fim da instabilidade. O Texas deixou os Estados Unidos para se juntar à Confederação em 1861 antes de voltar à União em 1870.
Em 1894, houve uma descoberta acidental de petróleo na Corsicana e, em 1901, o boom do petróleo começou. A invenção da broca rotativa para rocha pela Hughes Tool Company em 1933 ajudou nisso. Antes disso, as principais indústrias do Texas eram gado e bisões, algodão e madeira.

A história do Texas é de luta pela independência e também pela inovação. A história mostra uma terra multicultural, personificada pelas seis bandeiras sobre o Texas, representando as seis nações que já tiveram soberania sobre o estado: Espanha, França, México, República do Texas, Confederação e Estados Unidos.


Linha do tempo da história do Texas - 50 eventos que moldaram o Texas

Compilamos uma linha do tempo dos 50 eventos históricos mais significativos que moldaram o grande estado do Texas. Sem esses eventos, o Texas poderia parecer muito diferente do que é hoje.

Exploração e Desenvolvimento Antecipados

Antes de 1500 - Antes da chegada dos primeiros exploradores europeus, numerosas tribos de índios do Texas ocupavam a região entre o Rio Grande ao sul e o Rio Vermelho ao norte.

Meados de 1519 - Alonso Alvarez de Pineda, um aventureiro espanhol, partiu de uma base na Jamaica para se tornar o primeiro europeu conhecido a explorar e mapear a costa do Texas.

Novembro de 1528 - Cabeza de Vaca naufragou no que hoje se acredita ser a Ilha de Galveston. Após comercializar na região por cerca de seis anos, ele posteriormente explorou o interior do Texas a caminho do México.

1540-1542- Em busca das lendárias Sete Cidades de Cibola, Francisco Vasquez de Coronado liderou uma expedição ao atual sudoeste dos Estados Unidos e ao norte do Texas.

18 de fevereiro de 1685 -Robert Cavelier, Sieur de LaSalle, estabeleceu o Fort St. Louis na Baía de Matagorda e formou a base para a reivindicação da França ao Texas. Dois anos depois, LaSalle foi assassinado por seus próprios homens.

22 de abril de 1689 - Durante uma expedição planejada para restabelecer a presença espanhola no Texas, o explorador mexicano Alonso de Leon chegou ao Forte St. Louis e o encontrou abandonado,

1716-1789 - Ao longo do século 18, a Espanha estabeleceu missões católicas no Texas, bem como nas cidades de San Antonio, Goliad e Nacogdoches.

8 de agosto de 1812 - A Expedição Gutierrez-Magee com cerca de 130 homens cruzou o rio Sabine vindo da Louisiana em um movimento rebelde contra o domínio espanhol no Texas.

1817-1820 - Jean Laffite ocupou a Ilha Galveston e a usou como base para sua operação de contrabando e corsário.

3 de janeiro de 1823 -Stephen F. Austin recebeu uma bolsa do governo mexicano e iniciou a colonização na região do rio Brazos.

Meados de 1824 - A Constituição de 1824 deu ao México uma forma republicana de governo. Ele falhou, no entanto, em definir os direitos dos estados dentro da república, incluindo o Texas.

6 de abril de 1830 - As relações entre os texanos e o México atingiram um novo nível quando o México proibiu mais emigração para o Texas por colonos dos Estados Unidos.

26 de junho de 1832 - A Batalha de Velasco resultou nas primeiras vítimas nas relações do Texas com o México. Após vários dias de luta, os mexicanos comandados por Domingo de Ugartechea foram forçados a se render por falta de munição.

1832-1833 - A insatisfação com as políticas do governo na Cidade do México desencadeou a Convenção de 1832 e a Convenção de 1833 no Texas.

A Revolução e a República

2 de outubro de 1835 - Os texanos repeliram as tropas da cavalaria mexicana na Batalha de Gonzales. A revolução começou.

9 de outubro de 1835 - A Campanha Goliad de 1835 terminou quando George Collingsworth, Ben Milam e 49 outros texanos invadiram o presidio em Goliad e uma pequena tropa de defensores mexicanos.

28 de outubro de 1835 -Jim Bowie, James Fannin e 90 texanos derrotaram 450 mexicanos na Batalha de Concepcion, perto de San Antonio.

3 de novembro de 1835 - A Consulta se reuniu para considerar opções para uma regra mais autônoma para o Texas. Um documento conhecido como Lei Orgânica delineou a organização e funções de um novo Governo Provisório.

8 de novembro de 1835 - O Grass Fight perto de San Antonio foi vencido pelos Texans sob Jim Bowie e Ed Burleson. Em vez de prata, no entanto, os texanos ganharam uma recompensa inútil de grama.

11 de dezembro de 1835 -Os mexicanos sob o comando do general Cos renderam San Antonio aos texanos após o cerco de Bexar. Ben Milam foi morto durante o cerco prolongado.

2 de março de 1836 - A Declaração de Independência do Texas foi assinada pelos membros da Convenção de 1836. Um anúncio provisório o governo foi formado para a recém-criada República do Texas.

6 de março de 1836 - Texanos sob o comando do coronel William B. Travis foram oprimidos pelo exército mexicano após um cerco de duas semanas na Batalha de Alamo em San Antonio. O Runaway Scrape começou.

10 de março de 1836 - Sam Houston abandonou Gonzales em uma retirada geral para o leste para evitar o exército mexicano invasor.

27 de março de 1836 -James Fannin e quase 400 texanos foram executados pelos mexicanos no Massacre de Goliad, sob a ordem de Santa Anna.

21 de abril de 1836 - Texanos sob o comando de Sam Houston derrotaram as forças mexicanas de Santa Anna na Batalha de San Jacinto. Assim, a independência foi conquistada em uma das batalhas mais decisivas da história.

Novembro de 1839 - O Congresso do Texas se reuniu pela primeira vez em Austin, o local de fronteira selecionado para a capital da República.

11 de agosto de 1840 - A Batalha de Plum Creek, perto do atual Lockhart, encerrou o desafio Comanche mais ousado e penetrante à República do Texas.

Junho de 1841 - A Texan Santa Fe Expedition partiu para o Novo México. Perto de Sante Fe, eles foram interceptados pelas forças mexicanas e marcharam 2.000 milhas até a prisão na Cidade do México.

5 de março de 1842 - Uma força mexicana de mais de 500 homens sob o comando de Rafael Vasquez invadiu o Texas pela primeira vez desde a revolução. Eles ocuparam San Antonio por um breve período, mas logo voltaram para o Rio Grande.

11 de setembro de 1842 - San Antonio foi novamente capturado, desta vez por 1400 tropas mexicanas comandadas por Adrian Woll. Mais uma vez, os mexicanos recuaram, mas desta vez com prisioneiros.

Outono de 1842 - Sam Houston autorizou Alexander Somervell a liderar um ataque retaliatório ao México. A Expedição Somervell resultante foi dissolvida, no entanto, após tomar brevemente as cidades fronteiriças de Laredo e Guerreo.

20 de dezembro de 1842 - Cerca de 300 membros da força Somervell decidiram continuar os ataques ao México. Dez dias e 20 milhas depois, a malfadada Expedição Mier se rendeu na cidade mexicana de Mier.

29 de dezembro de 1842 - Sob as ordens de Sam Houston, funcionários chegaram a Austin para remover os registros da República do Texas para a cidade de Houston, desencadeando a exangue Guerra dos Arquivos.

25 de março de 1843 - Dezessete texanos foram executados no que ficou conhecido como Episódio do Feijão Negro, que resultou da Expedição Mier, um dos vários ataques dos texanos ao México.

27 de maio de 1843 - A Expedição Snively do Texas alcançou a Trilha de Santa Fé, esperando capturar vagões mexicanos cruzando o território reivindicado pelo Texas. A campanha parou, no entanto, quando as tropas americanas intervieram.

Estado e mais além

29 de dezembro de 1845 -O presidente dos EUA, James Polk, seguiu em frente com uma plataforma de campanha prometendo anexar o Texas e assinou uma legislação que tornava o Texas o 28º estado dos Estados Unidos.

25 de abril de 1846 -A Guerra Mexicano-Americana começou como resultado de disputas sobre as reivindicações de limites do Texas. O resultado da guerra fixou a fronteira sul do Texas no Rio Grande.

25 de novembro de 1850 -Em um plano para resolver disputas de limites e pagar sua dívida pública, o Texas cedeu cerca de um terço de seu território no Compromisso de 1850, em troca de US $ 10.000.000 dos Estados Unidos.

Maio de 1852 - A primeira Feira Estadual Lone Star em Corpus Christi simbolizou um período de relativa prosperidade no Texas durante a década de 1850. O organizador Henry L. Kinney convenceu o Dr. Ashbel Smith a ser o gerente da feira.

29 de abril de 1856 - Apoiado pelos militares americanos, um carregamento de 32 camelos chegou ao porto de Indianola. O experimento de camelo do Texas resultante usou os animais para transportar suprimentos pelo "Grande Deserto Americano".

1 de fevereiro de 1861 - O Texas se separou da União Federal após uma votação de 171 a 6 pela Convenção de Secessão. O governador Sam Houston fazia parte de uma pequena minoria que se opunha à secessão.

22 de outubro de 1861 - Unidades avançadas da recém-formada Brigada do General H. H. Sibley marcharam para o oeste de San Antonio para reivindicar o Novo México e o sudoeste americano para a Confederação.

1 ° de janeiro de 1863 - Após várias semanas de ocupação federal do porto marítimo mais importante do Texas, a Batalha de Galveston restaurou a ilha ao controle do Texas pelo restante da Guerra Civil.

13 de maio de 1865 - O último confronto terrestre da Guerra Civil foi travado na Batalha de Palmito Ranch, no extremo sul do Texas, mais de um mês após a rendição do general Lee em Appomattox, VA.

1866 - A abundância de gado longhorn no sul do Texas e o retorno dos soldados confederados a uma economia de reconstrução pobre marcaram o início da era das trilhas do Texas para os mercados do norte.

30 de março de 1870 - O Congresso dos Estados Unidos readmitiu o Texas na União. A reconstrução continuou, entretanto, por mais quatro anos.

17 de janeiro de 1874 -A disputa Coke-Davis terminou pacificamente em Austin quando E. J. Davis renunciou ao cargo de governador. Richard Coke deu início a uma dinastia de partido democrático no Texas que continuou ininterrupta por mais de 100 anos.

4 de outubro de 1876 - Agora conhecido como Texas A & ampM, a abertura do Agricultural and Mechanical College of Texas marcou o primeiro empreendimento do estado no ensino superior público. As mensalidades totalizaram US $ 10 por semestre.

15 de setembro de 1883 - A Universidade do Texas abriu suas portas em Austin para sua sessão inaugural. Os primeiros cursos foram oferecidos no Departamento Acadêmico e no Departamento Jurídico.

16 de maio de 1888 - A dedicação da atual capital do estado em Austin encerrou sete anos de planejamento e construção. O edifício foi financiado com 3.000.000 acres de terra no norte do Texas.

20 de janeiro de 1891 - Com base em uma plataforma de campanha pedindo a regulamentação das ferrovias e grandes negócios, James Hogg assumiu o cargo como o primeiro governador nativo do Texas.

10 de janeiro de 1901 - A descoberta de “ouro negro” no campo de petróleo Spindletop perto de Beaumont lançou o Texas em um século de exploração de petróleo, eletrônica e viagens espaciais tripuladas.


Manual do Texas

o Manual do Texas é uma enciclopédia estadual digital desenvolvida pela Texas State Historical Association (TSHA) que é gratuita e acessível na Internet para alunos, professores, acadêmicos e o público em geral. o Manual consiste em entradas de visão geral, gerais e biográficas com foco em toda a história do Texas, desde os nativos americanos indígenas e a era pré-histórica até a população diversificada do estado e a idade moderna. Essas entradas enfatizam o papel que os texanos desempenharam na história estadual, nacional e mundial. O TSHA expande continuamente o Manual por meio de projetos especiais de vários anos que se concentram em diversos tópicos para preservar a história de todos os texanos. Em 2016 o Manual O site teve 10.454.137 visualizações de página com 4.657.707 usuários únicos de 201 países e territórios, tornando-o não apenas um recurso do Texas, mas também global.

o Manual do Texas O projeto começou em 1939 como um esforço liderado pelo Professor Walter Prescott Webb da Universidade do Texas para preservar a história do Texas e criar “o livro mais útil que já foi publicado no Texas”. Webb admitiu que seu objetivo pode ser "um sonho impossível", mas sua liderança facilitou o financiamento, a contratação de pessoal e a publicação do livro original de dois volumes Manual em 1952, com um terceiro volume suplementar em 1976. A Universidade do Texas em Austin apoiou uma bolsa de estudos focada na história do Texas e manteve um relacionamento contínuo com a TSHA, fornecendo espaço para escritórios e empregando membros da equipe como professores da Universidade. Em 1996, o seis volumes Manual incluiu 23.640 entradas e 687 ilustrações em 6.945 páginas. A liderança da TSHA reconheceu o crescimento dos computadores pessoais e optou por ignorar um CD-ROM interativo em favor da digitalização de todo Manual para lançamento na Internet. o Manual do Texas Online lançada em fevereiro de 1999 e foi uma das primeiras enciclopédias digitais acessíveis gratuitamente na Internet ao público em geral.

o Manual atualmente inclui 27.346 entradas enciclopédicas. Essas entradas são escritas por historiadores e profissionais voluntários, revisadas pela equipe da TSHA, avaliadas por acadêmicos e aprovadas pelo historiador-chefe da TSHA antes de serem publicadas online. O desenvolvimento de novas entradas é conduzido por eventos atuais, sugestões de usuários e identificação interna de tópicos ausentes, que são revisados ​​pelo historiador-chefe para consideração. As entradas existentes são continuamente revisadas ou atualizadas de acordo com as sugestões do usuário e um cronograma de revisão de rotina. Os autores utilizam fontes secundárias e primárias, como livros, registros de censo, jornais, registros de serviço militar, obituários, diários e cartas para criar entradas historicamente precisas. As fontes são compiladas em uma bibliografia e atualizadas regularmente para fornecer aos leitores os estudos mais recentes. o Manual os editores verificam, editam e formatam entradas usando linguagem apropriada para usuários desde o ensino médio até a faculdade.

o Manual começou como um recurso de referência impresso sem imagens, mas a expansão para seis volumes incluiu o acréscimo de fotografias e outras ilustrações. o Manual a equipe reconheceu a necessidade de atualizar o digital Manual com mídia apropriada, como imagens, vídeos, áudio e mapas interativos. A equipe agora inclui mídia a cada nova entrada e adicionou mídia às entradas mais vistas. Como resultado, o Manual agora inclui milhares de imagens, centenas de amostras de áudio e dezenas de clipes de vídeo do TSHA Texas Talks webinars. As legendas da mídia identificam o título, o proprietário dos direitos autorais e a localização da mídia, bem como o link para a fonte original. A equipe desativou o recurso de clique com o botão direito dentro do Manual site para limitar a reprodução das imagens e incentivar os usuários a visitar os repositórios e arquivos digitais participantes para acesso e republicação. A TSHA compilou eBooks promocionais compostos por Manual as inscrições se concentraram em uma variedade de tópicos, incluindo: Afro-americanos, Guerra Civil, Tejanos, Revolução do Texas, Mulheres e Música no Texas. Além disso, Manual conteúdo facilitou o desenvolvimento de Texas dia a dia, um programa que fornece atualizações diárias para os computadores, tablets e smartphones dos usuários sobre pessoas, lugares e eventos notáveis ​​na história do Texas.

Depois de mais de 69 anos, o Manual O projeto continua promovendo bolsas de estudo e incentivando o estudo da história do Texas. O TSHA e Manual a equipe colabora com associações históricas dentro do Texas e nos Estados Unidos para promover o estudo da história estadual e local. o Manual O projeto oferece oportunidades para estudantes de graduação, historiadores leigos, acadêmicos e professores preservarem a história pesquisando e escrevendo entradas concisas para fins educacionais e melhoria da sociedade. o Manual entradas são citadas em milhares de livros, artigos, documentários e páginas da web, como Wikipedia, Biblioteca de Referência Legislativa do Texas, Find-a-Grave e Ancestry. O professor Webb não poderia ter imaginado as maneiras pelas quais o Manual cresceu e mudou ao longo do tempo, mas ele certamente ficaria satisfeito se a demanda pública por bolsas de estudo continue tão forte. Nós nos esforçamos para garantir o Manual permanece acessível, inclusivo, preciso e atende aos padrões acadêmicos atuais.

o Manual do Texas O projeto começou em 1939 como um esforço liderado pelo Professor Walter Prescott Webb da Universidade do Texas para preservar a história do Texas e criar “o livro mais útil que já foi publicado no Texas”. Webb admitiu que seu objetivo pode ser "um sonho impossível", mas sua liderança facilitou o financiamento, a contratação de pessoal e a publicação do livro original de dois volumes Manual em 1952, com um terceiro volume suplementar em 1976. A Universidade do Texas em Austin apoiou uma bolsa de estudos focada na história do Texas e manteve um relacionamento contínuo com a TSHA, fornecendo espaço para escritórios e empregando membros da equipe como professores da Universidade. Em 1996, o seis volumes Manual incluiu 23.640 entradas e 687 ilustrações em 6.945 páginas. A liderança da TSHA reconheceu o crescimento dos computadores pessoais e optou por ignorar um CD-ROM interativo em favor da digitalização de todo Manual para lançamento na Internet. o Manual do Texas Online lançada em fevereiro de 1999 e foi uma das primeiras enciclopédias digitais acessíveis gratuitamente na Internet ao público em geral.

o Manual atualmente inclui 27.346 entradas enciclopédicas. Essas entradas são escritas por historiadores e profissionais voluntários, revisadas pela equipe da TSHA, avaliadas por acadêmicos e aprovadas pelo historiador-chefe da TSHA antes de serem publicadas online. O desenvolvimento de novas entradas é conduzido por eventos atuais, sugestões de usuários e identificação interna de tópicos ausentes, que são revisados ​​pelo historiador-chefe para consideração. As entradas existentes são continuamente revisadas ou atualizadas de acordo com as sugestões do usuário e um cronograma de revisão de rotina. Os autores utilizam fontes secundárias e primárias, como livros, registros de censo, jornais, registros de serviço militar, obituários, diários e cartas para criar entradas historicamente precisas. As fontes são compiladas em uma bibliografia e atualizadas regularmente para fornecer aos leitores os estudos mais recentes. o Manual os editores verificam, editam e formatam entradas usando linguagem apropriada para usuários desde o ensino médio até a faculdade.

o Manual começou como um recurso de referência impresso sem imagens, mas a expansão para seis volumes incluiu o acréscimo de fotografias e outras ilustrações. o Manual a equipe reconheceu a necessidade de atualizar o digital Manual com mídia apropriada, como imagens, vídeos, áudio e mapas interativos. A equipe agora inclui mídia a cada nova entrada e adicionou mídia às entradas mais vistas. Como resultado, o Manual agora inclui milhares de imagens, centenas de amostras de áudio e dezenas de clipes de vídeo do TSHA Texas Talks webinars. As legendas da mídia identificam o título, o proprietário dos direitos autorais e a localização da mídia, bem como o link para a fonte original. A equipe desativou o recurso de clique com o botão direito dentro do Manual site para limitar a reprodução das imagens e incentivar os usuários a visitar os repositórios e arquivos digitais participantes para acesso e republicação. A TSHA compilou eBooks promocionais compostos por Manual as inscrições se concentraram em uma variedade de tópicos, incluindo: Afro-americanos, Guerra Civil, Tejanos, Revolução do Texas, Mulheres e Música no Texas. Além disso, Manual conteúdo facilitou o desenvolvimento de Texas dia a dia, um programa que fornece atualizações diárias para os computadores, tablets e smartphones dos usuários sobre pessoas, lugares e eventos notáveis ​​na história do Texas.

Depois de mais de 69 anos, o Manual O projeto continua promovendo bolsas de estudo e incentivando o estudo da história do Texas. O TSHA e Manual a equipe colabora com associações históricas dentro do Texas e nos Estados Unidos para promover o estudo da história estadual e local. o Manual O projeto oferece oportunidades para estudantes de graduação, historiadores leigos, acadêmicos e professores preservarem a história pesquisando e escrevendo entradas concisas para fins educacionais e melhoria da sociedade. o Manual entradas são citadas em milhares de livros, artigos, documentários e páginas da web, como Wikipedia, Biblioteca de Referência Legislativa do Texas, Find-a-Grave e Ancestry. O professor Webb não poderia ter imaginado as maneiras pelas quais o Manual cresceu e mudou ao longo do tempo, mas ele certamente ficaria satisfeito se a demanda pública por bolsas de estudo continuasse tão forte. Nós nos esforçamos para garantir o Manual permanece acessível, inclusivo, preciso e atende aos padrões acadêmicos atuais.


Patrulhando a Fronteira

Após a Revolução do Texas de 1836, uma onda de novos colonos dirigiu-se ao Texas atraídos por acres de terra oferecidos por pouco dinheiro. Este aumento de colonização levou a conflitos com índios americanos que já ocupavam o território e a um desejo renovado de enviar os Texas Rangers em patrulha.

Para proteger os novos texanos, as empresas Ranger patrulhavam a fronteira, bem como a fronteira com o México. Foi nessa época que John & ldquoJack & rdquo Coffee Hays se tornou o mais famoso Texas Ranger da época. Lutando em algumas das batalhas mais significativas do período entre texanos e índios americanos, Hays rapidamente provou ser um líder forte, um tomador de decisões inteligente e um lutador destemido e brutal. Ele subiu na hierarquia rapidamente e logo estava liderando companhias de Rangers em patrulhas de fronteira e em batalhas contra índios americanos.

Hays e os Texas Rangers também desempenharam um papel crucial na segurança da fronteira Texas-México durante a década de 1840. Agaton Quinones e Manuel Leal lideraram grupos de ladrões que cruzaram o Rio Grande para o Texas para roubar viajantes e roubar gado, depois fugiram para o México para vender seus bens roubados. Esses bandidos operavam sob a proteção do capitão mexicano Ignacio Garcia, que recebia uma porcentagem dos lucros. Em resposta ao crescente número de ataques por parte dos homens de Quinones & rsquos e Leal & rsquos, Hays recebeu amplos poderes legais para rastrear os ladrões e executá-los sem julgamento, o que ele fez.

Cada [Ranger] estava armado com um rifle, uma pistola e uma faca. Com um cobertor mexicano amarrado atrás da sela e uma pequena carteira na qual carregava sal e munição e talvez uma pequena panola ou milho ressequido, temperado e adoçado & ndash um grande alívio da sede & ndash e tabaco, ele estava equipado por um mês. O pequeno corpo de homens, livre de vagões de bagagem ou trens de carga, movia-se tão levemente pela pradaria quanto os índios.

& ndash John C. Caperton, autor de & ldquoSketch of Coronel John C. Hays, Texas Ranger & rdquo


História do texas

Quais são os alimentos mais populares no Texas?

O Texas é conhecido por muitos tipos diferentes de culinária, mas os pratos mais populares no Texas são Tex-Mex e churrasco. A culinária Tex-Mex originou-se do povo texano do Texas, combinando sabores mexicanos tradicionais com um toque texano. Caracterizado por pratos que contêm muito queijo ralado, carne e tortilhas de farinha, o Tex-Mex pode ser encontrado em praticamente qualquer cidade do Texas. Embora o churrasco em geral não seja específico do Texas, o Texas tem muitos estilos diferentes de churrasco, com o churrasco do leste do Texas é tipicamente defumado sobre madeira de nogueira e marinado em molho à base de tomate e o churrasco do sul do Texas é tradicionalmente marinado em um tipo de melaço molho.

Qual é a cidade mais antiga do Texas?

A cidade mais antiga do Texas é Nacogdoches. Fundada em 1779 por Don Antonio Gil Y’Barbo, hoje a cidade tem uma população de mais de 30.000 habitantes, mas ainda mantém o charme de uma pequena cidade. Os primeiros colonos da área com uma tribo local de Caddo, os Nacodgoche, que chegaram ao leste do Texas por volta de 800 DC Vistors para Nacogdoches podem esperar belas ruas de tijolos no distrito histórico do centro, vários antiquários, restaurantes locais e uma natureza adorável anda em.

Quais são os lugares mais bonitos do Texas?

De montanhas a pântanos, a paisagem do Texas é uma das mais diversificadas do país. Não importa o cenário que você esteja procurando, o Texas tem. Um dos lugares mais bonitos do Texas é o Poço de Jacob. Localizado em Wimberley, Jacob’s Well é uma das maiores cavernas subaquáticas do Texas, e as águas cristalinas da nascente a tornam um local popular para nadar nos meses mais quentes. Caddo Lake State Park, localizado na fronteira do Texas / Louisiana, é um belo oásis natural que qualquer amante da natureza apreciaria. O Lago Caddo é o único lago natural no Texas e está repleto de belos ciprestes carecas, oportunidades de pesca.


Uma História do Condado de Smith, Texas

Esta tese oferece uma visão geral da história do Condado de Smith, Texas. Os capítulos, de acordo com o Índice: Topografia e Vida Indígena Anterior Os Cherokees A Expulsão dos Cherokees A Exploração e Princípios do Condado de Smith Fronteira Condado de Smith, 1846-1851 O Período Ante-Bellum, 1860-1874 As Ferrovias e Suas Influências , 1870-1900, Política e Sociedade Pós-Guerra Civil, 1870-1900 e The Major Industrial Period.

Descrição física

vi, 249 p. : il., mapas de 28 cm.

Informação de Criação

Contexto

Esse livro faz parte da coleção intitulada: Texas History Collection e foi fornecida pelas Bibliotecas da UNT ao Portal para a História do Texas, um repositório digital hospedado pelas Bibliotecas da UNT. Já foi visto 3515 vezes, sendo 54 no último mês. Mais informações sobre este livro podem ser vistas abaixo.

Pessoas e organizações associadas à criação deste livro ou ao seu conteúdo.


Os democratas do Texas adotam uma "estratégia de dividir para conquistar" para proteger o direito de voto

A liderança republicana no Texas quer que os alunos celebrem o décimo primeiro mês, e eu aplaudo isso. É difícil acreditar que ainda não haja feriado federal para reconhecer, muito menos comemorar, o fim da escravidão neste país. Mas o que estamos comemorando, praticamente? Estamos comemorando o fim de uma lei americana. O fim de um ideal americano. O fim da escravidão americana. E o problema com o HB 3979 do Texas - e todas as outras leis semelhantes em todo o país - é que ele quer silenciar o ensino desta verdade. Ele quer que os alunos experimentem o doce fruto de Juneteenth sem considerar as raízes podres da escravidão e do racismo.

A nova lei do Texas, na verdade, tem dois problemas principais. Em primeiro lugar, e mais alarmante para os educadores, ele proíbe os professores de escolas públicas de exigir que os alunos leiam materiais educacionais específicos ou mesmo aprendam sobre ideias particulares - especificamente a ideia de que "o advento da escravidão ... constituiu a verdadeira fundação dos Estados Unidos". A lei também proíbe os professores de sequer ensinar o Projeto 1619.

Mas há um segundo problema, e ainda mais fundamental, com projetos de lei como este: eles são intrinsecamente contraditórios. Eles exigem que os professores apresentem pessoas e idéias específicas da história americana. Em seguida, também visam evitar que os professores discutam qualquer coisa nessas histórias que possa sugerir racismo ou escravidão inerentes. Os legisladores podem querer manter essa contradição, mas quando os professores ensinam essas histórias e documentos, a contradição não pode subsistir.

Os legisladores podem querer manter essa contradição, mas quando os professores ensinam essas histórias e documentos, a contradição não pode subsistir.

Pegue a décima quinta, por exemplo. O HB 3979 exige que os professores apresentem "documentos históricos relacionados às conquistas cívicas de populações marginalizadas". A Ordem Geral Número 3 do general Gordon Granger, anunciada em Galveston em 19 de junho de 1865, certamente se qualifica. Isso marcou o fim da escravidão legalizada no Texas. Porém, segundo essa lei, os professores deveriam celebrar a liberdade que esse documento proclamava, mas não ousavam apontar as leis que estabeleceram a escravidão e definiram o Texas nos 30 anos anteriores. A história e os documentos lutam contra essa dissonância cognitiva.

O HB 3979 pede admiravelmente aos professores que apresentem os escritos e as vidas de um grupo diverso de pessoas fundadoras dos Estados Unidos. Este historiador está perplexo. Como se deve ensinar sobre Ona Judge, uma mulher escravizada por George Washington e que escapou? Sua história é contada de maneira comovente por Erica Armstrong Dunbar em seu livro “Never Caught”, mas pareceria terrivelmente difícil ensiná-la sem falar sobre a conexão íntima e legal entre a escravidão e os ideais americanos durante a época dos pais fundadores. Da mesma forma, como devo ensinar sobre Sally Hemings? President Thomas Jefferson enslaved her, carried on a long-term sexual relationship with her (the nature of which, historians still disagree on), and enslaved the children he fathered with her. In both cases, a teacher must laud the lives of a presidential enslaver and the enslaved, but religiously avoid the idea that slavery represented a key American ideal in their stories. This cannot be sustained.

Relacionado

Opinion Why I welcome the Trump White House's attack on critical race theory

Both HB 3979 and its twin law the 1836 Project (HB 2497) encourage teachers to talk with their students about the vital role of Texans in the life of the 1965 Voting Rights Act: President Lyndon B. Johnson's signing of it, President George W. Bush's extension of it, and Rep. Barbara Jordan's efforts to broaden its application. But what of the fact that a majority of the Texas congressional delegation voted against the Voting Rights Act in 1965? And what of Greg Abbott and other Texas leaders applauding when the Supreme Court gutted the Voting Rights Act in the 2013 case Shelby v. Holder? Then there's Texas' SB7, one among many current laws Republican state legislatures across the nation are eagerly promoting, which restrict the vote in ways the Voting Rights Act explicitly guarded against. And if teachers simply present these threads as part of the story and documentary record, students will begin to understand, regardless of what ideas the law attempts to erase.

The sustained presence and effects of slavery and racism in American history and life cannot be ignored. And they cannot be explained away as merely unfortunate deviations from or betrayals of American ideals. The very stories and documents that these bills call for us to read will not allow it. There is no Juneteenth without legal, institutional, commonplace slavery in Texas. We cannot have Washington and Jefferson as freedom-fighting founders without also having them as eager enslavers. Texas cannot celebrate its role in the greatest guarantee of voting rights in the 20th century without also embracing its role as one of its greatest opponents.

Relacionado

Opinion We want to hear what you THINK. Please submit a letter to the editor.

Texas' new education laws are wrong to disassociate slavery and racism from the founding of the United States and Texas. Slavery and racism were rooted firmly in American laws. They too were American ideals. We disrespect our teachers, disempower our students, and deny our history when we try to pretend otherwise.

Brian Franklin works at Southern Methodist University, where he is the Associate Director of the Center for Presidential History and a lecturer in the Clements Department of History.


Fundo

Prior to 1923, counties carried out their own executions, by means of hanging. In 1923, the state of Texas ordered all executions to be carried out by the state, in Huntsville, by means of the electric chair. The state executed its first inmate by electrocution on 8 February 1924. Five prisoners were electrocuted on that date.

Death row and the execution chamber were located in the Huntsville unit from 1928 to 1965. The last electrocution was carried out on 30 July 1964. Texas electrocuted a total of 361 inmates from 1924 to 1964.

1964-1982: Moratorium

In 1964, judicial challenges to capital punishment resulted in a de facto moratorium on executions in the United States. On 29 June 1972, in Furman v. Georgia, the U.S. Supreme Court ruled that every state death penalty law in the U.S. was unconstitutional because the death penalty was being unfairly and arbitrarily assigned. At that time, there were 52 men in Texas with death sentences. Governor Preston Smith commuted all of their sentences to life, and death row was clear by March 1973.

In 1973, Texas passed a new statue to standardize the way the death penalty was assessed. Juries quickly began imposing death sentences under the new statute, and death row began filling up again in 1974.

In 1977, Texas adopted lethal injection as its means of execution, adopting a three-drug protocol developed by medical examiner Jay Chapman and anesthesiologist Stanley Deutsch for the state of Oklahoma. The first lethal injection was given on 7 December 1982.

1982-1991: Lethal Injection Begins

During the moratorium years, death row was moved from the downtown Huntsville unit to the brand-new Ellis unit, which opened in July 1965. The execution chamber remained at the Huntsville unit. When Texas resumed executions in 1982, prisoners were transported from the Ellis unit, 12 miles north of town, to be executed.

Although executions resumed in 1982, they were rare at first. One execution was carried out in 1982, and none in 1983. For the next eight years, executions were carried out at the average rate of five per year. Thus, in the first ten years of capital punishment in Texas, there were 43 executions.

In 1989, the U.S. Supreme Court ruled in Penry v. Lynaugh that juries had to be allowed to hear and consider mitigating evidence, such as a defendant's history of mental retardation and child abuse, when imposing death sentences. Some prisoners' death sentences were vacated as a result of this decision. The Texas legislature modified the sentencing instructions given to juries in 1991, resulting in the three-question format that is in use to this day.

1992-1999: Pace of Executions Increases

In 1992, the number of executions jumped dramatically. Over the next four years, 62 prisoners were executed, an average of fifteen per year.

In 1995, the Texas legislature passed a law requiring certain death-row appeals to be filed concurrently. The intent of this law was to reduce the amount of time prisoners spent on death row waiting for their legal appeals to be pursued. The short-term effect of this new law was that executions virtually stopped while it was being appealed. From March 1996 to January 1997, there was only one execution in the state. However, after the law withstood legal challenge, executions resumed at double their old pace. Over the next three years, there were 92 executions.

On Thanksgiving Day, 1998, seven death-row prisoners attempted to escape from the Ellis unit. Six were captured on prison grounds, but one prisoner, Martin Gurule, successfully made it outside. However, Gurule was mortally wounded in the attempt, and on 3 December he was found dead in the Trinity river, not far from Huntsville. Because of this incident, Texas began moving the men on death row from the Ellis unit to the Terrell unit. The Terrell unit, opened in 1993, was considered more secure than the Ellis unit. It is located just outside the town of Livingston, about 45 minutes from Huntsville. By law, prisoners are still transported to Huntsville to be executed. The Terrell unit was renamed the Polunsky unit in 2001.

2000-2005: National Scrutiny

In 2000, several factors caused the death penalty to come under scrutiny unprecedented since the late 1960's to early 1970's. In additon to the long-standing charges that the death penalty is cruel, unfair to minorities, and a barbaric, inhumane instrument unfit for a civilized society, opponents of capital punishment began pressing their belief that innocent people were being executed in the United States. In January 2000, after several well-publicized exonerations of death row inmates in Illinois, Governor George Ryan declared a moratorium on executions in his state until a study could be undertaken to evaluate the practice of capital punishment.

Texas came under especially strong national scrutiny in 2000 for two reasons: one is because it led the nation in executions -- more than all other 37 death-penalty states combined. The other reason is because Texas Governor George W. Bush was running for President, and by March, he had effectively won the Republican Party nomination.

One of the main weapons death-penalty opponents weilded in the attack on capital punishment was the availability of DNA testing. DNA testing methods were much more sophisticated in 2000 than when most death-row inmates at that time were convicted, so the argument was that DNA evidence should be retested in cases where the defendant's guilt was in doubt. On 1 June, Gov. Bush issued a 30-day stay of execution to convicted murderer Ricky McGinn, for DNA testing. McGinn was convicted of raping and murdering his 12-year-old stepdaughter in 1993. McGinn was executed in September after the tests came back positive. The legislature passed a law in 2001 guaranteeing DNA testing to any condemned prisoner whose innocence might be secured as a result.

The other principal issue of the early 2000's was whether prisoners who are mentally retarded should be executed. Several states passed laws banning the execution of the mentally retarded. The Texas legislature passed such a law in 2001, but Governor Rick Perry vetoed it, noting that Texas law already protected the mentally incompetent from execution, and that juries should be allowed to decide whether a convicted killer deserves the death penalty. On 20 June 2002, however, the U.S. Supreme Court found in Atkins v. Virginia that a "national consensus" had developed that executing mentally retarded prisoners is cruel and unusual punishment, and therefore the Court ruled it unconstitutional. The Court left it to the states to determine how mental retardation would be determined.

Between 2000 and 2005, the average number of executions per year in Texas declined from the high 30's to the low 20's. The reaons for this decline could be debated, and may have little to do with the above changes in death penalty law. As of this writing, no Texas death row prisoner has been exonerated by DNA evidence, and the number of prisoners who have had their sentences overturned on the basis of mental retardation has been small. One feasable explanation for the rather marked drop in the pace of executions after 2000 is that laws and court decisions in the 1990's that were designed to reduce a building backlog of death penalty cases accomplished just that, and after that backlog was cleared, the number of executions per year resumed at a more moderate pace.

The Supreme Court further restricted the application of the death penalty in 2005, when it ruled that prisoners who commited their capital offenses when they were under age 18 could not be executed. Following this ruling, 29 prisoners who were 17 at the time of their offenses were removed from death row.

2005 to date: Decline in Death Row Population

In 2005, Texas changed the law so that capital murderers sentenced to life in prison instead of given the death penalty would be ineligible for parole. Advocates of this law hoped that jurors would be more likely to sentence an offender to life, knowing that he could not be paroled in the future, and that the number of death sentences imposed would be reduced. So far, this appears to be the case. Prior to 2005, jurors were typically sending 30 or prisoners per year to death row, but since then, the highest number of death sentences imposed in a year has been 15.

In every year since 2005, the number of prisoners removed from death row by execution, natural death, or resentencing has been larger than the number of new death sentences imposed. Therefore, the population of death row has dropped from 446 prisoners at the beginning of 2005 to 235 prisoners at the beginning of 2018. The number of prisoners currently on death row is the lowest it has been since 1987.

In 2011, Texas and other states using lethal injection changed the chemical makeup of the lethal injection, due to a worldwide shortage of one of the drugs that had been used since 1982. The injection now consists of a single dose of pentobarbital, a fast-acting barbituate also used in animal euthanasia. Drug companies that manufacture pentobarbital for commercial sale do not permit its use for execution of criminals (but they do allow it for physician-assisted suicide), so state prisons obtain their supplies from compounding pharmacies.

Also in 2011, the Texas Department of Criminal Justice stopped providing special last meals to condemned inmates. This long-standing policy was changed at the request of state senator John Whitmire after inmate Lawrence Brewer declined to take a bite of the lavish feast he had ordered. Condemned inmates are now given a last meal from the same menu available to the rest of the prison unit.

In 2019, Texas ceased its tradition of allowing a chaplain to stand next to the condemened prisoner during his execution. This change in policy came after the U.S. Supreme Court issued a stay for a prisoner who requested a Buddhist chaplain at his execution. The state only allows prison employees in the death chamber, and the only chaplains on its staff were Christian and Muslim. The Supreme Court stated that either chaplains of all religions must be allowed in the death chamber, or none, so the state chose the latter option.

Copyright © 2002-2021 by David Carson. Unauthorized publication, either printed or electronic, is prohibited. This includes posting to Usenet, blogs, and message boards.


About the Printed Statutes

In 1854, the state legislature authorized a commission to codify existing laws. The Penal Code and Code of Criminal Procedure were completed in 1856. The civil statutes followed in 1879. Subsequent revisions and recodifications followed in 1895 and 1911. In 1925, there was a reorganization of the statutes, which still serves as the basis for our current statutes.

Between the years of 1911 and 1925, there was not an “official” publication of Texas statutes even though the legislature continued to meet every other year to write and amend laws.

To fill in the gaps in the official statutes, publisher John Sayles and his son Henry Sayles compiled and published unofficial volumes of Texas statutes in 1914. Called “Vernon’s Sayles’” after the publisher, these volumes contain the text of statutes, valuable annotations, and indexes from 1911 through 1921.

After 1925, the evolution of the Texas statutes is more complicated. The statutes are not reprinted in their entirety after each legislative session. Instead, the few complete reprintings of the statutes are updated with supplemental volumes after regular legislative sessions, which occur every 2 years.


Overview of Texas History and Heritage

Spanish explorers, including lvar N ez Cabeza de Vaca and Francisco V squez de Coronado, were the first to visit the region in the 16th and 17th centuries, settling at Ysleta near El Paso in 1682. In 1685, sieur de la Salle established a short-lived French colony at Matagorda Bay.

Americans, led by Stephen F. Austin, began to settle along the Brazos River in 1821 when Texas was controlled by Mexico, recently independent from Spain.

In 1821 Mexico gained independence from Spain, beginning a series of politically turbulent years. Under the Mexican Constitution of 1824, Texas was joined politically to the state of Coahuila, giving Texas a minority voice in its government. In 1836, following a brief war between the American settlers in Texas and the Mexican government, the Independent Republic of Texas was proclaimed with Sam Houston as president. This war was famous for the battles of the Alamo and San Jacinto. On March 2, 1836, 41 delegates to the first Constitutional Convention adopted Texas' Declaration of Independence, beginning the transition to becoming an independent republic. The period ended 50 days later, on April 21, 1836, at the Battle of San Jacinto, where the Texas Army defeated the Mexican Army led by General Santa Anna.

Texas remained a republic for almost a decade until annexation by the United States in 1845. After Texas became the 28th US state in 1845, border disputes led to the Mexican War of 1846-48. Texas remained a state until 1861 when it seceded from the Union to become part of the Confederacy. Texas was readmitted to the United States in 1870.


Assista o vídeo: Historia Breve de la República de Texas - Breve Historia de Texas - México y Texas