Fundação da Dinastia Inca - História

Fundação da Dinastia Inca - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A Dinastia Inca que governou o Peru até 1553 foi fundada em 1438. Diz-se que seu fundador foi Pachacutec. Ele rapidamente expandiu o império.

Os incas eram engenheiros magníficos. Eles construíram um sistema de estradas e pontes nos terrenos mais acidentados dos Andes. Por meio de seu sistema de trabalho coletivo e da economia centralizada mais avançada, os incas foram capazes de garantir trabalho manual ilimitado.

Petra afundou na obscuridade após uma mudança nas rotas comerciais que foi seguida por dois terremotos poderosos, um em 363 DC e um segundo em 551. Muitos dos edifícios, incluindo a igreja do século VI em escavação, parecem ter queimado e desabado . A desolação que caiu sobre a cidade ajudou a preservá-la.


Fundação da Dinastia Inca - História

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Inca, também escrito Inka, Índios sul-americanos que, na época da conquista espanhola em 1532, governaram um império que se estendia ao longo da costa do Pacífico e montanhas andinas da fronteira norte do Equador moderno até o rio Maule, no Chile central. Um breve tratamento do Inca segue para o tratamento completo, Vejo civilizações pré-colombianas: o Inca.

Os incas estabeleceram sua capital em Cuzco (Peru) no século XII. Eles começaram suas conquistas no início do século 15 e dentro de 100 anos ganharam o controle de uma população andina de cerca de 12 milhões de pessoas. Em comum com outras culturas andinas, o Inca não deixou registros escritos. Sua história é conhecida principalmente pela tradição oral que foi preservada ao longo das gerações pelos “memorizadores” oficiais e pelos registros escritos compostos a partir deles após a conquista espanhola. De acordo com sua tradição, os incas se originaram na aldeia de Paqari-tampu, cerca de 15 milhas (24 km) ao sul de Cuzco. O fundador da dinastia Inca, Manco Capac, levou a tribo a se estabelecer em Cuzco, que permaneceu como sua capital. Até o reinado do quarto imperador, Mayta Capac, no século 14, havia pouco para distinguir o Inca de muitas outras tribos que habitavam pequenos domínios ao longo dos Andes. Sob Mayta Capac, o Inca começou a se expandir, atacando e saqueando as aldeias dos povos vizinhos e provavelmente avaliando algum tipo de tributo. Sob Capac Yupanqui, o próximo imperador, o Inca primeiro estendeu sua influência além do vale de Cuzco, e sob Viracocha Inca, o oitavo, eles começaram um programa de conquista permanente estabelecendo guarnições entre os assentamentos dos povos que haviam conquistado.

A data mais antiga que pode ser atribuída com segurança à história dinástica Inca é 1438, quando Pachacuti Inca Yupanqui, filho de Viracocha Inca, usurpou o trono de seu irmão Inca Urcon. Sob Pachacuti Inca Yupanqui (1438-71), o Inca conquistou território ao sul da Bacia do Titicaca e ao norte até a atual Quito, tornando os povos subjugados dos poderosos Chanca, Quechua e Chimú. Uma política de reassentamento forçado de grandes contingentes de cada povo conquistado ajudou a garantir a estabilidade política ao distribuir grupos étnicos por todo o império e, assim, dificultar a organização da revolta. Os governadores locais eram responsáveis ​​por exigir o imposto sobre o trabalho no qual o império se baseava, o imposto poderia ser pago pelo serviço no exército, nas obras públicas ou no trabalho agrícola.

Sob Topa Inca Yupanqui (1471-93), o império atingiu sua extensão mais meridional no centro do Chile, e os últimos vestígios de resistência na costa sul do Peru foram eliminados. Sua morte foi seguida por uma luta pela sucessão, da qual Huayna Capac (1493-1525) emergiu com sucesso. Huayna Capac empurrou a fronteira norte do império até o rio Ancasmayo antes de morrer em uma epidemia que pode ter sido trazida por uma tribo do leste que a pegou dos espanhóis em La Plata. Sua morte desencadeou outra luta pela sucessão, que ainda não estava resolvida em 1532, quando os espanhóis chegaram ao Peru em 1535 o império estava perdido.

A sociedade Inca era altamente estratificada. O imperador governou com a ajuda de uma burocracia aristocrática, exercendo autoridade com controles severos e muitas vezes repressivos. A tecnologia e a arquitetura incas eram altamente desenvolvidas, embora não fossem muito originais. Seus sistemas de irrigação, palácios, templos e fortificações ainda podem ser vistos ao longo dos Andes. A economia era baseada na agricultura, seus produtos básicos eram o milho (milho), batata branca e doce, abóbora, tomate, amendoim (amendoim), pimenta, coca, mandioca e algodão. Eles criaram porquinhos-da-índia, patos, lamas, alpacas e cachorros. As roupas eram feitas de lã de lhama e algodão. As casas eram de pedra ou barro de adobe. Praticamente todo homem era fazendeiro, produzindo sua própria comida e roupas.

O Inca construiu uma vasta rede de estradas em todo o império. Ela compreendia duas estradas norte-sul, uma ao longo da costa por cerca de 2.250 milhas (3.600 km), a outra no interior ao longo dos Andes por uma distância comparável, com muitas ligações de interconexão. Muitos túneis curtos de rocha e pontes suspensas com suporte de videiras foram construídos. O uso do sistema era estritamente limitado ao governo e às empresas militares. Um serviço de retransmissão bem organizado transportava mensagens na forma de cordas atadas chamadas quipu (quíchua khipu) a uma taxa de 150 milhas (240 km) por dia. A rede facilitou muito a conquista espanhola do império inca.

A religião inca combinava características de animismo, fetichismo e a adoração de deuses da natureza. O panteão era liderado por Inti, o deus do sol, e incluía também Viracocha, um deus criador e herói da cultura, e Apu Illapu, o deus da chuva. Sob o império, a religião inca era uma religião estatal altamente organizada, mas, embora a adoração ao deus sol e a prestação de serviços fossem exigidas dos povos subjugados, suas religiões nativas eram toleradas. Os rituais incas incluíam formas elaboradas de adivinhação e o sacrifício de humanos e animais. Essas instituições religiosas foram destruídas pela campanha dos conquistadores espanhóis contra a idolatria.

Os descendentes dos incas são os atuais camponeses de língua quíchua dos Andes, que constituem talvez 45% da população do Peru. Eles combinam agricultura e pastoreio com tecnologia tradicional simples. Os assentamentos rurais são de três tipos: famílias que vivem no meio de seus campos, verdadeiras comunidades aldeãs com campos fora dos centros habitados e uma combinação desses dois padrões. As cidades são centros de população mestiça (mestiça). As comunidades são muito unidas, com famílias geralmente casando-se entre si. Muito do trabalho agrícola é feito em cooperação. A religião é um tipo de catolicismo romano infundido com a hierarquia pagã de espíritos e divindades.

The Editors of Encyclopaedia Britannica Este artigo foi revisado e atualizado mais recentemente por Adam Zeidan, Editor Assistente.


História do peru

Como o asteca, o Inca chegou tarde ao cenário histórico. Mesmo suas lendas não datam de 1200 dC, com a suposta chegada a Cuzco do primeiro imperador, Manco Capac. Como os povos do Velho Mundo, e ao contrário de outros americanos aborígenes, os incas contaram sua história por reinados reais. A maioria dos relatos concorda em 13 imperadores (Vejo civilizações pré-colombianas: o Inca). Os primeiros sete imperadores foram lendários, locais e de pouca importância, suas tradições estão repletas de eventos impossíveis ou improváveis, especialmente os de Manco Capac, o fundador da dinastia. Nesse período, os incas eram uma pequena tribo, uma entre muitas, cujo domínio não se estendia por muitos quilômetros além de sua capital, Cuzco. Eles estavam quase constantemente em guerra com as tribos vizinhas.

A expansão incrivelmente rápida do império Inca começou com o filho de Viracocha, Pachacuti, um dos grandes conquistadores - e um dos grandes indivíduos - na história das Américas. Com sua ascensão em 1438, uma história confiável também começou, quase todos os cronistas concordando na prática. Pachacuti foi chamado pelo geógrafo e historiador britânico Sir Clements Markham de “o maior homem que a raça aborígene da América já produziu”. Ele e seu filho Topa Inca Yupanqui podem ser apropriadamente comparados a Filipe e Alexandre da Macedônia. Pachacuti foi evidentemente um grande planejador cívico, assim como a tradição atribui a ele o plano da cidade de Cuzco, bem como a construção de muitos dos enormes edifícios de alvenaria que ainda impressionam os visitantes daquela antiga capital.

A repentina expansão do império Inca foi um dos eventos mais extraordinários da história. Abrangeu pouco menos de um século, desde a ascensão de Pachacuti em 1438 até a conquista de Francisco Pizarro em 1532, e a maior parte dela foi aparentemente realizada por Pachacuti e Topa Inca nos 30 anos entre 1463 e 1493. Primeiro, os aimarás- rivais falantes na região do Lago Titicaca, o Colla e Lupaca, foram derrotados e depois o Chanca a oeste. Este último atacou e quase capturou Cuzco. Depois disso, houve pouca resistência efetiva. Os povos ao norte foram subjugados até Quito, Equador, incluindo o poderoso e culto “reino” de Chimú, na costa norte do Peru. Topa Inca então assumiu o papel de seu pai e se dirigiu ao sul, conquistando todo o norte do Chile até o rio Maule, o limite mais meridional do império. Seu filho, Huayna Capac, continuou as conquistas no Equador até o rio Ancasmayo, a atual fronteira entre o Equador e a Colômbia. No seu máximo, o império se estendia da atual fronteira Colômbia-Equador até o centro do Chile, uma distância costeira de mais de 2.500 milhas (4.000 km), abrangendo aproximadamente 380.000 milhas quadradas (985.000 km quadrados), quase igual em área à França, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Suíça e Itália combinados.


O Site de Machu Picchu

No meio de uma floresta tropical de montanha nas encostas orientais dos Andes peruanos, as paredes, terraços, escadas e rampas de Machu Picchu se misturam perfeitamente com seu ambiente natural. A construção em pedra finamente trabalhada do local, os campos em terraços e o sofisticado sistema de irrigação testemunham as proezas arquitetônicas, agrícolas e de engenharia da civilização Inca. Seus prédios centrais são excelentes exemplos de uma técnica de alvenaria dominada pelos Incas, em que as pedras eram cortadas para encaixar sem argamassa.

Os arqueólogos identificaram vários setores distintos que juntos compõem a cidade, incluindo uma zona agrícola, um bairro residencial, um distrito real e uma área sagrada. As estruturas mais distintas e famosas de Machu Picchu incluem o Templo do Sol e a pedra Intihuatana, uma rocha de granito esculpida que se acredita ter funcionado como um relógio solar ou calendário.


Fundação da Dinastia Inca - História

Desenvolvimento cronológico do Império Inca. Todas as datas são aproximadas.

1200 & # 8211 Os Incas se instalam no Vale de Cusco. Inca Manco Capac funda o Império Inca na cidade de Cusco.

1230 & # 8211 Sinchi Roca, filho de Manco Capac e Mama Ocllo, assume o trono após a morte de seu pai. Ele solidifica o poder Inca em Cusco criando um exército composto por soldados que pertenciam ao elenco da nobreza. Sinchi Roca veste seus soldados com uniformes que intimidavam seus inimigos. Ele também é creditado por trazer grande quantidade de solo para melhorar a fertilidade do vale e construir o primeiro canal de água nos rios Huatanay e Tullumayo.

1260 & # 8211 Lloque Yupanqui sucede seu pai Sinchi Roca. Ele mantém boas relações com os aliados vizinhos, mas não expande o território inca consideravelmente.

1290 & # 8211 Mayta Capac, quarto filho de Lloque Yupanqui, assume o trono após a morte de seu pai. Sob Mayta Capac, o império começa a se expandir a poucos quilômetros do Vale do Cusco, derrotando as tribos Alcabisas e Culunchimas.

1310 & # 8211 Capac Yupanqui é nomeado o quinto governante Inca antes da morte de seu pai. Ele é um guerreiro feroz e implacável.

1350 & # 8211 Inca Roca sucede seu pai Capac Yupanqui, porém ele era filho do Inca e uma concubina. Ele tem o crédito de reformar a política interna e concentrar o poder em suas mãos. Ele cria Yachaiwasis ou escolas para os nobres. Sob seu reinado, ele estabelece laços amigáveis ​​com tribos próximas.

1380 & # 8211 Yahuar Huaca é nomeado sétimo governante Inca. Quando criança, ele foi sequestrado pelos Ayarmacas por causa de um conflito conjugal. Yahuar Huaca não é muito saudável e passa a maior parte do tempo em Cusco. Ele nomeia seu segundo filho Pahuac Gualpa Mayta como seu sucessor, mas é morto por uma de suas concubinas que queria que seu filho fosse o Sapa Inca. Yahuar Huaca também é assassinado junto com seus outros filhos.

1400 & # 8211 Como não há sucessor para o trono, o comitê de anciãos indica Huiracocha como o imperador, pois ele pertence à mesma dinastia. Huiracocha conquista as tribos de Yucaya e Calca. Ele entrega Cusco aos Chancas.

1438 & # 8211 Pachacutec não foi designado Sapa Inca até derrotar os Chancas. Pachacutec converte os Incas de uma tribo em um império. Ele expande o império em todas as direções.

1471 & # 8211 Pachacutec e seu filho Tupac Yupanqui derrotam os Chimu e conquistam terras no norte, alcançando o que hoje são o Equador e a Colômbia. Machu Picchu foi construída sob suas ordens. A Pachacutec é considerada a maior Sapa Inca.

1493 & # 8211 Tupac Inca Yupanqui, que co-governou com seu pai, torna-se seu sucessor. Ele continua a expansão da Pachacutec & # 8217s, adicionando mais território ao Tawantinsuyo e alcançando seu pico.

1493 & # 8211 Tupac Inca Yupanqui escolhe seu filho mais novo, Huayna Capac, para sucedê-lo.

1525 & # 8211 Huayna Capac morre e a guerra civil é travada entre seus filhos, Huascar e Atahualpa. Huascar assume o trono apoiado pela nobreza em Cusco. Enquanto isso, Atahualpa, que era considerado um administrador e guerreiro mais capaz, é coroado Sapa Inca em Quito.

1532 & # 8211 Fim da guerra civil entre Huascar e Atahualpa. Francisco Pizarro chegou a Cajamarca.

1533 & # 8211 Atahualpa é executado pelos espanhóis e Cusco é invadido.


O Inca - Cultura e Civilização da América do Sul

Os incas eram um povo sul-americano que controlava uma grande Império naquela esticado ao longo da costa do Pacífico do Equador ao norte do Chile. O inca dinastia era fundado por volta de 1200 d.C. e durou até o final do dia 16 século, quando o espanhol conquistadores veio para a América do Sul.

A capital do Inca Império era Cuzco, que era localizado na Cordilheira dos Andes no Peru de hoje. O que resta da civilização Inca é espalhado sobre as terras altas dos Andes. o descendentes do Inca são principalmente camponeses que representam cerca de metade da população do Peru.

O Inca viveu na parte central da Cordilheira dos Andes

Sociedade e Cultura

Havia duas aulas no Inca sociedade: a governante aulas e o camponeses. o imperador foi chamado de & ldquoThe Inca & rdquo ou & ldquoSapa Inca & rdquo. Ele comia pratos de ouro e nunca usava as mesmas roupas duas vezes. Como os faraós do Egito, ele tomou sua própria irmã como rainha. o nobres veio da capital Cuzco e ajudou a imperador governar a terra.

A maioria das pessoas eram agricultores que produziam sua própria comida e roupas. O principal cultivo eram milho, tomate, abóbora e batata-doce, que os incas foram os primeiros a produzir. Eles também porquinhos-da-índia criados, patos e cães. Um dos animais mais importantes era a lhama. Forneceu o camponeses com lã e poderia carregar pesado cargas também.

O Inca falava a língua quíchua. Eles não podiam escrever, mas usavam quipus, que eram strings com um sistema de nós anexados para eles. É assim que eles gravado sua colheita.

Os incas eram muito hábil fazendo artesanato. Mulheres eram excelentes tecelãs . Eles teceram tecido em túnicas. Os homens eram grandes metalúrgicos. Eles sabiam como extrair metal de minério por aquecimento e Derretendo isto. Então os metais foram moldado em diferente formas fazer armas e outras ferramentas. O Inca também produziu cerâmica e fez instrumentos musicais como flautas.

Os incas foram ótimos trabalhadores da construção e arquitetos. Eles construíram um grande rede das estradas ao longo o império, bem como túneis e pontes suspensas que cruzou estreitos vales montanhosos.

Em Cuzco, o Inca construiu paredes maciças feitas de pedras enormes. Alguns tinham mais de 7 metros de altura e pesado muitas toneladas. Ainda hoje, séculos mais tarde, as pedras se encaixam tão bem que você pode & rsquot até mesmo colocar um lâmina de faca entre eles.

O inca adorado deuses da natureza & mdash o sol, a terra ou o trovão. Elas sacrificado humanos e animais. Pessoas também adorado seus ancestrais e guardou múmias de alguns deles. O inca criada um calendário olhando para o movimentos do sol e da lua. Festas da colheita foram celebrados em maio, os rituais de plantio foram realizados em agosto.

Vida cotidiana

Quando os incas se levantavam pela manhã, eles não precisavam se vestir, porque dormiam com suas roupas. Mulheres usavam longos vestidos com um faixa no cintura. Homens usavam tanga e camisas sem mangas. Homens e mulheres usavam sandálias.

A casa média tinha apenas um cômodo feito de pedra ou tijolo. Normalmente tinha um telhado de sapê. Não havia camas ou colchões, então toda a família teve que dormir no chão.

O Inca vivia em pequenas aldeias. Mesmo Cuzco, a capital, não era uma cidade muito grande.

História do Império Inca

A história do Inca é conhecida principalmente por histórias que foram transmitidas e de registros feito depois do espanhol conquistado a Império. A partir do século 13, o Inca começou conquistando terra e o Império tornou-se cada vez maior. Cem anos depois, foi no altura de seu poder.

No século 16, o Inca Império ficou mais fraco quando uma luta eclodiu entre dois dos filhos do governante. Ambos reivindicado a trono e queria ter sucesso o pai deles. Quando o explorador espanhol Francisco Pizarro veio ele derrotado o Inca e trouxe o Império sob o espanhol regra.

Recordações do império inca ainda permanecer vivo hoje. Embora eles eram oprimido no séculos que se seguiu, hoje & rsquos governo está fazendo muitas coisas para melhorar a vida do Inca e tornar sua cultura mais popular. Quechua tornou-se uma língua oficial e um retrato de um famoso rei inca está agora em uma nota de banco peruana.

The Lost Inca City

Exploradores encontraram ruínas de uma cidade perdida em um pico na Cordilheira dos Andes, no Peru. Eles acham que local pertencia ao Inca que governou região há mais de 500 anos. o ruínas estão em uma montanha chamada Cerro Victoria em um controlo remoto região do Peru. Esta área foi o lugar onde o Inca recuou para quando o espanhol conquistador Pizarro surgiu no século 16.

A população local conhece o Cerro Victoria há muito tempo, mas não sabia o que era. Um fotógrafo britânico foi lá com uma equipe de arqueólogos em 2001. A equipe teve que caminhar e escalar por quatro dias para chegar ao local da estrada mais próxima. Algumas das ruínas estão 4.500 m acima nível do mar.

Quando eles chegaram lá, eles encontraram armazéns, pátios, estradas, terraços e muitos outros edifícios de pedra. Arqueólogos acho que o Inca escolheu o local por dois motivos. Estava perto de prata importante minas e deu ao povo uma bela vista das montanhas. O Inca também pode ter ido lá para observar o sol e a lua de um ponto perfeito.

Os exploradores esperam descobrir quando a cidade perdida foi construída e por quanto tempo o Inca viveu lá.


Cusco: Capital do Império Inca

Cusco, Cuzco ou Qosqo são alguns dos nomes pelos quais esta antiga capital inca é conhecida. É um local de estudo para arqueólogos de todo o mundo que migram para o Peru para se maravilhar com Machu Picchu e o resto das ruínas incas espalhadas por todo o vale. Cusco era o centro administrativo do Vice-Reino do Peru do Império Espanhol.

Uma grande quantidade de arte e arquitetura colonial permanece por toda a cidade, especialmente na Plaza de Armas. Atualmente, Cusco é a maior região turística do país e recebe mais de um milhão de visitantes por ano. Cusco, Peru, é o assentamento urbano mais antigo de todas as Américas, oficialmente com mais de 3.000 anos, mas foram encontrados ali artefatos pré-cerâmicos que datam de 5.000 anos.

A verdadeira história dos primeiros habitantes da cidade foi perdida para as lendas incas que afirmam que a cidade foi fundada pelos Incas: Manko Qhapaq e Pachakuteq. Cusco começou a ganhar importância com a sociedade incaica, no ano 1200 DC, embora como mencionado anteriormente a cidade existisse muito antes disso. Cusco atingiu seu auge no auge da expansão do Império Inca, por volta de 1400 DC, e seu declínio começou com a chegada dos espanhóis em 1533. Os espanhóis mudaram a capital para Lima, onde a cultura colonial floresceu.

Cusco manteve uma importância relativa como centro administrativo do Vice-Reino do Peru, como a região era chamada durante a administração espanhola. Durante este período, a nobreza inca manteve certos privilégios no vale de Cusco que lhes permite viver em relativa paz e se misturar com os espanhóis que chegam. Dizemos & ldquorelativo & rdquo porque houve alguns levantes liderados por Manko Inka em 1536 que continuaram até 1572, quando o último descendente da antiga dinastia inca, T & uacutepac Amaru I, foi executado.

Em 1821, após muitas rebeliões em toda a América Latina, o Peru conquistou a independência e manteve Lima como a capital do país. Cusco, no entanto, foi escolhido como o & ldquoCapital Arqueológica da América do Sul& rdquo em reconhecimento de sua importância histórica, não só para o Peru, mas para todo o continente. Em 1983 a cidade foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Ao longo da Trilha Inca perto de Cusco fica a cidade sagrada de Machu Picchu (& ldquoOld Mountain & rdquo na língua quíchua), ruínas arqueológicas de incomparável beleza localizadas no topo da montanha. Acredita-se que a cidade tenha sido a residência de férias de Pachac & uacutetec, o primeiro imperador inca que viveu de 1438 a 1470. A cidade desempenhava duas funções: uma de palácio e outra de santuário religioso. Machu Picchu é um dos destinos turísticos mais populares do mundo, um Patrimônio Mundial da UNESCO e uma das novas maravilhas do mundo reconhecidas.


O final do governo de Vilcabamba e a perda definitiva de autonomia

Titu Cosi Yupanqui foi o último dos grandes incas. Ele foi indiscutivelmente o diplomata mais astuto da história inca e o melhor líder do estado neo-inca. Como seu meio-irmão, o falecido Sayri-Tupac, Titu Cosi foi testemunha do assassinato de seu pai e do estupro de sua mãe pelos conquistadores. Por isso, ele, ao contrário de seu antecessor, parece ter formado um rancor compreensível contra os espanhóis.

Seu reinado foi, a princípio, polêmico, até mesmo para os Vilcabambanos. Sendo apenas um bastardo, Titu Cosi não tinha nenhum direito direto ao trono até que a linha legítima de Manco morresse. Tecnicamente, o próximo na linha de comando era o jovem cabeça quente Tupac Amaru. Porém, Titu Cosi, com o apoio de seus generais, usurpou o trono, mandando o menino embora para se tornar padre. O próximo ato do novo Inca foi cortar os laços com o vice-rei mais uma vez, encerrando todas as negociações. Ele então encorajou discretamente ataques incas em assentamentos espanhóis e levantes nativos em outras províncias.

Em 1565, o vice-rei Castro foi informado de vários rumores que circulavam sobre os planos de Titu Cosi para outra rebelião contra os espanhóis. Alarmado com os relatos, ele despachou um embaixador e várias tropas espanholas e nativas para encontrar o Inca e tentar negociar mais uma vez com ele. O Inca logo descobriu que seria realmente lucrativo concordar com os termos do vice-rei. A ameaça de outra invasão espanhola da província de Vilcabamba não era agradável. Além disso, Titu Cosi estava preocupado em estabelecer sua própria linha de sucessão ao trono por meio de seu filho, Quispe Titu. Ele tinha visto seu filho se casar com a filha cristã de Sayri-Tupac e uma das filhas legítimas de Manco. Para os espanhóis, o reforço dessas reivindicações, como seria de se esperar, garantiria seu direito de governar o estado neo-inca em Vitcos.

Em troca do fim da ação contra os colonos espanhóis e um ato de submissão ao Rei da Espanha por todos os membros da família real, Titu Cosi foi batizado, recebendo as propriedades de Sayri-Tupac em Cusco, e autorizado a ter o casamento de seu filho com a filha de Sayri-Tupac oficialmente consagrada pela Igreja. Com a assinatura do Tratado de Acobamba em 1566, foram inaugurados quatorze anos de convivência pacífica com os espanhóis. O Inca habilmente manteve um equilíbrio entre a cultura tradicional e a modernização no estado de Vilcabamba. Ele permitiu que um grupo de missionários e comerciantes agostinianos entrasse no vale escondido, mas ainda assim manteve os velhos costumes da cultura, como a adoração ao sol. De fato, apesar do crescente número de convertidos cristãos em Vitcos e das recém-construídas haciendas de estilo espanhol, pouca coisa mudaria na cidade.

Foi, portanto, um desastre quando, em 1571, o sábio e pensativo Inca Titu Cosi adoeceu gravemente com febre. Por fim, seus médicos ficaram com tanto medo por sua vida que pediram a ajuda da medicina espanhola de um dos frades locais e amigo do Inca, o Corregidor Espanhol local, ou administrador real da região de Vilcabamba. Quando o Inca finalmente morreu dessa febre, um cidadão furioso procurou um bode expiatório. O frade foi torturado até a morte e o Corregidor foi assassinado discretamente no palácio. O agora adulto Tupac Amaru, um seguidor dos antigos ritos do Sol, estava determinado a reforçar sua reivindicação ao trono e bloquear o controle do cristão Quispe Titu. Apoiado por padres da antiga religião, ele escondeu a notícia da morte de seu irmão de Cusco, onde Quispe Titu estava hospedado. Ele então assassinou todos os colonos espanhóis e todas as igrejas em Vilcabamba queimadas e arrasadas.

O que o novo inca insensato não sabia era que o novo vice-rei do Peru não estava com disposição para que a autoridade espanhola fosse questionada. Dom Francisco de Toledo estava muito ocupado com a reforma do sistema colonial do Peru, mas a repentina incapacidade de contatar Titu Cosi para negociações foi desconcertante. Toledo já estava desconfiado da existência de um estado neo-inca independente, mas ficou ainda mais chocado com a incapacidade de seus enviados para chegar ao Inca. Todos foram impedidos de entrar no vale por sentinelas nativas que guardavam as pontes de Urubamba. No entanto, quando chegou a notícia de que guerreiros incas haviam massacrado seu último enviado, ele decidiu que uma ação deveria ser tomada imediatamente. Ele havia recebido ordens do rei para não atacar, exceto em legítima defesa. E assim, em abril de 1572, Toledo recebeu a autoridade para destruir o estado soberano de Tupac Amaru de Vilcabamba de uma vez por todas, graças às ações infelizes toleradas pelo Inca.

Em 1º de junho, Toledo enviou uma força de 2.000 e duzentos soldados a Vilcabamba. Com eles veio uma praga que matou muitos Vilcabambans e esgotou gravemente as forças armadas de Tupac Amaru. Em pouco tempo, graças ao poder de artilharia superior das tropas de Toledo, Tupac Amaru foi forçado a abandonar Vitcos e a própria Vilcabamba, fugindo para a selva com uma centena de seus melhores guerreiros. Quando, em 25 de junho, os Conquistadores entraram na última capital do Inca, eles a encontraram já queimando nas chamas dos próprios Vilcabambans. O site da cidade serviria como uma cidade espanhola até seu abandono em 1700.

Tupac Amaru foi capturado pouco depois por um pequeno grupo de soldados espanhóis e enviado como prisioneiro de volta a Cusco para seu julgamento. O último julgamento simulado do Inca refletiu o de seu tio Atahualpa quarenta anos antes, e ele logo foi condenado pelos assassinatos dos colonos espanhóis em Vilcabamba e por violar o ato de submissão que havia demonstrado ao lado de Titu Cosi em 1566. Apesar da indignação incitada pelo veredicto do tribunal que foi agravado entre ex-cidadãos incas e cristãos espanhóis influentes, ele foi condenado à morte. Após seu batismo, um carrasco removeu sua cabeça rapidamente com uma espada. Vários conselheiros e familiares também foram executados, e os restos mortais mumificados de Manco Inca e Titu Cosi foram queimados em pedaços. Com isso, o último Inca estava morto e sua herança foi apagada. A linha de sangue em si, assim supôs Toledo, fora igualmente removida para sempre, já que o único filho de Tupac Amaru fora banido do Peru.


O império inca

Os arqueólogos usam a arte inca para entender sua história

O Império Inca floresceu no continente sul-americano de 1438 até que os espanhóis chegaram ao continente em 1533. De cerca de 1200 a 1438, os Incas foram considerados uma tribo que cresceu gradualmente ocupando um território de 800.000 km2 ou 308.882 MI2. A partir do ano 1438, os Incas começaram a se expandir absorvendo territórios vizinhos e incorporando sua cultura e práticas em suas próprias sociedades e se tornando um império. A expansão começou quando Sapa Inca Pachacutec subiu ao trono. Com a ajuda deste filho Topa Inca e de seu neto Huayna Capac, eles expandiram o império controlando um vasto território conhecido como Tawantinsuyu ou Quatro Reino Unido. Eles fizeram de Cusco, a cidade sagrada, sua capital.

O império atingiu seu auge em 1527 sob o reinado de Sapa Inca Huascar cobrindo um território de 2 milhões de quilômetros quadrados ou 772.204 quilômetros quadrados que se estendia até os dias atuais Peru, Quito, Equador e parte da Colômbia ao norte da Bolívia a leste e Santiago, Chile e parte da Argentina ao sul. O Império Inca foi o maior império construído nas Américas, alcançando conquistas culturais incomparáveis. Leia mais sobre as conquistas dos Incas.

Regiões administrativas do Império Inca

Mapa do Tawantinsuyu, Terra dos Quatro Quadrantes. Clique no mapa para ampliar.

O império era tão grande que foi dividido em quatro regiões administrativas:

Chinchaysuyu era o mais populoso de todos Suyus, estendeu-se ao norte de Cusco até os dias modernos Equador e Colômbia ao longo da costa absorvendo civilizações do norte, como Chimu e Chanchan.

Antisuyu era o território a nordeste de Cusco cobrindo os altos Andes e fazendo fronteira com a região amazônica e o Altiplano boliviano.

Contisuyu era a menor região e cobria a costa sul até o moderno departamento de Arequipa.

Coyasuyu estende-se de Cusco ao sul cobrindo parte da Bolívia e Argentina até o rio Maule perto de Santiago, Chile.

Os Incas não deixaram um registro escrito de sua história, pois nunca desenvolveram uma linguagem escrita. A sua história foi transmitida oralmente de geração em geração na forma de mitos e lendas. A história dos Incas é infinitamente fascinante e o que sabemos deles e da civilização que desenvolveram vem de descobertas feitas por arqueólogos. Artefatos, ferramentas, tecidos, cerâmica e arte incas ajudaram os arqueólogos a entender sua cultura e como ela impacta a sociedade andina moderna no Peru.

Dinastia Inca

O título de imperador ou Sapa Inca era hereditário. Houve um total de treze incas de 1198 a 1533. O primeiro foi Manco Capac e o último Atahualpa.

IncaPeríodo de Reinado
Manco Capac 1198-1228
Sinchi Rocca 1228-1258
Lloque Yupanqui 1258-1288
Mayta Capac1288-1318
Capac Yupanqui 1318-1348
Inca Roca 1348-1378
Hanan Yahuar Huaca 1378-1408
Wiracocha 1408-1438
Pachacutec 1438-1471
Tupac Inca Yupanqui 1471-1493
Huayna Capac1493-1527
Huascar1527-1532
Atahualpa 1532-1533

Origem dos Incas

Antes de os Incas governarem Cusco, havia muitas pequenas tribos que viviam pacificamente no mesmo território. Depois de um longo período de paz, os Chanchas, um grupo vindo de Ayacucho, tentaram invadir Cusco. Inca Wiracocha and his oldest son Urco afraid for their lives fled leaving his younger son Cusi Yupanqui in charge. Cusi Yupanqui and his soldiers with the help of soldiers from other tribes defended the city and prevented the Chancas from invading it. Because of his bravery and loyalty Cusi Yupanqui was named the new Inca or Emperor he changed his name to Pachacutec which means “He who renew the world”. Many local tribes joined him as he organized and expanded the empire to the east reaching the Bolivian Altiplano and to the north reaching Ecuador. Read Where do the Incas come from?.

Myths of the origin of the Incas

The history of the origin of the Incas is mostly mythical, it is a representation of reality that helps understand the origin of their world and the forces of nature, it explains the unexplainable. Because the Incas did not have a written language myths have been passed on orally through generations. There are two main myths of the origin of the Incas: The myth of the Lake Titicaca and the myth of the Ayar brothers.

Myth of Lake Titicaca

Manco Capac indicating his followers where to found the capital of his empire.

According to the myth of the Lake Titicaca the God Wiracocha created a couple, Manco Capac and Mama Ocllo, who originated from Lake Titicaca. This couple had a divine goal to head north and to settle where the golden rod sunk. After trying in many places, they arrived at Mount Guanacaure, near the city of Cusco, Peru. In this place the rod sunk and it was there where the couple settled. Manco Capac taught the men to work the land, to build canals and organizational skills Mama Ocllo taught the women how to weave, cook and take care of their children. They brought peace, culture, arts and the God Sun or Inti that emanated heat and power to the people.

Myth of the Ayar Brothers

According to the Ayar Brothers Myth their home was where the Temple of Coricancha now stands.

The legend of the Ayar Brothers tells that God Wiracocha created them and made them emerge from a cave in Pacaritambo in Cusco. They were four brothers: Ayar Cachi, Ayar Manco, Ayar Uchu and Ayar Auca and four sisters: Mama Guaco, Mama Cura, Mama Sarahua and Mama Ocllo. They carried with them rods made of solid gold and wore fine clothes embroidered with gold. They led a large group of people who carried seeds with them. During their long journey to find the appropriate place to settle they arrived at the top of Mount Guanacaure where Ayar Cache with one sling shot torn down hills, he had magical powers that frightened his brothers. Afraid of Ayar Cache his brothers deceived him into returning to the cave in Pacaritambo, once inside they blocked the entrance with large blocks of stone leaving him inside forever.

The rest of the brothers returned to Guanacaure where they lived for one year. One day Ayar Oche flew to the sky to talk to his father the Sun who in turn commanded him to tell Ayar Manco to change his name for Manco Capac. After carrying on his task he turned into stone. Manco Capac, Ayar Auca and the four sisters reached their destination, the valley of Cusco, where they settled and build their house where the Coricancha Temple was later built.

Inca Society

The commoners were the working class or ayllu who contributed to the economy through their labor.

The Inca society had a vertical, stratified and hierarchical organization resembling a three level pyramid. At the top was the Sapa Inca as the most important and powerful person in the empire. Below him was the royalty comprised of his closest relatives, sons and daughters. Following the royalty was the nobility and included his other relatives and those who had attained distinction through service to the royal family such as priests and chiefs. At the third level were professionals such as craftsmen, architects and engineers they commanded much respect from the highest levels as they provided the skills to expand the empire. At the bottom of the hierarchical level and the most populous was the ayllu. o ayllu was the working class that contributed the mita or tax in the form of labor. In exchange they received food, healthcare and free education. Every member of the ayllu was entitled to a piece of land which was distributed according to family size. This land was used to grow their own subsistence food and surplus could be exchanged among neighbors.

The redistribution of food, public services and the sense of security in this agricultural society made the population loyal to the highest ranks of society. Social stability was also achieved by applying a system of three basic laws: Ama Sua. Ama Llulla. Ama Quella” or “Do not steal. Do not lie. Do not be lazy”. Inca law was draconian in essence, small offenses carried heavy punishments. There were no prisons, instead offenders were punished so that the penalty was a consequence of their actions and was meant to be exemplary to the rest of the population. For instance a person who steals would get his/her hand amputated. Read more about Inca law.

Inca Religion

Incas worshiped many Gods but the most important were Wiracocha and Inti.

Inca society shared a common polytheistic religion in which the Sun or Inti and the Sapa Inca were their main gods. During the empire’s expansion they assimilated territories with different beliefs which they were allowed to keep as long as they revered Inca’s gods above their own deities. The result was a large number of deities and a melting pot of beliefs. It was common for the Inca people to worship natural resources such as a stream of water, animals, crops or a mountain. Among the most important and popular deities are: Inti or Sun, Wiracocha, Mama Quilla, Mama Cocha, Illapa, Ekkeko, among others. Read more about Inca gods and religion.

ViracochaThe creator, he created the Sun and the Moon.
IntiThe Sun and most important god in Inca religion, he ruled above all others.
Mama QuillaMother Moon, wife of Inti
IllapaGod of Weather. Thunder and war
EkkekoGod of wealth
Imahmana ViracochaSon of Viracocha. Sent to the earth by his father to verify people follow his commands.
Apu Mountain God
Mama Cocha or CochamamaMother Sea
ChascaGoddess of the dawn and the dusk, protector of young girls
SupayGod of Death
Coco MamaGoddess of Health and Happiness
UrcaquaryGod of treasures and buried riches
PariacacaGod of Rain and Water.
Mama OelloThe mother goddess of the Incas, she taught the Incas spinning.
ZaramamaGoddess of Grain and Corn
Mama Pacha or PachamamaGoddess of the Earth

Inca economy

The Ayllu was the working class. They contributed to society by paying a tax or mita in form of labor in exchange of food, education, clothes and health.

The success of the Inca economy was due to its collective labor and high degree of central planing that allowed the collection of tribute in the form of labor and the redistribution of resources. Unlike other advanced civilizations trade was not part of the Inca economy, so much so that they never developed a monetary system.

Collective labor was the main economic activity. There were three types of collective labor – ayni, minka and mita. The first two benefited their own communities. The third one, mita, was a tax paid to the Inca which benefited the entire empire. Every member of the community or ayllu was required to fulfill mita labor which included serving as soldiers, messengers, farmers, builders. The tasks were temporary and rotational.

As a social state, the empire emphasized the importance of redistribution specially of agricultural products, developing sophisticated terrace agricultural techniques in such a rugged terrain. They focused on the optimization of land and irrigation networks resulting in high productivity rates. Every year after harvest crop that was not consumed was stored in collcas, storage houses located along the roads, which would be use through out the year or in case of drought or bad weather. This system of redistribution allowed the Inca government to feed its population and build social wealth and therefore a loyal society. Central planning in the Andes would not have been possible without roads and bridges. The Incas were expert engineers and built a network of roads and bridges that allowed them to reach every corner of the empire.

The fall of the Inca Empire

When the Spaniards arrived the empire was in civil war. The spread of disease accelerated its fall at the hands of the conquerors.

The arrival of the Spaniards brought new diseases to the Americas. Smallpox made its way from Central America to the Inca empire making Sapa Inca Huayna Capac and the heir to the throne, Ninan Cuyochi, victims of the disease. The next in line was Huascar as it was customary for the oldest son of the Sapa Inca and the Coya to inherit the throne. Huayna Capac’s other son was Atahualpa, a more capable and stronger warrior but the son of a concubine. Atahualpa was proclaimed Sapa Inca by his followers in the northern administrative city of Quito starting a long and debilitating civil war.

When the Spaniards arrived in Peru the Inca empire was in the middle of a civil war and its population diminished by the onset of small pox and influenza which it is believed to have wiped out more than 50% of the population. Within the next fifty years other diseases such as typhus, diphtheria and measles weakened the population even further destroying the remains of the Inca civilization. Some archeologists suggest that up to 90% of the population was affected by theses diseases to which they did not have immunity. Read more about the fall of the Inca empire.


Assista o vídeo: Os Incas; Economia; Sociedade; Cultura; Machu Picchu; Exercícios


Comentários:

  1. Lean

    Que mensagem simpática

  2. Tojashicage

    Da próxima vez, peço que preste atenção ao tópico do blog e não fique espalhado por ninhões com esse post. Caso contrário, não vou ler você.

  3. Gilford

    Não é exatamente isso que eu preciso.

  4. Zum

    Eu acho que você permitirá o erro. Escreva para mim em PM, conversaremos.

  5. Akihn

    Muito controverso, mas há algo para se pensar



Escreve uma mensagem