7 fatos fascinantes sobre o Canal do Panamá

7 fatos fascinantes sobre o Canal do Panamá



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

1. A ideia de um canal em todo o Panamá remonta ao século XVI.

Em 1513, o explorador espanhol Vasco Nunez de Balboa se tornou o primeiro europeu a descobrir que o istmo do Panamá era apenas uma estreita ponte de terra que separava os oceanos Atlântico e Pacífico. A descoberta de Balboa desencadeou a busca por um curso de água natural ligando os dois oceanos. Em 1534, depois que nenhuma passagem através do istmo foi encontrada, Carlos V, o sacro imperador romano, ordenou uma pesquisa para determinar se um poderia ser construído, mas os topógrafos acabaram decidindo que a construção de um canal de navio era impossível.

2. Os homens atrás do Canal de Suez e da Torre Eiffel foram condenados em conexão com o fracasso na tentativa de construir um canal.

Nos séculos seguintes, várias nações consideraram o desenvolvimento de um canal do Panamá, mas uma tentativa séria não foi feita até a década de 1880. Em 1881, uma empresa francesa chefiada por Ferdinand de Lesseps, um ex-diplomata que desenvolveu o Canal de Suez do Egito, começou a cavar um canal através do Panamá. O projeto foi afetado por um planejamento deficiente, problemas de engenharia e doenças tropicais que mataram milhares de trabalhadores. De Lesseps pretendia construir o canal ao nível do mar, sem eclusas, como o Canal de Suez, mas o processo de escavação revelou-se muito mais difícil do que o previsto. Gustave Eiffel, que projetou a famosa torre de Paris que leva seu nome, foi então contratado para criar eclusas para o canal; no entanto, a empresa liderada por De Lesseps faliu em 1889. Na época, os franceses haviam investido mais de US $ 260 milhões no empreendimento do canal e escavado mais de 70 milhões de metros cúbicos de terra.

O colapso do empreendimento do canal causou um grande escândalo na França. De Lesseps e seu filho Charles, junto com Eiffel e vários outros executivos da empresa, foram indiciados por acusações de fraude e má gestão. Em 1893, os homens foram considerados culpados, condenados à prisão e multados, embora as sentenças tenham sido anuladas. Após o escândalo, Eiffel aposentou-se dos negócios e se dedicou à pesquisa científica; Ferdinand de Lesseps morreu em 1894. Nesse mesmo ano, uma nova empresa francesa foi formada para assumir os ativos do negócio falido e continuar o canal; no entanto, essa segunda empresa logo abandonou o empreendimento também.

3. A América originalmente queria construir um canal na Nicarágua, não no Panamá.

Ao longo de 1800, os Estados Unidos, que queriam um canal ligando o Atlântico ao Pacífico por razões econômicas e militares, consideravam a Nicarágua um local mais viável do que o Panamá. No entanto, essa visão mudou em parte graças aos esforços de Philippe-Jean Bunau-Varilla, um engenheiro francês que esteve envolvido em ambos os projetos de canais da França. No final da década de 1890, Bunau-Varilla começou a fazer lobby junto aos legisladores americanos para comprar os ativos do canal francês no Panamá e, por fim, convenceu vários deles de que a Nicarágua tinha vulcões perigosos, tornando o Panamá a escolha mais segura.

Em 1902, o Congresso autorizou a compra dos ativos franceses. No entanto, no ano seguinte, quando a Colômbia, da qual o Panamá fazia parte, se recusou a ratificar um acordo que permitia aos Estados Unidos construir um canal, os panamenhos, com o incentivo de Bunau-Varilla e a aprovação tácita do presidente Theodore Roosevelt, se revoltaram contra Colômbia e declarou a independência do Panamá. Logo depois, o Secretário de Estado dos EUA John Hay e Bunau-Varilla, agindo como representante do governo provisório do Panamá, negociaram o Tratado Hay-Bunau-Varilla, que deu aos Estados Unidos o direito a uma zona de mais de 500 milhas quadradas na qual poderia construir um canal; a Zona do Canal seria controlada perpetuamente pelos americanos. Ao todo, os Estados Unidos desembolsariam cerca de US $ 375 milhões para construir o canal, que incluía um pagamento de US $ 10 milhões ao Panamá como condição do tratado de 1903, e US $ 40 milhões para comprar os ativos franceses.

Um século depois que os Estados Unidos concluíram o Canal do Panamá, uma ligação navegável através da Nicarágua continua sendo uma possibilidade: em 2013, uma empresa chinesa anunciou que fechou um acordo de US $ 40 bilhões com o governo da Nicarágua pelos direitos de construção de tal hidrovia.

4. Mais de 25.000 trabalhadores morreram durante a construção do canal.

Os construtores do canal tiveram que enfrentar uma variedade de obstáculos, incluindo terreno desafiador, clima quente e úmido, chuvas intensas e doenças tropicais galopantes. As primeiras tentativas francesas levaram à morte de mais de 20.000 trabalhadores e os esforços da América tiveram um resultado um pouco melhor; entre 1904 e 1913, cerca de 5.600 trabalhadores morreram devido a doenças ou acidentes.

Muitas dessas mortes anteriores foram causadas por febre amarela e malária; doenças que a comunidade médica da época acreditava serem causadas por ar ruim e condições de sujeira. No início do século 20, no entanto, os médicos especialistas entenderam melhor o papel dos mosquitos como transmissores dessas doenças, permitindo-lhes reduzir significativamente o número de mortes entre os trabalhadores do canal, graças a uma série de medidas de saneamento que incluíam drenagem de áreas com água parada, remoção de possíveis criadouros de insetos e instalação de telas nas janelas em edifícios.

5. Entre 13.000 e 14.000 navios usam o canal todos os anos.

Os navios americanos são os que mais utilizam o canal, seguidos dos da China, Chile, Japão, Colômbia e Coréia do Sul. Toda embarcação que transita no canal deve pagar pedágio de acordo com seu tamanho e volume de carga. O pedágio dos navios maiores pode custar cerca de US $ 450.000. O menor pedágio já pago foi de 36 centavos, arrecadado em 1928 pelo aventureiro americano Richard Halliburton, que nadou no canal. Hoje, cerca de US $ 1,8 bilhão em pedágios são arrecadados anualmente.

Em média, um navio leva de 8 a 10 horas para passar pelo canal. Enquanto se move por ele, um sistema de travas eleva cada navio 85 pés acima do nível do mar. Os capitães de navios não têm permissão para transitar pelo canal por conta própria; em vez disso, um piloto de canal especialmente treinado assume o controle de navegação de cada embarcação para guiá-la pela hidrovia. Em 2010, o 1 milionésimo navio cruzou o canal desde a sua inauguração em 1914.

6. Os Estados Unidos transferiram o controle do canal para o Panamá em 1999.

Nos anos após a abertura do canal, aumentaram as tensões entre a América e o Panamá pelo controle do canal e da Zona do Canal ao redor. Em 1964, os panamenhos se revoltaram depois de serem impedidos de hastear a bandeira de seu país ao lado de uma bandeira dos EUA na Zona do Canal. Após a violência, o Panamá rompeu temporariamente as relações diplomáticas com os Estados Unidos. Em 1977, o presidente Jimmy Carter e o general Omar Torrijos do Panamá assinaram tratados que transferiram o controle do canal para o Panamá em 1999, mas deram aos Estados Unidos o direito de usar força militar para defender a hidrovia contra qualquer ameaça à sua neutralidade. Apesar da oposição de vários políticos que não queriam que seu país abrisse mão de sua autoridade sobre o canal, o Senado dos Estados Unidos ratificou os Tratados Torrijos-Carter por uma margem estreita em 1978. O controle do canal foi transferido pacificamente para o Panamá em dezembro 1999, e os panamenhos têm sido responsáveis ​​por isso desde então.

7. O canal está sendo expandido para lidar com os megaships de hoje.

Em 2007, o trabalho começou em um projeto de expansão de US $ 5,25 bilhões que permitirá que o canal receba navios pós-Panamax; isto é, aqueles que excedem as dimensões dos chamados navios Panamax, construídos para passar pelo canal, cujas eclusas têm 33 metros de largura e 300 metros de comprimento. O canal expandido terá capacidade para carregar navios de carga que transportam 14.000 contêineres de 20 pés, quase três vezes a quantidade acomodada atualmente. O projeto de expansão, com conclusão prevista para o final de 2015, inclui a criação de um novo e maior conjunto de eclusas e o alargamento e aprofundamento dos canais de navegação existentes. No entanto, embora as novas eclusas sejam capazes de caber em muitas naves modernas, elas ainda não serão superdimensionadas o suficiente para algumas embarcações, como as naves da classe Triple E da Maersk, as maiores naves de contêineres do planeta, que medem 194 pés de largura e 1.312 pés de comprimento, com capacidade para 18.000 contêineres de 20 pés.


7 coisas que aprendemos com uma visita ao Canal do Panamá

Embora haja muito mais nesta adorável nação tropical, a maioria das pessoas pensa em duas palavras quando ouve Panamá: chapéu e canal.

Embora o chapéu Panamá certamente esteja entre as 7 maravilhas de qualquer guarda-roupa elegante, pudemos ver uma das 7 maravilhas oficiais do mundo moderno quando visitamos o Centro de Visitantes do Canal do Panamá!

Nosso hotel, o American Trade Hotel, gentilmente nos ajudou a reservar um motorista e planejou perfeitamente nossa visita para coincidir com a passagem de um navio de cruzeiro pelas eclusas.

Aqui está uma olhada divertida na história interessante do Canal do Panamá, como os EUA e a França contribuíram para o desenvolvimento do canal e alguns fatos divertidos espalhados!

Ou fixe este artigo para salvá-lo para mais tarde


Tudo o que você precisa saber sobre como visitar o Canal do Panamá (mais 17 fatos interessantes)

Deixe-me começar dizendo que raramente encontro inspiração ou me sinto particularmente atraído por estruturas feitas pelo homem que encontrei durante minhas viagens, mas quando recentemente me vi nas proximidades do Canal do Panamá, foi fácil me sentir pasmo e ofuscado por o canal massivo. Considerado um dos a maiores feitos de engenharia da história da humanidade (também é a maior preocupação ambiental do Panamá e sua maior fonte de renda - o maior enigma do país), seria um pecado não visitar o Canal do Panamá se estiver planejando uma viagem ao país.

Portanto, seja a história, arquitetura, engenharia ou navios que interessam a você, ou se você é simplesmente um viajante procurando obter algumas informações sobre o Panamá e sua atração nº 1, uma viagem para uma das plataformas de observação e centros de visitantes é definitivamente em ordem. A seguir, você encontrará uma compilação de fatos que despertarão seu interesse pelo Canal do Panamá, bem como informações úteis para o planejamento de sua visita.

17 fatos interessantes sobre o Canal do Panamá

1. O Canal do Panamá é uma hidrovia artificial de 77 km (48 milhas) no Panamá que conecta o Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico, tornando-o um canal fundamental para o comércio marítimo internacional.

2. A ideia de construir um canal através do istmo do Panamá para unir os dois oceanos remonta a 1515, quando Vasco Núñez de Balboa, um explorador e conquistador espanhol, cruzou o Panamá e descobriu que apenas uma estreita faixa de terra separava o Atlântico e o Pacífico.

3. Em 1881, a França começou a trabalhar no canal, mas logo parou devido a problemas de engenharia e uma alta taxa de mortalidade de trabalhadores. Os Estados Unidos assumiram a construção em 1904, e o canal foi inaugurado oficialmente em 15 de agosto de 1914.

4. Entre 1904 e 1913, aproximadamente 56.000 pessoas trabalharam durante a construção do Canal do Panamá.

5. Durante o período de construção nos Estados Unidos, mais de 5.000 trabalhadores morreram de doenças e acidentes, de acordo com registros hospitalares. O número exato de mortes de trabalhadores durante o período de construção na França nunca será conhecido porque apenas as mortes em hospitais foram registradas, uma pequena porcentagem do total. Segundo alguns relatos, estima-se que 22.000 trabalhadores morreram durante esse período.

6. Embora tenha sido um dos maiores e mais problemáticos projetos de engenharia já realizados, uma vez que o Canal do Panamá estava em plena operação, ele reduziu drasticamente o tempo para os navios viajarem entre os oceanos Atlântico e Pacífico, permitindo-lhes evitar as águas traiçoeiras ao redor do Cabo Horn, o extremo sul da América do Sul.

7. Os Estados Unidos controlavam o canal e os arredores da Zona do Canal do Panamá até que os Tratados Torrijos-Carter de 1977 exigissem a transferência para o Panamá. Após um período de controle conjunto americano-panamenho, o canal foi assumido pelo governo panamenho em 1999 e agora é administrado e operado pela Autoridade do Canal do Panamá, de propriedade do governo.

8. O custo total de construção do Canal do Panamá foi de aproximadamente US $ 375 milhões.

9. Durante o período de construção nos Estados Unidos, mais de 200 milhões de jardas cúbicas de material foram escavadas para abrir espaço para o canal. Esse volume, junto com os milhões de jardas cúbicas escavadas pelos franceses, totaliza aproximadamente 268 milhões de jardas cúbicas, três vezes o volume escavado para o Canal de Suez.

10. Porções do material escavado foram usadas para transformar uma ilha do Oceano Pacífico em uma península, criando o quebra-mar da Ilha de Naos. Outra parte foi usada para criar cerca de 500 acres de terra ao longo da costa do Pacífico para criar a cidade de Balboa (em homenagem a Vasco Núñez de Balboa - veja o fato nº 2) e o posto militar americano de Fort Amador. Apesar de tudo isso, muitos milhões de metros cúbicos de terra ainda tinham que ser eliminados na selva panamenha.

11. O primeiro navio a transitar oficialmente pelo Canal do Panamá concluído foi o SS Ancon, um navio de carga e passageiros americano, em 15 de agosto de 1914. No entanto, o barco-guindaste Alexander La Valley fez o primeiro trânsito concluído através do canal durante o período de construção como parte de uma rotina de trabalho em 7 de janeiro de 1914.

12. Entre 13.000 e 14.000 navios usam o canal todos os anos. Os navios pagam um total de US $ 1,8 bilhão em pedágios para passar pelo canal e o pedágio de alguns dos maiores navios pode chegar a US $ 450.000. Um trânsito completo do canal leva aproximadamente 8 a 10 horas.

13. O Lago Gatún é um grande lago artificial que forma a maior parte do Canal do Panamá, transportando navios por 33 km (21 milhas) de seu trânsito através do istmo do Panamá. Criado entre 1907 e 1913 pela construção da Represa Gatún no rio Chagres, era o maior lago artificial do mundo na época. A Represa Gatun também era a maior de seu tipo.

14. As locomotivas originais usadas para puxar os navios pelo canal foram construídas pela empresa americana General Electric e custam mais de $ 13.000. Hoje, a Mitsubishi, uma empresa japonesa, fabrica as locomotivas, que custam mais de US $ 2 milhões cada.

15. A eclusa do Canal do Panamá enche em oito minutos e requer mais de 100.000 metros cúbicos de água. Uma média de 52 milhões de galões de água doce são usados ​​por trânsito, com toda a água sendo fornecida pelo Lago Gatún.

16. No Canal do Panamá, os navios são elevados 25 metros acima do nível do mar para atingir o nível do Lago Gatún.

17. Em 26 de junho de 2016, o projeto de expansão do Canal do Panamá foi oficialmente inaugurado. O projeto dobrou a capacidade do canal, adicionando uma nova faixa de tráfego e aumentando a largura e a profundidade das faixas e eclusas, permitindo a passagem de navios maiores e mais navios.

Visitando o Canal do Panamá

Atualmente, existem duas opções - uma no Atlântico e outra no lado caribenho - para os visitantes verem as travas do Canal do Panamá em ação (para obter instruções fáceis de seguir para chegar a qualquer centro de visitantes, clique aqui). Se você está procurando combinar sua visita ao Canal do Panamá com outras atividades organizadas, como uma caminhada na floresta tropical, tempo na praia ou uma caminhada por uma cidade histórica, existem muitos fornecedores locais de turismo disponíveis (os caras da Almiza Tours são os melhor!).

Miraflores Visitor Center - Localizado próximo à Cidade do Panamá, no lado Atlântico do Canal do Panamá, o Centro de Visitantes Miraflores inclui um museu, teatro, terraços de observação, restaurante e loja de presentes. O centro está aberto todos os dias das 9h às 16h15. A entrada é de 15 Balboas para adultos e 10 Balboas para crianças.

Centro de Visitantes Agua Clara - Localizado perto da cidade de Colón, no lado caribenho, o novo Centro de Visitantes Agua Clara foi construído como parte do projeto de expansão do Canal do Panamá, inaugurado em 26 de junho de 2016. O centro inclui um teatro, terraço de observação, trilha ecológica para caminhadas, restaurante, cafeteria e área de recreação infantil. O centro está aberto todos os dias das 8h00 às 16h00. A entrada é de 15 Balboas para adultos e 10 Balboas para crianças.

* Observe que, no momento da escrita, o Centro de Visitantes de Agua Clara só pode ser visitado adquirindo primeiro um ingresso de admissão no antigo Centro de Visitantes Gatun Locks.


História do panamá

A história do Panamá foi muito influenciada pela localização do país. Encontrado onde a América Central encontra a América do Sul, o Panamá se estende pelos oceanos Atlântico e Panamá. Antes da era do avião, o Panamá figuraria como um importante meio de transporte e, por centenas de anos, o infame Canal do Panamá viveria apenas como uma noção. Em todo o Panamá, vestígios de seu passado podem ser encontrados. A cidade de Portobelo, que fica perto de Colon, mantém relíquias coloniais espanholas que datam de 1500 ". A história viva do Panamá pode ser observada por meio de seus 7 grupos indígenas sobreviventes. Os índios Kuna controlam sua própria região autônoma, e ainda vivem em aldeias tradicionais nas ilhas San Blas. Embora os grupos indígenas do Panamá tenham adotado muitas abordagens modernas, eles ainda exibem roupas tradicionais e itens de artesanato. O Panamá está se movendo muito bem para a arena principal do mundo e cada vez mais os visitantes estão tendo a oportunidade de visitar o Panamá para aprender sobre a história do Panamá e seu povo caloroso.

Sabe-se que as populações pré-colombianas habitaram o Panamá há 11.000 anos. Entre as culturas mais dominantes a prosperar no Panamá antes da chegada dos europeus estava a Cueva. Os povos Cueva viviam principalmente no leste do Panamá, na região da província de Darien. Nos anos 1500, entretanto, os espanhóis chegariam em busca de riquezas e terras no Novo Mundo. A cultura da Cueva seria exterminada durante a colonização espanhola, e os Kuna viriam a habitar as terras que os Cueva ocupavam anteriormente. Os espanhóis iriam encontraram seu primeiro assentamento no Panamá em 1510, que é um dos fatos mais interessantes sobre o Panamá. Em postos da costa norte do Panamá, como Portobelo, os espanhóis planejariam e preparariam suas invasões ao Peru. Essas invasões iriam se afastar do Pacífico sul do país costa. Os espanhóis fundaram a Cidade do Panamá no ano de 1519, e a cidade serviu como uma importante estação de ancoragem para navios espanhóis carregados de tesouros. Panama Viejo (antigo Panamá) é onde a cidade ficava originalmente, e você pode visitar suas ruínas hoje em dia no cultural Na década de 1600, os espanhóis moveriam a Cidade do Panamá para sua localização atual, a apenas cerca de 5 milhas do Velho Panamá. Os edifícios da era colonial encontrados no distrito de Casco Viejo, no Panamá, estão entre as melhores atrações da cidade.

Nos anos 1600 e 1700, os espanhóis no Panamá viram muitos ataques de piratas e bucaneiros comprometerem sua segurança e riquezas. Por volta de 1700, os espanhóis optaram por contornar o Panamá, enviando seus navios com destino à terra natal ao redor do Cabo Horn. Após essa decisão, a história do Panamá veria o país sofrer um acentuado período de declínio. O Panamá se tornaria uma província da vizinhança Colômbia em 1821. À medida que se aproximava a metade da década de 1850, acontecimentos significativos levariam o Panamá a iniciar sua jornada rumo à independência. Os Estados Unidos receberam os direitos de construir uma ferrovia no Panamá em 1846. Essa ferrovia do Panamá ajudaria a trazer o Panamá das trevas e de volta à luz. Quando o ouro foi descoberto na Califórnia, os garimpeiros da costa leste dos Estados Unidos pegariam um barco para o Panamá. Lá, eles embarcariam no trem da Ferrovia do Panamá para cruzar o Istmo do Panamá. Uma vez no lado sul do país, ele seguiu para outro barco no Oceano Pacífico. Esta rota era favorável para cruzar os Estados Unidos por terra, já que perigosas tribos nativas americanas eram conhecidas por apresentarem um grande problema.


Dez fatos sobre o Canal do Panamá

Em 1914, o Canal do Panamá juntou-se aos oceanos Atlântico e Pacífico, mudando para sempre o comércio internacional. O caminho de 80 quilômetros de extensão através do istmo do Panamá criou um atalho significativo para os navios que antes precisavam fazer a perigosa jornada ao redor da ponta sul da América do Sul.

Nós compilamos 10 fatos que você pode não saber sobre esta maravilha da engenharia:

10. Os Estados Unidos são os que mais usam o canal, seguidos pela China, Japão, Chile e Coréia do Norte.

9. Os primeiros planejadores do canal pensaram com sabedoria no futuro, prevendo que a largura dos navios de carga provavelmente aumentaria no futuro. No entanto, as larguras dos navios de carga modernos em geral estão agora excedendo o chamado benchmark & ​​ldquoPanamax & rdquo, portanto, há limites estritos nos quais os navios podem passar pelas eclusas. Uma expansão para dobrar a capacidade da hidrovia e rsquos está prevista para ser concluída em 2014.

8. O Canal transporta 4% do comércio mundial e 16% do comércio total dos Estados Unidos.

7. Em 1928, o aventureiro americano Richard Halliburton nadou ao longo do Canal do Panamá. Todos os navios que cruzam o canal devem pagar um pedágio com base em seu peso, e com a Halliburton não foi diferente. Sua taxa? A gritante 36 centavos.

6. Mais de 60 milhões de libras de dinamite foram usadas para escavar e construir o canal.

5. O trânsito mais rápido foi concluído em 2 horas e 41 minutos pela Marinha dos Estados Unidos e rsquos Hydrofoil Pegasus em 1979.

4. Em 1963 foi instalada iluminação fluorescente, permitindo que o canal passasse a funcionar 24 horas por dia.

3. Quase 20.000 franceses e 6.000 trabalhadores americanos morreram durante a conclusão do Canal do Panamá.

2. Entre 12.000 e 15.000 navios cruzam o Canal do Panamá todos os anos & ndash cerca de 40 por dia.

1. Em 2008, um navio de cruzeiro da Disney pagou o preço mais alto até hoje, US $ 330.000.


10 fatos interessantes sobre o Canal do Panamá

Nossa aventura inaugural na América Central acabou de terminar e nos aventuramos pelo Canal do Panamá pela primeira vez! Enquanto o RCGS Resolute continua pelo Caribe e antes de recebermos todas as nossas novas imagens, vídeos e histórias da Costa Rica e do Panamá, pensamos em abrir seu apetite com 10 fatos interessantes sobre o Canal do Panamá.

1. O Canal do Panamá é uma hidrovia artificial de 82 km no Panamá que conecta o Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico.

2. A primeira vez que o Canal do Panamá foi usado foi em 15 de agosto de 1914. 2014 marcou o centésimo aniversário do canal.

3. Um dos projetos de engenharia mais difíceis já realizados, o Canal do Panamá foi apelidado de uma das & # 8216Seven Maravilhas do Mundo Moderno & # 8217 pela Sociedade Americana de Engenheiros Civis.

4. Os Estados Unidos gastaram US $ 500 milhões na construção do canal. Isso equivale a cerca de US $ 9,1 bilhões hoje.

5. O Canal do Panamá tem três eclusas: o Miraflores e Pedro Miguel Fechaduras estão no lado do Pacífico e Gatun Lock está no tamanho do Atlântico.

6. Em média, um navio leva entre 8 a 10 horas para passar pelo canal. Pode parecer muito tempo, mas nada comparado às 2 semanas que levaria para viajar pela América do Sul!

7. Criado artificialmente em 1913 pelo represamento do Rio Chagres, o Lago Gatún é uma parte essencial do Canal do Panamá. Ele fornece os milhões de litros de água necessários para operar as eclusas do Canal do Panamá cada vez que um navio passa.

8. O canal está atualmente lidando com mais tráfego de navios do que jamais foi previsto por seus construtores. Em 1934 estimava-se que a capacidade máxima do canal seria em torno de 80 milhões de toneladas por ano. O tráfego do canal em 2015 atingiu 340,8 milhões de toneladas.

9. Somente os pilotos do Canal do Panamá que trabalham com a Autoridade do Canal do Panamá podem comandar um barco através do Canal do Panamá. Quando um navio entra no canal, é abordado por um piloto, que tem controle total sobre o barco até que ele saia do canal.

10. O Canal do Panamá gera cerca de US $ 2 bilhões por ano em receitas, e aproximadamente US $ 800 milhões vão para o Tesouro Geral do Panamá a cada ano.

Se você estiver interessado em viajar no RCGS Resolute na Costa Rica e no Panamá no próximo ano, fale com seu agente de viagens preferido ou entre em contato com nossa equipe de vendas aqui.


O intrépido aventureiro americano, Richard Halliburton, nadou toda a extensão do Canal do Panamá em 1928. Devido ao seu peso de 68 quilos, foi citado um pedágio na travessia de 36 centavos, que ele insistiu em pagar.

Quer experimentar a emoção de cruzar um dos feitos mais magníficos da engenharia do homem? Em seguida, confira nossos passeios de aventura na América Latina para a Costa Rica e Panamá - oferecemos até mesmo um passeio dedicado pela travessia do Canal do Panamá & # 8211 e homenageia esta incrível maravilha do Novo Mundo.

Autor: Laura Pattara

“Laura Pattara é uma nômade moderna que vagou pelo mundo sem parar nos últimos 15 anos. Ela fez viagens terrestres guiadas pela América do Sul e África, viajou de forma independente pelo Oriente Médio e completou uma viagem de moto de 6 anos da Europa à Austrália. O que mais gosta dela? Encontros com animais em regiões remotas, experiências autênticas fora dos caminhos tradicionais e as cores espetaculares do outono na Patagônia. ”


6. Ilhas San Blas

Por que visitar o Panamá para ver as ilhas de San Blas? As ilhas de San Blas consistem em cerca de 365 ilhas de vários tamanhos, localizadas na costa norte do Panamá.

Apenas cerca de 49 delas são habitadas, pelo que as restantes ilhas estão praticamente intocadas, sem infra-estruturas para atrapalhar a sua beleza natural.

As atividades populares ao explorar San Blas incluem natação, mergulho, vela, mergulho, windsurf e pesca.

Principalmente, porém, você visita para experimentar as ilhas e apreciar a vista.

Os viajantes que desejam explorar as ilhas podem fazê-lo por meio de um passeio de um dia ou reservando acomodações em uma das ilhas habitadas.

Outra opção popular é alugar um veleiro ou catamarã com I Travel by Boat. Eles o levarão em velas noturnas de 3 a 6 ao redor das ilhas de San Blas.

Eu recomendo pular o passeio de um dia. Em vez disso, eu reservaria uma ou duas noites em um bangalô, ou optaria por um passeio de barco.

Se você estiver viajando da Cidade do Panamá, leva cerca de 3 horas de carro para chegar ao porto de San Blas.

Foto Rodrigo Flores

15 fatos conjuntivos sobre o Canal do Panamá

Um projeto de vários países e décadas que abrange dois oceanos, o Canal do Panamá de 80 quilômetros foi concluído em 1914 e ajudou a transformar os Estados Unidos em um rolo compressor econômico.

1. O ESPANHOL PROCUROU UMA ROTA DE CANAL NO ANO 1500.

O explorador e conquistador Vasco Núñez de Balboa avistou o Oceano Pacífico pela primeira vez em 1513 e reivindicou as terras ao redor, e toda a extensão de água, para o reino espanhol. Embora mais tarde ele tenha sido executado por traição, a descoberta de Balboa levou o rei Carlos I, também Sacro Imperador Romano V, a emitir um decreto em 1534 ordenando ao governador regional do Panamá que buscasse uma rota para atravessar o istmo do Panamá pelo rio Chagres . O plano foi abandonado, considerado impossível para a época. Quando foi inaugurada em 1855, a Estrada de Ferro do Panamá era a principal rota de transporte através do istmo.

2. O FRANCÊS COMEÇOU O PROJETO DO CANAL.

As viagens ao redor do Cabo Horn na ponta do Chile e ao redor do Cabo da Boa Esperança na África do Sul permaneceram as únicas rotas marítimas viáveis ​​da Europa e das Américas para a Ásia, uma viagem que poderia adicionar 8.000 milhas náuticas a uma viagem. Mas depois de completar o Canal de Suez no Egito em 1869, o cônsul francês Ferdinand de Lesseps liderou uma equipe de engenheiros e construtores em 1880 no início da construção do canal ao nível do mar no Panamá. A equipe encontrou uma miríade de problemas, com o calor tropical, chuvas fortes, deslizamentos de terra, doenças e a morte de 20.000 trabalhadores que acabaram fazendo com que parassem de trabalhar no canal em 1888, e o financiamento logo foi puxado para o projeto falido.

3. OS EUA 'ROUBARAM' O PANAMÁ DA COLÔMBIA.

Depois de declarar a independência da Espanha em 1821, o Panamá tornou-se parte da República da Grande Colômbia, que também incluía Venezuela, Equador e partes do Peru, Guiana e Brasil. Em 1830, o país se dissolveu, e uma das peças remanescentes foi Nova Granada (posteriormente renomeada Colômbia), que correspondia aproximadamente aos dias modernos Panamá e Colômbia. Enquanto o projeto do Canal enfraquecia, a Comissão do Canal do Ístmio dos EUA foi estabelecida em 1899 para estudar uma rota potencial de água, e os EUA concordaram em comprar os ativos do canal da França por US $ 40 milhões um ano depois.

O Senado colombiano rejeitou a proposta do Tratado Hay-Herrán em 1903, no entanto, que teria fornecido uma compensação financeira em troca do uso do istmo pela América. O Panamá, com o apoio tácito dos Estados Unidos e da Companhia do Canal do Panamá, declarou independência da Colômbia em 3 de novembro de 1903. Os EUA ajudaram a bloquear o uso da ferrovia e encalharam tropas colombianas, enquanto a canhoneira USS Nashville espreitou offshore (oficialmente para “proteger vidas americanas no Panamá”). Em 18 de novembro, foi assinado o Tratado Hay-Bunau-Varilla, que deu aos EUA permissão permanente e total para usar a Zona do Canal do Panamá.

4. TEDDY ROOSEVELT FOI INSTRUMENTAL NA CONSTRUÇÃO DO CANAL.

O ex-presidente dos Estados Unidos, Ulysses S. Grant, estabeleceu a Comissão do Canal Interoceânico em 1869 para estudar possíveis rotas pela América Central e enviou sete expedições separadas ao Panamá, mas acabou decidindo que a ideia era muito cara de se prosseguir. Roosevelt, sucedendo o assassinado William McKinley em 1901, falou sobre a necessidade de construir o Canal em um discurso ao Congresso: “Nenhum grande trabalho material que ainda precisa ser realizado neste continente é de tamanha conseqüência para o povo americano”. Além de comprar ativos franceses, Roosevelt ajudou a negociar um pagamento único de $ 10 milhões para o país recém-formado Panamá, concordou em pagar à nação $ 250.000 por ano, reconheceu formalmente a independência do Panamá em 6 de novembro de 1903, enviou navios de guerra para o Atlântico e Lados pacíficos do istmo para intimidar as forças colombianas e estabeleceu a Comissão do Canal do Ístmio (ICC) em 3 de março de 1904, dizendo aos responsáveis ​​para “fazer a sujeira voar”.

5. O PRIMEIRO CHEFE DE CANAL SAI ABRUPTAMENTE.

Em junho de 1904, os EUA assumiram as obras do Canal de onde os franceses haviam parado. O engenheiro-chefe John Findley Wallace, que recebia US $ 25.000 por ano (o maior salário do governo no país, exceto o presidente), foi encarregado do projeto, mas rapidamente ficou frustrado com a infraestrutura deficiente do país, equipamentos antigos e doenças raivosas que devastaram trabalhadores. Ele renunciou dentro de um ano.

6. O SEGUNDO CHEFE PAROU O TRABALHO NO CANAL.

Uma das primeiras tarefas realizadas pelo novo engenheiro-chefe John Stevens, que era conhecido por seu trabalho na Great Northern Railway, foi interromper os trabalhos de escavação e reconstruir o sistema ferroviário para permitir a remoção mais rápida e eficiente das toneladas de terra e rocha sendo tirado da terra. Stevens, que melhorou o moral dos trabalhadores instalando um food car, refeitórios e uma escola para crianças, demoliu o canal do nível do mar e pediu ao ICC que aprovasse um sistema de eclusas com represa e lago artificial. Apesar de receber aplausos de Roosevelt e maiores poderes de decisão, Stevens renunciou em 12 de fevereiro de 1907.

7. O PROJETO MONTANHAS LITERALMENTE MOVIDAS.

Após Wallace e Stevens estava George Washington Goethals, um coronel do Exército que havia concluído projetos de eclusas com o Corpo de Engenheiros do Exército. A sua principal tarefa, para além da fiscalização das obras de represamento do rio Chagres, foi a escavação do Corte Culebra, passando pela Gamboa e Pedro Miguel. Also called the Gaillard Cut (named for Army engineer Lt. Col. David Gaillard), the 8-mile stretch of hills required up to 6000 workers using steam shovels, dynamite, and drills to haul over 180 million cubic yards of earth.

8. THE MOST IMPORTANT OFFICIAL MIGHT HAVE BEEN THE SANITATION OFFICER.

One of the first American arrivals after the takeover of the Canal was Dr. William Gorgas, the Chief Medical Officer, who was tasked with combating the deadly spread of malaria and other diseases that wiped out such a huge proportion of workers when the French controlled the Canal. Gorgas’s superiors, however, didn’t believe his theory that mosquitoes were the cause of both yellow fever and malaria, until Stevens took over and gave Gorgas his full support to step up efforts to eliminate the diseases. Teams of sanitation workers put up screens, fumigated homes, and provided running water to area towns.

While the last case of yellow fever was reported in 1905, malaria proved harder to beat, even infecting Gorgas, but workers continued their efforts. Gorgas and his wife Marie would later describe fighting malaria as “like fighting all the beasts of the jungle.” Swamps were cleared, vegetation was slashed and burned, ditches were built, insecticide was used liberally, and the rate of malarial infection plummeted from 7.45 in 1000 in 1906 to 0.30 in 1000 by 1913.

9. THOUSANDS OF MIGRANT LABORERS WORKED ON THE CANAL.

In sweltering 100-degree tropical heat, up to 40,000 workers contributed to the physical labor required to build the Canal. Most of the workers came from the Caribbean islands of Barbados, Martinique, and Guadeloupe, and the United States opened a recruiting agency in Barbados to attract employees, with some estimating that 30 to 40 percent of the island’s adult male population was recruited to the Isthmus.

10. FLOODS AND LANDSLIDES DECIMATED EARLY EFFORTS.

Speaking before the House Committee on Interstate and Foreign Commerce, Stevens reiterated the need to forgo a sea-level canal, telling the members, “the one great problem in the construction of any canal down there is the control of the Chagres River.” The French had struggled with flooding during their failed attempt, and the infamous Cucaracha Landslide in 1907 slowed progress and moved 500,000 cubic yards of debris into the Culebra Cut. More landslides in 1912 at the Culebra Cut required four and a half months to dig out.

11. ENGINEERS CONSTRUCTED THE WORLD’S LARGEST ARTIFICIAL DAM.

Finally eschewing the idea of a sea-level canal in 1906, workers built a dam across the Chagres River, which crisscrossed the path of the proposed canal route and varied widely in its flow rate due to intense rainfalls. The dam, completed in 1913, created the Gatún Lake, which was the largest man-made lake in the world and formed more than 20 miles of the canal route. In addition to the dam, engineers devised a set of locks, first begun at Gatún in 1909, that form the core of the Canal’s function. Each lock chamber, built in pairs to accommodate two-way traffic, has identical dimensions of 110-by-1000 feet. Gravity powers the entire system, as water is diverted through culverts into the locks, raises ships 85 feet to the surface of Gatún Lake, and lowers the vessels back to sea level on the Ocean side.

12. THE CANAL OPENED AFTER THE OUTBREAK OF WWI.

In early August, 1914, Germany declared war on both Russia and France, signaling the start of the first World War. Less than two weeks later, on August 15, the Panama Canal officially opened, although the ceremony that originally included a fleet of international warships and visits from foreign dignitaries was significantly tempered due to the conflict in Europe. The first ship to officially pass through the Canal was a cement boat called the Ancon.

13. IT BECAME THE MOST EXPENSIVE PROJECT IN U.S. HISTORY.

Although the Canal came in well under budget (about $23 million below the original 1907 estimate), at $375 million it was the most expensive construction job ever undertaken by America. That cost included the $10 million and $40 million payouts to Panama and France, respectively. Original toll costs were $.90 per cargo ton, a price which stayed the same until it was raised to $1.08 in 1974.

14. IT IS A MODERN WONDER.

In 1994, the American Society of Civil Engineers released a list of the Seven Wonders of the Modern World. Along with the Panama Canal, which author David McCullough called “one of the supreme human achievements of all time,” the other wonders on the list were the Channel Tunnel built between England and France the CN Tower in Toronto, Canada the Empire State Building in New York City San Francisco’s Golden Gate Bridge the Itaipu Hydroelectric Dam in Brazil and Paraguay and the Netherlands North Sea Protection Works.


Panama Canal Facts for Kids

  • The first ship to ever pass through the Panama Canal was the SS Ancon, an American steamship.
  • Each year an average of 15 000 ships use the Panama Canal to transport their cargo.
  • The travel time through the Panama Canal is between 8-10 hours.
  • The Panama Canal is a politically neutral zone – the Torrijos-Carter treaty in 1977 has allowed for this service to be provided to all nations around the world.
  • The Panama Canal idea was thought of originally by King Charles V of Spain in the early 1500s. The French then attempted to build it and it was completed by America.
  • The cost of building the bridge is estimated to be around US $400 million.
  • A dam called the Madden Dam helps to provide water for the canal and it was built in 1930.
  • The average toll for passing through the canal is US $50 000. The most expensive toll paid was by the Norwegian Pearl cruise liner, it was $375,600!
  • An American adventurer, Richard Halliburton, swam the length of the Panama Canal back in 1928. They calculated his toll according to his weight!
  • The Panama Canal is still too narrow to allow some ships through and it is estimated that the canal misses out on 30% of the cargo transport share because it is still too narrow.
  • 20,000 people are believed to have died during the construction of the canal from various diseases.
  • This was a huge engineering project and one that stands out in history with an estimated 40,000 people involved in the construction.

Pergunta: Which two oceans does the Panama Canal connect?
Answer: The Atlantic Ocean and the Pacific Ocean

Pergunta: What is the length of the canal?
Answer: 48 miles

Pergunta: How long did it take to build the Panama Canal?
Answer: 10 Years

Pergunta: Can any boats fit through the canal?
Answer: It is estimated that the canal misses out on 30% of the cargo transport report this ad

Pergunta: What was the name of the treaty that allows the service to be used by all nations?
Answer: The Torrijos-Carter treaty


  • OFFICIAL NAME: Republic of Panama
  • FORM OF GOVERNMENT: Constitutional democracy
  • CAPITAL: Panama City
  • POPULATION: 3,800,644
  • OFFICIAL LANGUAGE: Spanish, English
  • AREA: 29,118 square miles (75,416 square kilometers)
  • MONEY: Balboa, U.S. dollar

GEOGRAFIA

This Central American country is bordered by Costa Rica and Colombia, and is situated between the Caribbean Sea and the North Pacific Ocean. Panama is a narrow land bridge, or isthmus, connecting North and South America. Panama is slightly smaller than South Carolina.

Mapa criado pela National Geographic Maps

PESSOAS e CULTURA

Most Panamanians are descended from indigenous, or native, people, Europeans, Afro-Caribbeans, and immigrants from all over the world.

The three largest indigenous groups in Panama are the Kunas, Emberás, and Ngöbe-Buglés and they still live in the remote areas of the country.

They have their own dialects, languages, and customs and most of them also speak Spanish.

The national traditional dress for women is a long, full white cotton dress decorated with colorful embroidery called a pollera. Men wear a traditional montuno, which is a white cotton shirt with embroidery and short pants.

Family is very important in Panama. Children attend school from ages 7 to 15. Most of Panama’s national holidays are religious occasions.

Panamanians eat rice with most of their meals. They also eat corn tortillas with meat and vegetables.

NATUREZA

The country is very diverse with mountains, rain forests, beautiful white-sand beaches, and 1,500 islands. Darién Gap, from Panama City to Colombia, has about 12 million acres of rain forest, yet few Panamanians or tourists ever visit the area, which is only accessible by boat.

This remote nature preserve is threatened by development and the proposed extension of the Pan-American Highway through this region.

The national flower is a white orchid called the Flor del Espiritu Santo, or Flower of the Holy Spirit. There are over 1,400 tree species, including the square tree, which has a square shaped trunk and is found in the mountains west of Panama City.

Panama is home to many unique animals that are found only in Panama. The mysterious golden frogs have gleaming, shimmering skin and are thought to bring people good luck. The numbers of golden frogs is declining and so are the numbers of sea turtles.

GOVERNO e ECONOMIA

Under the constitution, there are three branches of government, including the executive, legislative, and judicial branches. Panamanians elect a president and a vice president every five years. The president picks a cabinet of ministers.

After years of government corruption, Panama instituted many laws to focus on human rights, and to make the government more transparent to its citizens.

Panama’s agricultural products are bananas, rice, corn, beans, and coffee.

HISTÓRIA

Explored and settled by the Spanish in the 16th century, Panama broke with Spain in 1821 and joined with Colombia, Ecuador, and Venezuela to form the Republic of Gran Colombia. When this republic dissolved in 1830, Panama remained part of Colombia.

With U.S. backing, Panama split from Colombia in 1903 and signed a treaty, which allowed the U.S. to control a strip of land on either side of a new canal.

The Panama Canal, built by the United States after Panama's independence from Colombia in 1903, joins the Atlantic and Pacific Oceans. The canal was built by 75,000 workers between 1904 and 1914 and allows boats to sail between the two oceans without having to go all the way around the South American continent.


Assista o vídeo: O HOMEM QUE GANHOU 14 VEZES NA LOTERIA REVELA SEU SEGREDO PARA TODOS