O templo Byodoin da era Heian

O templo Byodoin da era Heian


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


As implicações religiosas do Byodoin

O budismo tem as características do que seria esperado em uma religião cósmica para o futuro, ele transcende um Deus pessoal, evita dogmas e teologia, cobre tanto o natural quanto o espiritual, e é baseado em um senso religioso que aspira da experiência de todas as coisas, natural e espiritual, como uma unidade significativa. Albert Einstein (Budismo)

O budismo afetou muitas pessoas. Dos primeiros seguidores do Budismo ao meu vizinho, as pessoas em todos os lugares seguiram os ensinamentos do Budismo. O budismo foi iniciado por um príncipe, um príncipe que queria mais. Muitas maneiras diferentes de mostrar apreço a Buda estão presentes na sociedade de hoje, bem como quando o budismo foi iniciado. Existem pinturas, esculturas, estátuas e edifícios dedicados a Buda, mas uma das formas mais comuns de apreciação é o Templo Byodoin em Uji, Japão. Este templo é um belo exemplo da arquitetura budista japonesa, incluindo pinturas e esculturas em seu interior. Para entender o impacto total deste templo e seu conteúdo, devemos primeiro entender o pensamento budista. Começando com Buda e passando pelo pensamento budista, pela arte e pelo período em que o Byodoin foi construído, aprenderemos o verdadeiro impacto desse edifício na cultura budista.

O budismo nasceu em uma época em que o hinduísmo dominava as ruas. Para muitos, parecia que de alguma forma, em algum lugar, deveria haver mais. Para um homem, esse quebra-cabeça o levaria a uma jornada pelo interior e por cidades do antigo Nepal e, por fim, dentro de si mesmo, onde reside o verdadeiro significado do budismo. Esta é a história daquele homem, o Príncipe Siddhartha Gautama.

O príncipe Siddhartha Gautama, filho de Shuddhodana e Maya, rei e rainha dos Sakyas, nasceu em Lumbini, Nepal, por volta do ano 563 aC. De acordo com a crença budista, Siddhartha foi divinamente concebido. Sua mãe teve um sonho uma noite, e naquele sonho um elefante com seis presas veio até ela com uma flor de lótus em sua tromba e tocou seu lado direito. Foi quando Siddhartha foi concebido.

Quando Siddhartha nasceu, seu pai convocou Brahmins para dizer o que seu futuro reservaria. Eles deram a ele duas opções: ele seria um conquistador mundial ou um grande professor. Desejando o primeiro destino para seu filho, Shuddhodana embelezou seu filho com todos os prazeres da vida - não querendo que ele visse nenhuma morte ou doença. Um dia, Siddhartha pediu a seu cocheiro que o levasse para um passeio pela cidade. Enquanto cavalgava, ele viu três coisas que nunca tinha visto antes. Um era um homem idoso, outro era um homem doente e, finalmente, ele viu um cadáver rodeado por pessoas em luto. Como ele nunca tinha visto nada parecido antes, ele perguntou a seu cocheiro o que eram essas coisas. Ele respondeu ao Príncipe que essas coisas eram naturais e inevitáveis ​​e aconteciam com todos. Mais uma vez, Siddhartha pediu a seu cocheiro para levá-lo para a cidade, desta vez para ver a última das quatro imagens que mudariam sua vida para sempre. A última coisa que viu foi um velho homem santo errante, sem posses. Sua cabeça estava completamente raspada e ele vestia uma túnica amarela. Tendo visto todas essas coisas, Buda não apenas se deu conta da dor e do sofrimento da humanidade, mas também foi levado a fazer algo a respeito. Ele deixou sua família em busca de respostas para suas perguntas (Budismo).

Siddhathra viajou por toda a parte nordeste da Índia, procurando homens sagrados e professores que lhe ensinaram antigas técnicas indianas de meditação. Embora a meditação fosse importante para ele, sua principal busca era encontrar a resposta para o problema do sofrimento. Ele queria saber por que eles estavam sofrendo e como isso poderia parar. Então Siddhartha estudou os ensinamentos do hinduísmo. Ele estava muito fascinado pela crença na reencarnação ou Samsara. (Esta era a crença da alma, após a morte, viajaria para um novo corpo e renasceria.) Dependendo da vida anterior da pessoa, sua alma poderia entrar em um corpo de um estado de existência superior ou inferior. O fator determinante da nova existência de uma alma é baseado em como a pessoa viveu sua vida anterior - isso é chamado de Karma. Siddhartha achou isso muito interessante, então ele adotou uma vida de abnegação e penitência, meditando constantemente para reencarnar em um status mais elevado.

Depois de consultar os muitos professores e homens santos, Siddhartha aprendeu que a resposta está dentro de você - não pode ser encontrada fora. Foi quando ele foi iluminado. A experiência da iluminação foi realmente o início da história do Budismo e da própria religião. Foi quando Siddhartha se tornou o Buda, o que significa o iluminado. Como Buda, Siddhartha experimentou o Nirvana, a condição de não querer nada. Buda percebeu que essa era a maneira de acabar com o sofrimento, então ele compartilhou sua iluminação com os outros para que todas as almas vivas pudessem terminar os ciclos de seu próprio renascimento e sofrimento. Para expressar suas novas crenças, Buda concebeu as Quatro Nobres Verdades. Eles consistem em:
1) O sofrimento consiste em doença, velhice e separação da morte daqueles que amamos, desejando o que não podemos ter e odiando o que não podemos evitar.
2) Todo sofrimento é consequência do desejo e da tentativa de satisfazer nossos desejos.
3) Portanto, o sofrimento pode ser superado pela cessação do desejo.
4) O caminho para acabar com o desejo é seguir o Caminho Óctuplo (Smith).

Buda também desenvolveu o Caminho Óctuplo. Este Caminho Óctuplo era o caminho para alcançar o Nirvana, ou o fim do desejo e, portanto, o fim do sofrimento. Seu princípio básico consiste em oito passos que você precisa dar ou dar antes de alcançar o Nirvana. Essas etapas são:
1) Conhecimento correto: Este é o conhecimento das Quatro Nobres Verdades.
2) Aspiração correta: é saber qual é o problema da vida e o que você quer da vida.
3) Fala correta: é perceber como muitas vezes ao dia você mente, fofoca, calunia, dá falso testemunho e insulta em sua fala. Ele também está tentando retificar essas coisas.
4) Comportamento correto: são como os 10 mandamentos. Também inclui a abstinência de monges e pessoas solteiras e a abstinência de drogas ou álcool.
5) Meio de vida correto: é estar em uma ocupação que promove a vida ao invés de destruí-la.
6) Esforço correto: ser constante em sua busca pelo Nirvana também pode ser chamado de esforço moral.
7) Atenção plena correta: É a luta contra a ignorância por meio do auto-exame.
8) Absorção correta: Esta é a meditação para tentar vivenciar o mundo de uma maneira diferente

Teoricamente, se você seguir isso, alcançará o Nirvana e, por fim, encerrará seu sofrimento.

Por causa da simplicidade dos ensinamentos do Buda, seu significado na ação pessoal e sua oposição ao sistema de castas, Buda logo conquistou muitos seguidores. Como outros professores religiosos, ele geralmente usava histórias ou parábolas para explicar suas crenças. Por volta do ano 483 aC, Buda faleceu aos oitenta anos. Pouco antes de sua morte, as pessoas se aglomeraram ao seu redor e fizeram as perguntas finais. Buda iniciou um grande movimento religioso que se espalharia por todo o mundo e ainda continua sendo uma força vital 2500 anos após sua morte (Budismo).

O budismo começou com um homem que queria algo mais. Ele queria entender o mundo ao seu redor. Ele partiu em uma grande busca, procurando muitos filósofos e, finalmente, criando as Quatro Nobres Verdades e o Caminho Óctuplo, a espinha dorsal da crença budista. Ele era um professor, filósofo e, no entanto, apenas um homem comum. Ele realizou grandes coisas, mas acima de tudo, ele estabeleceu uma religião que influenciaria a sociedade nos séculos seguintes.

O budismo foi estabelecido durante o período Heian, uma época em que o Japão mudou dramaticamente em várias áreas, incluindo cultura e governo. Essas mudanças afetariam o Japão para sempre, deixando uma marca permanente em toda a sociedade.

Em 794, o imperador mudou a capital de Nara para Kyoto. O período de 794 a 1192 é chamado de era Heian, porque Kyoto era chamado de Heian-kyo naquela época. Durante essa época, o poder do imperador havia caído e os nobres passaram a comandar o governo. A literatura floresceu, como romances e poemas escritos pelos nobres. Entre os nobres, os mais influentes foram Fujiwara no Michinaga e seu filho, Fujiwara no Yorimichi. Eles tiveram grande confiança dos imperadores por muitas gerações e na era Heian, suas filhas se tornaram as imperatrizes e seus netos se tornaram os próximos imperadores e imperatrizes. Dessa forma, a família Fujiwara prosperou cada vez mais. Eles também se faziam passar por Sessho, que governava o país quando o imperador ainda era jovem ou doente, e Kanpaku, que apoiava o imperador depois que ele atingia a maioridade. Eles sempre tiveram acesso ao poder. A cultura Heian inicial foi muito influenciada pela China, mas depois que o sistema Kentoshi acabou, a cultura original do Japão se formou. Essa cultura é chamada de cultura Kokufu, que se adapta ao clima e à vida japoneses. Outra característica é o desenvolvimento da literatura, com a invenção da escrita kana. Paisagens japonesas e desenhos ligados a histórias também foram feitos. Durante esses quatro séculos, o Japão se afastou da influência direta da cultura continental à medida que uma cultura aristocrática de estilo japonês floresceu e amadureceu.

O mais comumente esculpido ou desenhado foi, é claro, o próprio Buda (Paine). Na arte, o Buda é muito especial e cada parte dele tem um significado. Suas mãos estão sempre em uma das várias posições (mudras). Quando sua mão está sobre o joelho (bhumisparsha), ele está chamando os primeiros seres para serem testemunhas de sua iluminação. Sua mão no colo representa o mundo físico. Uma mão aberta (abhaya) significa bênção e proteção, e quando o dedo indicador está levantado, ele está em uma posição de concessão de favor. As mãos cruzadas no colo significam que ele está ensinando. Seu topete, ou pão da sabedoria (ushnisa), representa seu conhecimento superior. Seus longos lóbulos nos lembram de seu tempo como um príncipe, quando ele usava brincos elaborados, e seu manto para quando desistia de sua propriedade em busca da iluminação. Normalmente o reconhecemos por seus dedos longos e retos e pela posição sentada (dyanasana) (budismo).

No último século do período Heian, o pergaminho narrativo horizontal ilustrado (o emaki) veio à tona. Datado de cerca de 1130, o Conto de Genji ilustrado representa um dos pontos altos da pintura japonesa. Foi escrito por Murasaki Shikibu, uma dama de companhia da Imperatriz Akiko (988-1074), por volta de 1000. O romance trata da vida e dos amores do Príncipe Genji e do mundo da corte de Heian após sua morte. O construtor do Byodoin, Fujiwara no Michinaga, foi a inspiração para o personagem principal, o Príncipe Genji. Os artistas do século 12 da versão emaki criaram um sistema de convenções pictóricas que transmitem visualmente o conteúdo emocional de cada cena. Na segunda metade do século, um estilo diferente e mais vivo de ilustração narrativa contínua tornou-se popular. (Fujiwara Art).

A arte budista é muito especial para os crentes, o sujeito mais popular da arte sendo o próprio Buda. A arte budista não se limitou apenas à pintura. Também incluía escultura e arquitetura.

Quando o Japão entrou no século 9, novos estilos arquitetônicos foram produzidos, e como o budismo era uma parte importante de sua cultura, sua arquitetura refletia suas visões religiosas. As idéias do budismo são vistas nos pagodes dos edifícios governamentais daquela época. Ramificando a partir da arquitetura chinesa, os arquitetos japoneses criaram para si uma nova era de edifícios e jardins que durariam por toda a vida.

O budismo foi e ainda é muito útil na formação da arquitetura japonesa. Costumava ser muito ornamentado. O budismo e o xintoísmo (a fé baseada na natureza e na adoração aos ancestrais) têm duas abordagens muito diferentes para a arquitetura. O xintoísmo tende a ser muito simples e o budismo tende a ser muito ornamentado - esses dois elementos opostos lutaram um contra o outro. O resultado parece provar a força do gosto inato pela simplicidade, como mostrado pelo fato de que alguns dos santuários xintoístas ainda mantêm sua simplicidade original, enquanto os templos budistas mostram traços marcantes de terem sido simplificados em muitos aspectos. Simplicidade é a tônica das casas de habitação japonesas (Harada). Dessa forma, a arquitetura japonesa se afastou de sua influência chinesa para ajudar a formar sua própria cultura.

Por volta do século 9, o budismo japonês mudou para formas mais democráticas e inclusivas, das quais a mais importante era o budismo da terra pura. Terra Pura ou Budismo Amida foi orientado em torno da figura do Buda Amida. Na encarnação anterior, como um bodhisattva, ele se recusou a aceitar o estado de Buda, a menos que pudesse conceder felicidade eterna na Terra Pura a quem quer que o chamasse, esta promessa compassiva foi chamada de "Voto Original". Qualquer pessoa que chame seu nome de "Namu Amida Butsu", com fé, confiança e devoção sincera, receberá a vida eterna de Amida de felicidade na Terra Pura, que foi reservada especificamente para aqueles que o invocam (Fujiwara Art) .

O Byodoin era um lugar para os membros da seita Jodo do Budismo adorarem. A seita Jodo focalizou o Buda Amida, ou o Buda da luz eterna. A Terra Pura é uma parte do Mayahana, um ramo do Budismo que acredita que as pessoas devem trabalhar para a iluminação de todos os seres, não apenas delas mesmas. Os Mahayanans colocam grande ênfase nos Bodhisatvas, que são criaturas que juraram não entrar no Nirvana até que todos os seres não sofram mais. Tendo visto além do mundo da forma, os boddhisatvas são quase eternos e onipresentes. Um dos bodisatvas mais famosos é Amida.

A fé em Amida centrava-se na crença de que, no instante da morte, Amida desceria à terra para levar a alma ao “Paraíso Ocidental”, um paraíso budista de felicidade eterna. Certos ramos da fé se tornaram tão simplificados que elogiar Amida tornou-se o único pré-requisito para o nascimento na Terra Pura, uma fé tão simples que até mesmo os camponeses podiam entendê-la (Era Heian).
Buda Amida em Byodoin

De acordo com esta seita Jodo, o mundo é visto como o Inferno, mas ao prestar serviço a Buda neste mundo, a pessoa nascerá na Terra da Felicidade no mundo vindouro. Enfatizou a agonia dos que estão no Inferno e a alegria dos que nasceram na Terra da Felicidade. Como resultado, os aristocratas competiram uns com os outros para construir templos, imagens budistas, pinturas de Buda e copiar as escrituras budistas. Essas atividades culturais aceleraram a japonização da cultura budista. A arquitetura do templo tornou-se elegante através da fusão do templo e a residência do aristocrata. Na escultura, os entalhes em madeira tornaram-se as imagens ideais de Buda e passaram a ser desenhadas como belas e elegantes figuras fáceis de serem apreciadas pelos japoneses em outras pinturas, o estilo japonês chamado Yamato-e foi adotado. Este estilo foi usado para desenhar figuras e cenários japoneses e se uniu à literatura japonesa para estabelecer uma nova forma de rolo de imagem (minério-makimono) usada para descrever histórias.

Muitas áreas culturais foram influenciadas pelo Budismo Terra Pura. Eles incluem, mas não estão limitados a, pintura, escultura e arquitetura. Uma das mais óbvias é, claro, a arquitetura. Em todo o Japão existem muitos templos e edifícios que demonstram a arquitetura da era Heian. Um dos mais aclamados pela crítica é o Byodoin.

Um dos exemplos mais comuns desse afastamento da influência chinesa é o Templo Budista Byodoin em Uji, Japão. Embora a maior parte deste templo tenha sido destruída em 1336 pela guerra, uma parte ainda permanece como um exemplo de como os japoneses valorizavam sua religião e arte. O próprio edifício do Byodoin começou como uma casa de campo de propriedade de Michinaga Fujiwara, um poderoso ministro da corte. O Phoenix Hall foi construído em 1503 por seu sucessor, Fujiwara no Yorimichi, que mais tarde o converteu em um templo para o Buda Amida. O salão, pintado de vermelho junto com seu interior ricamente decorado, é considerado o epítome da arte e da arquitetura do período Heian. Dentro, há uma imagem do Buda Amida, sublimamente sentado em posição de lótus. Esta escultura foi criada pelo famoso artista Heian Jocho, que também projetou o teto ornamentado brilhando com espelhos de bronze e as paredes com imagens de Buda cavalgando nas nuvens para a "Terra Pura". A porta voltada para o Buda tem um buraco quadrado através do qual os plebeus podem contemplar seu rosto através do templo. Nos primeiros dias, o rio Uji-gawa corria sob esse corredor, e os pescadores tentavam a sorte em uma varanda que se projetava sobre o rio. Também se afirma que Yorimasa Minamoto estripou-se neste salão em 1180 após sofrer uma derrota militar nas mãos dos Taira. Ao realizar este ato fatal, ele disse ter sentado em seu leque aberto. Em comemoração, um monumento que marca o local é cercado por uma cerca em forma de leque feita de pedra (Japan Travel Updates).

Byodoin é um dos poucos exemplos sobreviventes da arquitetura da era Heian no Japão. É tudo o que resta do enorme templo budista da Terra Pura que praticamente desapareceu. As pinturas sobreviventes da Terra Pura do século 11 muitas vezes retratam edifícios, sugerindo que Byodoin é uma representação literal da vida após a morte da Terra Pura.

O Phoenix Hall, ou Hoo-do (em homenagem a um pássaro místico), em Byodoin é o Paraíso Ocidental transformado em realidade arquitetônica. Sentado na margem oeste de um lago em forma de rim, está Amida. Alojar a estátua é a única função de toda a estrutura. As asas e os pavilhões das torres são puramente ornamentais, dando flutuabilidade à estrutura central adequada a um local que representa os elevados céus. O Hoo-do consiste em uma estrutura retangular principal flanqueada por dois corredores de asa em forma de G e um corredor de cauda, ​​situado na beira de um grande lago artificial. No interior, uma única imagem dourada de Amida está instalada em uma plataforma elevada. A escultura Amida criada por Jocho com uma nova técnica em que várias peças de madeira são esculpidas como conchas e unidas por dentro. Nas paredes do salão estão pequenas esculturas em relevo de celestiais, o anfitrião que se acredita ter acompanhado Amida quando ele desceu do Paraíso Ocidental para reunir as almas dos crentes no momento da morte e transportá-los em flores de lótus para o Paraíso. As pinturas de Raigo (descendência do Buda Amida) nas portas de madeira do Hoo-do são um dos primeiros exemplos de pintura de estilo japonês Yamato-e porque contêm representações da paisagem ao redor de Kyoto (Templo de Byodoin).

O Byodoin foi construído para criar uma Terra da Felicidade. Tudo dentro do Byodoin é o melhor entre a arquitetura e a arte da era Heian. Byodoin deve ter sido um palácio do paraíso com que todos os nobres de Heian sonharam. “Se você orar muito a Amitabha Tathagata, você será capaz de ir para a Terra da Felicidade.” Com que sonhos lindos essas pessoas sonharam, que buscaram um mundo ideal no outro mundo? A resposta é talvez, o Byodoin (Budismo).

No final da era Heian, é dito que o jardim em estilo Jyodo apareceu pela primeira vez. Nos desenhos da Terra da Felicidade da época, sempre haveria uma Amida no meio da casa em estilo palaciano com um lago na frente. O jardim de estilo Jyodo foi feito com base nesses desenhos. Os nobres tinham todo o dinheiro e poder em suas mãos e não tinham sonhos impossíveis. Embora nada pudesse ser feito por eles depois que morressem, seu forte desejo os fez criar uma Terra da Felicidade neste mundo. Eles criaram estátuas ornamentadas, construíram casas em estilo palaciano e também construíram lagos e jardins. Este é o início do jardim de estilo Jyodo.

O jardim do Byodoin é um grande jardim da era Heian e foi designado como um jardim de beleza cênica. O jardim de Uji de Byodoin, Kyoto, é o tipo típico de jardim no estilo Jyodo. O Byodoin é famoso por ser a arquitetura representativa, ainda mantendo o estilo palaciano. Embora represente o estilo palaciano, a construção e o jardim vão contra as regras deste estilo. Por exemplo, o lago do Byodo-in fica no leste, não no sul. Fujiwara no Yorimichi pode ter quebrado intencionalmente as regras do estilo do palácio para poder cruzar o rio Uji, onde a Ilha Naka-jima flutua, para chegar ao Hoo-do de barco. Outro exemplo é o Hoo-do que fica na Ilha Naka-jima e não além da ilha. Lá, do santuário Uji-jinjya, do outro lado do rio, as pessoas puderam ver o Hoo-do refletido na água (Jardins).

Os jardins da era Heian eram muito importantes para a estrutura dos templos. Lá servem como espelhos d'água e também uma forma de acesso ao templo. Esses jardins eram a verdadeira interpretação da Terra da Felicidade. Eles tentaram representar fisicamente como achavam que era a Terra da Felicidade, como os nobres e aristocratas gostariam que seu Nirvana fosse.

Por todas essas razões, Byodoin é um dos marcos intrigantes e ainda educacionais do Japão. Ele nos fala sobre a religião do povo, a cultura na época em que foi construída e o que as pessoas valorizavam em sua arte. O Byodoin, ou melhor, o Hoo-do, permanece hoje apenas como um vislumbre da vida não apenas da família Fujiwara, mas também de outros aristocratas do período Heian. Não há apenas arte, escultura e entalhes para apaziguar o observador, mas também há uma sensação de paz. Este templo é tão reverenciado que uma réplica foi construída em Oahu, Havaí, e em dezembro de 1994, o templo foi registrado na lista do patrimônio mundial da UNESCO como um dos bens culturais de Kyoto (Patrimônio Mundial) e hoje continua sendo uma das obras mais elogiadas da arquitetura no mundo.

Trabalhos citados

Budismo. http://www.religioustolerance.org/buddhism.htm
Índice de Byodoin. http://cti.itc.virginia.edu/yh6d/byodoinindex.htm
Templo de Byodoin. http://www.pref.kyoto.jp/intro/trad/isan/byoudo_e.html
Fujiwara Art. http://www.fwkc.com/encyclopedia/low/articles/j/j013000206f.html#jjjjj013000206aaaaa
Jardins em Kyoto. http://shuttle.food.kyoto-u.ac.jp/private/taibara/GARDEN/teien.html
Harada, Jiro. http://www.takase.com/JiroHarada/Chapter04.htm
Hicks, Nigel. http://www.nol.net/jeffh/aikiclub/docs/byodo.txt
Era Heian. http://cti.itc.virginia.edu/yh6d/byodoinindex.htm
Hooker, Richard. http://www.wsu.edu:8000/dee/GLOSSARY/AMIDA.HTM
Templos japoneses. http://www.jinjapan.org/museum/temple/about_te.html
Jodo Sect. http://www.isei.or.jp/books/63/63_7.html
Atualizações de viagens para o Japão http://www.jnto.go.jp/regions/kinki/kyoto/vicinity_of_kyoto/545.html
Mackenzie, Lynn. Arte não ocidental, um breve guia. Prentice Hall, New Jersey. 1995. Pages 84-86.
Paine, Robert e Alexander Sober. Cronologia da Arquitetura Japonesa.
Budismo da Terra Pura. http://www.ibiblio.org/wm/paint/tl/japan/heian.html
Smith, Huston. As religiões ilustradas dos mundos. Harper Collins, São Francisco. 1994. Pages 60-61, 64, 70-72, 74-75.
Thinkquest. http://library.thinkquest.org/29295/byodo-in.htm
http://www.kanzaki.com/jinfo/jart-fine.html
Tesouros Nacionais do Patrimônio Mundial. http://www.kiis.or.jp/kansaida/uji/uji01-e.html

Para exportar uma referência a este ensaio, selecione um estilo de referência abaixo:


Byodoin

Se você está interessado no Japão, pode querer saber mais sobre Byodoin. Você já olhou atentamente para a moeda japonesa de 10 ienes? Quase todos os países têm moedas que retratam algo de sua vida e cultura. No Japão, uma imagem de Byodoin está estampada na moeda de 10 ienes.

Este edifício é famoso como património mundial, pelo que gostaríamos de apresentar aqui os cinco edifícios principais que o compõem.

Houdo

Houdo é o edifício principal no centro de Byodoin e está rodeado por uma massa de água chamada Aji Pond. Foi construído no final da era Heian (794 - 1185) por Fujiwara Yorimichi (uma pessoa muito famosa no Japão) como o Amida Buddha Hall. A característica mais marcante é como ele está situado como um palácio, aparentemente flutuando em um tapete mágico de água. “Houdo” significa fênix, e a razão para isso é que o contorno do próprio edifício se assemelha a um pássaro pousado na água. Parece especialmente bonito quando sua imagem é refletida na superfície do lago ao redor. No prédio principal, há muitas estátuas do Buda Amitabha. No entanto, como o teto e as paredes que foram pintados com um design especial, o tempo conseguiu esmaecer um pouco da glória original. No meio deste prédio, há um grande sino de templo chamado Bonsyo. Esta peça impressionante já foi localizada ao sul de Houdo, mas foi movida para o centro em algum ponto. Você pode vê-lo em Byodoin Houshoukan, que apresentaremos a seguir.

Byodoin Houshoukan

Em 1º de março de 2001, Byodoin revelou um novo museu chamado Hoshokan, para abrigar os muitos tesouros preciosos que o templo tem a oferecer. Este edifício foi pensado especialmente para fazer uso da iluminação de fibra óptica, e através da combinação equilibrada de natureza e espaço pode-se apreciar melhor as obras de arte em oferta.

Característica especial

Ao empregar a maior parede de vidro do Japão, os designers criaram uma tremenda sensação de espaço para o espectador. Além disso, com o uso da tecnologia de computação gráfica, o visitante pode vivenciar uma visita ao interior de Byodoin, que permanece fora do alcance do público. Este tour virtual leva 50 minutos, então se você ainda não perdeu o tempo, sugerimos que experimente.

Espaço do site: 30.600 quadrados
Espaço de construção: 816,04 quadrados
Espaço: 2249,42 quadrados

Jodoin

Este edifício foi erguido no final do século 15 enquanto Byodoin estava em reparos e fica ao norte de Houdo. Existem alguns tesouros adicionais aqui, como pinturas de parede e estátuas de Buda.

Saisyoin

Este edifício foi construído em 1654, portanto não é tão antigo quanto os outros. Originalmente planejado para abrigar sacerdotes, gradualmente passou a ser conhecido como Saishoin.

A área ao redor de Byodoin

Esta área é considerada de grande importância histórica e existem muitos templos e santuários nas proximidades de Byodoin.

Santuário Ujigami

Este é outro local designado como patrimônio mundial e fica a cerca de 10 minutos a pé da Estação Uji. Este santuário, construído em 901, não é nem muito famoso nem de aparência extravagante, mas era muito importante para as pessoas que viviam na área naquela época. Foi construído antes de Byodoin, porque as pessoas que estavam construindo Byodoin precisavam de um lugar para descansar e ficar. Portanto, este santuário funcionou como um hotel e também um local de culto.

Templo Mimuroto

Você pode ter uma ideia real das estações neste templo porque o Templo Mimuroto tem uma abundância de flores, então sempre que você for lá, encontrará flores desabrochando de acordo com a estação.

Há uma estátua muito interessante localizada aqui chamada “Houshougyu”, que na verdade é uma estátua de uma vaca. Reza a lenda que, há muito tempo, um homem local tinha muitos problemas porque era dono de um gado muito fraco. Este homem prestou homenagem à Deusa da Misericórdia neste santuário para mudar sua situação. Um dia, essa Deusa agiu de acordo com seus desejos e tornou seu gado tão forte que ganhou competições locais com eles. Agora se diz que se você tocar na bola que a estátua da vaca está mordendo, você também pode ganhar a sorte de que precisa para vencer. Então, quando você quer vencer alguém ou ganhar alguma coisa, é uma boa ideia ir lá.

Jusanjunoto (pagode)

No rio Uji, há um banco de areia e este Jusanjunoto, ou pagode, foi construído sobre ele. Quando você olha fotos sobre o Japão, geralmente vê pagodes de três ou cinco andares. No entanto, este pagode tem treze andares, o que o torna o que tem mais andares no Japão. Devido a inundações, este pagode foi nivelado várias vezes, com o tempo mais longo estando submerso, 150 anos. Não há inundações hoje em dia, então esta torre está orgulhosa para todos verem.


Como chegar a Uji a partir da estação de Kyoto

Estação JR Uji
Uji está localizado ao sul da cidade de Kyoto. Abaixo estão as rotas sugeridas para chegar a Uji a partir de Kyoto.

Viajando da estação de Kyoto para a estação Uji de trem

Da estação de Kyoto, você vai querer pegar a linha JR Nara. Sem transporte, uma viagem só de ida para Uji leva cerca de 30 minutos (se você pegar o trem rápido Miyakoji leva apenas 17 minutos) e custa 240 ienes.

Viajando de Kyoto para Uji de táxi

Como Uji é relativamente perto de Kyoto, também é possível pegar um táxi da estação de Kyoto para Uji. Em média, vai custar cerca de 4.500 a 5.000 ienes para pegar um táxi até Uji. Se você estiver viajando com a família, em grupo ou com muita bagagem, este é um método confortável de usar. Uma estimativa conservadora do tempo de viagem é de cerca de 30 minutos, mas depende das condições do tráfego.

Sobre viajar de Kyoto para Uji de ônibus

Infelizmente, não há ônibus viajando da cidade de Kyoto para Uji. Se você deseja viajar de transporte público, a rota de trem mencionada acima é sua única opção.


Templo Byodoin: o templo que você pode segurar na palma da sua mão

Kyoto é talvez mais conhecido pela atmosfera tradicional antiga que você pode experimentar caminhando por suas ruas antigas. É um museu vivo das tradições do Japão, onde você ainda pode ter vislumbres do passado na forma de maiko correndo pelas ruas, testemunhar uma apresentação da arte histórica de Kabuki, experimentar uma forma antiga de cerimônia do chá em um dos clássicos de madeira casas de chá e visite mais templos do que você jamais imaginou. Kyoto é rica em cultura japonesa, com vários locais de herança mundial e mais de 2.000 santuários e templos para explorar.

Embora, para ver todos os templos de Kyoto, você provavelmente precise de um pouco mais de uma semana, um templo em particular pode ser encontrado no bolso de trás de qualquer pessoa no Japão. Abra sua carteira e tire um pedaço de 10 ienes, vire-o para trás e agora você estará segurando um dos templos antigos de Kyoto na palma da sua mão. O templo impresso no verso da moeda de 10 ienes é o Hoo-do Hall de Byodoin, um importante pedaço da história que ainda pode ser visitado hoje. Embora custe um pouco mais de 10 ienes para chegar lá.

O que você pode encontrar no terreno de Byodoin

Byōdōin está situado no meio de um jardim pitoresco e tranquilo no pequeno subúrbio tradicional de Kyoto, Uji. Esta pequena fatia de Kyoto é internacionalmente conhecida por seu cultivo de chá tradicional, que até hoje ainda produz o tipo de chá verde mais popular no Japão. A área também abriga a ponte de pedra mais antiga do Japão, que esteve no centro de inúmeras batalhas e confrontos horríveis na história de Kyoto.

O templo foi convertido de uma villa do clã Fujiwara em 1052 para o santuário budista de Byodoin. O salão Hoo-do do templo, que se traduz em inglês como salão da fênix, foi construído em 1053, o que o torna o único edifício original remanescente do complexo. O salão faz várias referências à mitológica fênix, que os japoneses acreditavam ser uma protetora de Buda. There are two bronze phoenixes perched opposite each other on the roof of the building, and the architecture of the structure itself also represents the shape of the firebird.

Inside the hall sits a 2.4 meter tall statue of Amida Buddha and 52 smaller statues of Bodhisattvas which date back to the 11th century, and are said to have been carved by the famous Heian era buddhist sculptor, Jocho. The hall is said to be an earthly representation of the buddha’s heavenly palace, and the surrounding gardens and grounds are meant to mirror the paradise of the pure lands in Japanese Buddhism. Over the centuries the majority of the original buildings were continuously lost in fires and battles, however, the Phoenix hall has continued standing, which makes it one of the only remaining examples of Heian period architecture in Japan.

After paying the entrance fee, you will be free to explore the well kept traditional Japanese gardens of Byodoin. Aside from the main Phoenix hall, there are a few other buddhist structures as well as the grave of the famous samurai warlord Minamoto-no-Yorimasa inside the temple grounds. After being defeated in battle Minamoto-no-Yorimasa committed suicide in the precinct of Byōdōin temple. This famous suicide is believed to have been the first seppuku suicide committed by a samurai in the history of Japan.

Standing proudly on a small island in the centre of the complex, is the Phoenix hall, which takes a beautiful picture when it is reflected in the glistening emerald water of the temple’s ponds.

Following the path through the grounds of Byodoin, you will come across the entrance to the Homotsukan Treasure House just behind the Phoenix hall. This treasure house is a museum attributed to the history of Byodoin, and contains the original temple bell and door paintings of the temple complex as well as the original phoenix roof sculptures and tiles. The majority of the museum is constructed underground so as not to disturb the view of the Phoenix hall.

How to get to Byodoin

The old town of Uji can be reached by taking a 40 minute train ride on the Keihan Uji line or the JR Nara line from Kyoto Station. If you are planning to see the ancient Uji Bridge as well as Byōdōin Hoo-do, take the Keihan Uji line. Exiting the station, you will come outside at the bank of the Uji river. The main bridge here is the ancient stone Uji Bridge. After taking in the wide expanse of the river, cross over and turn left to find Byodoin. Alternatively, Byodoin temple is 10 minutes east on foot from JR Uji station.

Basic entrance to the garden and treasure house cost 600 yen, and for an additional fee of 300 yen, you can take a tour of the inside of the phoenix hall.


Highlights and how to get to Byodo-in Temple.

Byodo-in Temple in Uji of Kyoto is one of the cultural assets on behalf of Japan.

This temple was founded in 1052, and there is the history of about 1, 000 years.

In addition, Byodo-in Temple is appointed as the World Heritage List as part of the cultural assets of ancient capital of Kyoto.

The scenery of 鳳凰堂(Hoo-do) and the garden which are a representative building is very beautiful.

鳳凰堂(Hoo-do) ‘s repair is completed in 2014, and the design of the Heian era was revived!

Conteúdo:

1.World Heritage ‘Historic Monuments of Ancient Kyoto

17 places of temples and shrines of Kyoto are designated in ‘Historic Monuments of Ancient Kyoto’.

↓Details of the “Historic Monuments of Ancient Kyoto” is here.↓

2.About Byodo-in Temple

Byōdō-in ( 平等院 ) is a Buddhist temple in the city of Uji in Kyoto Prefecture, Japan, built in late Heian period. It is jointly a temple of the Jōdo-shū (Pure Land) and Tendai-shū sects.
引用(citation):https://en.wikipedia.org/wiki/By%C5%8Dd%C5%8D-in

As well as 鳳凰堂(Hoo-do) which is representative in Byodo-in Temple, there is the highlight such as “平等院鳳翔館(Byodoin Museum Hoshokan)” which is the Japan’s first religious corporation art museum.

There are a lot of souvenir shop and cafes on the approach to this temple.

The Uji River on my way to the temple is also very beautiful.

Uji is the place noted in connection with the Tale of Genji(Author: Murasaki Shikibu).

The entrance of Byodo-in Temple.

Admission fee is 600 yen for adults.

300 yen needs the inside visit of 鳳凰堂(Hoo-do) separately.

3.The relations between Byodo-in Temple and Japanese bill and coin.

When you ask a Japanese as follows… “What is Byodo-in Temple?”
Most Japanese answer is as follows… “It is a 10 yen coin!!”

The reason is because 鳳凰堂(Hoo-do) is designed to 10 yen coin.

Two-shot of a genuine building and 10 yen coin.(○´艸`)

In addition, 鳳凰(phoenix) in the roof of 鳳凰堂(Hoo-do) was designed to ten-thousand yen bill.

4.Highlight of Byodo-in Temple

There is a lot of highlight as well as 鳳凰堂(Hoo-do) in Byodo-in Temple.

●鳳凰堂(Hoo-do)

Byodo-in Temple is 鳳凰堂(Hoo-do), after all.

鳳凰堂(Hoo-do) was appointed as a national treasure and Michelin green guide ★★.

The Amitabha image which is enshrined in 鳳凰堂(Hoo-do) was appointed as a national treasure and Michelin green guide ★★★.

As for the season of the fresh green and colored leaves, it is particularly beautiful.

The flower of the lotus blooms in July.

This lotus is called “平等院蓮(Byodo-in Temple lotus)”, and it is the natural scene or object which adds poetic charm to the season of the early summer of Byodo-in Temple.

Garden scenery to look at from 鳳凰堂(Hoo-do) side.

●観音堂(Kannon-do)

This is the important cultural property of a country built in the Kamakura era.

As for the wisteria trellis of Kannon-do, it is in full bloom about the end of April… (> <)b

●平等院鳳翔館(Byodoin Museum Hoshokan)

This is the first real museum in Japan for a religious corporation.

Unfortunately photography is prohibited in this museum.
The exhibition area where 26 statuees of WorshipingBodhisattvas on Clouds which are a national treasure are exhibited is splendid.

From the photograph of the brochure…

It is the break space outside the building.

●鐘楼(bell tower)(The one of the Japan’s three biggest ancient bells.)

This bell tower is one of the Japan’s three biggest ancient bells.
(Two of others are Jingo-ji (Kyoto) and Mii-dera Temple (Shiga).)

The bell displayed on the bell tower is a replica. The original bell is exhibited in a museum.

●浄土院(Jodo-in)

Jodoin is a sub-temple of Byodo-in.

This is a sub temple of Byodo-in, but it is an excellent temple.

This is大書院(Daishoin (large drawing room)) and 養林庵書院(Shoin of Yorinan) of Jodo-in. It is important cultural property.

●最勝院(Saisho-in)

最勝院(Saisho-in) is also a sub-temple of Byodo-in.

There is a grave of Yorimasa Minamotono .

5.Goshuin of Byodo-in Temple

There are two kinds of Goshuin((鳳凰堂(Hoo-do) and 阿弥陀如来(Amitabha))) in Byodo-in Temple.

This is the shrine seal of “鳳凰堂(Hoo-do)”. The red seal of the design of phoenix is characteristic.

6.How to get to Byodo-in Temple

●World Heritage ‘Historic Monuments of Ancient Kyoto’

Nearest station of Byodo-in is “Keihan Uji Line Uji Station” or “JR Uji Station”.

■Keihan Uji Station→Byodo-in

About 10 minutes walk.
3 minutes by taxi.(About 620 yen.(Starting fare))

<Let’s search the sightseeing information of Kansai in Japan on ‘Japan’s Travel Manual‘!!>
<This site introduces the easiest way to get Japanese (Kansai) sightseeing spots to you.>


Byodoin temple: The temple you can hold in the palm of your hand

Kyoto is perhaps best known for the traditional ancient atmosphere that you can experience by walking through its old streets. It is a living museum of Japan’s traditions where you can still catch glimpses of the past in the form of maiko scuttling through the streets, witness a performance of the historic art of Kabuki, experience an ancient form of tea ceremony in one of the classical wooden tea houses, and visit more temples than you ever thought you could. Kyoto is rich in Japanese culture, with numerous world heritage sites and over 2000 shrines and temples to explore.

Although to see all the temples in Kyoto, you will probably need a little longer than a week, one temple in particular can be found in the back pockets of anyone in Japan. Open up your wallet and take out a 10 yen piece, flip it over to the back and you will now be holding one of Kyoto’s ancient temples in the palm of your hand. The temple printed on the back of the 10 yen coin is the Hoo-do Hall of Byodoin, an important piece of history that can still be visited today. Although it will cost a little more than 10 yen to get you there.

What you can find at the grounds of Byodoin

Byōdōin is set back in the middle of a quaint and peaceful garden in the small traditional suburb of Kyoto, Uji. This small slice of Kyoto is internationally famed for its traditional tea cultivation, which to this day, still produces the most popular kind of green tea in Japan. The area is also home to the oldest stone bridge in Japan, which has been at the heart of countless horrific battles and clashes in Kyoto's history.

The temple was converted from a Fujiwara clan villa in 1052 to the buddhist sanctuary of Byodoin. The temple’s Hoo-do hall, which translates into english as the phoenix hall, was built in 1053 which makes it the only remaining original building of the complex. The hall makes several references to the mythological phoenix, which was believed by the Japanese to be a protector of Buddha. There are two bronze phoenixes perched opposite each other on the roof of the building, and the architecture of the structure itself also represents the shape of the firebird.

Inside the hall sits a 2.4 meter tall statue of Amida Buddha and 52 smaller statues of Bodhisattvas which date back to the 11th century, and are said to have been carved by the famous Heian era buddhist sculptor, Jocho. The hall is said to be an earthly representation of the buddha’s heavenly palace, and the surrounding gardens and grounds are meant to mirror the paradise of the pure lands in Japanese Buddhism. Over the centuries the majority of the original buildings were continuously lost in fires and battles, however, the Phoenix hall has continued standing, which makes it one of the only remaining examples of Heian period architecture in Japan.

After paying the entrance fee, you will be free to explore the well kept traditional Japanese gardens of Byodoin. Aside from the main Phoenix hall, there are a few other buddhist structures as well as the grave of the famous samurai warlord Minamoto-no-Yorimasa inside the temple grounds. After being defeated in battle Minamoto-no-Yorimasa committed suicide in the precinct of Byōdōin temple. This famous suicide is believed to have been the first seppuku suicide committed by a samurai in the history of Japan.

Standing proudly on a small island in the centre of the complex, is the Phoenix hall, which takes a beautiful picture when it is reflected in the glistening emerald water of the temple’s ponds.

Following the path through the grounds of Byodoin, you will come across the entrance to the Homotsukan Treasure House just behind the Phoenix hall. This treasure house is a museum attributed to the history of Byodoin, and contains the original temple bell and door paintings of the temple complex as well as the original phoenix roof sculptures and tiles. The majority of the museum is constructed underground so as not to disturb the view of the Phoenix hall.

How to get to Byodoin

The old town of Uji can be reached by taking a 40 minute train ride on the Keihan Uji line or the JR Nara line from Kyoto Station. If you are planning to see the ancient Uji Bridge as well as Byōdōin Hoo-do, take the Keihan Uji line. Exiting the station, you will come outside at the bank of the Uji river. The main bridge here is the ancient stone Uji Bridge. After taking in the wide expanse of the river, cross over and turn left to find Byodoin. Alternatively, Byodoin temple is 10 minutes east on foot from JR Uji station.

Basic entrance to the garden and treasure house cost 600 yen, and for an additional fee of 300 yen, you can take a tour of the inside of the phoenix hall.


The kanji 凡帆汎鳳風嵐 –“wind”

We are discussing kanji that originated from nature. There is one more important kanji that is related to metrological phenomenon — 風 “wind.” The kanji 風 was closely related to the kanji 凡and 鳳 in its origins. The shape 凡 is also in other Joyo kanji including 帆 and 汎. We first look at the three kanji 凡帆汎, then 鳳 before 風嵐.

In the history of the kanji 凡, shown on the left, the writings in oracle bone style, (a) in brown, and in bronze ware style, (b) and (c) in green, were explained as “a large piece of cloth or board.” The two vertical lines were the masts and the two short horizontal lines were the outline of a sail. Covering a large area meant “all nearly all approximation.” The shape is also viewed as the same as 盤 /ba’n/. 盤 is a type of a shallow bowl or a boat having the function of transporting stuff to another place. From that it also meant “to extend spread.” The kanji 凡 meant “all common spreading.”

The kun-yomi 凡そ /oyoso/ means “roughly all approximately.” Another kun-yomi凡て /su’bete/ means “all.” The on-yomi /bo’n/ is in 平凡な (“mediocre commonplace” /heebon-na/), 凡人 (“ordinary person” /bonjin/), 非凡な (“extraordinary unique” /hibon-na/), 平々凡々な暮らし (“ordinary life living uneventfully” /heeheebonbon-na-kurashi/). Another on-yomi /ha‘n/ is in 凡例 (“legend (on a map) guide (to a dictionary) /hanree/).

For the original meaning of “sail of a boat,” a new kanji 帆 was created by adding a piece of cloth 巾on the left. There is no ancient writing for 帆. The kun-yomi 帆 /ho/ means “sail of a boat,” and is in 帆掛け船 “a sail boat.” The kun-yomi /pa’n/ is in 出帆する “to set sail.”

When “water” was attached to 凡, it created the kanji 汎. Together from “water spreading to a wide area” it meant “all covering all pan-.”

There is no kun-yomi. The on-yomi /han/ is in 汎用する (“to overuse” /han-yoo-suru/), 汎用性 (“universal use versatility“ /han-yoosee/), 汎アジア主義 (“pan-Asianism” /ha’n-ajiashu’gi/) and 汎太平洋 (“pan-pacific” /ha’n-taihe’eyoo/).

For the kanji 鳳, we have two oracle bone style writings here, (a) and (b). (a) was a mythological bird which was believed to create wind, called 鳳凰 /hooo’o/ or おおとり /ootori/. (b) was the same as the oracle bone style writing for 風, which we look at next in 5, and had a sail of a boat on the right. In ten style the sail was placed on top of this bird. In kanji the sail became a three-way enclosure, and the bird had the kanji 鳥 “bird” with an extra stroke at the top. The word 鳳凰 is said to be a pair of birds – a male (鳳) and a female (凰).

The kun-yomi /ootori/ means same as the on-yomi word 鳳凰 /hooo’o/ and mean “mythical sacred bird.”

When we look at the oracle bone style writings 風, (a) and (b), and the ten style writing 風, (c), shown on the left, the two styles do not look alike. We now know from 1. 凡 and 2. 鳳 that (a) and (b) consisted of a mythical bid and a sail. The mythical bird had a large crown on the head, which signified being divine, big wings with long feathers and a long trailing tail. When this large bird flapped its large wings, it brought forth wind. This bird was considered to be “the god of wind.” The god of wind and a sail to catch wind together meant “wind.”

Setsumon explained (c) as “when winds in all eight directions blow, 蟲 are brought forth.” Some scholars think that 蟲, which is the kyujitai for 虫, was not just a “worm” but was more inclusive of all creatures. Shirakawa treated it as a dragon 龍 (/ryu’u/), another mythical creature. Wind gave breathing air for creatures large and small. A dragon rose up the sky riding on wind, thus the kanji 風 meant “wind.” (Our reader may recall that Setsumon’s explanation of the ten style 雲 was that a dragon was also in the clouds. The Kanji 雨雲曇雪霜霧露—あめかんむり(1) [March 27, 2016])

So the kanji 風 had two different origins. One was a sail of a boat that catches wind and a mythical divine bird 鳳 and the other was a sail and a dragon 龍. Ancient people used a mythical creature to describe an invisible entity that they could only see when they saw things moving and their skin feeling sensation. Wind, being movement of air, never staying the same, also described trend, style and manner. The kanji 風 meant “wind breeze style manner.”

The kun-yomi 風 /kaze/ means “wind breeze,” and is in 春風 (“spring breeze” /harukaze/), 風邪を引く (“to catch a cold” /kaze-o-hiku/). Another kun-yomi /kaza-/ is in 風上 (“the windward” /kazakami/) and in the expression 風上に置けない (“intolerable insufferable” /kazakami-ni-okenai/). The on-yomi /hu’u/ is in 台風 (“typhoon” /taihu’u/), 風景 (“scenery” /hu’ukee/), 風俗 (“customs conventions sex-oriented business” /hu’uzoku/), 和風 (“Japanese style” /wahuu/) and 風化する (“to weather fade with the passage of time” /huuka-suru/).

Mythical birds on the rooftop in Byodoin Temple Ten-en coin

Throughout history a divine mythical bird 鳳 was considered to be auspicious, and it appeared in many types of art work to signify a heaven, a wish for eternal prosperity and a blissful life. The recent restoration work on the Heian era villa called Byoodooin Temple/Villa 平等院 /byoodo’oin/ (びょうどういん) outside Kyoto city, has a building called 鳳凰堂 /hoooodoo/ (ほうおうどう). The building had a pair of hoooo birds on the rooftop. The picture on the left is a golden replica of a standing figure of hoooo—it had long colorful crowns, sharp eyes, and a long feathered tail, and the body was gilded. (Photo: Asahi Shinbun) The building was built in 1053, at the time when, after many natural disasters, thoughts of doomsday were prevalent. People of the Heian era must have looked at a pair of hoooo birds as a symbol of a Buddhist promise of heaven and afterlife. The 鳳凰堂 building itself is particularly familiar to all Japanese people because it is on a ten-yen coin, as shown on the right.

Incidentally another imaginary mythical animal that we are familiar with is kirin 麒麟 /kirin/, sometimes called a Chinese unicorn. The legend is that a kirin had the head of a dragon with a single horn, and the body of a deer with golden scales on the body. Sighting a kirin was considered to be lucky because a sage or great ruler would appear soon.
The famous Japanese beer called Kirin Beer uses an image of a kirin as its company logo. (P.S. While walking along the Aoyama-dori street in Tokyo yesterday, we came across a giant Kirin’s beer can in front of a beer garden, as shown on the right.June 15, 2016)

There is no ancient writing for the kanji 嵐. In kanji the top is 山 “mountain” and the bottom is 風 “wind.” Together they meant “fresh wind that comes down from a mountain.” In Japanese it meant “storm stormy wind.”

The kun-yomi 嵐 /a‘rashi/ means “stormy wind storm,” and is in the expression 嵐の前の静けさ (“lull before a storm” /a’rashi-no-mae-no shizuke’sa/). There is no on-yomi in Joyo kanji.

Next time when you have a glass of Kirin beer on your outside porch chair, as you feel a pleasant breeze, you might have a sighting of a 鳳凰 (ほうおう) crossing the sky or a 龍 (りゅう) climbing through the clouds. [June 12, 2016 Japan time]


What is the origin of name “Phoenix Hall”?

The era Byodoin Phoenix Hall was built is Heian era. However, when people started calling it “Phoenix Hall” was in Edo era. It started to be called “Phoenix Hall” because when you look at the hall from the front, it looks like a bird spreading its wings, and also because there is a statue of phoenix on the roof.

Byodoin Phoenix Hall is facing the east and it is considered that there is the Pure Land in the west across the pond. This phoenix is a mythical creature in China and is said that the phoenix appears when the great emperor appears.

Two phoenixes in the south and north of Phoenix Hall has different sizes. The one in the north is 98.8 centimeters and the one in the south is 95.0 centimeters. It is said that the one in the north is a male and the one in the south is a female.

The statues on the roof now are replicas, but the original ones are exhibited in the museum so you can see the differences between the two.


The welcome reception will be held at The Kyoto Modern Terrace which is located on the other side across the road of the conference site. Please be noted that the registration desk on Sunday is located at the mixer venue but NOT the conference venue.

We are planning to have the following 5 courses as the excursion. If you wish to participate in the excursion, please select a course when registering (each course is limited in number, so please select up to the third choice). There are no meals available on the excursion, so please gather after having lunch.

Course A:Uji Byodoin Temple
Course B:Fushimi-Inari Shrine
Course C:Kiyomizu-Dera Temple / Yasaka Shrine
Course D:Nijo-jo Castle
Course E:Shorinji Temple (Zazen activity experience)

A: Uji Byodoin Temple

  • Visit Byodoin Temple and enjoy the traditional atmosphere in town Uji.
  • Byodoin was one built in the 11 th century, in Heian-era, now certified as one of the world heritage.
  • The design and decollation in the main building is impressively beautiful, therefore it is certified as Japanese national treasure as well. Also, in the museum lots of national treasures are displayed.
  • Uji town is well known as one of the biggest tea leaf production areas in Japan. Walking around the town and looking around Japanese tea cafes would be also enjoyable.
  • Official HP: https://www.byodoin.or.jp/en/
  1. Conference Center => Sanjo station (by walk for 10 minutes)
  2. Sanjo station =>Uji station (by train for 45 minutes)
  3. Walk around Uji town and visit (2 hours)
    *Uji station to Byodoin would take 15 minutes by walk directly
  4. Uji station => Sanjo station (by train for 45 minutes)
  • Tour guides would go with you on the way.
  • Train tickets (One-day ticket) should be provided for each.
  • Entrance ticket of the temple should be also delivered on each.

B: Fushimi-Inari Shrine

  • Visit Fushimi-Inari Shrine, look around the most popular place to see in Kyoto.
  • Fushimi-Inari Shrine was built in the 8 th century, now certified as one of the World Heritage sites.
  • The 10,000 trii gates on the road in the shrine look so spectacular that this shrine is now the most popular place to visit for foreign guests.
  • Inari is the type of shrine strongly related with economy, so a lot of people who concern the business.
  • Official HP: http://inari.jp/en/
  1. Conference Center => Sanjo station (by walk for 10 minutes)
  2. Sanjo station => Fushimi-Inari station (by train for 30 minutes)
  3. Walk to Fushimi-Inari Shrine and have a visit (2 hours)
    *The station to shrine would take 5 minutes by walk directly
  4. Fushimi-Inari station => Sanjo station (by train for 30 minutes)
  • Tour guides would go with you on the way.
  • Train tickets (One-day ticket) should be provided for each.
  • Entrance ticket of the temple should be also delivered on each.

C: Kiyomizu-Dera Temple / Yasaka Shrine

  • Visit east area of central Kyoto and mainly go to two buildings, Kiyomizu-Dera Temple and Yasaka Shrine.
  • Kiyomizu-Dera Temple was built in the 8 th century, and now is well known as one of the most popular temples in Kyoto.
  • Yasaka Shrine is located near Kiyomizu-Dera Temple. Also popular place to visit in Kyoto as it was built in the 7 th century and served for ancient gods in Japanese history.
  • Official HP
  1. Conference Center => Bus stop around Heian-Jingu Shrine (by walk for 5 minutes)
  2. Heian-Jingu Shrine => Yasaka Shrine (by bus for 20 minutes)
  3. Go to Kiyomizu-Dera Temple after Yasaka Shrine (by walk for 10 to 15 minutes)
  4. Bus stop near Kiyomizu-Dera Temple => Heian-Jingu Shrine bus stop (by bus for 20 to 30 minutes)
  • Tour guides would come along with you on the way to Yasaka Shrine.
  • The tour guides would set a time to visit Yasaka Shrine for an hour, therefore please gather the time on time, then they take you to Kiyomizu-Dera Temple.
  • If you wish to stay longer at Yasaka Shrine or move to Kiyomizu-Dera Temple earlier, please visit Kiyomizu-Dera by yourself.
  • Train/bus tickets (One-day ticket) should be provided for each.

D: Nijo-jo Castle

  • Visit Nijo-jo Castle, one of World Heritage sites in Kyoto.
  • Nijo-jo Castle was built in the early 17 th century, as the Kyoto residence of the Shogun when he visited Kyoto. When the Shogun was not in residence, samurai guards were garrisoned there.
  • Famous as the place where the last Shogun to declare authority over the country would return to the Imperial Court and Emperor Meiji.
  • Official HP: http://nijo-jocastle.city.kyoto.lg.jp/?lang=en
  1. Conference Center => Higashiyama station (by walk for 10 minutes)
  2. Higashiyama => Nijo-jo Castle station (by metro for 10 minutes)
  3. Sightsee around Nijo-jo Castle
  4. Nijo-jo Castle station => Higashiyama (by metro for 10 minutes)
  • Tour guides would go with you on the way.
  • Train tickets (One-day ticket) should be provided for each.
  • Entrance ticket of the castle should be also delivered on each.
  • Train/bus tickets (One-day ticket) should be provided for each.
  • Entrance fee for the optional building or museum would be paid by yourself.

E: Shorinji Temple (Zazen activity experience)

  • Visit Shorinji Temple which serves the Zazen experience to visitors.
  • Zazen is generally regarded as a means of insight into the nature of existence, by keeping sitting quietly, and concentrating to yourself.
  • A Buddhist priest will guide you how to do Zazen meditation and you will calm your inner tumult and find your inner peace.
  • The activity would take 1 hour, including 30 minutes of Zazen experience and short break with snacks.
  • Official HP: http://shourin-ji.org/english/
  1. Conference Center => Shorinji temple (By bus for 30 minutes)
  2. Start Zazen activity (taking for about 60 minutes)
  3. Take a look around Shoriniji Temple (taking for about 30 minutes)
  4. Go back to the conference center (by bus for 30 minutes)
  • Tour guides would go with you on the way.
  • Train tickets (One-day ticket) should be provided for each anyway.
  • The activity fee would be also included to the conference participation fee.

Assista o vídeo: DIY - Jak zbudować amerykańską świątynię z kulek magnetycznych satysfakcjonujące