Southland IX-168 - História

Southland IX-168 - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Southland
(IX-168: dp. 2.081; 1. 301 '; b. 52'10; dr. 17'9; s. 15
k .; uma. 1 12-pdr .; cl. Southland)

Southland (IX-168) foi construído em 1908 em Newport News, Va., Pela Newport News Shipbuilding and Drydock Co. como SS Southland. O pequeno navio operava para Norfolk e Washington Steamboat Co. no Rio Potomac e na Baía de Chesapeake, transportando passageiros e carga entre Washington, Alexandria, Old Point Comfort e Norfolk.

Southland foi um dos vários navios a vapor de tiragem leve, em águas terrestres, adquiridos pela War Shipping Administration (WSA) em 1942 para transferência para o Ministério Britânico de Transporte de Guerra. Ela foi devolvida aos representantes da WSA na Inglaterra no ano seguinte. Após a conversão para acomodar 544 passageiros por Thom Tanahill & Sons, Glasgow, Escócia, ela foi fretada pela Marinha dos Estados Unidos, em uma base de barco, e comissionada em 22 de maio de 1944, o tenente S. A. Davis, USNR, no comando.

Southland foi designado para a 12ª Frota, anteriormente Forças Navais dos Estados Unidos na Europa, até o início de 1945. Como havia dúvidas de que ela era capaz de cruzar o Atlântico com segurança, ela foi devolvida à WSA em Falmouth, Inglaterra, em 24 de julho de 1945. Ela foi desativada no mesmo dia e excluída da lista da Marinha em 13 de agosto de 1945.

Southland foi posteriormente vendido para a Fu Chung International Corp., China, e operado como Hung Yung até ser sucateado em 1955.


Leyden (IX-167) Classe: Fotografias

Clique na pequena fotografia para obter uma visão ampliada da mesma imagem.

O primeiro de dois navios muito semelhantes construídos para Norfolk e Washington Steamboat Co. entre 1908 e 1911, Southland é provavelmente mostrado neste cartão-postal em seus primeiros anos.
Os navios percorreram a baía de Chesapeake e o rio Potomac entre Norfolk, Virgínia, e Washington, D.C.

Foto No. Nenhum
Fonte: Postado em www.flickr.com por parkview dc, usado com permissão

O segundo de dois navios muito semelhantes construídos para Norfolk e Washington Steamboat Co. entre 1908 e 1911, Northland é provavelmente mostrado neste cartão-postal em seus primeiros anos.
Os navios percorriam a baía de Chesapeake e o rio Potomac entre Norfolk, Virgínia e Washington, D.C. Northland foi renomeado como Leyden pela Marinha quando adquirido em 1944 para evitar confusão com o cortador da Guarda Costeira Northland.

Foto No. Nenhum
Fonte: Postado em www.flickr.com por parkview dc, usado com permissão

Fotografado em 14 de julho de 1944, possivelmente em Cherbourg, França.

Foto No. 80-G-356332
Fonte: US Naval History and Heritage Command

Em um ninho entre o USS PC-1233 e o USS Southland (IX-168) em Cherbourg, França, em 11 de agosto de 1944.
Os dois navios maiores serviram como quartéis e navios-estação em Cherbourg após o desembarque na Normandia.

Foto nº 80-G-255749
Fonte: US Naval History and Heritage Command

Em Cherbourg, França, em 30 de agosto de 1944 com o USS Southland (IX-168) ao lado do porto.


Marítimo, segunda-feira, 11 de junho de 2012

HMS Vernon era um estabelecimento costeiro ou & # 8216 fragata de pedra & # 8217 da Marinha Real. Vernon foi estabelecido em 26 de abril de 1876 como a Royal Navy & # 8217s Torpedo Branch e operou até 1 de abril de 1996, quando os vários elementos que compunham o estabelecimento foram divididos e transferidos para diferentes comandos.

O segundo navio a ser chamado HMS Vernon encerrou sua carreira estabelecida em Chatham Dockyard como um cais flutuante de carvão. Em 1872 ela foi movida para se tornar uma candidata a HMS Excelente para torpedo e treinamento de mineração. Em 1874 ela foi acompanhada por HMS Vesuvius, um navio torpedo de parafuso de ferro. O Vesúvio foi inscrito como concurso experimental para a realização de testes de torpedo e permaneceu na função até 1923.

Em 26 de abril de 1876, Vernon foi acompanhado pela antiga fragata a vapor HMS Ariadne e o mais leve Florence Nightingale. Estes foram então comissionados como HMS Vernon, e se tornou a casa da Royal Navy & # 8217s Torpedo Branch.

Em janeiro de 1886 HMS Donegal substituiu o Vernon original como um navio-escola de torpedo mais espaçoso. Donegal foi renomeado para Vernon, o Vernon original foi renomeado para Actaeon e assumiu como oficina prática.

Em 23 de abril de 1895, os hulks foram transferidos para Portchester Creek. Ariadne foi substituído como um hulk de acomodação pelo antigo HMS Marlborough, que foi renomeado Vernon II e foi conectado por pontes a Actaeon e Vernon, juntamente com o nome Vernon I. Em 1904 HMS Warrior juntou-se ao estabelecimento como uma oficina flutuante, usina de energia e escola de telegrafia sem fio.

imagem inserida: HMS Vernon Figurehead Portsmouth

Você não adora quando a natureza distribui algo que os cientistas nunca viram antes?

Veja o fitoplâncton, por exemplo. Imagens de satélite nos dizem que essas plantas marinhas microscópicas (que, a propósito, produzem metade do oxigênio que respiramos) absolutamente amam litorais gelados.

Descrição: Norsk konvoi til Murmansk høsten 1943. En av gastene i arbeid med en synkemine. Fotograf: Ukjent & # 8212 Arkivreferanse: Riksarkivet, PA-1209 NTBs krigsarkiv Uf-118

o Mar de Ross, rebocando uma barcaça com a maquete do ônibus espacial, na maneira de entregar o ônibus espacial ao Centro Espacial Johnson. foto por OneEighteen

Veja também: Apresentação de slides e vídeo & # 8211 Ônibus espacial Empreendimento é transportado por barcaça sob a ponte Verrazano-Narrows no dia 3 de junho, na cidade de Nova York. A Enterprise estava a caminho do Museu Intrepid Sea, Air and Space, onde ficará em exibição permanente.

Foram construídos 49 deles & ndash rio motorships do projeto 588. Eles surgiram em meados do século XX, na República Democrática Alemã, em Wismar. Muitos deles ainda são usados ​​e dão alegria a quem gosta de passeios no rio. Meio século não é uma época venerável para as motorizações. Especialmente se eles são cuidados, pintados, modernizados e diabos. Mas alguns deles não tiveram essa sorte.

As visitas a navios da Marinha Real sempre foram populares. Nesta fotografia de 1902, essas senhoras trouxeram seus guarda-sóis para se proteger do sol, enquanto a banda naval toca algumas músicas no tombadilho.


HMS Hannibal (1896)

O HMS Hannibal era um navio de guerra pré-dreadnought da classe Majestic e o sexto navio a levar o nome de HMS Hannibal. Em 1906, ela passou por uma reforma, que incluiu a conversão de um queimador de carvão para o uso de óleo. Ela foi colocada na reserva a partir de 1907, apenas para ser mobilizada em julho de 1914 como medida de precaução antes do início da Primeira Guerra Mundial.

De agosto de 1914 a fevereiro de 1915, Hannibal foi um navio de guarda em Scapa Flow. Mais tarde naquele ano, seu armamento principal foi removido e ela foi convertida em um navio de tropa, servindo nesta capacidade durante a campanha dos Dardanelos. De novembro de 1915 até o fim da guerra, ela serviu como navio-depósito com base em Alexandria, Egito. Ela foi eliminada em 1920 e descartada mais tarde naquele ano.

Goethe descreveu a arquitetura famosa como & ldquofrozen music. & Rdquo Alguém estremece ao pensar em uma verdadeira manifestação física do ruído cacofônico do aeroporto: vozes enlatadas resmungando por um interfone, o barulho incessante de saltos no chão de ladrilhos, alarmes, buzinas, o estrondo de segmentos de notícias de televisão enlatados , o zumbido geral das pessoas e da tecnologia que existe nessas estranhas microcidades liminais de partida e chegada e inferno

É com esse ambiente anatemático em mente que em 1978 o músico Brian Eno criou o álbum seminal Ambient 1: Music for Airports. O projeto Eno & # 8217s começou enquanto se esperava por um voo em um aeroporto em Colônia, Alemanha, em uma bela manhã de domingo. & ldquoA luz era linda, tudo era lindo & rdquo Eno relembra, & ldquoexceto que eles tocavam uma música horrível. E eu pensei, há algo completamente errado que as pessoas não pensam sobre a música que entra em situações como essa. Eles gastam centenas de milhões de libras na arquitetura, em tudo. Exceto a música. & Rdquo

Pirata desta semana e # 8217s: John Crabbe
1305-1332

Pirata flamengo mais conhecido pelo uso bem-sucedido de uma catapulta montada em um navio. Uma vez ganhou o favor de Robert the Bruce e atuou como oficial da Marinha da Inglaterra durante a Guerra dos Cem Anos & # 8217 (depois de ser capturado pelo Rei Eduardo III).

leia o pdf

Sidney Howard (1891-1939) foi um dramaturgo e roteirista incrivelmente prolífico, tornando-se a primeira pessoa a ganhar o Prêmio Pulitzer (por sua peça de 1924 Eles Sabiam o que Queriam) e o Prêmio da Academia (postumamente, por E o Vento Levou). & ndashsource

bio na wiki: Howard escreveu a adaptação para o palco do romance Paths of Glory de Humphrey Cobb & # 8217, que foi apresentado na Broadway em 1935. A peça foi um fracasso por causa de suas duras cenas anti-guerra que alienaram o público, como um veterano da Primeira Guerra Mundial Howard queria mostrar os horrores de guerra.

Convencido de que o romance deveria ser filmado, Howard escreveu: “Parece-me que nossa indústria cinematográfica deve sentir uma espécie de sagrada obrigação de fazer o filme.” Em 1957, Stanley Kubrick fez exatamente isso com seu filme Paths of Glory. O roteiro de Howard & # 8217 para E o Vento Levou ecoou, talvez, Paths of Glory, com um olhar inflexível para os horrores da guerra.

Amante da pacata vida rural, Sidney Howard morreu em Tyringham, Massachusetts, enquanto trabalhava em sua fazenda de 700 acres (2,8 km2). Howard foi esmagado até a morte em uma garagem por seu trator de duas toneladas e meia. Ele ligou a ignição e estava ligando o motor para ligá-lo quando ele deu uma guinada para a frente, prendendo-o contra a parede da garagem. Aparentemente, um funcionário havia deixado a transmissão em alta marcha.

Alien Corn é baseado em um conto de Somerset Maugham

O Quênia está prestes a construir o primeiro museu subaquático da África, que será dedicado ao estudo da vida marinha e dos naufrágios.

Os projetos do museu proposto, que deve ser inaugurado em 2014, já começaram com a ajuda de arquitetos norte-americanos e um orçamento para os custos de construção está sendo discutido no nível governamental.

ser um dos poucos países do mundo a ter um museu subaquático. Os EUA e o Reino Unido têm tais instalações, assim como a China, que tem o maior museu subaquático do mundo. O Egito está realizando estudos para construir também um museu subaquático, mas não avançou sua iniciativa como o Quênia.

O museu ficará localizado perto da cidade de Malindi, um destino turístico popular. & # 8220Os navios naufragados atraem muitos peixes que se alimentam de microrganismos da madeira [dos navios] e são também habitat de peixes e várias outras espécies aquáticas. Faremos parceria com muitas organizações no estudo da vida marinha, & # 8221 disse Bita.

USS Southery (IX-26): um navio a vapor construído em 1889 por R. Thompson Sons & amp Co. em Sunderland, Inglaterra, foi comprado pela Marinha dos Estados Unidos em 16 de abril de 1898. Ele foi convertido em um mineiro no Boston Navy Yard e comissionado lá em 2 de maio de 1898.

Southery partiu de Boston em 6 de junho e, pelo resto de 1898 e em 1899, ela cruzou a costa atlântica de Boston até o sul, até a Jamaica. Em 18 de fevereiro de 1899, o mineiro convertido foi colocado fora de serviço no Norfolk Navy Yard e convertido em um navio-prisão.

Southery foi transferido para Boston em 6 de abril de 1902, onde retomou o serviço como navio-prisão. No início de julho de 1903, o navio-prisão foi transferido para Portsmouth, New Hampshire. Em fevereiro de 1913, ela se tornou um navio estacionado em Portsmouth.

Seu nome foi retirado do Registro de Navios Navais em 1º de setembro e seu hulk foi vendido para a Boston Iron and Metal Co. de Baltimore, Maryland, em 1º de dezembro de 1933.

Cruzador espanhol Reina Mercedes: Reina Mercedes foi capturada pelos Estados Unidos e posteriormente recuperada e comissionada na Marinha dos EUA. (wiki)

O afundado Reina Mercedes no canal de Santiago de Cuba

Reina Mercedes , um cruzador da classe Alfonso XII de 3.042 toneladas, foi lançado em Cartagena, Espanha, em setembro de 1887. Em 1898, ele estava quase inoperante e estacionado em águas cubanas. Durante a Guerra Hispano-Americana, ela atuou como guarda em Santiago. Parcialmente desarmada para fornecer armas para baterias de defesa costeira, ela foi afundada para bloquear a entrada do porto de Santiago após a grande batalha naval de 3 de julho de 1898. Criada pela Marinha dos EUA após a guerra, ela se tornou a USS Reina Mercedes. Nunca restaurado à condição operacional, o navio foi convertido em um navio quartel. De 1912 até ser desmantelado em 1957, ela serviu como navio de estação na Academia Naval dos EUA.
Centro Histórico Naval

USS Wabash (1855) & # 8211 estabelecido em 16 de maio de 1854 pela fragata de parafuso a vapor Philadelphia Navy Yard da Marinha dos Estados Unidos que serviu durante a Guerra Civil Americana. No pós-guerra, ela continuou a servir seu país em operações europeias e, por fim, serviu como quartel em Boston, Massachusetts. Vendido em 15 de novembro de 1912.

Wabash capturou o bergantim Sarah Starr em Charleston, Carolina do Sul, em 3 de agosto de 1861, e recapturou a escuna americana Mary Alice, levada anteriormente por CSS Dixie. Nessa data, ela também capturou os bergantins Hannah, Balch e Solferino, junto com 22 prisioneiros confederados dos quatro navios.

Wabash partiu de Fort Monroe em 29 de outubro de 1861 para liderar o ataque federal a Port Royal, na Carolina do Sul. A frota de invasão montada foi a maior já organizada pela Marinha, contendo 77 navios e 16.000 soldados do Exército. A força combinada garantiu Port Royal Sound em 7 de novembro de 1861, após uma batalha furiosa de quatro horas. Wabash liderou a linha de batalha nesta importante vitória estratégica da União.

Wabash partiu do Boston Navy Yard em 17 de novembro de 1871 e serviu como a nau capitânia do contra-almirante James Alden, comandando o Esquadrão Mediterrâneo. Ela chegou a Cádiz, Espanha, em 14 de dezembro de 1871 e cruzou o Mediterrâneo até 30 de novembro de 1873, quando partiu de Gibraltar, com destino a Key West, Flórida.

descomissionado em 25 de abril de 1874 no Boston Navy Yard. Em 1875, ela foi colocada em um navio comum e serviu como um navio de recebimento habitacional de 1876 a 1912. Vendido para a Boston Iron and Metal Company em 15 de novembro de 1912, queimou para facilitar o resgate de suas peças de metal.

Motores de campanário horizontal dos EUA Wabash 2 visualizações
Por Merrick and Sons, ca. 1854 e # 8211 Lápis, tinta e tinta colorida sobre papel
Arquivos Nacionais e Administração de Registros, Registros do Departamento de Navios

USS Wabash como navio receptor, totalmente equipado, embora suas velas tenham sido removidas

USS Wabash (1856-1912) - Desenho a lave em tons de cinza de Clary Ray, por volta de 1900, mostrando o navio a vapor e à vela. Coleção de Arte da Marinha, Washington, DC. Mais no Centro Histórico Naval

Fotos encontradas:

Beira-mar de Guernsey na década de 1960 e # 8217 Frente marítima de St. Peter Port no final dos anos 1960 e # 8217, Bucktrouts (comerciantes de vinho desde 1830) pode ser visto junto com um barco Herm (o menor das Ilhas do Canal), próximo ao píer da coroa.


Alerta SS em Creux Harbour Sark 1903

Lançado em 19 de junho de 1885 e # 8212 Construído para as funções duplas de rebocador e navio de passageiros, ela tinha dois porões, o a frente capaz de transportar 38 toneladas e o a ré 12 toneladas. Havia um saloon na popa e uma cabine para mulheres, e ela era usada em todas as ilhas do Canal, mas, ao fazê-lo, teve vários "incidentes". Em 6 de junho de 1892, ao largo de Corbiere, Jersey, no nevoeiro, ela atingiu o recife Jailers e conseguiu fazer a baía de St.Brelades para reparos.

Em 28 de agosto de 1899, quando em uma viagem de ida e volta em Guernsey, ela encalhou perto da ilha de Lihou, então em 24 de março de 1904 ela encalhou Herm e em abril de 1910 ela bateu em rochas na Baía de Rocquaine quando estava no exame dos pilotos.

Em 24 de março de 1904, a embarcação foi vendida à Guernsey Steam Towing & amp Trading Company, em 14 de julho de 1910 ela foi registrada como SERK para divulgar o nome de uma nova embarcação.

Ela permaneceu no serviço até o final da temporada de 1913 e depois vendeu para Hadji Husni, rebatizado de HAIRDOULAH, partindo de Guernsey em 15 de outubro com destino à Turquia, e foi registrado em Constanpl. O novo proprietário não aproveitou muito o navio, pois foi afundado em 27 de julho de 1915 pelo submarino britânico E 14 nos mares de Marmora, a sudeste de Rodosto.

Gosto muito deste mapa e também desta visualização. Eu & # 8217d estar interessado em ver quaisquer outros mapas de farol que qualquer um possa encontrar.

Então, marinheiros: o tamanho do círculo e a distância cotada (& # 822018 milhas & # 8221, etc.) são quais? Quão longe você pode ver a luz em condições normais?

USS Buffalo (1892) (mais tarde AD-8 1916) & # 8211 Cruzador auxiliar da Marinha dos Estados Unidos, e mais tarde um contratorpedeiro. lançado em 31 de maio de 1893 por Newport News Shipbuilding and Dry Dock Company, em Newport News, Virgínia, como El Cid. concluído em agosto de 1893 e vendido para o Brasil e renomeado Nichtheroy. Adquirido pela Marinha do Governo Brasileiro em 11 de julho de 1898, e renomeado Búfalo.Comissionado ordinariamente uma semana depois, equipado como um cruzador auxiliar no New York Navy Yard, em seguida, colocado em pleno funcionamento em 22 de setembro de 1898.

1917-18: A conversão foi concluída em junho de 1918, e depois de carregar equipamento de torpedo em Newport, Rhode Island, ela partiu para Brest, França, via Bermuda. Ela então seguiu para Gibraltar, onde operou como estação e navio de reparos para destruidores e sub-caçadores. Vendido, setembro de 1927.

USS Buffalo ancorado na Baía de São Francisco durante o Portola Week Festival em outubro de 1913
mais fotos

& # 8220Teddy & # 8221 o USS Buffalo mascote, por volta de 1908 Panorama de 6823 e # 2151849 px (cortado)

USS Topeka (PG-35) O navio foi construído em 1881 como um navio a vapor Diógenes pelo Howaldtswerke em Kiel, Alemanha. Adquirido pela Marinha da Thames Iron Works, Londres, Inglaterra, em 2 de abril de 1898, renomeado Topeka e colocados em comissão no mesmo dia. Vendido para demolição em 13 de maio de 1930.

Topeka limpou Falmouth, Inglaterra, em 19 de abril de 1898 e chegou a Tompkinsville, Nova York, em 1º de maio de 1898. No dia seguinte, ela se mudou para o Estaleiro da Marinha de Nova York para iniciar uma revisão de dois meses, durante a qual recebeu seu armamento e em geral preparado para o serviço no bloqueio cubano. A canhoneira partiu de Nova York em 30 de junho de 1898 e, após uma parada de cinco dias em Key West, Flórida, juntou-se às forças de bloqueio ao largo de Havana em 11 de julho de 1898.

construído para a Norfolk and Washington Steamboat Co. entre 1908 e 1911, Southland é provavelmente mostrado neste cartão-postal em seus primeiros anos. O navio transportou passageiros e carga na Baía de Chesapeake e no Rio Potomac entre Norfolk, Va. E Washington, D.C., com paradas em Alexandria e Old Point Comfort.

Southland foi um dos vários navios a vapor de calado leve, de águas interiores, adquiridos pela War Shipping Administration (WSA) em 1942 para transferência para o Ministério Britânico de Transporte de Guerra. Ela foi devolvida aos representantes da WSA na Inglaterra no ano seguinte. Após a conversão para acomodar 544 passageiros por Thorn Tanahill and Sons em Glasgow, Escócia, ela foi fretada pela Marinha dos Estados Unidos, em uma base de barco, e comissionada em 22 de maio de 1944.

Southland foi designado para a 12ª Frota, anteriormente Forças Navais dos Estados Unidos na Europa, até o início de 1945. Como havia dúvidas de que ela era capaz de cruzar o Atlântico com segurança, ela foi devolvida à WSA em Falmouth, Inglaterra, em 24 de julho de 1945. Ela foi desativado no mesmo dia e retirado da lista da Marinha em 13 de agosto de 1945.
& ndashwikipedia

USS Southland (IX-168) após grande modificação
Fotografado em 14 de julho de 1944, possivelmente em Cherbourg, França.

A caminho da Itália e da França, o ex-presidente Harry S. Truman, Bess Truman e a Sra. Samuel Rosenman na ponte do transatlântico USS Independence dando uma olhada no vulcão nas ilhas dos Açores, Portugal. Da esquerda para a direita estão: o ex-presidente Truman, a Sra. Samuel Rosenman, Bess Truman, o capitão e um fotógrafo não identificado.

Após seu lançamento inicial, The Pirate (1948) dividiu a crítica, alienou a maioria do público, perdeu dinheiro e se tornou um projeto que envolveu todas as estrelas de & # 8212, Judy Garland e Gene Kelly, o diretor Vincente Minnelli e o compositor Cole Porter & # 8212 preferiram esquecer. Porter, na verdade, condenou a fantástica farsa de identidade equivocada como & # 8220 indescritivelmente miserável, a pior que o dinheiro poderia comprar. & # 8221

O fato de Garland ter perdido 99 dos 135 dias de filmagem fala sobre a deterioração de seu estado físico e mental e, sem dúvida, contribuiu para o ritmo irregular e desajeitado do filme, ela supostamente fumava quatro maços de cigarros por dia e tinha alucinações com o uso de drogas & # 8212 às vezes exigindo que a equipe literalmente a carregasse para fora do set, histérica.

Dois ex-amigos da Marinha viajam para uma ilha tropical para ajudar na busca por um fugitivo nazista e uma fortuna em diamantes roubados por ele durante a Segunda Guerra Mundial, e encontram vários perigos nas mãos de uma gangue que também busca o tesouro para o governador corrupto da ilha.

Eles foram divertidos porque nunca houve um momento de tédio durante as seis ou sete semanas. Sempre muita ação e muitas vezes havia chamadas perigosas e fechadas. Como uma vez em & lsquoPirates of the High Seas & # 8217 com Buster Crabbe, eles jogaram cinco ou seis de nós vilões ao mar do navio que estávamos tentando capturar.

Deveríamos nadar em direção à costa, a câmera cortaria e um barco a motor sairia e nos buscaria & mdashonly o cara não conseguiu dar partida e tivemos que nadar até a costa. O oceano estava frio como gelo! Eu não sou um nadador de longa distância e nunca poderia ter feito isso, exceto com a ajuda de Rusty Wescoatt e outro dublê, Solly. & Rdquo

& ldquoBrincando de pirata outra vez e despido até a cintura, um cara atrás de mim tropeçou e caiu, disparando sua arma com um chumaço de chumbo calibre 12 indo nas minhas costas. Isso dói e pode ser venenoso, sabe! Isso é o que os torna interessantes ou diferentes e valiosos. Trabalho árduo, longas horas e ação! & Rdquo

Punho de macaco é um fanático do Red Sox, que fala estupidamente, tem boca suja, odeia os ianques e mora em Baltimore, Maryland. Além de compilar a segunda-feira marítima, ela bloga sobre arte náutica, história e ciências marinhas no Aventuras do Blackgang.

Envie ideias para histórias, links de notícias, fotografias ou itens de interesse dela em [e-mail & # 160 protegido] . Ela também pode arrotar mais do que qualquer homem.


História

Em 1956, os funcionários do ciclismo de Southland foram convidados a enviar um evento para marcar as comemorações do centenário da cidade de Invercargill. Um grupo de entusiastas se reuniu localmente e no sábado, 27 de setembro de 1956, o prefeito de Invercargill, o Sr. Abraham Wachner disparou a pistola inicial fora do antigo correio em Dee Street, para iniciar oficialmente o Tour inaugural de Southland. Com estradas de cascalho e ventos tempestuosos do norte para enfrentar, Kelvin Hastie de Dunedin prevaleceu no evento de três dias e teve a honra de ser o vencedor no primeiro Tour de Southland, um evento que ganharia grande visibilidade tanto para o esporte de ciclismo quanto a província nos próximos anos.

Desde o seu início modesto como um evento de três dias, o Tour sempre cativou a imaginação do povo de Southland e o público tradicionalmente apareceu em números para ver o evento de alto perfil passando literalmente por suas portas traseiras.

Muitos dos ciclistas campeões da Nova Zelândia competiram no Tour of Southland durante suas carreiras. Nomes como Warwick Dalton, Tino Tabak, Stephen Cox, Jack Swart, Paul Jesson, Graeme Miller, Brian Fowler e outros, tornaram-se nomes familiares em Southland e para muitos desses pilotos, o Tour of Southland teve destaque em suas carreiras ilustres.

Ao longo dos anos, o Tour deu passos progressivos regulares para garantir a popularidade e o sucesso dos eventos, com a mudança mais significativa ocorrendo em 1995, quando o evento fez a transição para um evento de equipe # 39s e em 2002, quando o evento ganhou o status de UCI e se tornou um Tour internacional UCI de categoria 2.2 registrado.

Nos últimos anos, o Tour de Southland atraiu muitos pilotos internacionais, mas durante seus 60 anos de história, houve apenas três pilotos internacionais que ganharam o Tour - Mel Powell (Austrália) em 1964 e o cavaleiro americano John Lieswyn em 2002 e 2004. Mitchell Lovelock-Fay - Austrália 2014.


Southland: escavando a história urbana da Grande Los Angeles

Bem-vindo ao Southland, um novo blog que explora temas do urbanismo na área da grande Los Angeles através das lentes da história da cidade & # x27s. Southland é possível graças a uma parceria de conteúdo entre o Gizmodo, as bibliotecas da USC e as coleções extraordinárias de LA como Assunto - uma associação de mais de 230 bibliotecas, museus, arquivos oficiais e colecionadores particulares, todos os quais coletam, preservam e tornam acessíveis as grandes e variadas narrativas de Los Angeles.

Por que Los Angeles? Porque L.A. é um lugar de paisagens perdidas e infraestruturas esquecidas. Porque a Los Angeles histórica nem sempre é igual à Los Angeles de Hollywood. Porque L.A. como sujeito representa uma fonte única de compreensão do passado, presente e futuro de Los Angeles e sua influência em outras metrópoles mundiais.

Wallace Stegner uma vez disse que a Califórnia é como o resto da América - só que mais ainda. E nesse excepcionalismo nada excepcional encontramos inúmeras histórias maduras para a mineração. O Southland não inventou a rodovia, mas a aperfeiçoou. Uma torre de petróleo já esteve no meio de uma estrada principal. Uma incorporadora imobiliária transformou pântanos de maré em canais venezianos.

No centro de Los Angeles, a cidade travou uma guerra contra sua topografia, abrindo túneis através de colinas e remodelando o terreno em nome do progresso. No subúrbio de Anaheim, a reconstrução apagou a verdadeira rua principal da cidade no momento em que a versão da Disney surgia de laranjais recém-derrubados.

E dentro de um celeiro em um rancho de limão em Hollywood, Cecil B. DeMille lançou uma indústria que projetava histórias, mitos e estereótipos de Los Angeles em todo o mundo.

No Southland, os pecados urbanos encontram sua expressão catártica, se não redenção, no cinema. L.A. & # X27s desmontagem de seu sistema de trólebus interurbano? Isso & # x27s Quem incriminou Roger Rabbit. O desvio da cidade em uma bacia hidrográfica distante? Chinatown.

Nem é preciso dizer que, como obras de ficção, os dois filmes exageram na vilania. Os fabricantes de pneus e automóveis realmente conspiraram, como o Juiz Doom, para substituir os carrinhos por superestradas de concreto? Não exatamente . Os filmes também exageram o grau em que essas histórias de Los Angeles são excepcionais. San Francisco, por exemplo, represou o cânion que John Muir outrora chamou de "cota de segundo Yosemite" para garantir seu abastecimento de água, e a cidade de Nova York ainda drena bacias hidrográficas distantes com seus próprios aquedutos enormes.

Ninguém anda em L.A .: A ascensão dos carros e os monotrilhos que nunca existiram

& quotQuem precisa de um carro em Los Angeles? Temos o melhor sistema de transporte público do mundo! & Quot diz private

Os mamutes fossilizados e felinos dente-de-sabre retirados de La Brea Tar Pits desmentem a alegação frequentemente repetida de que Los Angeles não tem história. Na verdade, as pessoas chamam a região de lar há pelo menos dez milênios. O surgimento da moderna metrópole do pós-guerra do sul da Califórnia & # x27s - até mesmo a chegada dos padres franciscanos na década de 1770 - é apenas um evento recente na grande varredura da história humana da região & # x27s.

Os poços de alcatrão de La Brea nos lembram que Los Angeles é uma cidade antiga

A sabedoria convencional designa Los Angeles como uma metrópole jovem e caprichosa - uma bebedora menor de idade em

Outra mentira sobre Southland: seu estado natural é o deserto. Na verdade, riachos arborizados já percorriam a planície costeira de L.A. & # X27s, alimentando pântanos, lagoas e outros pântanos. Essa água prontamente disponível, junto com fontes abundantes de alimentos como bolotas, antílopes pronghorn e peixes, sustentou a maior concentração de indígenas americanos ao norte do México.

Isso é para não negar a relação complicada da região com a natureza. Um forte terremoto assustou os primeiros europeus a visitar o Southland por terra: a expedição Portolà de 1769, cujos membros também testemunharam as consequências de uma inundação catastrófica. Apesar das soluções tecnológicas como bacias de destroços e monitoramento sísmico, os 16 milhões de habitantes da região só conseguiram alcançar uma trégua incômoda com essas forças ancestrais da natureza.

Podemos voltar nosso olhar para o futuro. Em cerca de 15 milhões de anos, a atividade tectônica pode separar Southland do resto da América do Norte, realizando velhas fantasias cartográficas de uma ilha chamada Califórnia. Isso também traz questionamentos sobre o presente: como a região se prepara para esse movimento inexorável de terras? E quais tecnologias a região implantou para monitorá-lo? No entanto SouthlandA atenção do & # x27s frequentemente estará fixada no passado, às vezes também olhará para questões mais contemporâneas.

Muitas das histórias que compartilharemos já apareceram em KCET.org e estamos felizes em reformulá-las aqui para um público além da região, um público que chegará a essas histórias como entusiastas da história, tecnófilos, urbanistas e céticos .

o Southland perspectiva não é a única perspectiva, então, por suposto, explore você mesmo a história além do que compartilhamos aqui. Muitos dos destaques das coleções históricas do sul da Califórnia e # x27s estão apenas a teclas e cliques de distância. Arquivos digitais proeminentes incluem a USC Digital Library, a Los Angeles Public Library Photo Collection, a Metro Transportation Library and Archive & # x27s Flickr photostream, a Pasadena Digital History Collaboration, Imagine Santa Monica - e vários outros que iremos destacar aqui no Southland.


O que Southland registros de família você vai encontrar?

Existem 2.000 registros de censo disponíveis para o sobrenome Southland. Como uma janela para sua vida cotidiana, os registros do censo de Southland podem dizer onde e como seus ancestrais trabalharam, seu nível de educação, status de veterano e muito mais.

Existem 135 registros de imigração disponíveis para o sobrenome Southland. As listas de passageiros são o seu bilhete para saber quando seus ancestrais chegaram aos EUA e como eles fizeram a viagem - do nome do navio aos portos de chegada e partida.

Existem 217 registros militares disponíveis para o sobrenome Southland. Para os veteranos entre seus ancestrais Southland, coleções militares fornecem insights sobre onde e quando serviram, e até mesmo descrições físicas.

Existem 2.000 registros de censo disponíveis para o sobrenome Southland. Como uma janela para sua vida cotidiana, os registros do censo de Southland podem dizer onde e como seus ancestrais trabalharam, seu nível de educação, status de veterano e muito mais.

Existem 135 registros de imigração disponíveis para o sobrenome Southland. As listas de passageiros são o seu bilhete para saber quando seus ancestrais chegaram aos EUA e como eles fizeram a viagem - do nome do navio aos portos de chegada e partida.

Existem 217 registros militares disponíveis para o sobrenome Southland. Para os veteranos entre seus ancestrais Southland, coleções militares fornecem insights sobre onde e quando serviram, e até mesmo descrições físicas.


26 Código dos EUA § 168 - Sistema de recuperação de custo acelerado

Uma escolha nos termos do parágrafo (2) (D) [1] ou (3) (D) pode ser feita em relação a 1 ou mais classes de bens para qualquer ano tributável e uma vez feita em relação a qualquer classe, será aplicada a todos os bens em tal classe colocada em serviço durante tal ano tributável. Tal eleição, uma vez feita, será irrevogável.

Para os fins desta seção, o período de recuperação aplicável será determinado de acordo com a seguinte tabela:

No caso de:

O aplicável

período de recuperação

Propriedade para aluguel residencial

Bens imóveis não residenciais

Qualquer nivelamento de ferrovia ou furo de túnel

Salvo disposição em contrário nesta subseção, a convenção aplicável é a convenção semestral.

A convenção semestral é uma convenção que trata todos os bens colocados em serviço durante qualquer ano tributável (ou alienados durante qualquer ano tributável) como colocados em serviço (ou alienados) na metade desse ano tributável.

A convenção do meio do mês é uma convenção que trata todas as propriedades colocadas em serviço durante qualquer mês (ou alienadas durante qualquer mês) como colocadas em serviço (ou alienadas) na metade desse mês.

A convenção de meio do trimestre é uma convenção que trata todos os bens colocados em serviço durante qualquer trimestre de um ano tributável (ou alienados durante qualquer trimestre de um ano tributável) como colocados em serviço (ou alienados) no ponto médio de tal trimestre.

Salvo disposição em contrário nesta subseção, a propriedade deve ser classificada na seguinte tabela:

A propriedade deve ser tratada como:

Se tal propriedade tiver uma vida útil (em anos) de:

Mais de 4, mas menos de 10

10 ou mais, mas menos que 16

16 ou mais, mas menos que 20

20 ou mais, mas menos de 25

O termo “propriedade de 20 anos” significa o desmatamento inicial e nivelamento de benfeitorias do terreno com relação a qualquer planta de transmissão e distribuição de energia elétrica.

O termo "nivelamento da ferrovia ou furo do túnel" significa todas as melhorias resultantes de escavações (incluindo túneis), construção de aterros, clareiras, desvios de estradas e córregos, sodding de encostas e de trabalho semelhante necessário para fornecer, construir, reconstruir, alterar, proteger, melhorar, substituir ou restaurar um leito de estrada ou faixa de domínio para trilhos de ferrovia.

Qualquer filme de cinema ou fita de vídeo.

Quaisquer obras que resultem da fixação de uma série de sons musicais, falados ou outros, independentemente da natureza do material (como discos, fitas ou outras gravações fonográficas) em que tais sons estão incorporados.

No caso de qualquer propriedade à qual esta seção se aplicaria, exceto para este parágrafo, a dedução da depreciação nos termos da seção 167 será determinada de acordo com as disposições desta seção como em vigor antes das alterações feitas pela seção 201 da Lei de Reforma Tributária de 1986.

No caso de:

A recuperação

(i) Propriedade não descrita na cláusula (ii) ou (iii)

(ii) Bens pessoais sem vida de classe

(iii) Propriedade de aluguel residencial

(iv) Bens imóveis não residenciais

(v) Qualquer nivelamento de ferrovia ou furo de túnel ou propriedade de serviço de água

Para os fins do parágrafo (2), no caso de bens descritos em qualquer um dos seguintes subparágrafos da subseção (e) (3), o

Se a propriedade for descrita

no subparágrafo:

No caso de qualquer equipamento tecnológico qualificado, o período de recuperação usado para os fins do parágrafo (2) será de 5 anos.

No caso de qualquer automóvel ou caminhão leve de uso geral, o período de recuperação usado para os fins do parágrafo (2) será de 5 anos.

No caso de qualquer propriedade da seção 1245 que seja propriedade sem vida de classe, o período de recuperação usado para os fins do parágrafo (2) será de 40 anos.

Salvo disposição em contrário neste parágrafo, o termo "propriedade financiada por títulos isentos de impostos" significa qualquer propriedade na medida em que tal propriedade seja financiada (direta ou indiretamente) por uma obrigação cujos juros são isentos de impostos nos termos da seção 103 (a) .

Para os fins do subparágrafo (A), o produto de qualquer obrigação deve ser tratado como usado para financiar bens adquiridos em conexão com a emissão de tal obrigação na ordem em que tais bens são colocados em serviço.

O termo “propriedade financiada por títulos isentos de impostos” não deve incluir nenhum projeto de aluguel residencial qualificado (dentro do significado da seção 142 (a) (7)).

Se o contribuinte fizer uma escolha nos termos deste parágrafo com relação a qualquer classe de propriedade para qualquer ano tributável, o sistema de depreciação alternativo sob esta subseção será aplicável a todos os bens em tal classe colocados em serviço durante tal ano tributável. Não obstante a frase anterior, no caso de aluguel residencial, tal opção pode ser feita separadamente em relação a cada imóvel.

Uma eleição segundo o subparágrafo (A), uma vez feita, será irrevogável.

A propriedade descrita neste parágrafo deve consistir em qualquer propriedade residencial para aluguel e propriedade de melhoria qualificada mantida por um comércio ou negócio de propriedade real eleito (conforme definido em 163 (j) (7) (B)).

Salvo disposição em contrário nesta subseção, o termo “(B) Bens imóveis não residenciais

A cláusula (i) se aplica a qualquer propriedade somente se a parte de tal propriedade alugada para entidades isentas de impostos em arrendamentos desqualificados for superior a 35 por cento da propriedade.

Para os fins deste subparágrafo, benfeitorias em uma propriedade (exceto terrenos) não devem ser tratadas como uma propriedade separada.

A subcláusula (IV) da cláusula (ii) não se aplica a qualquer propriedade que seja locada dentro de 3 meses após a data em que essa propriedade é usada pela primeira vez pela (C) Exceção para locações de curto prazo

A propriedade não deve ser tratada como arrendamento de curto prazo.

O termo “seção 511.Para os fins do subparágrafo (B) (iii), qualquer parte de uma propriedade assim utilizada não deve ser tratada como alugada para um (E) imóvel não residencial definido

Para os fins deste parágrafo, o termo “aluguel residencial.

Para os fins desta subseção, uma organização deve ser tratada como uma organização descrita no subparágrafo (A) (ii) com relação a qualquer propriedade (que não seja propriedade de tal organização) se tal organização for uma organização (diferente de uma cooperativa descrita em seção 521) isenta do imposto cobrado por este capítulo a qualquer momento durante o período de 5 anos que termina na data em que tal propriedade foi usada pela primeira vez por tal organização. A frase anterior e o subparágrafo (D) (ii) não se aplicam à Federal Home Loan Mortgage Corporation.

No caso de uma organização anteriormente isenta de impostos nos termos da seção 501 (a) como uma organização descrita na seção 501 (c) (12), a cláusula (i) não se aplica a tal organização com relação a qualquer propriedade se tal organização decidir não estar isento de impostos nos termos da seção 501 (a) durante o período de uso isento de impostos com relação a essa propriedade.

Para os fins da subcláusula (I), o termo “(III) Eleição

Qualquer eleição nos termos da subcláusula (I), uma vez feita, será irrevogável.

Qualquer organização que se dedique a atividades substancialmente semelhantes àquelas exercidas por uma organização antecessora deverá ser bem-sucedida no tratamento previsto neste subparágrafo de tal organização antecessora.

A subcláusula (II) da cláusula (i) não se aplica a qualquer propriedade que seja alugada dentro de 3 meses após a data em que tal propriedade é usada pela primeira vez pelas (4) Entidades relacionadas Para os fins desta subseção-

No caso de qualquer propriedade que é alugada para uma parceria, a determinação de se qualquer parte dessa propriedade é (B) Outras entidades pass-thru entidades estratificadas

Regras semelhantes às regras do subparágrafo (A) também se aplicam no caso de qualquer entidade pass-thru que não seja uma parceria e no caso de parcerias em camadas e outras entidades.

A menos que seja estabelecido de outra forma para a satisfação do Secretário, deve-se presumir que os sócios de uma parceria estrangeira (e os beneficiários de qualquer outra entidade estrangeira pass-thru) são pessoas que não são (6) Tratamento de bens pertencentes a parcerias etc.

Para os fins do subparágrafo (A), uma seção 704 (c)), o que resultar na maior parcela proporcional.

Para os fins da cláusula (i), se a seção 704 (c)) puder variar durante o período em que essa entidade for parceira na parceria, essa parcela será a maior parcela que essa entidade pode receber.

Para os fins desta subseção, no caso de qualquer propriedade que seja de propriedade de uma parceria que tenha (E) Outras entidades pass-thru entidades estratificadas

Regras semelhantes às regras dos subparágrafos (A), (B), (C) e (D) também se aplicam no caso de qualquer entidade pass-thru que não seja uma parceria e no caso de parcerias em camadas e outras entidades.

Para os fins deste parágrafo e do parágrafo (5), salvo disposição em contrário neste subparágrafo, qualquer (ii) Eleição se a (I)

Para os fins da subcláusula (I), no caso de uma empresa cujas ações são negociadas publicamente em um mercado de valores mobiliários estabelecido, ações detidas por uma (III) Seção 318 para aplicar

Para os fins desta cláusula, uma seção 318 (determinada sem levar em conta a limitação de 50 por cento contida na subseção (a) (2) (C)).

Para os fins desta subseção, o termo “(8) Regulamentos

O Secretário prescreverá os regulamentos que forem necessários ou apropriados para cumprir os objetivos desta subseção.

O termo “equipamento periférico relacionado” significa qualquer máquina auxiliar (seja on-line ou off-line) que é projetada para ser colocada sob o controle da unidade de processamento central de um computador.

Para os fins deste parágrafo, o termo "equipamento médico de alta tecnologia" significa qualquer eletrônico, eletromecânico ou (3) termo de locação

Para efeito da cláusula (i) da alínea (A), no caso de arrendamento residencial, não será considerada qualquer opção de renovação pelo justo valor de mercado, apurado no momento da renovação.

De acordo com os regulamentos, um contribuinte pode manter uma ou mais contas de ativos gerais para qualquer propriedade à qual esta seção se aplica. Exceto conforme previsto nos regulamentos, todas as receitas realizadas em quaisquer (5) Mudanças no uso

O Secretário deverá, por meio de regulamentos, estabelecer o método de determinação da dedução permitida nos termos da seção 167 (a) com relação a qualquer propriedade tangível para qualquer ano tributável (e os anos tributáveis ​​seguintes) durante o qual tal propriedade muda de status sob esta seção, mas continua a ser realizada pela mesma pessoa.

No caso de qualquer propriedade transferida em uma transação descrita no subparágrafo (B), o cessionário deve ser tratado como o cedente para fins de cálculo da dedução de depreciação determinada nesta seção com relação a tanto da base nas mãos do cessionário como não exceda a base ajustada nas mãos do cedente. Em qualquer caso em que esta seção em vigor antes das alterações feitas pela seção 201 da Lei de Reforma Tributária de 1986 aplicada à propriedade nas mãos do cedente, a referência na frase anterior a esta seção deve ser tratada como uma referência a esta seção está em vigor.

De acordo com os regulamentos, os bens que são alienados e depois readquiridos pelo contribuinte devem ser tratados para fins de cálculo da dedução permitida na subseção (a) como se esses bens não tivessem sido alienados.

No caso de qualquer edifício erguido (ou melhorias feitas) em propriedade alugada, se tal edifício ou melhoria for propriedade a que esta seção se aplica, a dedução da depreciação deve ser determinada de acordo com as disposições desta seção.

Para o tratamento de propriedade imobiliária de longo prazo qualificada construída ou melhorada em conexão com dinheiro ou redução de aluguel do locador para o locatário, consulte a seção 110 (b).

Uma maneira pela qual os requisitos do subparágrafo (A) não são atendidos é se o contribuinte, para fins de fixação de taxas, usar um procedimento ou ajuste que seja incompatível com os requisitos do subparágrafo (A).

Os procedimentos e ajustes que devem ser tratados como inconsistentes para os fins da cláusula (i) devem incluir qualquer procedimento ou ajuste para fins de tarifação que use uma estimativa ou projeção das despesas fiscais do contribuinte, despesas de depreciação ou reserva para impostos diferidos nos termos do subparágrafo ( A) (ii) a menos que tal estimativa ou projeção também seja usada, para fins de fixação de taxas, com relação aos outros 2 itens e com relação à base da taxa.

O Secretário pode, por meio de regulamentos, prescrever procedimentos e ajustes (além daqueles especificados na cláusula (ii)) que devem ser tratados como inconsistentes para os fins da cláusula (i).

No caso de qualquer seção 167 (a), será um valor calculado usando o método e o período referidos no subparágrafo (A) (i).

O termo "pesquisa e experimentação" tem o mesmo significado que o termo pesquisa e experimental tem na seção 174.

Os termos "propriedade da seção 1245" e "propriedade da seção 1250" têm os significados dados a tais termos pelas seções 1245 (a) (3) e 1250 (c), respectivamente.

O termo “gado” inclui aves.

O termo “propriedade qualificada para aluguel próprio” significa propriedade mantida por um revendedor de aluguel próprio para fins de estar sujeito a um contrato de aluguel próprio.

O termo "revendedor de aluguel próprio" significa uma pessoa que, no curso normal dos negócios, regularmente celebra contratos de aluguel próprio com clientes para o uso de propriedade do consumidor, se uma parte substancial desses contratos terminar e o a propriedade é devolvida a essa pessoa antes do recebimento de todos os pagamentos necessários para transferir a propriedade da propriedade dessa pessoa para o cliente.

O termo “propriedade do consumidor” significa propriedade pessoal tangível de um tipo geralmente usado dentro de casa para uso pessoal.

Tal termo não incluirá qualquer equipamento de transporte, ativos de serviços administrativos, armazéns, prédios administrativos, hotéis ou motéis.

Tal termo não incluirá qualquer bem colocado em serviço após 31 de dezembro de 2020.

Para os fins da subseção (a), o período de recuperação aplicável para propriedade de reserva indígena qualificada deve ser determinado de acordo com a tabela contida no parágrafo (2) em vez da tabela contida na subseção (c).

Para os fins do parágrafo (1) -

No caso de:

Bens imóveis não residenciais

Para fins de determinação do rendimento tributável mínimo alternativo de acordo com a seção 55, a dedução de acordo com a subseção (a) para propriedade de reserva indígena qualificada deve ser determinada de acordo com esta seção, sem levar em consideração qualquer ajuste de acordo com a seção 56.

O subparágrafo (A) (ii) não se aplica a propriedade de infraestrutura qualificada localizada fora da reserva indígena se o objetivo de tal propriedade for conectar-se a propriedade de infraestrutura qualificada localizada dentro da reserva indígena.

Para os fins desta subseção, o aluguel a terceiros de bens imóveis localizados dentro de uma reserva indígena deve ser tratado como a conduta ativa de um comércio ou negócio dentro de uma reserva indígena.

Qualquer referência nesta subseção a uma disposição não contida neste título deve ser tratada para os fins desta subseção como uma referência a tal disposição em vigor na data da promulgação deste parágrafo.

Se um contribuinte fizer uma escolha de acordo com este parágrafo com relação a qualquer classe de bens em qualquer ano tributável, o parágrafo (1) não se aplicará a todos os bens de tal classe colocados em serviço durante esse ano tributável. Tal eleição, uma vez feita, será irrevogável.

Esta subseção não se aplica a bens colocados em serviço após 31 de dezembro de 2020.

No caso de um imóvel que seja 1º de janeiro de 2027.

Para os fins deste subparágrafo, o termo “(iv) Aplicação do subparágrafo

Este parágrafo não se aplica a nenhum bem descrito no subparágrafo (C).

No caso de um contribuinte fabricar, construir ou produzir propriedade para uso próprio do contribuinte, os requisitos da subcláusula (III) do subparágrafo (B) (i) serão tratados como cumpridos se o contribuinte começar a fabricar, construir ou produzir o propriedade antes de 1º de janeiro de 2027.

No caso de um automóvel de passageiros (conforme definido na seção 280F (d) (5)) que é propriedade qualificada, o Secretário deve aumentar a limitação da seção 280F (a) (1) (A) (i) em $ 8.000.

A dedução permitida de acordo com o parágrafo (1) deve ser levada em consideração no cálculo de qualquer valor de recaptura de acordo com a seção 280F (b) (2).

Para efeitos de determinação do rendimento tributável mínimo alternativo ao abrigo da secção 55, a dedução ao abrigo da secção 167 para (H) Produção colocada em serviço Para efeitos do subparágrafo (A) -

Uma eleição nos termos deste parágrafo só pode ser revogada com o consentimento do Secretário.

Se este parágrafo se aplica a qualquer planta especificada, tal planta especificada não deve ser tratada como (E) Dedução permitida no cálculo do imposto mínimo

Regras semelhantes às regras do parágrafo (2) (G) devem ser aplicadas para os fins deste parágrafo.

Se um contribuinte fizer uma escolha nos termos deste parágrafo com relação a qualquer classe de propriedade para qualquer ano tributável, os parágrafos (1) e (2) (F) não se aplicarão a qualquer (8) Redução gradual no caso de 28 de setembro de 2017 , e colocado em serviço pelo contribuinte após 27 de setembro de 2017, o parágrafo (6) será aplicado substituindo cada porcentagem nele-

Qualquer eleição nos termos deste parágrafo deverá ser feita no momento, na forma e na maneira que o Secretário possa prescrever.

Tal termo não incluirá nenhuma propriedade à qual se aplique a subseção (k).

Tal termo não incluirá qualquer propriedade descrita na subseção (k) (2) (D).

Tal termo não incluirá qualquer propriedade cuja parte seja financiada com o produto de qualquer obrigação cujos juros sejam isentos de imposto nos termos da seção 103.

Se um contribuinte fizer uma escolha nos termos deste subparágrafo com relação a qualquer classe de bens para qualquer ano tributável, esta subseção não se aplicará a todos os bens de tal classe colocados em serviço durante esse ano tributável.

Para os fins desta subseção, regras semelhantes às regras da subseção (k) (2) (E) devem ser aplicadas.

Para os fins desta subseção, regras semelhantes às regras da subseção (k) (2) (G) devem ser aplicadas.

Para os fins desta subseção, regras semelhantes às regras da seção 179 (d) (10) devem ser aplicadas com relação a qualquer propriedade de planta de biocombustível de segunda geração qualificada que deixe de ser propriedade de planta de biocombustível de segunda geração qualificada.

O termo “propriedade qualificada de reutilização e reciclagem” não deve incluir nenhuma propriedade à qual se aplique a subseção (k) (determinada sem levar em consideração o parágrafo (4)).

O termo "propriedade de reutilização e reciclagem qualificada" não deve incluir qualquer propriedade à qual se aplique o sistema de depreciação alternativo na subseção (g), determinado sem levar em conta o parágrafo (7) da subseção (g) (relativo à opção de aplicar o sistema).

Se um contribuinte fizer uma escolha sob esta cláusula com respeito a qualquer classe de propriedade para qualquer ano tributável, esta subseção não se aplicará a todos os bens em tal classe colocados em serviço durante tal ano tributável.

No caso de um contribuinte fabricar, construir ou produzir propriedade para uso próprio do contribuinte, os requisitos da cláusula (iv) do subparágrafo (A) serão tratados como cumpridos se o contribuinte começar a fabricar, construir ou produzir a propriedade após agosto 31, 2008.

Para fins de determinação do rendimento tributável mínimo alternativo de acordo com a seção 55, a dedução de acordo com a subseção (a) para reutilização qualificada e reciclagem de propriedade deve ser determinada de acordo com esta seção, sem levar em consideração qualquer ajuste de acordo com a seção 56.

O termo "propriedade de reutilização e reciclagem" significa qualquer máquina e equipamento (não incluindo edifícios ou imóveis), juntamente com todos os seus acessórios, incluindo software necessário para operar tal equipamento, que é usado exclusivamente para coletar, distribuir ou reciclar reutilização qualificada e materiais recicláveis.

Tal termo não inclui material rodante ou outro equipamento usado para transportar materiais reutilizáveis ​​e recicláveis.

O termo “reutilização qualificada e materiais recicláveis” significa sucata de plástico, sucata de vidro, sucata de têxteis, sucata de borracha, sucata de embalagem, fibra recuperada, sucata de metais ferrosos e não ferrosos ou sucata eletrônica gerada por um indivíduo ou empresa.

O termo "reciclagem" ou "reciclar" significa aquele processo (incluindo classificação) pelo qual materiais gastos ou supérfluos são fabricados ou processados ​​em commodities de grau de especificação que são adequados para uso como um substituto ou substituto para materiais virgens na fabricação de produtos comerciais e de consumo tangíveis , incluindo embalagem.

[1] Consulte as referências na nota do texto abaixo.

[3] Então, no original. A palavra “ou” provavelmente não deve aparecer.

O parágrafo (2) (D), referido na subseção. (b) (5), significa par. (2) (D) da subsec. (b) desta seção, que foi redesignada para o par. (2) (C) da subsec. (b) por Pub. L. 115–97, título I, § 13203 (b), 22 de dezembro de 2017, 131 Stat. 2109.

A data da promulgação da Lei de Reconciliação da Receita de 1990, referida nas subseções. (e) (3) (B) (vi) (II), (III), (g) (4) (K), e (i) (1), é a data de promulgação da Pub. L. 101–508, que foi aprovado em 5 de novembro de 1990.

A Seção 168 (e) em vigor antes das emendas feitas pela Lei de Reforma Tributária de 1986, mencionada na subseção. (f) (5) (A) (i), é subsec. (e) desta seção antes da alteração geral desta seção pelo Pub. L. 99–514.

A data da promulgação deste parágrafo, referida na subseção. (f) (5) (B) (ii) (I), provavelmente significa a data de promulgação da Pub. L. 99-514, que foi aprovado em 22 de outubro de 1986.

A Lei de Reforma Tributária de 1986, referida nas subseções. (f) (5) (B) (iii), (C) e (i) (7) (A), é Pub. L. 99–514, seção 201 (a) da qual emendou esta seção em geral.

O Communications Satellite Act de 1962, referido na subseção. (i) (10) (C), é Pub. L. 87-624, 31 de agosto de 1962, 76 Stat. 419, conforme alterado, que é geralmente classificado no capítulo 6 (§ 701 e seguintes) do Título 47, Telecomunicações. Para obter a classificação completa desta Lei para o Código, consulte a nota de título resumida definida na seção 701 do Título 47 e Tabelas.

A data da promulgação desta sentença, referida na subseção. (j) (6), é a data de promulgação da Pub. L. 105–34, que foi aprovado em 5 de agosto de 1997.

A data da promulgação deste parágrafo, referida na subseção. (j) (7), é a data de promulgação da Pub. L. 103–66, que foi aprovado em 10 de agosto de 1993.

A data da promulgação desta subseção, referida na subseção. (1) (2) (B), (C), é a data de promulgação da Pub. L. 109-432, que foi aprovado em 20 de dezembro de 2006.

Par. (3) da seção 165 (h), referida na subseção. (n) (3) (B), (C), foi revogado pela Pub. L. 113–295, div. A, título II, § 221 (a) (27) (A), 19 de dezembro de 2014, 128 Stat. 4040. No entanto, os termos “desastre declarado pelo governo federal” e “área de desastre” são definidos em outra parte dessa seção.

Bar. L. 110–234 e Pub. L. 110–246 fez emendas idênticas a esta seção. As alterações do Pub. L. 110-234 foram revogados pela seção 4 (a) do Pub. L. 110–246.

Uma seção anterior 168, atua em 16 de agosto de 1954, cap. 746, 68A Stat. 52, 26 de agosto de 1957, Pub. L. 85–165, § 4, 71 Stat. 414 2 de setembro de 1958, Pub. L. 85–866, título I, § 9 (a), (b), 72 Stat. 1608, 1609, relacionado a deduções com relação à amortização de instalações de emergência, antes da revogação pela Pub. L. 94–455, título XIX, § 1951 (b) (4) (A), 4 de outubro de 1976, 90 Stat. 1837.

Subsec. (e) (6) (A). Bar. L. 116–136, § 2307 (a) (1) (B), inserido “feito pelo contribuinte” após “qualquer melhoria”.

Subsec. (g) (3) (B). Bar. L. 116-136, § 2307 (a) (2), item eliminado da tabela relacionado ao subpar. (D) (v) e item da tabela inserido relacionado ao subpar. (E) (vii).

2019 - Subsec. (e) (3) (A) (i) (I). Bar. L. 116–94, § 114 (a) (1), substituiu “1 de janeiro de 2021” por “1 de janeiro de 2018”.

Subsec. (e) (3) (A) (i) (II). Bar. L. 116–94, § 114 (a) (2), substituído “31 de dezembro de 2020” por “31 de dezembro de 2017”.

Subsec. (i) (15) (D). Bar. L. 116–94, § 115 (a), substituiu “31 de dezembro de 2020” por “31 de dezembro de 2017”.

Subsec. (j) (9). Bar. L. 116–94, § 116 (a), substituiu “31 de dezembro de 2020” por “31 de dezembro de 2017”.

Subsec. (1) (2) (D). Bar. L. 116–94, § 130 (a), substituiu “1 de janeiro de 2021” por “1 de janeiro de 2018”.

2018 - Subsec. (d) (3) (B) (i). Bar. L. 115–141, § 401 (a) (49), inserida vírgula após “bens imóveis”.

Subsec. (e) (3) (A) (i) (I). Bar. L. 115–123, § 40304 (a) (1), substituiu “1 de janeiro de 2018” por “1 de janeiro de 2017”.

Subsec. (e) (3) (A) (i) (II). Bar. L. 115–123, § 40304 (a) (2), substituído “31 de dezembro de 2017” por “31 de dezembro de 2016”.

Subsec. (e) (3) (B). Bar. L. 115-141, § 302 (a) (2), substituído "subcláusula (I) ou (II) da cláusula (vi) por ser Pub. L. 115–141, § 302 (a) (1), substituído "tem uma capacidade de produção de energia não superior a 80 megawatts, ou" por "é uma pequena instalação de produção de energia qualificada na acepção da seção 3 (17) ( C) do Federal Power Act (16 USC 796 (17) (C)), em vigor em 1 de setembro de 1986, ou ”.

Subsec. (g) (4) (G). Bar. L. 115–141, § 401 (d) (1) (D) (iv), eliminado “(exceto uma corporação que tem uma eleição em vigor sob a seção 936)” após “corporação nacional”.

Subsec. (i) (15) (D). Bar. EU.115–123, § 40305 (a), substituído “31 de dezembro de 2017” por “31 de dezembro de 2016”.

Subsec. (j) (3). Bar. L. 115-141, § 101 (e) (1), Pub substituído. L. 115–141, § 101 (e) (2), substituiu “parágrafo (1)” por “esta subseção”.

Subsec. (j) (9). Bar. L. 115–123, § 40306 (a), substituído “31 de dezembro de 2017” por “31 de dezembro de 2016”.

Subsec. (k) (2) (B) (i) (III). Bar. L. 115–141, § 101 (d) (1), inserido “vinculação” antes de “contrato”.

Subsec. (k) (5) (B) (ii). Bar. L. 115–141, § 101 (d) (2), inserido “safra ou” após “mais de uma” e “uma safra comercial ou rendimento de” após “começa a produzir”.

Subsec. (1) (2) (D). Bar. L. 115–123, § 40412 (a), substituiu “1 de janeiro de 2018” por “1 de janeiro de 2017”.

Subsec. (n). Bar. L. 115–141, § 401 (b) (13) (A), eliminado subsec. (n) relacionados com subsídio especial para bens qualificados para assistência a desastres.

2017 — Subsec. (b) (2) (B) a (D). Bar. L. 115–97, § 13203 (b), parágrafos reformulados. (C) e (D) como (B) e (C), respectivamente, e eliminou o subpar anterior. (B) que tem a seguinte redação: “qualquer propriedade usada em uma empresa agrícola (dentro do significado da seção 263A (e) (4)),”.

Subsec. (b) (3) (G) a (I). Bar. L. 115–97, § 13204 (a) (2), adicionado subpar. (G) e eliminou os subpars anteriores. (G) a (I) que se lê da seguinte forma:

“(G) Propriedade de melhoria de propriedade arrendada qualificada descrita na subseção (e) (6).

“(H) Propriedade de restaurante qualificada descrita na subseção (e) (7).

“(I) Propriedade de melhoria de varejo qualificada descrita na subseção (e) (8).”

Subsec. (e) (3) (B) (vii). Bar. L. 115–97, § 13203 (a), substituído “após 31 de dezembro de 2017” por “após 31 de dezembro de 2008, e que é colocado em serviço antes de 1º de janeiro de 2010”.

Subsec. (e) (3) (E) (iv) a (ix). Bar. L. 115–97, § 13204 (a) (1) (A), cls redesignado. (vi) a (viii) como (iv) a (vi), respectivamente, e eliminou os antigos cls. (iv), (v) e (ix) que se lê como segue:

“(Iv) qualquer propriedade de melhoria de arrendamento qualificada,

“(V) qualquer restaurante qualificado,

“(Ix) qualquer propriedade de melhoria de varejo qualificada.”

Subsec. (e) (6). Bar. L. 115–97, § 13204 (a) (1) (B), (4) (B) (i), adicionado par. (6) e eliminou o par. (6) que definiu “propriedade de melhoria de arrendamento qualificada”.

Subsec. (e) (7), (8). Bar. L. 115–97, § 13204 (a) (1) (B), pars. (7) e (8) que definiram “propriedade de restaurante qualificada” e “propriedade de melhoria de varejo qualificada”, respectivamente.

Subsec. (g) (2) (C) (iii) a (v). Bar. L. 115–97, § 13204 (a) (3) (C), itens adicionados (iii) a (v) na tabela e eliminados os itens anteriores (iii) e (iv) que se relacionavam ao real não residencial e ao pub. L. 115–97, § 13204 (a) (3) (B), itens de tabela inseridos relacionados aos subpars. (D) (v) e (E) (iv) a (vi) e riscou os itens da tabela relacionados ao subpar. (E) (iv) a (ix).

Subsec. (i) (7) (B). Bar. L. 115–97, § 13504 (b) (1), eliminou as disposições finais que se lêem como segue: “O subparágrafo (A) não se aplica no caso de rescisão de uma parceria nos termos da seção 708 (b) (1) (B). ”

Subsec. (k). Bar. L. 115–97, § 13201 (b) (2) (B), riscado "adquirido depois de 31 de dezembro de 2007 e antes de 1 de janeiro de 2020" após "propriedade" no cabeçalho.

Subsec. (k) (1) (A). Bar. L. 115–97, § 13201 (a) (1) (A), substituído por “thePub. L. 115–97, § 13201 (g) (1), subcl. (4). Subcl. (IV) foi adicionado a cl. (i) após o subcl anterior. (IV) foi eliminado pelo Pub. L. 115–97, § 13204 (a) (4) (A), tendo em vista a redação do diretório que altera o cl. (i) “conforme alterado pela seção 13204”. Veja abaixo.

Bar. L. 115–97, § 13204 (a) (4) (A), eliminado subcl. (IV) que tem a seguinte redação: “which isPub. L. 115–97, § 13201 (g) (1), subcl. (V).

Subsec. (k) (2) (A) (ii). Bar. L. 115–97, § 13201 (c) (1), emendado cl. (ii) em geral. Antes da alteração, cl. (ii) leia o seguinte: “cujo uso original começa com o contribuinte, e”.

Subsec. (k) (2) (A) (iii). Bar. L. 115–97, § 13201 (b) (1) (A) (i), substituiu “1 de janeiro de 2027” por “1 de janeiro de 2020”.

Subsec. (k) (2) (B) (i) (II). Bar. L. 115–97, § 13201 (b) (1) (A) (ii) (I), substituiu “1 de janeiro de 2028” por “1 de janeiro de 2021”.

Subsec. (k) (2) (B) (i) (III). Bar. L. 115–97, § 13201 (b) (1) (A) (i), substituiu “1 de janeiro de 2027” por “1 de janeiro de 2020”.

Subsec. (k) (2) (B) (ii). Bar. L. 115–97, § 13201 (b) (1) (A) (ii) (II), substituiu “antes de 1º de janeiro de 2027” por “pré-1º de janeiro de 2020” no título.

Bar. L. 115–97, § 13201 (b) (1) (A) (i), substituiu “1 de janeiro de 2027” por “1 de janeiro de 2020”.

Subsec. (k) (2) (E) (i). Bar. L. 115–97, § 13201 (b) (1) (A) (i), substituiu “1 de janeiro de 2027” por “1 de janeiro de 2020”.

Subsec. (k) (2) (E) (ii). Bar. L. 115–97, § 13201 (c) (2), emendado cl. (ii) em geral. Antes da alteração, o texto era o seguinte: "Para os fins da cláusula (iii) e do subparágrafo (A) (ii), se a propriedade for-

“(I) originalmente colocado em serviço por uma pessoa, e

“(II) vendido e alugado de volta por tal pessoa dentro de 3 meses após a data em que tal propriedade foi originalmente colocada em serviço,

tal propriedade deve ser tratada como originalmente colocada em serviço, não antes da data em que tal propriedade é usada sob o relocação referido na subcláusula (II). ”

Subsec. (k) (2) (E) (iii) (I). Bar. L. 115–97, § 13201 (c) (3), subcl. (Eu geralmente. Antes da alteração subcl. (I) ler o seguinte: “a propriedade é originalmente colocada em serviço pelo locador de tal propriedade”.

Subsec. (k) (2) (F) (iii). Bar. L. 115–97, § 13201 (f), substituído por “adquirido pelo contribuinte antes de 28 de setembro de 2017 e colocado em serviço pelo contribuinte após 27 de setembro de 2017” por “colocado em serviço pelo contribuinte após 31 de dezembro de 2017 ”Nas disposições introdutórias.

Subsec. (k) (3). Bar. L. 115–97, § 13204 (a) (4) (B) (ii), eliminou o par. (3) que definiu a Pub. L. 115–97, § 12001 (b) (13), eliminou o par. (4) que se relacionava com a escolha de acelerar os créditos AMT em vez da depreciação de bônus.

Subsec. (k) (5) (A). Bar. L. 115–97, § 13201 (b) (1) (B), substituiu “1º de janeiro de 2027” por “1º de janeiro de 2020” nas disposições introdutórias.

"(I) no caso de uma planta que é plantada (ou enxertada) em 2018, '40 por cento 'e

"(Ii) no caso de uma planta que é plantada (ou enxertada) durante 2019, '30 por cento '."

“(A) no caso de bens colocados em serviço em 2018 (ou no caso de bens colocados em serviço em 2019 e descritos no parágrafo (2) (B) ou (C) (determinado substituindo '2019' por '2020 'nos parágrafos (2) (B) (i) (III) e (ii) e no parágrafo (2) (E) (i)),' 40 por cento ',

“(B) no caso de bens colocados em serviço em 2019 (ou no caso de bens colocados em serviço em 2020 e descritos no parágrafo (2) (B) ou (C),‘ 30 por cento ’.”

2015 — Subsec. (e) (3) (A) (i) (I). Bar. L. 114-113, § 165 (a) (1), substituído por “1 de janeiro de 2017” por “1 de janeiro de 2015”.

Subsec. (e) (3) (A) (i) (II). Bar. L. 114-113, § 165 (a) (2), substituído “31 de dezembro de 2016” por “31 de dezembro de 2014”.

Subsec. (e) (3) (E) (iv), (v). Bar. L. 114-113, § 123 (a), eliminado “colocado em serviço antes de 1º de janeiro de 2015” após “propriedade”.

Subsec. (e) (3) (E) (ix). Bar. L. 114-113, § 123 (b), eliminado “colocado em serviço depois de 31 de dezembro de 2008 e antes de 1º de janeiro de 2015” após “propriedade”.

Subsec. (e) (6). Bar. L. 114-113, § 143 (b) (6) (A), nas disposições introdutórias, substituído "Para os fins desta subseção" por "O termo 'propriedade de melhoria de arrendamento qualificada' tem o significado dado a tal termo na seção 168 (k) (3) exceto que as seguintes regras especiais se aplicam: ”subpares adicionados. (A) a (C) e subpars anteriores redesignados. (A) e (B) como (D) e (E), respectivamente e, no subpar. (E), substituiu “subparágrafo (D)” por “subparágrafo (A)” nas disposições introdutórias.

Subsec. (e) (7) (B). Bar. L. 114-113, § 143 (b) (6) (B), Pub substituído. L. 114-113, § 143 (b) (6) (C), eliminado subpar. (D). O texto diz o seguinte: “A propriedade descrita neste parágrafo que não seja uma propriedade de melhoria de propriedade arrendada qualificada não deve ser considerada Pub. L. 114-113, § 166 (a), substituiu “31 de dezembro de 2016” por “31 de dezembro de 2014”.

Subsec. (j) (8). Bar. L. 114-113, § 167 (b), adicionado par. (8). Par anterior. (8) redesignado (9).

Bar. L. 114-113, § 167 (a), substituiu “31 de dezembro de 2016” por “31 de dezembro de 2014”.

Subsec. (j) (9). Bar. L. 114-113, § 167 (b), par. (8) como (9).

Subsec. (k). Bar. L. 114-113, § 143 (b) (6) (J), substituído "e antes de 1 de janeiro de 2020" por "e antes de 1 de janeiro de 2016" no título.

Bar. L. 114-113, § 143 (a) (4) (A), substituiu “1º de janeiro de 2016” por “1º de janeiro de 2015” no título.

Subsec. (k) (2). Bar. L. 114-113, § 143 (b) (1), par. (2) em geral. Antes da alteração, par. (2) relacionado ao significado de Pub. L. 114-113, § 143 (a) (1) (B), substituiu “1 de janeiro de 2016” por “1 de janeiro de 2015” onde quer que apareça.

Subsec. (k) (2) (A) (iv). Bar. L. 114-113, § 143 (a) (1) (A), substituiu “1 de janeiro de 2017” por “1 de janeiro de 2016”.

Subsec. (k) (2) (B) (ii). Bar. L. 114-113, § 143 (a) (4) (B), substituído “antes de 1º de janeiro de 2016” por “antes de 1º de janeiro de 2015” no título.

Subsec. (k) (3). Bar. L. 114-113, § 143 (b) (2), par. (3) em geral. Antes da alteração, par. (3) relacionado ao significado de propriedade de melhoria de arrendamento qualificada para fins de subsec. (k).

Subsec. (k) (4). Bar. L. 114-113, § 143 (b) (3), par. (4) em geral. Antes da alteração, par. (4) relacionado à eleição para acelerar o AMT e créditos de pesquisa em vez de depreciação de bônus.

Subsec. (k) (4) (D) (iii) (II). Bar. L. 114-113, § 143 (a) (3) (A), substituiu “1 de janeiro de 2016” por “1 de janeiro de 2015”.

Subsec. (1) (2) (D). Bar. L. 114-113, § 189 (a), substituiu “1º de janeiro de 2017” por “1º de janeiro de 2015”.

Subsec. (1) (3) (A). Bar. L. 114-113, § 143 (b) (6) (E) (i), substituiu “subseção (k)” por “seção 168 (k)”.

Subsec. (1) (3) (B). Bar. L. 114-113, § 143 (b) (6) (E) (ii), substituiu "subseção (k) (2) (D)" por "seção 168 (k) (2) (D) (i) ”.

Subsec. (1) (4). Bar. L. 114-113, § 143 (b) (6) (F), substituída "subseção (k) (2) (E) será aplicável." para o "subparágrafo (E) da seção 168 (k) (2) será aplicável, exceto que tal subparágrafo será aplicado—

“(A) substituindo 'a data da promulgação da subseção (l)' por '31 de dezembro de 2007' em cada lugar que aparece nele, e

“(B) substituindo 'Subsec. (1) (5). Bar. L. 114-113, § 143 (b) (6) (G), substituiu “subseção (k) (2) (G)” por “seção 168 (k) (2) (G)”.

2014 — Subsec. (b) (5). Bar. L. 113–295, § 210 (g) (2) (A), substituiu “parágrafo (2) (D)” por “parágrafo (2) (C)”.

Subsec. (e) (3) (A) (i) (I). Bar. L. 113–295, § 121 (a) (1), substituiu “1 de janeiro de 2015” por “1 de janeiro de 2014”.

Subsec. (e) (3) (A) (i) (II). Bar. L. 113–295, § 121 (a) (2), substituído “31 de dezembro de 2014” por “31 de dezembro de 2013”.

Subsec. (e) (3) (E) (iv), (v), (ix). Bar. L. 113–295, § 122 (a), substituiu “1º de janeiro de 2015” por “1º de janeiro de 2014”.

Subsec. (e) (7) (B), (8) (D). Bar. L. 113–295, § 211 (b), inserido “que não é propriedade de melhoria de arrendamento qualificada” após “Propriedade descrita neste parágrafo”.

Subsec. (i) (15) (D). Bar. L. 113–295, § 123 (a), substituiu “31 de dezembro de 2014” por “31 de dezembro de 2013”.

Subsec. (i) (18) (A) (ii), (19) (A) (ii). Bar. L. 113–295, § 210 (c), substituiu “16 anos” por “10 anos”.

Subsec. (j) (8). Bar. L. 113–295, § 124 (a), substituiu “31 de dezembro de 2014” por “31 de dezembro de 2013”.

Subsec. (k). Bar. L. 113–295, § 125 (d) (1), substituiu “1º de janeiro de 2015” por “1º de janeiro de 2014” no título.

Subsec. (k) (2). Bar. L. 113–295, § 125 (a) (2), substituiu “1º de janeiro de 2015” por “1º de janeiro de 2014” onde quer que apareça.

Subsec. (k) (2) (A) (iv). Bar. L. 113–295, § 125 (a) (1), substituiu “1 de janeiro de 2016” por “1 de janeiro de 2015”.

Subsec. (k) (2) (B) (i) (IV). Bar. L. 113–295, § 214 (b), substituída por “cláusula também se aplica” por “cláusulas também se aplicam”.

Subsec. (k) (2) (B) (ii). Bar. L. 113–295, § 125 (d) (2), substituído “pré-1º de janeiro de 2015” por “pré-1º de janeiro de 2014” no título.

Subsec. (k) (4) (C) (i). Bar. L. 113–295, § 210 (g) (2) (B), substituiu “subseção (b) (2) (D)” por “subseção (b) (2) (C)” nas disposições finais.

Subsec. (k) (4) (D) (iii) (II). Bar. L. 113–295, § 125 (c) (1), substituído “1 de janeiro de 2015” por “1 de janeiro de 2014”.

Subsec. (k) (4) (E) (iv). Bar. L. 113–295, § 212 (b), substituiu “imposto mínimo líquido ajustado” por “imposto mínimo ajustado”.

Subsec. (k) (4) (J) (iii). Bar. L. 113–295, § 202 (e), substituiu “seu primeiro ano fiscal encerrado após 31 de dezembro de 2010” por “qualquer ano fiscal encerrado após 31 de dezembro de 2010” nas disposições introdutórias.

Subsec. (1) (2) (D). Bar. L. 113–295, § 157 (a), substituiu “1º de janeiro de 2015” por “1º de janeiro de 2014”.

Subsec. (m) (2) (B) (i). Bar. L. 113–295, § 210 (d), substituiu "subseção (k) (determinado sem levar em consideração o parágrafo (4))" por "seção 168 (k)".

Subsec. (n) (2) (C) (ii). Bar. L. 113–295, § 125 (d) (3), substituído “1 de janeiro de 2015” por “1 de janeiro de 2014”.

2013 — Subsec. (e) (3) (E) (iv), (v), (ix). Bar. L. 112–240, § 311 (a), substituiu “1º de janeiro de 2014” por “1º de janeiro de 2012”.

Subsec. (i) (9) (A) (ii). Bar. L. 112–240, § 331 (d), inserido “(respeitando todas as escolhas feitas pelo contribuinte de acordo com esta seção)” após “tal propriedade”.

Subsec. (i) (15) (D). Bar. L. 112–240, § 312 (a), substituído “31 de dezembro de 2013” ​​por “31 de dezembro de 2011”.

Subsec. (j) (8). Bar. L. 112–240, § 313 (a), substituído “31 de dezembro de 2013” ​​por “31 de dezembro de 2011”.

Subsec. (k). Bar. L. 112–240, § 331 (e) (1), substituiu “1º de janeiro de 2014” por “1º de janeiro de 2013” ​​no título.

Subsec. (k) (2). Bar. L. 112–240, § 331 (a) (2), substituiu “1 de janeiro de 2014” por “1 de janeiro de 2013” ​​onde quer que apareça.

Subsec. (k) (2) (A) (iv). Bar. L. 112–240, § 331 (a) (1), substituiu “1 de janeiro de 2015” por “1 de janeiro de 2014”.

Subsec. (k) (2) (B) (ii). Bar. L. 112–240, § 331 (e) (2), substituiu “pré-1º de janeiro de 2014” por “pré-1º de janeiro de 2013” ​​no título.

Subsec. (eu). Bar. L. 112–240, § 410 (b) (2) (C), substituiu “segunda geração” por “celulósico” no cabeçalho.

Bar. L. 112–240, § 410 (b) (2) (A), substituiu “biocombustível de segunda geração” por “biocombustível celulósico” onde quer que apareça no texto.

Subsec. (l) (2). Bar. L. 112–240, § 410 (b) (2) (D), substituiu “segunda geração” por “celulósico” no cabeçalho.

Subsec. (1) (2) (A). Bar. L. 112–240, § 410 (b) (1), substituído “somente para produzir biocombustível de segunda geração (conforme definido na seção 40 (b) (6) (E))” por “somente para produzir biocombustível celulósico”.

Subsec. (1) (2) (D). Bar. L. 112–240, § 410 (a) (1), substituiu “1 de janeiro de 2014” por “1 de janeiro de 2013”.

Subsec. (I) (3) a (8). Bar. L. 112–240, § 410 (b) (2) (B), pars redesignado. (4) a (8) como (3) a (7), respectivamente, e eliminou o par. (3). O texto diz o seguinte: “O termo‘ biocombustível celulósico ’significa qualquer combustível líquido produzido a partir de qualquer matéria lignocelulósica ou hemicelulósica que esteja disponível de forma renovável ou recorrente.”

Subsec. (n) (2) (C) (ii). Bar. L. 112–240, § 331 (e) (3), substituiu “1 de janeiro de 2014” por “1 de janeiro de 2013”.

2010 — Subsec. (e) (3) (E) (iv), (v), (ix). Bar. L. 111–312, § 737 (a), substituiu “1º de janeiro de 2012” por “1º de janeiro de 2010”.

Subsec. (e) (7) (A) (i). Bar. L. 111–312, § 737 (b) (1), eliminado “se tal edifício for colocado em serviço depois de 31 de dezembro de 2008 e antes de 1º de janeiro de 2010”, após “edifício”.

Subsec. (e) (8) (E). Bar. L. 111–312, § 737 (b) (2), eliminado subpar. (E). O texto diz o seguinte: "Tal termo não incluirá qualquer melhoria colocada em serviço após 31 de dezembro de 2009."

Subsec. (i) (15) (D). Bar. L. 111–312, § 738 (a), substituiu “31 de dezembro de 2011” por “31 de dezembro de 2009”.

Subsec. (j) (8). Bar. L. 111–312, § 739 (a), substituiu “31 de dezembro de 2011” por “31 de dezembro de 2009”.

Subsec. (k). Bar. EU.111–312, § 401 (d) (1), substituiu “1º de janeiro de 2013” ​​por “1º de janeiro de 2011” no título.

Bar. L. 111–240, § 2022 (b) (1), substituiu “1º de janeiro de 2011” por “1º de janeiro de 2010” no título.

Subsec. (k) (2) (A) (iii). Bar. L. 111–312, § 401 (a) (2), substituiu “1º de janeiro de 2013” ​​por “1º de janeiro de 2011” nos subcls. (I) e (II).

Bar. L. 111–240, § 2022 (a) (2), substituiu “1º de janeiro de 2011” por “1º de janeiro de 2010” nos subcls. (I) e (II).

Subsec. (k) (2) (A) (iv). Bar. L. 111–312, § 401 (a), substituiu “1º de janeiro de 2013” ​​por “1º de janeiro de 2011” e “1º de janeiro de 2014” por “1º de janeiro de 2012”.

Bar. L. 111–240, § 2022 (a), substituiu “1º de janeiro de 2011” por “1º de janeiro de 2010” e “1º de janeiro de 2012” por “1º de janeiro de 2011”.

Subsec. (k) (2) (B) (ii). Bar. L. 111–312, § 401 (a) (2), (d) (2), substituído por "antes de 1 ° de janeiro de 2013" por "antes de 1 ° de janeiro de 2011" no título e "1 ° de janeiro de 2013" por “1º de janeiro de 2011” no texto.

Bar. L. 111–240, § 2022 (a) (2), (b) (2), substituído "antes de 1º de janeiro de 2011" por "antes de 1º de janeiro de 2010" no título e "1º de janeiro de 2011" por “1º de janeiro de 2010” no texto.

Subsec. (k) (2) (E) (i). Bar. L. 111–312, § 401 (a) (2), substituiu “1º de janeiro de 2013” ​​por “1º de janeiro de 2011”.

Bar. L. 111–240, § 2022 (a) (2), substituiu “1º de janeiro de 2011” por “1º de janeiro de 2010”.

Subsec. (k) (4) (D) (iii). Bar. L. 111–312, § 401 (d) (3) (C), ponto substituído por vírgula no final.

Bar. L. 111–312, § 401 (c) (1), substituído "ou produção" por "ou produção após 31 de março de 2008 e antes de 1 de janeiro de 2010, deve ser levado em consideração no subparágrafo (B) (ii ) disso ”, e subcls adicionados. (I) e (II) e disposições finais.

Subsec. (k) (4) (D) (iv), (v). Bar. L. 111–312, § 401 (d) (3) (A), riscado cls. (iv) e (v) que se lê da seguinte forma:

“(Iv) '1 ° de janeiro de 2011' deve ser substituído por '1 ° de janeiro de 2012' no subparágrafo (A) (iv) do mesmo, e

"(V) '1 ° de janeiro de 2010' deve ser substituído por '1 ° de janeiro de 2011' em cada lugar que apareça no subparágrafo (A)."

Subsec. (1) (5) (B). Bar. L. 111–312, § 401 (d) (4) (B), (C), subpar. (C) como (B) e eliminou o subpar anterior. (B) que diz o seguinte: "substituindo '1 ° de janeiro de 2013' por '1 ° de janeiro de 2011' na cláusula (i) do mesmo, e".

Bar. L. 111–240, § 2022 (b) (4), substituiu “1º de janeiro de 2011” por “1º de janeiro de 2010”.

Subsec. (n) (2) (C) (ii). Bar. L. 111–312, § 401 (d) (5), substituiu “1º de janeiro de 2013” ​​por “1º de janeiro de 2011”.

Bar. L. 111–240, § 2022 (b) (5), substituiu “1º de janeiro de 2011” por “1º de janeiro de 2010”.

2009 — Subsec. (k). Bar. L. 111-5, § 1201 (a) (2) (A), substituiu “1º de janeiro de 2010” por “1º de janeiro de 2009” no título.

Subsec. (k) (2) (A) (iii) (I), (II). Bar. L. 111–5, § 1201 (a) (1) (B), substituiu “1º de janeiro de 2010” por “1º de janeiro de 2009”.

Subsec. (k) (2) (A) (iv). Bar. L. 111–5, § 1201 (a) (1), substituiu “1º de janeiro de 2010” por “1º de janeiro de 2009” e “1º de janeiro de 2011”. para “1º de janeiro de 2010”.

Subsec. (k) (2) (B) (ii). Bar. L. 111–5, § 1201 (a) (1) (B), (2) (B), substituiu “antes de 1º de janeiro de 2010” por “antes de 1º de janeiro de 2009” no título e “1º de janeiro, 2010 ”para“ 1º de janeiro de 2009 ”no texto.

Subsec. (k) (2) (E) (i). Bar. L. 111-5, § 1201 (a) (1) (B), substituiu “1º de janeiro de 2010” por “1º de janeiro de 2009”.

Subsec. (k) (4) (D) (ii). Bar. L. 111-5, § 1201 (a) (3) (A) (i), (iii), adicionado cl. (ii). Ex-cl. (ii) redesignado (iii).

Subsec. (1) (5) (B). Bar. L. 111–5, § 1201 (a) (2) (C), substituiu “1º de janeiro de 2010” por “1º de janeiro de 2009”.

Subsec. (n) (2) (C) (ii). Bar. L. 111-5, § 1201 (a) (2) (D), substituiu “1º de janeiro de 2010” por “1º de janeiro de 2009”.

2008 — Subsec. (b) (2) (C), (D). Bar. L. 110–343, § 306 (c), adicionado subpar. (C) e subpar anterior redesignado. (C) como (D).

Subsec. (e) (3) (A) (i). Bar. L. 110–246, § 15344 (a), emendou cl. (Eu geralmente. Antes da alteração, cl. (i) leia o seguinte: “qualquer cavalo de corrida com mais de 2 anos de idade no momento em que é colocado em serviço”.

Subsec. (e) (3) (E) (iv), (v). Bar. L. 110–343, § 305 (a) (1), substituiu “1º de janeiro de 2010” por “1º de janeiro de 2008”.

Subsec. (e) (7). Bar. L. 110–343, § 305 (b) (1), título reencenado sem alteração e texto emendado em geral. Antes da alteração, o texto dizia o seguinte: “O termo 'estabelecimento de restaurante qualificado' significa qualquer pub. L. 110–343, § 305 (c) (2), par. (8).

Subsec. (g) (3) (B). Bar. L. 110–343, § 505 (b), item de tabela inserido relacionado ao subpar. (B) (vii).

Bar. L. 110–343, § 305 (c) (4), item de tabela inserido relacionado ao subpar. (E) (ix).

Subsec. (i) (15) (D). Bar. L. 110–343, § 317 (a), substituiu “31 de dezembro de 2009” por “31 de dezembro de 2007”.

Subsec. (j) (8). Bar. L. 110–343, § 315 (a), substituiu “31 de dezembro de 2009” por “31 de dezembro de 2007”.

Subsec. (k). Bar. L. 110–185, § 103 (c) (11), substituiu “31 de dezembro de 2007” por “10 de setembro de 2001” e “1º de janeiro de 2009” por “1º de janeiro de 2005” no título.

Bar. L. 110–185, § 103 (a) (1), (3), substituiu "31 de dezembro de 2007" por "10 de setembro de 2001" e "1 de janeiro de 2009" por "1 de janeiro de 2005", sempre que aparecer em texto.

Subsec. (k) (1) (A). Bar. L. 110–185, § 103 (b), substituiu “50 por cento” por “30 por cento”.

Subsec. (k) (2) (A) (iii) (I). Bar. L. 110–185, § 103 (a) (2), substituiu “1º de janeiro de 2008” por “11 de setembro de 2001”.

Subsec. (k) (2) (A) (iv). Bar. L. 110–185, § 103 (a) (4), substituiu “1º de janeiro de 2010” por “1º de janeiro de 2006”.

Subsec. (k) (2) (B) (i) (I). Bar. L. 110–185, § 103 (c) (1), substituído por “(iii) e (iv)” por “e (iii)”.

Subsec. (k) (2) (B) (i) (IV). Bar. L. 110–185, § 103 (c) (2), que direcionou a substituição de "cláusula (iii)" por "cláusulas (ii) e (iii)", foi executado substituindo "cláusula (iii)" por "cláusula (ii) ou (iii) ”para refletir a intenção provável do Congresso.

Subsec. (k) (2) (B) (ii). Bar. L. 110–185, § 103 (c) (12), substituiu “pré-1º de janeiro de 2009” por “pré-1º de janeiro de 2005” no cabeçalho.

Subsec. (k) (2) (C) (i). Bar. L. 110–185, § 103 (c) (3), substituído “, (iii) e (iv)” por “e (iii)”.

Subsec. (k) (2) (D) (iii). Bar. L. 110–185, § 103 (c) (5) (B), eliminou a última frase que diz o seguinte: “A frase anterior deve ser aplicada separadamente com respeito a propriedade tratada como Pub. L. 110–185, § 103 (c) (4), substituiu “$ 8.000” por “$ 4.600”.

Bar. L. 110–185, § 103 (c) (5) (A), eliminou o par. (4) que se relacionava ao tratamento de depreciação de bônus de 50 por cento para certa propriedade.

Subsec. (k) (4) (B) (iii). Bar. L. 110–185, § 103 (a) (4), substituiu “1º de janeiro de 2010” por “1º de janeiro de 2006”.

Subsec. (eu). Bar. L. 110–343, § 201 (b) (1), (2), substituiu “biocombustível celulósico” por “etanol de biomassa celulósico” no título e onde quer que apareça no texto.

Subsec. (l) (2). Bar. L. 110–343, § 201 (b) (3), substituiu “biocombustível celulósico” por “etanol de biomassa celulósica” no cabeçalho.

Subsec. (l) (3). Bar. L. 110–343, § 201 (a), título e texto emendados do par. (3) em geral. Antes da alteração, o texto dizia o seguinte: “Para os fins desta subseção, o termo‘ etanol de biomassa celulósica ’significa etanol produzido por hidrólise de qualquer matéria lignocelulósica ou hemicelulósica que esteja disponível em uma base renovável ou recorrente.”

Subsec. (1) (4). Bar. L. 110–185, § 103 (c) (6), subpar. (A) e subpars anteriores redesignados. (A) a (C) como (B) a (D), respectivamente.

Subsec. (1) (5) (A). Bar. L. 110–185, § 103 (c) (7) (A), substituiu “31 de dezembro de 2007” por “10 de setembro de 2001”.

Subsec. (1) (5) (B). Bar. L. 110–185, § 103 (c) (7) (B), substituiu “1º de janeiro de 2009” por “1º de janeiro de 2005”.

2007 — Subsec. (l) (3). Bar. L. 110-172 eliminou "enzimático" antes da "hidrólise".

2006 — Subsec. (e) (3) (E) (iv), (v). Bar. L. 109-432, § 113 (a), substituiu “2008” por “2006”.

Subsec. (j) (8). Bar. L. 109-432, § 112 (a), substituiu “2007” por “2005”.

2005 — Subsec. (e) (3) (B) (vi) (I). Bar. L. 109-135, § 410 (a), substituído "se 'energia solar ou eólica' fosse substituída por 'energia solar' na cláusula (i) deste" por "se 'solar e eólica' fossem substituídos por 'solar' em cláusula (i) da mesma ”.

Bar. L. 109–58, § 1301 (f) (5), subcl. (Eu geralmente. Antes da alteração, subcl. (I) leia o seguinte: "é descrito no subparágrafo (A) da seção 48 (a) (3) (ou seria descrito se 'solar e eólica' fossem substituídos por 'solar' na cláusula (i) deste), ”.

Subsec. (e) (3) (C) (iv), (v). Bar. L. 109–58, § 1326 (a), adicionado cl. (iv) e redesignado antigo cl. (iv) como (v).

Subsec. (g) (3) (B). Bar. L. 109–58, § 1326 (c), item de tabela inserido relacionado ao subpar. (C) (iv).

Bar. L. 109–58, § 1325 (b), item de tabela inserido relacionado ao subpar. (E) (viii).

Bar. L. 109–58, § 1308 (b), item de tabela inserido relacionado ao subpar. (E) (vii).

Subsec. (i) (15) (D). Bar. L. 109–135, § 412 (s), substituído por “Esse termo não deve incluir” por “Este parágrafo não se aplica a”.

Subsec. (k) (2) (A) (iv). Bar. L. 109–135, § 403 (j) (1), substituiu “subparágrafo (B) ou (C)” por “subparágrafos (B) e (C)”.

Subsec. (k) (4) (B) (ii). Bar. L. 109–135, § 405 (a) (1), emendado cl. (ii) em geral. Antes da alteração, cl. (ii) leia o seguinte: “que é adquirido pelo contribuinte após 5 de maio de 2003 e antes de 1 de janeiro de 2005, mas somente se nenhum contrato vinculante por escrito para a aquisição estiver em vigor antes de 6 de maio de 2003, e”.

Subsec. (k) (4) (B) (iii). Bar. L. 109–135, § 403 (j) (2), substituído “ou parágrafo (2) (C) (conforme modificado)” por “e parágrafo (2) (C)”.

2004 — Subsec. (b) (2) (A). Bar. L. 108-357, § 211 (d) (2), inserido "não referido no parágrafo (3)" antes da vírgula no final.

Subsec. (e) (3) (C) (ii). Bar. L. 108–357, § 704 (a), adicionado cl. (ii). Ex-cl. (ii) redesignado (iii).

Subsec. (e) (3) (C) (iii). Bar. L. 108-357, § 706 (a), adicionado cl. (iii). Ex-cl. (iii) redesignado (iv).

Subsec. (e) (3) (C) (iv). Bar. L. 108-357, § 706 (a), cl. (iii) como (iv).

Subsec. (g) (3) (A). Bar. L. 108-357, § 847 (a), inserido “(não obstante qualquer outro parágrafo deste parágrafo)” após “deverá”.

Subsec. (g) (3) (B). Bar. L. 108–357, § 901 (c), itens de tabela inseridos relacionados aos subpars. (E) (vi) e (F).

Bar. L. 108-357, § 706 (c), que direcionou a alteração da tabela ao inserir o item relacionado ao subpar. (C) (iii) após o item relacionado ao subpar. (C) (ii), foi executado fazendo a inserção após o item relacionado ao subpar. (C) (i) para refletir a intenção provável do Congresso.

Bar. L. 108-357, § 211 (e), itens de tabela inseridos relacionados aos subpars. (E) (iv) e (E) (v).

Subsec. (h) (2) (A). Bar. L. 108-357, § 847 (e), adicionado cl. (iv) e disposições finais.

Subsec. (h) (3) (A). Bar. L. 108-357, § 847 (d), inserido no final "Não obstante a subseção (i) (3) (A) (i), na determinação de aPub. L. 108-357, § 847 (c), adicionado cl. (ii) e redesignado antigo cl. (ii) como (iii).

Subsec. (j) (8). Bar. L. 108–311, § 316, substituiu “2005” por “2004”.

Subsec. (k) (2) (A) (iv). Bar. L. 108-357, § 336 (a) (2), substituiu “subparágrafos (B) e (C)” por “subparágrafo (B)”.

Subsec. (k) (2) (B) (i). Bar. L. 108–311, § 403 (a) (1), título reencenado sem alteração e texto emendado em geral. Antes da alteração, o texto é o seguinte: "O termo seção 263A em razão da cláusula (ii) ou (iii) da subseção (f) (1) (B) da mesma."

Subsec. (k) (2) (C). Bar. L. 108–357, § 336 (a) (1), subpar. (C). Subpar anterior. (C) redesignado (D).

Subsec. (k) (2) (D). Bar. L. 108-357, § 336 (a) (1), subpar. (C) como (D). Subpar anterior. (D) redesignado (E).

Subsec. (k) (2) (D) (ii). Bar. L. 108-311, § 408 (a) (6) (A), inserido "é" depois de "se propriedade" nas disposições introdutórias.

Bar. L. 108–311, § 403 (a) (2) (B), inserido “cláusula (iii) e” antes do “subparágrafo (A) (ii)” nas disposições introdutórias.

Subsec. (k) (2) (D) (ii) (I). Bar. L. 108–311, § 408 (a) (6) (B), eliminado “é” antes de “originalmente”.

Subsec. (k) (2) (E). Bar. L. 108–357, § 336 (a) (1), subpar. (D) como (E). Subpar anterior. (E) redesignado (F).

Subsec. (k) (2) (E) (iii) (II). Bar. L. 108-357, § 337 (a), que direcionou a alteração do subcl. (II) inserindo antes da vírgula no final “(ou, no caso de unidades múltiplas de propriedade sujeitas ao mesmo Congresso.

Subsec. (k) (2) (F). Bar. L. 108-357, § 336 (a) (1), subpar. (E) como (F). Subpar anterior. (F) redesignado (G).

Bar. L. 108–311, § 408 (a) (8), substituiu “mínimo” por “mínimo” no cabeçalho.

Subsec. (k) (4) (A) (ii). Bar. L. 108-357, § 336 (b) (2), substituiu “parágrafo (2) (D)” por “parágrafo (2) (C)”.

Subsec. (k) (4) (B) (iii). Bar. L. 108-357, § 336 (b) (3), inserido “e parágrafo (2) (C)” após “deste parágrafo)”.

Subsec. (k) (4) (C). Bar. L. 108–357, § 336 (b) (4), substituiu “subparágrafos (B), (C) e (E)” por “subparágrafos (B) e (D)”.

Subsec. (k) (4) (D). Bar. L. 108–357, § 336 (b) (5), substituiu “Parágrafo (2) (F)” por “Parágrafo (2) (E)”.

2003 — Subsec. (k). Bar. L. 108–27, § 201 (c) (1), substituiu “1 de janeiro de 2005” por “11 de setembro de 2004” no cabeçalho.

Subsec. (k) (2) (A) (iii). Bar. L. 108–27, § 201 (b) (2), substituiu “1 de janeiro de 2005” por “11 de setembro de 2004” nos subcls. (I) e (II).

Subsec. (k) (2) (B) (ii). Bar. L. 108–27, § 201 (b) (1), substituiu "pré-1 ° de janeiro de 2005" por "pré-11 de setembro de 2004" no título e "1 ° de janeiro de 2005" por "11 de setembro de 2004" no texto.

Subsec. (k) (2) (C) (iii). Bar. L. 108–27, § 201 (b) (3), inserido no final “A sentença anterior deve ser aplicada separadamente com relação à propriedade tratada como Pub. L. 108–27, § 201 (b) (1) (A), substituiu “1 de janeiro de 2005” por “11 de setembro de 2004”.

2002 — Subsec. (j) (8). Bar. L. 107–147, § 613 (b), substituiu “31 de dezembro de 2004” por “31 de dezembro de 2003”.

1998 — Subsec. (c). Bar. L. 105–206, § 6006 (b) (2), subsec. título sem alteração e substituído "Para os fins desta seção, o período de recuperação aplicável será determinado de acordo com a seguinte tabela:" para "Para os fins desta seção—

“(1) Em geral. - Exceto conforme disposto no parágrafo (2), o período de recuperação aplicável será determinado de acordo com a seguinte tabela:”.

Subsec. (c) (2). Bar. L. 105–206, § 6006 (b) (1), cabeçalho riscado e texto do par. (2) O texto diz o seguinte: "No caso de propriedade à qual se aplica uma opção nos termos da subseção (b) (2) (C), o período de recuperação aplicável deve ser determinado de acordo com a tabela contida na subseção (g) (2) (C) . ”

Subsec. (g) (3) (B). Bar. L. 105–34, § 1086 (b) (2), item de tabela inserido relacionado ao subpar.(A) (iii).

Subsec. (j) (6). Bar. L. 105–34, § 1604 (c) (1), inseriu as disposições finais "Para os fins da frase anterior, tal seção 3 (d) deve ser aplicada tratando o termo 25 CFR Parte 151 (como em vigor na data da promulgação desta frase). ”

Subsec. (c) (1). Bar. L. 104–188, § 1613 (b) (2), item de tabela inserido relacionado ao Pub. L. 104–188, § 1702 (h) (1) (B), inseriu disposições de fechamento.

Subsec. (e) (3) (B) (vi) (I). Bar. L. 104-188, § 1704 (t) (54), desde que a seção 11813 (b) (9) (A) (i) da Pub. L. 101–508 deve ser aplicado como se uma vírgula aparecesse após “(3) (A) (ix)” no material proposto para ser riscado. Consulte a nota de alteração de 1990 abaixo.

Subsec. (e) (3) (F). Bar. L. 104-188, § 1613 (b) (3) (B) (i), riscado subpar. (F) que diz o seguinte: “Propriedade de 20 anos. - O termo Pub. L. 104–188, § 1613 (b) (3) (A), adicionado par. (5).

Subsec. (g) (2) (C) (iv). Bar. L. 104–188, § 1613 (b) (4), inserido “orPub. L. 104–188, § 1120 (b), item de tabela inserido relacionado ao subpar. (E) (iii).

Bar. L. 104–188, § 1613 (b) (3) (B) (ii), eliminou o item da tabela relacionado ao subpar. (F) para o qual o Subsec. (g) (4) (K). Bar. L. 104-188, § 1702 (h) (1) (C), substituído "seção 48 (l) (3) (A) (ix) (conforme em vigor no dia anterior à data da promulgação da Receita Lei de Reconciliação de 1990) ”para“ seção 48 (a) (3) (A) (iii) ”.

Subsec. (i) (8). Bar. L. 104–188, § 1121 (a), título reencenado sem alteração e texto emendado em geral. Antes da alteração, o texto diz o seguinte: "No caso de qualquer edifício erguido (ou melhorias feitas) em propriedade alugada, se tal edifício ou melhoria for propriedade à qual esta seção se aplica, a dedução da depreciação será determinada de acordo com as disposições deste seção."

1995 — Subsec. (g) (4) (B) (i). Bar. L. 104–88 substituiu “transportador ferroviário sujeito à parte A do subtítulo IV” por “empresa ferroviária nacional que fornece transporte sujeito ao subcapítulo I do capítulo 105”.

1993 — Subsec. (c) (1). Bar. L. 103–66, § 13151 (a), substituiu “39 anos” por “31,5 anos” no item da tabela relativa ao Pub. L. 103–66, § 13321 (a), subseção adicionada. (j).

1990 — Subsec. (e) (2) (A). Bar. L. 101–508, § 11812 (b) (2) (A), subpar. (A) geralmente. Antes da alteração, subpar. (A) leia o seguinte: “O termo Subsec. (e) (3) (B) (vi) (I). Bar. L. 101–508, § 11813 (b) (9) (A) (i), que direcionou a substituição do "subparágrafo (A) da seção 48 (a) (3) (ou seria assim descrito se 'solar e vento 'foi substituído por' solar 'na cláusula (i) deste) ”para“ parágrafo (3) (A) (viii), (3) (A) (ix) ou (4) da seção 48 (l) ”era executado através da substituição do “parágrafo (3) (A) (viii), (3) (A) (ix) ou (4) da seção 48 (l)”. Veja a nota de alteração de 1996 acima.

Subsec. (e) (3) (B) (vi) (II). Bar. L. 101–508, § 11813 (b) (9) (A) (ii), inserido "(como em vigor no dia anterior à data da promulgação da Lei de Reconciliação da Receita de 1990)" após "48 (l ) ”.

Subsec. (e) (3) (D) (i). Bar. L. 101–508, § 11813 (b) (9) (B) (i), substituiu “subseção (i) (13)” por “seção 48 (p)”.

Subsec. (f) (2). Bar. L. 101–508, § 11812 (b) (2) (C), substituiu "subseção (i) (10)" por "seção 167 (l) (3) (A)."

Subsec. (g) (4). Bar. L. 101–508, § 11813 (b) (9) (C), substituiu o cabeçalho por um que dizia: “Propriedade usada predominantemente fora do pub. L. 101-508, § 11812 (b) (2) (D), inserido no final "A referência neste parágrafo à subseção (m) da seção 167 deve ser tratada como uma referência a tal subseção em vigor no dia antes da data da promulgação da Lei de Reconciliação da Receita de 1990. ”

Subsec. (i) (9) (A) (ii). Bar. L. 101–508, § 11812 (b) (2) (E), eliminado "(determinado independentemente da seção 167 (l))" após a "seção 167".

Subsec. (i) (10). Bar. L. 101–508, § 11812 (b) (2) (B), par. (10) em geral. Antes da alteração, par. (10) leia o seguinte: “O termo Pub. L. 101–508, § 11813 (b) (9) (B) (ii), adicionado par. (13).

1989 — Subsec. (b) (3) (D), (E). Bar. L. 101–239, § 7816 (f), subpar. (D), relativo à propriedade descrita na subseção. (e) (3) (D) (ii), como (E).

Subsec. (b) (5). Bar. L. 101–239, § 7816 (e) (1), substituiu “parágrafo (2) (C)” por “parágrafo (2) (B)”.

Subsec. (c) (2). Bar. L. 101–239, § 7816 (e) (2), substituiu “subseção (b) (2) (C)” por “subseção (b) (2) (B)”.

Subsec. (i) (1). Bar. L. 101–239, § 7816 (w), fez uma emenda esclarecedora ao idioma do diretório do Pub. L. 100–647, § 6253, consulte a nota de alteração de 1988 abaixo.

1988 — Subsec. (b) (2). Bar. L. 100-647, § 1002 (a) (11) (A), substituiu “método de saldo decrescente de 150 por cento em certos casos” por “15 anos e pub. L. 100–647, § 6028 (a), adicionado subpar. (B) e subpar anterior redesignado. (B) como (C).

Subsec. (b) (3) (C). Bar. L. 100–647, § 1002 (i) (2) (B) (i), subpar. (C). Subpar anterior. (C) redesignado (D).

Subsec. (b) (3) (D). Bar. L. 100–647, § 6029 (b), adicionado subpar. (D) relativos à propriedade descrita na subseção. (e) (3) (D) (ii).

Bar. L. 100-647, § 1002 (i) (2) (B) (i), subpar. (C), relativa à propriedade em relação à qual o contribuinte escolhe de acordo com o par. (5), como (D).

Subsec. (b) (5). Bar. L. 100-647, § 1002 (i) (2) (B) (ii), substituído “parágrafo (3) (D)” por “parágrafo (3) (C)”.

Bar. L. 100-647, § 1002 (a) (11) (B), substituiu “parágrafo (2) (B) ou (3) (C)” por “parágrafo (3) (C)”.

Subsec. (c). Bar. L. 100-647, § 1002 (a) (11) (C), subsec. (c) geralmente, designando as disposições existentes como par. (1) e adicionando o par. (2)

Subsec. (d) (3) (A) (i). Bar. L. 100-647, § 1002 (a) (5), eliminado “e que estão” após “esta seção se aplica”.

Subsec. (d) (3) (B). Bar. L. 100–647, § 1002 (a) (23) (A), eliminado “real” após “Certos” no título e no texto emendado em geral. Antes da alteração, o texto era o seguinte: “Para os fins do subparágrafo (A), Pub. L. 100-647, § 1002 (i) (2) (E), Pub substituído. L. 100-647, § 1002 (a) (21), substituiu "qualquer propriedade da seção 1245" por "qualquer propriedade".

Subsec. (e) (3) (C). Bar. L. 100-647, § 6027 (b) (1) (C), cl. (iii) como (ii), e eliminou o antigo cl. (ii) com a seguinte redação: “qualquer estrutura agrícola ou hortícola de propósito único (dentro do significado da seção 48 (p)), e”.

Subsec. (e) (3) (D). Bar. L. 100-647, § 6029 (a), subpar. (D) geralmente. Antes da alteração, subpar. (D) leia o seguinte: “O termo Pub. L. 100–647, § 6027 (a), adicionado subpar. (D). Subpar anterior. (D) redesignado (E).

Subsec. (e) (3) (E), (F). Bar. L. 100-647, § 6027 (a), subpars anteriores redesignados. (D) e (E) como (E) e (F), respectivamente.

Subsec. (f) (4). Bar. L. 100-647, § 1002 (a) (16) (B), par. (4) em geral. Antes da alteração, par. (4) leia o seguinte: "Qualquer gravação de som descrita na seção 48 (r) (5)."

Subsec. (f) (5) (B) (ii). Bar. L. 100-647, § 1002 (a) (6) (A) (i), substituiu “1º ano tributável” por “1º ano tributável completo”.

Subsec. (g) (3) (B). Bar. L. 100-647, § 6029 (c), substituído por “(D) (i)” por “(D)” e item adicionado por “(D) (ii)” na tabela.

Bar. L. 100-647, § 6027 (b) (2), substituído por “(D)” por “(C) (ii)”, “(E) (i)” por “(D) (i)”, “ (E) (ii) ”para“ (D) (ii) ”e“ (F) ”para“ (E) ”na tabela.

Subsec. (h) (2) (B). Bar. L. 100-647, § 1002 (a) (8), subpar. (B) geralmente. Antes da alteração, subpar. (B) leia o seguinte:

Subsec. (i) (1) (E) (iii). Bar. L. 100–647, § 1002 (i) (2) (G), adicionado cl. (iii), que previa: “Regra especial para nivelamento de ferrovias ou furos de túneis. - No caso de qualquer propriedade que seja aPub. L. 100-647, § 1002 (a) (7) (A), inserido no final "Em qualquer caso onde esta seção estava em vigor antes das alterações feitas pela seção 201 da Lei de Reforma Tributária de 1986 aplicada à propriedade em pelas mãos do cedente, a referência na frase anterior a esta seção deve ser tratada como uma referência a esta seção como em vigor. ”

Subsec. (i) (7) (B). Bar. L. 100–647, § 1002 (a) (7) (B), subpar. (B) geralmente. Antes da alteração, subpar. (B) leia o seguinte: "As transações descritas neste parágrafo são qualquer transação descrita na seção 332, 351, 361, 371 (a), 374 (a), 721 ou 731. O subparágrafo (A) não se aplica no caso de rescisão de uma parceria nos termos da seção 708 (b) (1) (B). ”

Subsec. (i) (7) (D). Bar. L. 100-647, § 1002 (a) (7) (C), eliminado subpar. (D) que diz o seguinte: "Este parágrafo não se aplica a qualquer transação à qual se aplica a subseção (f) (5) (relativa a transações de rotatividade)."

Subsec. (j) (9) (E). Bar. L. 100-647, § 1018 (b) (2), subpar. (E), conforme alterado pela seção 1802 (a) (2) da Pub. L. 99-514 e como em vigor antes da emenda geral pela seção 201 (a) da Pub. L. 99-514, substituindo “este parágrafo e o parágrafo (8)” por “este parágrafo” nos cls. (i) e (ii) (I) e eliminando cl. (iii) e inserção de um novo cl. (iii) que diz o seguinte: "Entidade controlada isenta de impostos.-

1986 — Pub. L. 99-514, § 201 (a), seção emendada geralmente, aplicável, com exceções enumeradas nas seções 203, 204 e 251 (d) da Pub. L. 99-514 [estabelecido como notas abaixo e na seção 46 deste título], a propriedade colocada em serviço após 31 de dezembro de 1986, modificando o sistema de recuperação acelerada de custos existente, substituindo novas subseções. (a) a (i) para as subsecs anteriores. (a) a (k). Ver os parágrafos seguintes da nota de emenda de 1986 para as emendas ao texto anterior pelas seções 1802 e 1809 da Pub. L. 99–514.

Subsec. (b) (2) (A). Bar. L. 99-514, § 1809 (a) (2) (A) (i) (I), eliminou as disposições finais relativas à determinação, no caso de bens imóveis de 19 anos, de Pub. L. 99–514, § 1809 (a) (2) (A) (i) (II), substituiu “Convenção do meio do mês para bens imóveis de 19 anos” por “Regra especial para o ano de pub. L. 99-514, § 1809 (a) (1) (A), que determinou que a tabela fosse emendada pela greve "e habitação de baixa renda" no último item, foi executada pela greve "e habitação de baixa renda" após “Imóvel de 19 anos” no penúltimo item, para refletir a provável intenção do Congresso, pois essa frase não apareceu no último item.

Bar. L. 99–514, § 1809 (a) (1) (B), inserido no item final para habitação de baixa renda com períodos de recuperação de 15, 35 ou 45 anos.

Subsec. (b) (4) (B). Bar. L. 99–514, § 1809 (a) (2) (B), substituiu “Convenção mensal” por “Regra especial para o ano de pub. L. 99-514, § 1809 (a) (2) (A) (ii), redesignou as disposições existentes como subpar. (B), eliminado “(i) Em geral”, subcls redesignados. (I) e (II) como cls. (i) e (ii), e na cl. (ii) riscado "(levando em consideração a penúltima frase da subseção (b) (2) (A))" após "atribuir percentagens" e riscado "(ii) Regra especial para pub. L. 99-514, § 1809 (b) (1), subpar. (A) geralmente, substituindo "No caso de propriedade de recuperação transferida em uma transação descrita no subparágrafo (B), para fins de cálculo da dedução permitida na subseção (a) com relação a tanto da base nas mãos do cessionário como não exceda a base ajustada nas mãos do cedente -

"(I) se a transação for descrita no subparágrafo (B) (i), o cessionário será tratado da mesma maneira que o cedente, ou

"(Ii) se a transação for descrita na cláusula (ii) ou (iii) do subparágrafo (B) e o cedente fez uma escolha com relação a essa propriedade nos termos da subseção (b) (3) ou (f) (2) ( C), o cessionário será tratado como tendo feito a mesma escolha (ou seu equivalente). ”

Subsec. (f) (10) (B). Bar. L. 99-514, § 1809 (b) (2), inserido no final "A cláusula (i) não se aplica no caso de rescisão de uma parceria nos termos da seção 708 (b) (1) (B)."

Subsec. (f) (12) (B) (ii). Bar. L. 99-514, § 1809 (a) (4) (A), emendou cl. (ii) geralmente, substituindo "No caso de um imóvel de 19 anos, o valor da dedução permitida deve ser determinado usando o método linear (sem considerar o valor residual) e um período de recuperação de 19 anos." para disposições anteriores.

Subsec. (f) (12) (C). Bar. L. 99–514, § 1809 (a) (4) (B), substituiu “Exceção para habitação de baixa e média renda” por “Exceção para projetos para Pub. L. 99-514, § 1802 (b) (1), redesignado o par. (13) relativos a veículos motorizados que operam o pub. L. 99-514, § 1809 (a) (2) (C) (i), substituiu "Referência cruzada" por "propriedade real de 19 anos" no título e no texto alterado em geral, substituindo "Para outras convenções aplicáveis, consulte os parágrafos (2) (B) e (4) (B) da subseção (b). ” para disposições anteriores.

Subsec. (j) (3) (D). Bar. L. 99-514, § 1802 (a) (1), inserido no final “Para os fins do subparágrafo (B) (iii), qualquer parte de uma propriedade assim usada não deve ser tratada como arrendada a aPub. L. 99-514, § 1802 (a) (2) (A), (G), substituiu "qualquer propriedade (exceto propriedade detida por tal organização)" por "qualquer propriedade da qual tal organização seja locatária", " usado pela primeira vez por ”para“ primeiro alugado para ”, e“ frase anterior e subparágrafo (D) (ii) ”para“ frase anterior ”.

Subsec. (j) (4) (E) (ii). Bar. L. 99-514, § 1802 (a) (2) (B), (C), eliminado “da qual tal organização é a locatária” após “com relação a qualquer propriedade” no subcl. (I) e substituído “é usado pela primeira vez pela organização” por “é colocado em serviço sob o Pub. L. 99-514, § 1802 (a) (2) (D), adicionado cl. (iv), usado pela primeira vez, que diz o seguinte: "Para os fins deste parágrafo, a propriedade deve ser tratada como o primeiro usado pela organização-

“(I) quando a propriedade é colocada em serviço pela primeira vez em um Pub. L. 99-514, § 1802 (a) (3), riscado cl. (iv), relativa à exclusão de bens não sujeitos a rápida obsolescência.

Subsec. (j) (8), (9) (A). Bar. L. 99-514, § 1802 (a) (4) (A), (B) (i), eliminado "e os parágrafos (4) e (5) da seção 48 (a)" após "Para os fins deste subseção ”nas disposições introdutórias.

Subsec. (j) (9) (B) (i). Bar. L. 99-514, § 1802 (a) (4) (B) (ii), inseriu uma vírgula entre “perda” e “dedução”.

Subsec. (j) (9) (D). Bar. L. 99–514, § 1802 (a) (7) (A), adicionado subpar. (D), determinação se a propriedade é usada em comércio ou negócios não relacionados, que se lê como segue: “Para os fins desta subseção, no caso de qualquer propriedade que seja propriedade de uma sociedade que possua ambos aPub. L. 99-514, § 1802 (a) (7), redesignado anterior subpar. (D) como (E) e substituído “(C), e (D)” por “e (C)”. Subpar anterior. (E), foi redesignado (F).

Bar. L. 99–514, § 1802 (a) (2) (E) (i), subpar. (E), tratamento de certas entidades tributáveis, consistindo em cl. (i), em geral, que se lê: "Para os fins deste parágrafo, exceto conforme disposto em contrário neste subparágrafo, qualquer seção 318 determinada sem levar em conta a limitação de 50 por cento contida na subseção (a) (2) (C) deste) por uma ou mais entidades isentas de impostos. ” Subpar anterior. (E) foi redesignado (F).

Subsec. (j) (9) (F). Bar. L. 99-514, § 1802 (a) (7) (A), antigo subpar. (E) como (F). Subpar anterior. (F) redesignado (G).

Subsec. (j) (9) (G). Bar. L. 99-514, § 1802 (a) (7) (A), antigo subpar. (F) como (G).

1985 — Subsec. (b) (2). Bar. L. 99-121, § 103 (b) (1) (A), substituiu “bens imóveis de 19 anos” por “bens imóveis de 18 anos” no título e onde quer que apareça no texto.

Subsec. (b) (2) (A) (i). Bar. L. 99-121, § 103 (a), substituiu “período de recuperação de 19 anos” por “período de recuperação de 18 anos”.

Subseção (b) (3) (A). Bar. L. 99-121, § 103 (b) (1) (A), substituiu “bens imóveis de 19 anos” por “bens imóveis de 18 anos” na tabela.

Bar. L. 99-121, § 103 (b) (2), substituído por “19, 35 ou 45 anos” por “18, 35 ou 45” na tabela.

Subsec. (b) (3) (B) (ii), (iii). Bar. L. 99-121, § 103 (b) (1) (A), substituiu “bens imóveis de 19 anos” por “bens imóveis de 18 anos” onde quer que apareça.

Subsec. (c) (2) (D). Bar. L. 99-121, § 103 (b) (1) (A), substituiu “bens imóveis de 19 anos” por “bens imóveis de 18 anos” no título e no texto.

Subsec. (d) (2) (B). Bar. L. 99-121, § 103 (b) (1) (A), substituiu “bens imóveis de 19 anos” por “bens imóveis de 18 anos”.

Subsec. (f) (1) (B) (ii). Bar. L. 99–121, § 103 (b) (3) (B), substituído por “15 de março de 1984, e antes de 9 de maio de 1985, o” por “15 de março de 1984, o”.

Subsec. (f) (1) (B) (iii), (iv). Bar. L. 99-121, § 103 (b) (3) (A), (C), adicionado cl. (iii), redesignado antigo cl. (iii) como (iv), e na cl. (iv) substituiu “, (ii), ou (iii)” por “ou (ii)”.

Subsec. (f) (2), (5). Bar. L. 99-121, § 103 (b) (1) (A), substituiu “bens imóveis de 19 anos” por “bens imóveis de 18 anos” onde quer que apareça.

Subsec. (f) (12) (B) (ii). Bar. L. 99-121, § 103 (b) (4), substituiu "bens imóveis de 19 anos" por "bens imóveis de 15 anos" no título e onde quer que apareça no texto, e substituiu "19 anos" por "15 anos" .

Subsec. (j). Bar. EU.99-121, § 103 (b) (1) (A), substituiu “bens imóveis de 19 anos” por “bens imóveis de 18 anos” onde quer que apareça nos cabeçalhos, tabela e texto.

1984 — Subsec. (b) (2). Bar. L. 98–369, § 111 (a) (1), substituiu “bens imóveis de 18 anos” por “bens imóveis de 15 anos” no cabeçalho e onde quer que apareça no texto.

Bar. L. 98-369, § 111 (d), inserido na disposição seguinte cl. (ii) “(usando uma convenção do meio do mês)”.

Subsec. (b) (2) (A). Bar. L. 98-369, § 111 (b) (3) (A), riscado no texto após o cl. (ii) disposição que, para os fins deste subparágrafo, “habitação de baixa renda” significa a propriedade descrita na seção 1250 (a) (1) (B) (i), (ii), (iii) ou (iv).

Subsec. (b) (2) (A) (i). Bar. L. 98–369, § 111 (a) (2), substituiu “período de recuperação de 18 anos” por “período de recuperação de 15 anos”.

Subsec. (b) (2) (A) (ii). Bar. L. 98–369, § 111 (a) (3), eliminou “(método de saldo decrescente de 200 por cento no caso de habitação de baixa renda)” após “método de saldo decrescente”.

Subsec. (b) (2) (B). Bar. L. 98–369, § 111 (d), inserido “(usando uma convenção do meio do mês)”.

Subsec. (b) (3) (A). Bar. L. 98–369, § 111 (e) (9) (A), substituído “nos termos do parágrafo (1), (2) ou (4)” por “nos termos dos parágrafos (1) e (2)”.

Bar. L. 98-369, § 111 (e) (9) (B), substituído na tabela "Propriedade de 18 anos e habitação de baixa renda" por "Propriedade de 15 anos" e "18" por "15" e eliminou “anos” após “45”.

Subsec. (b) (3) (B) (ii). Bar. L. 98–369, § 111 (e) (2), substituiu “imóvel de 18 anos ou moradia de baixa renda” por “imóvel de 15 anos”.

Subsec. (b) (3) (B) (iii). Bar. L. 98–369, § 111 (e) (1), substituiu “imóvel de 18 anos ou moradia de baixa renda” por “imóvel de 15 anos”.

Subsec. (c) (2) (D). Bar. L. 98–369, § 111 (b) (3) (B), subpar. (D) geralmente, substituindo “propriedade real de 18 anos” por “propriedade imobiliária de 15 anos” no título e no texto e incluindo dentro de tal definiçãoPub. L. 98–369, § 111 (b) (2), subpar. (F) e reprojetado antigo subpar. (F) como (G).

Subsec. (d) (2) (B). Bar. L. 98–369, § 111 (e) (3), substituiu “imóvel de 18 anos ou moradia de baixa renda” por “imóvel de 15 anos”.

Subsec. (e). Bar. L. 98-369, § 113 (b) (2) (A), substituiu “título” por “seção” na disposição anterior ao par. (1).

Subsec. (f) (1) (B). Bar. L. 98-369, § 111 (c), designou a disposição existente como cl. (i), título inserido, inserido ", e antes de 16 de março de 1984", e eliminou a disposição de que, para os fins da frase anterior, o método de cálculo da dedução permitida com relação a esse primeiro componente seja determinado como se fosse um edifício separado, cuja disposição é abordada em cl. (iii), e cls adicionados. (ii) e (iii).

Subsec. (f) (2) (B). Bar. L. 98–369, § 111 (e) (1), substituiu “propriedade real de 18 anos ou habitação de baixa renda” por “propriedade real de 15 anos” onde quer que apareça.

Subsec. (f) (2) (C) (i). Bar. L. 98–369, § 111 (e) (4), substituído na tabela “Imóveis de 18 anos ou de baixa renda” por “Imóveis de 15 anos”.

Subsec. (f) (2) (C) (ii) (II), (E), (5). Bar. L. 98–369, § 111 (e) (1), substituiu “imóvel de 18 anos ou moradia de baixa renda” por “imóvel de 15 anos”.

Subsec. (f) (12) (C). Bar. L. 98–369, § 628 (b) (1), disposições designadas que precedem o cl. (i) e cl. (i) abaixo da média. (C), e eliminou cls. (ii), (iii) e (iv) que tratam da aplicação do subpar. (A) para uma instalação de tratamento de esgoto ou resíduos sólidos, uma instalação de controle de poluição do ar ou da água ou uma instalação que recebeu uma subvenção de ação de desenvolvimento urbano nos termos da seção 119 da Lei de Desenvolvimento de Habitação e Comunidade de 1974.

Subsec. (f) (12) (D), (E). Bar. L. 98-369, § 628 (b) (2), subpar. (E) como (D) e eliminou o subpar anterior. (D) que diz o seguinte: "Para os fins deste parágrafo, o termo 'instalação existente' significa uma planta ou propriedade em operação antes de 1º de julho de 1982."

Subsec. (f) (13). Bar. L. 98–369, § 32 (a), segundo par. (13) relativos a veículos motorizados que operam o pub. L. 98–369, § 113 (a) (2), par. (14).

Subsec. (g) (2). Bar. L. 98–369, § 31 (d), inserido “Se qualquer propriedade (diferente da propriedade de classe da seção 1250) não tiver um presentPub. L. 98–369, § 474 (r) (7) (D), na subseção. (i) conforme alterado pela seção 209 (b) da Pub. L. 97-248, substituiu "subpartes A, B e D da parte IV" por "subparte A da parte IV".

Bar. L. 98–369, § 474 (r) (7) (A), na subseção. (i) conforme adicionado pela seção 208 (a) (1) da Pub. L. 97-248, substituiu "subpartes A, B e D da parte IV" por "subparte A da parte IV".

Subsec. (i) (1) (D) (iii). Bar. L. 98–369, § 612 (e) (5), na subseção. (i) conforme alterado pela seção 209 (b) da Pub. L. 97–248, substituiu “seção 26 (b) (2)” por “seção 25 (b) (2)”.

Bar. L. 98–369, § 612 (e) (4), na subseção. (i) conforme adicionado pela seção 208 (a) (1) da Pub. L. 97–248, substituiu “seção 26 (b) (2)” por “seção 25 (b) (2)”.

Bar. L. 98–369, § 474 (r) (7) (E), na subseção. (i) conforme alterado pela seção 209 (b) da Pub. L. 97–248, substituiu “seção 25 (b) (2)” por “a última frase da seção 53 (a)”.

Bar. L. 98–369, § 474 (r) (7) (B), na subseção. (i) conforme adicionado pela seção 208 (a) (1) da Pub. L. 97–248, substituiu “seção 25 (b) (2)” por “a última frase da seção 53 (a)”.

Subsec. (i) (4) (A). Bar. L. 98–369, § 12 (a) (3) (B), na subseção. (i) conforme alterado pela seção 209 (b) da Pub. L. 97–248, substituiu “1989” por “1985” em cls. (i) e (ii).

Bar. L. 98–369, § 474 (r) (7) (C), na subseção. (i) conforme adicionado pela seção 208 (a) (1) da Pub. L. 97-248, substituiu “seção 38” por “subparte A da parte IV do subcapítulo A deste capítulo”.

Subsecs. (j), (k). Bar. L. 98–369, § 31 (a), subseção adicionada. (j) e ex-subsec. (j) como (k).

1983 — Subsec. (b) (2) (A). Bar. L. 97-448, § 102 (a) (5), substituiu “No caso de bens imóveis de 15 anos” por “Para os fins deste subparágrafo” na terceira frase.

Subsec. (d) (2) (B). Bar. L. 97-448, § 102 (a) (2), substituiu “parágrafo (7) ou (10) da subseção (f)” por “subseção (f) (7)”.

Subsec. (e) (3) (C), (D). Bar. L. 97-424, § 541 (a) (1), subpar. (C). Subpar anterior. (C) redesignado (D).

Subsec. (e) (4) (D). Bar. L. 97-448, § 102 (a) (9) (A), inseriu a disposição que, no caso de aquisição de propriedade por qualquer parceria que resulte da rescisão de outra parceria nos termos da seção 708 (b) (1) (B), a determinação se a parceria adquirente está relacionada à outra parceria deve ser feita imediatamente antes que ocorra o evento que resultou em tal rescisão.

Subsec. (f) (4) (B). Bar. L. 97-448, § 102 (f) (4), substituiu “Eleição feita em retorno” por “Feito em retorno” como subpar. (B) título, as disposições existentes designadas como cl. (i), título adicionado para cl. (i), substituiu “Exceto conforme previsto na cláusula (ii), qualquer eleição” por “Qualquer eleição”, na cl. (i) conforme designado, e adicionado cl. (ii).

Subsec. (f) (5). Bar. L. 97-448, § 102 (a) (1), inseriu a disposição que, no caso de bens imóveis de 15 anos, a primeira frase deste parágrafo não se aplica ao ano tributável em que os bens são colocados em serviço ou eliminados.

Subsec. (f) (8) (D). Bar. L. 97-448, § 102 (a) (10) (A), subpar. (D), como em vigor antes das alterações feitas pela Lei de Patrimônio Líquido e Responsabilidade Fiscal de 1982 [Pub. L. 97–248], inserindo no final da seguinte nova frase: “De acordo com os regulamentos prescritos pelo Secretário, Pub. L. 97-448, § 102 (a) (3), adicionado par. (13).

Subsec. (g) (8) (A). Bar. L. 97-448, § 102 (a) (4) (B), substituiu “Propriedade de utilização de carvão qualificada” por “Em geral” no título.

Subsec. (g) (8) (B). Bar. L. 97-448, § 102 (a) (4) (C), substituiu “Propriedade de utilização de carvão” por “Em geral” no título.

Subsec. (h) (4). Bar. L. 97-448, § 102 (a) (4) (A), substituiu “propriedade de utilização de carvão que, de outra forma, seria de 15 anos Pub. L. 97–248, § 206 (a), substituiu “tabela” por “tabelas” nas disposições introdutórias, eliminou a designação “(A)” que precede a tabela e eliminou os subpar. (A) título que havia limitado a aplicação da tabela a bens colocados em serviço após 31 de dezembro de 1980 e antes de 1º de janeiro de 1985, e eliminou os subpares. (B) e (C), que forneceram tabelas, respectivamente, para os bens colocados em serviço em 1985 e para os bens colocados em serviço após 31 de dezembro de 1985.

Subsec. (e) (4). Bar. L. 97–248, §§ 206 (b), 224 (c) (1), substituiu “1981” por “1986” no título, no subpar. (E) inseriu a disposição de que uma regra semelhante se aplicará no caso de uma liquidação presumida nos termos da seção 338, e eliminou o subpar anterior. (H) que previa regras especiais para os bens colocados em serviço antes da entrada em vigor de certas percentagens.

Subsec. (f) (8). Bar. L. 97–248, § 209 (a), par. (8) em geral, substituindo as disposições relativas às regras especiais para financePub. L. 97–248, § 208 (a) (2) (A), inserido “exceto conforme previsto na subseção (i),” antes de “para os fins deste subtítulo”.

Subsec. (f) (8) (B) (i) (I). Bar. L. 97-354, § 5 (a) (19), substituiu “uma empresa S” por “uma empresa de pequeno porte elegendo (dentro do significado da seção 1371 (b))” na subseção. (f) (8) (B) (i) (I) como em vigor antes da promulgação da Lei de Patrimônio Líquido e Responsabilidade Fiscal de 1982 [Pub. L. 97–248].

Bar. L. 97–248, § 208 (b) (1), inserido “que não é uma pessoa relacionada com relação ao locatário”.

Subsec. (f) (8) (B) (iii). Bar. L. 97–248, § 208 (b) (2), no subcl. (I) substituiu “120 por cento do presente Pub. L. 97–354, § 5 (a) (20), no par. (8) conforme alterado pela seção 209 (a) da Pub. L. 97–248, substituiu “uma corporação S” por “uma empresa de pequeno porte elegível dentro do significado da seção 1371 (b)”.

Subsec. (f) (8) (D). Bar. L. 97–248, § 208 (b) (3), subpar. (D) geralmente. Antes da alteração, subpar. (D) leia o seguinte:

"(D) Propriedade alugada qualificada definida. - Para os fins do subparágrafo (A), o termo 'propriedade alugada qualificada' significa propriedade de recuperação (que não seja um edifício reabilitado qualificado na acepção da seção 48 (g) (1)) que é -

"(I) nova propriedade da seção 38 (conforme definido na seção 48 (b)) do locador que é alugada dentro de 3 meses após tal propriedade ter sido colocada em serviço e que, se adquirida pelo locatário, teria sido uma nova propriedade da seção 38 do locatário,

“(I) que era nova seção 38 propriedade do locatário,

"(II) que foi alugado dentro de 3 meses após tal propriedade ter sido colocada em serviço pelo locatário, e

Subsec. (f) (8) (H) a (K). Bar. L. 97–248, § 208 (b) (4), parágrafos adicionados. (H) para (J) e antigo subpar. (H) como (K).

Subsec. (f) (10) (B) (i). Bar. L. 97–248, § 224 (c) (2), eliminado "(exceto uma transação em relação à qual a base é determinada de acordo com a seção 334 (b) (2))" após a "seção 332".

Subsec. (eu). Bar. L. 97–248, § 209 (b), subsec. (i) geralmente, substituindo as disposições relativas às limitações relativas ao Pub. L. 97–248, § 208 (a) (1), subseção adicionada. (eu). Ex-subsec. (i) redesignado (j).

Subsec. (j). Bar. L. 97–248, § 208 (a) (1), subseção anterior redesignada. (i) como (j).


Estabelecida em 1979 como uma agência de apoio ao reassentamento de refugiados em Westminster, Califórnia, a Southland Integrated Services, Inc. (SIS) expandiu gradualmente suas operações para responder às necessidades em rápida evolução da população local do Condado de Orange.

O Southland Health Centre foi fundado em junho de 1998 em resposta às necessidades urgentes de saúde da grande população não merecida pela medicina na comunidade. Com uma equipe médica multilíngue e um forte pessoal de apoio, o Southland Health Center atende uma população diversificada de pacientes e ajudou a inscrever milhares de crianças e adultos sem seguro em programas de seguro saúde patrocinados pelo estado.

Com vários locais oferecendo mais de 20 programas, a SIS fornece uma variedade de serviços para residentes de baixa renda, idosos, crianças e pessoas com deficiência mental. O SIS realmente tocou a vida de dezenas de milhares de pessoas e passou a ser considerado uma instituição indispensável na comunidade do Condado de Orange.

Desde maio de 2015, o Southland Health Center foi aprovado pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA para ser uma clínica do Federally Qualified Health Center (FQHC) para fornecer cuidados de saúde ainda mais de qualidade a todos os residentes de Orange County.

Southland Integrated Services é uma organização sem fins lucrativos baseada na comunidade que opera um Centro de Saúde Qualificado Federalmente (FQHC) com Serviços Integrados de Saúde e uma Agência de Serviço Social Abrangente.
* Centro de saúde é uma instalação considerada FTCA.


A História da Igreja Batista Southland

Em 11 de julho de 1956, a Missão Batista de Race Street, sendo liderada pelo Senhor para se organizar em uma Igreja, convocou a Igreja Batista Bíblica por autoridade para organizar a Igreja Batista Missionária de Southland. A igreja se reuniu em 1822 Race St. em Cincinnati, Ohio. James Roberts foi oficialmente votado como pastor em 4 de agosto de 1956. Os membros fundadores foram: James Roberts, Clyde Brasel, Harold Rolison, Harold Roberts, Herman Rolison, Dorothy Roberts, Maye.

1959, quando o irmão L. B. Huskey foi eleito pastor para o ano seguinte, o irmão. Huskey renunciou em 1961. O irmão. Buford Earls foi eleito pastor em 5 de agosto de 1961, onde permaneceu até setembro de 1962, quando o irmão. James Roberts voltou a ser eleito pastor até março de Brasel e Beulah Rolison. Mano. Roberts serviu como pastor da SMBC até 1º de agosto de 1979. Tendo superado sua localização atual, a igreja mudou-se para a esquina da Westwood com a Grand Avenue, 1701 Westwood Ave., em março de 1964.

O Senhor continuou a abençoar e eles logo precisaram de um novo prédio. A Southland Missionary Baptist Church mudou-se para 2394 Grant Street, Cincinnati, OH, em setembro de 1972. Eventualmente, eles compraram o lote adjacente para uma expansão posterior.

Em 4 de agosto de 1979, a igreja votou Sam Hall como pastor. Na primavera de 1988, alguns homens notaram um pedaço de propriedade à venda não muito longe do local atual. Sentindo-se guiada pelo Senhor, a igreja comprou o terreno e começou a construir. O SMBC começou a se reunir em 2485 Springdale Rd, Cincinnati, OH, em agosto de 1990. O pastor Sam Hall se aposentou em fevereiro de 2000, após 21 anos como pastor.

Em 26 de março de 2000, James R. Love começou como pastor da SMBC. O Senhor abençoou e a hipoteca da igreja foi paga em janeiro de 2001. O pastor Love continua a servir como pastor da SMBC.


Quando Steve e Kelly Taylor decidiram deixar a corrida dos ratos pela pequena cidade de Lumsden, em Southland, houve muita apreensão. 8 anos depois, os dois empreendedores estão vivendo o estilo de vida definitivo enquanto administram os torrefadores Roar Coffee e o Temple Tattoo. Veja como esses criativos se adaptaram à vida em Southland e ao novo ritmo de vida.

Quando os habitantes do sul se reúnem para apoiar uns aos outros, eles não fazem as coisas pela metade. Acompanhe a história de por que esses ciclistas resistentes pedalaram 286 km de Milford Sound a Invercargill em um dia para arrecadar fundos para a HeartKids Southland. HeartKids Southland apóia famílias com crianças afetadas por problemas cardíacos.

Se você gostaria de fazer uma doação para ajudar essas famílias, siga este link. https://givealittle.co.nz/cause/milford-to-invercargill-by-bike


Assista o vídeo: Kid calls cops on his mother..


Comentários:

  1. Doron

    Frase incomparável, eu gosto :)

  2. Allen

    Esta é apenas uma resposta maravilhosa.

  3. Sadaka

    Nele algo está. Agora está tudo claro, obrigado pela informação.

  4. Jerrell

    Esperar por.

  5. Guzragore

    É um prazer ler você, como sempre. Suco)))



Escreve uma mensagem