Concepção artística de Watson Brake Mounds, Louisiana

Concepção artística de Watson Brake Mounds, Louisiana


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Os arqueólogos identificaram mais de 100 locais pertencentes a essa cultura de montículos, que também formou uma grande rede de comércio em grande parte da parte oriental do que agora é ocupado pelos Estados Unidos.

Precedendo a Cultura do Ponto de Pobreza está o local de Watson Brake na atual paróquia de Ouachita, Louisiana, onde onze montes de terraplenagem foram construídos a partir de cerca de 3500 aC. Watson Brake é um dos primeiros complexos de montículos nas Américas. [2] A próxima mais antiga é a Cultura do Ponto de Pobreza, que prosperou de 1730 a 1350 aC, durante o final do período arcaico na América do Norte. Evidências dessa cultura de construtor de montículos foram encontradas em mais de 100 locais, incluindo o local Jaketown perto de Belzoni, Mississippi. O maior e mais conhecido local está em Poverty Point, localizado em Macon Ridge perto da atual Epps, Louisiana.

A cultura do Ponto de Pobreza pode ter atingido seu pico por volta de 1500 AC. É uma das mais antigas culturas complexas e, possivelmente, a primeira cultura tribal no Delta do Mississippi e nos atuais Estados Unidos. As pessoas ocuparam vilas que se estendiam por quase 100 milhas (160 e # 160 km) de cada lado do rio Mississippi. [3]

A cultura do Ponto de Pobreza foi seguida pelas culturas Tchefuncte e Lago Cormorant do período Tchula, uma manifestação local do período da Floresta Antiga. Essas culturas descendentes diferiam da cultura de Poverty Point no comércio em distâncias mais curtas, criando projetos públicos menos massivos, adotando completamente a cerâmica para armazenamento e cozinha e carecendo de uma indústria lapidária (escultura em pedra).


Antepassados ​​caddo

Clique nas imagens para ampliar

o povos primitivos que viviam na área que se tornaria a Pátria dos Caddo eram caçadores e coletores altamente móveis durante o início Era paleoíndia no final da última idade do gelo (Pleistoceno), cerca de 12.000-13.500 anos atrás (10.000-11.500 a.C.). (Um crescente corpo de evidências sugere que as pessoas chegaram à América do Norte milhares de anos antes, mas as primeiras evidências são debatidas.) Os primeiros pontos paleoíndios, incluindo os estilos Clovis e Folsom, foram encontrados na área, assim como lanças lanceoladas distintas e pontas de dardo datando às culturas Paleoíndias posteriores.

Por volta de 8.000 a.C. artefatos das culturas Dalton e San Patrice são particularmente comuns no Sudeste, sugerindo que as populações estão crescendo e que diferentes culturas estão se desenvolvendo. Dentro da pátria de Caddo, evidências da cultura Dalton são encontradas principalmente ao norte, enquanto a de San Patrice está principalmente ao sul. Além da região, os pontos de Dalton estão concentrados no Vale do Mississippi e são especialmente numerosos no nordeste do Arkansas. Esses padrões contrastantes podem refletir uma divisão inicial entre grupos étnicos / linguísticos. Não sabemos como essa divisão inferida se relaciona com povos posteriores.

Dalton e San Patrice são considerados por muitos arqueólogos como os primeiros de muitos Culturas arcaicas (ou os últimos grupos paleoíndios) no sudeste dos Estados Unidos há cerca de 10.000 anos, batizados em homenagem às pontas de dardo distintas feitas por seus caçadores. Todo o período arcaico se estende por 7.500 anos entre aproximadamente 8.000 a.C. e 500 a.C. O conceito arcaico foi originalmente proposto como um estágio de desenvolvimento durante o qual as culturas de caça móvel gradualmente se tornaram mais estabelecidas e mais dependentes de plantas selvagens, pequenos jogos e recursos aquáticos. Em um sentido amplo, essa visão permanece correta, mas agora percebemos que as culturas arcaicas eram bastante variadas e responsáveis ​​por muitos dos desenvolvimentos culturais que se pensavam até agora na era da floresta subsequente. Por exemplo, assentamentos de vilarejos permanentes ou semipermanentes, cerâmica, horticultura (jardinagem), montes de terra artificiais e comércio extenso e distante de materiais exóticos surgiram durante os tempos arcaicos em vários lugares do sudeste.

Enquanto a maioria das culturas arcaicas aparentemente mais avançadas são conhecidas de áreas centenas de milhas a leste e nordeste da área de Caddo, alguns desenvolvimentos muito importantes ocorreram no vale do baixo Mississippi imediatamente a leste e sudeste. Por exemplo, no que é hoje o nordeste da Louisiana, Povos arcaicos começaram a construir grandes montes de terra já em 4.000 a.C.. Não eram túmulos, mas aparentemente serviam como plataformas sobre as quais as pessoas viviam. Em Watson Brake perto de Monroe, Louisiana, 11 montes de 3 a 25 pés (1-8 metros) de altura são conectados por cumes para formar um recinto oval com mais de 850 pés (261 metros) de diâmetro. Os montes arcaicos da Louisiana estão todos localizados adjacentes aos canais de rios agora abandonados e foram construídos por povos caçadores e coletores que exploravam os ambientes pantanosos locais ricos em vida aquática, incluindo peixes, aves e animais.

Na mesma região ao redor 1700 a.C., massivas terraplenagens foram construídas no local de Ponto de Pobreza por povos que dependiam dos recursos aquáticos e ribeirinhos. A terraplenagem de Poverty Point incluiu um enorme monte em forma de pássaro com mais de 70 pés (21 m) de altura e 710 pés (216 m) de comprimento e um conjunto único em forma de C de bermas elevadas dispostas em seis anéis concêntricos e aninhados que são quase três -Quartos de uma milha de diâmetro (3.950 pés ou 1,2 km) no ponto mais largo. Muitos especialistas consideram que Poverty Point foi o centro de uma sociedade precoce com amplas conexões comerciais, conforme indicado pela descoberta de muitos artefatos feitos de pedras exóticas ou não locais (alguns vindos de fontes a centenas de quilômetros de distância). Esses itens exóticos podem ter sido enviados para Poverty Point em troca de contas de conchas e ornamentos, produzidos em Poverty Point e em locais vinculados na costa do Golfo. Por razões ainda obscuras, a cultura do Ponto de Pobreza declinou em 1000 a.C. e não deixou nenhum sucessor óbvio.

Até onde sabemos, os povos arcaicos posteriores que viviam na Pátria dos Caddo não construíram montes de terra ou formaram sociedades comparáveis ​​àquela responsável pelo Ponto de Pobreza. Os grupos arcaicos tardios da região participaram, pelo menos indiretamente, da rede de comércio Poverty Point. Isso é conhecido porque uma variedade de artefatos foram encontrados em Poverty Point, feitos de materiais como novaculita e quartzo das montanhas de Ouachita. Mas os grupos arcaicos tardios na área de pátria dos Caddo parecem ter sido sociedades relativamente pequenas que não estavam intimamente conectadas às principais áreas das florestas do leste, onde desenvolvimentos precoces estavam ocorrendo.

Um desses desenvolvimentos foi o início da domesticação de plantas e da horticultura (jardinagem). Nas últimas décadas, arqueólogos e etnobotânicos (especialistas em como os povos antigos usavam plantas) demonstraram que pelo menos quatro plantas foram domesticadas nas florestas orientais entre 4.000 a 5.000 anos atrás (2.000 a 3.000 a.C.). Por meio da manipulação seletiva, abóbora, girassol, sabugueiro e chenopodium (goosefoot) foram todos transformados de plantas selvagens em plantas de cultivo com sementes maiores e outras características desejáveis. A melhor evidência vem de apenas algumas cavernas e locais abertos no meio-oeste americano que apresentam condições de preservação extraordinárias. O mais próximo do principal Caddo Homeland é o site Phillips Spring no Platô Ozark do sul do Missouri, a menos de 480 quilômetros ao norte do Rio Vermelho. Sementes de abóbora domesticada e cabaça de garrafa encontradas em Phillips Spring foram radiocarbono datadas de pelo menos 5.000 anos atrás.

A descoberta de que essas plantas com sementes amiláceas e oleosas estavam sendo cultivadas nos tempos médio e arcaico tardio destruiu a noção tradicional de que as culturas arcaicas do leste dos EUA eram puramente caçadoras e coletoras. Claramente, os povos arcaicos estavam experimentando o cultivo de plantas e provavelmente todos os tipos de outras manipulações do ambiente natural, como limpeza seletiva, disseminação de plantas desejáveis ​​para novas áreas e assim por diante. Os arqueólogos agora estão reavaliando as idéias existentes sobre a vida arcaica.

Estariam os ancestrais arcaicos tardios do Caddo também experimentando jardinagem e cultivo de plantas com sementes amiláceas e oleosas? Nós não sabemos. A visão aqui é que é muito provável que alguns grupos do Arcaico Tardio na área da Pátria Caddo tenham começado a fazer experiências com o plantio de sementes obtidas por meio do comércio e da troca de povos do norte e do nordeste. Mas, até agora, não temos nenhuma & quot; quotsmoking gun & quot evidencia & # 151 sementes domesticadas preservadas. Isso se deve, pelo menos em parte, às condições de preservação prevalecentes e à falta de esforço conjunto para recuperar as evidências necessárias dos sítios do Arcaico Tardio. Esta é uma questão primordial de pesquisa que precisa de mais trabalho.

O que sabemos sobre os povos arcaicos tardios na pátria dos Caddo? O período arcaico tardio entre aproximadamente 3000-500 a.C. na pátria de Caddo permanece pouco conhecido. Componentes isolados e bem preservados de sítios Arcaicos Tardios (depósitos discretos de um único período ou episódio de uso) são incomuns e poucos foram estudados. No entanto, pontas de dardo de estilo arcaico tardio com hastes em expansão e contração, incluindo, entre outros, os tipos Yarborough, Ellis e Edgewood, são amplamente distribuídas por toda a área e, em muitos locais, são mais numerosas do que os estilos anteriores. Em grande parte da região, os modos de vida arcaicos parecem ter persistido por mais tempo do que em outras partes das florestas do leste.

Comparado com os períodos anteriores, o Arcaico Tardio parece ter sido uma época de populações mais elevadas e de uso mais intensivo da paisagem & # 151sites são encontrados em todas as formas de relevo, desde grandes terraços de rios a cordilheiras de terras altas e tudo mais. Em alguns locais, particularmente nos vales no lado norte das montanhas de Ouachita e na área da Grande Curva do Rio Vermelho, os detritos (essencialmente, lixões de cozinha) começam a se acumular nos tempos arcaicos tardios. A mais conhecida é a fase Wister de Wister Valley, no extremo leste de Oklahoma. Lá, os "montes negros" começaram a se formar nos últimos tempos arcaicos. A cultura Fourche Maline, em parte, representa uma intensificação desse padrão de povoamento durante o período subsequente da Floresta. A presença de locais com densos acúmulos de lixo nos tempos arcaicos tardios sugere que as pessoas estavam se tornando menos móveis e permanecendo em certas localidades altamente favoráveis ​​por longos períodos de tempo.

Outra observação interessante é que os povos arcaicos tardios estavam fazendo uso extensivo de pedras locais para fazer ferramentas. Por que isso é interessante? Porque, exceto em áreas como as montanhas de Ouachita, a maioria das pedras locais na área de Caddo são de má qualidade e ocorrem em pequenos paralelepípedos que são inadequados para fazer ferramentas de pedra bem acabadas (como pontas de dardo, facas e madeira ferramentas de trabalho). Por exemplo, em partes do leste do Texas, um material comumente usado era madeira fossilizada ou petrificada. O fato de pessoas do arcaico tardio usarem tais materiais sugere duas coisas. Primeiro, que eles não estavam viajando muito para encontrar matérias-primas úteis, embora minimamente. Em segundo lugar, não havia muito comércio com povos de outras áreas (como os Ouachitas ou o centro do Texas) que tinham acesso a bastante material de alta qualidade.

Os povos arcaicos tardios da área parecem ter sido caçadores e coletores como antes, dependendo de uma grande variedade de mamíferos, peixes, pássaros, sementes, nozes, bagas e raízes. O cervo era o animal de caça de grande porte mais importante, mas os ossos de muitos criaturas diferentes são encontrados em monturos arcaicos tardios. Há algumas evidências de maior ênfase na coleta e processamento de nozes, especialmente nogueira. Embora as nozes sejam duras de quebrar, suas carnes oleosas são saborosas e uma importante fonte de gordura e proteína. A evidência para o aumento da dependência da nogueira vem do grande número de "pedras de nogueira" (pedras com pequenos copos sem caroço que seguravam as nozes com segurança durante o craqueamento) e a recuperação frequente de cascas de nozes carbonizadas em sítios arcaicos tardios. Para extrair toda a gordura, as nozes quebradas eram provavelmente fervidas em pedra, jogando-se pedras quentes em uma noz e uma pasta de água em cestos bem entrelaçados ou bolsas de pele, e a gordura era retirada do topo.

Na bacia de Cypress Creek, no nordeste do Texas, evidências também foram encontradas para o uso de raízes e tubérculos subterrâneos de Psoralea família (nomes comuns incluem ervilha scurfy, nabo da pradaria e breadroot). Preparar tubérculos para comer é um processo trabalhoso. Eles tinham que ser localizados, desenterrados, assados ​​ou fervidos e então secos (ou comidos imediatamente). As duas vantagens dos tubérculos são que eles estão disponíveis quando nada mais está e podem ser secos e armazenados para uso posterior.

Somando tudo isso, em toda a área da Pátria de Caddo, vemos evidências de pessoas se estabelecendo em territórios localizados e usando intensamente os recursos locais, mesmo aqueles que não eram particularmente desejáveis. Isso sugere que os níveis populacionais regionais eram altos o suficiente para que não houvesse grandes territórios desocupados para os quais as pessoas pudessem se mudar facilmente em tempos difíceis. As pessoas começaram a ficar paradas ou em territórios menores porque suas opções eram limitadas. Embora não possamos apontar para qualquer local do Arcaico Tardio e dizer com certeza, & quotÉ aqui que os ancestrais dos Caddo viveram & quot, temos poucas dúvidas de que os ancestrais Caddo já viviam no que se tornaria sua pátria. Também pensamos que foram criadas as condições para os desenvolvimentos culturais que aconteceriam no período da floresta subsequente.


Locais Sagrados dos Estados Unidos

Arizona
Ribbon Falls, Grand Canyon
Mount Graham
I’ito (Chefe de Montezuma), Condado de Pima
‘Oks Daha (Velha Sentada), Condado de Pima
Mt. Humphreys (Doko O Sliid)
Ruínas do Canyon de Chelly
Monte Baboquivari
Cratera de Meteoro
Monte Newberry (montanha sagrada de Yuman)
Black Mesa, reserva Hopi
Montanhas de superstição
Lago sagrado Zuni na junção dos rios Little Colorado e Zuni

Arkansas
Parque Nacional de Hot Springs

Califórnia
Mt. Shasta
Mt. Tamalpais
Mt. Diablo
San Jacinto
Mt. Lassen
Monumento Nacional Joshua Tree
Monte Cuchama (Tecate)
Montanha do soldado (montanha Simolaki, sagrada para os índios Ajumawi)
Ponto de Concepção, perto de Santa Bárbara (local sagrado de Chumash)

Colorado
Rocha funerária indiana, condado de El Paso
Grandes Dunas de Areia
Monte Blanca (Sisnajini)
Monte Hesperus (Dibe ’Nitsaa)
Pagosa Springs
Lago da Ilha, Montanhas La Plata

Flórida
Montes de Crystal River
Monte Pantera, Everglades
Montes do Monte Real
Montes do Lago Jackson, perto de Tallahassee

Georgia
Stone Mountain
Parque Ocmulgee
Montes Etowah, Cartersville

Havaí
Vulcão Haleakala, Maui
Vulcão Mauna Kea, Havaí
Templo Piilanihale Heiau, Maui
Moku’ula, Maui, Havaí
Vale de Iao, Maui, Havaí
Mo ’okini Luakini Heiau, Havaí
Pu 'uhonua O Honaunau, Honauna Bay, Havaí
Monte Kilauea, Havaí (local de nascimento de Pele, deusa dos vulcões)
Kaulu Paoa Heiau, Ilha Kauia

Idaho
Local de fumar, montanhas Bitterroot
Coração do Monstro, lugar sagrado de Nez Perce, Rio Clearwater, perto de Klamath

Illinois
Monks mound, Cahokia, perto de Collinsville
Montes Kincaid

Indiana
Mounds State Park
Montes de anjo

Iowa
Monumento nacional de Effigy Mounds, Marquette
Monte de urso

Louisiana
Monte Poverty Point, Epps
Monte Watson Brake, perto de Monroe
Montes Natchez
Montes Tchefuncte
Montes de Marksville, perto de Monroe

Maine
Mt. Katahdin

Michigan
Montes Norton
Sleeping Bear Dunes, perto do Empire

Minnesota
Pipestone Quarry, Pipestone National Monument
Site do Jeffers Petroglyph, Jeffers

Mississippi
Monte Esmeralda, Tupelo

Montana
Local da Árvore da Medicina, condado de Ravalli
Annashisee Lisaxpuatahcheeashiee (Big Horn Medicine Wheel)
Chief Mountain, Montana (o Monte Ninaistak é sagrado para os índios Pés Negros)
Giant Springs
Sweetgrass Hills

Nebraska
Colina Pahuk Pawnee, ao norte de Cedar bluffs, leste de Nebraska

Nevada
Cave Rock
Spirit Mountain (Avi Kwa ‘Ame), condado de Clark
Avikwa’ame (montanha do Espírito), Grapevine Canyon, Laughlin (lugar sagrado de Yuman)

Nova Hampshire
Mt. Washington
Mystery Hill

Novo México
Mt. Taylor (Tsoodzil), Novo México
Ruínas de Chaco Canyon Anasazi, Novo México
Dunas de White Sands, Novo México
Igreja de Chimayo, Novo México
Montanha Ute, Novo México
Lago Azul, Novo México
Gobernador Nob, Novo México
Shiprock, Novo México
Mt. Huerfano, Novo México
Truchas Peaks, Novo México
Montanha Chicoma, Novo México (montanha sagrada Tewa)
Monte Conjilon, Novo México
Monte Capitan, Novo México (montanha sagrada Mescalero Apache)
Monte San Augustin, Novo México (montanha sagrada Mescalero Apache)
Monte Salinas, Novo México (montanha sagrada Mescalero Apache)
Hosta Butte (‘Ak’i Dah Nast’ani’) ao sul do Desfiladeiro Chaco
Bandelier Nat. Monumento aos santuários do Leão de Pedra de Yapashi, perto de Running Eagle Falls
Monumento Nacional dos Petróglifos, Novo México

Nova york
Mt. Marcy
Balanced Rock, North Salem
Santuário do local de nascimento de Kateria Tekakwitha, Auriesville
Santuário da Iluminação de Kateria Tekakwitha, Fonda

Carolina do Norte
Mt. Richland-Balsam
Montanha piloto

Ohio
Serpent Mound

Oklahoma
Antelope e Buffalo Springs, montanhas Arbuckle
Parque Estadual Spiro Mounds

Oregon
Wallowa Lake
Ilha Wizard, Lago da Cratera
Mt. Hood

Dakota do Sul
Harney Peak
Caverna do Vento
Buffalo Gap
Fontes termais de Mnikata
Canyon Craven
Montanha Inyan Kara, Condado de Crook, Black Hills
Bear Butte, Dakota do Sul (montanha sagrada de Noaha-vose Cheyenne)
Bad Lands, Dakota do Sul

Texas
Enchanted Rock, perto de Fredericksburg
Monte Guadalupe (montanha sagrada Mescalero Apache)

Utah
Ruínas de Hovenweep
Monte Sião

Washington
Mount Adams
Snoqualmie Falls
Mt. Ranier (Tacoma), Washington

West Virginia
Moundsville

Wisconsin
Monte Aztalan, Lake Mills
Montes de templo
Parque Estadual Blue Mound

Wyoming
Velho careca
Torre do Diabo
Big Horn Medicine Wheel, perto de Lovell

Martin Gray é um antropólogo cultural, escritor e fotógrafo especializado no estudo e documentação de locais de peregrinação ao redor do mundo. Durante um período de 38 anos, ele visitou mais de 1.500 locais sagrados em 165 países. o Guia de peregrinação mundial O site é a fonte de informações mais abrangente sobre o assunto.

O DaVincis da sujeira: perspectivas geoarqueológicas sobre a construção de montículos de nativos americanos na bacia do rio Mississippi

A complexidade da construção de montes, conforme revelada por análises geoarqueológicas, indica que o significado cultural dos montes pode ser refletido tanto nos materiais de construção de barro e sua disposição, quanto nos artefatos abandonados em seus picos. Usamos exemplos geoarqueológicos de três locais na bacia do rio Mississippi, Shiloh Mounds, Cahokia e Poverty Point, para defender uma abordagem geoarqueológica que considera múltiplas escalas de solos regionais e geomorfologia, observação de campo de unidades litoestratigráficas, à identificação em micro-escala da mineralogia e desenvolvimento do solo para decifrar a origem e processamento dos solos e sedimentos. Nós nos concentramos no uso de cinco tipos de construção referidos aqui como: blocos de grama, blocos de solo, preenchimentos carregados, preenchimentos zoneados e folheados. Também abordamos a seleção e transporte de solos e sedimentos usados ​​na construção de montes e o que esses tipos de depósitos revelam sobre os métodos usados ​​para construir montes. Esses dados podem ser usados ​​para avaliar e compreender a organização do trabalho, o ritmo de construção e a aparência do monte. Sustentamos que há uma diferença considerável (embora não quantificada) entre a movimentação de terra e a construção de montículos e que a construção desses importantes monumentos exigiu considerável conhecimento, habilidade, planejamento, trabalho árduo e atenção ao significado simbólico e ritual.

Resumo gráfico

Destaques da Pesquisa

► Uma perspectiva geoarqueológica sugere que a construção de montículos exigiu um esforço planejado que incorporou a preparação do local, uma compreensão sofisticada das propriedades do solo e consideráveis ​​habilidades de engenharia. ► Nos concentramos na construção identificando 5 tipos de depósitos: bloco de grama, bloco de solo, preenchimento carregado, preenchimento zoneado e folheados. ► Montes são edifícios arquitetônicos complexos que fazem parte das práticas simbólicas e rituais dessas sociedades.


Sexta-feira, 4 de julho de 2008

Parabéns ao embaixador dos EUA por cantar em língua indígena

Tive o prazer de saber que um nativo da América do Sul, o guarani, e um embaixador dos Estados Unidos chegaram recentemente às manchetes:

O embaixador dos Estados Unidos no Paraguai virou sensação da música no país ao gravar um álbum de canções folclóricas na língua indígena guarani. "O que venho tentando fazer é mostrar respeito pelo Paraguai e por sua cultura", disse James Cason à BBC. A receita da venda do álbum vai financiar bolsas de língua inglesa para estudantes paraguaios pobres. Os esforços de Cason foram bem recebidos, embora um político tenha reclamado de sua pronúncia. As músicas de Cason têm tocado no rádio e os ouvintes estão entusiasmados, diz ele. "Acho que eles estão simplesmente maravilhados e maravilhados com o fato de alguém dedicar um tempo para aprender um idioma que provavelmente é mais difícil do que o chinês", disse Cason, que deixou o Paraguai, seu último posto, em 2 de agosto.


Quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Alguma história da América do Sul de 4000-2000 AC

Tierra del Fuego na Argentina
Este é um post sobre a história da América do Sul de 4000-2000 aC. Por favor, lembre-se de que eu não sou um especialista neste período de tempo e há muito que ainda é desconhecido e está sendo descoberto por arqueólogos, mas as linhas gerais do que descreverei aqui estarão corretas em sua maioria. As datas apresentadas aqui são estimativas muito amplas e podem muito bem estar erradas. É um tempo antes de escrever nesta parte do mundo, então as principais fontes serão inteiramente arqueológicas. Embora a história oral seja importante, esse período específico está muito longe no passado para que a história oral seja útil aqui.

Para os fins deste blog, a América do Sul fará parte do continente da América do Sul, excluindo as ilhas do Caribe, que foram tratadas brevemente na postagem do blog sobre a história da América do Norte.

Como na América do Norte, antes do ano 4000 AC, a maior parte da América do Sul era habitada. Mesmo as regiões selvagens da Patagônia e da Terra do Fogo parecem ter sido alcançadas pelos humanos muito rapidamente após a chegada inicial às Américas.

A data exata para a chegada dos humanos às Américas é um mistério, mas a maioria concorda que houve uma chegada por volta de 10.000 AC, onde o máximo glacial mais recente baixou o nível do mar para permitir que uma ponte de terra emergisse no Estreito de Bering. Isso conectou a América do Norte e a Ásia e permitiu que pequenos grupos de forrageadoras cruzassem. Pode ter havido acordos anteriores, mas não está claro. O grupo que chegou por volta de 10.000 AC foi referido como a cultura Clovis (assim chamada por causa de suas armas de sílex que foram encontradas pela primeira vez na cidade de Clovis, no estado do Novo México, nos Estados Unidos). Em cerca de um milênio, a humanidade se espalhou até o extremo sul da América do Sul. Os grandes mamíferos que viveram nas Américas desapareceram, possivelmente porque os humanos os caçaram, mas possivelmente devido à pressão das mudanças climáticas, combinada com a competição alimentar dos humanos.

Cueva de las Manos na Argentina
Por volta de 7.000 AC em uma caverna no sul da Argentina, os caçadores-coletores que habitam cavernas colocavam suas mãos contra a parede da caverna, conhecida como Cueva de las Manos, e sopravam um tipo de tinta sobre as mãos, deixando uma marca que duraria por milênios. Humanos usando a arte para dizer às gerações futuras que eles estiveram lá.

Os habitantes originais das Américas eram caçadores-coletores, mas à medida que as populações se expandiam e os animais maiores desapareciam, parecia que os habitantes dos climas mais quentes começaram a depender mais da coleta de alimentos. Alguns alimentos foram cuidados e replantados e gradualmente isso se transformou em jardinagem e da jardinagem à agricultura. Muitas das principais safras das Américas, como milho e feijão, foram domesticadas no México, mas algumas, como o algodão e a batata, parecem ter sido domesticadas de forma independente na área que hoje é conhecida como Peru.

A cobaia foi domesticada pelos habitantes dos Andes, provavelmente mais como fonte de carne do que por serem fofos. Nessa época, a alpaca e a lhama também foram domesticadas. Estes eram principalmente úteis para a carne e para a lã. Embora seja possível para as lhamas transportar cargas, sua capacidade é bastante limitada em comparação a um cavalo ou camelo.

A cerâmica foi desenvolvida pela primeira vez nas Américas, na Bacia Amazônica, possivelmente por volta de 5500 AC. Existem peças de cerâmica da Guiana que aparecem pouco depois dessa época. A cerâmica parece ter se espalhado lentamente para o norte, para a Colômbia, onde é particularmente evidente no local de San Jacinto. No entanto, as tradições posteriores de fabricação de cerâmica elaborada ainda não haviam se desenvolvido. Esses itens ainda não eram amplamente usados ​​e esses períodos de tempo são frequentemente chamados de acerâmica, ou seja, & # 8220Sem cerâmica & # 8221, ou pré-cerâmica. Da Colômbia, a cerâmica se espalharia tanto para o norte como para o sul, para a Mesoamérica e o Equador e do Equador para o Peru.

Mamãe chinchorro
A cultura Chinchorro, abrangendo as regiões do norte do Chile e as regiões do sul do Peru, também é de interesse. É anterior ao período de tempo que estamos observando e possivelmente remonta a 7.000 AC. Esta foi uma cultura pesqueira que conseguiu sobreviver na região extremamente árida do Deserto do Atacama pescando nas águas costeiras. A aridez da terra significava que às vezes os membros mortos dessa cultura seriam preservados. A dessecação natural e o alto teor de sal do solo preservariam o tecido do falecido em um processo natural de mumificação. Isso acontece em muitas regiões áridas do mundo e é incomum, mas não sem precedentes. Aproveitando esse processo, o povo chinchorro enterrava seus mortos com bens rituais e permitia que a natureza seguisse seu curso. O povo Chinchorro pode ter sido o primeiro povo no mundo a tentar preservar e mumificar seus mortos.

Mais tarde, por volta de 5000 AC, o povo Chinchorro tentou garantir que seus mortos seriam mumificados removendo o tecido mole de uma pessoa e, em seguida, remontando-o, colocando a pele (ou pele de vedação de substituição) de volta sobre a pasta cinzenta para garantir que a semelhança dos mortos foi preservado. A pele foi então pintada de preto. A múmia resultante agora era mais cinzas do que humana e eu me pergunto se talvez um termo diferente, em vez de múmia, seria mais preciso. O cuidado com os mortos talvez sugerisse que os Chinchorro adoravam seus ancestrais, mas isso é especulativo. Muitas culturas tratam seus mortos de maneira elaborada, mas não os idolatram. No ano 4000 AC, o Chinchorro ainda usava a técnica da múmia negra e continuaria a fazê-lo por cerca de mil anos.

Cerca de 3700 cerâmicas foram encontradas em Puerto Hormiga, na Colômbia, mostrando a adoção da nova tecnologia. A cerâmica ainda não era amplamente usada nesta região na época.

Sítio arqueológico no Vale do Casma
Por volta do ano 3500 AC aparecem os primeiros sinais de urbanização na América do Sul. O local em Huaricanga foi habitado neste período por pessoas de uma cultura que às vezes é chamada de cultura Norte Chico (significando & # 8220Pouco Norte & # 8221 no Peru, confusamente, há também uma região separada do Norte Chico no Chile). O sítio em Huaricanga estava situado em uma região seca, mas a arqueologia revela que eles estavam usando colheitas para complementar sua dieta de peixes. A combinação da agricultura nascente com a pesca marítima parece ter sustentado a cultura do Norte Chico. O local inicial em Huaricanga era pequeno, mas pode não ter sido o único local ocupado nessa época.

Cerca de cem quilômetros mais ao norte, o rio Casma e seu afluente, o rio Sechin, fluem das montanhas em direção ao mar. Ao longo das margens desses rios, outra cultura, possivelmente relacionada à cultura Norte Chico, foi se desenvolvendo. A proximidade dessas duas culturas torna provável que houvesse alguma forma de interação entre elas e seria muito estranho se não se conhecessem. Ainda não se sabe qual cultura foi a mais antiga, mas a cultura Casma-Sechin também parece ter começado a se urbanizar nessa época. O sítio arqueológico de Sechin Bajo possui, provavelmente, as primeiras esculturas monumentais da América do Sul. Este local foi ocupado por milênios depois, portanto, as esculturas que os visitantes verão quase todas datam de mais tarde.

Um templo posterior de Bandurria
Outro local, cerca de cem quilômetros ao sul de Huaricanga, era o povoado de Bandurria. Ficava muito perto da costa e possivelmente data de 4000 AC, mas as evidências não são claras e o local foi danificado. No entanto, está claro que várias culturas estavam começando a emergir ao longo da costa norte do Pacífico na América do Sul. Uma vez que a urbanização começa a ocorrer, ela é rapidamente copiada e, portanto, vemos áreas no Oriente Médio começando a se mover em direção à urbanização mais ou menos na mesma época. Um processo semelhante deve ter ocorrido ao longo desta costa.

Por volta de 3400, a cultura Valdivia surgiu no que hoje é o Equador. Tal como as culturas Chinchorro, Casma-Sechin e Norte Chico, esta baseou-se ao longo da costa e os habitantes dependiam principalmente dos peixes do mar. Como todas essas culturas teriam tido acesso a algum tipo de barco costeiro, elas podem ter estado em contato umas com as outras, mas isso não está claro e não há mercadorias comerciais que possam apontar isso definitivamente. Os povos da Cultura Valdivia viviam em aldeias circulares, cultivando safras para complementar sua dieta de peixes e usando quase todas as mesmas safras que mais tarde foram importantes na região, como milho, feijão e abóbora. Isso significava que as Três Irmãs da Agricultura da Mesoamérica já haviam alcançado a Costa do Pacífico da América do Sul.

Uma pirâmide da cidade de Caral
Por volta de 3100 aC a cultura Norte Chico começou a se expandir, assim como outras culturas da região, como a cultura Casma-Sechin. Seus sítios urbanos cresceram e agora podem começar a ser chamados de cidades, embora a diferença entre uma cidade pequena e uma cidade grande seja realmente acadêmica. Os rios passaram a ser mais importantes que o litoral, embora a pesca ainda fosse importante.

Por volta de 3000 aC, o período pré-cerâmico na cultura Casma-Sechin começa. Isso viu a expansão contínua de assentamentos e a fundação de novos, como a cidade costeira de Huaynuná. Canais também foram construídos para permitir mais agricultura dos rios.

Por volta dessa época, o povo chinchorro começou a usar um estilo diferente da técnica da múmia negra. Esse novo método de mumificação foi chamado de técnica Mud Coat e envolvia revestir os mortos com uma camada de lama, areia e um tipo de argamassa que funcionava como um tipo de cimento. Este método não remove os órgãos do falecido e os deixa quase como tipos de estátuas.

Cerâmica foi encontrada na cultura Valdivia datando de 2700 AC. Isso mostra que o uso da cerâmica foi se espalhando gradualmente pela América do Sul, principalmente ao longo do litoral. Por volta dessa época, pequenos assentamentos também começaram a crescer no que hoje é a Colômbia.

Por volta de 2500 aC, as pessoas da cultura Chinchorro também começaram a usar a técnica da múmia vermelha. Isso foi usado por cerca de quinhentos anos e envolveu a remoção dos órgãos internos dos mortos, secagem da cavidade corporal remanescente, enchimento dos restos com palha e cobertura com máscara, cabelo e pele artificiais e a seguir pintar os restos com ocre vermelho. As técnicas de Red Mummy e Mud Coat parecem ter se sobreposto no tempo. This was probably just a change of technique rather than a change of culture or religion.

Excavations at Ventarron
Around 2500BC the temple complex at Ventarron was inhabited. This was a site on the northern Pacific Coast of Peru, about ten kilometres from the sea and further north than the Casma Valley. Here, a large temple complex was founded with some indications that the people here were trading with the civilisations both north and south of them.

Also around this time, the city of Caral was inhabited. Caral lay on the Supe River, not far from Huaricanga. While previous settlements resembled large towns, Caral was unquestionably a city. The city covers 150 hectares and contains large public squares and buildings. Some of these are formed like low pyramids and were almost certainly temples. The people of Caral traded extensively with the nearby coastlands and their hinterland, which consisted of at least nineteen smaller settlements, even going so far as to import the vertebrae of blue whales to use as stools. The population was probably not very large however. The city itself may have had a population of just three thousand people. But the valley probably had around twenty thousand and more may have come from even farther afield to attend religious ceremonies.

The magnificent remains of the city of Caral
Religious ceremonies were probably held there regularly. Buildings that were built to preserve fire were dotted around the city, possibly suggesting a fire cult. A geoglyph, a carving scratched onto the ground, similar to the later Nazca Lines, was created near the city, and has some resemblance to carvings at Casma-Sechin. What its meaning was is unclear. Bone flutes have been found that may well have been used in religious ceremonies.

If Caral was a religious centre, as seems likely, then it was also a trading centre. Items have been found there that show that by this point, the peoples of Caral had contact with the Valdivia culture of Ecuador and with the higher Andean regions, with some goods even coming from as far afield as the rainforest on the far side of the Andes.

While the history of Caral is a mystery and will probably always be so, it is possible that even at this early stage the peoples of the region had progressed to proto-writing. Knotted strings have been found that resemble later Incan quipu. Quipu are knotted ropes that can be carried swiftly by runners from place to place and the number and positioning of the knots on the ropes will carry messages. But it is not likely that these strings would tell us much even if they are in fact quipus. Quipus were generally more like tally sticks in certain ways. They were very good for detailing transactions but not for handling more complex content. So the dealings of Caral are likely to remain a mystery forever.

/>
The temples of Kotosh
Around 2300BC the Kotosh site was inhabited. This was a small site, further inland, to the southeast of the Casma River valley and further into the mountains. This is the type site for a culture that is referred to as the Kotosh Religious Tradition. It may have been a ceremonial centre for the people of the mountain valleys. The site itself is not large, but a nearby site called La Galgada may have been larger. It was continuously inhabited, perhaps by a class of priests. The temples in Kotosh had reliefs of crossed hands, but it is not certain what this signified. The Kotosh tradition would form a link to later cultures in Peru.

Around 2250BC a broken gourd showing a staff wielding deity was found. While it can never be exactly certain that this is a symbol of a deity it is almost certainly the same Staff God that was worshipped later in Peru. The Incas knew the Staff God as Viracocha and worshipped him as the creator of the world. If this broken gourd does indeed depict a god and if it is the same god, it shows that there was a cultural continuity from the time of the Norte Chico civilisation until the fall of the Inca Empire.

The mural of Ventarron, destroyed by fire in 2017
Image from the BBC
Around 2000BC the earliest dated murals in the Americas were made on the walls of the temples of Ventarron, along the northern coast of Peru. One of the murals depicted a snake like creature being caught in a net perhaps a scene from mythology or perhaps simply an illustration from the lives of a fishing people. Sadly, at least one of the murals was destroyed in a fire in 2017.

This brings our survey of South American history for this period to an end. I will write more in a later post. Before closing I would like to take some time to briefly address a misconception. There is a city in Bolivia called Tiwanaku, sometimes called Tiahuanaco that is sometimes stated as being extremely ancient. An explorer from the early 20th Century believed that the site was at least 11,000 years old and, more plausibly, it has been said to date from around 1600BC. More recent estimates suggest that the city should be dated as being occupied from around 300BC onwards. Some older publication may include the earlier dates for the city, so one should be aware of this while reading about South American history. Some conspiracy websites have also taken up this line, speaking of the Tiwanaku civilisation as being the oldest city on earth and probably to do with aliens or something. This diminishes the real achievements of the earlier civilisations such as the ones at Casma Sechin, or Caral.

Later relief of the Staff God from Tiwanaku
Related Blog Posts:
Some South American history from 4000-2000BC


Archeology and Artifacts

You've Never Seen Anything Like This Before, Goblin Valley, Utah. Building Cities in 50 Years. (3) Past Tartarian Civilizations (Turkmenistan) 15 Oldest Technologies That Scientists Can't Explain. (1) Atmospheric Abnormality. Old World Remains - California 1870's. (11) The Great Mud Flood, Tartaria, Reset Civilization. All About Red Bricks. Red bricks are widely used for building construction.

Here we talk about history, how clay bricks are made and fired, differences in quality and strength, how to select a good brick and how they should be used. See the full Fixed Abode article here “a-frog-in-your-brick.pdf” What is brick? A brick is a small rectangular block of fired or sun dried clay. It is a beautiful building material with warm colours, a natural appearance and, once built, it needs no ongoing maintenance. Another Monolith Discovered, It's Ancient! Chief Vann House – Historical Belle. During the 1790s, James Vann became a Cherokee Indian leader and wealthy businessman.

He was the son of a Cherokee woman and Scots-Irish man, and because of his mixed ancestry was able to do business with the Europeans and Indigenous People of the area. James Vann established the largest and most prosperous plantation in the Cherokee Nation, working his 1,000 acres with African slave labor. The house, which was built on Cherokee Land is now apart of Murray County, Georiga. In 1804 Vann completed construction of a beautiful 2 ½ story brick home. After Vann was murdered in 1809, his son Joseph inherited the mansion and plantation.

The house has many beautiful architectural features including this 12 foot mantle. Our guide, who was fantastic, told us that these are the original colors of the house, which I think is so cool! Ancient Impossible Engineering So Advanced it's Beyond Our Imagination. (2) Old World Fountains of Fire. What You Need To Know About ARCHEOLOGY And FORBIDDEN DISCOVERIES. Disposable Civilizations. Largest Early World Map - Monte's 10 ft. Planisphere of 1587. An extraordinary 60 sheet manuscript world map made in 1587 by Urbano Monte has been added to the David Rumsey Map Collection at Stanford University. At 10 foot square, this map or planisphere is the largest known early map of the world. It was hand drawn by Monte in Milan, Italy, and only one other manuscript copy exists. Little People in a GIANTS WORLD. Tartarian Copper Mines of California. Untitled. Untitled. Tartarian Extinction Event

Billions of Lives Destroyed by DEW.

Proof a Mysterious Lost Ancient GLOBAL Civilization Spanned Virtually the Entire Planet… Did One Of The Egyptian Pyramids Explode 12,000 Years Ago? First temple of god depicted as skinned human discovered in Mexico. © Meliton Tapia Davila/APA skull-like stone carving and stone trunk depicting the Flayed lord.

Part 28, The History of the ”Roman” empire (NEWER IMPROVED VERSION AVILABLE) Post Reset Civilization. Mystery History #4 giants tartaria flood mudflood hidden history. (1) RARE HISTORICAL IMAGES YOU HAVE TO SEE TO AVOID DEATH. America Before: The Key to Earth’s Lost Civilisation, by Graham Hancock. Forbidden History, King Arthur Died in America, Dinosaurs Walked with Man. (12) You Won’t Believe What’s Buried Under the Sahara…Hidden Lost Ancient Civilizations.

New Zealand Skeletons in the Cupboard - Under The Carpet. Ancient American Roots by Jon Levi. Good catch, Ice.

I believe we've made this connection before—the Scythians (Tartarians) being warlike nomads who specialized in horse archery and were the first-known wearers of pants. But these were not primitive nomads, as their goldwork alone reveals a level of artistry approaching perfection.What I find most interesting is this passage from the article from above:The unnamed correspondent from the previous month's issue has a theory in which he is so confident as to claim it a certainty, that the Native Americans are the degenerated stock of Tartarians who were forced to flee their cities by invaders.

3,000 photos of the lost world. Mount Rainier's Osceola Mudflow. Once Upon A Reset (San Francisco) New Ellora Caves Documentary 2019 The Mind-Boggling Rock Cut Temples of India. Inheritors of a Nation. Peculiars you've never seen. The Nephilim In The Ohio Valley! - Anunnaki/Human "Hybrids" in Ancient North American Indian Tribes! Pre-1600’s Built for Giants. Highlights of the NewEarth Findings - the True Ancient History of the Human Races. Hawksmoor Churches. Whether you like them or not (and I'm not a great fan) Hawksmoor's churches certainly make an impact on London, if only by their sheer size.

They range from large to enormous and I sometimes wonder whether there was an error of scale on the drawings and they got built much bigger than intended! Tartarian Empire - Covered Up By People & Mud #Mudflood. Mud Flood Hills Must Go. Flood Remains Used All Along. American History (Untold) Version. New York Mud Flood. Malta Caves and Tunnels Documentary: Giants, Secret History and Strange Locations. No One Knows How To Explain This. Mystery History #4 giants tartaria flood mudflood hidden history. Revealed Photos Show Something Huge May be Hidden in Ancient Egypt – Lost Civilizations & Egyptians. Frank Joseph, Lemuria, Atlantis & Humans 20 Million Year Timeline. Secret American Archaeology 2017. Is Planet Earth Just One Giant Ancient Quarry. Mayan Ruins in Georgia ? 2016. New Ancient Discoveries Documentary 2018 Greatest Archaeological Mysteries of the Past. New Sumerian Artifacts 2018 Documentary The Forgotten History of Sumer.

Louisiana's 5,400 Year Old Mystery Site. 200,000 Year Old Ancient Levitation Technology That Defies the Laws of Physics. EXCLUSIVE! L.A. Marzulli Reveals DNA That Opens New Chapter In History. The Advanced Pre Ice Age Civilizations that Vanished From Earth [FULL VIDEO] Pyramids and Hieroglyphics in America B.C. - Secrets not taught in Public School Pt-2. The Untangled Gathering - Origins - Dr Sam Osmanagich. Joseph P Farrell SECRET STRUCTURES your not suppose to know about. Part 1 of 'Standing with Stones' Historic Timeline Based on Historic Sites & Artefacts Instead of Blind Belief in the Quakademia. Suppressed Ancient Artifacts that Dont Match Current Beliefs. The BIGGEST SECRET Hidden in Plain SIGHT - The ROCKS were ALIVE.

Top 10 Nazca Line Figures. What you need to know about the ATACAMA HUMANOID and the land in which it was found. Ancient Human Origins, Why History is Wrong. Man finds Nephilim giants in Utah. ANTARCTICA CASTLE DISCOVERY REWRITES HISTORY. BREAKING NEWS. Derinkuyu & The Underground Cities of Cappadocia. In 1963, a man in the Nevşehir Province of Turkey knocked down a wall of his home.

Behind it, he discovered a mysterious room. The man continued digging and soon discovered an intricate tunnel system with additional cave-like rooms. What he had discovered was the ancient Derinkuyu underground city, part of the Cappadocia region in central Anatolia, Turkey. The elaborate subterranean network included discrete entrances, ventilation shafts, wells, and connecting passageways. Ancient City of Sigiriya. Arkaim Russia’s Stonehenge and a Puzzle of the Ancient World. Ancient Megaliths and Historic sites. The Highlanders. The terracotta army is maybe the most extraordinary discovery of the 20th century.

While digging for a well, a group of Chinese farmers found a few ancient bronze weapons and pieces of broken terracotta. This was the beginning of a great discovery, which would reveal an entire underground city, guarded by terracotta soldiers and horses. Photo Source: famous-places.com. Secret Ancient History of Pyramids, Stone Spheres and Megaliths [FULL VIDEO]

Megaliths and the True Ancient History of Earth and the Inhabiting Races. The Last "ECHO": Did you know we have Pyramids In America? Pyramids In America!

The earthworks of the lower Mississippi were centers of life long before the Europeans arrived in America, as was the river itself. The alluvial soil of its banks yielded a bounty of beans, squash, and corn to foster burgeoning communities. Over the Mississippi's waters, from near and far, came prized pearls, copper, and mica. Did you know we have Pyramids in America? Most people are aware of the Pyramids in Egypt but little to no talk is mentioned regarding the ones here at home.

Poverty Point combines mounds with an aspect of ancient Rome ­ an amphitheater. Documented uses for Mississippian platform mounds include semi-public chief’s house platforms, public temple platforms, mortuary platforms, charnal house platforms, earth lodge/town house platforms, residence platforms, square ground and rotunda platforms, and dance platforms. Megalithic Monuments of Mu.

By Robert Stanley from UnicusMagazine Website In September of 1985, after traveling to 57 countries, I was absolutely amazed to discover the ruins of a lost civilization in my own backyard.

The questions I'm most often asked about the ancient, megalithic monuments I found in Malibu are: If this is real how come now one has ever reported it before? GRAHAM HANCOCK ANCIENT & FUTURE CATACLYSM - THE GREAT RETURN OF THE COMET! DARK JOURNALIST. Elusive Giant Megaliths from Sigiriya to France and "Elf" Castles in Bulgaria (with vehicle tracks) The 6,000 Year Old Crown Found in a Dead Sea Cave. Rockwall TX & Lost Secrets of Ancient America Josh Reeves In Houston FULL Presentation.

Roman Sword discovered off Oak Island radically suggests Ancient Mariners visited New World 1,000 years before Columbus. Researchers investigating the mysterious Oak Island, located on the south shore of Nova Scotia, Canada, have made a startling announcement regarding the discovery of a Roman ceremonial sword and what is believed to be a Roman shipwreck, radically suggesting that ancient mariners visited North America more than a thousand years before Columbus.

Evidence of the finding, which was exclusively revealed to Johnston Press and published in The Boston Standard, was uncovered by researchers involved in The History Channel’s series Curse of Oak Island, which details the efforts of two brothers from Michigan as they attempt to solve the mystery of the Oak Island treasure and discover historical artifacts believed to be concealed on the island. J. Hutton Pulitzer, lead researcher and historic investigator, along with academics from the Ancient Artifact Preservation Society, have compiled a paper on the finding, which is scheduled to be published in full in early 2016.

Mysterious Stone Chambers & Giants Discovered in New England- Jim Vieira. The Forbidden History of Ancient China: Aryan Mummies and Hundreds of Pyramids. [Hitler regarded individuals who were 6ft. 6 pol. and taller as being closest genetic relatives of the original proto-Aryan tribes from central Asia from which the Caucasian people and civilizations are said to have descended. Recent discoveries of hundreds of ancient mummies in Asia are forcing a re-examination of old Chinese books that describe as being of great height, with deep-set blue eyes, long noses, full beards, and red or blonde hair. The discoveries of the giant 4,000-year-old “Beauty of Loulan” and (six-foot, six-inch) “Charchan Man” support the legends about these mythical ancient Aryans.]

After years of controversy and political intrigue, archaeologists using genetic testing have proven that Caucasians roamed China’s Tarim Basin thousands of years before East Asian people arrived. The Great Smithsonian Cover-Up: 18 Giant Skeletons Discovered in Wisconsin. Scientists are remaining stubbornly silent about a lost race of giants found in burial mounds near Lake Delavan, Wisconsin, in May 1912. The dig site at Lake Delavan was overseen by Beloit College and it included more than 200 effigy mounds that proved to be classic examples of 8th century Woodland Culture. But the enormous size of the skeletons and elongated skulls found in May 1912 did not fit very neatly into anyone’s concept of a textbook standard. They were enormous. These were not average human beings. Bigger than Baalbek. The amazing megaliths of the Ural Mountains, Megalithic Archeological sites.


The Gods Destroy Earth

The theater in the sky comes to a sudden end in 3147 BC. Earth experiences a violent disturbance which brought the civilizations of the Earth to a stop with a massive flood, except on highlands in Mesopotamia (as in Persia and Anatolia), the foothills of the Himalayas, and in protected river valleys (as in Egypt). Floods and the return of a colder climate are noted in the archaeological and climatological records.

The year 3147 BC marks the worldwide flood. It is the flood which generates stories all over the world of survivors in arks or boats or canoes. In flood tales throughout the world, nearly all the boats or canoes moor to a high mountain peak. The "mountain" is a celestial apparition dominating the skies directly after and for an additional 280 years. It is Jupiter in plasma discharge to its surroundings from its south polar region.

Among farmer populations, the stories tell of arks provisioned with seeds and farm animals, an event actually experienced earlier by the people fleeing the Black Sea flood of 5600 BC. The Black Sea flood story had been carried far afield with the diaspora of the survivors, who show up in Eastern and Central Europe, Central Asia (as far east as the border of China), Mediterranean Europe, Anatolia, and of course in Mesopotamia between 5400 and 3000 BC. The Black Sea survivors were farmers and fishermen, and thus generated a hundred stories of family, farm animals, and seeds saved aboard a multiplicity of boats. It is only from the casual references in Mesopotamian documents to a "flood before the flood" that we know that the Sumerians understood the repeating nature of worldwide floods.

Yet another worldwide "flood event" would happen in 2349 BC. This also was understood as a major flood. The Chinese Annals of Shu report that it took Yu, in the service of the emperor Yao, nine years to empty the mountain valleys of water from the "inundation which overtopped the hills." Yu is dated to around 2200 BC. The "legendary" Yu is traditionally placed as reaching the throne of the Xia dynasty in 2205 BC. The Xia lasted to about 1750 BC. The Chinese "flood event" is dated to approximately the same time as the Noachian flood of the Bible, but neither of these were floods. It was a period of extreme rains and hurricanes. More on this in a following chapter.

The whole issue of "flood" is complicated by the fact that similar events are likely to be collapsed in memory, especially when these happen at the infrequent interval of one or two thousand years. People will always think of the last flood as "the flood," and the image will merge with previous memories into a composite.

This was true for the Hebrews, for whom the "flood" of 2349 BC, the flood of Noah, was the only flood in their recorded experience. However, the Noachian flood story incorporates elements of the earlier World Flood of 3147 BC, and perhaps also the earlier Black Sea flood, as does the story of the flood of Gilgamesh.

This last is hinted at in the Épico de Gilgamesh. Although nominally describing the flood of 3147 BC, the Épico de Gilgamesh clearly refers back to the spectacular flooding of the Black Sea basin in 5600 BC, with its descriptive references to the Black Sea (the "Sea of Death") and the Bosporus Strait (which Gilgamesh's ferryman navigates by hanging a basket of rocks over the edge of his boat). Gilgamesh, in an impulsive gesture reminiscent of Hercules, cuts the ropes to the basket. On the north shore Gilgamesh visits with the Sumerian Noah, Utnapishtim. [note 32]

Flood stories are ubiquitous, and, interestingly, none of them recall local events where only thousands died. The flood stories all claim to be about a universal deluge, a worldwide catastrophic event which killed nearly everyone and also decimated the plants and animals. [note 33]

"But Deucalion in the ark, floating over the sea for nine days and as many nights, grounded on Parnassus, and there, when the rains ceased, he disembarked, and sacrificed to Zeus."

-- Apollodorus, 2nd century

"Tahiti was destroyed by a flood. A husband and a wife were saved. They had a chicken, dog, kitten, and a pig with them. They took refuge on Mount O Pitohito."

-- Tahiti, contemporary

"When the Moon did not yet exist, a bearded old man named Botschika taught the arts of agriculture, clothing, worship and politics to the people. His beautiful but malevolent wife was Huythaca. She caused a flood in which most people perished. Botschika then turned her into the Moon."

-- Columbia, contemporary [note 34]

At this point we have flood dates for circa 5600 BC, 3147 BC, and 2349 BC. But apparently the disturbance of 3147 was absolutely overwhelming. o Épico de Gilgamesh expresses the regrets even the Gods had for the utter destruction this flood caused.

"How could I do this!
Am I so stupid,
That I give life
Only to take it away,
So that people fill the sea like fishes?"

-- Inanna, in the Épico de Gilgamesh


Conteúdo

It is not definitively known how or when the Native Americans first settled the Americas and the present-day United States. The prevailing theory proposes that people migrated from Eurasia across Beringia, a land bridge that connected Siberia to present-day Alaska during the Ice Age, and then spread southward throughout the Americas and possibly going as far south as the Antarctic peninsula. This migration may have begun as early as 30,000 years ago [4] and continued through to about 10,000+ years ago, when the land bridge became submerged by the rising sea level caused by the ending of the last glacial period. [5] These early inhabitants, called Paleoamericans, soon diversified into many hundreds of culturally distinct nations and tribes.

The pre-Columbian era incorporates all period subdivisions in the history and prehistory of the Americas before the appearance of significant European influences on the American continents, spanning the time of the original settlement in the Upper Paleolithic period to European colonization during the Early Modern period. While technically referring to the era before Christopher Columbus‘ voyages of 1492 to 1504, in practice the term usually includes the history of American indigenous cultures until they were conquered or significantly influenced by Europeans, even if this happened decades or even centuries after Columbus’ initial landing.

Native development prior to European contact

Native American cultures are not normally included in characterizations of advanced stone age cultures as “Neolithic,” which is a category that more often includes only the cultures in Eurasia, Africa, and other regions. The archaeological periods used are the classifications of archaeological periods and cultures established in Gordon Willey and Philip Phillips‘ 1958 book Method and Theory in American Archaeology. They divided the archaeological record in the Americas into five phases [6] see Archaeology of the Americas.

The Clovis culture, a megafauna hunting culture, is primarily identified by use of fluted spear points. Artefatos desta cultura foram escavados pela primeira vez em 1932 perto de Clovis, Novo México. The Clovis culture ranged over much of North America and also appeared in South America. The culture is identified by the distinctive Clovis point, a flaked flint spear-point with a notched flute, by which it was inserted into a shaft. Dating of Clovis materials has been by association with animal bones and by the use of carbon dating methods. Recent reexaminations of Clovis materials using improved carbon-dating methods produced results of 11,050 and 10,800 radiocarbon years B.P. (roughly 9100 to 8850 BCE).

Numerous Paleoindian cultures occupied North America, with some arrayed around the Great Plains and Great Lakes of the modern United States of America and Canada, as well as adjacent areas to the West and Southwest. According to the oral histories of many of the indigenous peoples of the Americas, they have been living on this continent since their genesis, described by a wide range of traditional creation stories. Other tribes have stories that recount migrations across long tracts of land and a great river, believed to be the Mississippi River. [7] Genetic and linguistic data connect the indigenous people of this continent with ancient northeast Asians. Archeological and linguistic data has enabled scholars to discover some of the migrations within the Americas.

The Folsom Tradition was characterized by use of Folsom points as projectile tips, and activities known from kill sites, where slaughter and butchering of bison took place. Folsom tools were left behind between 9000 BCE and 8000 BCE. [8]


Assista o vídeo: Watson Brake 5400 Year Old Mound Complex. Built By Hunter-Gatherers. Ouachita River, Louisiana USA.


Comentários:

  1. Daigore

    Na minha opinião, erros são cometidos. Precisamos discutir. Escreva-me em PM, fale.

  2. Carney

    Nele algo está. Muito obrigado pela ajuda neste assunto. Eu não sabia disso.

  3. Boda

    Ideia fofa

  4. Zulkibar

    O número não vai funcionar!



Escreve uma mensagem