Gerry, Elbridge - História

Gerry, Elbridge - História



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Gerry, Elbridge (1744-1814) Comerciante, governador de Massachusetts, vice-presidente dos Estados Unidos: Gerry nasceu em Marblehead, Massachusetts, em 17 de julho de 1744. Em 1762, ele se formou em Harvard e começou a trabalhar na navegação de seu pai o negócio. Dez anos depois, ele foi eleito para o Tribunal Geral de Massachusetts e para o comitê de correspondência. Gerry participou do segundo Congresso Continental e assinou a Declaração de Independência e os Artigos da Confederação. Durante a maior parte da Guerra Revolucionária, ele serviu no Congresso, apoiando a obtenção de suprimentos de guerra, apesar de sua suspeita de militarismo. Eleito para a Assembleia de Massachusetts em 1786, foi enviado para a Convenção Constitucional um ano depois. Embora se recusasse a assinar a Constituição e se opusesse à ratificação, foi eleito para o Congresso em 1789. No Congresso, ele apoiou as políticas econômicas de Alexander Hamilton e foi um dos delegados enviados à França durante o "Caso XYZ". Gerry tornou-se governador de Massachusetts em 1810, cargo em que traçou os distritos de seu estado ao longo de linhas partidárias. Essa prática de criar distritos para fins políticos foi chamada de "gerrymandering". Gerry foi eleito vice-presidente dos Estados Unidos em 1812, no segundo mandato de James Madison como presidente, mas morreu durante o mandato, em 23 de novembro de 1814.


Elbridge Thomas Gerry (1837–1927) contratou o arquiteto Richard Morris Hunt para projetar um castelo do Renascimento francês. Gerry disse especificamente a Hunt que precisava de espaço para abrigar sua coleção de 30.000 livros jurídicos. [1]

Os planos para a casa foram anunciados formalmente em O jornal New York Times em 15 de maio de 1892. A construção começou em 1895, e depois de estimados US $ 3.000.000 em custos de construção, a residência foi inaugurada oficialmente em 1897. [2] A entrada da estrutura, através de um porte-cochère de ferro, [2] foi baseada em a ala Luís XIII do Château de Blois. [3]

A mansão Gerry tornou-se um centro de vida culta e elegante, mesmo quando passou a ser cercada por arranha-céus. [4] Gerry possuía figuras escultóricas de spandrel Noite e Dia por Isidore Konti. [5] Em sua casa, ele exibiu sua extensa coleção de arte internacional, que incluía obras como "Plaza de Toros" de Jean-Léon Gérôme, um busto de Jean-Jacques Henner, "Lac Chambre du Nourrisson" de Mihály Munkácsy de 1884, Adolph "Sunday Morning in Norway" de Tidemand, "The Cave of Gasparoni" de James Edward Freeman e "Study of a Young Girl", "The Cardinal's Nephew" de Jehan Georges Vibert, "The Advance Guard" de Adolf Schreyer, "Achillo Guerra" Absolution of Beatrice Cenci , "Jean-Joseph Benjamin-Constant's" Venice: The Return of the Envoy, "John Henry Dolph's" A Happy Family ", Blackman's" Italian Kitchen, "Edwin Lord Weeks '" Woodcarver's Shop: Delhi, "Paul Jean Clays's" Port of Ostend, "A ascensão da lua e o pôr do sol de Mauritz de Haas" e "A Revolta da Tribo" de Salvator Rosa. [6] Ele também possuiu obras do pintor italiano Camillo Gioja Barbera, do pintor belga Cornelius Van Leemputten, do pintor polonês Alfred Kowalski, do pintor austro-francês Rudolf Ernst, do pintor francês Claude Joseph Vernet, do pintor norueguês Vincent Stoltenberg Lerche e do pintor holandês Jan de Baen . [7]

Edição de demolição

Após a morte de Gerry em 1927, a mansão foi vendida e em 1929 foi demolida para dar lugar ao hotel The Pierre. [2] A mansão sobreviveu apenas 32 anos. [8]


Nathaniel Gorham, Massachusetts

Gorham, o filho mais velho, nasceu em 1738 em Charlestown, MA, em uma velha família de Bay Colony de posses modestas. Seu pai operava um barco de carga. A educação dos jovens foi mínima. Quando ele tinha cerca de 15 anos de idade, ele foi aprendiz de um comerciante de New London, CT. Ele saiu em 1759, voltou para sua cidade natal e estabeleceu um negócio que rapidamente teve sucesso. Em 1763 ele se casou com Rebecca Call, que teria nove filhos.

Gorham começou sua carreira política como notário público, mas logo ganhou as eleições para a legislatura colonial (1771-75). Durante a Revolução, ele apoiou inabalavelmente os Whigs. Ele foi um delegado ao congresso provincial (1774-75), membro do Conselho de Guerra de Massachusetts (1778-81), delegado à convenção constitucional (1779-80) e representante tanto na alta (1780) quanto na baixa ( 1781-87) casas da legislatura, incluindo porta-voz desta última em 1781, 1782 e 1785. No ano passado, embora aparentemente não tivesse treinamento legal formal, ele começou uma carreira judicial como juiz do tribunal de alegações comuns do condado de Middlesex (1785-96). Durante o mesmo período, ele fez parte do Conselho do Governador (1788-89).

Durante a guerra, as tropas britânicas destruíram grande parte das propriedades de Gorham, embora por meio de corsários e especulações ele tenha conseguido recuperar a maior parte de sua fortuna. Apesar dessas preocupações comerciais urgentes e de suas atividades políticas e judiciais estaduais, ele também serviu à nação. Ele foi membro do Congresso Continental (1782-83 e 1785-87) e ocupou o cargo de presidente de junho de 1786 até janeiro de 1787.

No ano seguinte, aos 49 anos, Gorham participou da Convenção Constitucional. Nacionalista moderado, ele compareceu a todas as sessões e desempenhou um papel influente. Falava com frequência, atuava como presidente do Comitê do Todo e fazia parte do Comitê de Detalhe. Como delegado à convenção de ratificação de Massachusetts, ele defendeu a Constituição.

Alguns anos infelizes se seguiram. Gorham não serviu no novo governo que ajudou a criar. Em 1788, ele e Oliver Phelps de Windsor, CT, e possivelmente outros, fizeram um contrato para comprar da Commonwealth of Massachusetts 6 milhões de acres de terras não melhoradas no oeste de Nova York. O preço foi de US $ 1 milhão em notas desvalorizadas de Massachusetts. Gorham e Phelps rapidamente conseguiram liberar o título indígena para 2.600.000 acres na seção leste da concessão e venderam grande parte dele aos colonos. Os problemas surgiram logo, no entanto. O valor da receita de Massachusetts aumentou dramaticamente, aumentando enormemente o preço de compra do vasto terreno. Em 1790, os dois homens foram incapazes de cumprir seus pagamentos. O resultado foi uma crise financeira que levou à insolvência de Gorham - e uma queda das alturas da sociedade e da estima política de Boston.

Gorham morreu em 1796 aos 58 anos e está enterrado no cemitério da Phipps Street em Charlestown, MA.


Ensaios Temáticos Relevantes

Nesta lição, os alunos aprenderão sobre Elbridge Gerry. Eles devem primeiro ler como lição de casa de fundo Folheto A - Elbridge Gerry (1744–1814) e responder a Perguntas de compreensão de leitura. Depois de discutir essas questões em sala de aula, o professor deve pedir aos alunos que respondam às Questões de pensamento crítico como uma classe. Em seguida, o professor deve apresentar aos alunos a atividade de origem primária, Apostila B - Por Sua Própria Mão: Elbridge Gerry e Gerrymandering, em que os alunos atrairão distritos eleitorais em benefício de um partido político.

Existem Opções de Acompanhamento de Trabalho de Casa que pede aos alunos que considerem como a gerrymandering pode ser usada para discriminar certos grupos étnicos e religiosos. Extensões oferece oportunidades para reflexão sobre controvérsias históricas e contemporâneas, os alunos são convidados a pesquisar casos da Suprema Corte que lidam com gerrymandering, bem como a experiência mais recente de seu estado com redistribuição.


Descrições de Elbridge Gerry

John Adams, Autobiografia, fevereiro de 1776

O Sr. Gerry foi escolhido [como delegado ao Congresso], que foi comigo para a Filadélfia, e ocupamos nossos lugares no Congresso na sexta-feira, 9 de fevereiro de 1776. Neste cavalheiro encontrei um amigo fiel e um amante ardente e perseverante de seu país , que nunca hesitou em promover com todas as suas capacidades e indústria as medidas mais ousadas e conciliáveis ​​com a prudência.

John Adams para James Warren, 15 de julho de 1776

The News, você aprenderá com meu valioso amigo Gerry. Ele é obrigado a fazer uma Cavalgada pela Saúde, pois logo estarei ou não terei nenhuma. Queira Deus que ele possa recuperá-lo, pois é um Homem de imenso valor. Se todo homem aqui fosse um Gerry, o Liberties of America estaria seguro contra os Portões da Terra e do Inferno.

Charles Thomson para Hannah Thomson, 20 de outubro de 1783

. . . embora esteja longe de se distinguir por seus talentos na oratória, e não possa se gabar do trovão de sua voz, da harmonia de seus períodos ou de qualquer um daqueles golpes de eloqüência que transportam e cativam os ouvintes, nem de um arranjo justo de argumentos ou endereço insinuante suave que comanda a atenção de um público e os leva insensivelmente e quase involuntariamente ao ponto que ele pretende carregar, mas com sua voz fraca e rude voz quebrada e interrompida com muitos heck & amp hem & amp repetição de ofs & amp ands ele assumiu tal superioridade sobre [seus oponentes].

John Adams para Mercy Otis Warren, 6 de maio de 1785

Prometo a mim mesmo, pela participação do Sr. Gerry no Congresso, todas aquelas mudanças para melhor na gestão dos assuntos gerais da União, que muitas vezes vi proceder da clareza de sua cabeça e da bondade de seu coração. Eu quase não conheço homem de mais endereço, mais indústria ou perseverança. Ele nunca apareceu no Congresso sem uma grande influência. Ele merece uma posição mais elevada na Estimativa de Massachusetts do que me pareceu estar a esta distância. Ele mereceu mais desse Estado do que temo que eles conheçam.

William Pierce, "Character Sketches", 1787

O caráter do Sr. Gerry é marcado pela integridade e perseverança. Ele é um orador hesitante e laborioso, possui um alto grau de confiança e se aprofunda em todos os assuntos sobre os quais fala, sem respeitar a elegância ou a flor da dicção. Ele é conectado e às vezes claro em seus argumentos, concebe bem e preza como sua primeira virtude, o amor por seu país. O Sr. Gerry é um cavalheiro em seus princípios e maneiras - ele se engajou na linha mercantil e é um homem de propriedades. Ele tem cerca de 37 anos.

Desconhecido para Thomas Jefferson, 11 de outubro de 1787

Depois de quatro meses de sessão, a casa [ou seja, a Convenção Constitucional] se desfez. Os estados representados, onze e meio, tendo concordado unanimemente com o ato entregue a vocês, havia apenas três vozes dissidentes, uma da Nova Inglaterra, um homem de bom senso, mas um grumbletoniano. Ele foi útil ao se opor a tudo que não propôs.

Benjamin Goodhue para Samuel Phillips, 11 de agosto de 1789

Gerry. . . tem as noções mais elevadas de doações abundantes como qualquer pessoa que já conheci, e tem manifestado uma disposição tão anti-liberal e feia desde que está no Congresso que acredito que nenhum homem tenha menos amigos do que o Sr. Gerry.

Abigail Adams para Cotton Tufts, 1 de setembro de 1789

Sr. G —- O que posso dizer. Você o vê sempre em minoria, muitas vezes o vê errado e o pobre homem tem uma aparência horrível. Eu acredito que ele está preocupado, mortificado e completamente nos horrores. Um correspondente constante de W [arre] n e sua esposa, todos os quais não vêem nada além de ruína e destruição diante deles, e que novamente definirá nosso estado pelos ouvidos, se possível. Observe-os de perto.

John Adams para Abigail Adams, 21 de junho de 1795

Um membro da Companhia expressou tal inveteração contra meu velho amigo Gerry que não pude deixar de aceitar sua Vindicação. A futura eleição de um governador, no caso de uma cadeira vazia, desperta o ciúme que há muito percebi. Essas coisas sempre serão assim. O Mérito de Gerry é inferior ao de nenhum homem em Massachusetts, exceto o atual governador [ou seja, Samuel Adams], de acordo com Minhas Idéias e Julgamento de Mérito. Eu gostaria que ele fosse mais ampliado e mais correto em seus pontos de vista. Ele nunca foi um dos fios amarrados no nó, e nunca foi popular com aquele Sett.

William Vans Murray para John Quincy Adams, 13 de abril de 1798

Embora eu saiba que ele é muito bem informado sobre os negócios do Congresso e de um coração muito amigável, bom marido, pai e vizinho, eu o conheço tão bem que posso dizer que, de todos os homens que conheço na América, ele é talvez o menos qualificado para desempenhar um papel em Paris, tanto entre os homens quanto entre as mulheres. Ele é virtuoso demais para o último, muito pouco familiarizado com o mundo e consigo mesmo para o primeiro, e não poderia fazer nenhum bem, a não ser em um caráter relativo como um dos três enviados.

Benjamin Rush, Sketches-c. 1800

Ele era um jovem comerciante respeitável, de educação liberal e considerável conhecimento. Ele era lento em suas percepções e em sua maneira de fazer negócios, e gaguejava em sua fala, mas ele sabia e abraçava a verdade quando a via. Ele não tinha preconceitos locais ou estaduais. Cada parte de sua conduta em 1775, 1776 e 1777 indicava que ele era um homem sensato, justo e um amigo genuíno das formas republicanas de governo.

John Adams para Thomas Jefferson, 21 de maio de 1812

Embora o Sr. Gerry não seja muito velho para o serviço mais árduo, ele é um dos primeiros e mais antigos legisladores da Revolução e dedicou a si mesmo, sua fortuna e sua família ao serviço de seu país.


O “Gerry” em Gerrymandering

A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu esta semana não se envolver na questão de saber se certos distritos legislativos e congressionais foram "maltratados" - uma prática que data dos primeiros dias do país.

Os casos apresentados ao tribunal envolvem uma prática em que os distritos são escolhidos para favorecer uma pessoa, um partido político ou uma classe de pessoas.

“Gerrymandering” foi nomeado em homenagem a Elbridge Gerry, um dos signatários da Declaração da Independência.

Como governador de Massachusetts (1810–1812), Gerry aprovou um plano de redistritamento para o senado estadual que deu vantagem política aos republicanos. Alguém observou que um dos distritos parecia uma salamandra e logo o processo ficou conhecido como “gerrymandering”.

Desde então, “gerrymandering” produziu durante anos distritos legislativos estaduais e parlamentares de formatos estranhos.

Gerry permaneceu em cena nos primeiros dias da república. Além de assinar a Declaração, ele também assinou os Artigos da Confederação.

Quando os fundadores decidiram que os artigos não estavam funcionando bem, uma convenção foi convocada na Filadélfia em 1787 para revisá-los, e Gerry foi um dos delegados.

Na Filadélfia, os delegados decidiram escrever uma nova constituição em vez de revisar os Artigos da Confederação.

Gerry foi ativo nos debates e argumentou vigorosamente que os indivíduos precisavam de mais proteção do todo-poderoso governo central do que a Constituição fornecia e precisava ser explicada. A convenção, no entanto, rejeitou seus apelos.

Então, quando a Constituição estava pronta para ser assinada e apresentada ao presidente da convenção, George Washington, Gerry disse “Não”.

No entanto, como membro do Primeiro Congresso (1789-1791), Gerry apoiou as propostas de James Madison para emendas constitucionais que eventualmente se tornaram o que conhecemos agora como Declaração de Direitos, as primeiras 10 emendas à Constituição.

Gerry aposentou-se da vida pública após dois mandatos na Câmara, mas foi uma aposentadoria ativa, durante a qual serviu não apenas como governador de Massachusetts, mas também como vice-presidente do presidente Madison (1813-1814). Ele morreu enquanto era vice-presidente em 1814.

Gerrymandering, no entanto, continua vivo. O tribunal superior se recusou esta semana a se envolver em um caso de Wisconsin, onde os democratas estavam irritados com um plano de redistritamento legislativo estadual que favorecia fortemente os republicanos, e outro de Maryland, onde a legislatura estadual reformulou os distritos eleitorais do estado, então apenas um foi Republicano.

Para obter mais detalhes sobre Elbridge Gerry, vá para “Founding Father in Dissent” por Greg Bradsher na edição da primavera de 2006 da Prólogo.


Gerry & # 8217s Landing e sua vizinhança

Quando visitamos uma cidade ou país que é novo para nós, tentamos descobrir o que é interessante no lugar, que pessoas famosas viveram lá e quais eventos importantes aconteceram lá. Eu me arrisco a pensar que Gerry & # 8217s Landing, com o antigo nome revivido, não é bem conhecido por todos vocês, e então tentarei trazer à mente aqueles que anteriormente moraram aqui, cujas casas não existem mais e que já desapareceram há muito tempo dessas cenas.

Muitos de nós podemos lembrar quando nosso ambiente atual parecia muito diferente desses gramados e jardins bem cuidados, e quando essas duas casas imponentes, onde somos hóspedes, não foram consideradas. Todo esse blefe era uma pastagem acidentada. A seu pé, o rio Charles seguia seu caminho sinuoso entre pântanos, era água da maré e, na enchente, transbordava de suas margens, formando um grande lago até Brighton. A parte oriental do penhasco se chamava Simon & # 8217s Hill e agora foi nivelada e, em qualquer dia de verão, os meninos poderiam ser vistos lá tomando suas primeiras aulas de natação.

Toda esta parte de Cambridge a oeste da Sparks Street pertencia a Watertown até que a nova fronteira fosse feita em 1754. Watertown foi colonizada antes de Cambridge, e esta área especial de terra onde estamos foi enviada para Sir Richard Saltonstall, que foi um dos poucos entre nossos primeiros colonos que tinham o direito de ter um título.

Sir Richard Saltonstall foi Juiz de Paz por West Riding of Yorkshire e Senhor da Mansão de Ledsham, perto de Leeds. Ele não foi um dos seis que compraram a Baía de Massachusetts da Colônia de Plymouth, mas logo se tornou associado a eles e é nomeado na carta concedida por Carlos I, em 4 de março de 1629. Ele foi escolhido um dos Cinco Undertakers que iriam para América em outubro. Ao chegar a Salem, ele veio aqui imediatamente com o Rev. John Phillips, e plantou a igreja em Watertown. Ele foi o primeiro assinante do Convênio da Igreja. Este primeiro assentamento ficava um pouco a oeste deste lugar.

Sir Richard trouxe consigo suas duas filhas e três filhos que sua esposa havia morrido na Inglaterra. Eles navegaram no Arbella em 22 de março de Southampton e, após muitas aventuras, chegaram à Nova Inglaterra em 22 de junho de 1630. Em 28 de julho, ele e o Sr. Phillips já estavam em Watertown plantando a igreja. Um vislumbre da etiqueta do período nos é concedido quando descobrimos que ele e sua família comiam a bordo do navio na mesma mesa com Lady Arbella Johnson, irmã do conde de Lincoln, seu marido, os governadores Winthrop e Dudley e seus jovens .

Sir Richard Saltonstall só permaneceu neste país um ano, e nunca ocupou o terreno que lhe foi concedido em Cambridge, agora chamado Winthrop Square. Ele voltou com suas duas filhas e um de seus filhos mais novos. Ele permaneceu como proprietário em Watertown até cerca de 1642, quando seus dois filhos, que então viviam aqui, atingiram a maioridade. Em 1635, ele enviou uma barca de quarenta toneladas com vinte servos. Ele sempre se interessou por qualquer coisa relacionada à prosperidade da colônia e, por sua posição na Inglaterra, pôde prestar um grande serviço a ela. Ele foi nomeado embaixador na Holanda e, enquanto esteve lá, seu retrato foi pintado por Rembrandt. Acho que uma cópia é propriedade de Harvard. Um caminho estreito que desce até o rio perto daqui sempre foi chamado de & # 8220Sir Richard & # 8217s Way. & # 8221 1

O filho mais velho, Richard, foi feito um Homem Livre de Watertown em 21 de maio de 1631, quando ele tinha então 21 anos de idade. Ele havia deixado seus estudos no Emmanuel College, em Cambridge, para acompanhar seu pai a este país. Ele voltou para a Inglaterra e disse ter estudado direito lá. Ele se casou e veio com sua esposa em 1635 para Ipswich. Ele foi o ancestral da grande e conhecida família Saltonstall. Seu filho, Nathaniel, formou-se em Harvard em 1659, casou-se com a filha do Rev. John Ward, foi juiz e coronel e ocupou muitos cargos importantes em Haverhill, onde se estabeleceu. Sibley diz que esta é a única família que enviou oito gerações do nome para Harvard.

Outro filho de Sir Richard, Henry, era provavelmente o maior proprietário de Watertown. Quando ele se formou em Harvard em 1642, ele possuía uma fazenda aqui de trezentos acres e oitenta acres de prados. Ele voltou para a Inglaterra e foi para a Holanda, obteve o diploma de médico em Pádua em 1649 e em Oxford em 1652. Seu irmão mais velho, Samuel, manteve a posse de suas terras aqui até sua morte em 1696. Robert, outro irmão, morava aqui até sua morte, solteiro, em 1650. Após a morte do último Saltonstall no final do século XVII, a terra parece ter pertencido a vários pequenos proprietários. Mais tarde, parte dele caiu nas mãos de um membro da nova aristocracia, os ricos índios Ocidentais a quem chamamos de Conservadores.

Em 1746, após a morte de sua esposa, o coronel John Vassall vendeu sua casa na Brattle Street para seu irmão mais novo, Henry Vassall, que estava prestes a se casar com Penelope Royal de Medford, e comprou cinquenta acres de terra neste penhasco. É descrito na escritura como delimitado ao norte pela estrada para Watertown, ao sul pelo Charles River, a leste pelos pântanos de Henry Vassall e a oeste por Cornelius Waldo e Stephen Coolidge. Como era a casa que ele construiu aqui, não temos como saber, pois nem pau nem pedra sobrou até onde eu posso dizer. Aqui ele veio com seus três filhos pequenos, John, que construiu a Craigie House, e Elizabeth, que se casou com Thomas Oliver, que construiu Elmwood. Para eles, ele trouxe, como madrasta, uma jovem de dezoito anos, Lucy, filha de Jonathan Baron, de Chelmsford. Seu bebê nasceu em 15 de novembro de 1747 e, doze dias depois, o coronel John Vassall morreu, deixando a casa, o terreno, os belos móveis, quadros, biblioteca, etc., para sua esposa de dezenove anos, que precisava de um tutor , e mil libras para sua filha ainda não batizada.

O único verão que a Senhora Lucy Vassall passou aqui como noiva se formou em Harvard dois irmãos de boa família, de Newport, Rhode Island, Benjamin e William Ellery. Podemos facilmente imaginar que eles eram hóspedes frequentes nesta casa com vista para o rio, e tinham muitas festas sociais aqui com os Henry Vassalls e outros contatos e amigos. Dois anos após a morte do Coronel John Vassall, sua viúva casou-se com Benjamin, o irmão mais velho, que seis meses antes fora nomeado guardião de Baby Lucy, quando é descrito como & # 8220late de Newport, agora de Cambridge. & # 8221 a vida de casados ​​era curta eles não tinham filhos e três anos depois a Sra. Ellery morreu. William, o mais jovem dos dois irmãos, tornou-se signatário da Declaração de Independência e era marido de Ann Remington, ancestral da família Richard H. Dana.

A fazenda Coolidge fica ao sul de onde estamos, na margem do rio. O primeiro proprietário, John Coolidge, veio de Cambridge, Inglaterra em 1630. Ele foi seletor de Watertown muitas vezes entre 1636 e 1677, e foi muito requisitado para assinar testamentos, fazer inventários e liquidar propriedades. Ele morreu em 1691 e seu filho herdou a fazenda onde se casou com a única filha de Roger Wellington. Seus descendentes ocuparam esta propriedade até os dias atuais, casando-se em muitas famílias notáveis ​​de Cambridge e Watertown, um deles se casou com Samuel Locke, outro presidente de Harvard, o professor Edward Wigglesworth, cuja filha se casou com o professor Stephen Sewall e outros casados ​​nas famílias Apthorp e Bulfinch. Eles passaram por esses séculos diáconos, mestres-escolas, trabalhadores em muitos ofícios e lavradores, tementes a Deus e respeitados em suas gerações, lutadores nas guerras coloniais e subseqüentes, bons cidadãos.

Na esquina leste da Mount Auburn Street com a Coolidge Avenue ficava a casa do Coronel Samuel Thatcher, do famoso Revolucionário. O terreno foi concedido a seu bisavô em 1642, o diácono Samuel Thatcher, pessoa importante, seleto muitas vezes escolhido e representante no Tribunal Geral entre 1665 e 1669. O coronel Thatcher também foi Representante nos anos importantes de 1775-76-79 , e de 1784 a 1786. Ele era um Minute Man, tenente-coronel dos homens de Cambridge em Lexington e Concord, e quando o Coronel Gardner foi mortalmente ferido em Bunker Hill, o comando do regimento foi delegado a ele. Foi eleitor de Cambridge 1773-76, 1780-86, e na comissão para instruir os representantes em 1772 esta foi a declaração de independência desta cidade, um documento que vale a pena ler se você quiser saber como as pessoas se sentiram naquela época . Ele também fez parte do comitê para instruir os representantes em 1783 sobre o que deveria ser feito com os conservadores que desejavam retornar e ter suas terras confiscadas novamente - outro documento patriótico do qual não temos motivo para nos envergonhar. Em 1793, o coronel Thatcher vendeu suas terras para Elbridge Gerry, que comprou & # 8220Elmwood & # 8221 em 1787.

Elbridge Gerry é o único vice-presidente dos Estados Unidos que Cambridge pode reivindicar. Ele era filho de Thomas Gerry, um comerciante de Marblehead. Ele se formou em Harvard em 1762 e dez anos depois representou aquela cidade na legislatura provincial. Casou-se com a filha de Charles Thompson, da Filadélfia, uma bela e talentosa senhora que fora educada na Europa. Ele foi membro do Primeiro e Segundo Congressos Continentais e do Congresso Provincial de Watertown em 1775. Foi ele quem, com Azor Orne, estava em uma reunião do Comitê de Segurança e Suprimentos na Black Horse Tavern na estrada para Lexington, que avisou Hancock e Adams, que estavam dormindo na Clarke House, que os britânicos estavam chegando e salvou suas vidas. Gerry foi eleito governador de Massachusetts pelo famoso & # 8220Gerrymander. & # 8221 Ele foi um signatário da Declaração da Independência e foi enviado pelo presidente Adams à França como comissário durante a Revolução Francesa. Enquanto era vice-presidente dos Estados Unidos, ele morreu a caminho do Capitólio, foi enterrado no cemitério do Congresso e, por ato especial do Congresso, um monumento foi erguido sobre seu túmulo com esta inscrição & # 8220Cada homem, embora ele tenha mas um dia de vida deve ser dedicado ao bem de seu país. & # 8221

John Gerry Orne era filho de uma sobrinha de Elbridge Gerry, filha de seu irmão John. Ele comprou um pedaço de terra às margens do rio de seu tio-avô em 1807 e lá construiu um sólido armazém. Seu plano era trazer mercadorias para lá por água e vender aos vizinhos. Não foi um empreendimento bem-sucedido e dois anos depois ele vendeu o terreno e o material de volta para Elbridge Gerry, reservando-se o direito de remover o armazém e o galpão. John Gerry Orne casou-se com Ann, filha de Moses Stone, descendente direto na quarta geração de Simon Stone, cuja concessão de terras em 1635 compreendia 12 acres agora incluídos na parte sul do cemitério de Mount Auburn, que era chamado de Stone & # 8217s Woods, e também correndo ao longo da margem do rio, onde Simon & # 8217s Hill foi batizado em sua homenagem, e abrangendo uma parte do cemitério de Cambridge. Uma velha pereira situada em uma colina perto do rio marca o local de sua casa de fazenda, que foi queimada em 1844.

Em um canto da fazenda Stone, agora o canto do cemitério de Mount Auburn, ficava uma casinha branca, onde no século dezenove a Sra. Howard vivia com suas três filhas e dois filhos. Ela era viúva de Samuel Howard, de North Square, Boston, que, como & # 8220Indian & # 8221, participou da famosa Boston Tea Party. Sua filha mais velha se casou com o juiz Samuel Phillips Prescott Fay. Foi uma partida descontrolada, não que houvesse alguma razão para ser, mas simplesmente porque era mais romântico. A juíza Fay contratou um homem para ficar em frente aos proclamas, que foram então colocados na entrada da casa de reunião, para que a Sra. Howard não os visse. O juiz Fay morava neste bairro, mas a localização exata de sua casa não consegui consertar. Outra filha da Sra. Howard foi Caroline, que se casou com o Rev. Samuel Oilman, de Charleston, S. C., autora de & # 8220Fair Harvard & # 8221 e também escritora quando as mulheres não eram tão numerosas como agora. Ela escreveu & # 8220The Southern Matron. & # 8221 A terceira filha era a esposa de Abijah White, de Watertown, e mãe da primeira Sra. James Russell Lowell, Sra. Estes Howe, Sra. Montgomery Parker, Sra. Devens e Sra. Charles Wyllis Elliott. Foram as Misses Howard que deram o nome de Sweet Auburn a Stone & # 8217s Woods, posteriormente alterado para Mount Auburn quando comprado para um cemitério.

O armazém e o galpão na margem do rio foram transferidos para o topo do terreno elevado, uma faixa de terra foi comprada do dono da fazenda Coolidge para somar à comprada do Sr. Gerry, e uma confortável casa de habitação feita dela , em que vivia a família Orne. John Gerry Orne morreu em 1838. Sua filha, Caroline F. Orne, a poetisa, nasceu aqui em 5 de setembro de 1818. Ela publicou dois livros, Songs of American Freedom e Sweet Auburn. Ela sempre falava da beleza selvagem desta parte de Cambridge em seus dias, da encantadora casa de fazenda de seu avô, Moses Stone, e contava como ela e a Srta. Maria Fay costumavam vagar pelas margens do rio, sonhando com seus futuros. Ela sobreviveu à Srta. Fay, morrendo em 1905. Em 1826, a Sra. Orne vendeu a casa para Loring Austin. Mais tarde, Forsyth Wilson, o poeta, viveu nele. Em 1867 foi comprado pelos curadores da Escola Teológica Episcopal, e o primeiro Reitor, Rev. John S. Stone, viveu aqui por dois anos com sua família. Foi então trocado pela casa na esquina da Phillips Place com a Mason Street de propriedade do Sr. John Lord Hayes, e desde então tem sido ocupada pela família Hayes.

Traçamos a história de Gerry & # 8217s Landing ao longo dos três séculos, observamos os primeiros colonos, Saltonstall, Coolidge, Stone, Thatcher, do século XVII Vassall, o rico cavalheiro das Índias Ocidentais, Coronel Thatcher, o herói revolucionário, Vice- O presidente Gerry do século dezoito e falou do juiz Fay, os Howards e Ornes do século dezenove. Neste século XX, Gerry & # 8217s Landing ganhou destaque nas casas senhoriais erguidas por nossos anfitriões, Sr. Edward W. Forbes e Sr. Kenneth G. T. Webster.

Vou encerrar com uma citação do poema Sweet Auburn da Srta. Orne & # 8217, descrevendo este lugar cem anos atrás. Não podemos imaginar os jovens de hoje desfrutando das festividades retratadas com tanto amor:

Freqüentemente em Moss Hill I & # 8217, espalhei o banquete da mímica,
Com companheiro gay para meu alegre convidado.
Suas folhas largas e lisas, os carvalhos proporcionariam
Para pratos polidos para enfeitar nosso tabuleiro festivo
Mas festas mais alegres Sweet Auburn que você viu
Sobre o teu veludo musgo verde esmeralda,
Quando jovens galantes e donzelas amáveis ​​e gentis
Realiza um alegre festival sob tuas sombras.
As filhas da cidade, gentis, belas,
Na luz e beleza graciosa vagou lá
E alegre de coração e de semblante alegre
Exaltou com grande deleite a cena silvestre
Também há donzelas mais favorecidas que a cada dia
Viu a terra brilhante da maneira mais adorável,
O tom suave e rosado de cuja face clara
Parecia ter doce saúde e felicidade em falar
E os filhos de Harvard & # 8217s, esquecendo-se da tradição do scholiast & # 8217s,
Aprendeu uma lição mais agradável alegremente para o & # 8217er
Usando guirlandas frescas de folhas verdes,
Eles se reuniram levemente em torno de sua jovem rainha
Ou onde o mastro, entrelaçado com guirlanda e coroa
Pareceu de suas grandes honras de olhar para baixo
E acene com a aprovação com um olhar sorridente,
Eles teceram com pés voadores a dança aérea.
Aqui, onde a lua derrama seus raios mais brilhantes,
Empalidecendo em prateado todos os teus riachos ondulantes,
Freqüentemente, o alaúde do amante & # 8217s, em esforço pensativo,
To his cold mistress sighingly complain.
And here in youthful beauty and in grace,
Fairest and loveliest in form and face,
The Queen of Fays oft struck the light guitar
While joyous echoes bore the notes afar​.

1 Apparently the same as the “Bank Lane” of provincial days. Within living memory the strip of gravel at the waterside was known as “Sir Richard’s Beach.” —Ed.

This article can be found in the Proceedings of the Cambridge Historical Society Volume 13, from the year 1918.


Elbridge Gerry

Elbridge Gerry was born on July 17, 1744 at Marblehead, Massachusetts, the third son of Thomas Gerry and Elizabeth Greenleaf. Elbridge’s father, Captain Thomas Gerry, was born in 1702 and came to America in 1730 from Newton Abbott, Devonshire, England. He was master of his own vessel and became a wealthy and

Wife – Ann Thompson
(died 1849)

politically active merchant shipper. Thomas was a pillar of the Marblehead community, serving as a justice of the peace, selectman and as moderator of the town meeting. On December 16, 1734 he married Elizabeth Greenleaf, the daughter of a Boston merchant. The Gerry family was pious, faithfully attending the First Congregational Church and avoiding ostentatious display.

Gerry’s great-great-grandfather, Edmond Greenleaf, was born in Malden, England, came to America in 1635 and settled in Newbury. He and his family removed to Boston in 1650. One of his descendants was the famous New England poet, John Greenleaf Whittier.

Little is known of the childhood of Elbridge Gerry. He entered Harvard College at the age of 14 and graduated in 1762, ranking 29th in a class of 52. Elbridge went on to receive a Master’s degree in 1765 at the age of 20. His Master’s dissertation argued that America should resist the recently passed Stamp Act.

Upon graduation Elbridge entered his father’s counting house. The Gerrys owned their own vessels and shipped dried codfish to the Barbados and Spanish Ports, and returned with bills of exchange and goods. He eventually became one of the wealthiest and most enterprising merchants in Marblehead. The Encyclopedia of American Wealth ranks Gerry 11th in wealth among the 56 signers of the Declaration.

Gerry’s first venture into politics occurred in 1770 when he served on a local committee to enforce the ban on the sale and consumption of tea. In December 1771 his father Thomas Gerry moderated a meeting in Marblehead of the new Committee of Correspondence to discuss the resolves put forward by Samuel Adams. Elbridge joined his father there and helped craft the fiery resolves that were adopted. In May 1772 Elbridge was elected representative to the General Court and met Sam Adams, with whom he immediately bonded. When Parliament closed the port of Boston in June 1774, Marblehead became a major port of entry for goods and supplies, which Gerry then transported to Boston. Mercy Otis Warren stated that Gerry coordinated the procurement and distribution of arms and provisions with “punctuality and indefatigable industry.”

In 1774 Gerry was appointed to the Provincial Congress where he was appointed to the Executive Committee of Safety. On the famous night of April 18, 1775, when Paul Revere rode into history and poetry, Gerry and two American colonels were in bed at the Menotomy Tavern, after a meeting there of the Committee of Safety. The Tavern was on the road which the British took to Lexington. When a detachment of redcoats stopped to search the house, Gerry and his companions escaped in their night clothes and hid in a nearby cornfield.

During the remainder of 1775 Gerry remained in Boston, helping to raise troops and supplies for the Provincial army. Gerry submitted a proposal in the Provincial Congress for a law to encourage the fitting out of armed vessels and to provide for the adjudication of prizes. For a colony to authorize such an act was rebellious if not treasonable. John Adams pronounced this law one of the most important measures of the Revolution. Under its provisions, Massachusetts vessels captured a number of British ships, procuring cargoes and supplies needed by the colonies.

Elbridge Gerry was elected a delegate to the Second Continental Congress and took his seat there on February 9, 1776. Gerry’s efforts to persuade delegates from the middle colonies to support independence, earned praise from John Adams: “If every Man here was a Gerry, the Liberties of America would be safe against the Gates of Earth and Hell.” Gerry voted for independence on July 2, and signed the engrossed copy of the Declaration of Independence on September 3.

Gerry was re-elected to Congress in 1777 and signed America’s first constitution, the Articles of Confederation, on November 15, 1777. He was one of only 16 members of Congress who signed both the Declaration and the Articles. Gerry remained in Congress, technically speaking, until 1785. However, in 1780 he was offended by actions that he felt impinged on states’ rights and withdrew from Congress. He resumed his seat in 1783. During his time in Congress he earned the nickname “soldiers’ friend” for his advocacy of better pay and equipment, and was recognized as a diligent legislator.

But he was also viewed as a maverick by some. Adams criticized him for his “obstinacy that will risk great things to secure small ones,” and Secretary Thomson observed that “his pleasure seems proportioned to the absurdity of his schemes.” Along with his friend Robert Treat Paine Gerry supported resolutions against theatrical entertainment and horse racing, and those favoring days of fasting, humiliation and prayer.

After leaving Congress, Elbridge Gerry married Ann Thompson on January 12, 1786 and they had nine children. Ann was the daughter of New York merchant James Thompson and Catharine Walton. Ann’s grandfather, Jacob Walton, first married Maria Beekman and later Polly Cruger. Both wives were members of distinguished colonial families in New York. In the same year 1786 Gerry acquired the Cambridge home of a former loyalist official and Harvard graduate, and moved his family there from Marblehead. The Gerrys called this their home until the death of Elbridge in 1814. Ann Thompson lived until 1849, becoming the oldest surviving widow of a signer of the Declaration of Independence. She is buried in the Old Cemetery in New Haven, Connecticut.

Gerry home in Cambridge (later known as Elmwood)

In 1786 Gerry took his seat in the Massachusetts House of Representatives, and in 1787 he attended the Federal Convention in Philadelphia that produced the new Constitution of the United States. At first he advocated a strong central national government, but then changed his mind as the form of the Constitution developed. He believed that both the executive and legislative branches of government were granted ambiguous and dangerous powers, and he refused to sign the Constitution. Gerry published his anti-Federalist beliefs in Observations on the New Constitution, and on the Federal and State Conventions.

Overcoming his objections to the Constitution, Gerry served in the House of Representatives from 1789 to 1793. To the dismay of his anti-federalist friends, he supported the Federalist agenda, including Hamilton’s proposals to fund the War debt and establish a national bank.

On June 20, 1797, President John Adams sent Gerry along with Charles Pinckney and John Marshall to France, to negotiate a peace treaty with Talleyrand, Napoleon’s new foreign minister. The mission was a disaster, with the French trying to bribe the American commissioners, and came to be known as the XYZ affair with the letters representing the three chief French bribers. Finally the Treaty of Mortefontaine was completed in 1800, and is considered a great achievement by the Adams administration in keeping the United States neutral in the expanding war between Britain and France.

In 1800, maligned by federalists who believed him partial to France, and concerned about the likelihood of Alexander Hamilton becoming General of the army, Gerry joined the moderate wing of the Republican party. He ran for Governor of Massachusetts, a strong Federalist stronghold, in the early 1800s but was unsuccessful.

In 1810 Gerry ran again as the Democratic-Republican candidate and was elected governor of Massachusetts. He was re-elected in 1811, but was defeated in 1812. He had become unpopular after supporting a redistricting bill that gained him lasting fame. By rearranging voting districts around Amesbury and Haverhill to favor the Republicans, the resulting district resembled a salamander, thus earning the famous sobriquet of a “gerrymander.” He also prosecuted Federalist editors for libel and appointed family members to state office—both adding to his unpopularity.

Two weeks after Gerry was defeated in his re-election bid in Massachusetts, he was invited to run as Vice President with President Madison in 1812, and thus became Vice President of the United States. The Madison administration became increasingly unpopular during the War of 1812 and the controversy split the Republican majority in Congress. Gerry found it increasingly difficult to remain impartial in such a highly charged environment, but continued to be an energetic defender of the administration and the war.

Unpleasant as his Senate duties had become, Gerry still enjoyed the endless round of dinners, receptions, and entertainments that crowded his calendar. With his elegant manners and personal charm, the vice president was a favorite guest of Washington’s Republican hostesses, including first lady Dolley Madison. He maintained an active social schedule that belied his advanced years and failing health, visiting friends from his earlier days who were now serving as members of Congress or in the administration. He paid special attention to Betsy Patterson Bonaparte, the American-born sister-in-law of Napoleon, whose revealing attire caused a stir wherever she went.

On November 23, 1814 Elbridge Gerry died on his way to preside over the Senate in Washington, D.C. Congress paid for his burial expenses, but the partisan House rejected a Senate bill providing the vice president’s salary to be paid to his widow for the remainder of his term.

Gerry’s monument in the Congressional Cemetery at Washington, D.C. bears this inscription:

The Tomb of
ELBRIDGE GERRY
Vice President of the United States
Who died suddenly in this city on his
way to the Capitol, as President of the Senate
November 23, 1814,
Aged 70

Elbridge Gerry was a small, dapper gentleman possessed of pleasant manners, but never very popular because of his aristocratic traits. He had no sense of humor, frequently changed his mind on important issues, and was suspicious of the motives of others. But he was a conscientious businessman who paid attention to detail. His patriotism and integrity could never be questioned.

While Gerry’s actions can be considered those of a maverick, they can also be viewed as those of a man of principle with independence of thought and action independent of party influence. He signed the Declaration and the Articles of Confederation but vigorously opposed the Constitution. He then served in Congress where he supported Alexander Hamilton’s federalist agenda ensuring the future financial security of the young republic. He became a Republican in 1800, lost several contests for Governor of Massachusetts. But he was elected Madison’s Vice President, and stayed loyal to him when the majority of the Republicans split off over Madison’s handling of the war.

Dr. Benjamin Rush wrote that he was “a genuine friend of republican forms of government.” One of Gerry’s own statements was “I hold it to be the duty of every citizen, though he may have but one day to live, to devote the day to the good of his country.”

The Georgian style Cambridge home of Elbridge Gerry, from 1786 to his death in 1814, has a long and distinguished Harvard pedigree. It stands today at the end of a newly-created dead-end road, a half mile from the Harvard campus. Except for a brief period during the revolutionary era the house has been the home since 1767 of Harvard graduates, professors and presidents. The house was built in 1767 by Andrew Oliver, Harvard class of 1753, a former stamp-collector then serving as royal secretary of Massachusetts. Surrounded in his home by an angry crowd in 1774, Oliver resigned his office and soon after left for England. Oliver’s home was confiscated during the revolution and served as a field hospital for Washington’s troops and then the command post of Benedict Arnold.

Gerry, Harvard class of 1762, purchased the house in 1787 and moved his family there from Marblehead. Not long after Gerry’s death in 1814, Harvard graduate James Russell Lowell, who would become a distinguished man of letters and an accomplished diplomat, was born in the house and it became his lifelong home. He named it Elmwood and it became a National Historic Landmark. Harvard University acquired Elmwood in 1962 and it has been the home of Harvard’s president since 1971.


A Biography of Elbridge Gerry 1744-1814

Gerry was born in 1744 at Marblehead, MA, the third of 12 children. His mother was the daughter of a Boston merchant his father, a wealthy and politically active merchant-shipper who had once been a sea captain. Upon graduating from Harvard in 1762, Gerry joined his father and two brothers in the family business, exporting dried codfish to Barbados and Spain. He entered the colonial legislature (1772-74), where he came under the influence of Samuel Adams, and took part in the Marblehead and Massachusetts committees of correspondence. When Parliament closed Boston harbor in June 1774, Marblehead became a major port of entry for supplies donated by patriots throughout the colonies to relieve Bostonians, and Gerry helped transport the goods.

Between 1774 and 1776 Gerry attended the first and second provincial congresses. He served with Samuel Adams and John Hancock on the council of safety and, as chairman of the committee of supply (a job for which his merchant background ideally suited him) wherein he raised troops and dealt with military logistics. On the night of April 18, 1775, Gerry attended a meeting of the council of safety at an inn in Menotomy (Arlington), between Cambridge and Lexington, and barely escaped the British troops marching on Lexington and Concord.

In 1776 Gerry entered the Continental Congress, where his congressional specialities were military and financial matters. In Congress and throughout his career his actions often appeared contradictory. He earned the nickname "soldiers' friend" for his advocacy of better pay and equipment, yet he vacillated on the issue of pensions. Despite his disapproval of standing armies, he recommended long-term enlistments.

Until 1779 Gerry sat on and sometimes presided over the congressional board that regulated Continental finances. After a quarrel over the price schedule for suppliers, Gerry, himself a supplier, walked out of Congress. Although nominally a member, he did not reappear for 3 years. During the interim, he engaged in trade and privateering and served in the lower house of the Massachusetts legislature.

As a representative in Congress in the years 1783-85, Gerry numbered among those who had possessed talent as Revolutionary agitators and wartime leaders but who could not effectually cope with the painstaking task of stabilizing the national government. He was experienced and conscientious but created many enemies with his lack of humor, suspicion of the motives of others, and obsessive fear of political and military tyranny. In 1786, the year after leaving Congress, he retired from business, married Ann Thompson, and took a seat in the state legislature.

Gerry was one of the most vocal delegates at the Constitutional Convention of 1787. He presided as chairman of the committee that produced the Great Compromise but disliked the compromise itself. He antagonized nearly everyone by his inconsistency and, according to a colleague, "objected to everything he did not propose." At first an advocate of a strong central government, Gerry ultimately rejected and refused to sign the Constitution because it lacked a bill of rights and because he deemed it a threat to republicanism. He led the drive against ratification in Massachusetts and denounced the document as "full of vices." Among the vices, he listed inadequate representation of the people, dangerously ambiguous legislative powers, the blending of the executive and the legislative, and the danger of an oppressive judiciary. Gerry did see some merit in the Constitution, though, and believed that its flaws could be remedied through amendments. In 1789, after he announced his intention to support the Constitution, he was elected to the First Congress where, to the chagrin of the Antifederalists, he championed Federalist policies.

Gerry left Congress for the last time in 1793 and retired for 4 years. During this period he came to mistrust the aims of the Federalists, particularly their attempts to nurture an alliance with Britain, and sided with the pro-French Democratic-Republicans. In 1797 President John Adams appointed him as the only non-Federalist member of a three-man commission charged with negotiating a reconciliation with France, which was on the brink of war with the United States. During the ensuing XYZ affair (1797-98), Gerry tarnished his reputation. Talleyrand, the French foreign minister, led him to believe that his presence in France would prevent war, and Gerry lingered on long after the departure of John Marshall and Charles Cotesworth Pinckney, the two other commissioners. Finally, the embarrassed Adams recalled him, and Gerry met severe censure from the Federalists upon his return.

In 1800-1803 Gerry, never very popular among the Massachusetts electorate because of his aristocratic haughtiness, met defeat in four bids for the Massachusetts governorship but finally triumphed in 1810. Near the end of his two terms, scarred by partisan controversy, the Democratic-Republicans passed a redistricting measure to ensure their domination of the state senate. In response, the Federalists heaped ridicule on Gerry and coined the pun "gerrymander" to describe the salamander-like shape of one of the redistricted areas.

Despite his advanced age, frail health, and the threat of poverty brought on by neglect of personal affairs, Gerry served as James Madison's Vice President in 1813. In the fall of 1814, the 70-year old politician collapsed on his way to the Senate and died. He left his wife, who was to live until 1849, the last surviving widow of a signer of the Declaration of Independence, as well as three sons and four daughters. Gerry is buried in Congressional Cemetery at Washington, DC.


Later Years

During the Constitutional Convention, Gerry was an advocate for the division of Federal and State governments.

He would be one of only three that voted against the Constitution. George Mason and Edmund Randolph were the others. His vote against was rooted in his belief of a small federal government.

Although he was opposed to Shay&rsquos Rebellion that took place in 1786 &ndash 87, the pro-Constitutionalists wrote scathing articles about him calling him a Shay-site. Gerry&rsquos main problem with the Constitution was the lack of a Bill of Rights.

Gerry was nominated to run for governor of Massachusetts but lost to the popular Federalist John Hancock.

By 1789 Gerry had recanted his opposition to the Constitution.

Gerry never associated himself with a party until the 1800s. He supported what he believed to be good ideas regardless of the party.

He was in favor of Alexander Hamilton&rsquos report on public credit and maintained a good relationship with Thomas Jefferson. He served in a diplomatic mission for John Adams which led to the Federalists turning on him.

After that event, he formally joined the Democratic-Republican party.

He was elected Governor of Massachusetts and served as Vice-President to James Madison.


Assista o vídeo: Dead, White u0026 Blue Ep. 4: Elbridge Gerry