Guerra Civil Americana: 1861

Guerra Civil Americana: 1861


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Nos três meses que se seguiram à eleição de Abraham Lincoln, sete estados se separaram da União: Carolina do Sul, Mississippi, Flórida, Alabama, Geórgia, Louisiana e Texas. Representantes desses sete estados rapidamente estabeleceram uma nova organização política, os Estados Confederados da América. Em 8 de fevereiro, os Estados Confederados da América adotaram uma constituição e em dez dias elegeram Jefferson Davis como seu presidente e Alexander Stephens, como vice-presidente. Montgomery, Alabama, tornou-se sua capital e o Stars and Bars foi adotado como sua bandeira. Davis também foi autorizado a reunir 100.000 soldados.

Em seu discurso inaugural, o presidente Lincoln tentou evitar conflitos, anunciando que não tinha intenção de "interferir na instituição da escravidão nos estados onde ela existe. Acredito não ter o direito legal de fazê-lo e não tenho nenhuma inclinação para faça isso." Ele acrescentou: "O governo não vai atacar vocês. Vocês não podem ter conflito sem serem os agressores".

O presidente Jefferson Davis considerou que, após a separação de um estado, os fortes federais se tornaram propriedade do estado. Em 12 de abril de 1861, o general Pierre T. Beauregard exigiu que o major Robert Anderson entregasse o Forte Sumter no porto de Charleston. Anderson respondeu que estaria disposto a deixar o forte em dois dias, quando seus suprimentos acabassem. Beauregard rejeitou esta oferta e ordenou que suas tropas confederadas abrissem fogo. Após 34 horas de bombardeio, o forte foi severamente danificado e Anderson foi forçado a se render.

Ao ouvir a notícia, Abraham Lincoln convocou uma sessão especial do Congresso e proclamou o bloqueio dos portos do Golfo do México. Esta estratégia foi baseada no Plano Anaconda desenvolvido pelo General Winfield Scott, o comandante geral do Exército da União. Envolveu o exército ocupando a linha do Mississippi e bloqueando os portos confederados. Scott acreditava que, se isso fosse feito com sucesso, o Sul negociaria um acordo de paz. No entanto, no início da guerra, a Marinha dos Estados Unidos tinha apenas um pequeno número de navios e não estava em posição de proteger todas as 3.000 milhas da costa sul.

Em 15 de abril de 1861, o presidente Lincoln pediu aos governadores dos estados do Norte que fornecessem 75.000 milícias para servir por três meses a fim de reprimir a insurreição. Virgínia, Carolina do Norte, Arkansas e Tennessee se recusaram a enviar tropas e se juntaram à Confederação. Kentucky e Missouri também não estavam dispostos a fornecer homens para o Exército da União, mas decidiram não tomar partido no conflito.

Alguns estados responderam bem ao chamado de Lincoln por voluntários. O governador da Pensilvânia ofereceu 25 regimentos, enquanto Ohio forneceu 22. A maioria dos homens foi encorajada a se alistar por recompensas oferecidas pelos governos estaduais. Esse dinheiro atraiu os pobres e os desempregados. Muitos afro-americanos também tentaram se juntar ao exército. No entanto, o Departamento de Guerra anunciou rapidamente que não tinha "nenhuma intenção de chamar a serviço do governo qualquer soldado de cor". Em vez disso, os voluntários negros receberam empregos como ajudantes de acampamento, garçons e cozinheiros.

O general Irvin McDowell recebeu o comando do Exército da União e, em julho de 1861, Lincoln o enviou para tomar Richmond, a nova base do governo confederado. Em 21 de julho, McDowell enfrentou o Exército Confederado em Bull Run. As tropas confederadas lideradas por Joseph E. Johnston, Thomas Stonewall Jackson, James Jeb Stuart, Jubal Early, E. Kirby Smith, Braxton Bragg e Pierre T. Beauregard derrotaram facilmente o inexperiente Exército da União. O Sul havia vencido a primeira grande batalha da guerra e as baixas do Norte totalizaram 1.492, com outros 1.216 desaparecidos.

Após esta derrota em Bull Run, Abraham Lincoln decidiu nomear George McClellan como líder do Exército do Potomac. McClellan, que tinha apenas 34 anos, insistiu que seu exército deveria empreender novas ofensivas até que suas novas tropas estivessem totalmente treinadas.

Em 30 de agosto de 1861, o major-general John C. Fremont, comandante do Exército da União em St. Louis, proclamou que todos os escravos pertencentes aos confederados no Missouri estavam livres. Abraham Lincoln ficou furioso quando ouviu a notícia, pois temia que essa ação forçaria os proprietários de escravos em estados fronteiriços a ajudar os confederados. Lincoln pediu a Fremont para modificar sua ordem e libertar apenas os escravos pertencentes a moradores do Missouri que trabalhavam ativamente para o sul. Quando Fremont se recusou, ele foi demitido e substituído pelo general Henry Halleck. Isso irritou os republicanos radicais no Congresso, que queriam transformar o conflito em uma guerra contra a escravidão.

No outono de 1861, a ação principal ocorreu em Kentucky. Em 4 de setembro, o general Leonidas Polk e um grande exército confederado entraram no estado e começaram a ocupar áreas elevadas com vista para o rio Ohio. Ulysses S. Grant e seu Exército da União estavam se reunindo no Cairo, Illinois. Ele agora moveu suas tropas para o Kentucky e rapidamente ganhou o controle da foz dos rios Tennessee e Cumberland enquanto desaguavam no Ohio. O presidente Jefferson Davis, ciente de que as forças da União agora controlavam a principal via navegável para o interior da Confederação, enviou o general Joseph E. Johnston com reforços.

Em novembro de 1861, Lincoln decidiu nomear George McClellan como comandante-chefe do Exército da União. Ele desenvolveu uma estratégia para derrotar o Exército Confederado que incluía um exército de 273.000 homens. Seu plano era invadir a Virgínia pelo mar e tomar Richmond e as outras cidades importantes do sul. McClellan acreditava que, para manter a resistência ao mínimo, deveria ficar claro que as forças da União não interfeririam na escravidão e ajudariam a reprimir quaisquer insurreições de escravos.

Não tenho por objetivo, direta ou indiretamente, interferir na instituição da escravidão nos estados onde ela existe. Eu acredito que não tenho o direito legal de fazer isso, e não tenho nenhuma inclinação para fazê-lo.

Eu considero que a União não está quebrada. Cuidarei para que as leis da União sejam fielmente executadas em todos os Estados. Não precisa haver derramamento de sangue ou violência; e não haverá nenhum, a menos que seja imposto à autoridade nacional.

O governo não vai atacar você. Você não pode ter conflito sem ser os agressores. Você não tem nenhum juramento registrado no céu para destruir o governo, enquanto eu terei o mais solene para preservá-lo, protegê-lo e defendê-lo.

Meu sistema é construído sobre a ideia de um sistema dominante, a saber, que devemos mudar a questão perante o público de uma sobre a escravidão, ou sobre a escravidão, para uma questão sobre união ou desunião. Em outras palavras, do que seria considerado uma questão de partido para uma questão de patriotismo ou sindicalismo.

A ocupação ou evacuação de Fort Sumter, embora não seja de fato uma escravidão ou uma questão partidária, é considerada assim. Testemunhe o temperamento manifestado pelos republicanos nos estados livres, e até mesmo pelos homens da União no sul.

Portanto, eu o encerraria como um meio seguro de mudar o problema. Acho que foi uma sorte que a última administração criou essa necessidade. De resto, defenderia e reforçaria simultaneamente todos os portos do Golfo e faria com que a Marinha fosse retirada de estações estrangeiras para se preparar para um bloqueio. Coloque a ilha de Key West sob lei marcial.

15 de abril de 1861: Afogando as exaltações do Sul triunfante, mais alto que seu estrondo de canhão, ouvido acima de seu clangor de sinos e trombeta, soou a voz de Abraham Lincoln convocando setenta e cinco mil voluntários por três meses. Essa proclamação foi como o primeiro estrondo de uma nuvem de trovão sobrecarregada, limpando o ar turvo. O Sul recebeu isso como uma declaração de guerra; o Norte como uma confissão de que a guerra civil havia começado; e todo o Norte surgiu como um homem.

17 de abril de 1861: O 6º Massachusetts, um regimento completo de mil homens, partiu de Boston de trem. Um imenso aglomerado de pessoas se reuniu nas proximidades da estação ferroviária de Boston e Albany para testemunhar sua partida. A grande multidão estava evidentemente sob a influência de um sentimento profundo, mas foi reprimida e as manifestações não foram barulhentas. Lágrimas correram não apenas pelas faces das mulheres, mas também pelas dos homens; mas não houve hesitação.

Antes de entrar no portão da frente, levantei os olhos e vi a foto de minha pequena família emoldurada pela janela. Lar, família, conforto, beleza, alegria, amor foram reunidos em um instante de pensamento e sentimento, quando saltei pela porta e subi rapidamente a escada.

Minha esposa era patriótica, forte pela integridade da União, cheia de espírito heróico, então quando a crise veio, embora tão repentina e difícil de suportar, ela não disse uma palavra adversa. Eu a vi me observando enquanto eu descia a encosta em direção ao cais da balsa, olhei para trás e acenei meu chapéu enquanto eu desaparecia atrás da saliência e das árvores.

Na sala de estar da Sra. Davis ontem à noite, o presidente sentou-se ao meu lado no sofá onde me sentei. Ele falou por quase uma hora. Ele riu de nossa fé em nossos próprios poderes. Somos como os britânicos. Achamos que todo sulista é igual a pelo menos três ianques. Teremos que ser equivalentes a uma dúzia agora. Ele disse que apenas os tolos duvidam da coragem dos ianques ou de sua disposição de lutar contra o que considerarem adequado. E agora que ferimos seu orgulho, nós os despertamos até que lutarão como demônios.

Nas estações ferroviárias do Maine, na aproximação e na saída de nossos trens, houve muitos aplausos e palavras de encorajamento. No entanto, aqui e ali havia gritos discordantes. Na verdade, poucas foram as aldeias onde nenhuma voz de oposição foi levantada. Mas, mais tarde na guerra, nos Estados livres, após o ferimento e a morte de pais, irmãos e filhos, nossa gente sensível e aflita não toleraria o que chamavam de conversa de traição.

Proponho ratificar tudo o que precisa de ratificação. Proponho dar minha aprovação clara e distinta não apenas da medida, mas do motivo que a promoveu. Proponho emprestar todo o poder do país, armas, homens, dinheiro, e colocá-los em suas mãos com autoridade quase ilimitada, até o fim desta luta. Quero uma guerra súbita, ousada, ousada, determinada; e não acho que alguém possa conduzir uma guerra desse tipo tão bem quanto um ditador.

Eu prontamente recebi a autoridade desejada para elevar o regimento e parti para a cidade de Nova York. Encontrei o povo de Nova York em pleno fulgor das emoções patrióticas, excitado pelo tiroteio contra Fort Sumner e pelo chamado do presidente de voluntários. Havia postos de recrutamento em todas as partes da cidade. A formação de regimentos avançou rapidamente. Os ricos mercadores competiam entre si em generosas contribuições de dinheiro para o preparo das tropas, e inúmeras mulheres de todas as classes da sociedade estavam ocupadas costurando roupas ou bandagens para os soldados, ou bordando estandartes.

Em Nova York, descobri que muitos dos cavaleiros alemães com os quais eu contara já haviam se alistado nos regimentos de infantaria então formados. Mas havia um número suficiente deles para me permitir organizar várias companhias em um tempo muito curto, e eu certamente deveria ter completado meu regimento na temporada para a campanha de verão, se eu não tivesse sido interrompido em meu trabalho por outro telefonema do governo . Recebi uma carta do Secretário de Estado informando-me que as circunstâncias haviam tornado minha partida para meu lugar em Madrid eminentemente desejável e que ele desejava que eu me apresentasse a ele em Washington o mais rápido possível.

Quem são eles? Eles pertencem àquela camarilha abolicionista fanática que está trabalhando para desviar esta guerra de seu objetivo legítimo para uma cruzada exterminadora contra a escravidão sulista.

Houve uma grande batalha ontem. Os Yankees estão derrotados de forma esmagadora. Milhares deles mortos. Eu estava na luta. Certa vez, ficamos por duas horas sob uma tempestade perfeita de balas e granadas - foi um milagre que ninguém de nossa empresa tenha morrido. Tiramos todos os canhões deles; entre as baterias capturadas estava a de Sherman - a batalha durou cerca de 7 horas - cerca de 90.000 Yankees, 45.000 de nossos homens. A cavalaria os perseguiu até o anoitecer - seguiu por 6 ou 7 milhas. O general Scott os comandou. Eu apenas agarrei este momento para escrever - estou fora de casa na chuva - escreverei todos os detalhes quando eu tiver uma chance. Começaremos assim que conseguirmos nosso café da manhã para segui-los até Alexandria. Fizemos uma marcha forçada para chegar aqui à batalha - viajamos cerca de 65 milhas sem parar. Meu amor a todos vocês. Na pressa.

Quando os sindicalistas retomaram seu avanço, os rebeldes resistiram com sucesso a seus ataques um tanto desconexos em diferentes pontos. A cada tentativa fracassada em diante, havia um rápido derretimento dos agressores. Cada vez menos oficiais e homens poderiam ser convocados para outro avanço. Por volta das quatro horas, os rebeldes se sentiram fortes o suficiente para tomar a ofensiva. Uma brigada com uma bateria sob o comando de Earle conseguiu atingir a direita federal no flanco e na retaguarda e lançá-la em uma confusão total, que se espalhou rapidamente por toda a frente. Agora veio o fim desastroso. Sem nenhuma ordem formal de retirada, o que restou das várias organizações cedeu a um impulso geral de abandonar o campo. Oficiais e soldados passaram a ser controlados pelo único pensamento de se afastar o máximo possível do inimigo.

Vi os homens de Burnside, que haviam voltado do campo com seus mosquetes brilhando ao sol. Eles tinham alguma aparência de formação e estavam apoiados em seus braços. Notei outras tropas mais dispersas; ambulâncias em longas colunas saindo do campo com os feridos. Havia homens com braços quebrados; rostos com ataduras manchadas de sangue; corpos perfurados; muitos caminhavam ou mancavam para trás; enquanto isso, os projéteis gritavam e se partiam no ar aquecido. Lamento, de fato, que aqueles que sobraram de meus homens tenham passado por aquela provação.

Ao formar, posicionei-me, montado, para que os homens, marchando em duplas, passassem por mim. Eu os observei de perto. Eles estavam pálidos e pensativos. Muitos olharam para o meu rosto e sorriram. Assim que ficou pronta, a primeira linha varreu a encosta, através de um punhado de árvores, até um espaço aberto em terreno elevado. A bateria de um inimigo em nossa frente e alguns tiros de mosquete sem nenhum inimigo à vista causaram o primeiro incômodo. Logo, outra bateria à nossa direita, entrando em posição, aumentou o perigo. E, pior do que as baterias, chuvas de balas de mosquete na madeira, a duzentos metros de distância.

Muitos oficiais trabalharam para manter seus homens juntos, mas eu vi que nada poderia afetar sob o fogo. Por fim, ordenei que todos voltassem para o vale e se reformassem atrás do matagal. Antes de muitos minutos, entretanto, era evidente que o pânico havia se apoderado de todas as tropas à vista. Alguns oficiais veteranos experientes, como Heintzelman, imploraram e comandaram seus subordinados, por turnos, para reunir seus homens; mas nada poderia impedir a deriva e os redemoinhos das massas, que eram cada vez mais rápidas em direção à retaguarda.

Capitão Heath, do Terceiro Maine, que, posteriormente promovido a tenente-coronel e caiu na batalha de Gaines Mills, caminhou por algum tempo junto ao meu cavalo e derramou lágrimas enquanto falava comigo: "Meus homens não ficarão juntos, coronel, eles não vão me obedecer ", disse ele. Outros bravos oficiais imploraram e ameaçaram. Os cirurgiões que ficavam para trás apontavam para os feridos e gritavam: "pelo amor de Deus, pare; não nos deixe!" Nada poderia naquele momento alcançar e influenciar as multidões em fuga, exceto gritos de pânico como: "O inimigo está sobre nós! Seremos capturados!" Esses gritos aumentaram a confusão e a velocidade do vôo.

Heintzelman, com o braço ferido em uma tipóia, cavalgou para cima e para baixo e fez um último esforço para restaurar a ordem. Ele repreendeu severamente todos os oficiais que encontrou. Ele me xingou. De vez em quando, renovava minhas tentativas. Meu irmão, C. H. Howard, se me viu relaxar por um momento, cantou: "Oh, tente de novo!" Parte da Décima Quarta Nova York do Brooklyn se reuniu ao norte de Bull Run e estava se movendo em boa forma. "Veja-os", disse meu irmão; "vamos tentar formar assim!" Então estávamos tentando, juntando alguns, mas em vão. Então parei todos os esforços, mas enviei esta mensagem e continuei repetindo-a para todos os homens de Maine e Vermont ao alcance: "Para o antigo acampamento em Centerville. Reunião no acampamento Centerville."

A conduta do General Jackson também requer menção como eminentemente a de um soldado capaz e destemido e comandante sagaz, alguém apto para liderar sua brigada eficiente. Sua chegada rápida e oportuna ao planalto da Casa de Henry e sua disposição judiciosa de suas tropas contribuíram muito para o sucesso do dia. Embora dolorosamente ferido na mão, ele permaneceu no campo até o fim da batalha, prestando uma valiosa assistência.

Nossa vitória foi tão completa quanto pode ser uma obtida apenas pela infantaria e artilharia. Uma força adequada de cavalaria o teria tornado decisivo. É devido, sob o Deus Todo-Poderoso, à habilidade e resolução do General Beauregard, à admirável conduta dos generais Bee, Kirby Smith e Jackson e do Coronel Evans, Cocke, Early e Elzey, e à coragem e firmeza implacável de nossos patriotas voluntários .

As tropas derrotadas começaram a invadir Washington sobre a Ponte Longa à luz do dia na segunda-feira, 22 de julho. O dia começou a garoar com chuva. O sábado e o domingo da batalha haviam sido ressecados e quentes ao extremo - a poeira, a sujeira e a fumaça, em camadas, suadas, suas roupas todas saturadas com o pó de argila enchendo o ar - espalhadas por toda parte na seca estradas e campos pisados ​​pelos regimentos, vagões em massa, artilharia. Todos os homens com essa camada de suor e chuva, agora recuando, derramando-se sobre a Long Bridge - uma marcha horrível de trinta quilômetros, retornando a Washington perplexos, humilhados, em pânico. Ocasionalmente, um raro regimento, em perfeita ordem, com seus oficiais (alguns gaps, mortos, os verdadeiros bravos) marchando em silêncio, com rostos abaixados, popa, cansado de afundar, todo preto e sujo, mas cada homem com seu mosquete, e pisando vivo; mas essas são as exceções.

Na aldeia de Hampton havia um grande número de negros, compostos em grande parte por mulheres e filhos dos homens que haviam fugido para lá dentro de minhas linhas em busca de proteção, que haviam escapado de grupos de rebeldes saqueadores que estavam reunindo forças. negros corpóreos para ajudá-los a construir suas baterias nos rios James e York. Empreguei os homens de Hampton para construir trincheiras, e eles estavam trabalhando zelosamente e eficientemente nessa tarefa, salvando nossos soldados do trabalho sob o brilho do sol do meio-dia.

Eu vi declarar que uma ordem havia sido emitida pelo General McDowell, em seu departamento, proibindo substancialmente todos os escravos fugitivos de entrar em suas linhas ou serem abrigados lá. Essa ordem deve ser aplicada em todos os departamentos militares? Em caso afirmativo, quem deve ser considerado escravo fugitivo? Um escravo deve ser considerado fugitivo cujo mestre foge e o abandona? É proibido às tropas ajudar ou abrigar dentro das linhas os filhos negros que nelas se encontram, ou o soldado, quando sua marcha destruiu seus meios de subsistência, deve permitir que morram de fome porque expulsou os patrões rebeldes?

Em um estado de lealdade, eu reprimiria uma insurreição de serviço. Em estado de rebelião. Eu confiscaria o que foi usado para opor minhas armas e tomaria todas as propriedades que constituíam a riqueza daquele estado e forneceram os meios pelos quais a guerra é conduzida, além de serem a causa da guerra; e se, ao fazê-lo, fosse objetado que os seres humanos foram comprados para o livre gozo da vida, liberdade e busca da felicidade, tal objeção pode não exigir muita consideração.

Lincoln tem boas intenções, mas não tem força de caráter. Ele está cercado por oficiais do Old Fogy Army, mais da metade dos quais são francamente traidores e a outra metade simpatiza com o sul. Há um mês comecei a duvidar que esta maldita rebelião pudesse ser reprimida com uma revolução no atual governo.

Sherman confessou abertamente, depois de ter sido designado para o comando do departamento, que não o desejava e temia suas novas responsabilidades. Com a imaginação vívida inerente ao gênio, ele viu claramente quão formidáveis ​​eram as dificuldades do papel que se esperava que ele desempenhasse na supressão da Rebelião. Eles simplesmente o horrorizaram. Ele se viu no comando de tropas brutas, não ultrapassando vinte mil em número. Ele acreditava que eles deveriam ser multiplicados muitas vezes. Ele temia que as forças rebeldes no Estado superassem as suas próprias, e ele não conseguia se livrar da apreensão de que, se fosse atacado, não teria chance de sucesso.

Não foi realmente a falta de confiança em si mesmo que o levou a esse estado de espírito, mas, como me pareceu, seu intenso patriotismo e desespero pela preservação da União em vista da hostilidade fanática e sanguinária a ela durante todo o o sul. Esse pavor tomou conta dele, ele literalmente refletiu sobre isso dia e noite. Isso o fez cair em um humor longo e silencioso, mesmo fora de sua sede. Ele morava na Galt House, ocupando quartos no andar térreo. Ele caminhou uma hora para cima e para baixo no corredor que levava a eles, fumando e obviamente absorto em pensamentos opressivos. Ele fez isso a tal ponto que geralmente era notado e comentado pelos hóspedes e funcionários do hotel. Seus modos estranhos levaram à fofoca, e logo foi sussurrado que ele estava sofrendo de depressão mental.

Uma parte dos homens do 27º Regimento, da Brigada Stonewall, que haviam se apresentado como voluntários por doze meses, descobriu que seu ano acabara de expirar. Supondo que a aplicação do último ato de recrutamento foi uma violação de fé para eles, exigiram sua dispensa e, depondo as armas, recusaram-se a servir em outro dia. O coronel deles, Grigsby, encaminhou o caso ao general Jackson para obter instruções. Ao ouvi-lo detalhado, exclamou, com os olhos faiscando e a testa rígida com uma severidade portentosa: "O que é esse motim? Por que o coronel Grigsby se refere a mim para saber o que fazer com um motim? Ele deveria atirar onde eles estão ficar de pé." Ele então se virou para seu ajudante e ditou uma ordem ao Coronel para desfilar seu regimento instantaneamente, com mosquetes carregados, para atrair as companhias insubordinadas à sua frente, desarmadas, e oferecer-lhes a alternativa de retornar ao serviço ou serem fusilados no local. A ordem foi obedecida e os amotinados, quando confrontados com a morte instantânea, prontamente reconsideraram sua resolução.

Depois da batalha de Donelson, Mãe Bickerdyke saiu do Cairo no primeiro barco-hospital e ajudou na remoção dos feridos para o Cairo, St. Louis e Louisville, e no cuidado dos feridos gravemente feridos para serem removidos. No caminho para o campo de batalha, ela sistematizou as coisas perfeitamente. As camas estavam prontas para os ocupantes, chá, café, sopa e mingau, ponche de leite e água gelada eram preparados em grandes quantidades, sob sua supervisão e, às vezes, suas próprias mãos.

Quando os feridos foram trazidos a bordo, mutilados quase fora de sua forma humana; o solo congelado do qual foram cortados aderindo a eles; resfriado com o frio intenso em que alguns permaneceram por vinte e quatro horas; desmaiar com perda de sangue, agonia física e falta de nutrição; atormentado por uma terrível viagem de oito quilômetros por estradas congeladas, em ambulâncias, em vagões de fazenda comuns do Tennessee, sem molas; queimando com febre; delirando em delírio, ou na fraqueza da morte, o barco de Mãe Bickerdyke estava pronto para eles.

Nunca vi ninguém como ela. Na verdade, não havia nada que nós, cirurgiões, pudéssemos fazer a não ser tratar os ferimentos e administrar medicamentos. Ela tirou camisas ou gavetas limpas de algum canto, sempre que necessário. A alimentação estava pronta para cada homem assim que ele foi trazido a bordo. Todo mundo foi limpo de sangue e lama congelada do campo de batalha, tanto quanto sua condição permitia. Seu uniforme endurecido pelo sangue e às vezes horrivelmente sujo foi trocado por roupas hospitalares macias e limpas. Gritos incessantes de "Mãe! Mãe! Mãe!" ecoou pelo barco, em cada nota de súplica e angústia. E para cada homem ela se voltava com uma ternura celestial, como se ele fosse realmente seu filho.


Lista de armas na Guerra Civil Americana

A Guerra Civil Americana, travada entre as forças da União e da Confederação, ocorreu de 1861 a 1865. Durante a guerra, uma variedade de armas foi usada em ambos os lados. Essas armas incluem armas afiadas, como facas, espadas e baionetas, armas de fogo, como mosquetes rifled, culatras e armas de repetição, artilharia diversa, como armas de campo e armas de cerco e novas armas, como a granada precoce e a mina terrestre. [1]

A Guerra Civil é freqüentemente referida como uma das primeiras guerras "modernas" da história, pois incluiu a tecnologia mais avançada e as inovações de guerra disponíveis na época. Alguns dos avanços e inovações da Guerra Civil incluíram a produção em massa de material de guerra, rifles de canos de armas e o uso da bola Minié, o advento de armas de fogo repetidas e cartuchos metálicos, ferrovias de transporte com locomotivas armadas, navios de guerra blindados, submarinos, um dos primeiros usos do corpo aéreo para reconhecimento aéreo, comunicação (especialmente o telégrafo), avanços na medicina e o declínio gradual das táticas dos séculos anteriores. [2]


Por 70 anos, Herança americana tem sido a principal revista de história, política e cultura dos EUA. Leia mais & gt & gt

A revista foi forçada a suspender a publicação impressa em 2013, mas um grupo de voluntários salvou os arquivos e os relançou em formato digital em 2017. Assinatura gratuita & gt & gt

Considere fazer uma doação para nos ajudar a manter vivo este tesouro americano. Apoie com uma doação & gt & gt


Quando o americano conquistou a independência da Inglaterra em 1776, havia 13 colônias que formavam um governo federal. As colônias se expandiram da costa leste para o oeste, formando 34 estados em 1861. Houve diferenças entre os estados do norte e os do sul & # 8211, o que resultou na Guerra Civil Americana.

A diferença na atitude em relação à escravidão pode ser vista como a causa raiz da Guerra Civil Americana. Isso teve repercussões também na esfera econômica e política. Os fatores que levaram à eclosão da Guerra Civil na América podem ser consolidados a seguir.


A Guerra Civil e Nebraska, 1861

Este ano marca o sesquicentenário (150º aniversário) do início da Guerra Civil Americana em 12 de abril de 1861, data em que as forças confederadas abriram fogo contra Fort Sumter no porto de Charleston, Carolina do Sul. Nebraska era então um território dos EUA, cuja criação em 1854 pela chamada Lei Kansas-Nebraska foi um fator importante que levou à guerra. O ato deu aos sulistas o direito de levar seus escravos para novos territórios localizados a oeste do rio Missouri, uma parte da Compra da Louisiana de 1803, onde a escravidão havia sido proibida anteriormente. A indignação do Norte com a perspectiva de que a escravidão pudesse se espalhar para o Ocidente gerou a ascensão do novo Partido Republicano, que estava determinado a resistir à extensão da escravidão. A eleição de 1860 do candidato republicano Abraham Lincoln à presidência levou a Carolina do Sul, e logo dez outros estados escravistas do Extremo Sul, a deixar a União e formar os Estados Confederados da América.

Apesar da distância do Território de Nebraska do grande drama da Guerra Civil que se desenrolou entre 1861 e 1865 nos campos de batalha do Leste e do Sul e nas capitais rivais, os Nebraskenses não eram meros espectadores. Uma grande porcentagem dos homens do território serviram no exército da União. Os civis do Nebraska também foram tocados pela guerra, incluindo políticos que se reuniram em convenções do partido ou ocuparam cargos públicos de editores que debatiam questões do tempo de guerra em seus jornais e comerciantes e fazendeiros que administravam as lojas e cultivavam as safras. Como em todas as guerras, os que estavam em casa esperaram, muitas vezes em vão, pelo retorno seguro dos entes queridos das frentes de batalha. As linhas telegráficas que haviam chegado ao Nebraska em 1860 significavam que os editores locais recebiam notícias de guerra que tinham apenas alguns dias atrás. Menos de uma semana depois que os Confederados atiraram no Forte Sumter, Robert W. Furnas, de Brownville, Anunciante Nebraska, editorializado sobre a eclosão da guerra na edição de 18 de abril. Furnas, um republicano que apoiou Abraham Lincoln para a presidência, ficou indignado com o ataque e fez um apelo aos patriotas para apoiarem o governo dos EUA e o sindicato:

"A Guerra Civil está chegando e agora é tarefa do governo seguir um curso que silencie mais rápida e eficazmente os traidores e restabeleça a supremacia da lei e da ordem. O sentimento imortal de Stephen Decatur é o lema de o povo - Que meu país esteja sempre certo, mas certo ou errado, meu país sempre ... A mancha condenatória deve ser exterminada - a traição deve ser esmagada com o braço forte do governo, e a majestade da lei justificada na ponta da baioneta, se necessário. O tempo de apelação, discussão e conciliação acabou. Que o sinal sonoro agora soe de cada colina e vale, deixe os patriotas se reunirem ao chamado de seu país, e 'ai daquele que tentar resistir à tempestade da ira de uma nação'. "


Hoje na História: Começa a Guerra Civil Americana (1861)

Em 12 de abril de 1861, a Guerra Civil Americana começou oficialmente com o ataque a Fort Sumter, na Carolina do Sul. A guerra foi e continua sendo uma das guerras civis mais sangrentas já travadas na história da humanidade, resultando em mais de 600.000 vítimas.

As hostilidades estavam se formando entre os governos estaduais do sul e o governo federal (União) por vários anos antes de a guerra começar oficialmente. Os motivos das hostilidades foram vários, mas o principal foi a questão da escravidão nos Estados Unidos. Mais especificamente, as divergências que ocorreram antes do início da violência eram sobre a legalidade da escravidão nos territórios ocidentais em expansão.

À medida que os Estados Unidos aumentaram de tamanho (como ocorrera desde o início de 1800 com a compra da Louisiana), os colonos se ramificaram para o oeste, estabelecendo territórios e, posteriormente, estados que iriam aderir à união. A política do governo federal era para qualquer novo território ou estado que fosse criado para ser antiescravista.

A verdadeira questão aqui era que se esses territórios entrassem na união como estados e territórios livres, isso afetaria sua representação no congresso, dando ao Norte livre muito mais poder.

Imagens da História dos EUA

Houve vários debates e compromissos políticos que levaram à Guerra Civil. Em 1820, o Compromisso de Missouri foi aprovado, admitindo o Maine como um estado livre e o Missouri como um estado escravo. Também determinou que qualquer novo território ou estado acima da linha de latitude 36 & prime / 30 & prime só poderia ser admitido como um estado livre (com exceção do Missouri).

Em 1850, após o término da guerra com o México, novos territórios foram acrescentados, o que trouxe à baila o debate sobre a expansão da escravidão. Com o Compromisso de 1850, que foi defendido por Henry Clay e Daniel Webster, a Califórnia foi admitida como um estado livre, enquanto o Novo México e Utah foram autorizados a decidir por si próprios.

Essa questão continuou a ser debatida até o início da Guerra Civil. Fora da política, a população muito maior do Norte livre continuou a pressionar o Congresso a abolir a escravidão por motivos morais. Em 1854, a violência estourou no Kansas entre colonos pró e antiescravidão que estavam irritados com outro Ato do Congresso, que revogava parte do Compromisso de Missouri (que permitiu que Kansas e Nebraska escolhessem por si mesmos, apesar de sua localização). The fighting even included members of Congress between 1856 and 1858, when brawls broke out over the debate to extend slavery to the western territories.

In the two years before the war, occasional violence would erupt and the debate over the issue of slavery intensified. The South saw their rights being trampled on by the North. It is this feeling that ultimately led to seven Southern states to secede in early 1861, and that would lead to the first real shots being fired on April 12 at Fort Sumter.

The war would rage for four years, and would cost at least 600,000 people their lives. It remains to this day the bloodiest war in American history.


American Civil War: 1861 - History

November 6, 1860 - Abraham Lincoln, who had declared "Government cannot endure permanently half slave, half free. " is elected president, the first Republican, receiving 180 of 303 possible electoral votes and 40 percent of the popular vote.

December 20, 1860 - South Carolina secedes from the Union. Followed within two months by Mississippi, Florida, Alabama, Georgia, Louisiana and Texas.

Auction and Negro sales, Atlanta, Georgia.

February 9, 1861 - The Confederate States of America is formed with Jefferson Davis, a West Point graduate and former U.S. Army officer, as president.

March 4, 1861 - Abraham Lincoln is sworn in as 16 th President of the United States of America.

April 12, 1861 - At 4:30 a.m. Confederates under Gen. Pierre Beauregard open fire with 50 cannons upon Fort Sumter in Charleston, South Carolina. The Civil War begins.

Fort Sumter after its capture, showing damage from the Rebel bombardment of over 3000 shells and now flying the Rebel "Stars and Bars" - April 14, 1861.

April 15, 1861 - President Lincoln issues a Proclamation calling for 75,000 militiamen, and summoning a special session of Congress for July 4.

Robert E. Lee, son of a Revolutionary War hero, and a 25 year distinguished veteran of the United States Army and former Superintendent of West Point, is offered command of the Union Army. Lee declines.

April 17, 1861 - Virginia secedes from the Union, followed within five weeks by Arkansas, Tennessee, and North Carolina, thus forming an eleven state Confederacy with a population of 9 million, including nearly 4 million slaves. The Union will soon have 21 states and a population of over 20 million.

Map of Allegiances of the States - 1861.

April 19, 1861 - President Lincoln issues a Proclamation of Blockade against Southern ports. For the duration of the war the blockade limits the ability of the rural South to stay well supplied in its war against the industrialized North.

April 20, 1861 - Robert E. Lee resigns his commission in the United States Army. "I cannot raise my hand against my birthplace, my home, my children." Lee then goes to Richmond, Virginia, is offered command of the military and naval forces of Virginia, and accepts.

July 4, 1861 - Lincoln, in a speech to Congress, states the war is. "a People's contest. a struggle for maintaining in the world, that form, and substance of government, whose leading object is, to elevate the condition of men. " The Congress authorizes a call for 500,000 men.

July 21, 1861 - The Union Army under Gen. Irvin McDowell suffers a defeat at Bull Run 25 miles southwest of Washington. Confederate Gen. Thomas J. Jackson earns the nickname "Stonewall," as his brigade resists Union attacks. Union troops fall back to Washington. President Lincoln realizes the war will be long. "It's damned bad," he comments.

Ruins of the Stone Bridge over which Northern forces retreated until it was blown up by a Rebel shell adding to the panic of the retreat, with the Federals returning to Washington as "a rain-soaked mob."

July 27, 1861 - President Lincoln appoints George B. McClellan as Commander of the Department of the Potomac, replacing McDowell.

McClellan tells his wife , "I find myself in a new and strange position here: President, cabinet, Gen. Scott, and all deferring to me. By some strange operation of magic I seem to have become the power of the land."

September 11, 1861 - President Lincoln revokes Gen. John C. Frémont's unauthorized military proclamation of emancipation in Missouri. Later, the president relieves Gen. Frémont of his command and replaces him with Gen. David Hunter.

November 1, 1861 - President Lincoln appoints McClellan as general-in-chief of all Union forces after the resignation of the aged Winfield Scott . Lincoln tells McClellan, ". the supreme command of the Army will entail a vast labor upon you." McClellan responds, "I can do it all."

November 8, 1861 - The beginning of an international diplomatic crisis for President Lincoln as two Confederate officials sailing toward England are seized by the U.S. Navy. England, the leading world power, demands their release, threatening war. Lincoln eventually gives in and orders their release in December. "One war at a time," Lincoln remarks.

January 31, 1862 - President Lincoln issues General War Order No. 1 calling for all United States naval and land forces to begin a general advance by February 22, George Washington's birthday.

February 6, 1862 - Victory for Gen. Ulysses S. Grant in Tennessee, capturing Fort Henry, and ten days later Fort Donelson. Grant earns the nickname "Unconditional Surrender" Grant.

February 20, 1862 - President Lincoln is struck with grief as his beloved eleven-year-old son, Willie, dies from fever, probably caused by polluted drinking water in the White House.

March 8/9, 1862 - The Confederate Ironclad 'Merrimac' sinks two wooden Union ships then battles the Union Ironclad 'Monitor' to a draw. Naval warfare is thus changed forever, making wooden ships obsolete. Engraving of the Battle

The Monitor at dock, showing damage from the battle.

In March - The Peninsular Campaign begins as McClellan's Army of the Potomac advances from Washington down the Potomac River and the Chesapeake Bay to the peninsular south of the Confederate Capital of Richmond, Virginia then begins an advance toward Richmond.

President Lincoln temporarily relieves McClellan as general-in-chief and takes direct command of the Union Armies.

April 6/7, 1862 - Confederate surprise attack on Gen. Ulysses S. Grant's unprepared troops at Shiloh on the Tennessee River results in a bitter struggle with 13,000 Union killed and wounded and 10,000 Confederates, more men than in all previous American wars combined. The president is then pressured to relieve Grant but resists. "I can't spare this man he fights," Lincoln says.

April 24, 1862 - 17 Union ships under the command of Flag Officer David Farragut move up the Mississippi River then take New Orleans, the South's greatest seaport. Later in the war, sailing through a Rebel mine field Farragut utters the famous phrase "Damn the torpedoes, full speed ahead!"

May 31, 1862 - The Battle of Seven Pines as Gen. Joseph E. Johnston 's Army attacks McClellan's troops in front of Richmond and nearly defeats them. But Johnston is badly wounded.

June 1, 1862 - Gen. Robert E. Lee assumes command, replacing the wounded Johnston. Lee then renames his force the Army of Northern Virginia. McClellan is not impressed, saying Lee is "likely to be timid and irresolute in action."

June 25-July 1 - The Seven Days Battles as Lee attacks McClellan near Richmond, resulting in very heavy losses for both armies. McClellan then begins a withdrawal back toward Washington.

Young Georgia Private Edwin Jennison, killed in the Seven Days Battles at Malvern Hill - the face of a lost generation.

July 11, 1862 - After four months as his own general-in-chief, President Lincoln hands over the task to Gen. Henry W. (Old Brains) Halleck .

Second Battle of Bull Run

August 29/30, 1862 - 75,000 Federals under Gen. John Pope are defeated by 55,000 Confederates under Gen. Stonewall Jackson and Gen. James Longstreet at the second battle of Bull Run in northern Virginia. Once again the Union Army retreats to Washington. The president then relieves Pope.

September 4-9, 1862 - Lee invades the North with 50,000 Confederates and heads for Harpers Ferry , located 50 miles northwest of Washington.

The Union Army, 90,000 strong, under the command of McClellan, pursues Lee.

September 17, 1862 - The bloodiest day in U.S. military history as Gen. Robert E. Lee and the Confederate Armies are stopped at Antietam in Maryland by McClellan and numerically superior Union forces. By nightfall 26,000 men are dead, wounded, or missing. Lee then withdraws to Virginia.

Confederate dead by the fence bordering Farmer Miller's 40 acre Cornfield at Antietam where the intense rifle and artillery fire cut every corn stalk to the ground "as closely as could have been done with a knife."

September 22, 1862 - Preliminary Emancipation Proclamation freeing slaves issued by President Lincoln.

President Lincoln visits Gen. George McClellan at Antietam, Maryland - October, 1862

November 7, 1862 - The president replaces McClellan with Gen. Ambrose E. Burnside as the new Commander of the Army of the Potomac. Lincoln had grown impatient with McClellan's slowness to follow up on the success at Antietam, even telling him, "If you don't want to use the army, I should like to borrow it for a while."

December 13, 1862 - Army of the Potomac under Gen. Burnside suffers a costly defeat at Fredericksburg in Virginia with a loss of 12,653 men after 14 frontal assaults on well entrenched Rebels on Marye's Heights. "We might as well have tried to take hell," a Union soldier remarks. Confederate losses are 5,309.

"It is well that war is so terrible - we should grow too fond of it," states Lee during the fighting.

January 1, 1863 - President Lincoln issues the final Emancipation Proclamation freeing all slaves in territories held by Confederates and emphasizes the enlisting of black soldiers in the Union Army. The war to preserve the Union now becomes a revolutionary struggle for the abolition of slavery.

January 25, 1863 - The president appoints Gen. Joseph (Fighting Joe) Hooker as Commander of the Army of the Potomac, replacing Burnside.

January 29, 1863 - Gen. Grant is placed in command of the Army of the West, with orders to capture Vicksburg.

March 3, 1863 - The U.S. Congress enacts a draft, affecting male citizens aged 20 to 45, but also exempts those who pay $300 or provide a substitute. "The blood of a poor man is as precious as that of the wealthy," poor Northerners complain.

May 1-4, 1863 - The Union Army under Gen. Hooker is decisively defeated by Lee's much smaller forces at the Battle of Chancellorsville in Virginia as a result of Lee's brilliant and daring tactics. Confederate Gen. Stonewall Jackson is mortally wounded by his own soldiers. Hooker retreats. Union losses are 17,000 killed, wounded and missing out of 130,000. The Confederates, 13, 000 out of 60,000.

"I just lost confidence in Joe Hooker," said Hooker later about his own lack of nerve during the battle.

Confederate soldiers at the Sunken Road, killed during the fighting around Chancellorsville.

May 10, 1863 - The South suffers a huge blow as Stonewall Jackson dies from his wounds, his last words, "Let us cross over the river and rest under the shade of the trees."

"I have lost my right arm," Lee laments.

June 3, 1863 - Gen. Lee with 75,000 Confederates launches his second invasion of the North, heading into Pennsylvania in a campaign that will soon lead to Gettysburg.

June 28, 1863 - President Lincoln appoints Gen. George G. Meade as commander of the Army of the Potomac, replacing Hooker. Meade is the 5th man to command the Army in less than a year.

July 1-3, 1863 - The tide of war turns against the South as the Confederates are defeated at the Battle of Gettysburg in Pennsylvania.

Union soldiers on the Battlefield at Gettysburg.

July 4, 1863 - Vicksburg , the last Confederate stronghold on the Mississippi River, surrenders to Gen. Grant and the Army of the West after a six week siege. With the Union now in control of the Mississippi, the Confederacy is effectively split in two, cut off from its western allies.

July 13-16, 1863 - Anti-draft riots in New York City include arson and the murder of blacks by poor immigrant whites. At least 120 persons, including children, are killed and $2 million in damage caused, until Union soldiers returning from Gettysburg restore order.

July 18, 1863 - 'Negro troops' of the 54th Massachusetts Infantry Regiment under Col. Robert G. Shaw assault fortified Rebels at Fort Wagner, South Carolina. Col. Shaw and half of the 600 men in the regiment are killed.

August 10, 1863 - The president meets with abolitionist Frederick Douglass who pushes for full equality for Union 'Negro troops.'

August 21, 1863 - At Lawrence, Kansas, pro-Confederate William C. Quantrill and 450 pro-slavery followers raid the town and butcher 182 boys and men.

September 19/20, 1863 - A decisive Confederate victory by Gen. Braxton Bragg's Army of Tennessee at Chickamauga leaves Gen. William S. Rosecrans ' Union Army of the Cumberland trapped in Chattanooga, Tennessee under Confederate siege.

October 16, 1863 - The president appoints Gen. Grant to command all operations in the western theater.

November 19, 1863 - President Lincoln delivers a two minute Gettysburg Address at a ceremony dedicating the Battlefield as a National Cemetery.

Lincoln among the crowd at Gettysburg - Nov 19, 1863

November 23-25, 1863 - The Rebel siege of Chattanooga ends as Union forces under Grant defeat the siege army of Gen. Braxton Bragg. During the battle, one of the most dramatic moments of the war occurs. Yelling "Chickamauga! Chickamauga!" Union troops avenge their previous defeat at Chickamauga by storming up the face of Missionary Ridge without orders and sweep the Rebels from what had been though to be an impregnable position. "My God, come and see 'em run!" a Union soldier cries.

March 9, 1864 - President Lincoln appoints Gen. Grant to command all of the armies of the United States. Gen. William T. Sherman succeeds Grant as commander in the west.

May 4, 1864 - The beginning of a massive, coordinated campaign involving all the Union Armies. In Virginia, Grant with an Army of 120,000 begins advancing toward Richmond to engage Lee's Army of Northern Virginia, now numbering 64,000, beginning a war of attrition that will include major battles at the Wilderness (May 5-6), Spotsylvania (May 8-12), and Cold Harbor (June 1-3).

In the west, Sherman, with 100,000 men begins an advance toward Atlanta to engage Joseph E. Johnston's 60,000 strong Army of Tennessee.

A council of war with Gen. Grant leaning over the shoulder of Gen. Meade looking at a map, planning the Cold Harbor assault.

June 3, 1864 - A costly mistake by Grant results in 7,000 Union casualties in twenty minutes during an offensive against fortified Rebels at Cold Harbor in Virginia.

Many of the Union soldiers in the failed assault had predicted the outcome, including a dead soldier from Massachusetts whose last entry in his diary was, "June 3, 1864, Cold Harbor, Virginia. I was killed."

June 15, 1864 - Union forces miss an opportunity to capture Petersburg and cut off the Confederate rail lines. As a result, a nine month siege of Petersburg begins with Grant's forces surrounding Lee.

The 13-inch Union mortar "Dictator" mounted on a railroad flatcar at Petersburg. Its 200-pound shells had a range of over 2 miles.

July 20, 1864 - At Atlanta, Sherman's forces battle the Rebels now under the command of Gen. John B. Hood , who replaced Johnston.

August 29, 1864 - Democrats nominate George B. McClellan for president to run against Republican incumbent Abraham Lincoln.

September 2, 1864 - Atlanta is captured by Sherman 's Army. "Atlanta is ours, and fairly won," Sherman telegraphs Lincoln. The victory greatly helps President Lincoln's bid for re-election.

October 19, 1864 - A decisive Union victory by Cavalry Gen. Philip H. Sheridan in the Shenandoah Valley over Jubal Early's troops.

November 8, 1864 - Abraham Lincoln is re-elected president, defeating Democrat George B. McClellan. Lincoln carries all but three states with 55 percent of the popular vote and 212 of 233 electoral votes. "I earnestly believe that the consequences of this day's work will be to the lasting advantage, if not the very salvation, of the country," Lincoln tells supporters.

November 15, 1864 - After destroying Atlanta's warehouses and railroad facilities, Sherman, with 62,000 men begins a March to the Sea. President Lincoln on advice from Grant approved the idea. "I can make Georgia howl!" Sherman boasts.

December 15/16, 1864 - Hood's Rebel Army of 23,000 is crushed at Nashville by 55,000 Federals including Negro troops under Gen. George H. Thomas . The Confederate Army of Tennessee ceases as an effective fighting force.

December 21, 1864 - Sherman reaches Savannah in Georgia leaving behind a 300 mile long path of destruction 60 miles wide all the way from Atlanta. Sherman then telegraphs Lincoln, offering him Savannah as a Christmas present.

January 31, 1865 - The U.S. Congress approves the Thirteenth Amendment to the United States Constitution, to abolish slavery. The amendment is then submitted to the states for ratification.

February 3, 1865 - A peace conference occurs as President Lincoln meets with Confederate Vice President Alexander Stephens at Hampton Roads in Virginia, but the meeting ends in failure - the war will continue.

Only Lee's Army at Petersburg and Johnston's forces in North Carolina remain to fight for the South against Northern forces now numbering 280,000 men.

March 4, 1865 - Inauguration ceremonies for President Lincoln in Washington. "With malice toward none with charity for all. let us strive on to finish the work we are in. to do all which may achieve and cherish a just, and a lasting peace, among ourselves, and with all nations," Lincoln says.

March 25, 1865 - The last offensive for Lee's Army of Northern Virginia begins with an attack on the center of Grant's forces at Petersburg. Four hours later the attack is broken.

At Petersburg, Virginia, well supplied Union soldiers shown before Grant's spring offensive.

April 2, 1865 - Grant's forces begin a general advance and break through Lee's lines at Petersburg. Confederate Gen. Ambrose P. Hill is killed. Lee evacuates Petersburg. The Confederate Capital, Richmond , is evacuated. Fires and looting break out. The next day, Union troops enter and raise the Stars and Stripes.

A Confederate boy, age 14, lies dead in the trenches of Fort Mahone at Petersburg.

April 4, 1865 - President Lincoln tours Richmond where he enters the Confederate White House . With "a serious, dreamy expression," he sits at the desk of Jefferson Davis for a few moments.

April 9, 1865 - Gen. Robert E. Lee surrenders his Confederate Army to Gen. Ulysses S. Grant at the village of Appomattox Court House in Virginia. Grant allows Rebel officers to keep their sidearms and permits soldiers to keep horses and mules.

"After four years of arduous service marked by unsurpassed courage and fortitude the Army of Northern Virginia has been compelled to yield to overwhelming numbers and resources," Lee tells his troops.

General Lee surrendered in the parlor of this house.

Lee posed for this photo by Mathew Brady shortly after the surrender.

April 10, 1865 - Celebrations break out in Washington.

Final portrait of a war weary president - April 10, 1865

April 14, 1865 - The Stars and Stripes is ceremoniously raised over Fort Sumter. That night, Lincoln and his wife Mary see the play "Our American Cousin" at Ford's Theater. At 10:13 p.m., during the third act of the play, John Wilkes Booth shoots the president in the head. Doctors attend to the president in the theater then move him to a house across the street. He never regains consciousness.

April 15, 1865 - President Abraham Lincoln dies at 7:22 in the morning. Vice President Andrew Johnson assumes the presidency.

April 18, 1865 - Confederate Gen. Joseph E. Johnston surrenders to Sherman near Durham in North Carolina.

Funeral Procession on Pennsylvania Ave. - April 19, 1865

April 26, 1865 - John Wilkes Booth is shot and killed in a tobacco barn in Virginia.

May 4, 1865 - Abraham Lincoln is laid to rest in Oak Ridge Cemetery, outside Springfield, Illinois.

In May - Remaining Confederate forces surrender. The Nation is reunited as the Civil War ends. Over 620,000 Americans died in the war, with disease killing twice as many as those lost in battle. 50,000 survivors return home as amputees.

A victory parade is held in Washington along Pennsylvania Ave. to help boost the Nation's morale - May 23/24, 1865.

December 6, 1865 - The Thirteenth Amendment to the United States Constitution, passed by Congress on January 31, 1865, is finally ratified. Slavery is abolished.

Copyright © 1996 The History Place™ All Rights Reserved

Termos de uso: Casa particular / escola não comercial, não reutilização da Internet somente é permitida de qualquer texto, gráficos, fotos, clipes de áudio, outros arquivos eletrônicos ou materiais do The History Place.


1861–1865 : The Civil War and International Diplomacy

In 1861, eleven states seceded from the United States to form the Confederate States of America and, over the course of the next four years, the U.S. fought to bring the Confederate States back under control.

During the Civil War the Confederacy repeatedly sought international support for its cause, often calling upon foreign reliance on its cotton exports to obtain it. The Union, on the other hand, strove to prevent other nations from recognizing the Confederacy as a legitimate nation and from getting involved in the Civil War.

In an attempt to starve the Confederate economy and to cut it off from its international supporters, the Union engaged in a blockade of Confederate ports—a move that was of questionable legality in international law. Despite the Confederacy’s significant international commercial ties, the lack of definitive military victories for the South and the success of Union efforts to link the Confederacy with the institution of slavery ultimately prevented any of the European powers from officially recognizing or supporting the South.


The American Civil War 1861 1865

The American Civil war was fought between 1861-1865. This war is also known as the War Between the States. This war was the consequence of the eleven Southern slave states declaring their separation from the United States. These slaves had formed the Confederate States of America or the Confederacy, under the guidance of Jefferson Davis. The American Civil war was regarded as one of the earliest industrial wars.

The American Civil War 1861 1865

Background of The American Civil War

In 1860 Republican Party leader, Abraham Lincoln had won the Presidential elections. Within a year of Lincolns win six more Southern slave states declared their independence and joined the Confederates. Prior to the war, a Peace Conference in 1861 was held which proved futile to solve the slavery problems.

Lincoln suggested for the restoration of the bonds of the union but dismissed any possibility of negotiations with the Confederates as it was not a legitimate government. The forts under the control of the Union were Fort Monroe, Fort Sumter, Fort Pickens, Fort Jefferson and Fort Taylor. However, problems began in 1861 when the Confederates launched an attack on Fort Sumter. The Union had to surrender the fort. After the attack, the Confederates moved their capital to Richmond.

During the first year of the war, both sides engaged a large number of volunteers which were beyond their capacity to train for the war. The volunteers were encouraged or at times even forced to join the war. This was done by using a draft law known as Conscription. These draft laws were unpopular amongst the volunteers.

The Union suffered a major defeat in the First Battle of Bull Run wherein they were forced to return back to Washington D.C. The U.S.Congress in an effort to prevent more states declaring independence passed the Crittenden-Johnson Resolution. As per this resolution, the war was to preserve slavery and not end it.

The Eastern theater and the Western theater wars were fought between 1861-1863. The Battle of Antietam is regarded as the bloodiest day in the American history. The Battle of Gettysburg fought in 1863 was the bloodiest battle in the Eastern theater and was considered to be the turning point in this battle. The Union defeated the Confederates in the Eastern theater.

The Battle of Chickamauga was considered to be one of the deadliest battles in the Western theater wherein the Confederates emerged victoriously. The Union under the directions of Ulysses S. Grant captured the Forts of Henry and Donelson. The Battle of Shiloh and the Battle of Vicksburg gave the control of the Mississippi River in the hands of the Union. The Western theater ended with the defeat of the Confederates.

The U.S army under the direction of Commanding General Winfield Scot planned the Anaconda Plan to win the war against the Confederates. In 1861, Union blockade was declared in respect of the Southern ports. This directly hampered the economy of the Confederates. The Southern ports thrived on their export of cotton but after the blockade, King Cotton was dead as barely 10 % of the cotton could be exported. The blockade also affected the food supplies, railroads, there was a loss of control of the main rivers, the standard of living of the people fell drastically. All these problems led to inflation and by 1864 the internal food distribution had broken down.

In the early 1864 Grant, the commander appointed for all the Union armies realized that the only way to put an end to the on-going war was to completely defeat the Confederates. The victory of the Union was to be achieved by destroying the homes, farms, and railroads of the Confederacy. In short, to completely shatter their economy. Thus a strategy was planned to launch an attack on Confederacy from all sides.

The Union suffered heavy losses at the Wilderness, Spotsylvania and Cold Harbour but they were successful in forcing the Confederates to fall back repeatedly. The two armies were engaged in trench warfare for more than nine months in the Siege of Petersburg. General Philip Sheridan chosen by Grant to fight for the Union was successful in defeating Maj. Gen. Jubal A.

Early in many battles like the Battle of Cedar Creek. Sherman was also successful in defeating the Confederates and had claimed victory over the territory ranging from Chattanooga to Atlanta. Another important win for the Union was the Battle of Nashville. The Battle of Five Forks was the decisive battle in which the Union came out as winners. The Confederate capital was captured by the Union XXV Corps and the surviving units escaped to the west after the lost at Sayler’s Creek.

After this large scale loss, the Confederates realized that it was tactically and logically impossible to continue the war. In 1865, Confederate commander Lees army surrendered at the McLean House and after Lees surrender, the Confederates in the South also surrendered. This marked the end of the long war. However, on 14th April 1865, after the Confederates surrendered, Abraham Lincoln was shot.

He succumbed to his injuries the next morning. The war had resulted in the deaths of almost 3% of the country’s population. The number of casualties in this war is believed to be the same as the number of deaths in other American wars combined together.

The reconstruction work of the whole of the Union had begun during the war-time and continued until 1877. It was an attempt made to resolve the issues which had arisen as a result of the reunion. The main issue was the legal status of the states which had declared their secession. By the virtue of Emancipation Proclamation, almost all the Confederacy slaves were freed.

The slaves in the Border States and those in the previously occupied Confederate territory were released in 1865 by the Thirteenth Amendment. The reasons for the devastating war remain ambiguous even today. The positive aspect of this war was that slavery was abolished everywhere in America.


American Civil War September 1861

September 1861 saw further political pressure put on General McClellan to attack Confederate forces near to Washington. McClellan presented his plan of attack to Lincoln on September 27th 1861. McClellan contimued to resent the political pressure that was being put on him as he knew that if his plan failed he would be blamed for possibly losing the American Civil War for the North.

September 1 st : Union forces commanded by General Rosecrans tightened their hold on western Virginia.

September 2 nd : President Lincoln voiced his concerns with regards to the declaration of martial law in Missouri. He believed that it would turn away those in the state who were sympathetic to the Union.

September 3 rd : General Polk ordered Confederate troops into Kentucky. When war started, Polk was a bishop in the Episcopal Church but resigned from the Church because of its support of the Union.

September 4 th : Troops commanded by Polk seized Columbus, thus ending Kentucky’s attempt to stay neutral in the war.

September 5 th : Union troops commanded by Ulysses Grant prepared to move into Kentucky in response to the move made by Polk.

September 6 th : Union forces captured Paducah without bloodshed. This town gave the Union a large measure of control over the river systems that were vital to the region.

September 9 th : Lincoln was advised by numerous senior military figures to relieve General Frémont of his command in Missouri. Lincoln did not take this advice but appointed General David Hunter to assist Frémont.

September 10 th : The Confederacy appointed General Albert Sidney Johnston as commander of the Confederate Armies of the West.

September 11 th : Lincoln ordered Frémont to withdraw his order regarding property and slave confiscation in Missouri for anyone who voiced their support for the Confederacy. Lincoln ordered Frémont to come into line with the Confiscation Act passed by Congress. To emphasise his order, Lincoln sent Judge Joseph Holt to St. Louis to push Frémont towards moderating his stance.

September 12 th : Lee, with 30,000 men under his command, expected to fight a force led by the Unionist General Rosecrans at Meadow Bridge, western Virginia. However, at the last moment Rosecans changed his direction of movement and engaged a Confederate force at Cheat Mountain, comprehensively defeating them. Union losses were 9 dead and 12 wounded while the Confederates lost nearly 100 men.

September 14 th : ‘USS Colorado’ sank the ‘Judah’, which was attempting to break the Federal blockade on Southern ports.

September 15 th : Confederate forces continued their efforts to capture Lexington. 3,600 Union defenders faced 18,000 Confederate troops. Colonel Mulligan, the Union commander of Lexington, waited for reinforcements unaware that all his messages to General Frémont were being read by the Confederates.

September 16 th : Union reinforcements sent to Lexington were captured en route by the Confederates who knew their movements beforehand.

September 18 th : Having received supplies, including ammunition, the Confederates launched a major assault on Lexington. The Union defenders were cut off from their fresh water supplies by Confederate snipers.

September 19 th : Confederate forces captured the hills around Lexington thus making the city even more open to artillery attacks. An attempt to get supplies to the Union defenders via the river system failed when the Confederates captured the supply boats along with their supplies.

September 20 th : Lexington finally fell to Confederate forces. Along with 1,600 prisoners, the Confederates also found $1 million – the Union forces payroll. Frémont’s perceived failure to help the Union defenders at Lexington badly counted against him in Washington DC.

September 21 st : All the evidence pointed to the situation in Missouri descending into chaos. Law and order had broken down with murder a common offence, as was the destruction of property.

September 24 th : Frémont shut down a newspaper printed in St Louis that questioned his leadership during the siege of Lexington. The editor of the ‘St. Louis Evening News’ was also arrested.

September 27 th : McClellan responded to the public’s overwhelming desire for him to launch an offensive against Confederate forces near Washington. McClellan discussed his strategy with President Lincoln. McClellan based his future strategy on highly inflated figures regarding the strength of Confederate forces near the capital. He told Lincoln that there were 150,000 Confederate troops near Washington DC. In fact, there were probably no more than 50,000. The president was told that 35,000 men were needed to guard the city with a further 23,000 needed to guard the Potomac River. This left him with about 75,000 men to launch his campaign against Confederate forces. McClellan demanded a force of 150,000 men to give him parity with the perceived strength of the Confederates.

September 30 th : Great public pressure was put on Lincoln to give his backing to an attack on Richmond led by McClellan. The president had to balance public desires with what McClellan had told him about the size of the Confederate force near the capital.


Assista o vídeo: Guerra Civil AmericanaGuerra de Secessão resumo


Comentários:

  1. Lincoln

    Uma frase muito engraçada

  2. Yozshutilar

    Tudo está bem quando acaba bem.

  3. Timo

    sua opinião é útil



Escreve uma mensagem