Westminster School

Westminster School


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A Escola de Westminster foi originalmente anexada à Abadia Beneditina em Westminster. Foi refundada por Elizabeth I em 1560. Os 40 alunos da Queen's logo foram superados em número por meninos de fora da Fundação. William Camden foi nomeado diretor da escola em 1593. Os ex-alunos incluem: Robert Southey, Francis Burdett, o duque de Richmond e John Cam Hobhouse.


História escolar

Westminster é um antigo internato e escola diurna com um senso de localização único. Na verdade, é a única escola estabelecida há muito tempo que permanece em seu local original, no centro de Londres.

As origens de Westminster podem ser rastreadas até uma escola de caridade fundada pelos monges beneditinos da Abadia de Westminster. Sua existência contínua é certa desde o início do século XIV. Após a dissolução dos mosteiros em 1540, Henrique VIII assegurou pessoalmente a sobrevivência da Escola por estatuto. Elizabeth I, confirmada como mecenato real em 1560 e é celebrada como a Fundadora da Escola. Por várias centenas de anos, a Escola continuou a ser associada à Abadia de Westminster, formando uma fundação colegiada, até que a Lei das Escolas Públicas de 1868 deu independência à Escola.

Então, em 1943, a Escola ampliou seu escopo educacional com a formação do Under School, formando meninos de 7 a 13 anos. Inicialmente, ambas as seções da Escola compartilhavam um local, já que a Under School começou com apenas 17 meninos. No entanto, experimentamos um crescimento rápido e em 1950 estávamos educando 80 meninos, então, em 1951, garantimos nossas próprias instalações em Eccleston Square. Como o número de alunos continuou a aumentar durante os anos 60 e 70, tornou-se aparente que instalações maiores eram necessárias e em 1981 a Under School mudou-se novamente para seu local atual com vista para a bela Vincent Square, a maior praça de Londres, que permite oportunidades incomparáveis ​​no centro de Londres para praticar esportes ou apenas para uma hora de almoço relaxante e # 8217s descanso.

A escola se expandiu novamente por volta de 2000 e em 2011 se estendeu pela estrada, abrindo novos restaurantes e os magníficos estúdios de arte em George House e um novo teatro de última geração em Adrian House.

Em 2012, o enorme Centro Esportivo School & # 8217s foi inaugurado em Lawrence Hall, anteriormente um local da Royal Horticultural Society. Nossa expansão contínua mostra nossa determinação em fornecer aos nossos meninos as melhores oportunidades que pudermos.


História da Fundação United Westminster e Gray Coat

A United Westminster Schools 'Foundation surge da união em 1873 de quatro fundações antigas: Emanuel Hospital, fundado em 1594 por Lady Dacre St. Margaret's Hospital fundado em 1633 pela King Charles 1 Palmer's School, fundada pelo Rev. James Palmer em 1650 e Hill's Grammar School, fundada por Emery Hill em 1708. Em 31 de março de 2019, ela se fundiu com a Grey Coat Hospital Foundation.

Hospital Emanuel, foi associada à cidade de Londres, uma vez que sua governança e administração de suas propriedades estavam originalmente nas mãos do Lord Mayor e dos Vereadores de Londres. Houve forte resistência ao esquema, pois eles desejavam manter o controle geral da nova Escola proposta. Depois de duas passagens pelo Parlamento, o esquema recebeu o consentimento real em 26 de junho de 1873. Um acordo foi alcançado e as meninas do Hospital Emanuel foram transferidas para o Hospital Gray Coat e o Hospital Emanuel permaneceu um internato até que se mudou para seu novo local em Wandsworth em 1910. A escola continuou sendo uma escola para meninos do mesmo sexo até 1995, quando as meninas foram finalmente readmitidas. Outra mudança importante foi a decisão de cobrar taxas de alguns alunos (os alunos antes de 1879 eram educados gratuitamente). A escola tornou-se uma escola secundária voluntária para o período de 1944 a 1976, antes de voltar à independência.

Westminster City School é um sucessor direto do Hospital St. Margaret, da Palmer’s School e da Hill’s Grammar School.

  • O Hospital St. Margaret foi estabelecido para “Pobres meninos e meninas de tenra idade não podem apenasser totalmente alimentado com carne, bebida e vestuário, mas também ser instruído nas artes manuais ”. Foi concedida uma Carta de Incorporação por Charles 1 em 1633. Charles II fez uma doação para o Hospital de £ 50 por ano. O Hospital de St Margaret ficava no local da loja de departamentos House of Fraser, na Palace Street. A nova escola foi inaugurada com 100 alunos, mas o número aumentou rapidamente e em 9 de abril de 1877, foi inaugurada a United Westminster Schools (que mais tarde ficou conhecida como Westminster City School), que havia sido construída nos jardins do Hospital Emanuel na Palace Street em Westminster.
  • A Escola de Palmer foi fundada “Para ensinar e educar vinte crianças pobres do sexo masculino nascidas em St. Margaret’s Westminster”. Demorou 10 anos para atingir esse número de bolsistas e em 20 anos não havia mais meninos. Foi restabelecido em 1717 e novamente em 1816. Desta época até 1873, conseguiu manter seu quadro completo de alunos.
  • Hill’s Grammar School, embora fundada como um Almshouse em 1674 por Emery Hill, como “Uma escola gratuita para ensinar vinte crianças pobres de cidades, nascidas em Westminster”. O primeiro mestre, o Rev Wiseman Holt, foi nomeado em 1738 e morreu em 1767 sem aparentemente nunca ter matriculado um único estudioso. E assim as coisas permaneceram até 1817, quando 20 alunos foram matriculados. Eles não foram alojados no Almshouse construído para eles 100 anos antes e foram educados na Escola de Palmer por muitos anos. Na verdade, eles tinham suas próprias instalações e Mestre antes da reorganização em 1873.

A Westminster City School foi uma escola secundária para o período de 1944 a 1976. Em seguida, tornou-se uma escola abrangente e, em seguida, uma academia em 1º de julho de 2013.

Escola Sutton Valence foi fundada em 1576 como Free Grammar School de William Lambe em Sutton Valance, por William Lambe, Mestre dos Trabalhadores da Tecelagem e membro da Capela Real de Henrique VIII. Permaneceu sob o controle da Worshipful Company of Clothworkers até 1910, quando foi assumido pelo United Westminster Schools.

A Sutton Valence School era uma escola interna e externa para meninos que se tornavam coeducativos em 1980. A partir dessa data, ela foi intimamente associada à Escola Preparatória Underhill, que se tornou a Escola Preparatória Sutton Valence em 1995. Agora é uma escola diurna e interna coeducativa com alunos dos 3 aos 18 anos (545 na Escola Secundária e 270 na Escola Preparatória).


Nome da escola

Henley Tippins & # 3922 foi eleita a melhor jogadora de futebol do ano do Gatorade Georgia Girls.

Pela 20ª vez, Westminster ganhou o Regions Bank AAA Director & rsquos Cup após um ano de destaque que incluiu 10 campeonatos estaduais.

O coronel Ralph Puckett Jr., fundador do programa School & # 39s Discovery em 1980, recebeu a maior homenagem militar mais de 70 anos após seu ato heróico.

O time de golfe masculino do time do colégio atual campeão estadual venceu o campeonato estadual 2021 GHSA Class AAA.

Os meninos e meninas do time do colégio de atletismo tiveram exibições estelares no campeonato estadual, já que o time masculino foi coroado campeão estadual de classe AAA e o time feminino terminou em segundo lugar no estado.

Jonas Du & # 3921 fez o teste com sucesso como membro do All-National Honor Wind Ensemble.

Yash Kadadi & # 3921 e Sarah Lao & # 3921 foram reconhecidos como semifinalistas para o 2021 U.S. Presidential Scholars Program.

Os times universitários de tênis feminino e masculino conquistaram com sucesso os títulos da Classe AAA no campeonato estadual.

A Special Olympics designou Westminster como Unified Champion School, seguindo os esforços do clube estudantil Upper School & # 39s Play Unified.

Lauren James & # 3923 recebeu um convite para participar do Programa de Honras do Governador de 2021.

Vinte e cinco idosos representando 10 esportes assinaram cartas de intenção para continuar seus estudos e atividades esportivas na faculdade.

Onze alunos do ensino médio foram selecionados para a All-State Orchestra de 2021.

Temos o prazer de anunciar que o & ldquoWestminster Center, & rdquo com inauguração prevista para agosto, foi oficialmente denominado Barge Commons. O edifício homenageia a generosidade de Olivia e John & rsquo64 Barge, que fizeram um presente transformador para Westminster que impulsiona nosso plano de campus adiante.

Narrativa revista anunciada Sarah Lao & # 3921 é o vencedor do sexto concurso anual & quotTell Me a Story & quot da publicação & quot High School.

A equipe de robótica do Middle School vai competir no torneio virtual, que deve atrair equipes de dezenas de países.


Conteúdo

Antes da década de 1860, o local da atual escola era um cemitério público onde muitos dos cidadãos proeminentes de New Westminster foram enterrados. Muitos dos cidadãos que foram sepultados neste cemitério público pertenciam à comunidade chinesa e também aos sikhs e indígenas. [5] Após o desenvolvimento na década de 1870, os restos mortais dos enterrados foram transferidos para o Cemitério Fraser, localizado em outra parte da cidade. Durante a Segunda Guerra Mundial, a esquina da 10ª Avenida com a 8ª, onde fica a atual escola, foi alugada ao Governo Federal. O local serviu como quartel de soldados, usado para treinar e abrigar o Regimento Real de Westminster. Após a Segunda Guerra Mundial, o quartel foi transferido para a Universidade de British Columbia e o resto do cemitério foi demolido. Finalmente, em 1948, o pátio de obras públicas foi transferido e o local foi transferido para o New Westminster School Board para a construção de escritórios e uma nova escola secundária.

Em setembro de 1949, Vincent Massey Junior High foi inaugurado não oficialmente pelo Premier Bryan I. Johnson. Em 16 de dezembro de 1949, a escola foi inaugurada oficialmente. A escola foi nomeada em homenagem ao Meritíssimo Vincent Massey, o décimo oitavo governador geral do Canadá. A ala Pearson adjacente, em homenagem ao Honorável Lester Pearson, ex-primeiro-ministro canadense, abrigava a Escola Secundária Sênior antes de as duas se fundirem na atual Escola Secundária de New Westminster.

O programa NWSS International Baccalaureate (IB) é um curso de estudos pré-universitário, oferecido na NWSS desde 2000. [6] A escola oferece o Programa de Diploma (DP), o Programa de Certificação (CP) e um Programa Pré-IB não oficial . Todos os programas exigem uma entrada para exame, embora a entrada para exame nos programas de Diploma e Certificado não seja exigida se você passar do Programa Pré-IB. No NWSS, o Programa Pré-IB prepara os alunos para os rigores do Programa IB global, aumentando a dificuldade e a carga de trabalho dos alunos. O Programa Pré-IB contém um curso chamado RIM, ou Research in Motion. Este curso pretende dar aos alunos uma base na discussão de ética e tecnologia útil no programa de diploma. Inclui um trabalho de pesquisa conhecido como Projeto de Longo Prazo (LTP), imitável do Ensaio Estendido de 3.000 palavras concluído por candidatos ao Diploma.

A escola tem um programa de ESL para alunos cuja segunda língua é o inglês. Este programa é oferecido a muitos alunos internacionais. Um programa de imersão em francês inclui aulas ministradas exclusivamente em francês. Esta é a continuação do programa de imersão em francês tardio da Glenbrook Middle School. Neste programa, espera-se que os alunos falem francês na maioria das aulas e, ao concluí-lo, tenham fluência quase nativa.

Equipes esportivas Editar

A Escola Secundária de New Westminster tem mais de 16 equipes esportivas, incluindo:

  • Futebol americano (meninos juniores, meninos seniores)
  • Time de futebol (júnior, sênior)
  • Badminton (Junior, Senior)
  • Voleibol (Juvenil, Júnior, Sênior)
  • Basquete (Juvenil, Júnior, Sênior)
  • Cosom Hockey (todos)
  • Time de hóquei em campo (meninas)
  • X-Country (Junior, Senior)
  • Atletismo (Júnior, Sênior)
  • Equipe de torcida e dublês (todos)
  • Campo de Lacrosse (Júnior Sênior)
  • Luta Olímpica (Juvenil, Júnior, Sênior)
  • Corrida de carros (12ª série)
  • Tênis (todos)
  • Golfe (todos)
  • Tênis de mesa (todos, todas as idades combinadas)
  • Xadrez Extremo (todos)

O Distrito Escolar de New Westminster anunciou os planos para a substituição da Escola Secundária de New Westminster (NWSS). A NWSS continuará a ser a maior escola da Província de British Columbia com o maior e mais complexo projeto de construção da história da província.

O Ministro da Educação Mike Bernier veio a New Westminster na terça-feira, 7 de junho de 2016, para anunciar a tão esperada aprovação do financiamento para o projeto de substituição da Escola Secundária de New Westminster. A substituição de $ 106,5 milhões da Escola Secundária New Westminster será concluída perto do final do verão de 2020. Este orçamento de $ 106,5 milhões para a nova escola é o maior orçamento na história da Colúmbia Britânica a ser alocado para uma escola. [7] Após a sua conclusão, a nova escola abrigará mais de 2100 alunos da 9ª à 12ª série. A nova escola será projetada para atender aos padrões atuais de segurança, acessibilidade e aprendizado moderno. [8]


História

A Faculdade de Direito da Universidade de Denver abriu suas portas em 1892, estabelecendo as bases para a educação jurídica na fronteira da América e formando muitos dos advogados e juízes que construíram a estrutura jurídica de Mountain West.

Pioneira em meio a pioneiros, a faculdade de direito iniciou seu dispensário de assistência jurídica em 1904, criando o primeiro programa clínico do país. Um pioneiro no atendimento às populações indigentes de Denver, o dispensário teve várias encarnações antes de evoluir para os programas clínicos atuais da faculdade de direito. O escritório estudantil de direito treina estudantes de direito na prática do direito sob a supervisão de professores experientes, ao mesmo tempo que atende as comunidades carentes em defesa criminal, prática civil, questões de direitos civis, imigração e direito ambiental.

Westminster Law School

A Westminster Law School é uma parte importante da história da educação jurídica em Denver. Por 45 anos, desde sua fundação em 1912 até sua fusão com a Faculdade de Direito da Universidade de Denver em 1957, Westminster ofereceu o único programa noturno de estudo de direito de Kansas City até a costa do Pacífico. Quando a escola se fundiu com a Universidade de Denver, os termos incluíram nomear a biblioteca jurídica de Westminster Law Library e desenvolver um programa noturno, o precursor de nosso programa JD profissional de meio período.

1896 Mary Lathrop, graduada em Direito de Denver, a primeira advogada a ser admitida para exercer a profissão no Tribunal Distrital dos Estados Unidos do Colorado e no Tribunal de Apelações dos Estados Unidos

Lei de Denver e história da diversidade # 039s

A Lei de Denver refletiu a promessa de diversidade e inclusão desde sua primeira turma de 14 alunos. A aula inaugural de 1892 incluiu uma mulher, uma afro-americana e um estrangeiro do Japão. A primeira mulher a se tornar membro da Ordem dos Advogados do Colorado e de Denver e uma das duas primeiras mulheres admitidas na Ordem dos Advogados dos Estados Unidos formou-se em nossos corredores.

Durante o movimento pelos direitos civis, o reitor Robert B. Yegge criou um programa de verão para aumentar o acesso à educação jurídica entre latinos e outras pessoas de cor, uma iniciativa financiada pela Fundação Ford. Com base nesse modelo de sucesso, a American Bar Association e a Association of American Law Schools estabeleceram o Council on Legal Education Opportunity (CLEO) em 1968.

1941 Denver Law contrata Helen Thorp, a primeira professora de direito em tempo integral do país

Adotando o nome Sturm

Em setembro de 2004, após o recebimento de um generoso presente de US $ 20 milhões do graduado em Direito de Denver Donald L. Sturm, LLB'58, e sua esposa, Susan M. Sturm, a Faculdade de Direito da Universidade de Denver tornou-se a Faculdade de Direito Sturm. O presente foi a maior doação individual na história da faculdade de direito e um dos maiores presentes da Universidade de Denver até hoje.


& ldquoConcluímos sustentando que as alegações da denúncia (petição) foram estabelecidas o suficiente para justificar medidas cautelares contra todos os réus, restringindo novas práticas discriminatórias contra os alunos de ascendência mexicana nas escolas públicas dos distritos escolares dos réus. & rdquo

& mdashJudge Paul McCormick

Mendez et al v. Westminster School District of Orange County et al (1946) é um caso de tribunal histórico sobre a segregação racial no sistema de escolas públicas da Califórnia. O Tribunal de Apelações do Nono Circuito decidiu que era inconstitucional e ilegal segregar estudantes mexicanos-americanos à força, focalizando a ascendência mexicana, a cor da pele e o idioma espanhol. Este caso forjou uma fundação que sustenta a Cláusula de Proteção Igualitária da 14ª Emenda, fortalecendo assim a decisão histórica da Suprema Corte em Brown v. Conselho de Educação em 1954, que considerou a segregação racial em escolas públicas inconstitucional.

Em 1945, o Westminster Elementary School District, todo branco, rejeitou Sylvia Mendez, de nove anos, e seus irmãos por causa de sua aparência e ancestralidade mexicana. Legalmente, o censo classificou os mexicanos-americanos como racialmente & ldquowhite & rdquo com base em uma designação no Tratado de Guadalupe Hidalgo (1848). No entanto, as escolas na Califórnia começaram a criar escolas mexicanas separadas a pedido de pais brancos na década de 1930. Na época, os migrantes mexicanos-americanos haviam se estabelecido como uma grande população minoritária após a Revolução Mexicana (1910-1920). James Kent, o superintendente de um dos distritos defensores, afirmou que “as pessoas de ascendência mexicana eram intelectualmente, culturalmente e moralmente inferiores aos europeus americanos”. O juiz Paul McCormick descobriu que esses argumentos não justificavam a segregação das escolas. Sua decisão estabeleceu que “o objetivo claro da segregação pelos distritos escolares era discriminar os alunos de ascendência mexicana”, afetando cerca de 5.000 estudantes mexicano-americanos em quatro distritos escolares.

Os processos judiciais civis precedem contextualmente o caso Mendez. Um exemplo importante é o People v. Zamora (1944). Neste maior julgamento em massa da história da Califórnia, o promotor usou a aparência do jovem como parte de sua prova para sua condenação. Dezessete réus latinos foram considerados culpados de agressão, homicídio de segundo grau e / ou homicídio de primeiro grau, depois que o Departamento de Polícia de Los Angeles deteve mais de seiscentos jovens mexicano-americanos.


Boletim informativo diário das manchetes do Condado de Carroll

Mas é em momentos como este que nos perguntamos por que os edifícios das antigas escolas nos campi universitários são respeitados, reverenciados e muitas vezes salvos com grande orgulho. No entanto, prédios de escolas públicas mais antigos, pelos quais muitos contribuintes fizeram enormes sacrifícios para pagar com dólares arduamente ganhos e vendas de bolos, são simplesmente descartados pelo governo como embalagens de doces usadas depois de não ser mais conveniente usá-los e mantê-los.

Gerações após gerações ficarão tristes se o antigo prédio da Westminster High School de 1936 for fechado. Especialmente porque, no passado, os governos locais e estaduais desenvolveram uma péssima reputação de demolir velhas estruturas públicas históricas por incompetência e negligência deliberada. (Mais uma vez, nos últimos anos, sob a atual liderança da equipe do condado, há exemplos no condado de reutilização adaptativa bem-sucedida das estruturas antigas.)

É simplesmente inescrupuloso permitir que um edifício que já foi o vibrante centro social, emocional e econômico de uma comunidade morra e apodreça no meio dessa comunidade.

No entanto, os funcionários públicos fazem isso o tempo todo. Eu acho que eles não podem ver de sua casa.

Só podemos esperar que, se os velhos prédios públicos históricos forem fechados, que conversas simultâneas estejam ocorrendo para reutilizar as estruturas para o benefício da comunidade em geral.


História de Westminster

Westminster foi fundada em 1764 por William Winchester da Inglaterra. William Winchester nasceu em Westminster, Inglaterra, em 22 de dezembro de 1711 e chegou a Annapolis, Maryland em 1731 como um servo contratado. Ele faleceu em 2 de setembro de 1790.

Ele se estabeleceu como fazendeiro em "Dug Hill", hoje conhecido como Manchester, que na época ainda fazia parte do condado de Baltimore. Ele havia se mudado para lá vários anos depois de cumprir com êxito suas obrigações como servo contratado do Dr. George Buchanan.

Em 22 de julho de 1747, Winchester casou-se com Lydia Richards, filha de um quacre de nome Edward Richards. Posteriormente, a família Richards também se casou com uma das famílias fundadoras de Hampstead, localizada ao longo da estrada Patapsco - Conewago, no atual condado de Carroll. Isso resultou nos fundadores das três comunidades nascentes, Westminster, Manchester e Hampstead, casando-se entre si.

Enquanto ainda vivia em "Dug Hill", Winchester comprou um pouco mais de 167 acres localizados em Patapsco Falls e Little Pipe Creek em 19 de julho de 1754 por 150 libras. Esta parcela foi concedida pela primeira vez a John White em 1733 e foi chamada de "Nível de White".

Para obter mais informações, vamos para "Carroll County Maryland - A History 1837-1976" de Nancy Warner. Várias das concessões de terras originais que seriam posteriormente incluídas na cidade de Westminster foram: "'White's Level,' 169 ½ acres, para John White em 1733, 'Fanny's Meadow,' para James Wells em 1741 'Bond's Meadow,' 1.915 acres, para John Ridgely, e 'Brown's Delight,' 350 acres para George Brown, ambos em 1753. "

Foi neste período de tempo, 1731, que o Dr. Charles Carroll, (1737-1832), um signatário da Declaração Americana de Independência e homônimo do condado de Carroll, pressionou o governador de Maryland, Samuel Ogle, para que a redução de impostos, construção de estradas e negócios agrícolas o estímulo encorajaria o assentamento da área agora conhecida como condados de Carroll e Frederick.

Pode ser interessante para muitos saber que até 1748, esta parte de Maryland que incluía o Nível de White ficava no condado de Prince George. O condado de Frederick não foi formado a partir do condado de Prince George até 1748 e o condado de Carroll foi subdividido dos condados de Baltimore e Frederick em 1837.

Winchester serviu na guerra francesa e indiana em 1757 e apoiou ativamente a Revolução Americana. Em 1764, Winchester originalmente chamou sua comunidade planejada de "Cidade de Winchester".

A comunidade mudou seu nome para Westminster em 1768 porque a correspondência era muitas vezes entregue por engano na vizinha Winchester, no condado de Frederick, Virgínia.

Em 1764, Winchester localizou Westminster em uma das três principais rotas com destino ao oeste no que hoje conhecemos como Condado de Carroll. Hoje, essas rotas são conhecidas como Rota 30, Rota 140 e Rota 26. Essas estradas foram essenciais para a expansão econômica da colônia incipiente de Maryland.

Winchester formou Westminster em um ponto de viagem de um dia - 10 milhas - entre Reisterstown e Taneytown. Isso levou Westminster a estabelecer rapidamente hotéis, restaurantes e lojas de suprimentos.

Winchester construiu uma casa em 1760 no que hoje é a Stoner Avenue. Ele também ajudou a construir a primeira igreja de toras da cidade, que ficava perto do antigo cemitério no final da Church Street, que agora é conhecida como Union Meeting House de Westminster.

Até que um governo municipal formalmente organizado fosse adotado em 1818, a Union Meeting House e seu conselho de curadores eram utilizados como um "corpo governante" para os primeiros colonos.

Alguns historiadores acreditam que a estrutura de toras foi construída por volta de 1790, mas existem inúmeras referências a uma estrutura já em 1760, 4 anos antes do fundador da cidade, William Winchester desenhou uma planta para o que era então conhecido como "Cidade de Winchester", agora conhecida como Westminster.

Atualmente, é bem aceito que a comunidade de Westminster iniciou o Cemitério de Westminster utilizando o terreno de 1/2 acre ao redor da Union Meeting House como cemitério em 1790.

Acredita-se que o primeiro sepultamento no que hoje conhecemos como Cemitério de Westminster seja o de Christian Yingling, que morreu em 24 de janeiro de 1790. Embora uma instituição de pesquisa de história bem respeitada diga: "O solo ao redor dele já havia sido usado como cemitério como 1707. "

Isso é apoiado, em parte, por uma referência em "Carroll County Cemeteries, Vol. Five Part Three Westminster Cemetery", publicado em 2004 pela Carroll County Genealogical Society. Historiadores genealógicos notáveis ​​Ann P. Horvath, Harold Robertson e Mary Ann Ashcroft chamam nossa atenção para a "História de Scharf do Oeste de Maryland, Volume II", que afirma que "o cemitério original da cidade estava localizado nas proximidades, mas foi abandonado quando este começou."

"A Westminster General Meeting House" foi mencionada em um ato para incorporar um conselho de curadores pela Assembleia Geral de Maryland em 24 de maio de 1813. Foi originalmente construída como um local para reuniões da comunidade e servia como uma casa de culto por vários " Denominações protestantes que precisavam de um local de culto durante os primeiros anos de Westminster ", de acordo com" Carroll County Cemeteries ".

O folclore conta a história do poço em Westminster que nunca secou - a "Lenda do Poço de Deus", durante uma terrível seca em Westminster no final dos anos 1700, logo após William Winchester fundar nossa comunidade em 1764.

Um desfile de 1939, "A Casa Que Jacob Construiu", conta a história. O desfile começa, "Um verão no final do século XVIII, quando Westminster foi afetado por uma terrível seca, todos, exceto dois poços na vila de cerca de 100 almas secaram. Os 2 eram da família Winchester e do Inn Keeper Shilling . Squire Winchester, fundador da aldeia, finalmente convocou uma reunião de emergência na casa de reunião da União. "

De uma excelente história abrangente da propriedade Sherman-Fisher-Shellman no site da Sociedade Histórica do Condado de Carroll, deduz-se que o título do concurso, a "Casa que Jacob construiu" se refere ao fato de que 206 East Main Street foi construída em torno 1807 por Jacob Sherman, que viveu de 1756 a 7 de julho de 1822. Diz-se que ele falava alemão, mas conjeturou que "quase certamente aprendeu inglês".

No entanto, o que torna a lenda verossímil é que, quando Jacob Sherman se aposentou da pousada, comprou a propriedade de William Winchester Jr. (1750-1812), filho do fundador de Westminster, e construiu a casa que agora vemos….

A lenda recita que na reunião de emergência da cidade, Inn Keeper Shilling "surgiu com a seguinte sugestão: Vizinhos, esta é uma crise séria. Que temos uma fome de água que ninguém vai negar. Vagões de imigrantes (sic) passam com multidões todos os dias e todas as noites. Se compartilharmos com aqueles que não têm direitos sobre nós, Deus sabe quando seremos deixados para morrer miseravelmente de sede. Fecharei meu poço e compartilharei apenas com nossos aldeões. "

Com isso, Inn Keeper Shilling ergueu uma placa em seu poço, que dizia: "Somente os aldeões permitem água deste poço, 6 pence o balde."

A história do concurso reflete: "Imediatamente Elizabeth Winchester se levantou para falar por si mesma e por sua irmã Lydia. Vizinhos, vocês perderam a confiança no Todo-Poderoso que ousam negar às Suas criaturas a água que Ele proveu para elas. A água pertence a Deus. Ele sozinho pode suprir ou reter e Aquele que notar a queda do pardal não o negará àqueles que O amam e confiam nele. "

Ela então colocou uma placa "no jardim de Winchester (que) dizia: Água pertence a Deus. Grátis para todos." De acordo com a lenda, logo depois, o poço de Inn Keeper Shilling "secou e ele também teve que se juntar à longa linha de almas sedentas que vieram para o poço Winchester".

Os primeiros colonizadores de Westminster foram predominantemente alemães e escoceses-irlandeses que se mudaram do sul da Pensilvânia para a área de Westminster. Nesse período, a questão dos imigrantes vindos dessas duas colônias vizinhas - alemães do norte da Escócia do oeste e irlandeses do sul - era motivo de grande preocupação.

Na verdade, a língua alemã permaneceria como uma língua proeminente para a grande maioria dos condados de Carroll do norte até meados de 1800, enquanto o inglês era a língua dos condadores de Carroll do sul. Westminster permaneceu na confluência dessas três principais influências culturais.

Grande parte da indústria inicial era a agricultura, curtumes, bancos e uma grande variedade de comerciantes e artesãos. Hotéis e restaurantes também eram uma parte importante do comércio local, que atendia aos viajantes que se dirigiam para o oeste até o final de 1800.

De acordo com "What Ever Happened to our Hotels", escrito pela ex-curadora da Sociedade Histórica Lillian Shipley em setembro de 1971, apenas "na virada do século (20) Westminster tinha 7 igrejas, 7 hotéis e 18 bares".

"Os hotéis (eram o) East End ou East End, o Tribunal Principal, o Central, o Westminster (Charles Carroll Hotel,) o Albion, a Montour House e o Anchor."

Originalmente, Westminster estava situado na linha divisória entre os condados de Frederick e Baltimore. Em 1837, o condado de Carroll foi criado a partir de partes dos condados de Frederick e Baltimore.

Westminster foi originalmente constituída em 1818, o que previa que a comunidade fosse governada por um burguês e 6 comissários eleitos anualmente:

"o burguês e seis comissários da referida cidade, que serão seus habitantes, maiores de vinte e cinco anos de idade e possuidores de bens imóveis na referida cidade, a eleição a ser realizada na parte mais central da referida cidade, e as urnas ficar aberto das nove horas da manhã às duas da tarde. "

A carta estipulava que "os referidos comissários se reunirão para tratar dos negócios da cidade pelo menos três vezes por ano. (S) os comissários de ajuda devem delimitar os becos da cidade".

Declarou ainda que "os referidos comissários terão plenos poderes e autoridade para promulgar e aprovar todas as leis e decretos para preservar a saúde da cidade, prevenir e remover incômodos para impor e multas, penalidades e confiscos apropriados, pela violação de seus estatutos. leis ou decretos para estabelecer e cobrar impostos para abrir e estender as costas e vielas transversais necessárias da referida cidade, desde que os referidos impostos não excedam vinte centavos em cada cem dólares de propriedade tributável em qualquer ano, que eles podem cobrar à medida que os impostos do condado são recolhidos, por pessoas como o burguês pode considerar adequado nomear todos os decretos e regulamentos a serem assinados pelo burguês.

(S) os comissários de ajuda, ou a maioria deles, terão o poder de nomear seu próprio escriturário e atribuir-lhe suas funções, e também de permitir-lhe um salário, a seu critério, não excedendo a soma de vinte dólares por ano ...

"Que todas as ordenanças aprovadas pelos referidos comissários por seu escrivão sejam registradas em um livro a ser mantido por ele para esse fim, e devem estar abertas em todos os momentos para a inspeção de qualquer pessoa, e cópias das referidas ordenanças devem ser colocadas em os locais mais públicos da referida cidade onde o mesmo se possa divulgar…

"Que nenhum decreto da referida corporação imporá uma multa de mais de dez dólares por qualquer delito."

A incorporação de 1818 também consolidou três cidades vizinhas em uma cidade chamada Westminster: Westminster, New London e Winter's Addition to Westminster.

Desde a incorporação inicial aprovada pela Assembleia Geral de Maryland no Capítulo 128, Atos de 1818, por meio de uma incorporação subsequente em 1830, até 1856, Westminster teve uma forma de governo de Burgess e Comissário. O primeiro "prefeito" da cidade de Westminster foi Francis Shriver, que serviu de 1856 a 1858.

Of note is that Westminster was not recognized a "city" until the 1838 charter - incorporation was amended by Chapter 335 of the Acts of the Maryland General Assembly of 1856, which re-characterized the municipality as a "city" and changed the titles of the elected officials to Mayor and Common Council of Westminster.

A mayor and common council form of government is different from a burgess and commissioner government. A mayor is recognized as the chief executive officer of the community government whereas the office of burgess was originally the title of the municipality’s representative to the state legislature.

The town was governed by commissioners who divided the various functions and responsibilities of the community among themselves, whereas a council is the legislative branch that oversees persons appointed to take care of the tasks originally performed by commissioners.

A portion of Green Street, between Center and Washington Road was the city’s first annexation in 1788. It is considered to be one of five key "boroughs" – or towns - that were eventually consolidated to form Westminster.

An October 15, 1964 newspaper history of Westminster called them "hamlets:"

"Five hamlets made up the present Westminster. The Westminster of 1764 ran along King's Street (now Main Street) from Manchester Road to Court Street.

"In 1775, New London was added to the original Westminster. This hamlet included that area along King's Street from Court Street to Longwell Avenue.

"Another addition to the town was made in 1788 along Green Street from Washington Road to Church Street.

"Bedford, along Main Street from Longwell Avenue to near John Street, was added in 1812.

"In 1825, Logsdon's Tavern land was included along Main Street from Carroll Street to the junction of the Taneytown, New Windsor, and Uniontown Roads and along Pennsylvania Avenue to Union Street."

It took many years for the various individual hamlets to gel together as a community. On August 8, 1924 the editor of the long defunct Westminster newspaper, the "American Sentinel" wrote an article about the renaissance of the area on the west end of Westminster known as "The Forks" – where West Main Street and Pennsylvania Avenue divide.

The article also provides us with the additional insight that "For quite a number of years before the Civil War, Westminster was divided into three distinct settlements known as 'Dead End,' (the original 1764 Westminster,) 'The Forks,' and 'Irishtown'."

The area we now know as the intersection of Union Street and Pennsylvania Avenue "received the name of 'Irishtown'," the 1924 newspaper article elaborated:

"(B)ecause prior to the Civil War three brothers, Dennis, James, and Terence Boylan, who came here from Ireland and helped build the Western Maryland Railroad from near Glyndon to Westminster, built themselves modest homes on the then sparsely settled part of what is now Pennsylvania avenue."

According to the Historical Society of Carroll County a copy of The Westminster Chronicle and Weekly Advertiser, vol. I No. 17 provides us with information about the first election in Westminster under the 1818 charter.

"The paper bears date "Westminster, Frederick County, (MD.) Friday, March 26, 1819. The paper is about quarter the size of (today's version of a newspaper, and was published by William B. Burke at $2 per annum…

"A communication, signed many voters, gave notice that on the 1st Monday of April the following gentlemen would be voted for:-For Burgess, John Fisher for Commissioners, Ludwig Wampler, Jacob Sherman, Jacob Frenger, Isaac Shriver, John C. Cockey and Jacob Yingling… Isaac Shriver gave notice that the annual election of Trustees for the Westminster general meeting house would be held on Easter Monday."

The year after Carroll County was formed in 1837 Westminster was re-incorporated and made the county seat because of the aggressive advocacy of its citizens and because of Westminster's central location.

Westminster also saw Confederate cavalry pass through three times during the American Civil War and Union Troops twice. On June 29, 1863, Captain Charles Corbit led Companies C and D, First Delaware Cavalry, against General J.E.B. Stuart's Cavalry Division.

Though repelled by overwhelming force, the attack, now known in history as "Corbit's Charge", delayed General Stuart's troops and was a factor in his failure to reach Gettysburg Battlefield before July 2. Some historians note that this delay turned the tide of the Battle of Gettysburg against the Confederates and led to their ultimate defeat in the American Civil War.

Carroll County is the birthplace of Methodism in American and is near the home of Francis Scott Key, the author of our national anthem. The first countywide rural free delivery of mail started in Westminster in the late 1890s.

Today, Westminster is an exciting community of approximately 18,429 citizens.

It has grown from its humble beginnings of .745 square miles to its current size of 6.3829 square miles

It is located strategically in the rolling countryside foothills of the Blue Ridge Mountains, 30 miles northwest of Baltimore, Maryland and 60 miles north of Washington, D.C.

Westminster is the county seat of Carroll County and is located in the middle of the county.

Carroll County is a thriving county of approximately 174,868 citizens. Approximately one-third of Carroll County's population is located within the city limits of the eight municipalities scattered throughout the county. As with the State of Maryland, Carroll County has a strong tradition of municipal government.

Westminster is governed by a Mayor and a Common Council - consisting of five citizen city council members. The Mayor and City Council Members serve staggered elected terms of 4 years each.

Today, the day-to-day operations of the municipality are administered by a "city administrator" form of government. The city administrator is assisted by key department heads: a Police Chief, a Finance - Personnel Director, a Planning and Public Works Director and a City Clerk.

The day-to-day functions of the city are performed by a full time staff of 150 employees, including 43 police officers.

Westminster and Carroll County have a high quality of life with ample access to recreation, places of religious worship, meaningful employment, high quality schools, low crime and a hard working, family oriented population. Many European visitors have compared Westminster to Vienna, Austria because of its close proximity to nearby farms and forests.

Westminster has a strong tradition and emphasis on education. At one end of Westminster is located McDaniel College, formally known as Western Maryland College until it changed it's name under the leadership of President Joan Devlin Coley in May of 2002. McDaniel College is a nationally ranked liberal arts college which was chartered in 1868. McDaniel College presently has 1,500 undergraduate students and 3,000 graduate students.

At the other end of town is Carroll Community College which began in 1974 and presently serves over 10,000 students in credit and noncredit, continuing education courses each year.

Until recently, agriculture was one of Carroll County's economic mainstays. Today, farming and agriculture continues to be the number one industry in Carroll County and remains a very important and vital part of the economy, but increasingly service industry and retail activity have gained economic importance.

Carroll County's 3,750 businesses employ approximately 38,000 workers. There are approximately 60 businesses that have 100 or more workers. Major employers in the County include government, English American Tailoring, Ingersoll-Dresser, Knorr Brake, Lehigh Portland Cement, Marada Industries, Northrop Grumman, Random House, Carroll Lutheran Village, and Sweetheart Cup Company, Inc.

It is truly an exciting time to be a part of the cultural, economic, and political structure of the growing and exciting community of Westminster.


Prisons and historic palaces that once stood in London

You won’t believe the buildings that once stood in the very heart of the city!

London has expanded and altered much over the course of its existence and continues to do so and many old and wonderful historical buildings have thankfully remained. Sadly though, many more have also been lost and are little known about. Passing by some of the city’s well known and now sometime lesser interesting places it is fascinating to think about what once stood there. Here are just some of London’s lost buildings. Some more pleasant than others.

Baynard’s Castle

Baynard’s Castle circa 1200s

Named after the nobleman Ralph Baynard who arrived in London following the Norman Conquest, this long-lost London fortification was situated by the River Thames at Blackfriars. Scant clues remain of its existence but if you were to glance up at the nearby street signs you would discover Castle Baynard Street nearby, a modern-day reminder of what once proudly stood at the site. King John had the castle demolished in 1213 but a grand mansion house was later built a short distance from the site. The royal house of York made use of the building, basing themselves there when in London during the lengthy Wars of the Roses, with Edward IV being crowned there.

The building later came into the hands of Henry VII when he took the crown from Yorkist King Richard III at the Battle of Bosworth Field in 1485. The new king then had it reconstructed into a royal residence.

King Henry III later gifted the residence to his first wife Catherine of Aragon as a wedding present. The Earl of Pembroke the brother of Henry’s sixth and final wife Catherine Parr, came to own the building after the king’s death, and it passed through various hands until like many other buildings, it was destroyed in London’s Great Fire of 1666. Today, office buildings occupy the site.

Montfichet’s Castle (or Tower)

Montfichet’s Castle – artist impression

This little known castle was the near neighbour of Baynard’s Castle. Another Norman fortress, it was situated on Ludgate Hill midway between where St Paul’s Cathedral and Thameslink station now stand. Earliest recordings of the castle date back to the 1130s and it is thought that it was constructed late in the 11 th century. During the revolt against King Henry II by his wifeEleanor of Aquitaine and their three sons, the castle’s defences were strengthened.

King John was also responsible for the demolition of this castle in 1213 and the site was later sold off to accommodate Blackfriars Priory. Waste pits and the remnants of ditches were uncovered in the 1980s when excavations were carried out by The Museum of London. It is also said that the Old Bailey was so named after the fort’s Bailey wall.

The Savoy Palace

Savoy Palace – Credit: Wikipedia

Savoy Palace was said to be the very grandest house of the nobility during in the middle ages. Sited on the Strand beside the River Thames, this fine edifice was in what was even then a prime location, away from the stench of the City of London and approaching the grand Palace of Westminster. John of Gaunt owned the palace and when he introduced a very unpopular poll tax in 1381 the uprising that ensued known as the Peasants Revolt, brought about the destruction of the building. The building and its contents were burned, smashed or simply tossed into the Thames by the unhappy mob.

Canterbury Tales creator Geoffrey Chaucer also began penning the famous works whilst living there as a clerk.

Later in 1512, Henry VII had a hospital erected on the site. The Savoy hospital for the poor and needy was said to be the first to employ medical staff on a permanent basis. Later still in 1642, the site became a military hospital then later still a barracks in 1679. It was destroyed by fire in 1779 when a prison had also come to be situated there.

Today the Savoy Hotel and Savoy Theatre occupy the site and take their names from it.

Millbank Penitentiary

Millbank Penitentiary – Credit: Wikipedia

Strolling past or visiting the Tate Britain today, most of us would likely have no idea about the notorious prison that was once sprawled across the site, its neighbouring art collage and a pleasant large housing complex in the quiet leafy streets nearby. Millbank Prison was vast.

Opened in 1816, the prison was purchased by the philosopher and social reformer Jeremy Bentham on behalf of the Crown. The first arrivals were initially women, with men subsequently being incarcerated at Millbank from 1817. Those deemed to be likely candidates for reform were given five-ten year sentences in the institution which was said to be a dreadful place, rife with disease and abject misery. Others were sent from there to great hulks on the Thames, from where they were transported to Australia.

There are far more clues to the existence of this Thames-side prison if one knows where to look, than that of other lost buildings of London. Behind the Tate Britain is a low segment of wall, incorporated into the modern-day wall yet much older and somehow out of place, thought to have surrounded the site, as well as the remnants of the moat to the rear of a residential building which once encircled the prison. It is now used by local residents for growing herbs and hanging out washing to dry. Excavations beneath the art college uncovered some of the prison’s cells and the nearby Morpeth Arms public house claims to have cells remaining in its cellar. There is also a belief that the Victorian redbrick Millbank housing estate was constructed from bricks recycled from the penitentiary. However, this is most unlikely since it well known that the prison was constructed of yellow brick, some of which have been discovered on the Thames foreshore close by, along with buttons bearing a symbol of the Crown, which are thought to be from the uniforms of the prisons officers who worked there, possibly coming loose as they escorted prisoners to waiting hulks in the Thames. Also a stone’s throw away in tranquil St John’s public gardens on Horseferry Road, lays quite out of sight the decaying gravestone of one of the prison’s Governors. A reminder that history lies all around us, yet is so often unseen or unnoticed.

Newgate Prison

Newgate Prison – Photo credit: peterberthoud.co.uk

So named because it was originally built into London’s old Roman wall, this hellish prison came to be when Henry II instigated legal reform giving the Crown more authority in administering justice. Newgate was rebuilt several times from the 12 th century onwards until its demolition in 1902. Infamous for its horrific conditions, after a rebuild in 1782 the prison comprised of two main divisions, a common general section which housed societies poorest and most destitute and more comfortable state accommodation for those who could pay for it. Newgate was also the site of London’s public gallows, they having been relocated from Tyburn at modern day Marble Arch. Up until 1868, the execution of prisoners drew large crowds but after this time condemned men and women went to meet their maker from within the prison walls. Today we know the site better as the Central Criminal Court, or even better still as the Old Bailey but remnants of the prison do remain. In Amen Court to the rear of the present-day court building, you will find what survives of Newgate prison wall. Additionally, the prison bell which rang out when an execution was imminent, can be found a short distance away in St Sepulchre’s church.


Assista o vídeo: Westminster Saturday Sessions: Cipher


Comentários:

  1. Sproule

    Peço desculpas, mas me ofereço para seguir outro caminho.

  2. Taut

    Sinto muito, mas na minha opinião você está errado. Proponho discuti-lo. Escreva para mim no PM, ele fala com você.

  3. Hanan

    New items are always cool !!!

  4. Cuong

    Nada mesmo.

  5. Redding

    E poderia ser reformulado?

  6. Erymanthus

    Não posso participar agora da discussão - está muito ocupado. Serei liberado - necessariamente expressarei a opinião.

  7. Thao

    Absolutamente concordo com a postagem anterior



Escreve uma mensagem