A Senhora de Arlanpe, a primeira Vênus da Península Ibérica

A Senhora de Arlanpe, a primeira Vênus da Península Ibérica


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Várias escavações realizadas entre 2006 e 2011 na caverna de Arlanpe (Biscaia) deram frutos e permitiram localizar o que até agora se considera ser o único exemplar encontrado de arte paleolítica com gravações de representações femininas na Península Ibérica.

A descoberta foi publicada no Oxford Journal of Archaeology graças a diversos investigadores, entre os quais está Joseba Ríos Garaizar, arqueóloga pertencente ao Centro Nacional de Investigação em Evolução Humana de Burgos, que explicou alguns pormenores do achado.

A descoberta foi feita em 2011, pesa cerca de 70 quilos e apresenta gravuras de figuras femininas esquemáticas, onde uma delas era chamada de Senhora de Arlanpe devido ao nome da caverna. Nele você pode ver o tronco, pernas, braços e cabeça, as demais figuras são apenas um esboço.

Esta descoberta remonta a Ocupações de Madalena, cerca de 17.500 anos atrás e até agora nenhuma imagem deste tipo foi encontrada na Península Ibérica, então é um exemplo completamente único, já que é algo que está em plena conformidade com as representações femininas tradicionais do período Magdaleniano da Europa Central e desta área do continente.

Como afirmou Garaizar, o achado é verdadeiramente relevante visto que permite ligar a região da Cantábria a locais como a Aquitânia e os Pirenéus. Da mesma forma, e anteriormente, diferentes vínculos com outros tipos de manifestações artísticas foram documentados, como o tradicional bisão que todos conhecem de muitas das cavernas em toda a Espanha, especialmente no norte.

As representações encontradas em Arlampe Estão entre alguns dos mais antigos do seu género, o que dá mais peso à hipótese de que esta classe de símbolos se originou na região franco-cantábrica e que acompanhou as diferentes populações que se espalharam pelo Norte da Europa. no final da última idade do gelo.

Do mesmo modo, com esta descoberta é possível alargar ainda mais a área de distribuição destas figuras para o norte da Península Ibérica, algo que confirmaria a unidade cultural mantida na região franco-cantábrica durante o período magdalenense.

Sem dúvida, é um grande achado que terá que ser investigado mais a fundo conforme eles garantiram e revelará muito mais informações do que as disponíveis até agora.

Depois de estudar História na Universidade e depois de muitos testes anteriores, nasceu Red Historia, um projeto que surgiu como um meio de divulgação onde você pode encontrar as notícias mais importantes da arqueologia, história e humanidades, bem como artigos de interesse, curiosidades e muito mais. Em suma, um ponto de encontro para todos onde possam compartilhar informações e continuar aprendendo.


Vídeo: A Evolucao da Escultura: da pedra à tecnologia.


Comentários:

  1. Remy

    Esta variante não chega perto de mim. As variantes ainda podem existir?

  2. Deakin

    Desculpe, gostaria de sugerir uma solução diferente.

  3. Giollanaebhin

    Eu acredito que você está errado. Vamos discutir isso.



Escreve uma mensagem